Anda di halaman 1dari 3

EE PROF° ADRIÃO BERNARDES

REF.: PLANO DE CARREIRA - COMUNICADO N° 300/2011


ASSUNTO: PLANO DE CARREIRA

Os professores desta unidade escolar ficaram cientes do Comunicando SE de 11.02.2011 que trata da
elaboração de propostas de reestruturação do Estatuto do Magistério Paulista e dos Planos de Carreira,
Vencimentos e Salários dos integrantes dos Quadros do Magistério e de Apoio Escolar da Secretaria da
Educação.

Dividimos os itens como segue:

I – Ingresso
O ingresso na carreira deveria acontecer em forma de concurso de ingresso e acesso para os
professores que já atuam nas escolas (OFA).
Para os professores que já atuam na rede, não precisar de laudo médico.
O concurso público deveria acontecer de forma regional e após o período probatório poderia
haver a possibilidade de remoção para outras regiões.
Haver concurso sempre que houver 10% dos cargos vagos.
A Escola de Formação deveria estar vinculada apenas com a formação continuada do professor,
não a nível de aprovação para concursos.

II – Jornada de Trabalho
Para a jornada de trabalho dos docentes propomos um módulo de 25 aulas + 10 htpc + 5 htpl
Módulo de 25 aulas para professores eventuais
Trabalho extraclasse de no mínimo 30% na jornada sendo (preparação de atividades para os
alunos e formação continuada)
Os professores da rede pública estadual não deveriam extrapolar uma jornada de 40 horas
semanais. Essa redução na carga horária é essencial para o desenvolvimento de um trabalho de
qualidade. Deveria haver uma gratificação para o profissional que tivesse exclusividade com as
escolas do Estado.

III – Evolução
Precisamos valorizar os profissionais que buscam a formação continuada, crindo critérios claros
e efetivos de evolução funcional. A evolução deveria seguir os critérios da educação municipal
da cidade de São Paulo.
Precisamos valorizar o trabalho dos professores que tiverem exclusividade com o Estado. Este
professor deveria ter uma gratificação mínima de 30% no salário base (como ocorria no período
da Escola Padrão)
Concordamos com a continuidade de evolução pelas vias acadêmica e não acadêmica.
A evolução via não acadêmica deveria considerar qualquer curso de pós-graduação em qualquer
área da educação.
Valorização por tempo de serviço conforme LC 444/85.
Prova do Mérito – deveria ser revisto alguns critérios. Entre eles, garantia da prova a todos os
professores independente de categoria.
Garantia de Igualdade – todos os direitos expandidos a todos os professores, independente de
categoria.
IV – Política Salarial
Respeitar a data-base (março)
Comissão paritária de gestão de carreira é fundamental para uma Gestão Democrática. E é
justo que não participem apenas os membros do sindicato. Deveria ser feita comissões nos
pólos, como estão ocorrendo estas discussões.
Equiparação salarial para profissionais de formação equivalente, independente da categoria.

V – Composição da Remuneração
Incorporação das gratificações, extensivas aos aposentados e pensionistas. O professor ao se
aposentar merece grande respeito. E todas as conquistas da categoria deveriam ser
expansivas a eles.
Remuneração equivalente para profissionais com a mesma formação.

VI – Vantagens Pecuniárias
Direito a Sexta parte a todos os professores independentes de serem efetivos ou não efetivos.
Todos exercem a mesma função. Portanto, deveriam ter os mesmos direitos sem recorrer a
justiça.
Cálculo dos benefícios sobre os vencimentos e não sobre o salário base.

VII – Democratização do Sistema


Para garantir a democratização do sistema temos que abrir espaço para criação e discussão de
colegiados nas escolas e nas diretorias de ensino.

VIII – Condições de Trabalho e Saúde


Respeito a resolução CONAE (Conselho Nacional de Educação) que fixa um número máximo
de alunos por sala de aula: Ensino Fundamental – Ciclo I – até 25 alunos, Ensino Fundamental
Ciclo II – até 30 alunos, Ensino Médio – até 35 alunos
Maior autonomia na gestão escolar: ficando a critério da direção da escola a quantidade
necessária de funcionários para o bom funcionamento da unidade escolar. Hoje em dia, o
número de funcionários trabalhando como agente de organização e agente de serviços é inviável
para este bom funcionamento.
Suporte e qualificação para todos os docentes e funcionários das unidades escolares.
Revogação da LC 1041/2008 (lei das faltas médicas).

IX – Auxílio Alimentação
Fim do teto para Concessão do auxílio alimentação (independente do cargo/função).
Expansível aos professores eventuais também.
Aumento do valor do auxílio alimentação. O valor pago atualmente não condiz com a
realidade.
Propomos a criação do vale refeição e vale alimentação a todos, independente de categoria.
Direito aos benefícios mesmo o funcionário estando afastado ou de licença.
X – Mobilidade
Garantia de remoção a todos os docentes, mesmo estando em estágio probatório e para
os professores categoria F (a qual está garantido em lei estabilidade).
Artigo 22 – garantia de direitos para os professores que substituírem os professores que
forem afastados pelo artigo 22

XI – Formação e profissionalização
Necessidade de utilizar horas de htpc para a formação continuada dos professores
Revisão da contratação de professores eventuais
Incentivos para a busca e aperfeiçoamento através da formação continuada

XII – Estágio Probatório


A efetiva participação dos profissionais na sua avaliação com critérios objetivos e
democráticos

XIII – Aposentadoria
Solicitamos Respeito e Reconhecimento através de:
Retorno à regra da LC 444/85 para definir os proventos dos aposentados
Paridade nos vencimentos com os profissionais da ativa e incorporação de todas as
gratificações e benefícios para os aposentados e pensionistas.
Preservação do Sistema Público de Previdência
Criação de uma comissão de gestão dos proventos e condições dos aposentados.