Anda di halaman 1dari 7

Dra. Edina Sakamoto e Dra.

Vanderlí Marchiori

Gengibre

O gengibre (Zingiber officinale) tem sido usado Há diversas variedades de gengibre popularmente
para tratar sintomas gastrintestinais por diversas cul- conhecidas, como a branca, a azul e a amarela. De culti-
turas desde a Antigüidade. Na China, no Japão e na vo bastante difundido, o gengibre prefere os climas tro-
Índia, o gengibre é utilizado tradicionalmente na pre- pical e subtropical, mas tem se adaptado bem em regiões
venção e no controle de náuseas, vômitos, gases e mais frias. Desenvolve-se em terrenos arenosos, leves,
distensão abdominal1,2,3. bem arenados e férteis, contudo não deve ser cultivado
Além do uso para fins medicinais, o rizoma do seguidamente no mesmo lugar, pois sofre queda acentu-
gengibre é também aproveitado na culinária como ada de produção. Propaga-se através de gomos, que são
condimento e no preparo de chás e bebidas, por suas pedaços de rizoma, com 1 a 2 brotos. Após um mês, as
propriedades aromáticas. mudas estão prontas para serem transplantadas para lo-
cal definitivo, com espaçamento de 0,7 x 0,3 m. É uma
O uso popular do gengibre indica uma possível ação planta exigente de nutrientes e prefere pH em torno de
antiemética, entretanto há a necessidade de evidênci- 5,5. Após 10 a 12 meses de plantio, colhem-se os novos
as científicas que comprovem e expliquem esta ação. rizomas. A floração se dá entre os meses de agosto e
Atualmente, diversos trabalhos sugerem que o gengi- novembro, durante 9 semanas aproximadamente2.
bre possa ser eficaz no tratamento da náusea e do vô-
Sua descrição organoléptica denota odor forte de
mito, sintomas muito comuns em situações como gra-
característica aromática propiciada pela alta concen-
videz, pós-operatório e enjôo de movimento (cinetose).
tração de óleos aromáticos; seu sabor é levemente
Classificação Botânica do Gengibre (Zingiber cítrico, pungente, adstringente e com leve ardor, ca-
officinale Roscoe) racterísticas estas decorrentes dos princípios ativos
O gengibre é uma planta perene originária da Ásia, do rizoma. Tem 40% de amido, lipídios, resinas, de 1
cujo nome científico é Zingiber officinale. Pertence à a 3% de óleos voláteis, aminoácidos, proteína (de 2,5g
família Zingiberaceae e é conhecido também por a 10g em cada 100g de rizoma), vitaminas, minerais,
Zingiber officinale Roscoe, pois a parte utilizada terpenos (mono e sesqui), gorduras (10%), princípi-
como droga é o rizoma. Os rizomas são cobertos por os amargos (1 a 2,5%), ácidos orgânicos, sais mine-
casca tênue e parda, com tecido interno amarelado4. rais e mucilagem. Contem até 3% de óleos essenciais
Possui vários nomes populares, dependendo da com mais de 150 componentes5.
região em que é cultivado e também da cultura local. De acordo com classificação da fitoterapia chine-
Os nomes mais comuns são gengibre-de-jamaica, sa, o gengibre é uma planta com propriedades pican-
gengibre-africano, mangarataia, mangaratiá, gengivre. tes e amornantes e que tem como alvos de ação os
Na China, é conhecido por Sheng jian/Gan jiang; na pulmões, estômago e baço. Suas funções seriam de
Índia, por Singabera ou ardhrakam; na Alemanha, por eliminar o frio exterior por sudorificação, quando há
Ingwer; na Itália, por gengero, gengioro, zenzavero, expectoração branca. Usado também para aquecimen-
zenvero, zinzero; na Grã-Bretanha, por ginger, to interno de pessoas com sintomas como anorexia,
common ginger; na França, por gingembre, herbe au digestão lenta, desejo de líquidos quentes e aversão
gingebre; na Espanha, por agengibre; na Dinamarca, por gelados, língua com saburra branca, dores de
por ingefaer; e, no Japão, por Kankyo, Shokyo2. estômago, náuseas, vômitos e regurgitação de fluido

16
claro. Exerce papel desintoxicante e harmonizante favorecem a concentração de seus fitoquímicos7.
com outras plantas2. Essas substâncias fitoquímicas apresentam diferen-
Principais Fitoquímicos do Rizoma do Gengibre tes ações fisiológicas. Os gingeróis comprovaram seu
O rizoma do gengibre apresenta os seguintes compo- efeito analgésico, sedativo, antipirético e bactericida
nentes conhecidos: zinziberol, zinzibereno, felandreno, in vitro e em animais8. Em aplicação intravenosa de
canfeno, citral, linalol, metilheptenona, gingerol, gingerol em ratos, Ding et al.9 comprovaram a meia
gingediol, metilgingediol, gengedianacetato, albizina, vida de 7,23 minutos após a aplicação, porém ainda
zingerona, shogaol, farnesol, hexahidrocureumina, continua desconhecida a farmacocinética da admi-
bisaboleno, coreumeno, borneol, diacetoxioctano, áci- nistração oral em humanos.
do piperólico, resinas, amido, cálcio, fósforo, ferro, O sabor picante aromático do gengibre é devido
sódio, potássio, alfa caroteno, tiamina, riboflavina, principalmente pelos monoterpenos (canfeno,
niacina, vitamina C, glicose, frutose, ácido glutâmico, limoleno, mirceno, b-felandreno e alfapineno,
ácido aspartático, serina, glicina, treonina, alanina, borneol, 1,8 cineol, citronelol, geraniol, acetato de
arginina e traços de fenilalanina. geranil, neral e outros de menor concentração).
Os principais fitoquímicos do rizoma do gengibre Dentre os terpenos, pode-se destacar a zingiberina
são seus compostos fenólicos, principalmente os (Figura 3), o zingiberol, o cineol, a cânfora e a
gingeróis (Figura 1) e os shogaóis (Figura 2). curcumina. Com quinze carbonos em sua estrutura
Além deles há os sesquiterpenos, que apresentam molecular, os sesquiterpenos são terpenos responsá-
maior teor de bisapoleno, zingiberina, zingiberol, veis pelo sabor picante e pelo aroma característico.
sesquifelandreno, curcurmina e outros compostos Além disso, o gengibre apresenta em sua composi-
como 6-dehydrogingerdiona, galanolactona, ácido ção diversos flavonóides, que são fitoquímicos ca-
gingesulfonico, zingerona, geraniol, neral, racterizados pela ligação de moléculas de açúcares
monoacildigalactosilgliceróis e gingerglicolípides6. ligadas a pigmentos, em geral amarelos, como por
exemplo a galangina e a quercetina.

Figura 1 - Estrutura bioquímica do gingerol Figura 3 - Estrutura bioquímica da zingiberina

A Náusea e o Vômito
A náusea – do grego nausía, enjôo do mar – é
uma ânsia que pode ser acompanhada ou não de vô-
mito. O vômito é um ato reflexo que expulsa violen-
tamente o conteúdo gástrico e pode provocar sinto-
mas como palidez, suor frio, bradicardia e impressão
de debilidade ou desmaio próximo.
O ato de vomitar é controlado pelo centro do vô-
Figura 2 - Estrutura bioquímica do shogaol mito, localizado na formação reticular lateral na me-
Os fitoquímicos ativos do gengibre estão em seus dula. Recebe aferências da zona quimiorreceptora
óleos aromáticos voláteis, cuja concentração varia (assoalho do 4º ventrículo), aparelho vestibular,
entre 1 e 3 % do peso total do rizoma. Estes óleos são cerebelo, núcleo do trato solitário e ainda de centros
ricos em sesquiterpenos, principalmente bisapoleno, corticais superiores. São vários os tipos de recepto-
zingiberina e zingiberol. As concentrações de princí- res envolvidos na transmissão de impulsos ao centro
pios ativos nas plantas medicinais variam de acordo do vômito: os acetilcolínicos muscarínicos, os
com o local de plantio, a temperatura e as condições dopaminérgicos (D 2 ), os histamínicos (H 1 ), os
de cultivo e, principalmente, os nutrientes presentes opióides, os serotoninérgicos (5-HT 3 ) e
no solo. São os desafios para seu crescimento que neurocinínicos (NK-1). As vias envolvidas no vômi-

17
to podem ser acionadas por numerosos estímulos Diversos estudos randomizados, duplo-cego e
que se integram e ativam o centro do vômito10, res- placebo controlados sugerem que o gengibre pode
ponsável por coordenar o ato motor periférico que ser seguro e eficaz para controle de náusea e vômito
efetua o vômito, relaxando a cardia e os músculos durante a gravidez, quando usado nas doses reco-
faríngeos, contraindo as paredes abdominais e o mendadas e por curtos períodos de tempo. Dentre
diafragma e expulsando o conteúdo gástrico. esses estudos, destaca-se a pesquisa de Fischer-
De acordo com Gahlinger11, as drogas antieméticas Rasmussen et al. 15 , no qual 30 pacientes com
utilizadas atualmente agem nas diferentes vias no hyperemesis gravidarum receberam 250 mg de gen-
mecanismo do vômito e podem ser divididas em 3 gibre em pó, 4 vezes ao dia (1g/dia) durante 4 dias. Os
classes: antidopaminérgicas, anticolinérgicas e resultados sugerem que o gengibre reduziu os sinto-
antihistamínicas, como mostra a Tabela 1. mas (P<0,05) comparado ao placebo, sem apresentar
Tabela 1 - Classificação das principais drogas efeitos colaterais.
antieméticas Keating e Chez16 avaliaram a eficácia da ação do
gengibre sob a forma de xarope (1 colher de sopa)
diluído em água, 4 vezes ao dia (1g/dia), em um gru-
po de 26 pacientes no primeiro trimestre de gesta-
ção. Depois de 9 dias, 77% das pacientes que rece-
beram o gengibre relataram melhora dos sintomas
Fonte: Gahlinger11. contra apenas 20% do grupo placebo.
A náusea e o vômito podem ser desencadeados Cabe ressaltar que, em ambos os estudos, o tama-
por uma diversidade muito grande de estímulos sen- nho reduzido da amostra e o curto período de tempo
sitivos, como: estímulos visuais e olfativos desagra- são fatores que prejudicam a validação dos resulta-
dáveis; sabores desagradáveis ou irritantes à área dos positivos.
gustativa; estimulação contínua e assincrônica do
aparelho vestibular (enjôo de viagens); distensões Em outro estudo conduzido na Austrália, Willetts
ou irritações que, através do sistema vegetativo et al.17 pesquisaram o efeito do extrato de gengibre
vagal, estimulam o ato do vômito; dor física violen- na redução de náusea e vômito em 120 mulheres com
ta; toxinas exógenas e endógenas; ou hipertensão menos de 20 semanas de gestação. Foram utilizados
cérebro-meníngea e mudanças vasomotoras angio- 125 mg de extrato de gengibre (equivalente a 1,5g
cerebrais. de gengibre seco), 4 vezes ao dia por um período de
4 dias.
Na Gravidez
A náusea e o vômito são sintomas freqüentes na Os resultados na diminuição da náusea foram
gravidez, principalmente no primeiro trimestre de significantemente maiores no grupo que recebeu o
gestação. Embora a etiologia destes sintomas não seja extrato de gengibre do que no grupo placebo, entre-
totalmente conhecida, acredita-se que sua causa pos- tanto não se verificou o mesmo efeito em relação ao
sa estar associada às mudanças hormonais, como o vômito. Após o parto, foram acompanhados resulta-
aumento dos níveis de gonadotrofina coriônica e dos como: peso ao nascer, idade gestacional, score
estrogênio. Cerca de 50 a 80% das mulheres grávi- de Apgar e freqüência de anormalidades congênitas
das apresentam esses sintomas até a 14ª ou 16ª sema- no grupo estudado em relação à população de nasci-
na de gestação, sendo que, nos quadros mais seve- dos no mesmo período e local, não sendo observa-
ros, existe ainda preocupação com relação à perda das diferenças significativas, sugerindo que o uso do
de peso e à desidratação12,13,14. extrato de gengibre é seguro.
O estresse causado por tais sintomas também tem Em um estudo duplo-cego e placebo controlado,
um impacto na vida profissional, já que cerca de 25% Vutyavanich et al.13 avaliaram a eficácia do gengibre
das mulheres grávidas afastam-se temporariamente como antiemético em 70 mulheres grávidas. As par-
do trabalho. O uso de drogas para o controle da náu- ticipantes receberam placebo ou 250 mg de gengibre
sea e vômito é limitado devido à preocupação com em pó, 3 vezes ao dia, por 4 dias. Os resultados mos-
os seus efeitos potencialmente teratogênicos, e cada traram que o gengibre reduziu significativamente a
vez mais produtos naturais – como o gengibre – têm náusea e o vômito em relação ao placebo, e não fo-
sido utilizados como alternativas de tratamento14. ram observados efeitos colaterais relevantes.

18
Borrelli et al.18, em recente revisão, avaliaram 6 Pongrojpaw e Chiamchanya23, em estudo duplo-
estudos randomizados, duplo-cego, placebo contro- cego randomizado e placebo controlado, avaliaram
lados num total de 675 participantes. Destes estudos, 80 pacientes submetidas a laparoscopia ginecológi-
4 deles (n=246) mostravam a superioridade do gen- ca. A incidência de NVPO no grupo que recebeu 1g
gibre em relação ao placebo, e 2 estudos (n=429) in- de gengibre em pó foi de 30%, e de 57,5% no outro
dicavam que o gengibre seria tão efetivo quanto a grupo que recebeu placebo, indicando a eficácia do
droga de referência, no caso a vitamina B6, além de uso do gengibre na NVPO.
não apresentar efeitos colaterais ou reações adversas Entretanto, em um estudo de Arfeen et al. 24, 108
ao final da gestação. mulheres receberam aleatoriamente 0,5 g ou 1g de
Muito embora a maioria dos estudos indique que gengibre ou placebo antes da cirurgia laparoscópica,
o consumo do gengibre como antiemético durante a e a incidência de NVPO foi monitorada até 3 horas
gestação seja seguro, alguns estudos com animais após a cirurgia, não havendo diferença significativa
observaram que a exposição do útero ao chá de gen- entre os grupos.
gibre (20g/L ou 50g/L) resultou em um aumento na Resultados negativos também foram obtidos em
perda de embriões em ratos e aumento do crescimento outros dois estudos. Visalyaputra et al.25 avaliaram o
nos fetos remanescentes, alertando para uma maior efeito antiemético do gengibre em relação ao
probabilidade de aborto19. Entretanto, as doses utili- droperidol em 120 pacientes submetidas a
zadas (1 a 2 g) nos estudos clínicos em humanos são laparoscopia ginecológica. Os grupos foram dividi-
muito inferiores se comparadas aos dados deste estu- dos aleatoriamente, recebendo 2g de gengibre ou 125
do, que substituiu toda água das cobaias pelo chá de mg de droperidol ou ambos, e concluiu-se que não
gengibre numa concentração elevada. houve diferenças significativas na incidência de
No Pós-operatório NVPO. Eberhart et al. 26 , em estudo duplo-cego
A náusea e o vômito no pós-operatório (NVPO) randomizado, também concluíram que o gengibre não
incidem em cerca de 30% dos pacientes que se sub- foi eficaz em reduzir a incidência de NVPO em 180
metem à anestesia geral para cirurgia20. pacientes de laparoscopia ginecológica.
Os fatores de risco de náusea e vômito no pós- Os resultados divergentes dos estudos pesquisados
operatório podem estar relacionados com o paciente não permitem afirmar que o gengibre possui ação
(sexo, idade, tabagismo, histórico de NVPO e enjôo antiemética no pós-operatório. É possível que essas
de movimento), com o tipo de procedimento cirúrgi- diferenças possam estar relacionadas com o tipo de
co (correção de estrabismo, cirurgias de ombro, ci- droga anestésica utilizada na cirurgia e sua capacida-
rurgias otorrinolaringológicas, ginecológicas e de em induzir a náusea e o vômito. Além disso, a
laparoscópicas) e com a técnica anestésica10. droga de referência utilizada - metoclopramida - não
é tida como um antiemético potente no controle da
A eficácia do gengibre como agente antiemético
NVPO, o que poderia superestimar os resultados po-
na prevenção de NVPO tem sido estudada em diver-
sitivos do gengibre20.
sas pesquisas. Em um estudo duplo-cego, randomizado
e placebo controlado, Bone et al. 21 compararam os No Enjôo de Movimento
efeitos do gengibre (1g), da metoclopramida (10 mg) A náusea e o vômito são as queixas mais comuns do
e do placebo no tratamento da NVPO em 60 mulheres enjôo de movimento e são mediados por neurotransmissores.
após cirurgia ginecológica. Os resultados mostraram O centro do vômito é estimulado por níveis aumentados de
que o gengibre foi tão eficaz quanto a droga dopamina e acetilcolina. É por este motivo que as principais
metoclopramida na prevenção de NVPO e mais eficaz drogas usadas são: antidopaminérgicas, como a
quando comparado ao placebo (P<0,05). metoclopramida; anticolinérgicas, como a escopolamina; e
Resultados semelhantes foram obtidos por Phillips antihistamínicas, como o dimenidrinato, entre outras11.
et al.22 em estudo duplo-cego, randomizado e placebo Estudos clínicos demonstraram que o gengibre
controlado conduzido com 120 mulheres submeti- reduz a tendência de vomitar e a incidência de suor
das a laparoscopia ginecológica. A incidência de frio causados pelo enjôo durante a navegação. Em
NVPO foi similar em pacientes que receberam estudo duplo-cego, randomizado e placebo contro-
metoclopramida (10 mg) e gengibre (1g) (27% e 21%, lado, Grontved et al.27 avaliaram o efeito do gengi-
respectivamente), e no grupo que recebeu placebo a bre em pó no enjôo de navegação. Foram estudados
incidência foi de 41%. 80 cadetes navais não acostumados a navegar em mar

19
revolto durante viagens em alto mar. Cada um rece- plicaria a ausência de efeitos colaterais como a sono-
beu aleatoriamente 1g de gengibre em pó ou placebo, lência, tão comum aos antieméticos de ação central.
e os sintomas de cinetose foram avaliados a cada hora Qian e Liu31, em estudo com o suco de gengibre
por 4 horas após a ingestão da droga ou placebo. O em animais – aplicação intravenosa em coelhos –,
gengibre foi significantemente melhor do que o concluíram que o rizoma do gengibre parece exercer
placebo em reduzir a freqüência do vômito e do suor ações anticolinérgicas e antihistamínicas a nível cen-
frio (p<0,05). Os cadetes que receberam o gengibre tral e periférico, o que explicaria em parte seu efeito
tiveram também uma redução na náusea e na verti- antiemético.
gem, comparados aos controles – no entanto, a redu-
ção não foi estatisticamente significativa. A incidên- A divergência dos resultados pode estar relacio-
cia dos sintomas era 38% menor no grupo que rece- nada aos estímulos de intensidades e tipos diferentes
beu o gengibre do que no grupo placebo. utilizados nessas pesquisas. Os estímulos podem ter
sido muito intensos, e o potencial antiemético do gen-
Em estudo tipo cross-over conduzido por
gibre, menor que o das drogas convencionais nas
Holtmann et al.28, foi avaliado o efeito do gengibre
dosagens utilizadas.
em pó (1g) em 20 pacientes em comparação ao
dimenidrinato (antihistamínico) e placebo. Sugestões de Uso Culinário / Suplementação a Partir
das Quantidades Relatadas nos Trabalhos
O dimenidrinato causou uma redução na resposta do
nistagmo (movimento involuntário do globo ocular) aos O gengibre possui sabor picante e característico,
estímulos calóricos, rotatórios e optocinéticos. Os resul- conferindo a versatilidade necessária para ser usado
tados sugerem que nem o sistema vestibular nem o tanto nos pratos salgados quanto nos doces e em di-
oculomotor são afetados pelo gengibre e, portanto, sua versas formas: fresco, seco, em conserva ou cristali-
ação no sistema nervoso central pode ser descartada. zado. O gengibre seco é mais aromático e tem sabor
mais suave e menos adstringente.
É provável que o gengibre atue localmente, agin-
do diretamente sobre o sistema gastrintestinal, aumen- O gengibre utilizado em preparações culinárias di-
tando a motilidade e reduzindo o feedback do trato ficilmente oferecerá risco à saúde, já que os relatos de
gastrintestinal para os quimiorreceptores centrais28. superdosagem e toxicidade indicam a necessidade de
um consumo elevado do rizoma (com alta concentra-
Em contrapartida, Stewart et al.29 avaliaram a ati-
ção de princípios ativos), que naturalmente é limitado
vidade do gengibre em pó na prevenção do enjôo de
pela capacidade de tolerância a seu sabor adstringente
movimento (cadeiras rotatórias) e seu efeito na fun-
e picante. Na culinária, o gengibre pode ter efeito
ção gástrica. Participaram do estudo 28 voluntários,
sendo utilizados, além do gengibre, o antiemético bactericida e fungicida, sendo recomendável usá-lo cru,
escopolamina (anticolinérgico) e o placebo. Os re- pois há indícios de que o calor inativa o gingerol, res-
sultados mostraram que 500 mg a 1g de gengibre em ponsável por esta ação. Quanto menor for o tempo de
pó e 1g de gengibre fresco não ofereceram proteção exposição a altas temperaturas, mais preservada se
contra o enjôo de movimento e não alteraram signifi- encontrará a sua atividade terapêutica7.
cativamente a função gástrica. Usado em doses orais de até 2g/dia, o gengibre é
30
Em recente estudo, Lien et al. sugerem que a ação bem tolerado. Doses altas, de 5g/dia ou mais, aumen-
do gengibre se dá através de suas propriedades aro- tam o risco dos efeitos colaterais. Por sua composi-
máticas, carminativas e espasmolíticas, que bloquea- ção bioquímica ser bastante similar à da cúrcuma
riam as reações gastrintestinais e o feedback da náu- (Curcuma longa)7, há sinergia na ação antioxidante
sea. O pré-tratamento com 1 a 2g de gengibre em 13 por potencialização de princípios ativos. Seu possí-
voluntários, submetidos a um estímulo que produz a vel efeito hipolipemiante também pode ser intensifi-
ilusão de movimento, reduziu a náusea por prevenir cado na presença de outros alimentos e ervas. É pos-
o desenvolvimento de disritmias gástricas e elevação sível que haja interações com outras ervas (ex.: alho,
da vasopressina no plasma. gingko, ginseng), o que poderia afetar a agregação
plaquetária, e com anticoagulantes, hipoglicemiantes
A sensação de náusea devido ao movimento envol-
orais e bloqueadores de canal de cálcio.
ve interações entre o sistema nervoso central e o trato
gastrintestinal. Diferente das demais drogas que atuam Conclusão
no sistema nervoso central, o gengibre não foi capaz de Embora, historicamente o gengibre seja utilizado
reduzir o nistagmo vestibular e optocinético, e isto ex- no tratamento de náusea e vômito por diversas cultu-

20
ras, não há evidências claras da sua eficácia no tratamen- - 1 colher (sopa) de gengibre ralado
to na NVPO e enjôo do movimento que possam justifi- - 3 colheres (sopa) de salsinha picada
car sua utilização. Os dados mais promissores apontam
- 2 colheres (sopa) de azeite de oliva
para os resultados obtidos nos estudos do gengibre como
antiemético na gravidez. No entanto, mais estudos clíni- - 1 colher (sopa) de manteiga
cos serão necessários para comprovar a ausência de rea- - 1 colher (chá) de páprica
ções adversas, principalmente no que se refere à
- 2 laranjas
teratogênese e ao maior risco de aborto, observado no
estudo de Wilkinson19, que utilizou doses superiores aos Modo de Preparo:
trabalhos humanos, substituindo inclusive toda a água Lavar as trutas e secar com papel de cozinha. So-
das cobaias por chá numa concentração elevada. car o alho e ralar a cebola. Misturar cebola, alho, sal,
A grande reflexão permanece na forma de utiliza- pimenta e passar por dentro e por fora das trutas.
ção, pois a toxicidade e as reações adversas estão Regar com suco de limão e deixar marinar por 20
diretamente associadas a extratos do rizoma. O con- minutos. Acomodar as trutas, uma ao lado da outra,
sumo da raiz em preparações culinárias pode apre- numa travessa refratária untada. Misturar o suco de
sentar eficácia dependendo do volume, do modo de laranja com o gengibre, a salsinha, o azeite, a man-
preparo e da freqüência de consumo. Dessa maneira, teiga e a páprica. Virar sobre as trutas e levar ao for-
dificilmente haverá riscos para o consumo humano. no durante 30 minutos. Regar de vez em quando com
o caldo da assadeira. Retirar do forno, enfeitar as tru-
Atualmente, existem estudos in vitro já publica- tas com rodelas de laranja e servir.
dos que demonstram a ação do gengibre como agen-
Bolo de laranja com gengibre e linhaça
te antioxidante, antitumorigênico, antiinflamatório e
imunomodulador, além de exercer efeito Ingredientes:
antimicrobiano e antiviral. - 1 pedaço pequeno de gengibre ralado
Como alimento com atividade funcional, é impor- - 6 colheres (sopa) de manteiga
tante ressaltar que ainda não há freqüência de consu-
- 1 e 1/2 xícara (chá) de açúcar mascavo
mo ideal e que sua interação com outros alimentos,
medicamentos, ervas e óleos é só parcialmente co- - 2 e 1/2 xícaras (chá) de farinha de trigo
nhecida, fato que dificulta a avaliação de sua real ação - 1 colher (sopa) de fermento em pó
em seres humanos. São inúmeros os benefícios rela- - 1 xícara (chá) de suco de laranja
tados pelo uso popular do gengibre que ainda care-
- 200 g de iogurte desnatado
cem de evidências científicas. Provavelmente, a pre-
sença de diversos fitoquímicos justifica os efeitos - 1/2 xícara (chá) de sementes de linhaça
positivos relatados pelo uso tradicional, cujos meca- - 3 claras batidas em neve
nismos de ação ainda não foram completamente
Modo de Preparo:
elucidados. Portanto, há excelentes perspectivas de
que estudos clínicos venham a comprovar a eficácia Ligue o forno à temperatura média. Bata na bate-
do gengibre em diversas patologias. deira o gengibre com 5 colheres (sopa) de manteiga
e o açúcar mascavo por 5 minutos. Sem parar de ba-
GASTRONOMIA FUNCIONAL – Receitas
ter, adicione a farinha de trigo peneirada com o fer-
Truta ao gengibre mento, alternando com o suco de laranja e o iogurte.
Ingredientes: No final, acrescente as sementes de linhaça (reserve
- 4 trutas 1 colher de sopa). Incorpore as claras e mexa delica-
damente até a massa ficar homogênea. Despeje a
- 1 dente de alho
massa numa assadeira de 25cm de diâmetro, untada
- 1 cebola com a manteiga restante, e polvilhe as sementes de
- sal a gosto linhaça reservadas. Leve ao forno por 35 minutos ou
até que enfiando um palito no bolo ele saia limpo.
- pimenta-do-reino a gosto
Retire do forno, desenforme o bolo e deixe esfriar.
- 1 limão Se preferir, decore o bolo com frutas cristalizadas
- 1/2 copo de suco de laranja cortadas em lâminas finas.

21
Suco de melancia com gengibre 16. KEATING, A.; CHEZ, R.A. Ginger syrup as an antiemetic in early
pregnancy. Altern Ther Health Med, 8:89-91, 2002.
Ingredientes: 17. WILLETS, K.E.; EKANGAKI, A.; EDEN, J.A. Effect of a ginger
extract on pregnancy-induced nausea: a randomized controlled trial.
- 2 xícaras (chá) de melancia picada Aust N Z J Obstet Gynaecol, 43:139-144, 2003.
- 3 fatias finas de gengibre sem casca 18. BORRELLI, F.; CAPASSO, R.; AVIELLO. G. et al. Effectiveness and
safety of ginger in the treatment of pregnancy-induced nausea and
Modo de preparo: vomiting. Obstet Gynecol, 105:849-856, 2005.
Bata a melancia com o gengibre no liquidificador. 19. WILKINSON, J.M. Effect of ginger tea on the fetal development of
Sprague-Dawley rats. Reprod Toxicol, 14:507-512, 2000.
Chá de gengibre 20. HENZI, I.; WALDER, B.; TRAMER, M.R. Metoclopramide in the
prevention of postoperative nausea and vomiting: a quantitative systemic
Ingredientes : review of randomized, placebo-controlled studies. Br J Anaesth, 83:761-
771, 1999.
- 1 colher de chá de gengibre ralado
21. BONE, M.E.; WILKINSON, D.J.; YOUNG, J.R. et al. Ginger root -
- 1 xícara de água fervendo a new antiemetic. The effect of ginger root on postoperative nausea and
vomiting after major gynecological surgery. Anaesthesia, 45:669-671,
Modo de preparo 1990.

Coloque na xícara o gengibre ralado e por cima a 22. PHILLIPS, S.; RUGGIER, R.; HUTCHINSON, S.E. Zingiber
officinale (ginger) - an antiemetic for day case surgery. Anaesthesia,
água fervendo. Adoce a gosto. 48:715-717, 1993.
23. PONGROJPAW, D.; CHIAMCHANYA, C. The efficacy of ginger in
Referências Bibliográficas prevention of post-operative nausea and vomiting after outpatient
gynecological laparoscopy. J Med Assoc Thai, 86:244-250, 2003.
1. ERNST, E.; PITTLER, M.H. Efficacy of ginger for nausea and
vomiting: a sytematic review of randomized clinical trials. Br J Anaesth, 24. ARFEEN, Z.; OWEN, H.; PLUMMER, J.L. et al. A double-blind
84:367-371, 2000. randomized controlled trial of ginger for the prevention of postoperative
nausea and vomiting. Anaesth Intensive Care, 23:449-452, 1995.
2. BOTSARIS, A.S. Fitoterapia Chinesa e Plantas Brasileiras. São
Paulo: Editora Ícone, 2002. 25. VISALYAPUTRA, S.; PETCHPAISIT, N.; SOMCHAROEN, K. et al.
The efficacy of ginger root in the prevention of postoperative nausea
3. MORIN, A.M.; BETZ, O.; KRANKE, P. et al. Is ginger a relevant
and vomiting after outpatient gynecological laparoscopy. Anaesthesia,
antiemetic for postoperative nausea and vomiting? Anasthesiol
53:506-510, 1998.
Intensivmed Notfallmed Schmerzther, 39: 281-285, 2004.
26. EBERHART, L.H.; MAYER, R.; BETZ, O. et al. Ginger does not
4. MATOS, F.J.A. Plantas Medicinais: guia de seleção e emprego de
prevent postoperative nausea and vomiting after laparoscopic surgery.
plantas medicinais do nordeste do Brasil. 2 vol. Fortaleza: IOCE, 1989.
Anesth Analg, 96:995-998, 2003.
5. GARCIA, A.A. Vademecum de prescripción: plantas medicinales,
27. GRONTVED, A.; BRASK, T.; KAMBSKARD, J. et al. Ginger root
fitoterapia. 3 ed. Barcelona: Masson, 1998.
against seasickness. A controlled trial on the open sea. Acta Otolaryngol,
6. CHRUBASIK, S.; PITTLER, M.H.; ROUFOGALIS, B.D. Zingiberis 105:45-49, 1988.
rhizoma: A comprehensive review on the ginger effect and efficacy
28. HOLTMANN, S.; CLARKE, A.H.; SCHERER, H. et al. The anti-
profiles. Phytomedicine, 12: 684-701, 2005.
motion sickness mechanism of ginger. A comparative study with placebo
7. DI STASI, L.C.; HIRUMA-LIMA, C.A. Plantas Medicinais da and dimenhydrinate. Acta Otolaryngol, 108:168-174, 1989.
Amazônia. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1989.
29. STEWART, J.J.; WOOD, M.J.; WOOD, C.D. et al. Effects of ginger
8. MASCOLO, N.; JAIN, R.; JAIN, S.C. et al. Ethnopharmacologic on motion sickness susceptibility and gastric function. Pharmacol,
investigation of ginger (Zingiber officinale). J Ethnopharmacol, 27:129- 42:111-120, 1991.
140, 1989.
30. LIEN, H.C.; SUN, W.M.; CHEN, Y.H. et al. Effects of ginger on
9. DING, G.H.; NAORA, K.; HAYASHIBARA, M. et al. Pharmacokinetics motion sickness and gastric slow-wave dysrhythmias induced by circular
of [6]-gingerol after intravenous administration in rats. Chem Pharm vection. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol, 284: G481-G489,
Bull, 39:1612-1614, 1991. 2003.
10. LAGES, N. FONSECA, C.; NEVES, A. et al. Náuseas e vômitos no 31. QIAN, D.S.; LIU, Z.S. Pharmacologic studies of antimotion sickness
pós-operatório: uma revisão do “pequeno-grande” problema. Rev Bras actions of ginger. Zhongguo Zhong Xi Yi Jie He Za Zhi, 12:95-98,
Anestesiol, 55:575-585, 2005. 1992.
11. GAHLINGER, P.M. Motion sickness: how to help your patients
avoid travel travail. Postgrad Med, 106:177-184, 1999.
12. EMELIANOVA, S.; MAZZOTTA, P.; EINARSON, A. et al.
Prevalence and severity of nausea and vomiting of pregnancy and effect
of vitamin supplementation. Clin Invest Med, 22:106-110, 1999.
13. VUTYAVANICH, T.; KRAISARIN, T.; RUANGSRI, R. Ginger for
nausea and vomiting in pregnancy: randomized, double-masked, placebo-
controlled trial. Obstet Gynecol, 97:577-582, 2001.
14. SMITH, C.; CROWTHER. C.; WILLSON, K. et al. A randomized
controlled trial of ginger to treat nausea and vomiting in pregnancy.
Obstet Gynecol, 103:639-645, 2004.
15. FISCHER-RASMUSSEN, W.; KJAER, S.K.; DAHL, C. et al. Ginger
treatment of hyperemesis gravidarum. Eur J Obstet Gynecol Reprod
Biol, 38:19-24, 1991.

22