Anda di halaman 1dari 16
O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica: desafios e perspectivas para os Registros de
O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica: desafios e perspectivas para os Registros de

O Impacto da nova Política de Atenção

O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica: desafios e perspectivas para os Registros de Câncer
O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica: desafios e perspectivas para os Registros de Câncer

Oncológica: desafios e perspectivas para os

de Atenção Oncológica: desafios e perspectivas para os Registros de Câncer SUS NOVA REGULAMENTAÇÃO DA ATENÇÃO
Registros de Câncer

Registros de Câncer

desafios e perspectivas para os Registros de Câncer SUS NOVA REGULAMENTAÇÃO DA ATENÇÃO ONCOLÓGICA PORTARIA
desafios e perspectivas para os Registros de Câncer SUS NOVA REGULAMENTAÇÃO DA ATENÇÃO ONCOLÓGICA PORTARIA
desafios e perspectivas para os Registros de Câncer SUS NOVA REGULAMENTAÇÃO DA ATENÇÃO ONCOLÓGICA PORTARIA
desafios e perspectivas para os Registros de Câncer SUS NOVA REGULAMENTAÇÃO DA ATENÇÃO ONCOLÓGICA PORTARIA
desafios e perspectivas para os Registros de Câncer SUS NOVA REGULAMENTAÇÃO DA ATENÇÃO ONCOLÓGICA PORTARIA

SUS

NOVA REGULAMENTAÇÃO DA ATENÇÃO ONCOLÓGICA

Câncer SUS NOVA REGULAMENTAÇÃO DA ATENÇÃO ONCOLÓGICA PORTARIA SAS/MS nº 741 de 19/12/2005 com Anexos: PORTARIA
Câncer SUS NOVA REGULAMENTAÇÃO DA ATENÇÃO ONCOLÓGICA PORTARIA SAS/MS nº 741 de 19/12/2005 com Anexos: PORTARIA
Câncer SUS NOVA REGULAMENTAÇÃO DA ATENÇÃO ONCOLÓGICA PORTARIA SAS/MS nº 741 de 19/12/2005 com Anexos: PORTARIA

PORTARIA SAS/MS nº 741 de 19/12/2005 com Anexos:

PORTARIA SAS/MS nº 741 de 19/12/2005 com Anexos:
PORTARIA SAS/MS nº 741 de 19/12/2005 com Anexos: PORTARIA GM/MS nº 2439 de 08/12/2005 Cláudio Pompeiano

PORTARIA GM/MS nº 2439 de 08/12/2005

19/12/2005 com Anexos: PORTARIA GM/MS nº 2439 de 08/12/2005 Cláudio Pompeiano Noronha Instituto Nacional de Câncer
19/12/2005 com Anexos: PORTARIA GM/MS nº 2439 de 08/12/2005 Cláudio Pompeiano Noronha Instituto Nacional de Câncer
19/12/2005 com Anexos: PORTARIA GM/MS nº 2439 de 08/12/2005 Cláudio Pompeiano Noronha Instituto Nacional de Câncer

Cláudio Pompeiano Noronha

GM/MS nº 2439 de 08/12/2005 Cláudio Pompeiano Noronha Instituto Nacional de Câncer Coordenação de Prevenção e

Instituto Nacional de Câncer Coordenação de Prevenção e Vigilância Divisão de Informação

Pompeiano Noronha Instituto Nacional de Câncer Coordenação de Prevenção e Vigilância Divisão de Informação
Pompeiano Noronha Instituto Nacional de Câncer Coordenação de Prevenção e Vigilância Divisão de Informação
Pompeiano Noronha Instituto Nacional de Câncer Coordenação de Prevenção e Vigilância Divisão de Informação
GRUPO DE TRABALHO § § MINISTÉRIO DA SAÚDE / SAS ; § INCA – Instituto
GRUPO DE TRABALHO § § MINISTÉRIO DA SAÚDE / SAS ; § INCA – Instituto

GRUPO DE TRABALHO

GRUPO DE TRABALHO § § MINISTÉRIO DA SAÚDE / SAS ; § INCA – Instituto Nacional
GRUPO DE TRABALHO § § MINISTÉRIO DA SAÚDE / SAS ; § INCA – Instituto Nacional
GRUPO DE TRABALHO § § MINISTÉRIO DA SAÚDE / SAS ; § INCA – Instituto Nacional
GRUPO DE TRABALHO § § MINISTÉRIO DA SAÚDE / SAS ; § INCA – Instituto Nacional
GRUPO DE TRABALHO § § MINISTÉRIO DA SAÚDE / SAS ; § INCA – Instituto Nacional

§§ MINISTÉRIO DA SAÚDE / SAS;

GRUPO DE TRABALHO § § MINISTÉRIO DA SAÚDE / SAS ; § INCA – Instituto Nacional

§ INCA – Instituto Nacional de Câncer;

SAÚDE / SAS ; § INCA – Instituto Nacional de Câncer; § CONASS – Conselho Nacional

§ CONASS Conselho Nacional de Secretários de

§ CONASS – Conselho Nacional de Secretários de Saúde; § CONASEMS - Conselho Nacional de Secretários
§ CONASS – Conselho Nacional de Secretários de Saúde; § CONASEMS - Conselho Nacional de Secretários

Saúde;

CONASS – Conselho Nacional de Secretários de Saúde; § CONASEMS - Conselho Nacional de Secretários

§ CONASEMS -

Conselho Nacional de Secretários

Saúde; § CONASEMS - Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde; § ABIFCC – Associação

Municipais de Saúde;

- Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde; § ABIFCC – Associação Brasileira de Instituições

§ ABIFCC Associação Brasileira de Instituições

§ ABIFCC – Associação Brasileira de Instituições Filantrópica de Combate ao Câncer; § CNM –
§ ABIFCC – Associação Brasileira de Instituições Filantrópica de Combate ao Câncer; § CNM –

Filantrópica de Combate ao Câncer; § CNM Confederação Nacional das Misericórdias;

§ CNM – Confederação Nacional das Misericórdias; § SBOC - Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica; §
§ CNM – Confederação Nacional das Misericórdias; § SBOC - Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica; §
§ CNM – Confederação Nacional das Misericórdias; § SBOC - Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica; §

§ SBOC - Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica;

§ SBOC - Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica; § SBRT - Sociedade Brasileira de Radioterapia; §

§ SBRT - Sociedade Brasileira de Radioterapia;

§ SBCO - Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica

Clínica; § SBRT - Sociedade Brasileira de Radioterapia; § SBCO - Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica
Clínica; § SBRT - Sociedade Brasileira de Radioterapia; § SBCO - Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica
Clínica; § SBRT - Sociedade Brasileira de Radioterapia; § SBCO - Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica
CONJUNTO DAS REGULAMENTAÇÕES PORTARIA 2439 – 08/12/2005 - GM/MS : Ø Institui a Política Nacional
CONJUNTO DAS REGULAMENTAÇÕES PORTARIA 2439 – 08/12/2005 - GM/MS : Ø Institui a Política Nacional
CONJUNTO DAS REGULAMENTAÇÕES PORTARIA 2439 – 08/12/2005 - GM/MS : Ø Institui a Política Nacional

CONJUNTO DAS REGULAMENTAÇÕES

CONJUNTO DAS REGULAMENTAÇÕES PORTARIA 2439 – 08/12/2005 - GM/MS : Ø Institui a Política Nacional de
CONJUNTO DAS REGULAMENTAÇÕES PORTARIA 2439 – 08/12/2005 - GM/MS : Ø Institui a Política Nacional de
CONJUNTO DAS REGULAMENTAÇÕES PORTARIA 2439 – 08/12/2005 - GM/MS : Ø Institui a Política Nacional de
CONJUNTO DAS REGULAMENTAÇÕES PORTARIA 2439 – 08/12/2005 - GM/MS : Ø Institui a Política Nacional de

PORTARIA 2439 – 08/12/2005 - GM/MS:

DAS REGULAMENTAÇÕES PORTARIA 2439 – 08/12/2005 - GM/MS : Ø Institui a Política Nacional de Atenção
DAS REGULAMENTAÇÕES PORTARIA 2439 – 08/12/2005 - GM/MS : Ø Institui a Política Nacional de Atenção

Ø Institui a Política Nacional de Atenção Oncológica:

Ø Institui a Política Nacional de Atenção Oncológica: Promoção, Prevenção, Diagnóstico,Tratamento,

Promoção, Prevenção, Diagnóstico,Tratamento,

Promoção, Prevenção, Diagnóstico,Tratamento, Reabilitação e Cuidados Paliativos, a ser implantada em
Promoção, Prevenção, Diagnóstico,Tratamento, Reabilitação e Cuidados Paliativos, a ser implantada em

Reabilitação e Cuidados Paliativos, a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências

em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. PORTARIA SAS/MS 741
em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. PORTARIA SAS/MS 741
em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. PORTARIA SAS/MS 741

das três esferas de gestão.

respeitadas as competências das três esferas de gestão. PORTARIA SAS/MS 741 – 19/12/2005 com Anexos :
respeitadas as competências das três esferas de gestão. PORTARIA SAS/MS 741 – 19/12/2005 com Anexos :
respeitadas as competências das três esferas de gestão. PORTARIA SAS/MS 741 – 19/12/2005 com Anexos :

PORTARIA SAS/MS 741 – 19/12/2005 com Anexos:

de gestão. PORTARIA SAS/MS 741 – 19/12/2005 com Anexos : Ø Definem as Unidades de Assistência

Ø Definem as Unidades de Assistência de Alta

com Anexos : Ø Definem as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia, os Centros

Complexidade em Oncologia, os Centros de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e os Centros de

de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia
de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia
de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia

Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas

os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui

aptidões e qualidades e inclui outras providências.

os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui
os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui
os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui
os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS Estabelece que
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS Estabelece que

PORTARIA 24243399 GGM/M/MSMS

PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS Estabelece que a
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS Estabelece que a
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS Estabelece que a

Estabelece que a Política Nacional de Atenção Oncológica deve ser

que a Política Nacional de Atenção Oncológica deve ser organizada de forma articulada com o Ministério

organizada de forma articulada com o Ministério da Saúde e com as Secretarias de Saúde dos estados e municípios, permitindo:

Secretarias de Saúde dos estados e municípios, permitindo: 1. Desenvolver estratégias coerentes com a política
Secretarias de Saúde dos estados e municípios, permitindo: 1. Desenvolver estratégias coerentes com a política
Secretarias de Saúde dos estados e municípios, permitindo: 1. Desenvolver estratégias coerentes com a política
Secretarias de Saúde dos estados e municípios, permitindo: 1. Desenvolver estratégias coerentes com a política

1. Desenvolver estratégias coerentes com a política nacional de

estratégias coerentes com a política nacional de promoção da saúde; 2. Organizar uma linha de cuidados

promoção da saúde;

coerentes com a política nacional de promoção da saúde; 2. Organizar uma linha de cuidados que
coerentes com a política nacional de promoção da saúde; 2. Organizar uma linha de cuidados que
coerentes com a política nacional de promoção da saúde; 2. Organizar uma linha de cuidados que

2. Organizar uma linha de cuidados que perpasse todos os níveis de atenção e de atendimento;

que perpasse todos os níveis de atenção e de atendimento; 3. Constituir Redes Estaduais ou Regionais
que perpasse todos os níveis de atenção e de atendimento; 3. Constituir Redes Estaduais ou Regionais
que perpasse todos os níveis de atenção e de atendimento; 3. Constituir Redes Estaduais ou Regionais
que perpasse todos os níveis de atenção e de atendimento; 3. Constituir Redes Estaduais ou Regionais
que perpasse todos os níveis de atenção e de atendimento; 3. Constituir Redes Estaduais ou Regionais

3. Constituir Redes Estaduais ou Regionais de Atenção Oncológica (Planos Estaduais de Saúde, hierarquização,

Oncológica (Planos Estaduais de Saúde, hierarquização, fluxos de referência e contra-referência, acesso e
Oncológica (Planos Estaduais de Saúde, hierarquização, fluxos de referência e contra-referência, acesso e

fluxos de referência e contra-referência, acesso e

(Planos Estaduais de Saúde, hierarquização, fluxos de referência e contra-referência, acesso e atendimento integral);

atendimento integral);

(Planos Estaduais de Saúde, hierarquização, fluxos de referência e contra-referência, acesso e atendimento integral);
(Planos Estaduais de Saúde, hierarquização, fluxos de referência e contra-referência, acesso e atendimento integral);
(Planos Estaduais de Saúde, hierarquização, fluxos de referência e contra-referência, acesso e atendimento integral);
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 4. Definir
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 4. Definir

PORTARIA 24243399 GGM/M/MSMS

PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 4. Definir critérios
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 4. Definir critérios
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 4. Definir critérios
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 4. Definir critérios

4. Definir critérios técnicos para o funcionamento e

MS MS 4. Definir critérios técnicos para o funcionamento e avaliação e monitoração dos serviços públicos

avaliação e monitoração dos serviços públicos e

e avaliação e monitoração dos serviços públicos e privados; 5. Ampliar a cobertura (universalidade, eqüidade,

privados;

e monitoração dos serviços públicos e privados; 5. Ampliar a cobertura (universalidade, eqüidade, a
e monitoração dos serviços públicos e privados; 5. Ampliar a cobertura (universalidade, eqüidade, a
e monitoração dos serviços públicos e privados; 5. Ampliar a cobertura (universalidade, eqüidade, a

5. Ampliar a cobertura (universalidade, eqüidade, a

5. Ampliar a cobertura (universalidade, eqüidade, a integralidade, o controle social e o acesso); 6. Fomentar,

integralidade, o controle social e o acesso);

eqüidade, a integralidade, o controle social e o acesso); 6. Fomentar, coordenar e executar projetos estratégicos
eqüidade, a integralidade, o controle social e o acesso); 6. Fomentar, coordenar e executar projetos estratégicos

6. Fomentar, coordenar e executar projetos estratégicos de

6. Fomentar, coordenar e executar projetos estratégicos de incorporação tecnológica; 7. Contribuir desenvolvimento
6. Fomentar, coordenar e executar projetos estratégicos de incorporação tecnológica; 7. Contribuir desenvolvimento

incorporação tecnológica;

projetos estratégicos de incorporação tecnológica; 7. Contribuir desenvolvimento de para o processos e
projetos estratégicos de incorporação tecnológica; 7. Contribuir desenvolvimento de para o processos e

7.

Contribuir

desenvolvimento

de

para

o

processos

e

7. Contribuir desenvolvimento de para o processos e métodos de coleta, análise e organização dos resultados

métodos de coleta, análise e organização dos resultados das ações decorrentes da Política Nacional de Atenção

de coleta, análise e organização dos resultados das ações decorrentes da Política Nacional de Atenção Oncológica;
de coleta, análise e organização dos resultados das ações decorrentes da Política Nacional de Atenção Oncológica;

Oncológica;

de coleta, análise e organização dos resultados das ações decorrentes da Política Nacional de Atenção Oncológica;
de coleta, análise e organização dos resultados das ações decorrentes da Política Nacional de Atenção Oncológica;
de coleta, análise e organização dos resultados das ações decorrentes da Política Nacional de Atenção Oncológica;
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 8. Promover
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 8. Promover

PORTARIA 24243399 GGM/M/MSMS

PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 8. Promover intercâmbio
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 8. Promover intercâmbio
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 8. Promover intercâmbio
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 8. Promover intercâmbio
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 8. Promover intercâmbio
PORTARIA 24 24 3 3 9 9 G G M/ M/ MS MS 8. Promover intercâmbio

8.

Promover

intercâmbio

com

outros

subsistemas

de

 
 

informações setoriais, implementando e aperfeiçoando

 
 
 

permanentemente a produção de dados e democratização das informações;

9.

Qualificar

a

assistência

e

promover

a

educação

   
 

permanente dos profissionais de saúde;

 
 
 

10. Fomentar a formação e especialização de recursos humanos;

11. Incentivar a pesquisa na atenção oncológica.

 
a formação e especialização de recursos humanos; 11. Incentivar a pesquisa na atenção oncológica.  
a formação e especialização de recursos humanos; 11. Incentivar a pesquisa na atenção oncológica.  
a formação e especialização de recursos humanos; 11. Incentivar a pesquisa na atenção oncológica.  
COMPONENTES FUNDAMENTAIS DA POLÍTICA NACIONAL • Promoção e Vigilância em Saúde ; • Atenção Básica;
COMPONENTES FUNDAMENTAIS DA POLÍTICA NACIONAL • Promoção e Vigilância em Saúde ; • Atenção Básica;

COMPONENTES FUNDAMENTAIS DA POLÍTICA NACIONAL

COMPONENTES FUNDAMENTAIS DA POLÍTICA NACIONAL • Promoção e Vigilância em Saúde ; • Atenção Básica; •
COMPONENTES FUNDAMENTAIS DA POLÍTICA NACIONAL • Promoção e Vigilância em Saúde ; • Atenção Básica; •
COMPONENTES FUNDAMENTAIS DA POLÍTICA NACIONAL • Promoção e Vigilância em Saúde ; • Atenção Básica; •
COMPONENTES FUNDAMENTAIS DA POLÍTICA NACIONAL • Promoção e Vigilância em Saúde ; • Atenção Básica; •

Promoção e Vigilância em Saúde;

POLÍTICA NACIONAL • Promoção e Vigilância em Saúde ; • Atenção Básica; • Média complexidade; •
POLÍTICA NACIONAL • Promoção e Vigilância em Saúde ; • Atenção Básica; • Média complexidade; •

Atenção Básica;

Promoção e Vigilância em Saúde ; • Atenção Básica; • Média complexidade; • Alta complexidade; •

Média complexidade;

Saúde ; • Atenção Básica; • Média complexidade; • Alta complexidade; • Centros de Referência de

Alta complexidade;

Básica; • Média complexidade; • Alta complexidade; • Centros de Referência de Alta Complexidade em

Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia;

Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia; • Plano de Controle do Tabagismo e outros
Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia; • Plano de Controle do Tabagismo e outros

Plano de Controle do Tabagismo e outros Fatores de Risco,

Plano de Controle do Tabagismo e outros Fatores de Risco, do Câncer do Colo do Útero

do Câncer do Colo do Útero e da Mama;

Fatores de Risco, do Câncer do Colo do Útero e da Mama; • Regulamentação suplementar e
Fatores de Risco, do Câncer do Colo do Útero e da Mama; • Regulamentação suplementar e

Regulamentação suplementar e complementar;

e da Mama; • Regulamentação suplementar e complementar; • Regulação, fiscalização, controle e avaliação;

Regulação, fiscalização, controle e avaliação;

• Regulação, fiscalização, controle e avaliação; • Sistema de Informação; • Diretrizes Nacionais para

Sistema de Informação;

controle e avaliação; • Sistema de Informação; • Diretrizes Nacionais para a Atenção Oncológica; •
controle e avaliação; • Sistema de Informação; • Diretrizes Nacionais para a Atenção Oncológica; •

Diretrizes Nacionais para a Atenção Oncológica;

• Diretrizes Nacionais para a Atenção Oncológica; • Avaliação Tecnológica; • Educação permanente e

Avaliação Tecnológica;

Nacionais para a Atenção Oncológica; • Avaliação Tecnológica; • Educação permanente e capacitação.

Educação permanente e capacitação.

Nacionais para a Atenção Oncológica; • Avaliação Tecnológica; • Educação permanente e capacitação.
Nacionais para a Atenção Oncológica; • Avaliação Tecnológica; • Educação permanente e capacitação.
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.)

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de
POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA (cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de

Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o

(cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do
(cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do
(cont.) Estabelece o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do

Centro de Referência de Alta Complexidade do

o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da

Ministério da Saúde (Art 4º).

o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
o Instituto Nacional do Câncer como o Centro de Referência de Alta Complexidade do Ministério da
PORTARIA 741 - SAS/MS Define: • as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia;
PORTARIA 741 - SAS/MS Define: • as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia;

PORTARIA 741 - SAS/MS

PORTARIA 741 - SAS/MS Define: • as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; •
PORTARIA 741 - SAS/MS Define: • as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; •
PORTARIA 741 - SAS/MS Define: • as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; •
PORTARIA 741 - SAS/MS Define: • as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; •
PORTARIA 741 - SAS/MS Define: • as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; •

Define:

PORTARIA 741 - SAS/MS Define: • as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; •
PORTARIA 741 - SAS/MS Define: • as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; •
PORTARIA 741 - SAS/MS Define: • as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; •

• as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em

• as Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; • os Centros de Assistência de

Oncologia;

Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; • os Centros de Assistência de Alta Complexidade
Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; • os Centros de Assistência de Alta Complexidade
Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia; • os Centros de Assistência de Alta Complexidade

• os Centros de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e

de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e • os Centros de Referência de Alta
de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e • os Centros de Referência de Alta
de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e • os Centros de Referência de Alta
de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e • os Centros de Referência de Alta
de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) e • os Centros de Referência de Alta

• os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui outras

os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui
os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui

providências.

os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui
os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui
os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui
os Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia e suas aptidões e qualidades e inclui
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades

PORTARIA 741 - SAS/MS

PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades e
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades e
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades e
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades e
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades e

REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER

PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades e
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades e
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades e

Art. 5º - Estabelecer que as Unidades e Centros de

CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades e Centros de Assistência de Alta Complexidade em
CÂNCER Art. 5º - Estabelecer que as Unidades e Centros de Assistência de Alta Complexidade em

Assistência de Alta Complexidade em Oncologia e

Centros de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia e Centros de Referência de Alta Complexidade em

Centros

de

Referência

de

Alta

Complexidade

em

e Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia implantem, em doze meses a partir da
e Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia implantem, em doze meses a partir da
e Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia implantem, em doze meses a partir da

Oncologia implantem, em doze meses a partir da

publicação desta Portaria, o Registro Hospitalar de

a partir da publicação desta Portaria, o Registro Hospitalar de Câncer , informatizado, se inexistente no
a partir da publicação desta Portaria, o Registro Hospitalar de Câncer , informatizado, se inexistente no

Câncer, informatizado, se inexistente no hospital.

a partir da publicação desta Portaria, o Registro Hospitalar de Câncer , informatizado, se inexistente no
a partir da publicação desta Portaria, o Registro Hospitalar de Câncer , informatizado, se inexistente no
a partir da publicação desta Portaria, o Registro Hospitalar de Câncer , informatizado, se inexistente no
a partir da publicação desta Portaria, o Registro Hospitalar de Câncer , informatizado, se inexistente no
a partir da publicação desta Portaria, o Registro Hospitalar de Câncer , informatizado, se inexistente no
a partir da publicação desta Portaria, o Registro Hospitalar de Câncer , informatizado, se inexistente no
a partir da publicação desta Portaria, o Registro Hospitalar de Câncer , informatizado, se inexistente no
a partir da publicação desta Portaria, o Registro Hospitalar de Câncer , informatizado, se inexistente no
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Parágrafo Único - Arquivos eletrônicos dos dados
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Parágrafo Único - Arquivos eletrônicos dos dados

PORTARIA 741 - SAS/MS

PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Parágrafo Único - Arquivos eletrônicos dos dados anuais
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Parágrafo Único - Arquivos eletrônicos dos dados anuais
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Parágrafo Único - Arquivos eletrônicos dos dados anuais
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Parágrafo Único - Arquivos eletrônicos dos dados anuais
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Parágrafo Único - Arquivos eletrônicos dos dados anuais
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Parágrafo Único - Arquivos eletrônicos dos dados anuais

REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER

PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Parágrafo Único - Arquivos eletrônicos dos dados anuais
PORTARIA 741 - SAS/MS REGISTRO HOSPITALAR DE CÂNCER Parágrafo Único - Arquivos eletrônicos dos dados anuais

Parágrafo Único - Arquivos eletrônicos dos dados anuais consolidados deverão, no mês de setembro de cada

anuais consolidados deverão, no mês de setembro de cada ano, a partir de 2007 , ser
anuais consolidados deverão, no mês de setembro de cada ano, a partir de 2007 , ser
anuais consolidados deverão, no mês de setembro de cada ano, a partir de 2007 , ser
anuais consolidados deverão, no mês de setembro de cada ano, a partir de 2007 , ser
anuais consolidados deverão, no mês de setembro de cada ano, a partir de 2007 , ser
anuais consolidados deverão, no mês de setembro de cada ano, a partir de 2007 , ser

ano, a partir de 2007, ser encaminhados para o

Instituto Nacional de Câncer, que deverá publicá-los

para o Instituto Nacional de Câncer , que deverá publicá-los e divulgá-los de forma organizada e
para o Instituto Nacional de Câncer , que deverá publicá-los e divulgá-los de forma organizada e

e divulgá-los de forma organizada e analítica.

para o Instituto Nacional de Câncer , que deverá publicá-los e divulgá-los de forma organizada e
para o Instituto Nacional de Câncer , que deverá publicá-los e divulgá-los de forma organizada e
para o Instituto Nacional de Câncer , que deverá publicá-los e divulgá-los de forma organizada e
para o Instituto Nacional de Câncer , que deverá publicá-los e divulgá-los de forma organizada e
para o Instituto Nacional de Câncer , que deverá publicá-los e divulgá-los de forma organizada e
para o Instituto Nacional de Câncer , que deverá publicá-los e divulgá-los de forma organizada e
para o Instituto Nacional de Câncer , que deverá publicá-los e divulgá-los de forma organizada e
para o Instituto Nacional de Câncer , que deverá publicá-los e divulgá-los de forma organizada e
para o Instituto Nacional de Câncer , que deverá publicá-los e divulgá-los de forma organizada e
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE

PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I

PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA

NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E

PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA

CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS

DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA

DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS

DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM

CENTROS DE REFERÊNCIA

DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM

DE ALTA COMPLEXIDADE

DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM
DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM

EM ONCOLOGIA

DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM
DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM
DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM
DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM
DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM
DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM
DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM
DE UNIDADES E CENTROS DE ASSISTÊNCIA E AUTORIZAÇÃO DOS CENTROS DE REFERÊNCIA DE ALTA COMPLEXIDADE EM
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I 4.1. Disposições Gerais: Registro Hospitalar de Câncer (RHC); Item g)
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I 4.1. Disposições Gerais: Registro Hospitalar de Câncer (RHC); Item g)

PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I

PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I 4.1. Disposições Gerais: Registro Hospitalar de Câncer (RHC); Item g) As
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I 4.1. Disposições Gerais: Registro Hospitalar de Câncer (RHC); Item g) As
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I 4.1. Disposições Gerais: Registro Hospitalar de Câncer (RHC); Item g) As
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I 4.1. Disposições Gerais: Registro Hospitalar de Câncer (RHC); Item g) As

4.1. Disposições Gerais:

PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I 4.1. Disposições Gerais: Registro Hospitalar de Câncer (RHC); Item g) As
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO I 4.1. Disposições Gerais: Registro Hospitalar de Câncer (RHC); Item g) As

Registro Hospitalar de Câncer (RHC);

Disposições Gerais: Registro Hospitalar de Câncer (RHC); Item g) As Unidades e Centros devem dispor e
Disposições Gerais: Registro Hospitalar de Câncer (RHC); Item g) As Unidades e Centros devem dispor e
Disposições Gerais: Registro Hospitalar de Câncer (RHC); Item g) As Unidades e Centros devem dispor e

Item g) As Unidades e Centros devem dispor e manter em

Item g) As Unidades e Centros devem dispor e manter em funcionamento o Registro Hospitalar de

funcionamento o Registro Hospitalar de Câncer (RHC),

em funcionamento o Registro Hospitalar de C â ncer (RHC), informatizado, segundo os crit é rios
em funcionamento o Registro Hospitalar de C â ncer (RHC), informatizado, segundo os crit é rios

informatizado, segundo os critérios técnico-operacionais

segundo os crit é rios t é cnico-operacionais estabelecidos e divulgados pelo Instituto Nacional de C
segundo os crit é rios t é cnico-operacionais estabelecidos e divulgados pelo Instituto Nacional de C

estabelecidos e divulgados pelo Instituto Nacional de Câncer, disponível na página do INCA <http:// http://www.inca.gov.br/> ou

gina do INCA <http:// http://www.inca.gov.br/> ou de acordo com as disposi çõ es da Secretaria de
gina do INCA <http:// http://www.inca.gov.br/> ou de acordo com as disposi çõ es da Secretaria de
gina do INCA <http:// http://www.inca.gov.br/> ou de acordo com as disposi çõ es da Secretaria de

de acordo com as disposições da Secretaria de Saúde do estado

ou de acordo com as disposi çõ es da Secretaria de Sa ú de do estado

onde estiver localizado.

ou de acordo com as disposi çõ es da Secretaria de Sa ú de do estado
ou de acordo com as disposi çõ es da Secretaria de Sa ú de do estado
ou de acordo com as disposi çõ es da Secretaria de Sa ú de do estado
ou de acordo com as disposi çõ es da Secretaria de Sa ú de do estado
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO III PAR Â METROS PARA O PLANEJAMENTO E AVALIA ÇÃ O
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO III PAR Â METROS PARA O PLANEJAMENTO E AVALIA ÇÃ O

PORTARIA 741 - SAS/ANEXO III

PORTARIA 741 - SAS/ANEXO III PAR Â METROS PARA O PLANEJAMENTO E AVALIA ÇÃ O DA
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO III PAR Â METROS PARA O PLANEJAMENTO E AVALIA ÇÃ O DA
PORTARIA 741 - SAS/ANEXO III PAR Â METROS PARA O PLANEJAMENTO E AVALIA ÇÃ O DA

PARÂMETROS PARA O PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA

E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA 4. Indicadores Para a avalia
E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA 4. Indicadores Para a avalia
E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA 4. Indicadores Para a avalia
E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA 4. Indicadores Para a avalia
E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA 4. Indicadores Para a avalia
E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA 4. Indicadores Para a avalia

4. Indicadores

O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA 4. Indicadores Para a avalia çã o dos
O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA 4. Indicadores Para a avalia çã o dos
O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA 4. Indicadores Para a avalia çã o dos
O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA 4. Indicadores Para a avalia çã o dos

Para a avaliação dos serviços prestados, deverão ser

a avalia çã o dos servi ç os prestados, dever ã o ser definidos indicadores pela

definidos indicadores pela Secretaria de Atenção à Saúde, em

indicadores pela Secretaria de Aten çã o à Sa ú de, em conjunto com o Instituto

conjunto com o Instituto Nacional de Câncer, considerando-

com o Instituto Nacional de C â ncer, considerando- se inclusive aqueles indicadores j á definidos

se inclusive aqueles indicadores já definidos e adotados pelo

de C â ncer, considerando- se inclusive aqueles indicadores j á definidos e adotados pelo Minist

Ministério da Saúde.

de C â ncer, considerando- se inclusive aqueles indicadores j á definidos e adotados pelo Minist
de C â ncer, considerando- se inclusive aqueles indicadores j á definidos e adotados pelo Minist
de C â ncer, considerando- se inclusive aqueles indicadores j á definidos e adotados pelo Minist
de C â ncer, considerando- se inclusive aqueles indicadores j á definidos e adotados pelo Minist
PAR Â METROS PARA O PLANEJAMENTO E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE
PAR Â METROS PARA O PLANEJAMENTO E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE

PARÂMETROS PARA O PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA

E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA Sugest ã o de indicadores
E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA Sugest ã o de indicadores
E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA Sugest ã o de indicadores
E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA Sugest ã o de indicadores
E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA Sugest ã o de indicadores
E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA Sugest ã o de indicadores
E AVALIA ÇÃ O DA REDE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA Sugest ã o de indicadores

Sugestão de indicadores relacionados com RHC:

ONCOLOGIA Sugest ã o de indicadores relacionados com RHC: ü Percentual de UNACON/CACON com RHC ativo
ONCOLOGIA Sugest ã o de indicadores relacionados com RHC: ü Percentual de UNACON/CACON com RHC ativo
ONCOLOGIA Sugest ã o de indicadores relacionados com RHC: ü Percentual de UNACON/CACON com RHC ativo
ONCOLOGIA Sugest ã o de indicadores relacionados com RHC: ü Percentual de UNACON/CACON com RHC ativo

ü Percentual de UNACON/CACON com RHC ativo

com RHC: ü Percentual de UNACON/CACON com RHC ativo ü Percentual de pacientes em seguimento (casos

ü Percentual de pacientes em seguimento (casos analíticos)

Percentual de pacientes em seguimento (casos anal í ticos) ü Percentual de tumores com estadiamento cl

ü Percentual de tumores com estadiamento clínico dentre os

Percentual de tumores com estadiamento cl í nico dentre os estadi á veis ü Tempo m

estadiáveis

tumores com estadiamento cl í nico dentre os estadi á veis ü Tempo m é dio
tumores com estadiamento cl í nico dentre os estadi á veis ü Tempo m é dio

ü Tempo médio entre a data do diagnóstico e a do início do tratamento

cl í nico dentre os estadi á veis ü Tempo m é dio entre a data
cl í nico dentre os estadi á veis ü Tempo m é dio entre a data
cl í nico dentre os estadi á veis ü Tempo m é dio entre a data
cl í nico dentre os estadi á veis ü Tempo m é dio entre a data
cl í nico dentre os estadi á veis ü Tempo m é dio entre a data
cl í nico dentre os estadi á veis ü Tempo m é dio entre a data
cl í nico dentre os estadi á veis ü Tempo m é dio entre a data
O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica Desafios e Perspectivas para os Registros de
O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica Desafios e Perspectivas para os Registros de

O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica

O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica Desafios e Perspectivas para os Registros de C
O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica Desafios e Perspectivas para os Registros de C
O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica Desafios e Perspectivas para os Registros de C
O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica Desafios e Perspectivas para os Registros de C
O Impacto da nova Política de Atenção Oncológica Desafios e Perspectivas para os Registros de C

Desafios e Perspectivas para os Registros de Câncer

Desafios e Perspectivas para os Registros de C â ncer ü Ampliar cobertura ü Consolidar funcionamento
Desafios e Perspectivas para os Registros de C â ncer ü Ampliar cobertura ü Consolidar funcionamento
Desafios e Perspectivas para os Registros de C â ncer ü Ampliar cobertura ü Consolidar funcionamento
Desafios e Perspectivas para os Registros de C â ncer ü Ampliar cobertura ü Consolidar funcionamento
Desafios e Perspectivas para os Registros de C â ncer ü Ampliar cobertura ü Consolidar funcionamento

ü Ampliar cobertura

para os Registros de C â ncer ü Ampliar cobertura ü Consolidar funcionamento regular ü Coletar
para os Registros de C â ncer ü Ampliar cobertura ü Consolidar funcionamento regular ü Coletar

ü Consolidar funcionamento regular

ü Ampliar cobertura ü Consolidar funcionamento regular ü Coletar dados de qualidade ü Avaliar os resultados
ü Ampliar cobertura ü Consolidar funcionamento regular ü Coletar dados de qualidade ü Avaliar os resultados

ü Coletar dados de qualidade

funcionamento regular ü Coletar dados de qualidade ü Avaliar os resultados da assist ê ncia ü
funcionamento regular ü Coletar dados de qualidade ü Avaliar os resultados da assist ê ncia ü

ü Avaliar os resultados da assistência

de qualidade ü Avaliar os resultados da assist ê ncia ü Contribuir para aperfei ç oamento
de qualidade ü Avaliar os resultados da assist ê ncia ü Contribuir para aperfei ç oamento

ü Contribuir para aperfeiçoamento gerencial e

ê ncia ü Contribuir para aperfei ç oamento gerencial e assistencial da unidade ü Divulgar as
ê ncia ü Contribuir para aperfei ç oamento gerencial e assistencial da unidade ü Divulgar as

assistencial da unidade

para aperfei ç oamento gerencial e assistencial da unidade ü Divulgar as informa çõ es ü

ü Divulgar as informações

oamento gerencial e assistencial da unidade ü Divulgar as informa çõ es ü Alimentar o sistema

ü Alimentar o sistema nacional RHC net

oamento gerencial e assistencial da unidade ü Divulgar as informa çõ es ü Alimentar o sistema
oamento gerencial e assistencial da unidade ü Divulgar as informa çõ es ü Alimentar o sistema

Minat Terkait