Anda di halaman 1dari 4

UNIVERSIDADE PAULISTA

INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO – ICSC


CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

COMPETÊNCIA E LIDERANÇA

Exemplos de Eficiência e Eficácia

Professora: Maria Laura

ALUNOS: SALA: 503


Jéssica Brito da Silva RA: A613374
Marcela Guedes Caruso RA: A612467
Susllen Oliveira de Campos RA: A5007I-0
Tatiane Santana RA: A5971l-9
Ronei Aparecido V. Santos RA: A6135H-6
EXEMPLO DE EFICIÊNCIA E EFICÁCIA

MERCEDES-BENZ - Caminhões Axor: rentabilidade e excelência para o


mercado de transportes

Liderança conquistada

“O lançamento da linha Axor na imprensa gerou um total de 104 matérias,


equivalente a 46 páginas de jornal, com retorno financeiro de R$ 1,42 milhão”

A Mercedes-Benz realizou um estudo de mercado e constatou que não possuía


expressão no segmento de extrapesados. Em contrapartida, a concorrência era
configurada por marcas tradicionais. Diante desse panorama, a empresa traçou
um extenso mapeamento da economia e da política brasileira e seus principais
cenários. Dentre as deficiências da concorrência, a Mercedes-Benz percebeu:
alto consumo de combustível; potência inadequada para estradas e tipos de
cargas transportados; e baixo valor de revenda. Tendo como modelo uma linha
já consagrada na Alemanha, nascia a linha brasileira Axor.

PLANO – Partindo do estudo realizado pela Mercedes-Benz, a linha Axor


apresentava como seu principal diferencial a customização de seus caminhões
e, com ela, uma série de vantagens sobre os concorrentes, como: motor
eletrônico; flexibilidade e versatilidade; plataformas de cargas otimizadas;
garantia Mercedes-Benz; computador de bordo; Turbo-Brake (eficiência de
frenagem e mais segurança), entre outros. A linha comprovava
economia/rentabilidade, sobretudo no teste de combustível, com vantagem de
até 37% em relação ao principal concorrente. Em relação ao valor de revenda,
um ganho de 25% em relação aos similares de outras marcas.

EXECUÇÃO – Foi desenvolvida uma campanha publicitária pela agência


MatosGrey, tendo como suporte o conceito “O conforto que você quer com o
desempenho de que você precisa”, seguido da assinatura “Axor, um caminhão
de respeito”. Em paralelo, foram realizadas diversas ações de CRM e um
evento de apresentação em Foz do Iguaçu. Também foram criados o canal de
relacionamento de vendas, o Axor Center, o sistema de consultoria ao cliente
Mercedes-Benz (MBKS) e o Portal de Informações Técnicas (PIT).

RESULTADOS – Com a família Axor, a Mercedes assumiu a liderança do


segmento de extrapesados em 2007. Até 2006, ocupava a terceira posição no
ranking. O Axor 2540 é o modelo mais vendido do mercado, com um
crescimento de 96% nas vendas de janeiro a agosto deste ano, contra 37% da
média do mercado no mesmo período.

Fonte: www.revistamarketing.com.br

Definição do grupo: O grupo optou pelo exemplo acima, pois se


trata de um processo eficiente que resultou em eficácia.
EXEMPLO DE EFICÁCIA

Em 1975, o uso de aviões foi responsável pela extinção dos focos de


mosquitos culex na região da Baixada Santista, em São Paulo”, explica o
assessor técnico do Sindag, engenheiro agrônomo Eduardo Araújo. Na época,
com três aplicações em quatro semanas, a estratégia acabou com um surto de
encefalite que assolava municípios como Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe. A
técnica não traz danos ao meio ambiente, comprovadamente.

Fonte: http://www.combateadengue.com.br/

EXEMPLO DE EFICIÊNCIA
Métodos eficientes pelo Brasil

Ao contrário de São Paulo, outros entrepostos pelo país já tomaram a iniciativa


de reciclar as caixas de madeira e substituí-las por plásticas.

No Ceasa de Campinas, interior de São Paulo foi instalado um banco de caixa


plásticas onde é feita a locação, venda, armazenagem e higienização correta
das embalagens. Ao deixar as caixas plásticas para serem higienizadas, os
clientes recebem créditos em um cartão, que podem ser utilizados na compra
de uma nova caixa. Outras cidades, como Uberlândia, Brasília, Porto Alegre,
Goiânia e Recife também aderiram ao banco. A intenção é substituir totalmente
as caixas de madeira por plásticas.

Fonte: Revista Intra Logística, nº 234, março de 2010.

EXEMPLO DE EFICIÊNCIA

Nota Fiscal Paulista: saiba como funciona programa que dá


créditos ao consumidor

Foi para incentivar os consumidores a criarem a cultura de pedir o recibo em


suas compras que o governo do estado de São Paulo lançou em outubro de
2007 o Projeto Nota Fiscal Paulista. O incentivo vem com a devolução, por
meio de créditos, de 30% do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias
e Serviços) recolhido pelo comércio a quem solicitar a nota, colocando nela o
número do CPF ou do CNPJ.

Esses créditos poderão ser usados para redução do valor do IPVA (Imposto
sobre Propriedade de Veículos Automotores), ser depositados em conta-
corrente ou cartão de crédito ou ainda ser transferidos para outra pessoa.

Combate à sonegação e maior controle dos gastos


A proposta foi bem recebida por especialistas da área tributária, pois assim os
consumidores podem ver que realmente pagam os impostos e não o comércio.
Além disso, pode haver estímulo ao consumo consciente, já que as pessoas
tendem a dar preferência ao estabelecimento legalizado, que sempre foi
obrigado a fornecer o documento fiscal, evitando os ambulantes e a pirataria.

Há ainda a vantagem de se poder controlar o orçamento, pois, guardando a


nota, o consumidor poderá verificar onde e quanto gastou. Com tantas
possibilidades pela frente, veja agora as principais regras de funcionamento do
programa.

Onde e como participar


O Programa Nota Fiscal Paulista foi implantado gradualmente no comércio,
entre outubro de 2007 e maio de 2008. Primeiramente, tiveram de aderir os
restaurantes e, em seguida, padarias, bares e lanchonetes. Também fazem
parte da iniciativa os seguintes segmentos:

Para obter os créditos, o consumidor deve informar, no momento da compra, o


número do CPF para ser incluído na nota fiscal. O registro das notas e cupons
fiscais no programa é de responsabilidade do comércio.

Fonte: http://www.gov.sp.com.br

EXEMPLO DE EFICIÊNCIA

A edição 2006 do Harbour Report, um estudo de como a indústria


automobilística americana está indo, mostra que a empresa que teve
operações de fabricação de carros mais eficientes em 2005 foi a Nissan,
seguida pela Toyota, Honda, General Motors, Chrysler Group e Ford.

Em média, a Nissan precisou de 28,46 horas de trabalho de um funcionário


para produzir um carro, enquanto a Ford precisou de 35,82 horas. Estes
resultados mostram que as empresas americanas já estão chegando perto,
mas precisam melhorar ainda mais.

O relatório estima que este fato de a Nissan ser mais eficiente, dá para ela uma
vantagem de US$ 450 por carro produzido. Nada mal!

Já vendo a utilização da capacidade de produção, as fábricas da Ford andam


com 79% da sua capacidade sendo utilizada, que está devagar perto de
Toyota, Nissan e DaimlerChrysler, que estão entre 94% e 106%.

Olhando a lista de baixo pra cima encontramos a GM, perdendo cerca de US$
2.496 em cada carro que fabricou em 2005. Ugh!

A Ford perdeu US$ 590, enquanto a Chrysler ganhou US$ 223 por carro.

Fonte: http://www.noticiasautomotivas.com.br