Anda di halaman 1dari 58

1

01 LIDERANÇA
FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA BÁSICA
Mateus 5:1-16.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA COMPLEMENTAR


Marcos 9:35; Hebreus 11; 1Coríntios 11:1; 2Timóteo 2:15; 1Samuel 11:45-46, Atos
13:1-3; 2Timóteo 2:1,2.

TEXTO CHAVE
“Vós sois o sal da terra; mas se o sal se tornar insípido, com que se há de
restaurar-lhe o sabor? para nada mais presta, senão para ser lançado
fora, e ser pisado pelos homens” ( Mateus 5:13).

PROPÓSITO
Quando perguntaram ao grande mestre Miguel Ângelo sobre sua obra “Davi”, ele
disse: “A imagem sempre esteve ali; a única coisa que fiz foi remover alguns
entulhos para descobri-la”. Com o modelo de liderança e discipulado ocorreu o
mesmo, sempre esteve ali, somente que o Senhor nos permitiu remover alguns
entulhos que impediam os crentes de vê-lo com clareza.
Através do modelo de liderança e discipulado podemos descobrir o potencial de
centenas e centenas de pessoas que chegam à nossa igreja e que, na direção do
Espírito Santo, são moldadas até se converterem em líderes que dão um fruto
extraordinário. Em outras palavras, o modelo de discipulado tem proporcionado
identificar o verdadeiro conceito de liderança e a aplicá-lo com eficiência em nosso
trabalho ministerial.
O propósito desta lição é ajudá-lo a conhecer a essência da liderança a partir de
uma perspectiva bíblica e guiá-lo a descobrir o líder que há em você.

1. QUE SE ENTENDE POR LIDERANÇA?


Existem numerosas definições e conceitos sobre liderança, mas é fundamental que
este possa ser forjado aos pés da cruz, já que ali o homem depõe o pecado, o
orgulho, a soberba, o egoísmo, a avareza, etc. Assim estaremos preparados para
exercer influência sobre outros e ajudá-los a alcançar o mais alto desenvolvimento
de seu potencial.
A influência envolve três aspectos essenciais: Moldar o caráter das pessoas,
descobrir seus valores e talentos, e reconhecer suas qualidades. Levar em conta
estes aspectos permite orientar o indivíduo para sua realização pessoal,
contribuindo por conseguinte para que aquele que realize esta obra seja
considerado um líder de sucesso.

A. A IMPORTÂNCIA EM GUIAR OUTROS

2
Se você consegue cultivar uma excelente relação com o Espírito Santo, já está
sendo influenciado de modo correto, pois Ele é o melhor amigo que alguém possa
ter. Se recebermos as instruções de cima, será fácil executá-las nesta terra.

O centurião que desejava que seu servo fosse curado, compreendia muito bem qual
é o sentido de autoridade, quando disse ao Senhor: “Respondeu-lhe Jesus: Eu
irei, e o curarei. O centurião, porém, replicou-lhe: Senhor, não sou digno
de que entres debaixo do meu telhado; mas somente dize uma palavra, e
o meu criado há de sarar. Pois também eu sou homem sujeito à
autoridade, e tenho soldados às minhas ordens; e digo a este: Vai, e ele
vai; e a outro: Vem, e ele vem; e ao meu servo: Faze isto, e ele o faz.
Jesus, ouvindo isso, admirou-se, e disse aos que o seguiam: Em verdade
vos digo que a ninguém encontrei em Israel com tamanha fé” ( Mt. 8:7-10).
“Vós sois o sal da terra; mas se o sal se tornar insípido, com que se há de
restaurar-lhe o sabor? para nada mais presta, senão para ser lançado
fora, e ser pisado pelos homens” (Mateus 5:13).
A integridade deve ser a base de toda a liderança; perdê-la equivale a vender a
primogenitura por um prato de lentilhas. Mas manter-se em retidão leva-nos a ter
um coração conforme o coração de Deus. “Perfeito serás diante de Jeová Teu
Deus” (Dt. 18:13).
“Que pelo poder de Deus sois guardados, mediante a fé, para a salvação
que está preparada para se revelar no último tempo” (1 Pe.1:15 ).
“ao coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus” (Sl. 51:17).
“Com os ouvidos eu ouvira falar de ti; mas agora te vêem os meus olhos”
(Jó 42:5).
“Meus irmãos, tende por motivo de grande gozo o passardes por várias
provações, sabendo que a aprovação da vossa fé produz a perseverança”
(Tg.1:2-3).

B. A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DETERMINANTE


A maior motivação ocorre quando as pessoas sabem para onde se dirigem, quando
vislumbram um desenvolvimento progressivo dentro de seu ministério, quando são
capazes de ver como podem conquistar suas metas.
O Senhor Jesus exerceu Sua liderança mediante uma motivação permanente em
Seus discípulos para que, com boa vontade, atitude correta e diligência cumprissem
o desejo de Seu coração. Mas esta motivação foi alcançada na medida em que teve
um contato permanente com Seus discípulos, mostrando-se Ele próprio como
exemplo. O líder que quer ter sucesso com seus discípulos, não deve sentir ciúmes
nem desconfiança deles, pois sua meta é levá-los a desenvolver seu potencial ao
máximo. Graças à motivação que o Senhor deu a Seus discípulos, estes
esforçaram-se em dar a conhecer a todo o mundo a doutrina e ofereceram suas
vidas pela causa de Cristo.
A influência que dá sentido à verdadeira liderança implica em animar o indivíduo,
motivá-lo, estimulá-lo à inovação, desafiá-lo a descobrir e aproveitar seus dons e
talentos e, sobretudo, formá-lo até que esteja capacitado a influenciar outros. O
apóstolo Paulo disse: “Sede meus imitadores, como também eu o sou de
Cristo” (1 Co. 11:1).
Ao falar de influência faz-se referência também à habilidade de ter seguidores.
Ninguém pode dizer que é líder se não tem alguém que o siga. Pelo contrário,

3
“quem pensa que dirige e não tem ninguém seguindo-o, somente está dando um
passeio”.

C. A VERDADEIRA LIDERANÇA ESTIMULA O DESENVOLVIMENTO PESSOAL


Possuindo uma visão definida como roteiro, a verdadeira liderança é a que contribui
para o desenvolvimento pessoal de cada um dos que estão sendo dirigidos,
entendendo que o alcance do propósito depende da integridade da pessoa que
lidera. A esse respeito Paulo disse a Timóteo:
“Procura apresentar-te diante de Deus aprovado, como obreiro que não
tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (2Tm.
2:15).
O verdadeiro líder procura uma mudança positiva naqueles que estão sob sua
responsabilidade. Cuidar dos seus interesses pessoais e do aprimoramento de seu
estilo de vida contribui para solidificar a liderança.

D. A LIDERANÇA EFICAZ FORJA VALENTES


A liderança eficaz está integrada por pessoas valorosas, ou seja, por aqueles que
superam os temores, a insegurança e os complexos, e somente estes estão
capacitados para forjar valentes dentro de sua equipe. A estratégia de Deus para
forjar Seus valentes é a mesma: sempre prova as pessoas nas pequenas coisas,
porque Ele não dá grandes responsabilidades até que esteja seguro de que somos
capazes de assumi-las.
Davi é um exemplo claro do líder que, formado através de pequenas experiências,
converte-se em um valente nas mãos de Deus. Sendo treinado em seu trabalho
como pastor de ovelhas, enfrentando as feras do campo, quando estava diante do
gigante o desafiou convencido de que Quem o havia livrado das feras também o
livraria do gigante, e que no Nome do Senhor obteria a vitória (1 Sm. 17:45-46).

2. A LIDERANÇA DE SUCESSO
O sucesso destina-se a todas as pessoas, mas somente as que se dispõem a lutar
para encontrá-lo poderão desfrutá-lo. Paulo disse: “Não sabeis vós que os que
correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só é que recebe o
prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis” (1 Co. 9:24).
Para chegar a uma liderança de sucesso, o líder deve caracterizar-se por ter um
espírito de serviço ( Mc 9:35), uma visão definida e esforçar-se em alcançá-la, assim
como em exercitar sua fé permanentemente como os homens de Deus descritos
em Hebreus capítulo 11.

A. O LÍDER DE SUCESSO É UM SONHADOR


• O líder de sucesso é alguém que tem sonhos dados pelo Espírito Santo.
• Deus abre seus olhos espirituais, dando-lhe visões de algo fora do comum que
Ele quer que realize.
• Deus o fortalece na fé, para que execute Seus sonhos.
• Deve viver sempre no nível da fé, e não pode ao mesmo tempo mover-se no
complicado mundo da lógica. “O justo viverá pela fé e se retroceder Minha
alma não se agradará’. A lógica é como um táxi que o leva até ao aeroporto,
para que embarque no avião da fé que o levará a seu destino eterno. Ou está no

4
avião da fé ou no táxi da lógica. Não pretenda andar em ambos ao mesmo
tempo.
• Os sonhos nobres e grandes são o material com que entretecemos nosso
futuro. Quando temos um sonho, uma visão dada por Deus, recebemos tanta
segurança em nosso coração que não cabe a menor dúvida de que iremos
alcançá-lo.
• Declare continuamente o milagre como algo real que já lhe pertence e não
deve descansar até ver seu sonho realizado.

B. UMA PESSOA COM METAS DEFINIDAS


Muitos líderes fracassam porque não têm propósitos definidos nem em sua vida
pessoal nem ministerial, e praticamente não têm visão. O sábio Salomão disse:
“sem visão o povo perece”. O líder de sucesso sempre sabe até onde vai, e para
onde dirige seu povo. Chegar neste nível implica em sair do conformismo e ter uma
mente transformada e controlada pelo Espírito de Deus.
“E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação
da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e
perfeita vontade de Deus” (Rm. 12:2 ).
O líder que chegou a esta dimensão, obtém o sucesso através de suas metas a
curto, médio ou longo prazo.

C. ALGUÉM TOTALMENTE COMPROMETIDO


A falta de compromisso das pessoas envolvidas em uma obra tem derrubado
grandes e importantes empresas. Uma liderança de sucesso caracteriza-se pela
entrega total das pessoas responsáveis pela causa que lhes compete. Podemos
dizer que o sucesso é o resultado de nossa relação com Deus, e nosso
compromisso com o próximo, como as duas traves da cruz: uma vertical, que
olha para Deus, e outra horizontal, que olha para as necessidades do próximo.
É importante levar em conta que o compromisso com o sonho dado por Deus não
consiste em trabalhar de forma somente árdua e individual, mas implica em fazer
um trabalho estratégico, envolvendo outras pessoas e a igreja em geral, na visão
que Deus nos deu.

3. PRÓPÓSITO IDEAL DA LIDERANÇA


Fazer que a visão corra. Sabemos que a maneira mais poderosa de difundir
eficazmente a visão, é através de liderança e discipulado, tal como fez o Senhor
Jesus.
É dever do líder fazer com que a visão seja absorvida com facilidade em cada um
de sua equipe, para que estes, por sua vez, possam fazer o mesmo com os que
estão liderando. Por esta razão cremos que o líder deve preencher os seguintes
requisitos para que execute o propósito que Deus traçou para sua vida.

A. QUE TENHA UM CONCEITO CORRETO DE SI MESMO.


“Ora, julgo que em nada tenho sido inferior aos mais excelentes
apóstolos. Pois ainda que seja rude na palavra, não o sou contudo na
ciência; antes, por todos os modos, isto vos temos demonstrado em tudo”
(2 Co. 11:5-6).

5
B. QUE SEJA UM EXEMPLO PARA OUTROS
“Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso Deus, o teu Deus, te
ungiu com óleo de alegria, mais do que a teus companheiros” ( Sl. 45:7).

C. QUE VIVA NA PALAVRA


“Não se aparte da tua boca o livro desta lei, antes medita nele dia e noite,
para que tenhas cuidado de fazer conforme tudo quanto nele está escrito;
porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido” ( Js.
1:8).

D. QUE DEIXE DEUS ENSINÁ-LO


“Instruir-te-ei, e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; aconselhar-te-
ei, tendo-te sob a minha vista” (Sl. 32:8).

E. QUE INSTRUA SUA FAMÍLIA


“Quanto a mim, este é o meu pacto com eles, diz o Senhor: o meu Espírito,
que está sobre ti, e as minhas palavras, que pus na tua boca, não se
desviarão da tua boca, nem da boca dos teus filhos, nem da boca dos
filhos dos teus filhos, diz o Senhor, desde agora e para todo o sempre”
(Is.59:21).

F. QUE TENHA UM CORAÇÃO DE PASTOR


“E ele os apascentou, segundo a integridade do seu coração, e os guiou
com a perícia de suas mãos” (Sl. 78:72 ).

G. QUE TENHA SUA EQUIPE DE LIDERANÇA E DISCIPULADO


“Salomão tinha doze intendentes sobre todo o Israel, que proviam de
mantimentos ao rei e à sua casa; e cada um tinha que prover mantimentos
para um mês no ano” ( 1Rs. 4:7 ).
“e sobre ele porás da tua glória, para que lhe obedeça toda a congregação
dos filhos de Israel” (Nm. 27:20).
“Tomai-vos homens sábios, entendidos e experimentados, segundo as
vossas tribos, e eu os porei como cabeças sobre vós” (Dt. 1:13).

CONCLUSÃO
A liderança consiste em exercer influência positiva sobre outros, para que neles
ocorra uma mudança de mentalidade que ajude a melhorar seu estilo de vida.
Tudo isto através de uma motivação permanente e na busca do desenvolvimento
de cada pessoa. A liderança de sucesso é aquela onde existem sonhos, metas
definidas, um compromisso total e cumpre-se o propósito de fazer com que a visão
corra.

LIÇÃO
1- Faça um resumo do que você entendeu sobre liderança.
2- O líder de sucesso é um sonhador?
3- Quais os propósitos da liderança ideal?

6
4- Você tem recebido uma boa liderança?
5- Se você é um líder, o que você faria para melhorar sua liderança?

02 O CHAMADO
FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA BÁSICA
Jeremias 1:4-10.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA COMPLEMENTAR


Romanos 11:29; 2Timóteo 1:9; Filipenses 3:14; 2Tessalonicenses 1:11; Hebreus 3:1;
Efésios 4:11; Êxodo 18:21.

TEXTO CHAVE
“Antes que eu te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da
madre te santifiquei; às nações te dei por profeta” (Jeremias 1:5 ).

PROPÓSITO
O aluno deve compreender a importância da visão de liderança e discipulado uma
vez que está integrada ao chamado, pois quando Deus dá uma visão devemos unir
nossas forças para engrandecê-la. Cada um de nós foi escolhido desde antes da
fundação do mundo. O propósito desta lição é que você conheça o que significa o
chamado de Deus para sua vida e como responder de um modo eficaz para que
possa ser moldado e usado pelo Senhor.
Deus, para levar a cabo Seu propósito nesta terra, sempre conta com o elemento
humano. Quando Ele quis liberar Seu povo que sofria opressão no Egito, escolheu
Moisés, formou-o e enviou-o para que fosse a Seu povo e o tirasse do Egito.
Desde o início, Deus cerca Moisés de pessoas que criam em seu chamado e que
estavam dispostas a apoiá-lo em cada uma das decisões que ele deveria tomar.
7
Quando o Senhor Jesus esteve nesta terra, Ele escolheu doze homens, aos quais
chamou apóstolos, investiu a maior parte de Sua vida ministerial neste homens e a
seguir os enviou para que dessem continuidade à missão redentora que Ele havia
iniciado.

1. O QUE É O CHAMADO
Ainda que Jesus pudesse ver Sua vida nas multidões, não o fez, mas preferiu
trabalhar habilmente na formação do caráter de doze pessoas completamente
diferentes uma das outras. Da mesma forma que o oleiro com o barro, por três
anos e meio formou o caráter de cada uma delas, e soprando sobre eles, disse-lhes:
“Recebei o Espírito Santo” Jo. 20:21-22.
Como o Senhor Jesus conseguiu que doze pessoas, sem cultura, sem educação, sem
riquezas nem posição social chegassem a converter-se nos pilares do Cristianismo?
A resposta é simples: estas pessoas responderam ao chamado de Deus e
estiveram dispostas a deixar-se moldar por Ele, para assim estarem prontos a ser
enviadas.
“E sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que
amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Rm.
8:28).
Na visão que Deus nos deu através da liderança e discipulado, podemos ver que
cada pessoa que está dentro de nossas comunidades é um líder em potencial e que
uma vez que consiga passar pelo processo de formação poderá ver o fruto em sua
vida, em pouco tempo. Jesus teve que deixar para Seus discípulos um modelo de
vida no qual deveriam projetar-se. Paulo disse: “Sede meus imitadores, como
também eu o sou de Cristo” (1Co. 11:1).
“Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a
minha igreja, e as portas do hades não prevalecerão contra ela” (Mt.
16:18).
Para edificar, primeiro deve-se cavar profundamente, entendendo que a igreja a
qual o Senhor se refere, é aquela que está formada por pessoas de todas as
culturas, raças e classes sociais, que pelo fato de haverem crido nEle, passam a
formar Seu corpo. A estes o Senhor chama: “Minha igreja”, porque já fazem parte
de Si mesmo.
As pessoas são a igreja, e nossa tarefa principal deve consistir em ganhá-las e
trabalhar individual e cuidadosamente assim como fez o Senhor com Seus
apóstolos. “ Vós também, quais pedras vivas, sois edificados como casa
espiritual para serdes sacerdócio santo” (1 Pe. 2:5). Ainda que o Senhor não
tivesse um templo, as multidões O seguiam porque sabiam que Ele tinha a resposta
para suas necessidades. Isto O moveu a formar o grupo de doze, para que todos
pudessem receber um pastoreio personalizado.

2. CARACTERÍSTICAS E REQUISITOS
A. SER UMA PESSOA DE FÉ
Aqueles doze que o Senhor formou, aprenderam a caminhar pela senda do
sobrenatural, pois tinham que reproduzir o caráter de Cristo em todos os aspectos
através de suas próprias vidas. O discipulado é algo em si mesmo sobrenatural,
que o Senhor Jesus Cristo implementou a fim de que Seu ministério se movesse
constantemente nessa dimensão.
8
• A fé vem em momentos difíceis;
• A fé tem olhos para ver os milagres no plano espiritual. Abraão via nas estrelas
a sua descendência;
• A fé descansa na promessa e a promessa triunfa sobre as circunstâncias;
• A fé faz-os renovar cada dia;
• A fé localiza-nos no plano perfeito de Deus;
• A fé guia-nos para a frutificação;
• A fé deve ser alimentada diariamente.
Ter como fundamento a Palavra de Deus conduz-nos à fé. Paulo destaca a fé que
havia em Timóteo, herdada de sua mãe e de sua avó, que se dedicaram em formá-
lo a partir da Palavra. “A fé vem pelo ouvir e o ouvir pela Palavra de Deus”.
Entrar no mundo da fé implica em ter a mente de Cristo, ver as coisas com os olhos
de Deus, e nunca deixar-se influenciar pelas circunstâncias. Paulo disse: “Ora, o
homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele
são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem
espiritualmente” (1Co. 2:14).

B. SER UMA PESSOA CHEIA DE VIRTUDE


Pedro disse: “Acrescente a vossa fé, virtude” (2 Pedro 1:5). No original grego,
a palavra virtude é “areté” que significa excelência. É a graça especial e a
habilidade que as pessoas têm para a liderança, para dirigir outros. O “areté” ou a
virtude de um líder vê-se refletida em seu ministério. Paulo disse aos Coríntios:
“vós sois o selo do meu apostolado”. Os Coríntios foram a prova de fogo para o
apóstolo e se ele podia com eles, tudo o mais seria mais fácil.
Nosso “areté” com as pessoas que estamos formando depende da maneira como
nos guiemos nos diferentes passos da visão, já que o sucesso depende de nossa fé
neles, nosso esforço, disciplina, dedicação até que Cristo seja formado em suas
vidas.
Jetro aconselhou a Moisés que escolhesse como parte de sua equipe, pessoas de
virtude (Ex. 18:21).

C. SER CONHECEDOR DA VERDADE


Paulo disse: “Devemos ser como soldados que manejam bem a Palavra da
verdade”. Um homem de verdade é aquele que tem conseguido crescer na fé,
por meio da palavra de Deus e que conseguiu desenvolver essa sensibilidade, para
ouvir a voz de Deus.

D. SER UMA PESSOA TEMENTE A DEUS


Ser tementes a Deus exige estar sujeitos à Sua Palavra e condicionar a ela
qualquer decisão. A pessoa que entra nesta dimensão, leva todos seus desejos à
cruz, sendo alguém que vive sob a aliança de sangue com Cristo, e que pode dizer
como Paulo: “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas
Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho
de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl. 2:20).

E. SER ALGUÉM QUE ABORRECE A AVAREZA

9
Uma das coisas que mais podem destruir um líder é que se deixe seduzir pelo brilho
das coisas materiais, pois, “o amor ao dinheiro é raiz de todos os males” (1
Tm. 6:10).

3. RECONHEÇA O CHAMADO
A sensibilidade ao Espírito Santo é uma das condições essenciais para ouvir o
chamado de Deus e atendê-lo. Estamos conscientes de que não estamos no
ministério por nossos dons, talentos ou habilidades, e sim pela graça de Deus para
com cada um de nós. “Mas a cada um de nós foi dada a graça conforme a
medida do dom de Cristo” (Ef. 4:7). Quando somos sensíveis ao Espírito, os
dons começam a ser revelados em nossas vidas. “E ele deu uns como
apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros
como pastores e mestres, tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos,
para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo” ( Ef.
4:11,12). Estes cinco ministérios são a extensão do caráter de Cristo em nós.

Vários aspectos intervêm no reconhecimento do chamado:


A. CONVICÇÃO
É fundamental ter a plena certeza de que Deus nos chamou ao ministério e a
motivação para perseverar no mesmo é a correta, pois seria impossível pretender
desenvolver um trabalho sobrenatural, com uma atitude e uma motivação natural.
Além disso sabemos que a quem Deus chama, equipa e respalda em todas as
coisas.

B.COMPROMISSO
O simples fato de saber que entre milhares de milhões de seres que habitam no
planeta terra, você foi selecionado por Deus para dar continuidade a Sua obra. “A
quem enviarei, e quem irá por nós? ” ( Is. 6:8). Deus poderia ter escolhido a
outro, mas preferiu você. Faça a obra de Deus sem temor.

C. QUEBRANTAMENTO
“Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo caindo na terra
não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto” (João 12:24).
O apóstolo Paulo foi uma pessoa quebrantada, e não considerava a sua vida como
preciosa, a fim de cumprir com sucesso sua missão. O quebrantamento é o
mecanismo de proteção mais poderoso que um crente pode ter diante das
diferentes adversidades da vida.

D. UNÇÃO
Equivale a experimentar a presença de Deus de uma maneira permanente em sua
vida, que se reflete no que fala, no que ensina, no que ora, no que empreende e
nas pessoas que lidera. “Então o Espírito do Senhor se apossou dele, e as
cordas que lhe ligavam os braços se tornaram como fios de linho que
estão queimados do fogo, e as suas amarraduras se desfizeram das suas
mãos” ( Jz. 15:14). Sansão aparentava ser uma pessoa semelhante a qualquer
outra, a diferença estava na unção de Deus que ele tinha. Deus nos deu a unção
para que desenvolvamos eficazmente Sua obra.

E. SUJEIÇÃO

10
As pessoas que são autoridade espiritual devem entender que nossa autoridade
sobre outros, não é impositiva, e sim diretiva, apresentando-nos como exemplos em
todas as coisas. De um modo correto os discípulos aceitam a autoridade e a
exercitam sem que ninguém se sinta ferido (Rm. 13:1-2).

F. FRUTIFICAÇÃO
Uma das grandes vantagens que esta visão tem, é que todos podem desenvolver
todo o potencial que há em suas vidas, e que se refletirá na frutificação. Sei que
não existe maior gozo que sentir-se útil dentro da obra do Senhor. “Assim
também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos
servos inúteis; fizemos somente o que devíamos fazer” (Lc.17:10).

CONCLUSÃO
O Senhor tem uma missão determinada para sua vida “E busquei dentre eles
um homem que levantasse o muro, e se pusesse na brecha perante mim
por esta terra, para que eu não a destruísse; porém a ninguém achei” (Ez.
22:30). Sê fiel ao chamado, pois os olhos de Deus estão postos em você.
Comissiona-nos para uma tarefa concreta dentro de Sua obra. Este chamado está
associado ao propósito de Deus para cada crente, o qual é cumprido dependendo
do cumprimento de requisitos estabelecidos nas Escrituras como os que aparecem
em Êxodo 18:21.

LIÇÃO
1-Você tem plena certeza de seu chamado?
2-O que você entende sobre o chamado de Deus para sua vida?
3-Quais as características do chamado de Deus em sua vida?
4-Como reconhecer o chamado de Deus em sua vida?

03 COMO ESCOLHER UMA


EQUIPE DE LÍDERES
META DE ENSINO
Que os alunos compreendam quais são os parâmetros que Jesus seguiu para
escolher Sua equipe de Doze.

INDICADORES
1. Que o aluno explique a importância do trabalho em equipe.
2. Que o aluno explique os parâmetros para escolher uma equipe de líderes.

11
FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA BÁSICA
2 Timóteo 1:7; Lucas 6:12-16.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA COMPLEMENTAR


Mateus 16:17-18; Marcos 1:16-18; João 1:35-42; João 20:21-22; 1 Coríntios 12:11-
12; Mateus 20: 28; Jeremias 18:6; Jó 10:9; Lucas 2:28.

TEXTO CHAVE
“E o que de mim ouviste de muitas testemunhas, transmite-o a homens
fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros” (2 Timóteo
2:2).

INTRODUÇÃO
A implementação da visão de discipulado exige contar com uma liderança bem
preparada. Esta visão rompe o esquema tradicional da liderança única, centrada
em uma só pessoa, dando a oportunidade a todo aquele que tenha passado por um
processo de restauração e capacitação, encontro/escola de lideres,de fazer parte de
uma equipe de trabalho.
O Senhor Jesus Cristo deu-nos o melhor exemplo de trabalho em equipe, ao formar
um grupo de doze homens, a quem preparou, infundindo Seu caráter neles, a fim
de que fossem Seus colaboradores durante Seu ministério na terra. Então, se Ele,
sendo o Filho de Deus, deu tanta importância ao trabalho de equipe, por que nós
não haveríamos de fazê-lo?
Jesus levou três anos e meio para formar estes doze homens, cavando em suas
vidas para moldar seu caráter e convertê-los em pessoas idôneas para continuar
com a visão que Deus Lhe havia dado: a salvação do mundo.
Atualmente destacamos a importância do trabalho em equipe, tal como fez Jesus,
aplicando a estratégia do modelo de liderança e discipulado para o alcance e
desenvolvimento da visão, e nesta lição damos a você algumas sugestões para a
formação de uma boa equipe de trabalho.

DESENVOLVIMENTO DO TEMA

1. IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE


Nada há como o trabalho em equipe, principalmente no interior da igreja, porque
esta estratégia facilita o crescimento, fazendo que este seja contínuo e firme.
Permite a diversidade de funções num mesmo corpo, todas apontando para
alcançar um objetivo comum.
“Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, distribuindo
particularmente a cada um como quer. Porque, assim como o corpo é um,
e tem muitos membros, e todos os membros do corpo, embora muitos,
formam um só corpo, assim também é Cristo” (1Coríntios 12:11-12).
Quando se trabalha em equipe:
• O esforço é compartilhado;
• Garante-se a continuidade da obra;
• O trabalho não para;
12
• A motivação persevera pois uns estimulam os outros;
• A multiplicação é mais rápida;
• Valoriza-se os dons e talentos das pessoas.

2. O TRABALHO EM EQUIPE VALORIZA CADA PESSOA


Ao longo de sua vida ministerial, o Senhor Jesus considerou as pessoas, não pelo
que elas aparentavam, mas pelo potencial que sabia existir em cada uma delas.
Ao escolher Seus doze, derramou sobre eles Seu caráter e deu-lhes autoridade
espiritual para que fizessem o trabalho evangelístico, nas diferentes nações da terra
(João 20:21-22).
Hoje podemos fazer o mesmo que Jesus fez, através da visão de liderança e
discipulado.

A. CONSTRUINDO UM EDIFÍCIL COM PEDRAS HUMANAS


A igreja de Cristo não é um edifício construído com ladrilhos e adornada com
tapetes, mas é formada por pessoas de todas as culturas, raças e classes sociais.
As pessoas são a igreja. Nossa obra consiste em ganhá-las e trabalhar
cuidadosamente em cada uma, tal como fez Jesus com Seus discípulos (Mateus
16:17-18; 1 Pedro 2:5).

B. CADA PESSOA É UM LÍDER


Ao formar uma equipe, considere sempre que a chave do sucesso fundamenta-se
em que cada pessoa, que nos cerca, se converta em um líder com capacidade de
orientar outros. Jesus escolheu doze pessoas nas quais viu um grande potencial de
liderança (Lucas 6:12-16; 2Timóteo 2:2).

C. O SEGREDO ESTÁ DISCIPULADO


O modelo de discipulado sempre esteve no coração de Deus e seu número “12”
simboliza governo e autoridade. Jesus não escolheu nem onze nem treze pessoas;
selecionou doze que se encarregaram de continuar propagando Sua visão pelo
mundo. Com equipes de discipulado pessoas começamos a restaurar o altar de
Deus no mundo.
Há algo sobrenatural nos grupos de discipulado (Mateus 10:1). E como princípio,
esta estratégia se define como: “Um modelo de liderança revolucionário que
consiste em que o cabeça de um ministério selecione discipulos para ver
reproduzido nelas tanto em sua vida quanto o caráter e a autoridade de
Cristo, afim de desenvolver a visão da igreja, facilitando assim a
multiplicação. Estes discípulos selecionam outros discípulos, para fazer
com elas o mesmo que o líder fez em suas vidas”.

3. PARÂMETROS PARA ESCOLHER A EQUIPE


Em termos gerais, devemos agir como Jesus:

A. GANHANDO-OS EM ORAÇÃO
O Senhor permaneceu toda uma noite orando por aqueles que haveriam de formar
parte de Sua equipe, e no dia seguinte dedicou-se a escolhê-los. Nós também

13
devemos primeiro conquistar a equipe no âmbito espiritual, para depois vê-la no
plano natural (Lucas 6:12).

B. SELECIONANDO LÍDERES FIÉIS


A fidelidade deve ser uma qualidade que distinga os membros de nossa equipe,
para poder confiar-lhes a visão que temos recebido da parte de Deus. Paulo disse a
Timóteo que devia confiar a obra a pessoas idôneas, deixando transparecer a
importância da fidelidade. Jesus cuidou deste aspecto na seleção de Sua equipe
(Marcos 1:16-20).

C. ESCOLHENDO AS PESSOAS DESEJOSAS DE SERVIR AO SENHOR


A disposição de serviço é outra das qualidades que se destacam em alguém que faz
parte de uma equipe de líderes e discípulos. Os discípulos de Jesus sempre
estiveram dispostos a servi-Lo em tudo, motivados pelo amor a Deus e pelo próprio
exemplo do Mestre (João 1:35-42; Mateus 20:28).

D. SELECIONANDO PESSOAS MOLDÁVEIS


A visão somente pode ser desenvolvida por homens e mulheres dispostos a entrar
em um processo de transformação de seu caráter, de sua maneira de pensar e de
todas as áreas de sua vida, a fim de que sejam vasos úteis no ministério. Cada um
deve se ver como barro nas mãos de Deus, para que Ele o molde de acordo com
Seu propósito (Jeremias 18:6b; Jó 10:9).

E. ESCOLHER PESSOAS QUE POSSAM SER PROVADAS


Os grande líderes se distinguem no meio das provas e das adversidades, e são
preparados e fortalecidos no fogo que estas produzem. Através deste tipo de
situação chega-se a conhecer o coração dos discípulos, e é aqui que a fidelidade ou
a infidelidade vem à tona (Lucas 22:28).

CONCLUSÃO
A visão tem o sucesso garantido, entre outros aspectos, pela oportunidade que ela
própria dá ao trabalho de equipe, uma vez que destrói as limitações do sistema
tradicional, no qual todas as funções e responsabilidades estão centralizadas em
uma só pessoa.
Jesus deu-nos o melhor exemplo de liderança e de trabalho em equipe ao selecionar
doze homens sobre os quais infundiu Seu caráter, dedicando-lhes o tempo
necessário para que fossem formados e recebessem autoridade para difundir Sua
visão no mundo.

LIÇÃO
1. O que Jesus fez em Lucas 6:12-16?
2. Qual você crê que seja a importância de uma equipe de líderes?
3. Segundo sua opinião, o que teria acontecido com o Ministério de Jesus se Ele não
tivesse escolhido Seus 12?
4. Leia 1 Coríntios 12:11-12 e, de acordo com os versículos, diga: qual é a
importância do trabalho em equipe?

14
5. Cite 2 características do que faz o trabalho em equipe

6. Que fez Jesus antes de escolher Seus doze discípulos?

7. Mencione e explique três parâmetros que devemos levar em conta para escolher
uma equipe?
8. Dos parâmetros antes mencionados, você crê que lhe falte algum para
desenvolver em sua vida como discípulo?
9. Leia Jeremias 18:6b e veja se você até o dia de hoje foi uma pessoa que se
deixou moldar por Deus em seu caráter?
10. Você crê que haja coisas que lhe faltam? Quais? Por quê?
11. Segundo sua opinião, crê que as provas em nossas vidas têm alguma
importância? Por quê?

15
04 RELAÇÃO ENTRE O LÍDER
E SEUS
DISCÍPULOS
META DE ENSINO
Que o aluno compreenda as regras básicas propostas para manter um bom
relacionamento em uma equipe de líderes.

INDICADORES
Que o aluno explique cada uma das regras para manter uma boa relação em uma
equipe de líderes.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA BÁSICA


João 17:6-26.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA COMPLEMENTAR


João 17:21-23; João 15:5; Filipenses 3;8,15-16; 1 Coríntios 9:19; 1 Coríntios 3:6;
Mateus 11:30; Atos 5:14; 5:16; 2Coríntios 11:5-6; João capítulo 17.

INTRODUÇÃO
A visão de liderança e discipulado fundamentam-se em um processo de
relacionamento entre o líder e seus discípulos e vice-versa. O princípio foi
estabelecido pelo Senhor Jesus Cristo mediante o exemplo com os doze apóstolos.
Desde o primeiro instante em que os selecionou, preocupou-se em permanecer com
eles todo o tempo, com o propósito de conhecê-los e formá-los, e de que
conhecessem plenamente a Ele.
O sucesso do ministério de Jesus fundamenta-se na disposição, que sempre teve,
para manter-Se em contato permanente com o Pai através da oração, e também no
sustentar de uma relação de amizade e companheirismo incondicional com Seus
discípulos. Por esta razão puderam beber do Espírito, que morava nEle, e contar
com a autoridade suficiente para continuar com a visão. Entre o Senhor e Seus
discípulos houve o mesmo sentimento e esta unidade foi o testemunho para o
mundo (João 17:21-23).
O mesmo espírito de unidade que reinou entre Jesus e Seus discípulos, é o que deve
caracterizar líderes, discípulos e conservos hoje em dia. O tema desta lição dará
algumas regras para alcançá-lo.

DESENVOLVIMENTO DO TEMA

1. IMPORTÂNCIA DA UNIDADE
16
A unidade de pensamentos, de sentimentos e de compromisso é a característica
que reflete a solidez de uma equipe. A vitória para uma equipe de futebol está
fundamentada na coesão de critérios e ações entre todos os jogadores e seu
técnico na hora de enfrentar o time oposto. Jesus disse:
“Eu sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em Mim e Eu nEle,
esse dá muito fruto; porque sem Mim nada podeis fazer” (João 15:5).
Da mesma forma, os discípulos não podem fazer nada se não estão em contato com
seu líder, nem o líder poderá alcançar as metas propostas, se não conta com o
apoio de sua equipe.
Estar em unidade, no mesmo sentir, é o reflexo da maturidade espiritual
(Filipenses 3:15-16).
2. FORJAR OS MELHORES: UMA RESPONSABILIDADE DO LÍDER
O líder deve manter uma excelente relação com seus discípulos, valorizando-os
como pessoa e atendendo suas necessidades. Isto os motivará a crescer. Os
seguintes fatores são importantes para alcançar este propósito:

A. ENSINE-OS A CRESCER
Os discípulos crescem em graça, conhecimento e autoridade espiritual, através de
um processo de ensino transmitido pelo líder, que deve instruir os membros do
grupo da mesma maneira que um pai instrui a seus filhos. O líder deve contar com
uma motivação permanente para o crescimento, sendo o próprio exemplo.
“Sim, na verdade, tenho também como perda todas as coisas pela
excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a
perda de todas estas coisas, e as considero como refugo, para que possa
ganhar a Cristo” (Filipenses 3:8).

B. FORME LÍDERES EXEMPLARES


Os líderes e discípulos brilhantes são os que formam igrejas brilhantes. As pessoas
chegam à igreja em trapos, e o líder tem o compromisso de moldá-los e poli-los,
sendo instrumento nas mãos de Deus para isso. Paulo preocupou-se com esse
aspecto, chegando a descer de posição a fim de alcançar a transformação das
pessoas. “Pois, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos para ganhar o
maior número possível” (1 Coríntios 9:19).
O líder tem que estar disposto a servir a seus discípulos, porque alguém que não
esteja disposto a servir, não pode ser servido.

C. GUIE-OS AO SUCESSO
É o líder quem dá as normas aos discípulos, para que tomem consciência de que o
sucesso não está destinado a uns poucos, mas todos devem lutar para alcançá-lo.
Levar a equipe de discípulos ao sucesso consiste em guiá-los a ganhar outros por
meio de um trabalho de colaboração, evitando ciúmes e competição sem sentido.
Paulo ensina que uns pregam, outros colhem, mas Deus dá o crescimento. “Eu
plantei; Apolo regou; mas Deus deu o crescimento” (1 Coríntios 3:6).

D. ENSINE AS DISCIPLINAS ESPIRITUAIS


A maior dimensão de crescimento do grupo dá-se no plano espiritual, de modo que
o líder deverá crescer em tal sentido, aprendendo disciplinas que logo haverá de
ensinar àqueles que o rodeiam.

17
As disciplinas de Deus não são pesadas, porque não produzem escravidão, e porém
dão plena liberdade.
“porque o Meu jugo é suave, e o Meu fardo é leve” (Mateus 11:30).

E. CRIE UM AMBIENTE QUE ATRAIA A OUTROS


O ambiente que o líder desenvolve com seus discípulos, deve estar carregado de
motivação suficiente para que outros se envolvam nessa liderança. O líder e seu
grupo devem contar com recursos e estratégias, que facilitem suas projeções
pessoais e ministeriais.
“e cada vez mais se agregavam crentes ao Senhor em grande número
tanto de homens como de mulheres” (Atos 5:14).

F. DESAFIE-OS COM UM GRANDE MODELO DE CRESCIMENTO


A visão de liderança e discipulado não admite esquema de conformismo. O líder
deve relacionar-se com seus discípulos através de grandes desafios, de metas
elevadas que permitam aproveitar o imenso potencial das pessoas. O nível mais
elevado de liderança é o que se move com grande autoridade espiritual:
“Também das cidades circunvizinhas afluía muita gente a Jerusalém,
conduzindo enfermos e atormentados de espíritos imundos, os quais eram
todos curados” (Atos 5:16).
Um elevado nível de liderança se caracteriza pelo domínio da visão. Não há
liderança sem visão, como tampouco há visão sem liderança. O apóstolo Paulo
chegou a dominar plenamente a visão de Jesus.
“Ora, julgo que em nada tenho sido inferior aos mais excelentes
apóstolos. Pois ainda que seja rude na palavra, não o sou contudo na
ciência; antes, por todos os modos, isto vos temos demonstrado em tudo”
(2 Coríntios 11:5-6).
Os discípulos devem também saber que uma elevada liderança é que pode se
reproduzir em outros. A visão em que você está envolvido, tem uma unção de
multiplicação definida.

CONCLUSÃO
A visão de liderança e discipulado está fundamentada em um processo de
relacionamento entre líderes e discípulos. O líder de sucesso é o que pode mostrar
um fruto sólido, o qual está representado nos que crescem a partir de seu exemplo,
seu testemunho e seus ensinos.

LIÇÃO
1. Para você qual foi à causa de sucesso do Ministério de Jesus?

2. Segundo João 17:21-21, qual foi a característica primordial na Relação de Jesus


com Seus discípulos?
3. Por que é importante a unidade dentro da equipe? Mencione um versículo que a
justifique?
4. Segundo o tópico nº 2, que responsabilidade temos como líderes?

5. Leia 1 Coríntios 9:19 e diga quais crê serem os parâmetros para formar líderes
excelentes.
18
6. Que disciplinas espirituais temos como Igreja que nos levam a uma maior
crescimento?
7. Que fortalezas têm como líder que gostaria que seus discípulos desenvolvessem?
8. Que erros têm cometido durante sua liderança, que evitaria que seus discípulos
repetissem?
9. Você crê que haja coisas na relação com seu líder que deveriam mudar? Quais?
10. Com que você contribuiria para que a relação com seu líder e discípulos fosse
excelente?

11. Você tem discípulos? (pessoas que ganhou e está doutrinando). Se a resposta
for sim, escreva (conforme visto na aula) como é sua relação com eles? E se a
resposta for Não, diga por quê?

19
05 A PERSONALIDADE DO
LÍDER
FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA BÁSICA
Gálatas 5:22,23; 1Timóteo 3:1-10.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA COMPLEMENTAR


Tito 1:5-7; 2Tm. 2:15; 1Ts. 5:23; Sl. 139:13; 1Co. 13; Gl. 5:16; Rm. 5:3-5; Rm. 14:17;
Jo. 14:27; Lc. 6:27-31; Mc. 10:17-18; Hb. 11:1-6; 1Co. 9:24-27.

TEXTO CHAVE
“Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a
benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio” (Gl.
5:22-23).

PROPÓSITO
O mundo pede quase a gritos que aqueles líderes que tenham um coração íntegro
se manifestem, que sejam exemplo não só como pregadores, mas também como
homens no lar, e que além disso sejam homens de verdade, possuidores de um
caráter, de personalidade definida e que exerçam grande influência na liderança
que estão desenvolvendo. Um dos maiores resultados da liderança e do discipulado
é a possibilidade de moldar o caráter dos discípulos.
O propósito desta lição é orientar o aluno a compreender eficazmente o conceito de
personalidade e sua importância em cada líder.

1. PERSONALIDADE
A.PERSONALIDADE

20
Podemos perguntar: O que Deus tinha em Seu coração quando decidiu criar o
homem? Não há a menor dúvida de que Ele visualizou um ser que reproduzisse
Seu caráter e Sua vontade neste sistema de coisas, razão pela qual soprou de Suas
narinas o sopro da vida, pois assim como Deus governa no céu, queria que o
homem governasse na Terra sobre todas as coisas. Deus reproduziu Seu caráter no
ser humano, como expressou o apóstolo Paulo: “Porque somos feitura sua,
criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou
para que andássemos nelas” (Ef. 2:10). Deus idealizou um homem justo,
amoroso, feliz, que convivesse em sociedade, mas acima de tudo que desfrutasse
de uma comunhão íntima e permanente com o Criador. A personalidade de Deus é
a mesma que havia no homem, mas o que há dentro das pessoas se reflete em
suas ações. O Senhor toma como exemplo as árvores, se a árvore é boa, dá bons
frutos, mas se a árvore é má dará frutos maus. Se uma pessoa está cheia de Deus,
demonstra-o com suas boas ações; do mesmo modo o que não tem Deus
manifestará o que tem permitido em sua mente e coração.
Uma vida controlada pelo Espírito Santo geralmente tem princípios firmes, atitudes
corretas e é dona de si mesmo. O caráter de uma pessoa deve se refletir no fruto
do Espírito que tem dentro de si.
“Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a
benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio” (Gl.
5:22-23).
Ter personalidade é entender a obra redentora, pois na cruz foram canceladas
todas nossas dívidas, foram apagados nossos pecados, desvaneceram-se nossos
fracassos e fomos redimidos da maldição. Entendér essa verdade e aceitá-la
equivale a recuperar nossa identidade.

B.TEMPERAMENTO
Tem a ver com nosso homem interior. É o que faz de cada pessoa um ser único,
diferenciando-se de qualquer outra. Há quatro tipos de temperamentos básicos
propostos por Hipócrates:
• Sangüíneo – Entusiasta, vigoroso e atlético.
• Colérico: Tendência a aborrecer-se com facilidade, porém são líderes natos.
• Melancólico: Sua tendência é a calma, a depressão e a tristeza.
• Fleumático: Aparentam cansaço, mas se mostram reconciliados com a vida.
Todos os servos de Deus foram moldados em seus respectivos temperamentos, até
que alcançaram o ponto de equilíbrio. Moisés tinha um temperamento tão forte
que em uma ocasião matou um egípcio e logo o enterrou para que ninguém o
soubesse. Mas o tratamento de Deus com ele foi tão efetivo que veio a ser o varão
mais manso e humilde de toda a terra ( Nm. 12:3).

C. CARÁTER
É o reflexo externo do que aceitamos internamente. Dizemos que o temperamento
e o caráter integram a personalidade do ser humano. Por outro lado, Faraó foi duro
e obstinado porque aceitou como seus conselheiros e assessores, homens
entregues às práticas do ocultismo, e como resultado os demônios foram entrando
sutilmente e conseguiram manipular seu caráter. Quando o Senhor veio à Terra,
apresentou-Se como o Mestre por excelência e disse: “ Vinde a mim, todos os
que estai cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” ( Mt. 11:28) . Jesus é o
único que pode exercer uma influência positiva em nosso caráter, e ao governar
21
nossas vidas, Ele mesmo Se encarregará de tirar toda a influência negativa que
recebemos no passado. “Pois como Ele é, assim somos nós neste mundo”.

2. ÁREAS FUNDAMENTAIS QUE NOS AJUDAM A CRESCER


A. ALIMENTE DIARIAMENTE SUA FÉ
Sabemos que a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus. A fé vem. Podemos ver que a
fé é ativa, e somente chega às pessoas que estejam dispostas a entender a Palavra
de Deus. Aprender a viver em fé nos eleva acima das circunstâncias, e movemos-
nos neste mundo como se estivéssemos vendo tudo o que acontece na esfera
espiritual. Nossa fortaleza será o confessar continuamente a palavra da promessa
que Deus nos deu. “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e
esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1 Jo. 5:4 ).

B. SEJA UMA PESSOA EQUILIBRADA


É fundamental evitar os extremos. Paulo dá alguns conselhos a Timóteo dizendo:
• Sê exemplo. Em tuas palavras, conduta e amor.
• Ocupa-te. Na leitura, na exortação e ensino.
• Não te descuides. Do dom espiritual que há em ti.
• Tem cuidado. De ti mesmo e da doutrina. 1Tm. 4:12-16.

C. ENVOLVA SUA FAMÍLIA NO MINISTÉRIO


Esta será uma das maiores proteções contra qualquer ataque do adversário.
Sabemos que Deus está restaurando a unção de famílias sacerdotais ou
comprometidas no ministério, e esta visão contribui para que toda sua família se
desenvolva.
• Um chamado familiar. “E vós sereis para mim reino sacerdotal e nação
santa. São estas as palavras que falarás aos filhos de Israel” (Êx. 19:6).
• Uma unção de restauração. “Eis que eu vos enviarei o profeta Elias,
antes que venha o grande e terrível dia do Senhor” ( Ml.4:5).
• O líder dá o exemplo. “Por isso, como é o povo, assim será o sacerdote; e
castigá-lo-ei conforme os seus caminhos, e lhe darei a recompensa das
suas obras” ( Os.4:9).

3. TRAÇOS QUE DISTINGUEM A PERSONALIDADE DO LÍDER


Assim como a personalidade geralmente está constituída e definida por diversos
traços, a personalidade do líder também está caracterizada por aspectos e traços
necessários para que una o perfil do líder de êxito.

A.ENTUSIASTA
O bom líder procura ser positivo em tudo quanto faz, sem se importar com as
circunstâncias que o rodeiam. “Por isso não desfalecemos; mas ainda que o
nosso homem exterior se esteja consumindo, o interior, contudo, se renova de dia
em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós cada vez
mais abundantemente um eterno peso de glória; não atentando nós nas coisas

22
que se vêem, mas sim nas que se não vêem; porque as que se vêem são
temporais, enquanto as que se não vêem são eternas” (2 Co. 4:16-18).
Não desfalecemos. O entusiasmo é uma alta dose de fé para não olhar as
circunstâncias e mantermo-nos com muito bom ânimo em tudo que façamos.
• O homem interior se renova.
A única maneira de manter uma renovação a cada dia é deixando a mente
aberta na direção que o Espírito Santo quer dar. E isto implica em renunciar a ter
uma mente tradicional.
• Atentando nas coisas que se não vêem.
Devemos ter tal comunhão com o Espírito de Deus que Ele abra os céus e
possamos ver no plano espiritual tudo o que queremos que Ele realize no plano
natural. Quando seus olhos espirituais se abrem você ficará assombrado com
tudo o que o Senhor tem para sua vida e ministério e que, por medo ou por
ignorância, não o conquistou, mas agora, através da fé, pode trazer ao plano
natural.

B. ÍNTEGRO
O bom líder inspira confiança em seus conservos e naqueles que o seguem. O que
mostramos diante dos demais é nossa vida de sujeição à Palavra, o que nos traz a
integridade. “Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina
mostra integridade, sobriedade, linguagem sã e irrepreensível, para que o
adversário se confunda, não tendo nenhum mal que dizer de nós” (Tt. 2:7-
8).
• Apresentado-se.
Seria muito mais fácil dizer aos demais: Não olhe para mim, olhe para o Senhor.
Mas Deus nos escolheu como exemplo de inspiração para muitos, de modo que
estarão observando o que ensinamos e o que fazemos.
• Palavra sã.
Cada palavra que sai de nossos lábios é como um fruto. Nossa vida é como uma
árvore, se estamos curados por dentro, isto se refletirá no valor de cada palavra
que dissermos. Quando uma vida está dominada pelo medo, pela dúvida ou
amargura, também o refletirá em suas palavras, uma vez que estas não o
estimularão à fé.

C. SEGURO DE SI MESMO
Alguém que não creia em si mesmo nunca se atreverá a enfrentar novos desafios
porque pensa que se o fizer fracassará. Se Deus teve a ousadia de crer em nós, por
que não fazemos o mesmo? Os homens de Deus se fortaleceram no que Deus
havia feito neles.
• Caleb disse: “Subamos animosamente, e apoderemo-nos dela; porque
bem poderemos prevalecer contra ela” (Nm. 13:30).
• Josué disse: “Tão somente não sejais rebeldes contra o Senhor, e não
temais o povo desta terra, porquanto são eles nosso pão. Retirou-se
deles a sua defesa, e o Senhor está conosco; não os temais” (Nm. 14:9).
• Davi disse a Golias: “ Hoje mesmo o Senhor te entregará na minha mão;
ferir-te-ei, e tirar-te-ei a cabeça; os cadáveres do arraial dos filisteus
darei hoje mesmo às aves do céu e às feras da terra; para que toda a
terra saiba que há Deus em Israel; e para que toda esta assembléia
23
saiba que o Senhor salva, não com espada, nem com lança; pois do
Senhor é a batalha, e ele vos entregará em nossas mãos” (1Sm. 17:46-
47).

D. CONFIÁVEL
Este é o que assume as pequenas obrigações como grandes responsabilidades, que
jamais pensa em tirar proveito pessoal no que lhe foi confiado, pois tem a certeza
de que a seu tempo será exaltado. Confiam-lhe os maiores segredos porque jamais
os divulgará, e tanto o coração de seu cônjuge como de seu superior está sempre
confiado nele (1 Sm. 16:18).

E. DISCIPLINADO
Assim como o esportista prepara-se para ter sucesso em sua carreira, o crente deve
exercitar diariamente os sentidos espirituais, físicos, emocionais e intelectuais;
deve aprender a exigir de si próprio para poder completar com sucesso a corrida da
fé. “Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade,
correm, mas um só é que recebe o prêmio? Correi de tal maneira que o
alcanceis. E todo aquele que luta, exerce domínio próprio em todas as
coisas; ora, eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém,
uma incorruptível. Pois eu assim corro, não como indeciso; assim
combato, não como batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo, e o
reduzo à submissão, para que, depois de pregar a outros, eu mesmo não
venha a ficar reprovado” (1 Co.9:24-27).
• Um único vencedor.
O importante não é competir, mas sim perseverar até ganhar.
• Exige de si mesmo.
Tudo o que é um estorvo em sua vida cristã deve ser rejeitado.
• Um arauto para outros.
Você não somente está na corrida cristã, mas são muitos os que estão seguindo
seus próprios passos. Como líder deve perseverar na frente da corrida, sem
permitir que nada o desanime.
F. PERSEVERANTE
O apóstolo Paulo disse: “O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a gozar
dos frutos” (2Tm. 2:6).
“Portanto, irmãos, sede pacientes até a vinda do Senhor. Eis que o
lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência,
até que receba as primeiras e as últimas chuvas” (Tg.5:7). No Japão há uma
semente conhecida como a semente do bambu japonês; esta, depois de semeada,
nos primeiros anos aparentemente nada acontece no exterior, pois todo este tempo
a semente trabalha na raiz. Depois do sétimo ano, em apenas seis semanas
acontece o grande milagre: aquela semente se transforma em um tremendo
bambu de aproximadamente 36 metros de altura. Em sua vida ministerial você tem
que aprender a esperar o que o Espírito Santo estará fazendo no interior de sua
liderança, e no tempo determinado verá o desenvolvimento da mesma alcançado
dimensões sem precedentes.

G. REPRODUTOR
Deve ter a estabilidade de dar continuidade ao ministério, através das pessoas que
conseguiu formar na liderança, pois esta é a base para não deixar de crescer.
Liderar consiste em exercer influência sobre outros, alcançando o desenvolvimento
24
de seu mais alto potencial. Esta influência abarca o moldar do caráter, a
descoberta de valores e o reconhecimento de qualidades.

4. INFLUÊNCIA DO FRUTO DO ESPÍRITO NA


PERSONALIDADE DO LÍDER.
Um líder de sucesso distingue-se porque sua conduta está determinada pela
influência do fruto do Espírito Santo em sua vida pessoal e no exercício de seu
ministério. Praticamente podemos dizer que o fruto do Espírito Santo é o modelo
próprio de personalidade de todo o líder cristão.
Sendo assim, os traços de personalidade do líder cristão são os expressos por Paulo
na carta aos Gálatas:
“ Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a
benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio;
contra estas coisas não há lei” (Gl. 5:22,23).

A. AMOR
O combustível que impulsiona a liderança. “Ninguém tem maior amor do que
este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. Vós sois meus amigos,
se fizerdes o que eu vos mando” (Jo. 15:13,14). O líder deve estar disposto a
dar tudo às pessoas que está formando; e este por sua vez, devem ser obedientes à
sua direção.

B. GOZO
O que permite ao líder manter-se firme. “Não que tenhamos domínio sobre a
vossa fé, mas somos cooperadores de vosso gozo; pois pela fé estais
firmados” (2 Co. 1:24). A motivação tem que levar os discípulos a viverem o gozo
em seus corações, pois isto os manterá firmes na fé.

C. PAZ
“Assim, pois, a igreja em toda a Judéia, Galiléia e Samária, tinha paz,
sendo edificada, e andando no temor do Senhor; e, pelo auxílio do Espírito
Santo, se multiplicava” (At. 9:31). As igrejas em Jerusalém depois que
experimentaram paz puderam:
• ser edificadas,
• andar no temor de Deus,
• ser fortalecidas pelo Espírito Santo.
D. PACIÊNCIA
“Prega a palavra, insta a tempo e fora de tempo, admoesta, repreende,
exorta, com toda longanimidade e ensino” (2 Tm. 4:2). A paciência é a base
para que se possa levar a termo o propósito divino. Deve-se com paciência:
• pregar,
• redargüir,
• admoestar,
• repreender,
• exortar.
E. BENIGNIDADE

25
A misericórdia e a piedade que o líder experimenta (Lc.6:27-31).

F. BONDADE
“Pois o fruto da luz está em toda a bondade, e justiça e verdade” (Ef.5:9).
A bondade está muito ligada à justiça e à verdade. Paulo orava pelos crentes de
Tessalônica para que Deus os tornasse dignos do seu chamado e cumprissem com
poder todo propósito de bondade e obra de fé (2 Ts. 1:11).

G. FÉ
O Senhor disse a Pedro: “Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não
desfaleça; e tu, quando te converteres, fortalece teus irmãos” (Lc. 22:32).
Deve ser nossa oração constante que nossos discípulos possam suportar as provas
que se apresentam na vida cristã e que é o único modo de produzir maturidade
para depois ter a experiência e poder ajudar a outros crentes que tiverem que
passar pelas mesmas provas que já tenham vencido.

H. MANSIDÃO
“Adverte-lhes que estejam sujeitos aos governadores e autoridades, que
sejam obedientes, e estejam preparados para toda boa obra, que a
ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas moderados, mostrando
toda a mansidão para com todos os homens” (Tt.3:1,2). A mansidão está
muito ligada a:
• submissão às autoridades,
• obediência,
• disposição em fazer o bem,
• evitar intrigas,
• não ser contenciosos.

I. TEMPERANÇA (DOMÍNIO PRÓPRIO)


“Porque Deus não nos deu o espírito de covardia, mas de poder, de amor
e de moderação” (2 Tm.1:7).
Uma das batalhas mais intensas que o crente tem que travar é contra o espírito de
medo, já que a função deste é obscurecer a visão, para que o crente ignore as
bênçãos que Deus tem para ele. O domínio próprio produz essa força interna que
dá firmeza para impedir que nada seja contrário à direção do Espírito Santo dentro
de sua vida.
A unção do líder depende da maneira como este submete seu caráter ao caráter de
Jesus (Gálatas. 5:16)

CONCLUSÃO
Você é a obra prima de Deus. O caráter de Cristo está reproduzido em sua vida,
pelo que você tem a capacidade de ser dono de si mesmo. Conheça seu
temperamento, esforce-se diariamente em submeter cada área de sua vida ao
controle do Espírito Santo, o que há de se refletir no fruto do Espírito, tendo traços
que tragam autoridade na atividade ministerial.

26
LIÇÃO
1. Faça uma analise do seu comportamento no relacionamento com outras pessoas
e tente descobrir quais os traços mais marcantes de sua personalidade até definir o
temperamento predominante.
2. De acordo com Gálatas 5:22 -23, observe as qualidades que fazem parte de sua
liderança e se há fraquezas em alguma delas.

06 O PREÇO DA LIDERANÇA
FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA BÁSICA
Lc. 14:26-33.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA COMPLEMENTAR

27
Lc. 9:23; Is. 53:3-12; 1Co. 11:1; Jr. 20:10-12; At. 6:1-2; Êx. 18:18; 2Co. 12:9; Ec. 3:1;
Lc. 22: 40-43; Sl. 108:13; Jo. 1:11.

TEXTO CHAVE
“Jesus, porém, lhe respondeu: Ninguém que lança mão do arado e olha
para trás é apto para o reino de Deus” (Lucas 9:62).

PROPÓSITO
Todo homem deve entender que o mais importante é que possa encontrar seu lugar
no corpo de Cristo onde terá que enfrentar grandes riscos e desafios. Deus escolhe
cada um de Seus filhos movido por Sua misericórdia, e a seguir Ele tem que
trabalhar no caráter de cada um, até esculpir Sua imagem e semelhança em suas
vidas. O propósito desta lição é ensinar aos alunos que qualquer um que quer ter
algo mais valioso, deve pagar um preço. É como em relação às jóias: quanto mais
finas, mais alto será seu preço. As coisas de pouco valor, muito rapidamente
ficarão no esquecimento, enquanto que aquelas que muito nos custam são as de
que cuidamos com mais esmero. Ainda que possamos falar de um alto preço na
liderança, a grande realidade é que o preço já foi pago pelo Senhor Jesus Cristo, há
2000 anos atrás. Talvez o preço a que fazemos referência, é o ter muito mais
cuidado em andar pelos caminhos já estabelecidos pelos Senhor.

1. PAGAR UM PREÇO
Muitos de nós na realidade sentimos-nos como Moisés ao descer o monte, onde
havia experimentado a glória de Deus. Ele lhe dará as tábuas da lei, escritas com
Seu próprio dedo, mas quando desceu do monte, Moisés encontrou o povo
descontrolado e entregue à idolatria. Isto arrasou seu coração, pelo que quebrou
as tábuas da lei e quis renunciar ao ministério. Todo líder irá enfrentar situações
difíceis nas quais poderá pensar que errou, e poderá sentir-se tentado a renunciar
ao ministério. Mas há um fogo que arde dentro de seu coração, que o motivará a
continuar.
Moisés começa a falar com Deus e apresenta seus próprios argumentos (Êxodo
33:12-23)
• Mostra-me agora Teu caminho. Todo o líder tem que saber para onde se
dirige, pois guiará a comunidade pelo caminho que tomar. Como líder, aprenda a
ouvir a Deus e seja obediente ao rumo que Ele quiser traçar para sua vida.
• Para que Te conheça. O caminho mais eficiente para poder conhecer a Deus,
é o do quebrantamento. Jó pôde conhecer a Deus depois de seu
quebrantamento. (Jó 42:5,6).
O profeta Isaías teve a revelação do trono e da glória de Deus, e exclamou: “Ai
de mim! pois estou perdido” (Is. 6:5). Conhecer a Deus é andar pelo
caminho da santidade.
• Para que encontre graça. Ou seja, Deus decida caminhar conosco. “O
Senhor, porém, era com José, estendendo sobre ele a sua benignidade e
dando-lhe graça aos olhos do carcereiro” (Gn. 39: 21).
Maria achou graça aos olhos de Deus e o agradou para que ela fosse a mãe do
Salvador. Lucas 1:30.
Pela graça permanecemos em pé e frutificamos.
28
A RESPOSTA DO SENHOR À PETIÇÃO DE MOISÉS FOI:
MINHA PRESENÇA IRÁ CONTIGO E TE DAREI DESCANSO. A esposa de um
pregador, cada vez que este chegava extenuado em sua casa à noite, somente lhe
dizia: “Hoje você trabalhou sem o Senhor”. Não importam os desafios que
tenhamos que enfrentar, ou as tarefas que tenhamos que desenvolver, se o Senhor
está conosco, não haverá estresse, pois a recompensa no serviço de Deus é o
descanso, porque Deus está vivendo dentro de nós.
• Enoque caminhou com Deus; Depois que seu filho Matusalém nasceu, todos
os dias de sua vida, foram trezentos anos (Gn. 5:25).
• A arca da aliança. Para os judeus esta lhes dava segurança de que Deus
estava com eles e lhes daria a vitória em todas as coisas.
• Em Jesus. Deus manifestou-se em carne na pessoa de Jesus, e toda a Sua
plenitude estava nEle.
• No Pentecostes. Desde aquele momento cada crente converte-se no templo
do Espírito Santo.

CONHEÇO-TE PELO TEU NOME. O nome é a expressão externa do que está


dentro. Como acontece com as lojas: o nome que aparece está de acordo com o
que nos oferecem. É por isso que Deus mudou o nome de Abrão (pai enaltecido)
pelo de Abraão (Pai de multidões); de Jacó (suplantador) por Israel (Príncipe com
Deus. “Mas agora, assim diz o Senhor que te criou, ó Jacó, e que te
formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome,
tu és meu. Visto que foste precioso aos meus olhos, e és digno de honra e
eu te amo, portanto darei homens por ti, e os povos pela tua vida. a todo
aquele que é chamado pelo meu nome, e que criei para minha glória, e
que formei e fiz” ( Is. 43:1,4,7).
Deus tem um grande amor e um cuidado específico para com aqueles a quem
conhece pelo nome.
A Simão (Cana, ou inconstante) o Senhor chamou Pedro (pedra: firme, decidido).
Salomão disse: “Mais digno de ser escolhido é o bom nome do que as
muitas riquezas; e o favor é melhor do que a prata e o ouro” ( Pv. 22:1).

FAREI PASSAR TODA MINHA BONDADE DIANTE DE TEU ROSTO. A bondade


representa a bênção de Deus que não está encoberta para Seus filhos, mas está
diante deles, para que dela se apropriem e desfrutem. Paulo disse que Deus nos
abençoou com toda a sorte de bênçãos espirituais nos lugares celestiais, em Cristo
Jesus (Ef. 1:3). As maiores bênçãos, foram preparadas por Deus para Seus filhos.
“Mas, como está escrito: As coisas que olhos não viram, nem ouvidos
ouviram, nem penetraram o coração do homem, são as que Deus preparou
para os que o amam” (1Co. 2:9).

ESTARÁS SOBRE A ROCHA. A penha é um protótipo de Jesus Cristo. Para o


salmista Davi, era o lugar de segurança, onde Deus o colocava para não ser
alcançado pela adversidade. Sl. 40:1-3. Nos momentos difíceis, Deus nos põe
sobre a rocha, porque como crentes não somos imunes à dor, não sabemos quando
a adversidade irá nos atacar, ou quando será o dia mau, e ter a sensação de que
estamos afundando no lodo pegajoso, mas Deus prometeu livrar-nos da aflição e
firmar nossos pés sobre a rocha inabalável, que é Cristo. Para Paulo não há nada
que nos possa separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus nosso Senhor
(Rm. 8:38,39).
29
VERÁS MINHAS COSTAS. O que é uma representação da obra redentora de
Jesus, pois Suas costas foram flageladas com o chicote de Roma, até que Lhe
arrancaram a pele, convertendo-a em uma chaga. O profeta Isaías disse: “e pelas
suas pisaduras fomos sarados” (Is. 53:5). A cruz tem duas traves, uma vertical
e outra horizontal. A trave vertical fala-nos de nossa relação permanente com
Deus, e a trave horizontal fala-nos da relação que devemos ter com nosso próximo.
Para alguns pregadores é fácil entender a teologia, mas não sabem como se
relacionar com seu próximo, não sabem como tratar as pessoas. Mas quando
entendemos o poder da cruz, ser-nos-á fácil amar a Deus e amar ao nosso próximo.

2. O PREÇO DA LIDERANÇA
O preço da liderança é assumido quando temos um bom discipulado.
Lc. 14:26-33. O Senhor Jesus no deu a chave do que deveria ser um discipulado
eficiente.
• Desprendimento de todas as coisas (Vs. 26). Como seres humanos
tendemos a apegar-nos excessivamente aos nossos entes queridos, não que isto
seja ruim mas o que o Senhor quer ensinar-nos é que se, diante de uma posição
intransigente da parte de alguém a quem nós amamos, e que está em choque com
os ensinos de Jesus, nossa atitude deve ser aborrecer esta posição e dar prioridade
ao Senhor.
• Vida de quebrantamento (Vs.27). O próprio Senhor comparou-Se ao grão de
trigo que para, dar fruto, primeiro deve cair na terra e morrer. Do mesmo modo nós
para darmos o fruto certo, devemos ser primeiro quebrantados em nosso homem
interior, para assim ter uma dependência total do Senhor, o que nos fará dar fruto
abundante. Experimentamos o maior quebrantamento quando compreendemos a
necessidade de morrer diariamente em oração, onde levamos nossos desejos,
cargas e paixões aos pés da cruz e aceitamos a morte do Senhor como a nossa
própria morte . Ao fazermos isto, estaremos levando nossa cruz diariamente e será
fácil seguir ao Senhor.
• Visão clara (V. 28). A comparação com o construtor é extraordinária, pois
podemos ter os planos, o terreno, uma excelente planta, mas se não tivermos os
recursos, estaremos fazendo o ridículo diante dos demais. O mesmo acontece com
a visão, se você tem uma excelente teologia, boa oratória e se lhe é fácil
compartilhar com as pessoas, e pode encher seu recinto repetidamente, mas não
tem uma visão clara de como reter as pessoas e como capacitá-las e convertê-las
em ganhadores de almas, estará fazendo o ridículo diante das forças espirituais da
maldade que operam nos ares, pois zombarão de você, dizendo: este homem
ganhou tantas pessoas mas por falta de visão a maioria delas já retrocedeu e
preferiu voltar para o mundo. Se aplicar corretamente a visão de liderança e
discipulado tenha a segurança de que converter-se-á na maior preocupação do
inferno.
• Liderando um exército de guerreiros (Lc.14:31,32). Você tem que formar
um exército de guerreiros espirituais que estejam cobrindo seus ombros durante as
vinte quatro horas do dia e, que por sua vez, o estejam apoiando em cada uma das
decisões que esteja tomando. Os exemplos que se têm visto, de líderes espirituais
que falharam, foi primordialmente por não terem uma cobertura permanente de
oração.

30
• Renovação da mente (Vs.33). O renunciar a tudo o que possuímos equivale a
estar inovando diariamente nosso modo de pensar. Seria muito mais fácil o moldar-
nos às velhas estruturas, mas estamos conscientes de que o que causou impacto
séculos atrás não é o mesmo que surte efeito no dia de hoje. Se não mudarmos
nossos esquemas para chegar às pessoas, Deus terá que Se prover de outros que
estejam dispostos a fazê-lo.

3. PREPARADOS PARA SUPORTAR


Como líderes teremos que suportar com maturidade algumas que, se as soubermos
manejar, não causarão nenhum efeito. Os líderes de nossos dias poderão encontrar
situações como as seguintes:

A. A CRÍTICA
Dois aspectos afetam muito os servos de Deus: ver o menosprezo ou ouvir a
crítica. O Senhor disse: “Quem é cego, senão o meu servo, ou surdo como o
meu mensageiro, que envio? e quem é cego como o meu dedicado, e cego
como o servo do Senhor? Tu vês muitas coisas, mas não as guardas; ainda
que ele tenha os ouvidos abertos, nada ouve” (Is 42: 19,20). Jeremias pôde
contratacar a crítica com a sua fé. “ Mas o Senhor está comigo como um
guerreiro valente” (Jr. 20:11). A crítica não fazia os Apóstolos mudar suas
prioridades (At.6:1,2).

B. A FADIGA
O trabalho do líder é intenso e pode trazer cansaço, especialmente quando não se
tem em conta a importância de delegar algumas funções. Foi o caso de Moisés.
Êx.18:18. No entanto quando as atividades aumentarem, a tensão pode ser evitada
se tão somente levarmos nossa carga e a depositarmos aos pés do Senhor.
“Vinde a mim, todos os que estai cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”
(Mt. 11:28).

C. TEMPO
Davi disse a Deus. “Os meus dias estão nas tuas mãos; livra-me das mãos
dos meus inimigos e dos que me perseguem” (Sl. 31:15). Quando nosso
tempo está na presença de Deus, trabalhamos de uma maneira muito mais
eficiente. O Senhor Jesus aparentemente permaneceu no anonimato por trinta anos
, mas quando chegou o tempo de Deus, deu início a Seu ministério e, em tão
somente três anos e meio, conseguiu efetuar a relação da humanidade, fundar a
igreja e dividir o curso da história. Rendamos, tanto nossas vidas quanto nossos
ministérios nas mãos do Senhor, e Ele nos ajudará a remir o tempo.

D. A SOLIDÃO
“Mas ele se retirava para os desertos, e ali orava” (Lc. 5:16). Os tempos de
solidão devem ser aproveitados para aumentar a relação devocional com Deus a
fim de nos fortalecermos nEle. “De tarde, de manhã e ao meio-dia me
queixarei e me lamentarei; e ele ouvirá a minha voz. Livrará em paz a
minha vida, de modo que ninguém se aproxime de mim; pois há muitos
que contendem contra mim” (Sl. 55: 17,18).

E. DECISÕES

31
“Mas deliberei isto comigo mesmo: não ir mais ter convosco em tristeza”
(2 Co 2:1). Paulo tomou a decisão de sempre se apresentar com gozo diante dos
crentes de Corinto e com palavras que despertassem o ânimo. Todo líder tem que
tomar decisões, mas quando estas são tomadas em oração, os resultados serão
favoráveis. Davi, antes de tomar qualquer decisão em sua vida, sempre consultava
a Deus.

F. REJEIÇÃO
O oposto da aceitação é a rejeição. Paulo foi rejeitado pelos de sua nação, mas isto
não o fez ceder aos seus caprichos, antes se manteve firme, sem importar o que
viesse. Saul, por querer a consagração do povo, desobedeceu a Deus e foi
rejeitado como rei. Jesus, ao ser rejeitado pelos judeus, estendeu Sua misericórdia
aos gentios (Jo. 1:11,12).

4. A RECOMPENSA EM PAGAR O PREÇO.


Assim como no passado, hoje Deus dá grandes retribuições a Seus filhos que
tenham decidido desenvolver-se dentro da liderança:
Abraão.
Abraão creu em Deus e isto lhe foi imputado como justiça e foi chamado amigo de
Deus. “E se cumpriu a escritura que diz: E creu Abraão a Deus, e isso lhe foi
imputado como justiça, e foi chamado amigo de Deus. Vedes então que é pelas
obras que o homem é justificado, e não somente pela fé” (Tg. 2:23-24).
O exemplo de José:
“Depois disse Faraó a José: Porquanto Deus te fez saber tudo isto, ninguém há tão
entendido e sábio como tu. Tu estarás sobre a minha casa, e por tua voz se
governará todo o meu povo; somente no trono eu serei maior que tu” (Gn. 41:39-
40).
O exemplo de Paulo:
“Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para
levar o meu nome perante os gentios, e os reis, e os filhos de Israel; pois eu lhe
mostrarei quanto lhe cumpre padecer pelo meu nome” (At. 9:15-16).
“E de noite disse o Senhor em visão a Paulo: Não temas, mas fala e não te cales;
porque eu estou contigo e ninguém te acometerá para te fazer mal, pois tenho
muito povo nesta cidade” (At. 18: 9-10).

O QUE O SENHOR PROMETE


• Dá-nos cidades e nações: “Se o Senhor se agradar de nós, então nos
introduzirá nesta terra e no-la dará; terra que mana leite e mel” (Nm
14:8).
• Autoridade Espiritual: “E, chamando a si os seus doze discípulos, deu-
lhes autoridade sobre os espíritos imundos, para expulsarem, e para
curarem toda sorte de doenças e enfermidades” (Mt 10:1).
• Prosperidade em todas as dimensões: “Amado, desejo que te vá bem em
todas as coisas, e que tenhas saúde, assim como bem vai a tua alma” (3
Jo 2).

32
CONCLUSÃO
Nascemos para liderar e influenciar positivamente a outros. Não importa o preço
que tenhamos que pagar, o esforço que tenhamos que fazer, as batalhas que
tenhamos que vencer, sabemos que Deus nos chamou para Seu serviço e apoiar-
nos-emos completamente nEle, porque guardará nossa alma da angústia e faz-nosá
frutificar em nosso ministério. Para Jesus custou a própria vida; a nós nos
corresponde uma cota de sacrifício a nível pessoal e familiar, mas Deus retribui
entregando-nos nações para que as conquistemos.

LIÇÃO
1-Pagar o preço envolve todas as áreas de nossa vida?
2-Examine-se e descubra em qual delas requer maior entrega e consagração.
3- A liderança de sucesso está ao seu alcance?
4- Para você, qual o preço que Jesus pagou para nos ensinar a liderança?

33
07 PRINCÍPIOS PARA UMA
LIDERANÇA EXCELENTE
FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA BÁSICA
2 Pedro 1:3-11.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA COMPLEMENTAR


At. 6:3; At. 11:24; Jo. 3:27; 2Co. 4:7; 1Sm. 16:18; Rm. 12:3 e 16; Fp. 1:6; Rm.
13:1,2; 2Tm. 3:16; Cl. 3:16; 1Ts. 4:7,8; 1Tm. 3:1-13.

TEXTO CHAVE
“E por isso mesmo vós, empregando toda a diligência, acrescentai à vossa
fé a virtude, e à virtude a ciência” (2 Pe. 1:5).

PROPÓSITO
A vida do líder deve ser uma vida com propósito. Devemos ter objetivos muito
claros e concretos enquanto estivermos nesta terra. Não podemos ser como cata-
ventos sem rumo fixo: devemos ter um objetivo e uma meta que nos indiquem
aonde chegaremos. Há metas internas e externas que, como cristãos, teremos
que alcançar. As metas externas estão fundamentadas no que fazemos para Deus
e as internas no que somos em Deus. Muitos se preocupam mais em desenvolver o
exterior que o interior, e pode até ser que tenham metas boas, que os mantenham
ocupados o tempo todo, tais como testemunhar, visitar, formar líderes ou trabalhar
em diferentes áreas do ministério. Essas coisas são boas, mas a meta principal
deve ser o que somos em Deus, pois diariamente devemos crescer em Cristo até
que Seu caráter seja reproduzido em nós. Jesus disse: “Sede vós, pois,
perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celestial” (Mt. 5:48).
Depois do recital de um excelente violinista, uma criança aproximou-se dizendo:
“Daria a minha vida para tocar como você”. E o violinista comentou: “Foi isso
34
exatamente o que fiz: dei minha vida para tocar assim”. Aqueles homens que
deixaram marcas na história da humanidade tiveram uma característica
fundamental: aprenderam a crescer em Deus.
Esta lição tem o propósito de ajudá-lo a encontrar caminhos que o conduzam à
excelência em sua liderança, aplicando princípios bíblicos que contribuam para
transcender os limites da mediocridade e do conformismo, na tarefa de ganhar e
formar outros para a obra de Cristo.

1. LIDERANÇA EFICIENTE É SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA


Um princípio que rege a execução de uma liderança eficiente é a aplicação da
excelência em todos os seus processos. Na liderança cristã a excelência tem a ver
com a essência do próprio líder, tanto em sua vida interior como exterior, ou seja,
sua relação íntima com Deus por um lado, e a maneira como esta se reflete
naqueles a quem lidera para a obra.
“Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm,
mas um só é que recebe o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis”
(1Co. 9:24).
Ninguém abriria uma escola onde treinasse pessoas para fracassarem na vida.
Nem alguém se casaria para ser a pessoa mais infeliz deste mundo. Todos
anelamos sempre um futuro melhor, e, muitas vezes, não importa o preço a ser
pago, contanto que se encontre a fórmula que nos garanta o sucesso. Devemos
entender que:
O sucesso foi planejado para que você o alcance. É importante que entenda que,
tanto o sucesso quanto o fracasso encontram-se dentro de sua própria vida. Se
você aceita o fracasso, porque este, talvez, tenha sido um grande companheiro de
toda a sua família, ou porque pensa que não tem um título universitário, etc., com
essa atitude estará aceitando que esse hóspede (nada desejável) faça parte de sua
própria vida. Mas se pensa que, como filho de Deus, possui muitos privilégios já
registrados na Palavra e decide se apropriar deles, fazendo valer seus direitos,
então as portas se abrirão para que entre como um conquistador a fim de caminhar
até o alvo, rumo ao sucesso.
Napoleão Gil disse: “Tudo aquilo que a mente possa imaginar, pode ser alcançado
pelo homem”. Muitas vezes não chegamos ao sucesso porque nunca nos detemos
em sonhar. O sucesso é crer que, apesar das circunstâncias, você poderá ir
adiante. Você encontrará um sem número de obstáculos que buscam lhe impedir
os passos, mas estes são a escola que logo o ajudarão com aqueles que esteja
liderando.

2. PRINCÍPIOS ASSOCIADOS À EXCELÊNCIA


Como podemos distinguir um líder excelente de outro que não o seja? Há um sem
número de princípios associados à excelência, e os seguintes são alguns deles.

A. A EXCELÊNCIA VEM DE DEUS


“Ele é a Rocha; suas obras são perfeitas” (Dt.32:4a).
“Respondeu João: O homem não pode receber coisa alguma, se não lhe for
dada do céu” (Jo. 3:27);
“Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do
poder seja de Deus, e não da nossa parte” (2 Co. 4:7).
35
B. A EXCELÊNCIA É UMA CARACTERÍSTICA DOS HOMENS DE DEUS
“Assim fez Ezequias em todo o Judá; e fez o que era bom, e reto, e fiel
perante o Senhor seu Deus or seu Deus. E toda a obra que empreendeu no
serviço da casa de Deus, e de acordo com a lei e os mandamentos, para
buscar a seu Deus, ele a fez de todo o seu coração e foi bem sucedido” (2
Cr. 31:20-21).
“Respondeu um dos mancebos: Eis que tenho visto um filho de Jessé, o
belemita, que sabe tocar bem, e é forte e destemido, homem de guerra,
sisudo em palavras, e de gentil aspecto; e o Senhor é com ele” (1Sm.
16:18).

C. A EXCELÊNCIA É ALCANÇADA COM ESFORÇO


“Mas o que para mim era lucro passei a considerá-lo como perda por amor
de Cristo; sim, na verdade, tenho também como perda todas as coisas
pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual
sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como refugo, para que
possa ganhar a Cristo, e seja achado nele, não tendo como minha justiça a
que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que
vem de Deus pela fé” (Fp. 3:7-9).

D. A EXCELÊNCIA EXIGE DILIGÊNCIA


“Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo
ao Senhor” (Rm. 12:11).

E. A EXCELÊNCIA EXIGE HUMILDADE


“Porque pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não
tenha de si mesmo mais alto conceito do que convém; mas que pense de
si sobriamente, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um”
(Rm. 12:3).

F. BUSCA A PERFEIÇÃO NO QUE FAZ


“tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra
a aperfeiçoará até o dia de Cristo Jesus” (Fp. 1: 6).

G. TRANSMITE A VISÃO
“O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim,
isso praticai; e o Deus de paz será convosco” (Fp. 4:9).

3. A EXCELÊNCIA COMO NORMA OU PRINCÍPIO CONSTANTE


NA LIDERANÇA
Um principio é uma norma ou idéia fundamental que rege o pensamento ou a
conduta. Neste sentido relaciona-se também com as regras que todos temos que
seguir a fim de alcançar um objetivo comum.
“Mas, naquela medida de perfeição a que já chegamos, nela prossigamos”
(Fp. 3: 16).

A. PRINCÍPIOS QUANTO À ÁREA ESPIRITUAL


• Fundamentação da liderança na Palavra de Deus.
36
“A palavra de Cristo habite em vós ricamente, em toda a sabedoria; ensinai-vos e
admoestai-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, louvando
a Deus com gratidão em vossos corações” (Cl. 3:16).
• Submissão à autoridade.
“Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade
que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus. Por isso
quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão
sobre si mesmos a condenação” (Rm. 13:1,2).
• A santificação.
“Todavia o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor
conhece os seus, e: Aparte-se da injustiça todo aquele que profere o nome do
Senhor” (2Tm. 2:19).
• Não enredar-se no negócios da vida.
“Nenhum soldado em serviço se embaraça com negócios desta vida, a fim de
agradar àquele que o alistou para a guerra. E também se um atleta lutar nos
jogos públicos, não será coroado se não lutar legitimamente” (2Tm. 2:4,5).
• A busca de aprovação.
“Procura apresentar-te diante de Deus aprovado, como obreiro que não tem de
que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (2Tm.2:15).

B. PRINCÍPIOS QUANTO AO DESENVOLVIMENTO DO MINISTÉRIO


• Trabalhar no presente para assegurar o futuro.
O líder deve manter seu povo em constante motivação, realizando atividades que
dêem continuidade ao ministério no futuro. A aplicação de níveis adequados de
exigência levarão ao alcance da excelência.
• Disposição para enfrentar e resolver problemas.
A liderança é uma corrida onde encontraremos alegrias, ou tristezas; algumas
delas produzidas por pessoas que lideramos, as quais se requer de nossa parte
agir com prudência, mantendo a sensibilidade quando se exige fazer guerra
espiritual.
• Aprender com os erros.
Quando falamos de sucesso, muitos pensamentos cruzam em nossas mentes e a
verdade é que ninguém quer viver com o fracasso. Todos nós desejamos o
sucesso. Estou seguro de que não há uma só pessoa que ore: “ Senhor faz-me
um fracassado”. Todos pedimos para conquistar o sucesso. Queremos ter
sucesso no ministério, no lar, no trabalho, na universidade, etc. Poderíamos dizer
que sucesso são metas conquistadas, sonhos realizados, obstáculos vencidos ou
triunfos aclamados. Cada um de nós deseja, do mais profundo de nosso coração,
ser reconhecido, valorizado, aceito e, quando uma pessoa está disposta a
alcançar o sucesso, precisa revestir-se de uma fortaleza interior, de uma
tenacidade que a mova a vencer qualquer obstáculo que possa se apresentar
diante do sucesso. Os homens de sucesso são aqueles que souberam assimilar
muito bem seus fracassos. Para que uma pessoa alcance o sucesso tem que,
primeiro, passar por vários fracassos. Ainda que saibamos que a ninguém
agrada fracassar na vida, o fato de que tenha recebido uma experiência negativa
não significa que tudo se acabou; quer dizer que esse é um degrau a mais para
que se projete até o sucesso. Uma experiência negativa não é para que a pessoa
se feche em si mesma e nunca mais abra seu coração para as oportunidades que
a vida lhe der, e quando estamos diante de situações difíceis podemos assimilar
37
muito bem o fracasso e transformá-lo em uma plataforma que nos levará ao
sucesso.
“Pois tenho para mim que as aflições deste tempo presente não se
podem comparar com a glória que em nós há de ser revelada. Porque a
criação aguarda com ardente expectativa a revelação dos filhos de
Deus” (Rm. 8:18,19).
• Ser flexíveis.
O líder deve ser constante no que empreende, mas também deve ter uma mente
aberta para a mudança e ser hábil para estabelecê-la.
• Compromisso.
Alcançar um alto nível de excelência na liderança está condicionado também ao
compromisso que o líder assume diante de seu povo, e o que seus seguidores
adquirem através dele, sem importar a condição ou posição em que se encontra
cada um. 1Sm. 22:2.

4. ALGUMAS RAZÕES BÍBLICAS PARA APLICAR PRINCÍPIOS


DE EXCELÊNCIA NA LIDERANÇA
• O mundo nos observa:
“Portanto, nós também, pois que estamos rodeados de tão grande
nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço, e o pecado que tão
de perto nos rodeia, e corramos com perseverança a carreira que nos
está proposta” (Hb. 12:1).
• O inimigo busca nos derrotar.
“Sede sóbrios, vigiai. O vosso adversário, o Diabo, anda em derredor,
rugindo como leão, e procurando a quem possa tragar” (1Pe. 5:8).
• Somos escolhidos de Deus.
“Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo
adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou
das trevas para a sua maravilhosa luz” (1Pe.2:9).

CONCLUSÃO
O que cheguemos a ser em Deus veremos refletido no que fazemos para Deus. A
excelência de Deus vê-se refletida em todas as Suas obras, e o nosso dever como
Seus filhos é fazer as coisas com esse mesmo espírito de excelência. Liderança e
excelência são dois conceitos que devem estar sempre relacionados. O líder cristão
deve procurar a excelência para dar o melhor de si no desenvolvimento da visão,
que Deus lhe tem dado para sua vida e ministério.

LIÇÃO
1. Que lição de sucesso você pode tirar deste versículo? “Certamente que a
bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida, e
habitarei na casa do Senhor por longos dias” (Sl. 23:6).
2. O que você faria para ter uma liderança eficiente?

38
08 PERIGOS DA LIDERANÇA
FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA BÁSICA
1 Timóteo 6: 11-16.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA COMPLEMENTAR


1 Sm. 17: 34,35; 2 Tm. 4:7; Rm. 12:3; Nm. 12:16; Nm.16:1-50; 1 Tm. 4: 1-3; Js. 1:9;
Js. 7:21; Pv. 13:4; Fp. 2:3; 2Co. 6:14; Cl. 3:23; 2 Tm. 1:7; 2 Co. 10:4-6.

TEXTO CHAVE
“Peleja a boa peleja da fé, apodera-te da vida eterna, para a qual foste
chamado, tendo já feito boa confissão diante de muitas testemunhas” ( 1
Tm. 6: 12).

PROPÓSITO

39
Paulo conseguiu cultivar uma relação de mestre com o discípulo Timóteo, e o
alertou quanto a aspectos dos quais ele ,como líder, não poderia se descuidar:
“Tem cuidado de ti mesmo e do teu ensino; persevera nestas coisas;
porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te
ouvem” (1Tm. 4:16). Paulo dá a entender que nem o mundo, nem o diabo
conseguirão separá-lo de Jesus; o maior perigo era ele próprio, razão pela qual o
apóstolo castigava seu corpo e o colocava em sujeição. E a outra advertência
refere-se à doutrina, já que ser vigilantes nela nos impedirá de sairmos da rota.
Sabemos que todo o líder deve vencer tremendas batalhas, se deseja cumprir com
sucesso o propósito para o qual foi chamado e pelo qual está neste mundo. Davi é
um exemplo genuíno do homem treinado e disposto a enfrentar qualquer tipo de
perigo a fim de cumprir cabalmente com o que lhe foi atribuído. Mas por outro lado
há o exemplo de Saul que permitiu o temor em sua vida e este o levou à própria
destruição.
O objetivo desta lição é dar-lhe a conhecer quais são os perigos mais comuns que
podem afetar a liderança e ajudá-lo com algumas estratégias para que os enfrente
e saia vitorioso.

1. SITUAÇÕES DE PERIGO
Uma situação de perigo é tudo aquilo que ameaça em instabilizar a vida de uma
pessoa e tudo quanto esta realiza. É o risco iminente de que algo mal suceda. Em
geral todo líder está constantemente exposto a este tipo de situações, mas,
especialmente o líder cristão, porque o inimigo sabe perfeitamente que se trata de
uma pessoa escolhida para influenciar positivamente com o evangelho de Cristo
outras pessoas, até transformá-las e resgatá-las de suas garras.
Podemos dizer que os perigos da liderança se apresentam quando deixamos de
depender de Deus, e confiamos em nós mesmos ou em nossos sucessos. Paulo
sugeriu a Timóteo:
“ Peleja a boa peleja da fé, apodera-te da vida eterna, para a qual foste
chamado, tendo já feito boa confissão diante de muitas testemunhas” (1Tm.
6:12).
Paulo lembra seu discípulo sobre:
• Pelejar a batalha da fé. Há dias nos quais sentimos que temos a maior fé do
mundo, mas em pouco tempo vem a sensação de que a fé se esvaneceu e
voltamos a nos sentir vazios. A que isso se deve? Ao fato de que todos os dias
estamos enfrentando uma tremenda batalha contra hostes espirituais da
maldade nos lugares celestiais e estes poderes têm como meta enfraquecer os
crentes na fé. Nossa vitória depende de nossa relação com Deus e Sua palavra.
• Lança mão. Isto equivale a apropriar-se da vida eterna que o Senhor lhe deu e
não se expor a perder a salvação “namoricando” com o pecado.
• Havendo feito a profissão (confissão). Profissão é o mesmo termo que
confissão; a confissão pública de que Jesus é o Senhor de nossa vida transforma-
se em um poderoso argumento no mundo espiritual a nosso favor.

2. ALGUNS PERIGOS DIANTE DOS QUAIS DEVEMOS ESTAR


PREPARADOS

40
Na vida cristã geralmente surgem situações difíceis ou perigosas que todo o crente
deve estar preparado para superar, mas é quando este decide se converter em um
servo comprometido com o ministério e com a visão que Deus lhe deu, que precisa
estar pronto para enfrentar qualquer tipo de adversidade, pois sabemos que o
Senhor disse: “não te deixarei, nem te desampararei, como está escrito: Por amor
de ti somos entregues à morte o dia todo; fomos considerados como
ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais que
vencedores, por aquele que nos amou “ (Rm. 8:33-37). Ainda que o
adversário invista em nos acusar, Deus tem erigido uma cerca de proteção ao redor
de Seus servos e os protege.

A. OUTROS PERIGOS QUE O LÍDER TEM QUE ENFRENTAR SÃO:


• O ORGULHO:
“Porque pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não
tenha de si mesmo mais alto conceito do que convém; mas que pense
de si sobriamente, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada
um” (Rm. 12:3).
 O antídoto é que pense de si com sobriedade.
• MURMURAÇÃO:
“Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e
julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; ora, se julgas a lei, não
és observador da lei, mas juiz. Há um só legislador e juiz, aquele que
pode salvar e destruir; tu, porém, quem és, que julgas ao próximo?”
(Tg. 4:11,12).
 O antídoto é saber que não somos juizes, porque da forma como julgarmos
seremos julgados.
• REBELIÃO.
“Porque a rebelião é como o pecado de adivinhação, e a obstinação é
como a iniqüidade de idolatria. Porquanto rejeitaste a palavra do
Senhor, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei” (1Sm.
15:23).
 O antídoto é a obediência irrestrita à palavra de Deus.
• FALSAS REVELAÇÕES.
“Mas o Espírito expressamente diz que em tempos posteriores alguns
apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de
demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras e têm a sua própria
consciência cauterizada, proibindo o casamento, e ordenando a
abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos com
ações de graças pelos que são fiéis e que conhecem bem a verdade; pois todas
as coisas criadas por Deus são boas, e nada deve ser rejeitado se é recebido com
ações de graças; porque pela palavra de Deus e pela oração são
santificadas” (1Tm. 4:1-5). É uma batalha que o crente deve vencer contra o
espírito da apostasia, que é quando as pessoas excluem a graça para andar pelo
caminho das obras, permitindo o distanciamento de seu cônjuge, e sacrificando
até mesmo seu alimento. Devemos entender que não somos mais espirituais se
deixamos ou não de comer.
 O antídoto é a palavra de Deus e a oração que tudo santificam.
• DESÂNIMO.

41
O desânimo apresenta-se quando temos que enfrentar grandes alvos ou
responsabilidades, e é quando tendemos fixar-nos nas circunstâncias tirando os
olhos de Deus. Isto permite que:
a)nosso coração desanime,
b) vem o medo,
c) ficamos confundidos,
d) predomina o desânimo.
 O antídoto:
a) a promessa de Deus vai conosco,
b) peleja por nós,
c) salva-nos.
A batalha é ganha, primeiro, dentro de nós, porque ao crermos em nosso
coração e confessarmos com a nossa boca, veremos os resultados.
• NEGLIGÊNCIA.
“O que trabalha com mão remissa empobrece; mas a mão do diligente
enriquece. O que ajunta no verão é filho prudente; mas o que dorme na
sega é filho que envergonha” (Pv. 10: 4,5). O negligente é aquele que vê a
necessidade espiritual de sua cidade e prefere deixá-la para depois, e isto produz
pobreza ministerial.
 O antídoto é ser diligente e entender que estamos vivendo um tempo de
muita colheita espiritual; se crermos e agirmos, Deus enriquecerá nossos
ministérios.
• INVEJA.
“Também vi eu que todo trabalho e toda destreza em obras provêm da
inveja que o homem tem do seu próximo. Também isso é vaidade e
desejo vão” (Ec. 4:4). A inveja é o resultado de uma frustração em que as
pessoas se sentem incomodadas com o sucesso de seu próximo, e podem cair na
murmuração, crítica e aflição de espírito.
 O antídoto:
a) a excelência em todas as coisas, porque quando a alcançamos, desaparecerá
a frustração, que produz a perturbação de ver outros progredirem;
b) desfrutar dos sucessos de seu próximo como se fossem seus, e isto
reconfortará seu espírito.
• COBIÇA.
“Por causa da iniqüidade da sua avareza me indignei e o feri; escondi-
me, e indignei-me; mas, rebelando-se, ele seguiu o caminho do seu
coração. Tenho visto os seus caminhos, mas eu o sararei; também o
guiarei, e tornarei a dar-lhe consolação, a ele e aos que o pranteiam. Eu
crio o fruto dos lábios; paz, paz, para o que está longe, e para o que
está perto, diz o Senhor; e eu o sararei” ( Is. 57:17-19).
A cobiça faz com que:
a) Deus se aborreça;
b) o fira;
c) esconda de você Seu rosto;
d) indigne-se contra você.
 O antídoto:
a) Um genuíno arrependimento;
42
b) deixar seus próprios caminhos para andar pelo de Deus;
c) permitir-Lhe sarar suas feridas do passado;
d) aceitá-Lo como o pastor de sua vida;
e) mudar sua linguagem para que seus lábios proclamem a paz.
• TEMOR.
“O receio do homem lhe arma laços; mas o que confia no Senhor está
seguro” (Pv. 29:25). O temor é o resultado de um coração ferido, e que
paralisa o homem em todas as decisões que este tenha que tomar. Saul é um
grande exemplo dos efeitos desastrosos produzidos pelo temor:
- Deus lhe confia a missão de destruir a Amaleque (1Sm. 15:1-3).
- Saul obedece parcialmente (1 Sm.15:8-9).
- O profeta Samuel o repreende por seus pecados de:
a) desobediência (v.22);
b) rebelião (adivinhação) (v.23);
c) obstinação (idolatria) (v.23).
- Saul reconhece que quebrara o mandamento de Deus pelo temor (v.24);
- a partir desse momento Deus tirou-lhe todo o Seu respaldo (v.28);
- Deus escolheu outro melhor que ele, alguém valente, sem medo (v.28);
- Saul passa a ser atormentado por um demônio (1Sm. 16:14);
- enche-se de ciúmes contra Davi (1Sm. 18:8);
- usava palavras vulgares (1Sm. 20:30);
- mata os sacerdotes de Deus (1Sm. 22:18);
- consulta uma advinha (1Sm. 28:8);
- o temor o acompanha até no momento de sua morte (1Sm.31:3,4);
- transmite para seu escudeiro o espírito de temor e de suicídio (1Sm. 31:5,6);
 O antídoto - Paulo disse:
“Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de poder, de amor
e de moderação” (2Tm. 1:7). Como filhos de Deus temos que rejeitar o
temor em todas as suas manifestações. Porque a missão do medo é roubar,
matar e destruir.
Você pode fazer a seguinte oração: “Pai, arrependo-me de haver consentido o
medo dentro de minha vida; renuncio a ele com todas as minhas forças,
repreendo-o e o lanço fora de minha vida. Creio que na cruz, Jesus levou todo o
meu medo e fez-me livre dessa maldição. Aceito o espírito de poder e domínio
próprio que me é outorgado por Jesus, sei que Ele está a meu lado como um
poderoso guerreiro e pelejara sempre por mim, amém”.

3. GUERRA ESPIRITUAL: ESTRATÉGIA PARA ENFRENTAR O


PERIGO
Conscientiza-nos de que estamos em uma guerra contínua contra as diferentes
forças, requer de nossa parte que possamos identificar contra quem estamos
pelejando, pois não ignoramos que o Senhor Jesus conquistou na cruz todos os
nossos triunfos e o que nos corresponde é o fazer uso de nossa autoridade. “Pois
as armas da nossa milícia não são carnais, mas poderosas em Deus, para
43
demolição de fortalezas; derribando raciocínios e todo baluarte que se
ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento
à obediência a Cristo; e estando prontos para vingar toda desobediência,
quando for cumprida a vossa obediência” (2Co. 10:4-6).
• Devemos entender que temos armas espirituais que são poderosas em Deus
para derrubar as fortalezas e os poderes do inimigo. Devemos perseverar no
ataque ao inimigo, que por mais que este se oponha, não poderá prevalecer.
“Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei
a minha igreja, e as portas do hades não prevalecerão contra ela”
( Mateus 16:18).
Efésios 6:10-18:
• Devemos fortalecer-nos no Senhor e na força do Seu poder;
• devemos entender que nossa luta é contra as forças espirituais da maldade nas
regiões celestiais;
• devemos estar firmes contra as artimanhas do diabo;
• devemos sempre colocar a armadura de Deus;
• devemos orar em todo o tempo.
• Derrubar todo os argumentos (Cl. 2:14,15).
• Derrubar toda a altivez que se levanta contra o Senhor Jesus. “E a altivez do
homem será humilhada, e o orgulho dos varões se abaterá, e só o
Senhor será exaltado naquele dia” (Is. 2:17).
• Levando cativo o pensamento à obediência a Cristo (Is. 55:8).
• Prontidão em castigar a desobediência quando se alcança a perfeita obediência
(Cl. 3:5,6).
O Salmista apresenta-nos como deve ser a estratégia de guerra no Salmo 149:5-9.
“Louve-lhe o nome com dança”. A dança deve ser um instrumento de guerra no
mundo espiritual, uma vez que cada movimento eqüivale a pisar serpentes,
escorpiões e toda a força do inimigo.
• Um golpe certeiro. “Cantem-lhe louvores com adulfe e harpa”.
• Saber que somos um povo guerreiro que alegra o coração de Deus. Porque
Jeová alegra-se com Seu povo.
• Avançar com segurança de que somos salvos. “Ardona os mansos com
salvação”.
• Viver em regozijo em Sua presença. “ Exultem de glória os santos”.
• Elevar cânticos de vitória. “cantem de alegria nos seus leitos” (onde você
sonha).
• Expressões de louvor confundem as forças da maldade. “Exaltem a Deus com
suas gargantas”.
• A confissão da palavra, é uma arma mortal para o inimigo. “E espadas de dois
gumes em suas mãos”.

44
“Deus quer executar Sua vingança sobre o poder inimigo que tem
oprimido nossos povos e nações. Para executar vingança entre as nações,
e castigo entre os povos”.
Deus nos deu a autoridade de prender aos principados da maldade. “Para
aprisionar seus reis com grilhões, e seus nobres com cadeias de ferro”.
Deus usa nossa Palavra de autoridade, como juízo contra as forças do mal. “Para
executar neles o juízo decretado”.

CONCLUSÃO
Quando você conhece as normas de justiça, e os avisos de perigo sabe que pelo
simples fato de obedecer estará protegido do mal, pois está escrito: “nenhum
mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda. Porque aos seus
anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus
caminhos. Eles te susterão nas suas mãos, para que não tropeces em
alguma pedra” (Sl. 91:10-12); ou como o apóstolo Pedro disse: “Porque, se em
vós houver e abundarem estas coisas, elas não vos deixarão ociosos nem
infrutíferos no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo” (2 Pe.
1:8).

LIÇÃO
1. Identifique o que mais tem predominado em sua vida, e o que é obstáculo em
seu desenvolvimento espiritual.
2. O que você esta fazendo na guerra espiritual em prol de sua vida, de sua família
e de seu ministério.
3. Sua vitória foi conquistada por Jesus na cruz do Calvário. Você está liberto. O que
você pode fazer para ajudar a outros.

45
09 TIPOS DE LIDERANÇA
FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA BÁSICA
Mateus 20: 25-28.

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA COMPLEMENTAR


1Co 1:11; 2Tm. 2:2; Rm. 13: 1; 2Tm. 3:1-5; Tito 2:7,8; Mt. 20:28.

TEXTO CHAVE
“Assim como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir,
e para dar a sua vida em resgate de muitos” (Mt. 20:28).

PROPÓSITO
Comentamos sobre muitos aspectos de destaque na liderança, mas faz-se
importante lembrar que a liderança não é uma em si mesma, mas que existe uma
teologia de líderes de acordo com o modo como aplicam seus níveis de autoridade
e a motivação que os impulsiona a guiar outros. A Bíblia diz que em uma vinha
encontravam-se diferentes tipos de trabalhadores (Ver Mateus 20:1-16). Isto é
comparável com a obra de Deus na qual encontram-se distintos tipos de líderes. O
importante é encontrar o equilíbrio perfeito para desenvolver a liderança que o
Senhor quer e que, por conseguinte, contribuirá para a expansão do evangelho e
para o crescimento da igreja.
A formação de líderes é um dos principais desafios de nossa igreja, e o fazemos sob
a convicção de que Deus deseja uma igreja ativa, profundamente preparada para
recolher a colheita de almas que dia a dia abrem seus corações para Jesus. “Então
disse a seus discípulos: Na verdade, a seara é grande, mas os
trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande
trabalhadores para a sua seara” (Mt. 9:37,38). Os obreiros requeridos por
Deus, são aqueles que darão a medida exata de uma liderança eficiente.

1. NÍVEIS DE LIDERANÇA
É interessante a análise feita por John Maxwell acerca dos níveis de liderança:

A. POSIÇÃO
Este é na liderança o nível mais baixo e a única influência que tem é proveniente de
um título. O povo segue o líder porque deve fazê-lo.
46
B. PERMISSÃO
É conseguir que a pessoa trabalhe para você, quando não está obrigada a fazê-lo.
O povo o segue porque quer.

C. PRODUÇÃO
É quando começam a acontecer as coisas boas. O povo o segue pelo que você faz
pela organização.

D. DESENVOLVIMENTO HUMANO
Um líder é grande, não pelo seu poder, e sim por sua habilidade de gerar poder em
outros. O povo o segue pelo que você faz por ele.

E. PERSONALIDADE
Este é o mais elevado de todos. O povo o segue pelo que você é e pelo que você
representa. (Desenvolva o Líder que Está em Você, de John Maxwell, pag. 26).

2. O LÍDER, UM HOMEM QUEBRANTADO


Uma liderança de sucesso é aquela em que o líder desenvolveu o máximo de seu
potencial, buscando ter os mais excelentes resultados, convertendo-se em um
exemplo para outros. O líder por si só é uma pessoa de influência, que tem
seguidores direta ou indiretamente. Não obstante, Deus precisa tratar com cada
um dos que Ele escolhe, levando-os por um processo de purificação, removendo de
suas vidas tudo o que possa ser um transtorno em seus respectivos ministérios,
onde cada vez que alguém busca apoiar-se no que não é de Deus, o Senhor
intervém, fazendo com que isso morra. É aí que as pessoas estão prontas para
cumprir o propósito divino. Podemos ver alguns exemplos de homens de Deus que
foram totalmente quebrantados pelo Seu poder através de diferentes
circunstâncias.
• Abraão. Deus pediu-lhe o que mais amava, seu próprio filho (Gn. 22).
• Jacó. Teve que lutar com o anjo em um dos momentos de maior angústia,
quando soube que seu irmão Esaú vinha a seu encontro com quatrocentos
homens. Isto o levou a buscar a Deus de um modo desesperado, apegando-se ao
anjo enquanto dizia-lhe que não o soltaria se não o abençoasse. Nessa ocasião
pôde ver Deus face a face e quando teve o encontro com seu ressentido irmão,
pode ver nele o rosto de Deus.
• Moisés. Teve a revelação da sarça ardente que não se consumia. Quando se
aproximou para ver essa maravilha, ouviu a voz do Senhor que lhe dizia:
“Moisés tira o calçado de teu pés, porque o lugar onde estás, é santo”.
O fogo da santidade de Deus purifica o coração de Moisés e Ele lhe pode confiar
a libertação de Seu povo.
• Davi. Levou uma vida de quebrantamento e em todo o momento precisou
depender de Deus. Ele disse: “O sacrifício aceitável a Deus é o espírito
quebrantado; ao coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó
Deus” (Sl. 51:17).
• O Senhor Jesus disse: “Em verdade, em verdade vos digo: Se o grão de
trigo caindo na terra não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito
fruto. Quem ama a sua vida, perdê-la-á; e quem neste mundo odeia a
47
sua vida, guardá-la-á para a vida eterna” (Jo. 12:24,25) . Somente aqueles
que experimentam o quebrantamento genuíno, poderão dar fruto.
• Paulo disse: “mas em nada tenho a minha vida como preciosa para mim,
contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do
Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus” (Hb.
20:24). Por esse motivo esforçou-se em pregar mais que todos os demais
apóstolos.
• Tua vida. Se você quer um ministério frutífero, deve ter um coração
quebrantado no altar de Deus, onde render-Lhe-á cada área de sua vida.

3. O LÍDER INFLUENCIANDO COM SUA VIDA DE FÉ


“ Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das
coisas que não se vêem” (Hb. 11:1).
Todo aquele que deseje ter um ministério de sucesso, deve viver sempre na
dimensão da fé, pois através dela nossa relação com Deus é fortalecida, e
poderemos conquistar todos os nossos sonhos.
• Fé é a certeza. O nosso dever é apresentar de uma maneira muito nítida
cada uma de nossas necessidades. Deus dará vida àqueles quadros que nós
tenhamos conseguido imprimir em nosso coração através de nossa fé, pois o que
você conseguir pintar com o pincel da fé aqui na terra, será aceito nos céus.
• Devemos ter fé no que se espera. Quando sentimos que nossa oração
chega ao trono da graça, vem um pleno descanso, porque sabemos que o
assunto já está nas mãos de Deus. É o que aconteceu com Ana, que derramou
seu coração em oração, pedindo a Deus que lhe concedesse um filho varão, que
ela o dedicaria ao serviço do Senhor todos os dias de sua vida, sua oração foi tão
intensa que teve a convicção de que Deus havia levado seu fardo, e ao levantar-
se dali, nunca mais esteve triste.
• Fé é a convicção do que não se vê. Para além dos olhos físicos, Deus tem-
nos dado olhos espirituais, e se os desenvolvermos, poderemos facilmente ver
os maiores milagres operados por Ele no mundo da fé. Paulo disse: “não
atentando nós nas coisas que se vêem, mas sim nas que se não vêem;
porque as que se vêem são temporais, enquanto as que se não vêem
são eternas” (2Co. 4:18).
“Mas, como está escrito: As coisas que olhos não viram, nem ouvidos
ouviram, nem penetraram o coração do homem, são as que Deus
preparou para os que o amam” (1Co. 2:9). Uma vez que se tenha certeza do
milagre que queremos e o alcançamos ver de um modo muito nítido, somente
temos que dar a palavra de autoridade, para que este seja reproduzido da
maneira exata como temos sonhado. O que conseguimos conquistar no campo
espiritual, será trazido pela fé ao plano natural. O Senhor, para transformar o
caos em algo formoso, teve que discernir e logo falar, para que o milagre da
criação acontecesse. Pedro disse que somos participantes da natureza divina (2
Pe. 1:4).
• A proteção da Fé. “Porque por ela, os antigos alcançaram bom
testemunho”. Não podemos ignorar as pressões que rondam a vida dos líderes
nos dias de hoje, pois todos os servos de Deus, em todas as épocas, têm vivido
48
toda a classe de provas, mas o que faz a diferença entre uns e outros é a fé, pois
esta se converte em uma das mais poderosas muralhas de proteção para os
servos de Deus e suas famílias, pois o bom testemunho é alcançado mantendo-
se os olhos postos em Jesus, o autor, aperfeiçoador e consumador de nossa fé.
João disse: “porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e
esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1Jo. 5:4).

4. O LÍDER GUIADO PELO ESPÍRITO SANTO


O Senhor Jesus referindo-se ao ministério do Espírito, disse: “Ele me glorificará,
porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará. Tudo quanto o Pai tem é
meu; por isso eu vos disse que ele, recebendo do que é meu, vo-lo
anunciará” (Jo. 16:14-15).
Podemos ver que o Espírito Santo é o representante legal de Deus na terra, e na
medida em que Jesus é revelado em nossas vidas e compreendemos as Escrituras,
o Senhor é glorificado. Nosso único acesso para poder chegar à toda a riqueza de
Deus reservada para cada um de Seus filhos é somente através do Espírito de Deus.
No entanto o simples fato de ignorá-lo afasta-nos de todos os tesouros divinos.
Assim como um corpo sem espírito está morto, do mesmo modo, um líder sem a
comunhão permanente com o Espírito de Deus está ministerialmente morto.
É fundamental que:
• Entregue a totalidade de seu ministério ao Espírito de Deus. Um bom líder não
é quem dirige o Espírito de Deus e sim quem se mantém sensível à direção
divina.
• Pratique a oração no Espírito. Quando damos liberdade ao Espírito de Deus
para que seja Ele quem interceda através de nós, nossas vidas de oração
experimentam uma tremenda transformação, pois estaremos usando a
linguagem correta para nos comunicarmos com Deus. “Do mesmo modo
também o Espírito nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que
havemos de pedir como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós
com gemidos inexprimíveis “ (Rm 8:26). Podemos ver que:
a) o Espírito nos ajuda em nossa fraqueza,
b) não sabemos pedir corretamente,
c) que o Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis. Esse tipo de
oração move toda a esfera espiritual, pois Deus não pode rejeitar um gemido
dado por Seu Espírito a favor de algum de Seus filhos; em outras palavras, os
gemidos do Espírito são lágrimas de súplica diante do trono de misericórdia.
• Encha sua mente com as verdades do Espírito. Sua mente é a porta de
entrada, tanto para o bem como para o mal que se move no mundo espiritual, e
é importante que cada líder possa discernir quando um pensamento provém de
Deus ou do adversário. O apóstolo Tiago disse: “ Mas a sabedoria que vem
do alto é, primeiramente, pura, depois pacífica, moderada, tratável,
cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem
hipocrisia” (Tg. 3:17).
• Declare as palavras do Espírito. Devemos ser muito cuidadosos com cada
palavra que sai de nossos lábios, porque as palavras são expressões do que

49
temos aceito em nosso coração, e suas palavras são o instrumento mais
poderoso que Deus usa para edificar a fé dos crentes ( Rm. 10:10).
• Cerque-se de pessoas espirituais. Tenha relacionamento com aqueles que o
ajudem a crescer em sua fé e afaste-se de todo aquele que o distrai ou absorve
sua energia espiritual.
• Deve ser o centro de seu ministério. O Senhor Jesus Cristo teve seu ministério
iniciado no momento em que o Espírito desceu sobre Ele, e juntos formaram a
melhor equipe ( Jo. 6:63).

5. O LÍDER E SUA VIDA DE ORAÇÃO


Pensemos por um momento: se o Senhor dependeu da oração, quanto mais nós
necessitaremos dela! Os melhores sermões que um líder possa pregar são os
preparados na recâmara secreta da oração.
É fundamental que o líder:
• Passe uma boa parte de seu tempo diário em oração;
• que conquiste as almas, e veja a multiplicação no lugar secreto de oração;
• tenha um modelo permanente de oração.
Pode ser: Os dez níveis de oração, com base no Pai Nosso.
O poder comunicar-se com o Senhor é o maior privilégio que o ser humano pode
experimentar.
Jesus não os ensinou a pregar, mas sim a orar.
O Senhor dá três sugestões antes de começar a orar. Depois Ele nos leva passo a
passo no que deve ser uma oração eficaz.
REDENÇÃO. “Pai Nosso”. Chamar a Deus de Pai, era uma blasfêmia, pois
equivalia a colocar-se no mesmo nível de Deus. Jesus podia chamar a Deus de Pai,
porque Ele tinha Sua própria natureza divina (Jo. 10:36-38). Podemos chamar Deus
de Pai, por meio da fé em Jesus Cristo ( Jo.1:12). Jesus teve que tomar nosso lugar
e levar, sobre Seu corpo, nossa enfermidade, nossa condenação, nossa opressão,
nossa pobreza e nossa improdutividade. Ao lavar-nos com Seu sangue, santifica
toda nossa vida e dá-nos tudo de bom que há nEle. Devemos dar-Lhe graças, por
Sua salvação, por Sua santidade, por Sua libertação, por Sua prosperidade e por
Sua unção de multiplicação dentro de nossas vidas.
AUTORIDADE. “Que estás nos céus” (1 Re. 2:27; Ef. 1:17-18). A autoridade
espiritual.
O extraordinário poder que Ele nos tem dado é o mesmo que operou em Cristo ao
ressuscitar dentre os mortos e assentar-se à direita do Pai nos lugares celestiais
sobre: Todo o principado, autoridade, poder, senhorio, e sobre todo o nome e
coisas. Nós fomos elevados ao mesmo nível de autoridade que Ele teve (Ef. 2:6).
Nossa natureza espiritual está assentada nos céus.
ADORAÇAO. “Santificado seja Teu nome” (Isaías 6:3-8). Os serafins O adoravam
em espírito e em verdade (Jo. 4:23-24). A Natureza de Deus é Santa, separada
completamente da maldade.
Tudo foi criado para adorá-Lo.
GOVERNO. “Venha a nós o Teu reino”. Deve começar em nossas vidas, famílias,
comunidade, cidade e nação.
50
EVANGELIZAÇÃO. “Faça-se a Tua vontade assim na terra como nos céus” (Mt.
6:10).
Conhecer a vontade de Deus é como ter um diamante com múltiplas facetas; mas a
que mais brilha é a que nos motiva a buscar e salvar os perdidos, e a única
maneira de alcançá-lo é através da evangelização.
PROVISÃO. “O pão nosso de cada dia nos dá hoje”. O propósito de Deus é a
prosperidade de Seus filhos, tanto no aspecto espiritual como no material. No
espiritual devemos pedir-lhe que nos dê em cada dia a palavra rhema; e no
material, pedir que supra cada uma das nossas necessidades conforme Sua riqueza
em glória (Fp. 4:19). Não devemos sentir receio de apresentarmos a Ele nossas
necessidades em oração, ou pensar que isto não será muito espiritual. Devemos
sentir pesar é se nossa família está passando por necessidade, pois poderão
questionar nossa fé.
APRENDENDO A PERDOAR. “E perdoa nossas dívidas assim como nós também
perdoamos a nossos devedores”. A mesma medida que você aplica ao perdoar, é a
que Deus aplicará quando você vier Lhe pedir perdão, pois quando oramos sem
haver transmitido perdão, a oração fica sem poder. O não perdoar converte-se em
uma barreira entre Deus e nós (Mt. 18:21-22). Somente os que praticam o perdão
podem experimentar os seus benefícios .
PROTEÇÃO. “E não nos deixes cair em tentação”. Ef. 6:10,11,13. Vestir-se com
toda a armadura de Deus.
LIBERTAÇÃO. “Mas livra-nos do mal”. Existem duas forças operando no mundo
espiritual: o bem e o mal. Quando pedimos a proteção contra o mal, Deus levanta
uma muralha espiritual ao nosso redor, de nossa família e de tudo aquilo que está
sob nossa responsabilidade, onde nenhuma força do mal poderá traspassar, a
menos que Deus permita. “Não o tens protegido de todo lado a ele, a sua
casa e a tudo quanto tem? Tens abençoado a obra de suas mãos, e os seus
bens se multiplicam na terra” ( Jó 1:10). Satanás estava muito preocupado com
Jó, porque não havia forma de romper o cerco de proteção divina, pois ninguém
pode traspassar a proteção de Deus para Seus filhos.
SEGURANÇA “Porque Teu é o Reino, o poder e a glória pelos séculos dos séculos,
Amém”
Não há segurança mais firme e perdurável que a encontrada em Jesus Cristo, pois
em Suas mãos estão os nossos dias. “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e
eu as conheço, e elas me seguem; eu lhes dou a vida eterna, e jamais
perecerão; e ninguém as arrebatará da minha mão” (Jo. 10:27-28).

6. DEVERES DO LÍDER
Na parábola da videira verdadeira (Jo.15). nos fala que há três tipos de frutificação
na vida do crente: Fruto, mais fruto e muito fruto. Você deve ter a visão de formar
as pessoas de um modo tal que enquanto crescem, frutificam.
• O líder deve premiar a produtividade. Na parábola dos talentos são
recompensados os que deram fruto. Deus recompensa a produtividade, pois
esta é o resultado do esforço. Também sei que há líderes que se esforçam e não
têm muito fruto, e isto obedece a um tempo em que Deus está trabalhando
intimamente em sua vida, para levá-lo à frutificação.
• O líder deve ser diligente.

51
• Forme seu grupo de liderança discipulado. Porque a liderança, no mundo
espiritual, é o que nos dá autoridade, governo, maturidade, e plenitude.
• Deve contribuir para que seus discípulos tenham seus discípulos.
• Faça uma só coisa e bem. Prefiro que um líder que está começando tenha
somente um discípulo, mas que este possa ser seu melhor discípulo.
•Tenha uma vida equilibrada. Deus deve ser o número um em sua vida; em
segundo lugar está você mesmo; cuide de seu corpo, que é o templo do Espirito
Santo; em terceiro lugar tenha uma família exemplar; em quarto está seu
compromisso com a igreja e em quinto seu trabalho secular. Quando temos as
prioridades em ordem, mantemo-nos em equilíbrio em todas as áreas.
• Dedique-se em trabalhar na micro célula, porque estes são os que mais
crescem, ou seja que os homens especializam-se em homens, mulheres em
mulheres, jovens em jovens, casais em casais.
• Apoie o ministério da mulher. Deus está levantando de uma maneira
extraordinária a mulher na liderança, pois a palavra profética diz: “esta lhe
esmagará a cabeça (da serpente” (Gn. 3:15). As mulheres têm uma incrível
capacidade de reprodução celular, e quando têm um objetivo, as metas são
claras, os resultados são excelentes.
• Domine a visão. O sucesso é quando compreendemos bem a visão, pois esta
nos conduz a ter um propósito que nos dá um objetivo específico que são as
metas a curto e longo prazo, e para alcançá-las devo fazer o plano de ação para
o mês.
• Tenha metas para os encontros. A partir dos que participam poderá projetar
seu crescimento, sabendo que tudo deve ser ganho em oração.
• Tenha um programa permanente de intercessão.
• Estabeleça programas de jejum com sua equipe para as metas que querem
conquistar.
• Seja um conquistador. Para poder alcançar suas metas, deve ser ambicioso em
relação a estas. Tenha metas que impliquem em uma medida muito grande de
fé, pois assim aprenderá a depender sempre de Deus. O Senhor disse a Abraão
que elevasse seus olhos e olhasse a terra que iria possuir.

CONCLUSÃO
Ser chamado para o serviço de Deus é um grande privilégio que demanda cumprir
uma série de requisitos os quais já foram expostos. Está em suas mãos decidir que
tipo de liderança aspira exercer. Uma liderança fácil que não demande nenhum
esforço de nossa parte, dará resultados medíocres. Uma liderança eficaz é a que o
líder consegue desenvolver ao máximo seu potencial, dando os melhores
resultados, convertendo-se em exemplo para outros.

LIÇÃO

1- Obter o que é valioso requer um preço que se tem que pagar?


2- Que deveres de liderança falta em você?

52
3- Qual é o seu nível de liderança atual?
4- Deseja mudar para qual nível?

10 CONSELHOS PRÁTICOS
PARA PREGAR
FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA BÁSICA
Efésios 4:12-16

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA COMPLEMENTAR


2Co. 11:2-6; Fp. 4:8-9; Js.1:8; Sl. 32:8,9; Is. 59:21; Dn. 12:3; Os. 4:6; Hc. 2:14; Jo. 5:
39; 2Tm. 3:16-17.

TEXTO CHAVE

53
“Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça,
Cristo” Efésios 4:15

PROPÓSITO
Ser pregador do evangelho é um dos maiores privilégios que qualquer pessoa pode
ter neste mundo, pois equivale a ser eleito por Deus para representá-lo na Terra.
Cada ensino que transmitimos, no grau de responsabilidade que temos, converte-se
no alimento espiritual para eles. Se você é uma pessoa que tem um desejo ardente
em fazer a obra de Deus, viverá com uma grande compaixão para com aqueles que
o Senhor lhe tem confiado, que vem a ser como seus bebês espirituais e sua
preocupação deve ser que gozem de uma excelente nutrição espiritual.
Através desta lição, você poderá encontrar alguns aspectos chave para converter-
se em um comunicador eficaz e compassivo da verdade da palavra de vida que
trará a salvação para aqueles que o ouçam.

1. EM QUE CONSISTE A PREGAÇÃO?


A pregação da palavra é mais que saber dar uma mensagem. Qualquer um pode
aprender uma lição de memória e repeti-la, mas a comunicação do evangelho vai
mais além de que transmitir conceitos teóricos, pois o pregador é como um canal
no qual o rio de vida da mensagem de Deus e Ele tem muito cuidado de que Seu
rio não flua senão através de canais corretos, e para isto Deus tem que santificar a
vida daquele que vai ser Sua voz.
Muitos pregadores preparam-se para trazer excelentes mensagens pensando que
esta é a forma de suprir as necessidade das pessoas, sem que compreendam que
se requer algo mais. Cada ensino que ministramos deve suprir as necessidades do
povo. Quando alguém assiste a uma reunião, faz porque está esperando receber
da parte de Deus a resposta para suas necessidades e se não encontra uma
resposta que a satisfaça, simplesmente começa a buscar um lugar onde o poder de
Deus se manifeste, suprindo através da fé sua necessidade. Todos aqueles que
vivem distantes de Deus têm caído no engano do inimigo, e este os tem ferido de
diferentes formas, razão pela qual as primeiras pessoas que vão chegar em seu
grupo serão as mais necessitadas. “Ajuntaram-se a ele todos os que se
achavam em aperto, todos os endividados, e todos os amargurados de
espírito; e ele se fez chefe deles; havia com ele cerca de quatrocentos
homens” (1Sm. 22:2) . Mas Deus os confia para que você os forme até convertê-
los em valentes guerreiros espirituais. A esse respeito Paulo disse:
“Procura apresentar-te diante de Deus aprovado, como obreiro que não tem de que
se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (2Tm. 2:15). Dois
aspectos são fundamentais na vida do líder:
a) Oração intensa.
b) Destreza no manejo da palavra, entendendo que nela está a resposta para
cada uma das necessidades da humanidade.

2. A PREGAÇÃO EXPOSITIVA
A pregação expositiva comunica a revelação bíblica de Deus e Sua vontade,
explicando uma passagem de tal maneira que pode guiar a congregação a uma
verdadeira aplicação e prática do mesmo. Esta pregação se caracteriza por:

54
• Abordar somente uma passagem da Escritura. O uso de outros textos
tem o propósito de ilustrar ou respaldar o texto básico.
• Contar com integridade hermenêutica. Conserva-se a fidelidade ao texto.
• Ter coesão. O expositor não se desvia em explicações que pouco enriquecem
a temática central.
• Ter movimento e direção. Trata de forma ampla todos os elementos de uma
passagem conservando a direção do escritor bíblico,
• Ser aplicável. O expositor busca o sentido prático da passagem, sem violar o
propósito nem a função do texto original. Em geral a pregação expositiva dirige
a atenção do crente para a Bíblia. O Senhor disse: “Examinais as Escrituras,
porque julgais ter nelas a vida eterna; e são elas que dão testemunho
de mim” (Jo 5:39).

3. PREPARAÇÃO DA PREGAÇÃO
A preparação de um sermão deve começar na área espiritual do pregador. Aquele
que aspira ser usado por Deus na transmissão de Sua mensagem para a
congregação, deve levar uma vida saturada de muita oração (Efésios 6:18a), e
permanecer em contato direto com a Palavra de Deus (Is. 59:21).
Além do que foi dito, as seguintes sugestões especiais o ajudarão a preparar uma
mensagem de acordo com o propósito de Deus:
• Assuma o costume de estudar constantemente a Bíblia por livros, capítulos e
versículos;
• Esboce a mensagem realizando uma aplicação em sua própria vida;
• Memorize todos os textos possíveis que o ajudarão a manejar com autoridade a
mensagem diante do público;
• Use o Dicionário para aprender com precisão alguns termos e seus sinônimos;

A. ESBOCE A PREGAÇÃO DE ACORDO COM AS SEGUINTES REGRAS:


TÍTULO: Procure que seja breve e aponte para o objetivo do sermão.
OBJETIVO: Tenha a certeza de que tem a palavra rhema par dar à sua comunidade.
Pregue com toda sua fé, sabendo que a mensagem suprirá as necessidade deles.
INTRODUÇÃO: Uma aproximação do conteúdo, especialmente com uma ilustração
que cative a atenção do auditório.
TEXTO: Estabeleça a referência bíblica central.
DIVISÕES PRINCIPAIS: um esquema que ajude a desenvolver o sermão de
maneira lógica, onde tenha o cuidado de tratar tão somente os pontos que a
audiência possa relembrar com facilidade; alguns dos especialistas recomendam
três ou cinco pontos, como suficientes em suas pregações.
CONCLUSÃO. Um breve resumo do exposto, procurando que o ouvinte recorde os
diferentes pontos tratados.
APLICAÇÃO: Se a palestra não tem uma aplicação atual, perde sua essência
primordial, que é converter as promessas da palavra em vida para os ouvintes.

B. O MANEJO DAS ESCRITURAS:


55
• Selecione o texto principal a partir do tema geral.
• Examine o contexto. Respeitar o contexto é levar em conta os versículos que
antecederam e seguem ao texto principal.
• Tenha em conta as características e temas dominantes da passagem. Esta
parte o ajudará a estruturar as principais divisões do sermão.
• Considere as Escrituras de forma geral para não descuidar de outras passagens
que guardam estreita relação com o tema principal da mensagem que está
preparando.

C. CONSIDERAÇÕES GERAIS PARA A EXPOSIÇÃO DA MENSAGEM


• Conserve sua personalidade. Seja você mesmo e não aparente ser outro.
• Primeiro deve viver o que vai pregar, pois os ouvintes o estarão observando
como um exemplo digno de ser imitado.
• Seja claro, conciso e preciso. O bom conferencista é aquele em que o
complicado torna-se fácil, o confuso claro e deixa um objetivo claro na mente das
pessoas.
• Fale de um modo natural como costuma fazer com os de sua casa. Não fale
gritando porque a audiência pode se sentir admoestada; não fale demasiado
baixo para que a congregação não durma. Fale sempre com todo o coração.

4. COMO SER EFICIENTE NA PREGAÇÃO DA MENSAGEM


A. A VIDA DO LÍDER
O salmista Davi perguntou ao Senhor: “Jeová, quem entrará em Teu
tabernáculo? Quem morará no teu santo monte?”
A inquietação do Salmista era em conhecer qual o padrão de vida que agrada a
Deus. A resposta que Deus lhe dá é:
“Aquele que anda irrepreensivelmente e pratica a justiça, e do coração fala
a verdade;
que não difama com a sua língua, nem faz o mal ao seu próximo, nem contra
ele aceita nenhuma afronta; aquele a cujos olhos o réprobo é desprezado, mas
que honra os que temem ao Senhor; aquele que, embora jure com dano seu,
não muda; que não empresta o seu dinheiro a juros, nem recebe peitas
contra o inocente. Aquele que assim procede nunca será abalado” (Sl. 15)
• Anda em integridade. “Bem-aventurado o homem que não anda segundo o
conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta
na roda dos escarnecedores” (Sl.1:1)
“Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o
que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama,
se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. O que também
aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus
de paz será convosco” (Fp. 4:8,9).
• Exerce a justiça. “Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso Deus, o
teu Deus, te ungiu com óleo de alegria, mais do que a teus companheiros” (Sl.
45:7).
56
• Fala a verdade. “Quanto a mim, este é o meu pacto com eles, diz o Senhor:
o meu Espírito, que está sobre ti, e as minhas palavras, que pus na tua boca, não
se desviarão da tua boca, nem da boca dos teus filhos, nem da boca dos filhos
dos teus filhos, diz o Senhor, desde agora e para todo o sempre” (Is.59:21).
• Não calunia com sua língua. (1 Samuel 12:3)
• Não prejudica seu próximo. “Abstende-vos de toda espécie de mal” (1Ts.
5:22)
• Não admite acusação contra seu vizinho. “Não aceites acusação contra
um ancião, senão com duas ou três testemunhas” ( 1Tm.5: 19).
• Honra aos que temem a Jeová. “Amai-vos cordialmente uns aos outros
com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros” (Rm. 12:10).
• Nem por isso muda (2 Coríntíos 4:17-18)
• Não empresta seu dinheiro com usura. “O que aumenta a sua riqueza com
juros e usura, ajunta-a para o que se compadece do pobre” ( Pv. 28:8).
• Nem contra o inocente admite suborno. “Os seus chefes dão as sentenças
por peitas, e os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas
adivinham por dinheiro; e ainda se encostam ao Senhor, dizendo: Não está o
Senhor no meio de nós? nenhum mal nos sobrevirá” (Mq. 3:11).
Vemos que o Senhor deu ao Salmista os dez mandamentos que o servo de Deus
deve ter, e quem os praticar jamais cairá.

5. O LÍDER E A PALAVRA DE AUTORIDADE


“Mas que diz? A palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração;
isto é, a palavra da fé, que pregamos” (Rm. 10:8)
Tudo neste sistema de coisas move-se através da palavra. O que dizemos
determina o que iremos fazer, traçando o caminho da vida ou da morte. Serão as
palavras que nos justificarão ou nos condenarão (Mt. 12:35-37).
As palavras têm poder criativo. “Pela palavra do Senhor foram feitos os céus,
e todo o exército deles pelo sopro da sua boca” (Sl.33:6).
Jesus é a palavra ativa de Deus. O Verbo se fez carne, habitou em um corpo
humano e fez-se homem e todos vimos a glória do Pai, cheio de graça e de
verdade.
Jesus surpreendeu o mundo com Seus ensinos. As pessoas diziam: “Nunca jamais
homem algum falou como este homem”.
• Disse ao leproso: “Quero, sê limpo” e no mesmo instante a lepra
desapareceu.
• Para o cego falou: “seja contigo conforme a tua fé”.
• À mulher que era corcunda há 18 anos: “mulher, estás livre da tua
enfermidade”. E no mesmo instante ficou curada.
• Quanto a Lázaro que estava morto há 4 dias disse: “Lázaro, vem para fora”.
• Para a tormenta: “Aquieta-se!” Ao mar disse: “Emudeça!”.
“O Espírito é que dá vida; a carne para nada aproveita e as palavras que
vos falo são espírito e são vida”.
57
O Senhor está comprometido com Sua palavra e somente pode trazer Sua presença
e Seu poder quando cremos nessa palavra.
A Palavra de Deus é uma palavra que transmite vida, cumprindo o propósito
específico de Deus.
“Porque, assim como a chuva e a neve descem dos céus e para lá não
tornam, mas regam a terra, e a fazem produzir e brotar, para que dê
semente ao semeador, e pão ao que come, assim será a palavra que sair
da minha boca: ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz,
e prosperará naquilo para que a enviei” (Isaías 55: 10-11)
É importante que entendamos que, como filhos de Deus, somos participantes de
Sua própria natureza e, portanto, as palavras que saem de nossos lábios estão
carregadas de poder, pois cada vez que abrimos nossos lábios, ativamos a esfera
espiritual. Esta é a razão pela qual nossas vidas devem estar totalmente saturadas
da palavra de Deus e deste modo estaremos prontos para: ensinar, redargüir,
corrigir e instruir em justiça, a fim de levar aos homens o temor de Deus e a
perfeição.

CONCLUSÃO
O líder deve estar preparado para comunicar a mensagem de Cristo de modo
efetivo. Sua vida é uma carta aberta e lida por todo o mundo. Sua pregação será a
única esperança que alguns terão para alcançar a salvação. Sua fé será o exemplo
que muitos procurarão seguir. Sua vida de oração será sua fortaleza espiritual.

LIÇÃO
1. Prepare um esboço sobre o que você falaria de Mateus 5. 1-3, seguindo modelo
de grupo.
2. O que significa a palavra RHEMA?

58