Anda di halaman 1dari 5

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Instituto de Química
Departamento de Processos e Operações Industriais
Laboratório de Engenharia Química I

Manual de operação

Conjunto Didático Experimental:

“CURVA CARACTERÍSTICA DE BOMBA CENTRÍFUGA E PONTO DE


OPERAÇÃO”

1. Descrição do equipamento

O conjunto experimental ilustrado pela Figura 1 consiste de um


reservatório de 100 litros, de uma bomba centrífuga (1/2 HP), de um sistema de
tubulações de PVC com diferentes diâmetros (3/4", 1" e 1/2") e acidentes,
incluindo válvulas gaveta, globo e esfera e de um manômetro e um vacuômetro,
ambos de Bourdon (na figura aparecem em segundo plano com o visor para o
fundo). Para uma clara descrição da operação do equipamento, faz-se necessário
citar os diferentes "acessórios" (acidentes) constantes no mesmo, a maioria deles
geradores das "perdas de carga localizadas". São eles:

V1 - V6, V8: válvula gaveta 6 : Alargamento 3/4" → 1"


V7: válvula globo 7 : Cotovelo 45º (1")
VE: válvula esfera 8 : Redução 1" → 3/4"
1 : Bordo de entrada (3/4") 9 : Redução 3/4" → 1/2"
2 : T → saída lateral (3/4") 10 : Cotovelo 45º (1/2")
3 : Cotovelo 90º - raio longo (3/4") 11 : Alargamento 1/2" → 3/4"
4 : Cotovelo padrão 90º (3/4") 12 : Cotovelo 45º (3/4")
5 : T → passagem direta (3/4") 13 : Saída de tubulação - Água (3/4")

Os comprimentos de tubulação reta encontram-se em números menores


na figura 1. Os diâmetros internos das tubulações são: Di (1/2") = 0,0158 m, Di
(1") = 0,0202 m e Di (3/4") = 0,0260 m

2. Considerações sobre a prática

A operação do equipamento permite a coleta de dados para obter


experimentalmente a "curva de operação da bomba centrífuga" (carga da bomba

Laboratório de Engenharia Química I 1


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Instituto de Química
Departamento de Processos e Operações Industriais
Laboratório de Engenharia Química I
(HBomba) vs vazão de operação (Q)) e um ponto de operação (vazão de trabalho)
do sistema para uma associação de tubulação em série e em paralelo.

Figura 1. Vista frontal do conjunto didático experimental

3. Operação do equipamento e tomada de dados

Devem se abrir totalmente todas as válvulas gaveta e a válvula globo


(girando-as no sentido anti-horário), a válvula esfera VE1 (posicionando-a
paralelamente à tubulação), mantendo apenas a válvula esfera VE2 fechada
(posicionando-a perpendicularmente à tubulação). Depois ligar o equipamento
posicionando o seletor em liga (L).

Laboratório de Engenharia Química I 2


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Instituto de Química
Departamento de Processos e Operações Industriais
Laboratório de Engenharia Química I
Para a obtenção da "curva de operação da bomba centrífuga" (carga da bomba
(HBomba) vs vazão de operação (Q)), inicialmente devem ser fechadas as válvulas
V1, V2 e V5 girando-as no sentido horário. A partir daí, para diferentes posições
da válvula globo (V7) desde totalmente fechada ("shut-off") até totalmente aberta
(vazão máxima) devem ser determinadas as vazões mássicas (W)
correspondentes encaixando a saída da tubulação (após a válvula esfera VE2) na
abertura de um coletor, manipulando simultaneamente as válvulas VE1 e VE2 e
monitorando o tempo de coleta de água com um cronômetro. Medindo-se a
temperatura da água (T) com um termômetro, pode-se obter a densidade (ρ) da
água e calcular as respectivas vazões volumétricas (Q). Para cada vazão (Q)
devem ser medidas as pressões na sucção (PS) e na descarga (PD) da bomba. As
tomadas de pressão foram posicionadas nos pontos indicados na figura de modo
que os "eventuais acidentes" do sistema (incluindo a bomba) não prejudicassem
tais medidas.
Para a determinação do "ponto de operação", inicialmente abrir todas as
válvulas gaveta e fechar a válvula globo. O conjunto experimental em questão
permite (a partir da manipulação das válvulas gaveta) definir vários sistemas
distintos, cada qual com diferentes "perdas de carga distribuídas e localizadas" e,
portanto com diferentes curvas de operação. Deve determinar-se o ponto de
operação de um sistema de em série e de um sistema em paralelo.
Ainda, de acordo com a literatura relacionada com a Mecânica dos
Fluidos e com a Operação Unitária de Bombeamento de Fluidos, existem várias
metodologias para se quantificar as perdas de carga distribuídas (normal) e
localizadas (por acidentes), o que torna ainda mais rica a análise dos dados
obtidos pelo conjunto experimental em questão.
Certifique-se que o sistema está em estado estacionário após uma
mudança de condição operacional. Tome para cada condição pelo menos 3
medidas de vazão para se ter um valor médio. Anotar os valores na tabela abaixo.

4. Sugestões

a) Para dado sistema, compare a perda de carga medida com estimada por
equações e ábacos.
b) Determine as curvas do sistema teóricas para os dois percursos estudados.
c) Apresente os resultados com os respectivos erros. Isto pode ajudar a
discussão/interpretação dos resultados.

Laboratório de Engenharia Química I 3


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Instituto de Química
Departamento de Processos e Operações Industriais
Laboratório de Engenharia Química I

Curva da bomba
Massa de água Temperatura PS PD
Tempo (s)
(kg) (ºC) (mmHg) (kgf/cm2)

Ponto de operação: Sistema em série. Válvulas abertas:______________

Ponto de operação: Sistema em paralelo. Válvulas abertas:____________

Laboratório de Engenharia Química I 4


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Instituto de Química
Departamento de Processos e Operações Industriais
Laboratório de Engenharia Química I

Curva da bomba
Massa de água Temperatura PS PD
Tempo (s)
(kg) (ºC) (mmHg) (kgf/cm2)

Ponto de operação: Sistema em série. Válvulas abertas:______________

Ponto de operação: Sistema em paralelo. Válvulas abertas:____________

Laboratório de Engenharia Química I 5