Anda di halaman 1dari 29

ExpressARTE

Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais

Guia do Formador
drmadorr1manda

Igualdade de Género
Autor: João Paiva

Título: Igualdade de Género

Coordenação da Mala Formativa: Graça Pinto,


PERFIL – Psicologia e Trabalho
Índice

Enquadramento e Objectivos do módulo 1 Tema 4 – Intervenção para a mudança 7

Objectivos 2 Competências finais 7

Competências finais, conteúdos programáticos e Conteúdos programáticos 7

cargas horárias 3 Planos de Sessão 9

Tema 1 – Evolução histórica das representações do Exercício – A Construção da desigualdade de

feminino e do masculino 3 género 15

Competências finais 3 Exercício – Episódio do boné 17

Conteúdos programáticos 4 Exercício – Questionário 19

Tema 2 – Aspectos da situação actual das mulheres Exercício – Comportamentos 20

e dos homens em Portugal 5 Exercício – Caracterizar o género 22

Competências finais 5 Exercício – Diferenças entre género e sexo 23

Conteúdos programáticos 5 Exercício – Uma história de vida 24

Tema 3 – Conceitos de género 6 O Papel dos pais 25

Competências finais 6

Conteúdos programáticos 6
I G U A L D A D E D E G É N E R O
Capítulo

1
Enquadramento e Objectivos do módulo
Curso: Formação em ExpressARTE – Recursos Didácticos para Aprender a
Ser Mais
Módulo: Sensibilização em Igualdade de Género

População Alvo: Participantes no Projecto Humanus CAM


Pré-requisitos: Não existem pré-requisitos específicos

Local: Parque de Saúde Lisboa


Tempo: 6 Horas

Nº de participantes: 15

1
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Objectivos
Objectivo geral:
Conhecer os conceitos fundamentais para um entendimento da sociedade
na perspectiva da igualdade de género.

Objectivos específicos:
Caracterizar a realidade socio-económica na perspectiva da igualdade de
género.

Relacionar os conceitos de igualdade de género com a realidade social


existente.

Identificar representações estereotipadas de género, que condicionam a


actividade profissional.

Modificar comportamentos e atitudes no desempenho da actividade


profissional.

2
I G U A L D A D E D E G É N E R O
Capítulo

2
Competências finais, conteúdos
programáticos e cargas horárias

Tema 1 – Evolução histórica das


representações do feminino e do masculino

Competências finais
Gerais
No final deste tema, as participantes deverão ter adquirido
conhecimentos, numa perspectiva evolutiva, sobre as representações do
feminino e do masculino.

Específicas
No final deste tema, as participantes deverão ser capazes de:

 Identificar e desconstruir alguns mitos sobre as mulheres, que


contribuem para perpetuar a sua discriminação;

 Descrever as condicionantes históricas da existência de legislação


discriminatória;

 Caracterizar os principais avanços e retrocessos do estatuto


político do homem e da mulher na legislação e na sociedade.

3
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Conteúdos programáticos
 Alguns aspectos fundamentais da historicidade das mulheres: da
pré-história aos nossos dias.

 Os mitos sobre a feminilidade: construção ideológica e


representação social do género feminino.

 O direito como reforço da desigualdade: Da monarquia


constitucional à primeira república; o Estado Novo e a constituição
de 1933; a democracia e os novos diplomas legislativos.

Carga horária
1,5 Horas

4
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Tema 2 – Aspectos da situação actual das


mulheres e dos homens em Portugal

Competências finais
Gerais
No final deste tema, as participantes deverão ter adquirido
conhecimentos sobre a situação real das mulheres e dos homens nas várias
áreas de actividade.

Específicas
No final deste tema, as participantes deverão ser capazes de:

 Identificar alguns indicadores estatísticos sobre actividades


económicas;

 Identificar as principais vias utilizadas na procura de emprego;

 Conhecer o paradigma actual da organização da vida familiar;

 Explicar a sub-representação das mulheres nos processos de


tomada de decisão.

Conteúdos programáticos
 A segregação horizontal, vertical e sectorial do mercado de
trabalho.

 Os usos do tempo pelas mulheres e pelos homens.

 O investimento das mulheres e dos homens na educação e na


formação e consequente resposta do mercado de trabalho e
retorno na carreira profissional.

 O papel das mulheres nos processos de tomada de decisão.

Carga horária
1,5 Horas

5
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Tema 3 – Conceitos de género

Competências finais
Gerais
No final deste tema, as participantes deverão ter adquirido
conhecimentos e desenvolvido competências que permitam compreender
os principais conceitos de género.

Específicas
No final deste tema, as participantes serão capazes de:

 Explicitar os conceitos de: sexo e género; diferença e


desigualdade; diversidade e discriminação; discriminação directa e
indirecta;

 Estabelecer a relação entre os “papéis sociais de género” e a


desproporção de poder na determinação dos valores prevalecentes
na sociedade actual.

 Explicitar porque é que as mulheres não são um grupo, entre outros,


no conjunto das pessoas socialmente excluídas.

Conteúdos programáticos
 O sexo como diferença e o género como desigualdade.

 Os papéis sociais desiguais em função do sexo.

 Igualdade, diferença e desigualdade.

 A linguagem enquanto resultado das representações estereotipadas


do feminino e do masculino: o masculino genérico e a questão do
falso neutro.

 A violência de género.

Carga horária
1,5 Horas

6
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Tema 4 – Intervenção para a mudança

Competências finais
Gerais
No final deste tema, as participantes deverão ter adquirido
conhecimentos sobre a estratégia de mainstreaming.

Específicas
No final deste tema, as participantes serão capazes de:

 Distinguir mainstreaming e políticas específicas para a igualdade;

 Identificar a importância da transversalidade da dimensão da


igualdade nas políticas gerais.

Conteúdos programáticos
 Metodologias e instrumentos de diagnóstico para a promoção da
igualdade de género.

 As políticas específicas para a igualdade de género.

 As acções positivas.

Carga horária
1,5 Horas

7
I G U A L D A D E D E G É N E R O

8
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Planos de Sessão
Sessão 1 Tema 1: Evolução histórica das representações do feminino e do Unidade Igualdade de Género
masculino

Objectivos Conteúdos Métodos / Actividades Recursos Tempo Avaliação

Apresentação do/a formador/a


Apresentação das formandas e
Apresentar o formador e conhecer as de eventuais experiências Métodos expositivo e Apresentação com base 15
formandas profissionais anteriores interrogativo em entrevistas cruzadas Minutos
Apresentação dos objectivos
gerais e específicos

Identificar e deconstruir alguns mitos Alguns aspectos fundamentais Videoprojector


Métodos expositivo e 25
sobre as mulheres, que contribuem para da historicidade das mulheres: Cronologia dos direitos
interrogativo Minutos
perpetuar a sua discriminação da pré-história aos nossos dias das mulheres PPS
Videoprojector
Os mitos sobre a feminilidade:
Descrever as condicionantes históricas da construção ideológica e Métodos expositivo e A evolução da 25
existência de legislação discriminatória representação social do género interrogativo representação das Minutos
feminino mulheres nas Observação
constituições PPS directa
O direito como reforço da Videoprojector
desigualdade: Da monarquia
Debate com as
Caracterizar os principais avanços e constitucional à primeira
Métodos expositivo e formandas sobre a 25
retrocessos do estatuto político do homem república; O Estado Novo e a
interrogativo imagem “A lição de Minutos
e da mulher na legislação e na sociedade constituição de 1933; A
Salazar”
democracia e os novos
diplomas legislativos

9
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Sessão 2 Tema 2: Aspectos da situação actual das mulheres e dos homens em Unidade Igualdade de Género
Portugal

Objectivos Conteúdos Métodos / Actividades Recursos Tempo Avaliação

Exercício prático de Fotocópias


O papel das mulheres nos distribuídas pelo
Explicar a sub-representação das mulheres preenchimento de um quadro com 30
processos de tomada de formador
nos processos de tomada de decisão a distribuição das mulheres e dos Minutos
decisão
homens pelos cargos políticos Videoprojector
A segregação horizontal,
vertical e sectorial do mercado
de trabalho. Método expositivo
Observação
Identificar alguns indicadores estatísticos Os usos do tempo pelas directa
mulheres e pelos homens. Videoprojector
sobre actividades económicas Apresentação e discussão de
1 Hora
Conhecer o paradigma actual da O investimento das mulheres e dados estatísticos
organização da vida familiar dos homens na educação e na Fotocópias fornecidas
formação e consequente pelo formador
resposta do mercado de Síntese
trabalho e retorno na carreira
profissional.

10
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Sessão 3 Tema 3: Conceitos de género Unidade Igualdade de Género

Objectivos Conteúdos Métodos / Actividades Recursos Tempo Avaliação

O sexo como diferença e o


género como desigualdade.
Explicitar os conceitos de: sexo e género; Vídeo
diferença e desigualdade; diversidade e Os papéis sociais desiguais em
discriminação; discriminação directa e função do sexo. Visualização de um
indirecta; pequeno filme
Igualdade, diferença e “Oferta de Emprego”
Estabelecer a relação entre os “papéis desigualdade. Método expositivo 90 Observação
sociais de género” e a desproporção de
A linguagem enquanto Minutos directa
poder na determinação dos valores
resultado das representações
prevalecentes na sociedade actual.
estereotipadas do feminino e Videoprojector
Explicitar porque é que as mulheres não do masculino: o masculino
são um grupo, entre outros, no conjunto genérico e a questão do falso Conceitos de Género
das pessoas socialmente excluídas. neutro. PPS

A violência de género.

11
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Sessão 4 Tema 4: Intervenção para a mudança Unidade Igualdade de Género

Objectivos Conteúdos Métodos / Actividades Recursos Tempo Avaliação

Metodologias e instrumentos
de diagnóstico para a
promoção da igualdade de
género.
Distinguir mainstreaming e políticas
específicas para a igualdade As políticas específicas para a
Videoprojector
igualdade de género. Método expositivo 90 Observação
As acções positivas. Minutos directa
Identificar a importância da
Mainstreaming PPS
transversalidade da dimensão da igualdade Apresentação da proposta de
nas políticas gerais trabalho:
Guião individual para
promoção da igualdade de
género no quotidiano

12
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Sessão 5 Tema 4: Intervenção para a mudança Unidade Igualdade de Género

Objectivos Conteúdos Métodos / Actividades Recursos Tempo Avaliação

Apresentar um guião individual para Apresentação dos trabalhos


A designar pelas 90 Observação
promoção da igualdade de género no individuais produzidos pelas Método activo
formandas Minutos directa
quotidiano formandas.

Sessão 6 Tema 4: Intervenção para a mudança Unidade Igualdade de Género

Objectivos Conteúdos Métodos / Actividades Recursos Tempo Avaliação

Identificar a importância da
transversalidade da dimensão da igualdade
nas práticas do quotidiano Apresentação dos trabalhos Videoprojector 90 Observação
individuais produzidos pelas Método activo
Comentar e avaliar os guiões individuais Quadro Minutos directa
formandas.
para promoção da igualdade de género no
quotidiano produzido pelas formandas

13
I G U A L D A D E D E G É N E R O
Anexos

14
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Exercício – A Construção da desigualdade de


género

Instruções:

Dividir o grupo em 4 subgrupos e distribuir as seguintes tarefas:

 1º Grupo – Identifica o que se ensina às raparigas, como sendo


“próprio da rapariga” e o que se espera do seu comportamento
presente e futuro.

 2º Grupo – Identifica o que se ensina às raparigas como não sendo


“próprio da rapariga” e o que não se espera que façam.

 3º Grupo – Identifica o que se ensina aos rapazes, como sendo


“próprio de rapaz” e o que se espera do seu comportamento
presente e futuro.

 4º Grupo – Identifica o que se ensina aos rapazes como não sendo


“próprio de rapaz” e o que não se espera que façam.

Objectivo
Reflectir sobre a realidade e reconhecer que o género é uma construção
social que provoca desigualdade entre mulheres e homens e que se
reproduz, apesar da lei prever a igualdade, até que a normatividade social
que o impõem seja rejeitada pelas pessoas e pelas instituições.

Conclusão
Divide-se o quadro em 4 colunas.

O/a porta-voz de cada grupo escreverá as conclusões numa coluna no


quadro, para permitir visualizar em conjunto as várias conclusões.

Discussão
 Porque é que isto acontece?

 Que modelos culturais levam à construção da desigualdade de


género?

15
I G U A L D A D E D E G É N E R O

 Porque persiste o paradoxo da igualdade na lei e desigualdade de


facto?

 Que vantagens e desvantagens nos traz esta situação de


desequilíbrio?

 Estaremos disponíveis para mudar?

 O que fazer para mudar?

16
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Exercício – Episódio do boné


Numa sessão de formação a uma turma de Formação de Jovens de um
curso de Pastelaria/Padaria, pertencente à Formação Inicial, vertente
Aprendizagem, ocorreu a situação que se relata neste caso.

Esta turma é composta por 12 rapazes e 2 raparigas, com idades


compreendidas entre os 15 e os 20 anos.

Alguns dos formandos usam bonés/chapéus e uma das raparigas tem por
hábito usar boina/chapéu.

O não retirarem o boné/chapéu da cabeça no início da formação, implica


habitualmente uma intervenção do/a formador/a.

Questões
 Têm conhecimento de situações iguais ou semelhantes a esta?

 Como analisam este comportamento? Como caracterizam a


situação?

 Que tipo de intervenção do/a formador/a recomendariam?

Situação 1
Na sessão de formação os rapazes, ao não retirarem os bonés/chapéus da
cabeça no início da formação, fizeram com que o/a formador/a lhes
chamasse a atenção e os obrigasse a retirar os bonés/chapéus, dizendo
“isso não é maneira de estar numa sala de formação!”. Esta chamada de
atenção, este reparo foi apenas dirigido aos rapazes, nada tendo sido dito
à rapariga.

Eles tiraram os bonés/chapéus da cabeça muito contrariados e


perguntaram imediatamente ao formador/a porque é que ela não mandava
a rapariga tirar também, ao que a formadora respondeu que “os chapéus
nas meninas são acessórios de beleza, são adornos, pelo que podem ser
usados em qualquer altura e em qualquer sítio, sem ser considerada uma
falta de respeito!”

17
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Situação 2
Noutra sessão de formação, o/a formador/a disse que por si, podiam
todos deixar o boné/chapéu na cabeça que isso não a incomodava, pois não
achava que a aprendizagem deles dependesse desse facto e se ter o
boné/chapéu na cabeça os fazia sentir melhor, mais confortáveis e
estarem assim mais motivados para estar na formação de forma
participativa, então, para si, isso era o que mais interessava e era aquilo
que mais valorizava.

Ficaram todos a olhar para o/a formador/a, mantiveram os bonés/chapéus


na cabeça e a sessão de formação no âmbito do módulo Formar para a
Cidadania continuou, tendo a formadora aproveitado para introduzir esta
questão como tema da sessão desse dia, relacionado com o tema mais
geral que estávamos a abordar - as Relações Inter-Pessoais e as Relações
Inter Culturais.

Situação 3
Noutra sessão de formação, o/a formador/a ao verificar que alguns
rapares e a rapariga não retirarem os bonés/chapéus da cabeça no início
da formação, chamou-lhes atenção dizendo “isso não é maneira de estar na
formação”, dirigindo o reparar aos rapazes e à rapariga.

A rapariga protestou invocando que o boné fazia parte da sua


indumentária e penteado e se o retirasse ficaria descomposta.

Questões:

 Comente as situações.

 Analise as suas vantagens e desvantagens em termos de processo


de aprendizagem?

 Trata-se de um caso unicamente disciplinar ou requer também uma


análise de Género?

 Lembra-lhe outras situações de formação?

18
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Exercício – Questionário
Indique se concorda (C), discorda (D), ou não tem opinião (NO) sobre cada
uma das seguintes afirmações:

A intuição das mulheres é superior à dos homens.

Os homens são mais francos e agressivos do que as mulheres.

As mulheres são mais bem sucedidas nas relações públicas e no


estabelecimento de contactos.
Os homens são mais dotados para as questões mecânicas.

As mulheres são mais dotadas para as questões da decoração.

Se os homens se responsabilizassem mais pelas tarefas


domésticas, as mulheres teriam mais sucesso na carreira
profissional.
As diferenças entre mulheres e homens são fundamentalmente
de ordem cultural.
Existem tarefas domésticas predominantemente femininas,
portanto não negociáveis.
A mulher é mais frágil, necessita de mais protecção.

A mulher é bisbilhoteira, quando se reúne com outras mulheres


é para falar da vida dos outros. Não lhe interessam os temas
verdadeiramente importantes.
Se uma mulher ganha mais do que o marido pode afectar a
estabilidade conjugal.

19
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Exercício – Comportamentos
Atente na seguinte listagem de comportamentos
socialmente reprováveis:
Sexo Feminino Comportamentos: Sexo Masculino
 Má apresentação

 Cabelos muito
despenteados

 Desleixo no vestir

 Agressividade

 Cheiro desagradável

 Embriaguês

 Falar em calão

 Estar drogado/a

 Falar muito alto

 Linguagem gestual
excessiva

 Invadir o espaço
pessoal do outro,
sem o conhecer bem

 Ordene os comportamentos apresentados, nas diferentes colunas, por ordem


decrescente de acordo com a gravidade que lhes atribui.

 Reflicta sobre as diferenças se as houver.

 Debatam com as pessoas do sexo oposto, comparem convergências e divergências.

20
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Brainstorming

Mais ou menos audível, agradável aos ouvidos da/o destinatária/o – ou nem


por isso – o piropo circula nas ruas, escolas, cafés e outros lugares
públicos, e até em locais de trabalho. Possivelmente terá chegado à
conclusão que, nos tempos que correm, rapazes e raparigas têm o mesmo
tipo de comportamento em locais públicos, quando se encontram em
situação de grupo, em relação aos piropos lançados ao sexo oposto.

 Poder-se-á deduzir que mulheres e homens se encontram em situação de plena


igualdade por esse facto?

 Vamos fazer um brainstorming para responder e completar a tabela seguinte

Sim, porque… Não, porque…

21
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Exercício – Caracterizar o género


Faça uma lista das principais características dos homens e das mulheres
na nossa sociedade.

Se a tarefa for realizada em grupo, este terão que ser constituídos


exclusivamente só por homens ou só por mulheres.

Homens Mulheres

Compare as características que apontou com as que foram elaboradas


pelos outros grupos/pessoas.

Quer os homens quer as mulheres devem reflectir sobre as


características que lhes foram assinaladas pelos grupos opostos.

Pontos de reflexão:
 Porque é que isto é assim?

 Quais são as implicações desta categorização?

 O que podemos fazer para mudar esta situação?

22
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Exercício – Diferenças entre género e sexo


Ler as frases em anexo. Em seguida tente classificar cada uma com S
(sexo) ou G (género), conforme se trate de um aspecto ligado ao sexo ou
ao género.

 O homem vê o futebol e a mulher a novela.

 As estatísticas de 2003 mostram que havia 17000 reclusos e 1700


reclusas.

 As mulheres passam pela menopausa e os homens pela andropausa.

 As mulheres remendam a roupa, os homens tratam dos arranjos da


casa.

 Os estudos apontam que a homossexualidade abrange cerca de 10%


da população.

 As mulheres usam jóias e os homens gravatas.

 As meninas brincam com bonecas e os meninos com carrinhos.

 O trabalho de casa é para as mulheres e a mecânica dos carros é


para os homens.

 A casa é das mulheres e a rua é dos homens.

 Os homens são mais infiéis que as mulheres.

 Os homens desenvolvem mais massa muscular do que as mulheres.

 As mulheres têm óvulos e os homens espermatozóides.

23
I G U A L D A D E D E G É N E R O

Exercício – Uma história de vida


A Maria namorava há dois anos com o João. Numa saída nocturna,
zangaram-se: Ela disse-lhe que ele estava a seduzir outra rapariga.

Ele saiu da discoteca…e ela pediu boleia ao Jorge. Passaram pela casa dele.
Sem quase darem por isso o clima aqueceu. Tiveram uma relação sexual.
Jorge apesar de saber ser seropositivo, nada disse a Maria.

Numa crise de remorsos, o Jorge contou à Carla o sucedido. Carla por sua
vez, contou ao João. João sem nunca confirmar os factos com Maria nunca
mais lhe falou.

Tomado conhecimento da seropositividade da filha, o pai de Maria


expulsou-a de casa. A mãe de Maria, sem falar do assunto, apoiava-a sem o
pai saber.

Ordene pelo critério:


“Quem agiu melhor?”

João. Maria, Carla, Jorge, o pai, a mãe

24
I G U A L D A D E D E G É N E R O

O Papel dos pais


Um novo estudo da Comissão pela Igualdade de Oportunidades (sobre 60
pais), conclui que a maior parte dos pais ainda se consideram o ganha-pão
da família e não se sentem responsáveis de igual forma pelo
funcionamento da casa e a da vida familiar.

Encontram-se 4 categorias de pais:

 Pai participativo sem reserva (os papeis do pai e da mãe podem se


trocar, cada um está igualmente envolvido e competente)

 Pai que ajuda (ajuda nas tarefas que lhe são pedidas)

 Pai que brinca (brinca com as crianças enquanto a mãe realiza as


tarefas domésticas)

 Pai à moda antiga (encara o seu papel como a transmissão dum


modelo e de regras de vida, e não se envolve no dia a dia das
crianças)

O facto das mães ganharem menos e o custo da guarda das crianças ser
muito elevada foi apontado como as razões principais de serem as mães a
tomarem conta das crianças. Se muitos homens mostram terem
consciência da importância da sua presença, eles se assumem mais como
apoio do que como participante com igual responsabilidade na vida
doméstica e familiar.

25
I G U A L D A D E D E G É N E R O

26