Anda di halaman 1dari 65

Apostila do curso

ELETROTERMOFOTOTERAPIA
I

Prof.: Alberto Monteiro Peixoto


www.albertomonteiro.com.br

2007
II

Sumário
INTRODUÇÃO................................................................................................................................................ 1

1. TEMAS DE SEMINÁRIOS ................................................................................................................... 3

1.1 EFEITOS FÍSICOS E FISIOLÓGICOS DO CALOR E DO FRIO .................................................................. 3


-Mecanismos de transferência de calor ............................................................................................ 3
-Efeitos Fisiológicos .............................................................................................................................. 4
1.2 TEORIA DA COMPORTA DA DOR E OS OPIÓIDES ................................................................................... 6
- Introdução ............................................................................................................................................ 7
- Teoria da Comporta ............................................................................................................................. 7
- Via dos Opióides .................................................................................................................................. 9
2. RECURSOS ELÉTRICOS...................................................................................................................... 11
2.1 RESPOSTA DOS NERVOS E MÚSCULOS AOS ESTÍMULOS ELÉTRICOS .................................................. 11
- Despolarização de uma fibra nervosa e de uma fibra muscular .............................................. 11
- Fatores que influenciam na força de contração de um músculo .............................................. 13
2.2 CARACTERÍSTICAS E PROPRIEDADES DAS CORRENTES ELÉTRICAS .................................................... 15
- Voltagem; Resistência; Capacitância e impedância ..................................................................... 15
2.3 OS ELETRODOS E SUAS PROPRIEDADES ............................................................................................... 17
- Tipos ..................................................................................................................................................... 17
- Propriedades (Tamanho, Distância e Posicionamento)............................................................... 19
2.4 CORRENTE GALVÂNICA ......................................................................................................................... 21
- Eletrólise produzida pela corrente galvânica no tecido ............................................................ 22
- Teoria de Cohen e a Osmose ........................................................................................................... 22
- Indicações da Corrente Galvânica ................................................................................................. 23
2.5 CORRENTE FARÁDICA ........................................................................................................................... 26
- Características da corrente............................................................................................................ 26
- Indicações da corrente Farádica ................................................................................................... 27
2.6 CORRENTES DIADNÂMICAS ................................................................................................................. 28
Características da Corrente .............................................................................................................. 28
Efeitos Fisiolóticos .............................................................................................................................. 29
2.7 O ELETRODIAGNÓSTICO ...................................................................................................................... 31
Introdução ............................................................................................................................................. 31
Lesões dos Nervos Periféricos .......................................................................................................... 31
Avaliação Eletroterápica .................................................................................................................... 32
2.8 O BIOFEEDBACK ................................................................................................................................... 33
Introdução ............................................................................................................................................. 33
2.9 O F.E.S ................................................................................................................................................. 34
Introdução ............................................................................................................................................. 34
Características ..................................................................................................................................... 35
Indicação ................................................................................................................................................ 37
2.10 TENS .................................................................................................................................................. 38
Introdução ............................................................................................................................................. 38
Tempo de Aplicação ............................................................................................................................. 39

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


III

Tipos de TENS ...................................................................................................................................... 40


Método de Aplicação ........................................................................................................................... 42
2.11 A CORRENTE INTERFERENCIAL........................................................................................................... 44
Introdução ............................................................................................................................................. 44
Características ..................................................................................................................................... 44
Indicação ................................................................................................................................................ 46
2.12 A CORRENTE RUSSA ........................................................................................................................... 47
Indicação terapêutica ......................................................................................................................... 48
3. RECURSOS TÉRMICOS....................................................................................................................... 49

3.1 FORNO DE BIER ..................................................................................................................................... 50


Características ..................................................................................................................................... 50
Técnica de Aplicação ........................................................................................................................... 51
Indicações .............................................................................................................................................. 51
Cuidados / Contra-indicações ............................................................................................................ 52
3.2 PARAFINA .............................................................................................................................................. 52
Características ..................................................................................................................................... 52
Limpesa da parafina ............................................................................................................................. 53
3.3 INFRA-VERMELHO ................................................................................................................................ 53
Definição ................................................................................................................................................ 53
Classificação .......................................................................................................................................... 54
Método de aplicação ............................................................................................................................ 55
Indicação terapêutica ......................................................................................................................... 55
Contra-Indicações ................................................................................................................................ 56
3.4 ULTRA-VIOLETA ................................................................................................................................... 56
Definição ................................................................................................................................................ 56
Classificação .......................................................................................................................................... 56
Fontes de Ultra-Violeta ...................................................................................................................... 57
Determinação da dose adequada ....................................................................................................... 58
Indicações .............................................................................................................................................. 59

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


INTRODUÇÃO
A eletroterapia embora esteja sendo bastante difundida junto com a
fisioterapia, disciplina da qual faz parte, é uma área que já existe há muitos
anos. Quero iniciar este capítulo com um trecho de uma carta do conhecido
Benjamin Franklin:

“...Desde alguns anos, quando os jornais mencionaram


numerosas curas realizadas na Itália e Alemanha, pela
eletricidade, inúmeros paralíticos foram trazidos a mim de
diferentes partes da Pensilvânia, e províncias vizinhas, para
que fossem eletrificados, o que fiz a pedido destes. Meu
método consistiu em colocar o paciente primeiramente em
uma cadeira, sobre um assento elétrico, e testar um grande
número de fortes faíscas em todas as partes do membro ou
lado afetadas. Então, preenchi totalmente dois sextos de
galões de vidro, cada um com cerca de três pés quadrados de
superfície revestida, e apliquei choque unificado ao membro
ou membros afetados, repetindo o estímulo geralmente três
vezes ao dia. A primeira coisa observada foi um aumento
imediato da sensação de aquecimento nos membros
enfraquecidos que receberam o estímulo, e depois nos
outros; e na manhã seguinte os pacientes geralmente
relatavam que durante a noite passada tiveram uma sensação
de formigamento na carne do membro paralítico; e puderam
notar algumas vezes alguns pequenos pontos avermelhados, o
que supunham ser devidos àquele formigamento. Os membros
, também, estavam mais capazes para o movimento voluntário
e pareciam receber força...”

Neste trecho da carta, escrita em 1757, fica bem visível como era
rudimentar a aplicação dos recursos elétricos utilizados na época, além de
mostrar que eram feitas de forma empíricas.
Embora tenha sido assim no começo, estas descobertas foram os
primeiros passos para uma eletroterapia que hoje busca se fundamentar em
experimentos científicos.
A eletroterapia atualmente abrange vários recursos utilizados na
Fisioterapia. Há quem a divida em: eletroterapia, termoterapia e fototerapia. A
primeira é aquela em que funcionam os equipamentos que aplicam corrente
elétrica no tecido através de eletrodos ( Tens, Corrente Russa, C. Galvânica
etc.); na segunda funcionam os recursos que geram calor (Microondas, Ondas
2

curtas etc.) e na terceira os tipos de radiações eletromagnéticas visíveis ou


não, como: Laser, Infra-vermelho, Ultra-violeta etc.
Esta apostila tem o objetivo de ser apenas um guia dos assuntos que
precisam ser abordados e pesquisados exaustivamente na literatura para que
se saiba como proceder diante dos vários recursos oferecido pela
eletroterapia.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


3

1. TEMAS DE SEMINÁRIOS

1.1 Efeitos Físicos e Fisiológicos do Calor e do Frio

A produção de calor no organismo está diretamente ligada ao seu


metabolismo. Quanto maior o metabolismo de um organismo, maior será a
produção de calor. Esse calor pode ser medido em mais de uma unidade, no
entanto, quando se trata de organismo, é comum utilizar a unidade Calorias.
Num indivíduo normal, quando este está em repouso, seu metabolismo pode ser
tão baixo que produza apenas 60 a 70 cal/hora. Num metabolismo alto, pode
chegar a produzir 1000 ou 2000 Cal/hora.
Vários fatores podem influencia na quantidade de calor no organismo
agindo diretamente no metabolismo: O exercício; hormônios; tipo de alimento
consumido e a temperatura a que o organismo esteja submetido.
Este último é o foco deste assunto. Temos recursos como as Ondas-
Curtas e as Microondas que são capazes de alterar de forma direta a
temperatura corporal, além de consequentemente aumentar o metabolismo das
células.

-Mecanismos de transferência de calor


Consideramos quatro tipos de
mecanismos de transferência:
Vaporização; Radiação; Convecção e Conduçao.
- Vaporização: esse método é subdividido em outros três: Ebulição,
quando o líquido é aquecido a altas temperaturas e atinge sua
temperatura de ebulição, passando do estado líquido para o gasoso.
Calefação, quando o líquido entra em contato com uma chapa quente e
muda rapidamente para o estado gasoso, neste caso a temperatura é
menor que a da ebulição. Evaporação, este é um processo mais lento e
com temperaturas mais baixas. É o que ocorre em nosso organismo
através da pele e nas vias respiratória.
- Radiação: Estamos nos referindo às radiações eletromagnéticas, de
forma bem específica: aos raios infravermelhos. Esta é a principal forma
de dissipação de calor que utilizamos; cerca de 60%. Embora o calor
produzido pelo nosso organismo seja centrado principalmente no fígado,
músculos, cérebro, coração; a pele é o principal e mais competente

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


4

veículo de troca de calor. Como alguns exemplos de recursos


eletroterápicos, temos o infravermelho; as microondas e as ondascurtas.
- Convecção: Caracterizada pela transferência de energia térmica
através das partículas de determinado fluido. Há um deslocamento de
partículas das regiões mais frias para as mais quentes e vice-versa. É o
que ocorre numa sauna e no forno de Bier.
- Condução: Esta forma de condução caracteriza-se pela presença de
contato entre a fonte de calor e o corpo receptor. Os principais
exemplos na eletroterapia são as compressas quentes e frias.

-Efeitos Fisiológicos
Tanto o calor quanto o frio, são bastante utilizados na Fisioterapia como
recurso de tratamento. No entanto não é comum utilizar temperaturas abaixo
de 0 oC, nem acima dos 45 oC, pois a utilização de temperaturas aos extremos
pode ocasionar lesões irreversíveis. Temos como exemplo: As brotoejas, o
edema, as cãibras, síncopes, exaustão, golpe térmico, queimaduras e outros. As
três figuras abaixo mostram exemplos de algumas destas lesões.

Congelamento da bocheca Lesão bolhosa Gangrena isquêmica

Comentaremos os efeitos fisiológicos do calor e do frio em relação aos


seguintes pontos: sobre a dor; sobre o músculo; sobre a força; sobre a
circulação; sobre o reparo tecidual e a extensibilidade do colágeno.

- Sobre a Dor
O calor tem demonstrado ser bastante eficiente como recurso para
alívio da dor, no entanto, nem todos os tipos de dor podem ser diminuídas com
o uso do calor. A dor produzida por um espasmo muscular geralmente é aliviada
pelo calor provavelmente porque o calor age sobre as fibras musculares
provocando relaxamento muscular, diminuindo o espasmo e assim melhorando a
circulação sangüínea que vai retirar os catabólitos formados pelo espasmo, os

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


5

quais são os responsáveis pela dor. Há pesquisas demonstrando também que o


calor provoca analgesia devido ao aumento do limiar para a dor.
Em relação ao frio, fala-se que este retarda a condução dos nervos
periféricos e que também produz o aumento do limiar da dor.

- Sobre o Músculo
Devido ao fato do calor provocar aumento da elasticidade do colágeno,
diminuição da viscosidade dos fluidos e relaxamento da musculatura, este tem
uma ação muscular que pode ser usado como redutor de espasmo muscular. No
entanto, é mais comum a aplicação do frio como recurso para diminuir o
espasmo muscular. O problema é que nem sempre o frio é antiespasmódico,
geralmente só é eficiente quando o espasmo foi originado depois da dor (um
espasmo devido uma má postura geralmente não funciona; no caso de um
espasmo a nível do trapézio devido um pinçamento de um nervo, é uma
indicação). Como o frio é analgésico, vai haver a quebra do círculo dor-espasmo,
ou seja, a ação do frio é uma ação indireta sobre o espasmo, pois age
provocando o alívio da dor para diminuir o espasmo.

- Sobre a força
De acordo com alguns estudos, o aumento da temperatura proporciona
uma diminuição na força e na resistência muscular. Em relação ao frio, é
descrito que este provoca um leve aumento da força e do tônus muscular, no
entanto se esta musculatura for trabalhada intensamente após o resfriamento,
devido à diminuição da irrigação sangüínea, esta fica mais vulnerável a lesões.

- Sobre a Circulação
O calor tende a aumentar a circulação de determinada área devido a dois
mecanismos: o primeiro é devido ao relaxamento da musculatura esquelética e
dos vasos sangüíneos, isto faz com que a resistência diminua e o fluxo aumente.
O outro mecanismo, segundo alguns autores, é devido ao fato do calor
estimular a liberação de histamina e bradicininas, e de forma indireta,
aumentar o fluxo sangüíneo. Estes resultados obtidos pelo calor é benéfico, no
entanto, em alguns casos, como numa reação inflamatória aguda, haverá uma
facilitação para a formação de edema.
O frio na sua maioria tem um efeito inverso ao provocado pelo calor. É
por esse motivo que o frio é usado como mecanismo para impedir a formação de
edema, já que ele aumenta a viscosidade do sangue e provoca vasoconstricção.
Além disso diminui o fluxo sangüíneo na área aplicada.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


6

- Reação Inflamatória
A ação do frio sobre a reação inflamatória é a de parar a reação. Sendo
a reação inflamatória um mecanismo importante para o organismo, ele não deve
ser parado e sim controlado, já que uma reação inflamatória intensa irá
destruir tecido numa quantidade além do que seria necessário. Esse é um dos
motivos de haver pausas durante a aplicação da crioterapia, ou seja, para
permitir que a reação inflamatória ocorra, mas de forma controlada. Outro
motivo da pausa é para evitar morte tecidual por hipoxia. Fica claro então que a
ação do frio sobre a reação inflamatória é de controle. Isto ocorre devido a
diminuição do metabolismo celular, e ao aumento da viscosidade dos tecidos, o
que dificulta a diapedese.
O calor, devido ao fato de promover aumento do metabolismo, diminuição
da viscosidade dos tecidos e vasodilatação, é um recurso que aumenta a reação
inflamatória.
- Reparo Tecidual
O calor promove um aumento na velocidade das reações químicas; desvia
a curva de saturação do oxigênio para a direita; o que aumenta a quantidade de
O2 disponível para o tecido, aumenta o metabolismo celular, e tudo isto
aumenta a velocidade do reparo tecidual. É evidente que estes fenômenos só
ocorrem se o sistema circulatório adjacente à lesão estiver íntegro.
O frio não trás nenhum benefício ao reparo tecidual, pelo contrário, vai
retardá-lo.

- Extensibilidade do Colágeno
Tem-se encontrado na literatura que o colágeno torna-se mais extensível
quando é aquecido. Isto tem uma aplicação direta sobre os alongamentos e as
manipulações de cicatrizes ou aderências pós cirúrgicas.
O frio tem mostrado efeito inverso.

Todos estes efeitos fisiológicos do calor estão fundamentados nos


efeitos físicos: aumento da temperatura; expansão do material; mudança de
estado físico; aceleração das reações químicas e redução da viscosidade dos
fluidos.

1.2 Teoria da Comporta da dor e os Opióides

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


7

- Introdução
Vamos falar de um dos mais importantes sintomas que acomete o ser
humano: a dor. Poucas coisas são tão desagradáveis e tão importantes quanto a
dor. Alias, este é o objetivo do organismo: a dor tem que ser muito
desagradável, e é por isso que ela é fundamental.
A dor é uma sensação bem pessoal, ou seja, uma mesma intensidade de
estímulo doloroso pode representar mais dor em uma pessoa do que em outra;
isto ocorre porque a dor está relacionada a fatores religiosos, culturais, da
própria sensibilidade do paciente etc.
A dor também tem uma característica interessante: através dela
sabemos se está ocorrendo uma lesão aguda ou crônica, se a dor for
respectivamente em pontada ou em queimação. Existem também outros tipos
de dor como aquela presente em alguns pacientes com hipocondria e
somatização.
Por fim, não vamos discutir todos os aspectos da dor. Quero dar ênfase
a dois dos vários mecanismos de inibição da dor, já que serão a base para o
entendimento de como alguns recursos eletroterápicos conseguem inibir a dor.

- Teoria da Comporta
Segundo relatos históricos, esta teoria surgiu a partir do objetivo de
explicar porque instintivamente as pessoas quando machucadas alisam a região
afetada e obtêm analgesia; porque os animais quando sentem dor ou quando
seus filhotes apresentam sinais de dor, passam a língua estimulando
mecanicamente a região afetada, e obtêm alívio. Ou seja, esta teoria explica
que quando se faz uma estimulação mecânica específica na superfície do corpo,
este mecanismo inibe a dor através de um suposto “portão” da dor.

Esta teoria funciona da seguinte forma:


Em 1965 Ronald Melzack e Patrick Wall, pesquisadores, destacam dois
aspectos na percepção da dor: Primeiro, a dor não é uma simples descarga de
estímulos produzidos pelo nosciceptores mas uma resultante dos estímulos
gerados por vários tipos de receptores sensoriais. Segundo, a dor também está
sugeita a controles diversos provenientes do SNC. Isto mostra a possibilidade
de podermos controlar a dor, já que existem tantos mecanismos que podem
atuar de forma inibitória ou excitatória nesta via.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


8

Vejamos a figura abaixo:

Figura 1-1: Sistema representativo da teoría da comporta da dor.

δ e C representam as fibras que conduzem os


Na figura 1-1, as vias Aδ
β são as fibras
estímulos provenientes dos nosciceptores até a medula. A via Aβ
que conduzem os estímulos provenientes dos mecanoceptores. É importante
lembrar que estas vias têm algumas características importantes que podem ser
vistas no quadro apresentado na figura 1-2 abaixo:

Função Mielina/Condução Diâmetro


TIPO A
Alpha Nervo motor Sim, 100m/s 20µm
Propriocepção
Beta Toque, motor Sim, 50m/s 10µm
Às vezes dor
Gamma Motor, Músculos Sim, 20m/s 6µm
Delta Dor Sim, 15m/s 2µm
Temperatura
TIPO C Dor Não, 1m/s 0.5µm

Figura 1-2: Quadro demostrativo das características dos vários tipos de fibras nervosas.

Observar a diferença entre as vias Aδ δ/C e a via Aβ


β em relação ao
diâmetro, velocidade de condução e mielinização.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


9

Quando a dor proveniente dos nosciceptores trafegam pelas vias Aδ δ/C,


entra pelo corno posterior da medula e vai fazer sinápse excitatória com a
célula T e esta vai transmitir o impulso até o cérebro, que vai transformar esta
informação em sensação de dor. Além desta ação direta da via da dor sobre a
célula T, existe um interneurônio na substância gelatinosa, que também recebe
estímulo da via da dor para atuar de forma excitatória sobre a célula T.
Quando o estímulo é proveniente dos mecanoceptores, caminhando pela
via Aββ , o estímulo se propaga e atua sobre a célula T de forma também
excitatória, no entanto, como ocorre na via da dor, existe um interneurônio na
substância gelatinosa, que também exerce efeito nesta via, só que de forma
inibitória sobre a célula T.
As características principais desta via da comporta da dor, é que quando
estimulada, produz analgesia rápida. No entanto, a analgesia tem sua duração
limitada ao estímulo, ou seja, quando o estímulo que excita a via da comporta
acabar, a analgesia rapidamente diminue.

- Via dos Opióides


O assunto sobre analgesia promovido por opióides é um assunto muito
complexo que pra ser discutido necessitaríamos de um embasamento
Bioquímico; farmacológico e fisiológico bastante amplo. Mas podemos defini-la
como todas as drogas naturais ou sintéticas semelhante à morfina. Quando se
fala em naturais, incluem-se alguns peptídeos endógenos como encefalinas e
endorfinas. É aí que nos enteressa o assunto: já que possuímos este recurso
que pode ser liberado pelo próprio organismo, podemos induzir a liberação e
com isso promover a analgesia.
A presença dos opióides na circulação leva a algumas alterações
importantes, como:

Efeitos Periféricos
Diminuição de peptídios mediadores: bradicinina, substância P
Diminuição de edema
Diminuição de hiperalgesia induzida pelas prostaglandinas
Efeitos Medula
Diminue a transmissão mediada pelas substância P, das fibras
C para o segundo neurônio
Bloqueia a somação de potenciais excitatórios pós-sinápticos
e previne a expansão do campo receptivo a nível de corno
posterior da medula

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


10

A via dos opióides tem a seguinte característica: trás bons resultados


quando a dor é intensa e constante; a estimulação desta via a intervalos
constantes trás mais resultado do que quando estimulada nos momentos de dor
intensa.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


11

2. RECURSOS ELÉTRICOS
Entendamos como recursos elétricos, todo o embasamento teórico das
correntes utilizadas na eletroterapia, seus efeitos sobre os tecidos e por fim a
utilização dos recursos como corrente Farádica, Galvânica, Tens Russa, etc.

2.1 Resposta dos nervos e músculos aos estímulos elétricos


Antes de começarmos estudando todos os recursos elétricos
disponíveis, é fundamental saber como os nérvos e os músculos se comportam
diante dos estímulos elétricos.

- Despolarização de uma fibra nervosa e de uma fibra muscular


Vamos analisar como ocorre a despolarização destas fibras. A
despolarização não difere tanto de uma para outra, no entanto, existe um fator
que gostaria de chamar atenção e que é o objetivo deste tópico: as fibras
nervosas se adaptam mais rapidamente aos estímulos, doque as fibras
musculares. Por que isto ocorre?

As fibras nervosas:
As fibras nervosas mantêm um potencial de repouso cujo valor fica
próximo dos -70mV. Este potencial é mantido por um gradiente elétrico e um
gradiente de concentração.
Quando estas células recebem algum estímulo, os canais de Na+ são
abertos, fazendo a ddp de -70mV aumentar. Quando este estímulo é suficiente
(atingiu o limiar), isto pode chegar
a -55mV ou mais, e aí os outros
canais de Na+ que são dependentes
desta voltagem, se abrem e começa
o potencial de ação.
A abertura dos primeiros
canais de Na+, no entanto, não
dependem apenas da intensidade do
estímulo, dependem também do
tempo em que este estímulo vai
passar atuando. Analisemos a
figura 2-1 :

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


12

Olhando o traçado vemos que quanto mais tempo o estímulo passar


atuando, menos intensidade de estímulo será necessário para despolarizar a
fibra. Na realidade, não utilizamos tempos de exposição menores do que 50µs,
já que para tempos menores que este seria necessário uma intensidade de
estímulo muito grande, o que provavelmente lesionaria a fibra ou algum tecido
adjacente.
Por outro lado observamos um comportamento no traçado que
denominamos reobase. Reobase é a quantidade mínima de estímulo necessário
para promover a despolarização de uma determinada célula, independente do
tempo de atuação do estímulo. Ou seja, a partir de 200 ou 300µs não
conseguimos mais diminuir a quantidade de estímulo necessário para promover
a despolarização.
Existe ainda uma outra consideração a fazer, que está relacionada ao
tempo de subida do estímulo. Observe a figura 2-2.

Figura 2-2. curva representando um estímulo com tempo de subida

A célula nervosa responde a estímulos de curta duração porque sua


resposta é muito rápida ao estímulo, e é exatamente por este motivo que esta
célula não é despolarizada com estímulos cujo tempo de subida seja lento. Há
uma compensação que resulta no aumento do limiar de excitação desta célula,
por isso, quando a intensidade do estímulo for aumentando de forma gradual,
por exemplo, passar 30ms para atingir o valor estipulado como limiar de
excitação, a célula não vai mais despolarizar porque seu limiar de excitação
aumentou.

As fibras musculares:
As fibras musculares também despolarizam semelhantemente às fibras
nervosas, sendo que neste caso, alguns íons como o Ca+2 são muito importantes.
O que torna a despolarização do músculo diferente é o fato de o influxo de Na+
ser mais lento quando a célula é estimulada, se comparamos com a célula

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


13

nervosa. Como resultante isto torna a célula mais “difícil” de ser despolarizada,
ou seja, para que o influxo de Na+ seja suficiente a ponto de dar uma queda no
potencial de membrana e gerar uma despolarização, é preciso que o estímulo
sobre a célula seja longo.
Sendo assim, a Figura 2-1 para representar o comportamento de uma
célula muscular teria sua curvatura mais para a direita, ou seja, o tempo mínimo
de duração do pulso seria em torno de 30ms e a Reobase seria muito mais
longa. Dá para concluir que a Reobase é um valor característico de cada célula.
Se fizermos uma comparação do comportamento das características
necessárias para promover a despolarização de uma fibra muscular e de uma
fibra nervosa, concluiríamos: para despolarizar uma fibra nervosa precisamos
de pulsos com larguras maiores que 50µs e menores que 300µs. Valores
maiores que este, não promoverão nenhuma diferença. Já para despolarizar
uma fibra muscular precisamos de pulsos com largura maiores que 30ms. Para
as fibras musculares o pulso tem tempo de subida, mas para as nervosas se
houver, este tempo não pode ultrapassar os 30ms.

- Fatores que influenciam na força de contração de um músculo


Vamos discutir três fatores que são responsáveis pelo aumento da força
de contração de um músculo: a intensidade do sinal; a freqüência do sinal e a
largura de pulso do sinal.
Intensidade: a intensidade cuja unidade pode ser dada em mA ou volts é
um fator que influencia na força muscular devido ao recrutamento das fibras
produzido pelo aumento da intensidade. Quanto maior a intensidade, maior será
o número de fibras recrutadas, e assim, maior será a força. Vamos fazer uma
analogia:
“Supomos que temos um navio daqueles antigos em que a propulsão era
feita através de mão de obra escrava, ou seja, tínhamos um número de
escravos (vamos supor 100) de um lado e mais 100 do outro, e todos possuíam
um remo em suas mão.”
Uma forma de fazer este barco funcionar seria ordenar 20 escravos
trabalharem remando de um lado e mais 20 escravos trabalharem remando do
outro. No entanto, se quisermos fazer este barco ter mais força, podemos
ordenar que mais escravos trabalhem até que todos estejam trabalhando e
assim a força é máxima.
É assim que o cérebro trabalha: para aumentar a força muscular ele
utiliza como primeiro recurso, o aumento da intensidade do estímulo nervoso
sobre o músculo e conseqüentemente recruta mais fibras.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


14

Freqüência: Após o recrutamento do número máximo de fibras, o meio


mais eficiente de aumentar a força muscular é através do aumento da
freqüência do estímulo. Agindo assim, estamos sobrecarregando a fibra
selecionada, estamos fazendo ela trabalhar mais. Se voltarmos à analogia do
navio movido à remo, seria o seguinte: após todos estarem remando, o próximo
passo é que todos remem mais rápido!
Quero chamar a atenção que a seqüência correta utilizada pelo cérebro
para aumentar a força muscular é: aumentar a intensidade do estímulo para
recrutar o máximo de fibras e depois aumentar a freqüência para aumentar o
trabalho de cada fibra.
Nos procedimentos utilizados na eletroterapia, geralmente o que se faz
é o inverso: primeiro selecionamos uma freqüência alta e depois vamos
aumentando a força em função do aumento da intensidade da corrente. É
provável que este seja um dos fatores que fazem com que a eletroestimulação
não seja significativamente tão importante quanto o exercício ativo no ganho
de força. Ê fácil observar que nesta seqüência, estaremos sobrecarregando as
fibras que estão sendo selecionadas. Como o paciente vai relatar dor,
estaremos trabalhando só uma pequena camada muscular.
Largura de pulso: Nosso cérebro não utiliza outro recurso para aumentar
a força muscular além do aumento da intensidade do estímulo e do aumento da
freqüência. No entanto, quando utilizamos a eletroestimulação, percebemos que
a largura de pulso (tempo em que a corrente passa agindo no organismo)
também é outro fator que pode influenciar na força do músculo. Consultando a
Figura 2-1, vista anteriormente, observamos que o aumento da largura de pulso
é tão importante, que conseguimos uma queda drástica nos valores da
intensidade necessária para estimular a fibra, até a Reobase.
Concluindo sobre qual deve ser o procedimento mais adequado para um
protocolo de ganho de força muscular, podemos tomar a seguinte decisão:
primeiro utilizamos correntes com largura de pulsos grandes (não
ultrapassando a reobase), pois com isso conseguimos obter o mesmo efeito
fisiológico com intensidades menores (o que provoca menos incômodo no
paciente). Posteriormente, vamos aumentar a intensidade até que o máximo de
fibras sejam recrutadas (lembrando neste momento a importância do ponto
motor). E só quando estes passos estiverem sido dados é que vamos aumentar a
freqüência para obtermos aumento de força.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


15

2.2 Características e propriedades das correntes elétricas


O estudo das correntes elétricas nos tecidos humanos revela que vários
fatores, os quais estão descritos um a um logo abaixo, influenciam na
intensidade da resposta do tecido. Além disso, vamos definir o que é corrente
no organismo, pois difere da definição de corrente em um condutor elétrico, ou
seja: corrente elétrica no organismo refere-se ao fluxo iônico quando o tecido
é submetido a uma diferença de potencial elétrico. Este fluxo é bidirecional
mesmo quando a corrente é direta (um pólo é sempre negativo e o outro é
sempre positivo), pois os cátions irão em sentido do eletrodo negativo e os
ânions em direção do eletrodo positivo.
Vamos comentar agora sobres cinco fatores que influenciam na
intensidade da resposta do tecido:

- Voltagem; Resistência; Capacitância e impedância


Voltagem: Sempre que pomos duas cargas afastadas e entre elas existir
uma diferença no valor das cargas, dizemos que existe uma diferença de
potencial (ddp). Esta diferença de potencial cria um campo elétrico entre as
cargas, de modo que qualquer partícula carregada colocada neste meio, irá ser
deslocada em direção a uma das cargas. A unidade que representa esta ddp é o
volt (V), e Voltagem é um termo utilizado para se referir à diferença de
potencial. Ex: 10 volts é uma voltagem; 10 é a ddp.
Em nosso tecido, quanto mais aumentamos a voltagem, mais o paciente
relata uma sensação de dor. Na realidade este comportamento pode ser visto
na Figura 2.3 abaixo, onde vemos que quando aplicamos determinado estímulo
sobre o tecido, a primeira despolarização ocorre no sistema sensorial em forma
de sensação de formigamento, o aumento da voltagem produz a contração
devido a estimulação do nervo motor e em seguida a sensação de dor intensa.

Figura 2.3. relação entre intensidade e duração de pulso


relacionada à seqüência de estimulação dos sistemas

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


16

Resistência: É a qualidade apresentada pelos corpos, caracterizada pela


oposição feita à passagem da corrente que passa por eles. Observando a
fórmula seguinte:

onde R é a resistência, ρ a resistividade, L o comprimento do condutor e S a


área do condutor, concluímos que vários fatores influenciam na resistência
apresentada pelos corpos. Esta resistência tem seu valor expresso em Ω
(ohms), e não varia independente de a corrente que passa por ele ser contínua
ou alternada. Ex.: se um condutor submetido a uma corrente contínua cuja ddp
seja de 60v, tiver uma resistência de 60 Ω, então a corrente que vai circular
pelo condutor, segundo a lei de ohm, é 1A.

Capacitância: Antes da definição da capacitância, vamos falar da


importância desta. Nosso tecido é uma estrutura bastante complexa, se
visualizado microscopicamente. Quando medimos sua resistência, encontramos
valores próximos dos 300k Ω, valor este que varia para mais ao passar do
tempo. Este comportamento é o mesmo quando fazemos a leitura da resistência
de um capacitor. Na realidade, nosso tecido apresenta as duas propriedades:
resistência e capacitância.
Capacitância é a propriedade que têm os materiais isolantes de quando
submetido a uma ddp, acumular esta energia. Esta capacitância é medida em µF
ou em pF (micro farads ou pico farads).

Impedância: Esta é caracterizada pela oposição ao fluxo de corrente no


tecido, devido à resistência, indutância e capacitância apresentada pelo mesmo.
É uma “resistência” que varia com a freqüência da corrente. Na realidade, a
componente indutiva não tem valor significativo no tecido; a resistência não
varia, o que importância é a capacitância. Observando a equação seguinte
vemos:

Xc é a impedância, f a freqüência e C a reatância capacitiva. Ou seja, a


impedância é um fator que depende inversamente da freqüência e da reatância
capacitiva. Sabendo que diminuindo C, implica na diminuição da impedância,
estamos agora diante de um mecanismo que pode facilitar o uso da corrente

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


17

elétrica sem que o paciente sinta tanto incômodo. Como baixar a impedância?
Aumentando a freqüência da corrente!
Por que quando a impedância do tecido cai, a corrente provoca menos
incômodo? Porque é possível obter a mesma corrente com uma voltagem menor;
e o que provoca dor no paciente é o uso de voltagens elevadas encima dos
receptores.

2.3 Os eletrodos e suas propriedades


Os eletrodos são componentes utilizados para fazer a acoplagem entre
os equipamentos elétricos e o tecido do paciente. Sem ele, o acoplamento não
seria eficiente. Existem vários tipos de eletrodos, e cada um deles se adequa a
uma condição específica. Uns são mais adequados para determinadas condições
de tecidos, outros mais adequados para determinadas correntes etc. Vejamos
alguns.

- Tipos
Eletrodos de borracha siliconada:

Estes são os eletrodos mais utilizados atualmente. Suas vantagens são:


apresentam uma boa condução; têm uma durabilidade indeterminada, se for
conservado de forma adequada; um baixo custo e se acoplam com facilidade aos
tecidos. Embora apresentem alguma desvantagem: é preciso de gel e fita
adesiva, o que aumenta o custo; necessita também de uma mão de obra mais
demorada para colocação.

Eletrodos de Metal:
São eletrodos já bem antigos pouco utilizados atualmente. Apresentam
várias desvantagens: têm um preço elevado, têm uma durabilidade reduzida,
principalmente se não forem bem cuidados, são pesados e de colocação difícil,
a não ser aqueles que funcionam por sucção.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


18

Eletrodos descartáveis:

São eletrodos muito utilizados principalmente para coletar sinais


elétricos do organismo, como por exemplo, em exames de ECG. São de fácil
colocação, não precisam de gel ou fita adesiva, são de baixo custo. Suas
desvantagens é que geralmente apresentam uma pequena área de contado, e só
devem ser usados uma vez. Sua utilização é comum com o TENS.

Eletrodo tipo caneta exploradora:

Este eletrodo é bastante utilizado quando o objetivo é a estimulação de


áreas bem pequenas e específicas. Em caso de paralisia facial periférica,
utilizamos este tipo de eletrodo para estimular cada músculo facial acometido.
Como a área de contato destes tipos de eletrodos é bem pequena, o efeito
fisiológico só ocorre em baixo deste, e não ocorre em baixo do eletrodo de
referência.

Eletrodo esponjoso:

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


19

Este tipo de eletrodo é o recomendado para ser utilizado com correntes


polares, principalmente a corrente galvânica. É caracterizado pelo fato de
haver uma esponja embebida com água (aconselha-se soro fisiológico) contendo
dentro da esponja um eletrodo que pode ser de metal ou de borracha. Este
eletrodo diminui a resistência da pele por aumentar a área de contato e por
aumentar a umidade.

- Propriedades (Tamanho, Distância e Posicionamento)


Muitos dos problemas que surgem quando se tenta promover uma
eletroestimulação, deve-se a fatores muito simples relacionados aos eletrodos,
por isso vamos discutir três abaixo:
Tamanho: existe alguma diferença entre aplicar os eletrodos seguindo a
disposição da figura A e os eletrodos da figura B?

Na realidade a diferença é bem grande. Vamos considerar o seguinte: os


eletrodos grandes têm uma área de 10cm2, e o pequeno tem uma área de 1cm2;
Supomos também que para despolarizar uma determinada fibra nervosa
precisaríamos de um densidade de corrente de 1mA/cm2.
Então no caso da figura A, se regularmos o equipamento para que aplique
uma corrente de 10mA, teríamos como mostra a figura abaixo, uma densidade
de corrente de 1mA/cm2, suficiente para obter o efeito fisiológico embaixo
dos dois eletrodos.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


20

Já no caso da figura B, se regularmos o equipamento para que aplique


uma corrente de 10mA, teríamos como mostra a figura abaixo, uma densidade
de corrente de 1mA/cm2 no eletrodo grande, suficiente para obter o efeito

fisiológico, mas teríamos uma densidade de corrente de 10mA/cm2 embaixo do


eletrodo pequeno. Suficiente para queimar o paciente ou provocar outro tipo de
lesão. Para que isso não ocorresse, teríamos que baixar a corrente no
equipamento para evitar os danos e conseqüentemente, só teríamos efeito
debaixo do eletrodo pequeno. Veja figura abaixo.
No entanto, este tipo de configuração às vezes torna-se adequado
quando queremos fazer um estímulo em uma região específica como ocorre no
caso da paralisia facial periférica. Aplicamos um eletrodo de referência
próximo da face e um eletrodo explorador, responsável pelo estímulo em algum
músculo da face. Como só queremos o efeito no músculo da face, optamos pela
diminuição do eletrodo explorador.

Distância:

A distância é um fator também muito importante quando vamos colocar


os eletrodos. Conforme visualizamos na figura acima, a resistência R depende
do comprimento do condutor (distância entre os eletrodos). E observamos

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


21

também na fórmula de ohm, que quanto maior a resistência R, maior será a


tensão que devo utilizar para continuar obtendo a mesma corrente.
O que acontece é que quando aumentamos a tensão no equipamento,
provocamos maior incômodo no paciente pois a possibilidade de lesão aumenta
com o aumento da tensão, por outro lado, se baixarmos a corrente, deixamos
de obter o efeito fisiológico provocado por ela. A solução correta é diminuir a
resistência, e para isso, devemos aproximar os eletrodos o máximo possível.

2.4 Corrente Galvânica


A corrente galvânica é uma corrente que tem as características de uma
corrente direta. Vamos primeiro fazer uma definição da corrente direta.
Observe primeiro a figura:

Todas as vezes que temos uma fonte de corrente elétrica com


polaridades fixas, ou seja, um pólo só positivo e outro só negativo, e fazemos
uma apresentação gráfica do comportamento da corrente , obtemos o gráfico
acima. Quando isto ocorre estamos diante de uma corrente classificada como
corrente direta ou corrente contínua. Como definição podemos dizer que a
corrente direta é uma corrente cuja intensidade se mantém constante em
função do tempo. O exemplo mais comum é o da bateria de uma carro.
O que é a corrente galvânica? Na prática, esta corrente é a mesma
corrente direta. No entanto, existem alguns equipamentos (que não são muito
comuns) que produzem uma corrente chamada EGAV (estimulação galvânica de
alta voltagem) e que pelo fato de ser pulsátil, não tem nada a ver com a
corrente direta.
Os equipamentos que dispomos hoje no mercado são bastante simples, de
forma que os controles que temos de operar, geralmente não passam do:
controle de intensidade (mA) e controle de tempo (min).

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


22

- Eletrólise produzida pela corrente galvânica no tecido


Vamos observar o desenho abaixo:

Vemos que quando colocamos eletrodos para aplicar uma corrente polar
forte sobre o tecido, provocamos embaixo destes eletrodos a formação de
ácido embaixo do positivo e uma base embaixo do negativo. É sabido também
que essa base é mais irritante que o ácido e conseqüentemente o eletrodo
negativo é mais irritante que o positivo.

- Teoria de Cohen e a Osmose


A teoria de Cohen é uma das teorias que justificam o deslocamento da
água no sentido do pólo positivo para o pólo negativo. Esta teoria afirma que
quando fazemos circular água por uma rede de cavidades (como ocorre em
nosso organismo), essa água começa a apresentar uma carga, esta carga é tão
positiva quanto maior for sua constante dielétrica (que é o caso da água). Em
outras palavras, a água é apolar, mas apresenta características positivas em
nosso organismo, e isso faz ela ser atraída pelo pólo negativo.
A presença da força osmótica, deve-se ao fato de em geral, as cargas
positivas presentes em nosso organismo estarem associadas a estruturas mais
leves do que aquelas de cargas negativas. Devido a este fator, haverá um
acúmulo de moléculas mais rapidamente no pólo positivo do que no pólo positivo,
já que é mais fácil deslocar as moléculas positivas do que as negativas. Isso faz
a água ir de encontro a região de maior concentração de soluto: pólo negativo.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


23

- Indicações da Corrente Galvânica


A corrente Galvânica embora não seja muito utilizada atualmente, tem
várias indicações em áreas bem específicas: Eletroendosmose, Iontoforese,
Eletrólise capilar e analgesia. Vale também lembrar que as correntes polares, e
esta principalmente, devem ser utilizadas com eletrodos esponjosos.

Eletroendosmose:
É o uso da corrente galvânica com o objetivo de promover o
deslocamento de líquido de uma região para outra no tecido. Ou em outras
palavras, facilitar a drenagem de edema. O uso desta corrente para facilitar a
drenagem está apoiado nas duas teorias vistas anteriormente (teoria de Cohen
e a osmose).
A técnica de aplicação consta do seguinte: com a utilização de eletrodos
especiais (esponjoso embebido em água), colocamos o eletrodo positivo em cima
do edema e o eletrodo negativo em uma região bastante vascularizada e mais
proximal. O eletrodo deve ser de preferência, maior ou igual à área a ser
drenada. A intensidade da corrente é aquela suficiente para promover um
formigamento na pele do paciente (não ultrapassando 3mA), e deve durar de 10
a 15 minutos.
Esta técnica não deve ser utilizada com o objetivo de resolver a situação
de edema do paciente, mas com o objetivo de facilitar uma drenagem.

Iontoforese:
Este termo refere-se a utilização da corrente direta com o objetivo de
facilitar a introdução de drogas via tecido cutâneo. A justificativa é que com a
utilização de drogas polares, conseguimos aumentar sua penetração devido a
presença da corrente elétrica, e também, relata-se que a corrente utilizada
aumenta a permeabilidade cutânea.
Existem três vias pelas quais a droga vai penetrar: (1) – folículos pilosos;
(2) – extrato córneo e (3) – os poros das glândulas sudoríparas. Esta terceira
via é a principal delas, pois as outras apresentam uma impedância elevada á
passagem da corrente.
A dose utilizada para introdução da droga na iontoforese, varia
conforme alguns fatores: o tempo de aplicação, a intensidade da corrente e a
carga do íon. A dose sugerida é de 80mA/min. Isto quer dizer que para passar
20min, usaria no máximo 4mA. Já a densidade de corrente mais indicada fica
em torno de 0,3 a 0,5 mA/cm2.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


24

Outros fatores como: as propriedades da droga, as características do


equipamento utilizado para aplicação e as características do local da aplicação,
são fatores que influenciam na penetração. A concentração utilizada é
conseguida com uma diluição entre 1% e 10%. Os eletrodos devem ser do tipo
esponjoso.
A técnica para aplicação no entanto não é tão complicada, pois estes
valores geralmente vêm determinados quando se adquire a droga para uso na
iontoforese. Encontramos informações como: carga iônica, tempo de aplicação,
corrente utilizada, diluição recomendada. Bastando a partir daí, colocar o
medicamento em um dos pólos: se a carga do medicamento for positiva,
colocamos junto com o pólo positivo, para que ele seja atraído pelo outro pólo e
assim penetre na pele. Veja exemplo de aplicação de um medicamento com
carga positiva, na figura abaixo.

Eletrólise capilar:
Existem pêlos que são uns verdadeiros incômodos para algumas pessoas,
seja por uma foliculite, seja por uma questão de estética, como é o caso da
presença de pêlos em mulheres, na região do queixo, buço, pescoço, mamilos
etc.
A depilação definitiva é bem conhecida através do laser, no entanto, a
eletrólise capilar também é um recurso bastante eficiente. É um tratamento
que pode demorar de 10 a 20 sessões e que consiste na cauterização do
folículo piloso. Isso ocorre devido ao aquecimento provocado pela passagem da
corrente, como também devido a presença de NaOH formado devido a
presença de uma carga negativa constante dentro do bulbo.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


25

A técnica consta da utilização de um equipamento de corrente galvânica


que contém um eletrodo (-) em forma de agulha sem ponta, de espessura
aproximada ao do fio de cabelo, e um eletrodo (+) em forma de placa, que
servirá como referência. Após a colocação do eletrodo de agulha dentro do
folículo piloso (com a ajuda de uma pinça), regulamos a corrente para que
provoque apenas um pequeno formigamento que vai durar em torno de 5s. Se o
pêlo não sair com facilidade, é feita outra aplicação.
Após a retirada dos pêlos, o paciente voltará a outras sessões, cujo
intervalo varia geralmente de 15 a 30 dias, para fazer uma nova retirada até a
depilação definitiva.
É importante que antes de cada sessão, haja uma avaliação dos pelos;
uma assepsia da região a ser tratada, e após a sessão, deve-se evitar a
exposição ao sol e não deve utilizar outro método de depilação. Veja na figura
abaixo a introdução da agulha no folículo piloso.

Analgesia:
A função da corrente galvânica como analgésica não é bem explorada por
não se saber seu mecanismo de ação, embora encontramos explicações que
relatem duas explicações para este fenômeno: primeiro, se afirma que a
corrente galvânica promove analgesia devido à hiperemia provocada por esta
corrente, o que induz ao aumento da absorção de substâncias que poderiam
estar causando esta dor; segundo, afirma-se também que esta corrente
aumenta o limiar dos receptores.
A técnica de aplicação consta da colocação de dois eletrodos esponjosos
embebido em água, sendo o eletrodo negativo colocado em cima do local da dor.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


26

Colocamos uma corrente suficiente para provocar um formigamento leve. O


tempo de aplicação fica em torno de 10 minutos.

2.5 Corrente Farádica

- Características da corrente
A corrente farádica é um tipo de corrente alternada que devido a
algumas características, tem a propriedade de produzir contrações musculares.
Observando a figura abaixo, vemos uma comparação entre a corrente
alternada e a corrente contínua. A corrente alternada apresenta uma variação
em sua intensidade, em função do tempo.

A corrente Farádica apresenta o mesmo comportamento da corrente


alternada, sendo que sua largura de pulso tem menos de 10ms. Desde que este
critério seja obedecido, podemos considerar corrente farádica qualquer forma
de apresentação da corrente alternada, como vemos na figura abaixo.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


27

Em nosso arsenal Fisioterápico, o que chamamos classicamente de


corrente farádica, é um sinal retangular, ou
trapezóide, como podemos ver na figura ao
lado. Os equipamentos utilizados para aplicação
destas correntes fornecem uma freqüência que
geralmente não ultrapassam os 30Hz.

Esta corrente é uma das primeiras


correntes utilizadas na fisioterapia com o objetivo de produzir contração
muscular. Embora já tenhamos em mãos recursos mais avançados, que provocam
menos incômodo e são bem mais eficiente quando se fala de contração
muscular, ainda é bastante utilizada na eletroestimulação para manutenção de
tônus; principalmente quando se trata de grupos musculares pequenos.

Método de Aplicação:
O método de aplicação é bem simples. Primeiro, o eletrodo utilizado pode
ser tanto o de borracha de silicone com gel, quanto o eletrodo esponjoso
embebido em soro fisiológico, já que a corrente farádica geralmente tem uma
polaridade fraca. No entanto, se utilizarmos o eletrodo esponjoso; poderemos
obter um resultado mais satisfatório.
A aplicação deve ser feita utilizando o eletrodo negativo no ponto motor
do músculo a ser trabalhado e o eletrodo positivo o mais próximo possível, e no
mesmo grupo muscular que se pretende trabalhar, conforme vimos no capítulo
2.3, sobre eletrodos.

- Indicações da corrente Farádica


As indicações desta corrente são bastante limitadas, já que podemos
usá-la para produzir contração muscular apenas em pequenos grupos
musculares, do contrário, não iremos conseguir um resultado satisfatório.
Sendo assim, uma utilização satisfatória é o uso desta corrente na
paralisia facial periférica; outro uso é quando queremos fazer estimulação em
grupos da mão (flexores dos dedos, extensores, adutores e abdutores). O uso
desta corrente em grandes grupos musculares não é satisfatório porque o
tecido apresenta uma alta impedância a esta corrente e conseqüentemente, o
recrutamento das fibras fica diminuído, comprometendo a eficiência da
contração.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


28

2.6 Correntes Diadnâmicas

Características da Corrente
Estas correntes criadas por Bernard desde 1929, foram criadas após a
observação de que a corrente elétrica havia proporcionado benefícios em
alguns casos, como a melhora de pacientes com problemas psiquiátricos; a
diminuição da dor em caso de gota, quando o paciente era submetido a
estimulação elétrica com o chamado “peixe elétrico” etc.
Sendo assim, Bernard decidiu utilizar a corrente da rede elétrica e
através de uma técnica chamada retificação, produziu cinco tipos de correntes
que ficaram conhecidas como: “correntes diadinâmicas de Bernard”.
Observe as figuras abaixo:

Primeiro vemos representado graficamente uma corrente senoidal. Na


rede elétrica, essa corrente tem uma ddp de 220V e uma freqüência de 60Hz,
embora em alguns locais ela tenha 50Hz. Após Bernard tratar essa corrente
com um circuito retificador (como mostra as duas figuras seguintes) ele
obteve os dois primeiros tipos das correntes de Bernard: A chamada Difásica
DF, e a chamada Monofásica MF.
A partir destas duas correntes, Bernard deu origem a mais três
correntes, que são apenas uma combinação destas duas, e são conhecidas como:
CP, LP e RS, que veremos mais adiante. Antes vamos fazer alguns comentários
sobre o que vimos.
Observando esta corrente, o que ela tem de características? Dá pra
deduzir quais os efeitos fisiológicos mais prováveis? Vejamos:

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


29

Vimos no capítulo 2.1, que quanto mais aumentamos a freqüência de uma


corrente eletroestimuladora, maior é a força muscular. No entanto, quando
passamos dos 100Hz, isso começa a diminuir, já que com freqüências muito
elevadas, começamos a colocar pulsos no período relativo e depois no período
absoluto de uma despolarização muscular. Sendo assim, consideramos que de 1
a 100Hz, obtemos um aumento da força muscular, mas a partir disto, essa
força vai diminuindo.
Vimos também que pulsos cujo tempo de subida seja muito elevado, da
possibilidade de a célula nervosa sofrer um processo de adaptação cada vez
mais eficiente, a ponto de larguras de pulsos grandes, não provocar
despolarização nervosa.
Ainda fazendo mais uma observação, vimos quando falamos na corrente
galvânica, que as correntes polares provocam eletrólise embaixo dos eletrodos
e que quanto maior esta polaridade, maior é a eletrólise.
Agora vamos analisar as correntes diadinâmicas:

Efeitos Fisiolóticos

A corrente DF

A corrente DF apresenta uma freqüência de 120Hz; tempo de subida de


5mS e um sinal senoidal, além disso, é fácil ver que é uma corrente polar
bastante forte.
Com estas informações podemos dizer que dois efeitos fisiológicos são
bastante significativos: aumento da irrigação sanguínea e analgesia. O motivo
deve-se à sua polaridade forte, e a explicação porque este efeito ocorre é o
mesmo utilizado para a corrente galvânica. A ação desta corrente sobre o
músculo não é significativa, pois com esta freqüência, largura de pulso e
formato do sinal, temos três fatores desfavoráveis para uma
eletroestimulação muscular.

A corrente MF

A corrente MF apresenta uma freqüência de 60Hz; tempo de subida de


5mS e um sinal senoidal, além disso, é fácil ver que é uma corrente polar,
embora não seja muito forte.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


30

Com estas informações podemos dizer que um efeito fisiológico é


significativo: aumento do tônus. Embora a polaridade desta corrente não seja
forte, podemos também considerar como efeito, um leve aumento da irrigação
sanguínea. O aumento de tônus nesta corrente é possível porque a freqüência é
60Hz, diferente da DF.

A Corrente Curto Período CP:

Algumas pessoas que passaram a utilizar as correntes MF como terapias


para aumento de tônus, indicaram como uma boa conduta a utilização
antecipada da corrente DF para promover um aumento da irrigação sanguínea e
analgesia local. É com esse objetivo que se utiliza a corrente CP: Promover os
mesmos efeitos das correntes DF e MF juntos.

A Corrente Longo Período LP:

Esta corrente tem os seus efeitos fisiológicos exatamente iguais ao da


CP. No entanto, a tolerância a esta é maior do que com a CP, já que a mudança
entre as correntes MF e DF é feita de forma gradual nesta corrente.

Ritmo Sincopado:

Como as Correntes Diadnâmicas não são indicadas para a contração


muscular, Bernard criou uma corrente chamada RS que é aplicada em modo
Burst, e dessa forma é possível promover um certo nível de contração
muscular. Atualmente esta corrente não é a indicação correta para promover
contração, mas esse é o efeito fisiológico dessa corrente.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


31

2.7 O Eletrodiagnóstico

Introdução
Existem várias doenças, vários distúrbios que culminam com uma
fraqueza muscular e podem chegar à total atrofia destes músculos. Podendo
estar associado também, a uma perda das sensibilidades. A avaliação do
distúrbio apresentado é composta de várias opções, e uma delas é o
eletrodiagnóstico. O Eletrodiagnóstico é um recurso de avaliação que tem como
objetivo, captar os sinais elétricos produzidos pelos nervos e músculos;
registrar, analisar e interpretar estes sinais e a partir dos resultados, concluir
sobre a integridade do sistema neuromuscular.
O que será discutido neste capítulo não é exatamente um
eletrodiagnóstico, e sim uma avaliação que podemos chamá-la de avaliação
eletroterápica. Esta tem dois objetivos: (1) o primeiro é o de colher
parâmetros para poder tratar o paciente, (2) e o segundo é poder verificar a
evolução do paciente. Antes de falar em como realizar a avaliação
eletroterápica, vamos ver uma classificação das lesões dos nervos periféricos.

Lesões dos Nervos Periféricos


Vamos usar a classificação de Seddon para analisar os graus de lesões
de um nervo periférico. Ver Tabela 2.7.1.

Sunderland Primeiro grau Segundo Terceiro grau Quarto grau Quinto grau
grau

Seddon Neuropraxia Axonotmese Neurotmese Neurotmese Neurotmese


Eletrofisiologia Bloqueio de Perda do Perda do Perda do Perda do
condução axônio axônio axônio axônio
Patologia Desmielinização Perda do Perda do Perda do Perda do
segmentar axônio, axônio, com axônio, com axônio,
estruturas de ruptura do ruptura do ruptura das
sustentação endoneuro endoneuro e estruturas de
intactas perineuro sustentação
Prognóstico Excelente, Recuperação Protraída. Se Recupera Só recupera
recupera lenta. Tem o broto provavelmente com cirurgia.
completamente que brotar e axonal for só com
em 2 ou 3 reinervar mau cirurgia.
meses direcionado,
a
recuperação
falha.
Tabela 2.7.1: classificação e graus de lesão de nervos periféricos

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


32

A partir da análise da tabela 2.7.1, vemos que as lesões nervosas


precisam de um tempo prolongado, a depender da lesão, para que volte a
funcionar normalmente. Nesse tempo em que o nervo não está transmitindo os
pulsos nervosos, e conseqüentemente não está mantendo a atividade muscular
dentro dos padrões normais, é preciso que atuemos, no intuído de conservar o
sistema músculo-esquelético nas melhores condições possíveis. É por isso que
necessitamos da avaliação eletroterápica.

Avaliação Eletroterápica

Objetivos:
Reavaliações. Para acompanhar uma lesão nervosa e saber se está
havendo ou não melhora do caso, podemos utilizar a avaliação eletroterápica.
Para isso faremos estímulos nas regiões proximais dos nervos e observamos se
existe estímulo muscular, que intensidade de estímulo, e que largura de pulso
são necessárias para produzir este estímulo. A melhora de uma lesão pode ser
constatada a partir do momento em que passamos a utilizar menos intensidade
da corrente para produzirmos o mesmo estímulo.
Coleta de parâmetros. Para tratar o paciente com algum recurso
eletroterápico, necessitamos saber de algumas características da corrente que
será utilizada. Por exemplo, se for preciso promover uma eletroestimulação em
algum músculo da face, e este músculo estiver acometido por uma lesão
periférica do nervo facial, qual a intensidade que devemos utilizar para
estimular o músculo? Na realidade não sabemos. Você pode dizer: estimulo até
a contração! Mas e se a intensidade necessária neste caso for muito elevada,
você não vai terminar danificando outro tecido? Aí você pode responder:
quando o paciente começar a sentir dor eu paro! Mas será que a sensibilidade
deste paciente está normal?
Não adianta. É preciso fazer a coleta de parâmetros. Esta coleta é feita
na hemiface sadia. Utilizamos uma corrente para estimular a face sadia e
anotamos todos os parâmetros necessários para isso: Intensidade, Largura de
pulso, tipo de corrente. A partir daí, vamos para a hemiface acometida e
utilizamos os parâmetros encontrados na hemiface sadia para tratar o
paciente. Assim temos garantia que não iremos provocar nenhum dano ao
paciente.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


33

A Corrente Utilizada
Na realidade existem equipamentos específicos para se fazer uma
avaliação eletroterápica, no entanto, podemos utilizar recursos mais comuns.
Se o objetivo da avaliação for de acompanhar o paciente através de
reavaliações, podemos utilizar um equipamento de corrente farádica. Se o
objetivo for coleta de parâmetro, então a corrente utilizada deve ser a mesma
que será utilizada para fazer o tratamento do paciente. Pode ser a própria
farádica, FES, Russa etc.

2.8 O BiofeedBack

Introdução
Esta é uma palavra composta:
Bio que está relacionado ao organismo, pois se trata do uso de um
recurso no organismo humano e:
Feedback. Este termo, na realidade, é a resposta proveniente de
qualquer ação. Existe até uma classificação em feedback positivo e feedback
negativo. Vamos dar dois exemplos:

Ex1.: Se fizermos um experimento com um camundongo em uma gaiola e todas


as vezes que ele pisar em uma plataforma, ele receber alimento, isso fará com
que ele volte a pisar na plataforma. Essa resposta (o alimento) é chamada de
feedback positivo, pois estimula o camundongo a repetir a ação.

Ex2.: Se fizermos um experimento com um camundongo em uma gaiola e todas


as vezes que ele pisar em uma plataforma, ele receber um pequeno choque, isso
irá inibi-lo de voltar a pisar na plataforma. Essa resposta (o choque) é chamada
de feedback negativo, pois inibe o camundongo a repetir a ação.

Podemos definir Biofeedback como sendo o mecanismo ou o recurso


utilizado para dar condições ao indivíduo de aprender, ou reaprender
determinada atividade através do autoestímulo. Vamos dar um exemplo
simples de um mecanismo de Biofeedback:
Vamos pedir a um paciente que se encontra em um alto nível de
ansiosidade, que tente controlar essa condição. Para isso, colocamos um sensor

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


34

no punho do paciente para medir a freqüência cardíaca e essa freqüência será


mostrada em um monitor. Dizemos ao paciente que o objetivo dele é diminuir
aquela freqüência cardíaca a níveis de 60 a 70 bpm. É claro que para isso o
paciente vai acabar se desligando dos principais fatores responsáveis pela
ansiedade e vai se concentrar na freqüência cardíaca e vai conseguir diminuir
os batimentos. Esse mecanismo que acabamos de utilizar é chamado de
Biofeedback.

Podemos utilizar esse recurso em várias ocasiões:


a) ansiedade
b) depressão
c) dor de cabeça
d) relaxamento muscular
e) incontinência urinária
f) incontinência fecal
g) outros.

A cima e à esquerda, temos um exemplo de um aparelho de Biofeedback.


À direita, temos uma amostragem de um eletrodo na entrada da vagina
com o objetivo de reeducação do assoalho pélvico.

2.9 O F.E.S

Introdução
Sempre que por algum motivo o paciente tem a função muscular
comprometida, o destino desta musculatura é: encurtar, atrofiar e adquirir
fibrose. Ou então, alongar, atrofiar. Isso vai depender se esta musculatura é

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


35

agonista ou antagonista. Num quadro de hemiplegia, por exemplo, temos os


flexores de punho encurtados e os extensores alongados.
Além do quadro muscular apresentado acima, o paciente que por um
comprometimento muscular apresentar uma falta de mobilidade articular, vai
adquirir também um quadro de rigidez articular, diminuindo o arco de
movimento e dificultando a melhora do quadro.
Foi exatamente mediante esse problema, que foi criada a FES
(Estimulação Elétrica Funcional). Ou seja, seria importante que um paciente
que por perda parcial ou total da função muscular de agonistas e antagonistas
de um determinado membro, tivesse uma eletroestimulação elétrica
neuromuscular, não de forma isolada, e sim em agonistas e em antagonistas, de
forma que não só garantisse a estimulação muscular, como a mobilidade
articular. E esse foi o objetivo de se criar uma forma de eletroestimulação
muscular: garantir uma estimulação funcional.
Hoje em dia existem outras correntes que conseguem realizar essa
estimulação funcional, como é o caso da corrente russa, e outras.

Características
A corrente conhecida como FES, não difere muito da corrente farádica
ou outro tipo de corrente que possa promover contração muscular. Na
realidade, o que caracterizou o FES, foi o fato do equipamento produzido
conseguir aplicar uma corrente no músculo de forma que se pudesse fazer
flexão e extensão dos músculos de forma alternada. Essa propriedade do
equipamento deu a ele o nome FES, por ser uma estimulação funcional. Sendo
assim, vamos mostrar como podem ser as correntes encontradas no FES.

Estas formas de correntes já foram mostradas no capítulo 2.5 e estão


sendo mostradas novamente porque o recurso FES pode usar qualquer uma
destas correntes, inclusive uma de forma retangular, que não está sendo
demonstrada nas figuras. O importante é que haja a opção de poder controlar a
freqüência desta corrente num intervalo de 1 a 100 Hz, pois é nesse intervalo
onde podemos obter contrações desde um abalo até a tetania.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


36

Bom, nesse caso, parece que estamos diante de uma corrente farádica
comum? Isso mesmo! Não há diferença. No entanto, vamos falar de mais
algumas características:
Vamos supor que você queira aplicar um estímulo no quadríceps para
ganho de força. Você programa dez minutos de aplicação, mas sabe que durante
esse tempo, vai ter que dar algumas pausas para o músculo readquirir condições
de funcionamento, ou então você lesiona a fibra muscular. O FES tem esse
recurso. Ou seja, você pode determinar dez minutos de tratamento e
programar quantas pausas terá durante o tratamento. Isso é feito através da
chamada Rampa.

A figura acima mostra a Rampa. A rampa representa graficamente como


a corrente se comporta durante todo o tempo de tratamento. Esta rampa
apresenta características importantes. Vamos descrevê-las em parágrafos:

1. O tempo de subida; sustentação e descida; juntos representam o


trabalho muscular, ou seja, o tempo em que o músculo está sendo
submetido à ação da corrente.
2. A pausa representa o tempo em que o equipamento ficará desligado,
permitindo a recuperação do músculo. É importante lembrar que esse
ciclo ocorrerá várias vezes durante o tempo de tratamento.
3. A pausa nunca deve ser menor do que o tempo de sustentação.
4. Se quisermos fazer uma sobrecarga grande em um músculo, fazemos o
trabalho maior do que a pausa.
5. Se quisermos fazer uma sobrecarga pequena, fazemos uma pausa
grande e um trabalho pequeno.

Essas regras são básicas. Precisam ser obedecidas sempre! Mas quais os
tempos que daremos para cada parte da rampa? Na verdade, não existe uma
tabela para cada patologia, mas existem condições que nos permitem
determinar para cada caso, o tempo ideal das partes da rampa. Vejamos:
Um determinado paciente vai passar por uma eletroestimulação para
obter aumento de tônus. Vamos dizer que este paciente é hemiplégico. Não

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


37

podemos determinar o tempo de cada parte da rampa em função da patologia.


Precisamos analisar a condição muscular; vascular; emocional; da impedância da
pele etc. Ou seja, para cada caso, mesmo com a mesma patologia, pode ser
necessário parâmetros totalmente diferentes. É necessário então, que seja
feita uma avaliação com a aplicação do estímulo para determinarmos o tempo
ideal para aquele músculo. Pode ser que um trabalho de 20 seg. seja pouco pra
um determinado músculo em boas condições, ou seja muito, para um outro
músculo mais debilitado, mesmo em pacientes com a mesma patologia.
Por isso, o melhor procedimento a seguir é: faça uma avaliação da
condição muscular do paciente, aplique a corrente respeitando os 5 parágrafos
apresentados acima, não deixe o músculo fadigar.
Agora vamos falar de uma outra característica do FES: O modo Síncrono
e o modo Recíproco. São estes dois modos que tornam este recurso funcional.
Estes modos têm haver com o modo em que os canais estão atuando:
quando todos os canais estão atuando ao mesmo tempo, estamos usando o modo
Síncrono e quando estão atuando de forma alternada, um de cada vez, estamos
usando o modo Ressíproco. Mas quando usamos um ou outro? Vejamos a tabela
abaixo:

Modo aplicação Síncrono Recíproco


2 canais no Agonista Contração Isotônica Não Indicado
1 canal no Agonista e 1 Contração Isométrica Contração Isotônica com
canal no antagonista mobilidade articular

Como observamos na tabela acima, o modo recíproco só é indicado quando


queremos fazer uma eletroestimulação funcional. Enquanto o modo síncrono é
indicado tanto para uma eletroestimulação em músculos que precisam ser
estimulados sem que haja uma mobilização articular (de forma isométrica)
quanto em grupos musculares isolados.

Indicação
A indicação da FES são os casos em que há necessidade de uma
eletroestimulação muscular. E principalmente aqueles em que a
eletroestimulação irá auxiliar num movimento. É o caso do paciente com
hemiplegia.
E no caso de espasticidade, o FES é antiespasmódico? Na realidade, não.
O que o FES pode fazer num caso de espasticidade é: se houver uma

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


38

musculatura antagonista que possa ser estimulada, e o estímulo produzir um


aumento do tônus com conseqüente diminuição da espasticidade da musculatura
agonista, o FES é um recurso que trará vantagens.

2.10 TENS

Introdução
O TENS é um recurso utilizado para promover analgesia. O uso deste
recurso não é a solução da dor nem é eficiente em todos os casos, no entanto,
se for aplicado de forma correta, durante o tempo necessário, trará analgesia
para uma parte bastante significativa dos pacientes.
As características do sinal da corrente utilizada no TENS para promover
analgesia é comumente similar ao que está sendo mostrado abaixo:

Esta figura não mostra um formato de pulso único utilizado pelo TENS,
mas mostra que são bifásicos e assimétricos. Estas características dão ao
TENS a vantagem de poder ser aplicado por períodos prolongados, sem que isto
traga danos teciduais, devido à eletrólise.
Este recurso é bem conhecido e suas propriedades analgésicas vêm
sendo estudada há bastante tempo. A estimulação elétrica vem sendo testada
em camundongos inclusive para produzir anestesia geral, de forma que já
sabemos que os principais mecanismos utilizados pelo TENS para produzir
analgesia são através da “comporta da dor” e da liberação dos opióides. Ver
capítulo 1.2

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


39

Tempo de Aplicação
O tempo de aplicação deste recurso não é um tempo fixo, na realidade,
trata-se de um valor estatístico onde a maioria dos pacientes obteve analgesia.
Quando dizemos que vamos utilizar 30 min. de aplicação, não queremos dizer
que com menos não há analgesia. Estamos dizendo que este é o tempo em que a
maioria dos pacientes apresenta analgesia. Então fica definido que utilizamos
como tempo mínimo de aplicação 30 min.
Como guia para definição do tempo de aplicação, vamos utilizar o
esquema apresentado abaixo:

A apresentação utilizada acima mostra uma forma racional da utilização


do tempo de aplicação do recurso TENS. O tempo mínimo de 30 minutos é um
valor estatístico e o tempo máximo de 60 minutos é uma forma de evitar danos
teciduais devido à aplicação prolongada da corrente, vale lembrar que a maioria
das correntes utilizada no TENS, são assimétricas. No gráfico acima, a frase
“utilizar tempo determinado”, significa que será aplicado 60 minutos com um
intervalo de 20 minutos quantas vezes isso for necessário para promover
analgesia total.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


40

Tipos de TENS
A questão de determinar alguns tipos de TENS é um método utilizado já
há um bom tempo, e são poucos os trabalhos que utilizam uma outra
metodologia de determinação dos parâmetros do TENS. Sendo assim, vamos
utilizar essa metodologia. Existem quatro tipos bem conhecidos de TENS:

1 Convencional
Este tipo de TENS utiliza os parâmetros com o objetivo de estimular o
chamado “portão da dor” já discutido no Cap. 12. suas características são:

Este tipo de TENS é preferencialmente utilizado para produzir


analgesia de curta duração, mas de ação rápida. Por exemplo: paciente tem um
torcicolo e o terapeuta não consegue fazer um alongamento da musculatura
porque o paciente sente muita dor à manipulação. Então vamos fazer uma
analgesia no local. Qual a vantagem do TENS convensional: sua ação é rápida.
Qual a desvantagem do TENS convencional: sua analgesia é de pouca duração,
mas neste caso específico, queremos produzir analgesia apenas para poder
manipular o paciente. Após essa manipulação, provavelmente o pacientes não
apresentará mais necessidade de um analgésico.

2 Acupuntural
Este tipo de TENS utiliza os parâmetros com o objetivo de estimular a
via chamada “via dos opióides” também já discutido no Cap. 12. Suas
características são:

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


41

Este tipo de TENS é utilizado para produzir analgesia de longa duração,


mas de ação um pouco retardada. Por exemplo: Numa paciente que tem
dismenorréia e que não apresenta espasmo lombar, seria indicada uma analgesia
de longa duração, já que a perspectiva é que sua dor dure 2 ou 3 dias. Qual a
vantagem do TENS acupuntural: analgesia de longa duração. Qual a
desvantagem do TENS acupuntural: não produz analgesia tão rápida quanto o
tipo convencional. Além disso, este tipo de TENS, por utilizar intensidades
elevadas de corrente, é contra indicado em regiões que apresentem espasmos
musculares.

3 Burst
Este tipo de TENS utiliza os parâmetros com o objetivo de estimular
tanto a via chamada “via dos opióides” quanto a “comporta da dor” já discutidas
no Cap. 12. suas características são:

Este tipo de TENS tem as duas características dos dois tipos


anteriores, pois estimula tanto a “via dos opióides” quanto a “comporta da dor”.
Esse feito deve-se ao fato deste tipo de TENS ter duas freqüência; a
freqüência da corrente e a freqüência do Burst. Muitos terapeutas preferem
este tipo por ter esta característica, mas na realidade, o tipo Burst não tem
exatamente o mesmo efeito do convencional e do acupuntural ao mesmo tempo.
Quando não podemos usar o acupuntural por ser uma área que tenha
espasmo muscular, utilizamos o TENS Burst por não ter esse tipo de restrição
e também utilizar a “via dos opióides”. Entre o TENS convencional e o Burst,
geralmente se opta pelo Burst, tanto por que ele também estimula a “comporta
da dor”, como pelo fato do tecido acomodar mais rapidamente com o TENS
convencional do que com o Burst.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


42

4 Vif
Este tipo de TENS geralmente utiliza os mesmos parâmetros do TENS
convencional já apresentado anteriormente. No entanto, ele apresenta
constantemente uma Variação em sua Intensidade e Freqüência. Qual a
vantagem que este tipo de TENS pode apresentar: evita acomodação do tecido.
Como eu falei, geralmente utiliza-se os parâmetros do convencional, mas esta
variação pode ser aplicada em qualquer tipo de TENS.

Método de Aplicação
Tipos de eletrodos
Esta corrente não apresenta restrições aos tipos de eletrodos, pois
trata-se de uma corrente utilizada geralmente com intensidades muito baixas.
Qualquer tipo de eletrodo que se adeque bem à pele pode ser utilizado. No
entanto, o mais utilizado é o de borracha siliconada com gel.
Modo quanto ao número de canais
Temos dois modos: o chamado bipolar (um canal) e tetrapolar (dois
canais).
O modo bipolar é indicado geralmente quando se trata de áreas pequenas
em que fica inconveniente a aplicação de quatro eletrodos, como é o caso de um
região pequena no tornozelo.
O modo tetrapolar é utilizado ou quando a área é grande, ou quando
queremos aplicar uma intensidade maior da corrente em determinado ponto.
Modo quanto à disposição dos eletrodos
Temos dois modos: cruzado ou paralelo. Estes modos só se aplicam
quando utilizamos dois canais (tetrapolar).
O modo cruzado é utilizado quando queremos uma aplicação de corrente
intensa em determinada área. Uma forma de produzir esta intensidade sem
aumentar o incômodo no paciente, é cruzar os eletrodos. Ver forma de
cruzamento na figura abaixo:

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


43

Note que o que chamamos de TENS no modo cruzado não tem haver com
a cor dos fios, e sim com o cruzamento das correntes de cada canal, ou seja, a
corrente do canal 1 cruza com a corrente do canal 2. no ponto de interseção
das corrente, temos um efeito maior do TENS. É nesse ponto que deve estar a
área alvo.
O outro modo é o denominado paralelo. Neste modo as correntes estão
paralelas uma à outra. Como vemos na figura abaixo:

Observe que nesta forma de aplicação a ação do TENS não é em uma


área central, mas em todo trajeto entre os eletrodos de cada canal. Quando
aplicamos esse modo? Por exemplo: se quisermos promover analgesia numa
dismenorréia, este seria o modo mais adequado. Ver figura abaixo:

Embora o modo cruzado venha sendo o mais utilizado na dismenorréia, é


bom lembrar que o que pretendemos fazer numa aplicação de TENS em um
paciente com dismenorréia, é produzir uma ação no plexo lombar para desse
modo inibir a passagem do estímulo doloroso que vem do útero. E é com este
método de aplicação que cobrimos todo o plexo dos dois lados.
Existe ainda um outro modo chamado radicular caracterizado pela
colocação dos eletrodos no trajeto de alguma raiz nervosa.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


44

2.11 A Corrente Interferencial

Introdução
Por que os recursos elétricos incomodam tanto? Não há como produzir os
mesmos efeitos fisiológicos sem os formigamentos, as queimações... ?
Foi pensando assim, que surgiu a corrente interferencial. Foi descoberto
que o principal fator de incômodo era provocado pela alta tensão a que a pele
era submetida em uma eletroestimulação. Ora, usando uma fórmula bem
simples (mostrada abaixo),

Observamos que para mantermos uma determinada corrente com uma


tensão menor, só se diminuirmos também a resistência. E assim foi feito,
através do uso de gel para acoplar os eletrodos, usar eletrodo esponjoso,
limpar a pele antes de aplicar o eletrodo, aplicar na parte da pele que esteja
mais hidratada etc. No entanto, isso não foi suficiente. A baixa da resistência
foi pequena e conseqüentemente a baixa da tensão teve que ser também
pequena. E não houve diminuição significativa dos inconvenientes da
eletroestimulação.
No entanto, sabendo que a diminuição da tensão pode ser conseguida
pela diminuição da impedância do tecido (ver definição no cap 2.2), e que a
impedância do tecido muda com mudança da freqüência da corrente, este
método foi utilizado para resolver o problema. Quanto maior a freqüência,
menor a impedância. É por isso que a corrente interferencial tem uma
freqüência de 4.000 Hz.

Características
Como o próprio nome sugere, corrente interferencial é a interferência
de uma corrente em outra, produzindo uma terceira corrente. Este fenômeno
ocorre conforme mostrado no esquema seguinte:

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


45

Conforme apresentado acima, vamos fazer algumas considerações:

1. Se a corrente interferencial é produzida através da interferência de


duas outras correntes, não é possível produzir uma corrente
interferencial com apenas um canal, a não ser que seja uma corrente
interferencial dentro do equipamento e não dentro do organismo. Mas
dessa forma, a corrente perderia algumas propriedades como o aumento
da impedância produzido pelo tecido.

2. Também não é possível produzir corrente interferencial sem que os


dois canais estejam dispostos de forma cruzada. Pois a interferencial só
se forma quando as duas correntes são cruzadas dentro do tecido.

3. A terceira corrente formada tem característica diferente das duas


outras provenientes de cada canal, pois esta tem duas freqüências, uma
média e uma baixa freqüência..

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


46

Qual a área de atuação atingida pela corrente interferencial? Algumas


considerações a respeito deste assunto são apenas teóricas, mas podemos
considera o seguinte:
Se for utilizado o modo vetorial, a área atingida é toda aquela limitada
entre os quatro eletrodos; se for utilizado o modo normal (sem vetor), a área
atingida é uma área central entre os quatros eletrodos. Ver figuras abaixo.

Resumindo, podemos dizer que a corrente interferencial é um tipo de


corrente que foi criada com o objetivo de induzir o tecido a apresentar uma
menor impedância frente a corrente, e que como conseqüência, promove um
efeito fisiológico mais intenso, ou, promove um efeito fisiológico com menos
incômodo para o paciente.
Mas quais são estes efeitos fisiológicos?
É comum atribuir à corrente interferencial, dois efeitos fisiológicos
principais: analgesia e aumento da velocidade de cicatrização.

Indicação
Analgesia: Não são fáceis de encontrar parâmetros específicos da
corrente interferencial para promover analgesia. Por isso, é de bom senso que
utilizemos a corrente interferencial com os mesmos parâmetros do TENS
quando quisermos promover a analgesia. A vantagem de aplicarmos esses
parâmetros com a corrente interferencial é que a interferencial produz um
efeito mais intenso, já que o tecido apresenta uma impedância menor a esta
corrente.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


47

Aumento da Cicatrização:
Atribui-se também à corrente
interferencial, a capacidade de promover aumento da cicatrização. Os
parâmetros a serem utilizados também neste caso não estão definidos para a
corrente interferencial. No entanto, nos guiando em alguns protocolos
estabelecidos por alguns pesquisadores para o uso da corrente bifásica na
cicatrização, vamos estabelecer que:

A freqüência: 40Hz a 100Hz


A intensidade: 15 a 30mA (logo abaixo da contração)
Tempo: 2 vezes por dia (com sessão de 20 minutos)
Posição: eletrodos em torno da ferida

2.12 A Corrente Russa

Esta é uma corrente que atualmente é bastante conhecida, embora tenha


sido criada há várias décadas atrás. Assim como a corrente interferancial, esta
corrente apresenta um efeito fisiológico mais intenso do que outros tipos que
são usadas com o mesmo objetivo.
Existe outro nome para essa corrente: Corrente de Kots. Kots foi o
criador desta corrente. Também existem outras correntes com características
semelhantes. O autor desta corrente descreveu-a inicialmente em 1977 como:
uma corrente alternada sinusoidal (bifásica) de 2.500 H z com uma freqüência
de estímulo de 50 Hz e com um tempo de cada envelope de 10 ms e intervalo
entre eles de 10 ms. É semelhante à representação gráfica abaixo:

Freq. 50Hz

|-------|------|
10ms 10ms

Além destas características, os equipamentos de corrente Russa, têm


várias funções que podem tornar a corrente adequada para várias ocasiões. A
freqüência de carreamento é de 2500Hz
O efeito fisiológico desta corrente limita-se à contração muscular. A
grande vantagem da corrente russa é que seu efeito é mais intenso, devido à

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


48

diminuição da impedância. Não há indicação desta corrente como produtora de


qualquer outro efeito fisiológico.

Indicação terapêutica
A indicação desta corrente está ligada diretamente ao seu efeito
fisiológico. No entanto, diferentemente do FES já visto anteriormente, o fato
dos equipamentos de corrente Russa têm vários canais, seu uso terapêutico é
ampliado. As principais indicações são:

Fortalecimento muscular
O fortalecimento muscular promovido por esta corrente tem se
mostrado eficiente já que com ela ocorre um recrutamento maior do que com o
uso do FES. Outro fator importante é que devido ao menor incômodo, é
possível utilizar uma maior intensidade, e conseqüentemente, um maior efeito.
O uso é semelhante ao FES, ou seja: colocam-se os eletrodos nos pontos
motores dos músculos, escolhemos o modo, freqüência, intensidade etc. Os
equipamentos que utilizam a corrente Russa, não têm polaridade. Sendo assim,
não existe escolha de qual eletrodo vai ao ponto motor. Uma outra grande
vantagem dos equipamentos que utilizam estas correntes é o número de canais.
É possível fazer fortalecimento de grandes grupos musculares como os
quadríceps que tem quatro pontos motores, ou mesmo, de todos os músculos de
um membro inferior quando utilizamos Equipamentos com 10 ou mais canais.
Os eletrodos utilizados são os de borracha com gel e fita crepe. Todos
os recursos presentes no FES estão presentes nos equipamentos de corrente
Russa.

Drenagem linfática
A drenagem linfática é uma técnica que realizada manualmente tem
mostrado bastante benefício. Uma forma de realizar a drenagem é através do
amassamento de forma seqüencial no sentido centrípeto.
Alguns fisioterapeutas decidiram utilizar a corrente russa para realizar
este trabalho. A aplicação é realizada como mostrado na figura abaixo:

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


49

Como podemos ver na figura acima, os canais não são colocados nos
pontos motores dos músculos. É claro que desta forma a contração muscular
não é tão eficiente, no entanto, é suficiente para simular um amassamento.
Regulamos a corrente Russa para realizar as contrações no modo seqüencial e
ela irá realizar contrações no sentido centrípeto, simulando assim uma
drenagem.
Esse sistema de drenagem precisa ser complementado antes com uma
desobstrução manual dos gânglios e também com uma drenagem manual, pois
esse sistema de drenagem realizado com a corrente Russa, não é capaz de
sozinho realizar uma drenagem eficiente.

3. RECURSOS TÉRMICOS
No início dessa apostila, falamos sobre os efeitos fisiológicos do calor e
do frio. Vamos agora abordar os recursos utilizados na termoterapia que
utilizam a retirada de calor e a adição de calor como recurso terapêutico.
Iremos abordar inicialmente recursos mais simples, muito embora, alguns
deles já estão em desuso tanto pelo número de contra-indicações como pela
substituição por recursos mais avançados e mais eficientes.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


50

3.1 Forno de Bier

Características
Este foi um dos primeiros recursos utilizados na fisioterapia. Suas
características podem ser vistas na figura abaixo: é semelhante a uma calha,
possui uma resistência interna responsável pelo aumento da temperatura,
possui um termostato e nada mais.

O mecanismo de transferência de calor utilizado pelo forno de Bier é


por radiação e convecção, este recurso têm um baixo poder de penetração.
Antes de abordarmos as indicações e as técnicas de aplicação, vamos comentar
sobre algumas desvantagens, motivo pelo qual o forno de Bier esta entrando em
desuso.

Principais desvantagens do forno de Bier


1. Difícil controle da temperatura, pois o termostato (que não faz
parte de todos os fornos) não faz um controle de temperatura
eficiente devido à variação de temperatura interna.
2. A inexistência de um cronômetro (timer) que desligue o forno
no momento determinado. Isso obriga o terapeuta marcar em
seu próprio relógio, ou adquirir um despertador.
3. É raro encontrar fornos que sejam pequenos, sendo assim,
aplicamos sempre em grandes áreas, por exemplo: se quisermos
aplicar o forno no joelho, temos que aplicar em parte da perna
e parte da coxa.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


51

4. Devido à baixa penetração e à grande área do forno, é


necessário um tempo bastante grande de exposição para
produzir o efeito fisiológico. Isso não só toma muito tempo do
terapeuta, como proporciona um consumo de energia elevado.

Estas desvantagens são os principais motivos do forno de Bier estar


entrando em desuso, No entanto, ainda é utilizado.

Técnica de Aplicação
A forma de aplicação do forno de Bier e bastante simples: Após ser
constatada a necessidade da aplicação do calor superficial sobre determinada
região do paciente, o mesmo será colocado em uma posição confortável (se for
a coluna lombar, por exemplo, coloca-se o paciente em decúbito ventral, com
uma almofada sob o abdome). Coloca-se o forno de Bier sobre a região, que
deverá estar despida, e em seguida coloca-se um cobertor de flanela sobre o
forno para fechar as aberturas laterais, impedindo assim, a perda de calor.
O tempo de aplicação do forno geralmente varia de 20 a 30 minutos.
Todo esse tempo de aplicação do calor é necessário pois o forno não tem calor
suficiente para elevar a temperatura do corpo com facilidade, devido à
capacidade de dissipação do organismo e à baixa capacidade de produção de
calor do forno.
Alguns terapeutas sugerem pré-aquecer o forno, no entanto, essa
metodologia não fará diferença significativa.

Indicações
Todas as indicações atribuídas ao forno de Bier, são as mesmas
atribuídas a todos os recursos que produz calor superficial, respeitando-se os
cuidados e contra-indicações de cada recurso.
Como exemplo, podemos citar: Relaxamento muscular, quando se trata de
músculos superficiais, a região dorsal é um exemplo. Sobre edema duro, para
facilitar sua drenagem. É importante lembrar que o calor não faz drenagem, ele
apenas facilita uma manipulação ou uma manobra, já que vai diminuir a
viscosidade do edema. Aumento da circulação local superficial.
Algumas pessoas indicam o forno de Bier para diminuição de gordura.
Não há nenhuma explicação que justifique este uso.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


52

Cuidados / Contra-indicações
Como cuidados, é importante informar ao paciente que ele não pode ficar
se movimentando sob o forno, já que existe o risco de queimadura; avisar ao
paciente que qualquer aumento de calor, ou qualquer sensação incomum como
tontura etc. deve-se informar imediatamente ao terapeuta. È importante
também não atribuir ao paciente a função de monitoramento do tempo, pois
geralmente os pacientes dormem após 10 ou 15 minutos de exposição ao forno.
Como contra-indicações, temos:
1. Perda da sensibilidade térmica. O paciente que não tiver essa
sensibilidade é uma contra-indicação pois pode sofrer queimaduras
2. Tumores. Independente de ser maligno ou benigno, deve-se evitar a
aplicação de calor local, já que aumentará seu crescimento.
3. Lesões na pele. Nesse caso, estamos falando de lesões agudas, já que
estas não devem ser submetidas ao calor.
4. Problemas vasculares, como aumento da fragilidade vascular, varizes
ou pacientes com baixa de plaquetas ou qualquer alteração que possa
colocar o paciente em risco.
5. Edemas agudos.

3.2 Parafina

Características
Trata-se de mais um recurso térmico utilizado na fisioterapia. A figura
abaixo mostra um exemplo do formato dos tanques utilizados para a aplicação
da parafina.
É um recurso semelhante a um banho Maria.
Dentro do recipiente é colocado um
hidrocarboneto (a parafina), que deve ser
específica para uso com a fisioterapia. Esta
parafina tem um ponto de fusão próximo dos 45oC,
pois é importante que o paciente possa mergulhar
o membro na parafina líquida, e que ela solidifique
com a temperatura ambiente, ou seja, quando o
paciente retirar a mão do recipiente.
Algumas parafinas adquiridas não estão com esse ponto de fusão, para
isso devemos regular esse ponto. Como fazemos isso:

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


53

1. Aquecemos a parafina até torná-la totalmente líquida, em seguida


deixamos ela esfriar até começar a formar uma nata bem fina. Nesse
ponto fazemos a leitura da temperatura com um termômetro e devemos
encontrar entre 40oC e 45oC. Se essa temperatura estiver mais alta,
colocamos óleo mineral e fazemos o mesmo procedimento anterior até
colocar-mos a parafina no ponto de fusão ideal.

Limpesa da parafina
Esse é um dos fatores muito importante, já que a parafina usada é
reaproveitada no final do tratamento. Por isso, existem dois tipos de limpeza:

1. A limpeza indicada apenas para fazer assepsia, já que é possível


encontrar bactérias e fungos após uma aplicação. Nesse caso, basta
colocar novamente a parafina no tanque, e aquecer a 100oC durante 5
minutos.
2. A limpeza indicada para retirar resíduos da parafina, já que é comum
encontrar cutículas, cabelo, células mortas etc, que precisam ser
retiradas. Neste caso, colocamos a parafina em um recipiente com a
mesma quantidade de água e deixamos aquecer por 10 minutos a 100oC.
Esse procedimento fará com que a água e as impurezas desçam para o
fundo do recipiente e a parafina fique na superfície. Ao esfriar,
retiramos a parafina.

3.3 Infra-Vermelho

Definição
A radiação Infra-vermelho é uma radiação obtida de qualquer corpo que
esteja acima do zero grau Kelvin, ou seja, qualquer corpo que tenha energia
cinética, também produz radiação infra-vermelho. Esta radiação tem um
comprimento de onda que varia de 760nm a 1mm, e está localizada logo abaixo
do espectro visível e acima das microondas. Embora não possamos ver a
radiação infra-vermelho à olho nu, existem equipamentos que podem medir o
nível desta radiação nos corpos, como podemos ver na figura abaixo:

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


54

Nível da radiação Infra-vermelho emitida por um cachorro.

Classificação
Há uma classificação do Infra-vermelho que está relacionada
principalmente à sua absorção. Esta classificação divide o espectro em três
faixas:

Faixa da radiação Indicação Penetração


IVA Uso terapêutico Aproximadamente 3mm
IVB Uso terapêutico Aproximadamente 0,5mm
IVC Sem uso terapêutico Insignificante

A faixa de radiação utilizada para a terapeuta é o IVA, cujo


comprimento de onda fica na faixa de 760nm a 1400nm. A fonte de radiação
utilizada para obter este comprimento de onda, são fontes luminosas, cuja
potência varia geralmente entre 150 e 250 W.

Lâmpada de IV

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


55

Método de aplicação
O mecanismo de aplicação da radiação IV é dependente da sensibilidade
térmica do paciente, sendo assim, procedemos da seguinte forma:

1. Colocamos o paciente bem acomodado para evitar que haja movimento


e com isso evitar que seja alterada a distância entre o tecido e a fonte;
2. despimos a área a ser tratada, devido ao baixo poder de penetração
da radiação;
3. ligamos a fonte de IV para promover um aquecimento prévio, devido à
inércia térmica. Esse aquecimento dura em torno de 5 min.
4. Aplicamos a lâmpada de infra-vermelho a uma distância necessária e
suficiente para promover um calor confortável. Isso pode variar conforme a
potência da lâmpada, a área a ser tratada, a temperatura ambiente.
Geralmente fica em torno de 30 cm a 45 cm.

A dose utilizada na aplicação da radiação IV é então aquela necessária


para produzir um calor confortável no tecido.

Indicação terapêutica
A indicação do IV é aquela onde seria indicado o calor superficial. Para
optar por esse recurso, no entanto, também levamos em conta as contra-
indicações e cuidados necessários. Vamos a algumas indicações:

Retração cicatricial. Este é o caso de pacientes que foram vítimas de


queimaduras e as cicatrizes formadas posteriormente são motivos de limitação
da amplitude articular, e é motivo também de estética. O IV é uma boa
indicação neste caso pela facilidade que o calor vai proporcionar ao
alongamento que será realizado nesta paciente, com o objetivo de aumentar a
amplitude articular.
O tempo de aplicação depende da área a ser tratada, de forma que uma
área semelhante à região anterior do antebraço necessitaria de um tempo de
aplicação de aproximadamente 10 min.
Após a aplicação do IV, o paciente pode ir para a o alongamento.

Aumento da circulação: Existem alguns casos em que o aumento da


circulação local é bastante conveniente, como quando queremos facilitar um
reparo na superfície, ou para facilitar a reabsorção de catabólitos etc.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


56

A forma de aplicação já foi discutida atrás e é a mesma para todas as


indicações. O tempo de aplicação também já foi mencionado e é também igual
em todos os casos, ou seja, uma área igual à região anterior do antebraço exige
um tempo de aproximadamente 10 min.

Hematoma: Esta é mais uma das indicações do infra-vermelho. O que irá


ocorrer é que o calor produzirá um aumento do metabolismo das células
responsáveis pela reabsorção e isto aumentará a velocidade da função celular
responsáveis pela reabsorção. Além disto, será diminuída a viscosidade do
tecido e será aumentada a circulação local.

Várias outras indicações existem para o uso do IV. E isto se deve à


produção do calor produzida por essa radiação.

Contra-Indicações
1. Perda de sensibilidade térmica
2. Circulação cutânea comprometida
3. Pacientes com problemas psiquiátricos
4. Tumores
5. Olhos.

3.4 Ultra-Violeta

Definição
O ultra-violeta é uma radiação eletromagnética cuja freqüência
encontra-se entre os valores 100nm e 400nm. Pode ser obtida naturalmente da
radiação solar, compõe 7% desta radiação.

Classificação
Existe uma classificação utilizada para radiação Ultra-Violeta, que está
relacionada à absorção desta radiação pela camada de ozônio, ver tabela
abaixo.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


57

Uma outra classificação está ligada ao efeito biológico que esta radiação
pode provocar. Sendo assim, a classificação fica conforme a tabela abaixo:

O termo Biótico significa compatível com a vida, sendo estas radiações


(UVA e UVB) as únicas que podem ser utilizada para tentarmos obter algum
efeito terapêutico. A radiação UVC tem seu uso como germicida, devido sua
característica abiótica.

Fontes de Ultra-Violeta
A produção artificial do ultra-violeta é feita através de lâmpadas. Estas
lâmpadas são caracterizadas como especiais, já que são produzidas de forma

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


58

diferenciada e não podem ser utilizadas para iluminação. Abaixo temos alguns
exemplos destas lâmpadas.

Algumas destas lâmpadas são feitas especificamente para serem usadas


como bronzeadoras, veja foto abaixo:

Determinação da dose adequada


A determinação da dose é feita através de uma avaliação prévia
utilizando-se um cartão com várias aberturas. Este cartão será utilizado para
determinação do tempo de exposição necessária para a produção do chamado
E1 (eritema 1). A utilização é feita como mostra a figura abaixo:

O cartão de dose é colocado sobre a pele do paciente e em seguida,


coloca-se a fonte de Ultra-Violeta sobre o cartão há uma distância de
aproximadamente 40 ou 50cm. As aberturas do cartão são fechadas a cada

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


59

1minuto, após todas as aberturas serem fechadas, procuramos em qual


abertura ocorreu a formação do eritema 1. O tratamento será realizado por um
período de tempo igual ao da abertura onde foi encontrado o eritema 1. Neste
caso, devemos utilizar a mesma fonte de U.V. e a mesma distância utilizada
para fazer a exposição com o cartão de dose.
Será considerada como eritema 1 o local onde encontrarmos uma marca
levemente avermelhada ou bronzeada, depende do tipo de pele exposta. Os
tempos que produziram marcas intensas ou não produziram marcas, não serão
considerados. A figura abaixo mostra os tipos de eritemas:

Indicações

Psoríase
A psoríase é uma doença de pele cuja freqüência fica em torno de 1 a 3%
da população, sendo caracterizada por lesões avermelhadas ou róseas, e
acompanhada por escamações secas e esbranquiçadas.
Existem vários tipos de psoríase. Abaixo apresentamos uma imagem de
um dos tipos:

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


60

As causas exatas não estão bem claras, embora haja um crescimento


anômalo de células, como se a causa tivesse sido uma lesão que estivesse sendo
reparada.
Assim sendo, muitas células da pele são criadas e empurradas para a
superfície num prazo curto de 2 a 4 dias. Essa velocidade de produção das
células produz um acúmulo e começam a descamar formando as típicas lesões
da Psoríase.
Atribui-se que sua origem está principalmente ligada à hereditariedade,
e que 30% dos casos têm antecedentes familiares.
O tratamento da psoríase no sentido de evitar uma piora ou recidivas é
conseguido através de várias condutas:
Evitar o stress, evitar descamações voluntárias, e outras condutas
indicadas pelo dermatologista.
Além da conduta apresentada, duas informações são importantes: os
pacientes que tomam banho de sol apresentam melhora, e pacientes que tomam
medicamentos que protegem a pelo do sol, como os anti-maláricos, apresentam
piora do quadro, assim como acontece no inverno.
É devido à explicação apresentada, que o uso do ultra-violeta é uma das
terapias indicadas no tratamento da psoríase. No entanto, a aplicação deve ser
precisa, ou seja, a dose adequada é aquela necessária e suficiente para obter o
eritema 1. A aplicação pode ser diária até a melhora do quadro.

Bronzeamento Artificial
O bronzeamento é um fenômeno natural e de extrema importância para a
vida. É um mecanismo de defesa do organismo, ou seja, todas as vezes que
somos expostos a uma dose significativa de Ultra-violeta, o organismo
“interpreta” que é melhor concentrar toda a radiação na superfície (mesmo que
haja perda de alguma camada celular), do que permitir que a radiação atinja
camadas mais internas da pele e alcance células ainda não diferenciadas.
O mecanismo utilizado para conseguir limitar o alcance da radiação às
primeiras camadas de células, é utilizando a melanina. O bronzeamento é a
tonalidade adquirida pelas pessoas que foram expostas ao Ultra-violeta e
liberaram quantidade significativa de melanina no tecido epitelial.
O bronzeamento pode ser conseguido através da exposição ao sol, no
entanto, é importante estarmos consciente de que este fenômeno é um
mecanismo de defesa e não um recurso estético.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


61

Os tipos de pele
Várias considerações são importantes antes da exposição da pele para
obtenção do bronzeamento, principalmente se este for artificial, pois o
paciente estará sendo exposto a uma quantidade de radiação exclusivamente
composta por Ultra-violeta.
Um destes fatores é o tipo de pele. O tipo de pele é tão importante que
alguns tipos de pele (como as dos albinos), nunca deveriam ser expostas a
doses significativas de Ultra-violeta. A tabela abaixo mostra os tipos de pele e
suas características.

Outras considerações importantes são: História de câncer familiar, ou


com a própria paciente, principalmente o câncer de pele. Presença de sinais
com distrofia acentuada, gravidez, uso de anticoncepcionais etc. Além disso, a
paciente deve assinar um termo de conscientização de que a radiação a que ela
estará sendo exposta pode provocar seqüelas graves a curto e a longo prazo,
como é o caso de um possível câncer de pele. É importante também saber que
80% da radiação de UV emitida à terra pelo sol, chega entre os horários de 9h
e 15h. sendo assim, os melhores horários para um bronzeamento leve e
“saudável” seria fora destes horários.
O tempo de exposição em uma cama de bronzeamento artificial poderia
ser determinado em função do mesmo teste apresentado atrás. No entanto, a

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0


62

metodologia utilizada é o seguinte: tipo de pele, área corpórea, investigação de


lesões, outros.

Método de Exposição
O método natural é a exposição ao sol, como já sabemos. O artificial são
as camas de bronzeamentos como podemos ver em uma imagem abaixo:

Cama de bronzeamento artificial

Estas camas são emissoras de UVA e/ou UVB.

Outras indicações
Acne, eczema, produção de vitamina D.
Precauções
Queimaduras, os olhos, gravidez, amamentação.

Prof. Alberto Monteiro Peixoto Apostila do Curso de Eletroterapia Versão 1.0