Anda di halaman 1dari 8

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS


DEPARTAMENTO DE SOLOS

SOL 375 - FERTILIDADE DO SOLO


ANÁLISE DE CORRETIVOS DA ACIDEZ
- ANÁLISE DE CALCÁRIO-

1. Introdução
Os calcários são os materiais corretivos da acidez mais empregados, portanto,
nesta prática concentrar-se-á na análise de calcário. A análise de calcário visa obter
informações sobre:
a) o poder neutralizante (PN),
b) eficiência relativa (ER) ou reatividade (RE)
c) os teores de cálcio e magnésio.
As duas primeiras características são necessárias para estabelecer o poder
relativo de neutralização total (PRNT), que também pode ser expresso como poder de
neutralização efetiva (PNE). A característica PRNT ou PNE, é empregada para corrigir o
valor da necessidade de calagem (NC), calculada em termos de CaCO3, para quantidade do
corretivo a ser utilizado. Os teores de Ca e Mg também são importantes porque em muitas
situações o calcário é empregado como fontes destes nutrientes.

a) Poder Neutralizante (PN)


O PN caracteriza o teor de componentes neutralizantes existentes no calcário,
lembrando que estes correspondem a cátions (Ca2+, Mg2+, principalmente) associados a

ânions receptores de prótons ( CO 32- , OH - , O - , SiO 32- ). Portanto, conclui-se que, nem todo o

Ca ou Mg presente na estrutura cristalina da rocha calcária terá poder neutralizante.


O CaCO3 na sua forma pura para análise (p.a.) é tido como composto padrão
para neutralização da acidez, sendo seu PN igual a 100. Assim, convencionalmente tem-se
expresso o PN dos corretivos em termos relativos ao CaCO3 (um Calcário A com PN igual a
80% significa que 100 g deste terá o mesmo efeito neutralizante do que 80 g de CaCO3).
De acordo com o Sistema Internacional de unidades (SI) o PN do calcário deve
ser expresso em termos de mol de carga por unidade de massa do corretivo (em 80 g de
CaCO3 existem 1,6 molc, portanto, o PN do Calcário A acima é 1,6 molc / kg, ou seja 100 g
desse calcário neutralizam 1,6 molc de acidez, enquanto que 100 g de CaCO3 neutralizam 2
molc de acidez), considerando que a correção da acidez se dá por meio de reações que
envolvem cargas elétricas na solução do solo e no complexo sortivo.
O método de análise consiste em adicionar a uma determinada massa de
corretivo uma quantidade conhecida, e em excesso, de ácido (HCl). Após um tempo de
83
reação para a dissolução da amostra dosa-se, por titulometria ácido-base, a quantidade de
ácido que sobrou. Após realizada a prova em branco (titulometria ácido-base), a diferença
fornece a quantidade de acidez neutralizada pela massa de corretivo.

b) Eficiência relativa (ER) ou Reatividade (RE)


A ER do calcário caracteriza sua reatividade, o que depende do tamanho de
suas partículas, sendo que, quanto menor o tamanho maior será a reatividade, devido à
maior superfície específica. A ER refere-se à fração granulométrica do calcário que é
solubilizada dentro de um período de 3 meses. A ER dependerá, portanto, da composição
granulométrica, categorizada por classes de tamanho de partículas, que têm eficiências
relativas específicas e são apresentadas no quadro abaixo:

Frações granulométricas (mm) Peneira “ABNT” 1/ de separação ER %

> 2,00 retida nº 10 0

2,00 0,84 passa nº 10 retida nº 20 20

0,84 0,30 passa nº 20 retida nº 50 60

0,30 passa nº 50 100


1/ o o
ABNT: Associação Brasileira de Normas Técnicas. Peneira n 10: malha de 2mm; peneira n 20:
o
malha de 0,84 mm e peneira n 50: malha de 0,30 mm.

A legislação atual exige que 100% do calcário passe pela peneira de 2mm, 70%
passe pela de 0,84 mm e 50% passe pela peneira de 0,3 mm, admitindo-se uma tolerância
de 5 % na peneira de 2 mm.

c) Teores de cálcio e magnésio


O calcário, além de corretivo da acidez, é a principal fonte para elevar os teores de
Ca2+ e Mg2+ no solo, portanto conhecer os teores destes elementos no calcário é
fundamental. Convencionalmente os teores de Ca e de Mg são expressos em termos dos
seus óxidos CaO e MgO, respectivamente.
Em função dos teores de Mg os calcários são classificados em calcítico (< 5% de
MgO), magnesiano (5 a 12% de MgO) ou dolomítico (> 12% de MgO). Dado aos baixos
teores em Mg2+ dos solos dá-se preferência à utilização do calcário dolomítico.

84
2. Objetivo

Esta prática tem por objetivo determinar o poder neutralizante e a eficiência


relativa de uma amostra de calcário, para estabelecer seu poder relativo de neutralização
total (PRNT) que é obtido dividindo-se por 100 o resultado do PN multiplicado pela ER.

3. Protocolos das análises

a) Reagentes e materiais
HCl 1 mol/L: Diluir 85 mL de HCl concentrado (d = 1,19 g/cm3 ) em água destilada e
completar o volume para 1000 mL. Esta solução deverá ser padronizada. A
concentração da solução também pode ser expressa como 1 molc / L de H+.
NaOH 1 mol / L: Dissolver 40 g de NaOH p.a. em água destilada e completar o volume
para 1000 mL.. Esta solução deverá ser padronizada. A concentração da solução
também pode ser expressa como 1 molc / L de OH-.
Fenolftaleina 1% p/v: dissolver 1 g de Fenolftaleina em 100 mL de álcool etílico.
Peneiras números 10, 20 e 50, classificadas de acordo com normas da ABNT, com
diâmetro de 20 cm e altura de 5 cm.

b) Protocolo de determinação do poder neutralizante (PN)

Em um erlenmeyer de 250 mL colocar 1 g do calcário e 25 mL de HCl 1 molc / L,


padronizado (este volume fornece uma quantidade de acidez em excesso). Em outro
erlenmeyer adicionar 25 mL do HCl 1 mol/L (prova em branco). Aquecer os erlenmeyers em
chapa quente e deixar ferver por 5 minutos. Deixar esfriar, adicionar 3 gotas de Fenolftaleina
(solução permanecerá incolor) e titular com a solução padrão de NaOH 1 mol / L até a
solução assumir coloração rosa. Anotar os volumes de NaOH gastos na titulação da
amostra (VA) e da prova em branco (VB).

85
b.1. Exemplo de cálculo:
Para exemplificar os procedimentos de cálculo vamos assumir que:
- na análise de um calcário gastou-se 2,5 mL (VA) da solução de NaOH 1 mol/L.
- na titulação da prova em branco gastou-se 25 mL (VB) da solução de NaOH 1 mol/L.

Com a titulação da prova em branco obtém-se a quantidade de base necessária para


neutralizar a acidez contida nos 25 mL do HCl, portanto a quantidade de H+ efetivamente
adicionado para reagir com a amostra de calcário:
mol c
mol c de OH - VB x mol c H nos 25 mL do HCl
L
molc
molc de OH - 0,025L x 1 0,025 molc H nos 25 mL do HCl
L

Com a titulação referente à amostra, se está dosando a quantidade de base necessária


para neutralizar a acidez que sobrou após a reação do ácido com a amostra de 1 g do
calcário. Portanto a quantidade de H+ remanescente.

mol c
mol c de OH - VA x mol c H remanescen te da reação com o calcário
L
mol c
mol c de OH - 0,0025L x 1 0,0025 mol c H remanescen te
L

Daí, por diferença tem-se a quantidade de H+ efetivamente que foi neutralizada pelo
calcário, ou seja o poder de neutralização (PN):

PN 0,025 molc H adiconado - 0,0025 molc H remanescente


PN 0,0225 molc H ( consumido pelo calcário)
Considerando que foi empregado uma grama de calcário, tem-se que o PN pode ser
expresso como:
0,0225 mol c 22,5 mol c 22,5 mol c
PN ou
1g 1 000 g kg

86
Usualmente o PN é expresso em termos relativos ao CaCO3. Para tanto deve-se
considerar que:

100 g 50 g
1 mol CaCO 3 tem 2 mol c , logo
mol mol c

1 molc CaCO3 = 50 g

22,5 mol c 22,5 mol c x 50 g / mol c 1125 g de CaCO 3


PN
1 000 g 1 000 g 1 000 g de calcário

112,5 g de CaCO 3
PN 112,5 %
1 00 g de calcário

O PN de 112,5 g de CaCO3 por 100 g do calcário (112,5 %) indica


que: 100 g do calcário tem o mesmo efeito neutralizante do que
112,5 g de CaCO3 (para neutralizar 2,25 molc de acidez são
necessárias 100 g do calcário ou 112, 5 g de CaCO3).

87
c) Protocolo de determinação da eficiência relativa (ER) ou reatividade (RE)
Sobrepor as peneiras na ordem da menor malha (# 50) para a maior malha
(#10). Pesar de 100 a 200 g de calcário e colocar sobre a peneira superior. Agitar por 5
minutos e pesar a quantidade de calcário retido em cada peneira e a que passou pela última
(#50). Expressar os resultados em termos relativos à massa de calcário pesada.

c.1. Exemplo de cálculo


Pesaram-se 200 g do calcário e após a pesagem obteve-se:
Peneira: # 10 # 20 # 50
Partículas: > 2,0 0,84 - 2,0 0,30 -0,84 < 0,30
Massa pesada 2 23 30 145
Distribuição relativa (%)1 1 11,5 15 72,5

1
A distribuição relativa de cada fração é calculada pela fórmula:
massa pesada
x 100
200
Considerando-se a eficiência relativa de cada uma das frações, apresentadas em tabela
mostrada no “b” da Introdução, calcula-se a ER ou RE:

(1 x 0) (11,5 x 20) (15 x 60) (72,5 x 100)


ER ER 83,8 %
100

Este valor de ER indica que 83,8 % do calcário será dissolvido no solo em um período
de três meses.

A ER também pode ser expressa de forma adimensional como reatividade (RE):

RE = (1x 0) + (11,5 x 0,20) + (15 x 0,60) + 72,5 x 1,00)


RE = 838 g/kg ou 838 g / 1000 g
RE = 0,838

88
d. Cálculo do poder relativo de neutralização total (PRNT) ou poder de neutralização efetiva (PNE)

Tanto o PRNT como o PNE ponderam o poder de neutralização (PN) e a


reatividade (RE) do calcário, em uma única grandeza. O PRNT que é a grandeza ainda
amplamente utilizada é expressa em termos relativos ao CaCO3, enquanto que o PNE
corresponde à mesma grandeza expressa em termos absolutos.

PN x ER
PRNT
100
112,5 x 83,8
PRNT PRNT 94,3 %
100

Este valor de PRNT, indica que 100 partes (g, kg ou t) do calcário tem o mesmo
valor neutralizante que 94,5 partes de CaCO3, considerando um período de 3 meses.

Em termos de PNE (valor absoluto) será:

mol c
PNE PN x RE
kg

22,5 mol c mol c


PN E x 0,838 18,9
kg kg

Esta grandeza indica que 1 kg do calcário tem um poder de neutralização efetiva de


18,9 molc de acidez.

89
Determinação do poder neutralizante (PN)

25 mL HCl 1 mol/L
1g (excesso de ácido)
Calcário Colocar na chapa quente
(ferver por 5 minutos)

(Deixar Esfriar)

Será titulada a acidez que sobrou da Titular


reação (25mL HCl com 1 g de calcário) NaOH
1 mol/L

Anotar volume NaOH gasto


Titulação (Amostra) (VA)
Final da
3 gotas Reação
fenolftaleina Rosa
(Incolor) Acidez A

Prova em branco
25 mL
Zero gramas
calcário HCl 1 mol/L
Colocar na chapa quente
(ferver por 5 minutos)

(Deixar Esfriar)

Será titulada a acidez de HCl correspondente à Titular


colocada para reagir com 1 g de calcário. NaOH
1 mol/L
Anotar volume NaOH gasto
Titulação (Prova em Branco) (VB)
Final da
3 gotas Reação
fenolftaleina Rosa
90
(Incolor)
Acidez B