Anda di halaman 1dari 18

ANÁLISE DE LIVRO DIDÁTICO:

AS DIVERSAS ABORDAGENS E MÉTODOS APLICADOS AO ENSINO


DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

Aldisnéia Santos Rossi De Deo∗

Luiza Maria Duarte∗

Resumo: O presente trabalho esboça a análise de alguns aspectos do livro didático Tech Teens, bem como a
aplicabilidade das diversas abordagens e metodologias ao ensino da língua estrangeira, tentando indicar possíveis
soluções para o aprimoramento do processo.
Palavras-chave: livro didático, abordagens, métodos, processo de ensino-aprendizagem, reflexão crítica.

Abstract: This paper outlines the analysis about some aspects of Tech Teens didactic book and the applicability of
several approaches and methods to teaching a foreign language, trying to indicate possible solutions for the process
excellence.
Keywords: didactic book, approaches, methods, learning and teaching process, critical reflection.

A situação atual do ensino no Brasil é sofrível. Os alunos concluem seus cursos sem saber

a razão pela qual estudam e sem aprender, já que seus professores cobram a memorização da

informação.

Em um mundo globalizado, o inglês tornou-se uma língua de prestígio e símbolo de status

social ligada às classes economicamente privilegiadas. A busca crescente pelo idioma resultou

em um ensino deficitário com aulas descontextualizadas e alunos desmotivados que não

conseguem sequer aprender o idioma em sua forma básica.

Os Parâmetros Curriculares Nacionais – PCNs –, criados e implementados em 1996,

começam a abrir espaço para uma nova proposta educacional, tentando direcionar o trabalho do

∗ Alunas do curso de Letras - Tradutor/Intérprete do UNIBERO.


2

professor ao considerar a diversidade cultural local, o convívio social, a ética e os temas

transversais. Todavia, ainda existe, muitas vezes, a falta de aceitação do corpo docente e até

mesmo casos de total desconhecimento sobre esses parâmetros.

Com base nesses dados, propomos uma reflexão crítica sobre a eficácia do livro didático

(doravante LD), por meio de uma análise de suas propostas e das atividades e técnicas usadas,

traçando um paralelo entre o que é realizado dentro da sala de aula e o que é proposto pelas

metodologias e abordagens para o ensino de língua estrangeira, avaliando o seu reflexo no

processo de ensino-aprendizagem e até mesmo nos alunos. Para que essa reflexão ocorra,

utilizamo-nos, como fundamento teórico principal, da bibliografia específica: Second Language

Learning, de David Nunan, e Approaches and Methods in Language Teaching, de Jack Richards

e Theodore S. Rodgers.

Embora os LDs apresentem idéias e conceitos variados, a tendência no ensino de uma

língua estrangeira hoje é abordar o processo de ensino-aprendizagem de forma comunicativa. A

contextualização durante esse processo, sem dúvida, estimula o interesse do aluno, um dos pontos

mais importantes para garantir a aprendizagem.

Essa tendência faz parte do conceito de language acquisition de Krashen (1988), processo

de assimilação natural, intuitivo, subconsciente e fruto de interação em situações reais de

convívio humano, no qual o aprendiz participa como sujeito ativo, diferentemente do conceito de

language learning, também do autor, que está ligado à abordagem tradicional do ensino de

línguas, em que a atenção volta-se à língua em sua forma escrita, e o objetivo é o entendimento

pelo aluno da estrutura e das regras do idioma através do esforço intelectual e de sua capacidade

dedutivo-lógica. Nesse último, o ensino e aprendizado são vistos como atividades em um plano
3

técnico-didático delimitado pelo conteúdo. Ensina-se a teoria na ausência da prática. Valoriza-se

o correto e reprime-se o incorreto. Há pouco lugar para espontaneidade.

Fundamentação teórica

“O livro didático é ainda a fonte de acesso ao ‘saber institucionalizado’ de que dispõem

professores e alunos” (Carmagnani, apud Peralta, 1999, p. 127) e “constitui o centro do processo

de ensino-aprendizagem em todos os graus de ensino no cenário atual da educação brasileira”

(Coracini, apud Peralta, 1999, p. 34), cabendo, portanto, ressaltar três questões principais que

precisam ser urgentemente revistas: a noção de língua, os critérios adotados e as habilidades

trabalhadas.

Com a importação de LDs, obtivemos uma grande veiculação e transmissão da cultura

estrangeira realizadas sem grandes discussões ou questionamentos. E, segundo Ariovaldo Lopes

Pereira em sua Dissertação na Unicamp, cabe destacar que muitos dos LDs são repletos de textos

que, geralmente, têm como finalidade principal a transmissão de idéias e valores advindos de

uma cultura anglófana dominante, repassada aos alunos sem críticas aos conteúdos que levam à

sua assimilação inconsciente. Isso pode ocorrer através de procedimentos como a escolha de

vocábulos, a organização do texto, o próprio texto como representação de eventos sociais etc.

Faz-se necessário uma análise crítica, sob o aspecto do papel do professor, que pode e

deve fazer as alterações necessárias no livro, de modo a tornar os assuntos úteis e relevantes para

a vida do aluno, despertando assim o seu interesse pelo aprendizado. Para isso, o professor deve

ter ciência da necessidade de incluir em sua rotina diária de trabalho momentos para a reflexão e

questionamento sobre suas ações para poder reconstruí-las. Com isso, ele deixará de ser um mero

transmissor de conteúdo e tornar-se-á um profissional envolvido e crítico.


4

O que muitas vezes temos são textos usados como veículos para o ensino de estruturas

lingüísticas sem desafiar as suposições quanto às futuras funções sociais e ocupacionais dos

alunos, não há incentivo à leitura crítica. Ressaltam-se apenas perguntas de conteúdo ou estrutura

em detrimento à construção de sentidos, um dos principais problemas não se refere apenas ao

conteúdo, mas à maneira pela qual o mesmo é transmitido e interpretado. Por isso, para despertar

em seus alunos o desejo pela leitura crítica, tornando-os seres pensantes, é imprescindível que os

próprios professores sejam adeptos à literatura.

Dessa maneira, com relação à escolha do LD, não é suficiente ter um bom material se o

professor não tiver consciência da prática pedagógica e das limitações do LD. O professor deve

estar atualizado, ser reflexivo e bem preparado para poder valer-se de um livro ruim e

transformá-lo, tornando-o uma ferramenta útil e eficaz em suas aulas.

Vemos professores e alunos tornarem-se escravos do LD, perdendo até mesmo sua

autonomia e senso crítico, pois ficam condicionados e não aprendem nada efetivamente. Não há o

desenvolvimento da autonomia, do pensamento crítico, da competência, mas sim de um processo

de “alienação” constante. Tais colocações reforçam a necessidade de investimentos na formação

do professor e na educação como um todo.

PANORAMA DAS DIVERSAS ABORDAGENS E MÉTODOS DE ENSINO

Para que possamos esclarecer um pouco mais sobre o conhecimento das teorias

educacionais, faremos uma breve explanação a seguir.


5

Neste trabalho usamos o termo método como um conjunto de procedimentos de ensino-

aprendizagem sintonizados a um determinado currículo, direcionado por uma abordagem ou

modelo teórico; e abordagem como os pressupostos teóricos acerca da língua e da aprendizagem.

Behaviorismo: Abordagem aplicada com o intuito de se obter um determinado

comportamento que deve ser mantido. Utilizam-se condicionantes e reforçadores arbitrários

como: elogios, graus, notas, prêmios, reconhecimento do mestre e dos colegas, associados a

outros mais distantes, como: o diploma, as vantagens da futura profissão, a possibilidade de

ascensão social, monetária etc. O ensino consiste em um arranjo e planejamento de condições

externas que levam os estudantes a aprender, sendo de responsabilidade do professor assegurar a

aquisição do comportamento. Parte-se do princípio de uma aprendizagem mecânica, com

repetições sistemáticas do tipo estímulo-resposta automáticos, portanto, indutiva.

Cognitivismo: Preocupa-se com a forma sob a qual a aprendizagem é alcançada, o

importante é como ocorrem a organização do conhecimento, o processamento das informações e

os comportamentos relativos à tomada de decisões. O ensino dos fatos é substituído pelo ensino

de relações, pela proposição de problemas. Embora existam os fixos, os currículos são flexíveis.

Situações desafiadoras são oferecidas às crianças, tais como jogos, leituras, visitas, excursões,

trabalhos em grupo, arte, oficina, teatro etc. Nessa abordagem o aluno reflete sobre aquilo que

lhe é oferecido.

O professor é quem gera a informação e a disponibiliza, cabendo aos alunos construírem

seus conhecimentos e significados através da reflexão, dando lições aos seus pares, escrevendo,

levantando e dando resposta a questões, praticando (Rodrigues apud Doolittle, 2002).

Construtivismo: Baseia-se no fato de que não é o professor que ensina, e sim o aluno

que aprende, que constrói o conhecimento. O próprio aluno precisa ter a iniciativa para
6

questionar, descobrir e compreender o mundo a partir de interações com os demais elementos do

contexto histórico no qual está inserido.

Abordagem comunicativa: A competência comunicativa passa a ser o objetivo, em vez

da construção de conhecimento gramatical ou da estocagem de formas memorizadas.

Caracteriza-se por ter o foco no sentido, no significado e na interação propositada entre os

sujeitos que estão aprendendo uma nova língua. O ensino comunicativo é aquele que organiza as

experiências de aprender em termos de atividades/tarefas de real interesse e/ou necessidade do

aluno, tornando-o capaz de usar a língua-alvo para realizar ações autênticas na interação com

outros falantes-usuários dessa língua. Além disso, esse ensino não toma as formas da língua

descritas nas gramáticas como modelo suficiente para organizar as experiências de aprender outra

língua, embora não descarte a possibilidade de criar em sala momentos de explicitação das regras

e prática cotidianas dos subsistemas gramaticais, como o dos pronomes, as terminações de

verbos, etc. (RICHTER apud Almeida Filho, 1993).

Abordagem Estrutural: Segundo Maria Alice Capocchi Ribeiro, do Departamento de

Letras da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, o Estruturalismo é uma teoria que se baseia

na psicologia da escola Behaviorista de Pavlov e Skinner, ou seja, uma visão de aprendizagem

que postulava “resultados rápidos” e “aplicação imediata”. Essa teoria enfoca a estrutura da

língua deixando de lado sua contextualização com a realidade do aluno.

Abordagem Funcional/Nocional: Foca a maneira como a língua é usada em interações:

as funções das expressões utilizadas e o seu significado estão relacionados à situação na qual um

evento da fala está inserido e na intenção do falante. Pressupõe uma prática mais controlada, a

qual seria gradualmente abrandada no início, levando à total liberdade dos alunos, de modo que

possam expressar seus significados no estágio final do processo. Esse aprendizado em situações
7

de real comunicação confere um papel social e político mais importante aos falantes da língua do

cotidiano, satisfazendo também as necessidades dos alunos de usar a língua em situações

rotineiras de comunicação, abordando a questão de praticidade do uso e da aprendizagem de

línguas estrangeiras.

Os Métodos

Com base no livro Approaches and Methods in Language Teaching de Jack Richards e

Thoedore S. Rodgers datado de 1999, apresentamos os conceitos básicos para referência.

Competency-Based Language Teaching: Concentra-se na produção ou no resultado do

aprendizado através de um levantamento das necessidades básicas do aluno em situações do seu

dia-a-dia. Trata-se de um método prescritivista que prepara o aluno para se encaixar em um

sistema preestabelecido e manter a relação entre classes sociais, além de focalizar o

comportamento do indivíduo e não o seu desenvolvimento de pensamento.

Collaborative Learning: Enfoca as atividades organizadas em grupo, objetivando a troca

de informações entre os seus membros. Colaborar é trabalhar em conjunto para atingir um

objetivo em comum.

Segundo John Dewey, a educação democrática deveria ser uma ferramenta que integrasse

o indivíduo a ele mesmo e a sua própria cultura. Dewey também, através de sua filosofia,

considerou as éticas de uma sociedade democrática e viu a educação como os meios práticos

pelos quais as crianças poderiam se tornar cidadãs de ajuste de uma democracia. (John Dewey.

Disponível em http://www.jewilke.hpg.ig.com.br/dew.htm)

Tasked-Based Learning (& Teaching): Trata-se de atividades na língua-alvo que

possuem uma seqüência de fases, tendo como propósito levar o aluno a se comunicar (meta) para
8

atingir um resultado. O aluno só pode passar para a fase seguinte ao terminar, com êxito, a fase

anterior. As tarefas devem se espelhar em situações reais e, de acordo com Peter Skehan, são

atividades que têm como enfoque primário o sentido e o aprendizado enquanto são feitas.

Total Physical Response: Método de ensino de linguagem construído em torno da

coordenação da fala e da ação. Busca-se ensinar a língua por meio de atividade física (motora)

para que o aluno pratique a língua inglesa de forma natural e prazerosa.

Whole Language: Enfatiza-se a integração das quatro habilidades (speaking, reading,

listening e writing), ou seja, a língua como um todo dentro de um contexto. Faz uso de literatura

autêntica e textos reais, com atividades sempre realizadas em língua estrangeiras.

Audiolingual: Baseia-se em diálogos e exercícios de repetição. A gramática é trabalhada

de forma indutiva, permitindo o uso dos próprios diálogos para repetição e memorização,

fazendo assim correções de pronúncia, ritmo, entonação, ênfase nas silabas tônicas que reforçam

as características behavioristas. Todo material áudio-visual possui um papel central no curso.

Content-Based Instruction: A aprendizagem é organizada em torno de um conteúdo ou

informação que os alunos vão adquirir. Uma situação ideal é aquela cujo assunto do aprendizado

da língua é o conteúdo, um assunto de fora do domínio da língua.

Suggestopedia: Trata-se de um estudo sistemático das influências irracionais e

inconscientes. Há o enfoque na comunicação, utilizando a aquisição de vocabulário por meio de

textos/elementos significativos ao grupo.

Algumas das características mais importantes são: a decoração, os móveis e a sua

disposição na sala de aula, o uso de música e o comportamento autoritário do professor.

Neurolinguistic Programming (NLP): Consiste em uma filosofia humanista e em uma

série de sugestões baseadas na psicologia popular, objetivando o convencimento das pessoas de


9

que elas têm o poder de se controlar. A programação neurolingüística permite novas formas de

compreender como as comunicações verbais e não-verbais afetam o cérebro humano,

apresentando oportunidades de não apenas melhorar a comunicação entre as pessoas, mas

também de adquirir mais controle e desenvoltura sobre os aspectos sensoriais, sendo, desse

modo, fundamental que o professor conheça seus alunos para poder trabalhar efetivamente com

os aspectos sensoriais dos seus discentes.

The Lexical Approach: Enfatiza o léxico, tornando as colocações e as unidades lexicais

características fundamentais dessa abordagem. As colocações referem-se ao modo como as

palavras podem estar dispostas na língua. As unidades léxicas são as palavras em seus

respectivos contextos. O aluno é inserido em uma situação que lhe permite “manusear” o seu

aprendizado com o propósito de abandonar a idéia de um professor conhecedor, criando no aluno

a idéia de descobridor.

Community Language Learning: Busca a promoção da interação aluno-aluno, a

democratização da aprendizagem (discussões) e a valorização do aspecto cognitivo e afetivo da

aprendizagem, uma vez que os alunos são tipicamente agrupados em círculos de seis a doze. O

professor direciona a interação como mediador das atividades, que normalmente referem-se à

tradução, à gravação, às análises, às reflexões, às observações, às conversações livres e ao

listening. Temos um exemplo disso quando um aluno quer dizer algo e primeiro diz em sua

língua materna ao professor, para que este traduza para a língua alvo e depois aquele repita.

ANÁLISE

Como já mencionado anteriormente no resumo, o livro analisado por esta pesquisa é o

Tech Teens, das autoras Carla Giannassi, Maria Luiza Santos e Renata Lucia Cardoso, editora
10

Maccmillan, que faz parte de uma coleção composta de quatro volumes usada nas séries de 5ª a

8ª do Ensino Fundamental. Neste trabalho analisaremos especificamente o Tech Teens 2 (livro do

professor).

O livro traz, em sua proposta introdutória, a abordagem sócio-construtivista, na qual o

estudante deve refletir e interagir partindo do seu conhecimento prévio e do equilíbrio entre

conhecimento de língua e uso. Todavia, observa-se, no decorrer do LD, o enfoque à abordagem

behaviorista, devido ao excesso de atividades que priorizam o método Audiolingual com o

objetivo de ensinar, principalmente, a gramática, o vocabulário e o writing. Nota-se também a

presença da abordagem estrutural/funcional, quando o mesmo apresenta as ocasiões em que a

língua será usada, abrangendo seus diferentes aspectos, entretanto, as estruturas não passam de

uma prática controlada (Competency-Based Teaching). Nesse caso, o uso de exercícios

contextualizados com a gramática ensinada explicitamente poderia ser mais adequado, uma vez

que o aluno teria a oportunidade de correlacioná-los com seu dia-a-dia.

Ao longo do livro didático há um total de 70 exercícios gramaticais, sendo 41 de reading,

13 de speaking, 70 de writing e 24 de listening, o que prejudica a micro divisão do livro, visto

que não há um equilíbrio de quantidade entre as habilidades trabalhadas, os números são

desproporcionais. No entanto, a macro divisão é lógica e bem organizada.

Com relação aos PCNs, são encontradas algumas sugestões referentes ao contato com

novas culturas, atualidades globais e temas transversais, principalmente os de saúde e meio

ambiente. Todavia, de modo geral, o livro não leva o aluno a refletir e a construir o seu

conhecimento, visto que as suas atividades são de prática controlada e extremamente descritiva,

sem conduzir a discussões sobre questões da atualidade ou temas pertinentes a faixa etária como

drogas, sexo e gravidez, por exemplo.


11

No geral há a predominância de uma abordagem behaviorista e dos métodos Audiolingual

e Competency-Based Teaching. Para que o livro pudesse alcançar a abordagem sócio-

construtivista proposta inicialmente, os métodos Whole Language; Total Physical Response;

Content-Based Instruction; Neurolinguistic Programming; Collaborative Learning; Community

Learning and Teaching e Suggestopedia poderiam ser usados em seus diversos aspectos, o que,

normalmente, não acontece.

Pode-se concluir que o livro, em certos aspectos, é adequado para o Ensino Fundamental,

porque trabalha com temas que envolvem o contexto do aluno, mas deixa a desejar no que se

refere à sua proposta comunicativa e à formação do aluno como construtor do seu próprio

conhecimento. Poderiam ser proporcionadas, por exemplo, situações práticas como a confecção

de um jornal e o envolvimento com as atividades da comunidade, de modo que o aluno possa

tornar-se um cidadão que interaja mais com a sociedade em que vive principalmente.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Pudemos constatar a importância de uma abordagem de ensino de língua com base na

abordagem comunicativa que permite a preparação do cidadão, a fim de que o mesmo possa atuar

na sociedade, além do aproveitamento máximo do tempo em que o aluno passa na sala de aula,

ensinando-lhe o que realmente possa lhe ser útil para atuar no mundo e não apenas na escola. Por

tratar-se de uma abordagem que considera a realidade do aluno, provavelmente, permitirá a

diminuição da evasão e da repetência escolar, bem como o envolvimento do educador de forma

efetiva nesse processo e na escolha do LD.


12

Entretanto, há a necessidade de LDs que se preocupem com uma abordagem comunicativa

e de professores cientes da importância dessa abordagem de modo a encaminhá-la com ou sem o

LD. Em geral, constatamos que os professores estão habituados a seguirem os materiais didáticos

que enfatizam o aprendizado na estrutura da língua. Isso nos leva a afirmar que tanto os

professores precisam rever sua metodologia de ensino, como os materiais de ensino precisam ser

revistos.

A escolha do LD deve ser feita de maneira mais adequada. Acreditamos que uma maneira

de reverter esse quadro seria investir na formação do professor, que, de acordo com o seu

preparo, segundo Janete Santos, poderá ajudar os alunos a contornar os vácuos existentes nas

defasagens causadas por características regionais (um material utilizado com sucesso no Sul, por

exemplo, pode não ser adequado à região Norte), além de melhorar e criar novos LDs e

paradidáticos, que privilegiem o Inglês no que concerne à comunicação, apresentando formas

alternativas de se trabalhar os conteúdos em sala de aula. Para tanto, é necessário que as

universidades, os profissionais da área de ensino, os pesquisadores e as autoridades unam-se em

um esforço conjunto para a criação de novos materiais didáticos que auxiliem o professor a

realizar o seu papel, propiciando, assim, alternativas para a superação da crise educacional

brasileira e para a possível falência do sistema educacional.

BIBLIOGRAFIA

A Competência do Professor Numa Perspectiva Democrática: Limites e Possibilidades.


Pernambuco: Universidade Federal de Pernambuco, 1992. Disponível em
<http://www.biblio.ufpe.br/libvirt/teses/educ/ano1992.htm>. Acesso em 14 ago. 2003.

ALBUQUERQUE, Maria do Socorro Paz e. Análise de livro didático: o conceito de letramento


presente nas atividades de leitura e escrita para a 1ª série do Ensino Fundamental. Disponível
em < http://www.filologia.org.br/anais/anais%20iv/civ04_17-45.html> . Acesso em 11 jul. 2003.
13

ALONSO, Encina. Como ser profesor/a y querer seguir siéndolo?. Madrid : Edelsa Grupo
Didascalia, 1994. 191p.

ALVARENGA, Magali Barçante. Configuração de competências de um professor de Língua


Estrangeira (inglês): implicações para a formação em serviço. Campinas: Unicamp, 1999.

ANDRADE, Mizant Couto de. e VLACH, Vânia Rúbia Farias. O livro didático em discussão:
elaboração de uma proposta alternativa. Disponível em <
http://www.ufop.br/ichs/conifes/anais/edu/edu2310.htm>. Acesso em 18 jul. 2003.

AssociaçãoBrasileira de Normas Técnicas. NBR 6023: Informação e documentação – referências


- elaboração. Rio de Janeiro, 2000.

A Teoria Clássica da Gestalt. Disponível em


<http://www.cce.ufsc.br/~ulbricht/hipermidia_ensino/topico3/3_12.htm>. Acesso em 18 jun.
2003.

BAGHIN-SINELLI, Débora Cristina Mantelli. Ser professor (brasileiro) de língua inglesa: um


estudo dos processos identitários nas práticas de ensino. Campinas: Unicamp, 2002.
BARROS, Adelma das Neves. O silenciamento nas avaliações dos livros didáticos. Campinas:
Unicamp, 2000.

BARROS, Simone, CAVALCANTE, Patrícia Smith.Os Recursos Computacionais e suas


Possibilidades de Aplicação no Ensino Segundo as Abordagens de Ensino-Aprendizagem.
Disponível em < http://rede.im.ufba.br/~frieda/mat061/as.htm> Acesso em 15 jan. 04.
Brain Researchers Strongly Support the Total Physical Response Approach. Disponível em
http://www.thebrainstore.com. Acesso em 15 jun. 2003.

BRITO, Iracélia Ataíde de. Conceitos de cultura e competência: contribuições para um ensino
crítico de inglês no contexto brasileiro. Campinas: Unicamp, 1999.

CESTARO, Selma Alas Martins. O ensino de Língua Estrangeira: história e metodologia.


Disponível em < http://www.hottopos.com.br/videtur6/selma.htm>. Acesso em 18 jul. 2003.

COLELLO, Sílvia M. G. Educação e intervenção escolar.


Disponível em <http://www.hottopos.com/rih4/silvia.htm>. Acesso em 22 ago. 2003.

Considerações iniciais sobre a escolha de um livro didático. Disponível em: <


http://www.prof.com.br/te/te4_1.asp>. Acesso em 18 jul. 2003.

CONSOLO, Douglas Almiro. O livro didático como insumo na aula de Língua Estrangeira
(inglês) na escola publica. Campinas: Unicamp, 1990.
14

Construtivismo. Disponível em: http://penta.ufrgs.br/~marcia/teopiag.htm>. Acesso em 03 mar.


2003.

DEWEY, John. Disponível em: <http//www.jcwilke.hpg.ig.com.br/dew.br. Acesso em 03 mar.


2003.

Educational Resources and Materials for teachers of EFL/ESL to young learners. Disponível em
http://www.englishraven.com/Main.html Acesso em 04.05.04
FIGUEREDO, Célia Assunção. Leitura crítica: “mas isso faz parte do ensino da leitura?”:
Subsídios para a formação de professores de Língua Estrangeira. Campinas: Unicamp, 2000.

FREITAG, Barbara, MOTTA, Valéria Rodrigues e COSTA, Wanderly Ferreira da. O livro
didático em questão. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 1997.

FREITAS, G. L. Metodologias de Ensino de Língua Estrangeira. Disponível em <


www.serradigital.com.br/lucia/metodos.htm> Acesso em 14 ago. 2003.

Gêneros ensinados em inglês como Língua Estrangeira: uma problemática de transposição.


Disponível em <http://www.fae.unicamp.br/br2000/trabs/1650.doc> Acesso em 21 jul. 2003.

GUERRA, Lopes. Utilização do computador no processo de ensino-aprendizagem: uma


aplicação em planejamento e controle da produção. São Paulo: USP, 2000. (Dissertação de
Mestrado). Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18140/tde-29032001-
151920/publico/diss_jh.pdf>. Acesso em 03 mar. 2003.

GUERRINI, Michele C., PEÑA, Pilar, (org.), Didáctica de Las Segundas Lenguas - Estrategias y
Recursos Básicos. Madrid : España, AulaXXI/Santillana, 1990. 374p.

Língua inglesa. Disponível em: <http://www.cmc.com.br>. Acesso em 15 jun. 2003.


MATUSEVICH, Melissa N. Implementing Technology in a Fifth Grade Classroom: School and
Home Perspectives. Estados Unidos: Virginia State Univeristy, 1999. (Dissertação de
Doutorado). Disponível em < http://scholar.lib.vt.edu/theses/available/etd-040999-
165754/unrestricted/etd.pdf>. Acesso em 03 mar. 2003.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: As Abordagens do Processo. São Paulo: EPU,
1986.
MUÑOZ, Carmen, Aprender Idiomas. Barcelona : España, Paidos, 2002. 116p.

Neurolinguistic Programming (1999). Disponível em <


http://www.neurolinguisticprogramming.com/>. Acesso em 15 jun.2003.

NUNAN, David. Second Language Teaching & Learning. Heinle & Heinle Publishers. Boston:
USA, 1999. 330p.
15

O Behaviorismo por ele mesmo. Disponível em http://www.cemp. com.br/behpele.htm>. Acesso


em 03 mar. 2003.

O Livro Didático Em Discussão: Elaboração De Uma Proposta Alternativa. Disponível em


<http://www.ufop.br/ichs/conifes/anais/EDU/edu2310.htm> Acesso em 18 jul 2003.

O programa nacional do livro didático no Brasil. Disponível em < http://www.inep.


gov.br/download/cibec/pce/2001/paper_nabiha.doc>. Acesso em 18 jul. 2003.

PCN. Disponível em: <http://www.mec.gov.br/sef/estrut2/pcn/pdf/estrangeira.pdf>Acesso em 08


ago. 2003.

PERALTA, Telma Martins. A Atividade Docente Mediada pelo Uso do Livro Didático (Mestrado
em Lingüística Aplicada). São Paulo: PUC, 2003.

PEREIRA, Ariovaldo Lopes, O eurocentrismo nos livros didáticos de língua inglesa. Campinas:
Unicamp, 2000. p. 7-19.

PEREIRA, S. A. Metodologias de Ensino Aplicadas a um Modelo de Aluno em Ambientes


Educacionais à Distância. Disponível em <www.inf.ufrgs.br/~adriana/ciesc.doc> Acesso em 14
ago. 2003.

PINSKY, Jaime. Estado e livro didático. Campinas: Unicamp, 1985.

POUZA, Sullivan Silk. O 'habitus' e o monge: uma análise das contradições das concepções de
bons professores de inglês como Língua Estrangeira. São Paulo: USP (Dissertação de Mestrado).
Disponível em < http://www.teses.usp. br/teses/disponiveis/8/8147/tde-17092002-
122933/publico/01tdesullivanpouza.pdf>. Acesso em 03 mar. 2003.

Projeto de avaliação de livros didáticos de 1ª A 8ª Série. Disponível em: <


http://www.mec.gov.br/sef/fundamental/avalidid.shtm>. Acesso em 11 jul. 2003.

Que Sabemos sobre o Livro Didático. Catálogo Analítico. Campinas: Unicamp, 1989.

QUINTÁS, Alfonso L. A filosofia da educação e a reforma curricular.


Disponível em <http://www.hottopos.com/harvard1/quintas.htm>. Acesso em 22 ago. 2003.

RIBEIRO,Maria Alice Capocchi. Século XX: O Século da Controvérsia na Lingüística Aplicada e


no Ensino de Gramática. Disponível em <
http://www.filologia.org.br/anais/anais%20III%20CNLF%2006.html> Acesso em 15 de jan. 2004.

RICHARDS, Jack, e RODGERS, Theodore S., Approaches and Methods in Language Teaching.
Cambridge, 1999. p. 125-131.
16

RICHTER, Marcos Gustavo, BALBINOT, Márcio. A Abordagem Comunicativa na Aquisição de


Língua Escrita. Disponível em
<http://www.ufsm.br/linguagem_e_cidadania/02_01/MarcioLC6.htm> Acesso em 17 de fev.
2004.

SANTOS, Janete Silva dos. As perguntas de compreensão nos livros didáticos. Uma e três
estrelas: quais os avanços. Campinas: Unicamp, 2001.

SANTOS, João Bosco Cabral dos. A aula de Língua Estrangeira (inglês) modulada pelo livro
didático. Campinas: Unicamp, 1993.

SCHÜTZ, Ricardo. O Aprendizado de Línguas ao Longo de um Século. Disponível em <


http://www.sk.com.br > Acesso em 15 jan. 2004.

______________. "Communicative Approach - Abordagem Comunicativa." English Made in


Brazil <http://www.sk.com.br/sk-comm.html>. Online. 26 July 2003.

SILVA, Ana Isabel Mateus. Estudo de Alguns Factores que Influenciam o Desempenho Escolar.
Tese de Especialização da Escola Superior de Enfermagem Bissaya Barreto. Coimbra. 1997.
Disponível em http://www.batina.com/anasilva/tese01/motiva01.htm Acesso em 03.05.04.

SILVA, Ceris Salete Ribas. Livros para a alfabetização: as alterações ocorridas no campo da
produção editorial, a partir do programa nacional do livro didático (PNLD 1998 e 2000): como
as posições de diferentes agentes - governo. Editores e pesquisadores das universidades definem
o perfil dos livros considerados de qualidade pelo MEC e de aceitabilidades pelas escolas.
Disponível em http://www.anped.org.br/24/p1053012402736.rtf. Acesso em 18 jul. 2003.

SILVA, Maria Aparecida Caltabiano Magalhães Borges da. É verdade ou faz de conta? –
observando a sala de aula de Língua Estrangeira. Campinas: Unicamp, 1999.

SILVA, Maria Helena Galvão Frem da. O mercado do livro didático e o professor (Dissertação
de Mestrado). São Paulo: PUC, 1986.

SOUZA, Laura Salime Hage de. O uso da internet como ferramenta de apoio ao processo de
ensino-aprendizagem da engenharia de transportes (Dissertação de Mestrado). São Paulo: USP,
2001. Disponível em < http://www.teses.usp. br/teses/disponiveis/18/18137/tde-06022002-
205136/publico/L_Souza.pdf>. Acesso em 03 mar. 2003.

Techniques of Teaching from Theory to Practice: The British Council. In: 1985 Bologna
Conference. Londres: Modern English Publications, 1986.

TELLES, João A. É pesquisa, é?Ah, não quero, não, bem! – sobre pesquisa acadêmica e sua
prática com relação ao professor de línguas. Linguagem & Ensino. Pelotas: EDUCAT, 2002. p.
91-116 (nº 2, vol. 5).
17

Teoria de Krashen. Disponível em http://www.sk.com.br/sk-laxll.html>. Acesso em 18 jun. 2003.

Total Physical Response. Disponível em


<http://www.sil.org/lingualinks/LANGUAGELEARNING/WaysToApproachLanguageLearning/
TotalPhysicalResponse.htm>. Acesso em 15 jun. 2003.

Total Physical Response. Disponível em


<http://www.onestopenglish.com/News/Magazine/Archive/totalphysical.htm>. Acesso em 15
jun. 2003

Total Physical Response: James Asher. Disponível em <http://ivc.uidaho.edu/edte474/tpr.html>.


Acesso em 15 jun. 2003.

TPR. Disponível em <http://www.tpr-world.com> Acesso em 15 jun. 2003.

TPR and Beyond. Disponível em


<http://eslsv001.esl.sakuragaoka.ac.jp/teachers/BR/papers/ElucidatingTPR.htm. Acesso em 15
jun. 2003.

TRENTIN, Cleci Irene. O Ensino Comunicativo de Línguas Estrangeiras e a Abordagem


Natural. Disponível em <http://www.cefetpr.br/deptos/dacex/revista4/cleci.htm > Acesso em 15
de jan. 2004.

UR, Penny. A Course in Language Teaching: Training Book. Cambridge University Press:
Cambridge, U.K, 1999.

_________. A Course in Language Teaching – Practice and theory. Cambridge University


Press : Cambridge, U.K, 1999. 142p.

WADSWORTH,Barry J. Inteligência e Afetividade da Criança na Toria de Piaget – Fundamentos


do Construtivismo [Trad.] Esméria Rovai. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001.

WATSON, G. (1995) Are Colour Pictures used to Illustrate Texts in EFL Course Books any
more Effective at Promoting Recall and Retention than Pictures in Black and White? Disponível
em < http://www.surrey.ac.uk/ELI/methodd.html#textbooks>. Acesso em 19 jul. 2003.

What is TPR? Disponível em <http://www.sk.com.br/sk-perg9.html#280>. Acesso em 15 jun.


2003.

What is TPR? 2001 Update.


Disponível em <http://www.tprsource.com/asher.htm>. Acesso em 15 jun. 2003.
18

XAVIER, Rosely Perez. Aprendizagem em um programa temático de Língua Estrangeira


(inglês) baseado em tarefas em contextos de 5ª série do Ensino Fundamental. Campinas:
Unicamp, 1999.

ZACHARIAS, Vera Lúcia Camara F. Vygotski Disponível em <


http://www.clubedoprofessor.com.br/recursos/teorias/> Acesso em 15 de jan.2004.