Anda di halaman 1dari 1

CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES

Crimes instantâneos, permanentes e instantâneos de efeitos permanentes


Crime instantâneo é aquele que, quando consumado, encerra-se. A consumação ocorre em
determinado momento e não mais se prossegue. No homicídio, por exemplo, o crime é consumado
quando da morte da vítima, não importando o tempo decorrido entre a ação e o resultado.
Crime permanente existe quando a consumação se prolonga no tempo, dependente da ação ou
omissão do sujeito ativo, como acontece no cárcere privado.
Delito instantâneo de efeitos permanentes é aquele em que a permanência do efeito não depende
do prolongamento da ação do sujeito ativo, ou seja, ocorre quando, consumada a infração em dado
momento, os efeitos permanecem, independentemente da vontade do sujeito.
Crimes comissivos, omissivos puros e omissivos impróprios
Crime comissivo é o que exige, segundo o tipo penal objetivo (descrição abstrata de um
comportamento), em princípio, uma atividade positiva do agente.
Crimes omissivos são os que objetivamente são descritos com uma conduta negativa, de não fazer o
que a lei determina, consistindo a omissão na transgressão da norma jurídica. É a omissão do autor
quando deve agir.
Crimes unissubjetivos e plurissubjetivos
Crime unissubjetivo é aquele que poder ser praticado por uma só pessoa, embora nada impeça a co-
autoria ou a participação (ex.: calúnia e estelionato).
Crime plurissubjetivo é aquele que, por sua conceituação típica, exige dois ou mais agentes para a
prática da conduta criminosa. As condutas podem ter o mesmo objetivo, como no crime de quadrilha, ou
divergentes, em que as ação são dirigidas de uns contra outros, como na rixa. Crime plurissubjetivo
passivo é aquele que demanda mais de um sujeito passivo na infração, como ocorre na violação de
correspondência.
Crimes unissubsistentes e plurisubsistentes
O crime unissubsistente, como o próprio nome diz, realiza-se apenas com um ato, ou seja, a conduta
é una e indivisível (ex.: injúria), coincidindo o ato, temporalmente, com a consumação, de modo que não
admitem tentativa.
O crime plurissubsistente é, por sua vez, composto de vários atos, que integram a conduta, ou seja,
existem fases que podem ser separadas, fracionando-se o crime. Admitem a tentativa e constituem a
maioria dos delitos: homicídio, furto e roube, por exemplo.
Crimes comuns, crimes próprios e de mão própria
Crimes comuns podem ser praticados por qualquer pessoa.
Crimes próprios são aqueles que exigem ser o agente portador de capacidade especial. Este assunto
está situado no campo da tipicidade: é a descrição legal que exige, para configuração do tipo, que haja
sujeito ativo específico.
Crimes de mão própria são passíveis de serem cometidos por qualquer pessoa mas não podem ser
praticados por intermédio de outrem (ex.: falsidade ideológica).