Anda di halaman 1dari 1

QUARTA-FEIRA, 23 DE MARÇO DE 2011

Influência dos Conservadores entre os


Sociólogos positivistas.

Os conservadores ou profetas do passado – como, por exemplo, Edmund


Burke (1729-1797), Joseph de Maistre (1754-1821) e Louis de Bonald
(1754-1840) – cultivavam o pensamento medieval. Por um lado, admiravam
a estabilidade, a hierarquia social e as instituições religiosas e aristocráticas
do feudalismo e, por outro, combatiam com fervor as idéias iluministas que
teriam desencadeado, segundo eles, o trágico e nefasto acontecimento do
final do século XVIII – a Revolução Francesa. Aos conservadores não
interessava defender o capitalismo que se acentuava cada vez mais. De
maneira pessimista, enxergavam a sociedade moderna em decadência, não
consideravam nenhum progresso no urbanismo, na industrialização, na
tecnologia e no igualitarismo. A sociedade lhes parecia mergulhada no caos,
na desorganização e na anarquia. Afirmavam que para haver ordem e coesão
social, seria necessário a existência de instituições fortes, tradição e valores
morais.

Ao fazer a crítica da modernidade, inaugurada por acontecimentos como a


economia industrial, o urbanismo, a Revolução Francesa, os conservadores
estavam tecendo uma nova teoria sobre a sociedade cujas atenções
centravam-se no estudo de instituições sociais como a família, a religião, o
grupo social, e a contribuição delas para a manutenção da ordem social.
Preocupados com a ordem e a estabilidade, com a coesão social, enfatizariam
a importância da autoridade, da hierarquia, da tradição e dos valores morais
para a conservação da vida social.

As idéias dos conservadores constituíam um ponto de referência para os


pioneiros da sociologia, interessados na preservação da nova ordem
econômica e política que estava sendo implantada nas sociedades européias
ao final do século passado. Estes, no entanto, modificariam algumas das
concepções dos "profetas do passado", adaptando-as às novas circunstâncias
históricas. Estavam conscientes de que não seria possível voltar à velha
sociedade feudal e restaurar as suas instituições, como desejavam os
conservadores. Alguns dos pioneiros da sociologia, preocupados com a
defesa da nova ordem social, chegavam mesmo a considerar algumas idéias
dos conservadores como reacionárias, mas ficavam decididamente
encantados com a devoção que eles dedicavam à manutenção da ordem e
admiravam seus estudos sobre esta questão.
E entre os sociólogos positivistas – Saint-Simon, Auguste Comte, Émile
Durkheim – que as idéias conservadoras exerceram grande influência. Apesar
de admirarem a linha de pensamento conservador, eles acreditavam que
devido às novas circunstâncias históricas, seria impossível restaurar as
instituições medievais; não seria adaptável. Alguns deles chegavam a afirmar
que a "escola retrógrada", por eles considerada imortal, seria sempre
merecedora da admiração e da gratidão dos positivistas.