Anda di halaman 1dari 24

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE DO RIO GRANDE DO SUL


DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA
DISCIPLINA DE SILVICULTURA GERAL

SEMENTES FLORESTAIS: BENEFICIAMENTO, ARMAZENAMENTO E ANÁLISE

Gracieli Manfrin da Silva


Marlo Adriano Bison Pinto
Lucas Henrique Ciotti
Tiago Hammel Pias
Pedro Ruwer
Luis Paulo Schmitt
Edvar M. Junior
Carlos Rodrigo Bigolin

Frederico Westphalen, RS, Brasil


2011
SEMENTES FLORESTAIS: BENEFICIAMENTO, ARMAZENAMENTO E ANÁLISE

por

Gracieli Manfrin da Silva


Marlo Adriano Bison Pinto
Lucas Henrique Ciotti
Tiago Hammel Pias
Pedro Ruwer
Luis Paulo Schmitt
Edvar M. Junior
Carlos Rodrigo Bigolin

Trabalho apresentado à disciplina de Silvicultura Geral, curso de Agronomia da Universidade


Federal de Santa Maria, campus de Frederico Westphalen – RS, como requisito parcial para
obtenção de nota.

Orientadores: Prof. Oscar Augustín Torres Figueredo,


Prof. Luciano Denardi

Frederico Westphalen, RS, Brasil


2011
SUMÁRIO

Sumário.................................................................................................................. 3
INTRODUÇÃO..........................................................................................................4
BENEFICIAMENTO DE SEMENTES: EXTRAÇÃO E LIMPEZA.......................................4
EXTRAÇÃO DE SEMENTES...................................................................................4
Frutos secos deiscentes ..................................................................................5
Frutos secos indeiscentes................................................................................5
Frutos carnosos................................................................................................5
EXTRAÇÃO DE SEMENTES DE PINUS....................................................................6
EXTRAÇÃO DE SEMENTES DE EUCALYPTUS.........................................................7
EXTRAÇÃO DE SEMENTES DE ACÁCIA.................................................................7
Beneficiamento das sementes............................................................................7
ARMAZENAMENTO DE SEMENTES FLORESTAIS......................................................8
Longevidade e deterioração de sementes...........................................................9
Condições para o armazenamento....................................................................11
Embalagens para armazenamento....................................................................14
Tratamentos para o armazenamento................................................................15
ANÁLISE DE SEMENTES FLORESTAIS....................................................................16
Amostragem......................................................................................................16
Denominação das amostras...........................................................................17
Procedimentos e cuidados na amostragem.......................................................18
Peso mínimo das amostras............................................................................18
Testes................................................................................................................ 18
Análise de pureza...........................................................................................19
Determinação da umidade.............................................................................19
Análise de germinação...................................................................................20
Determinação do vigor...................................................................................22
Métodos indiretos para a determinação da viabilidade.....................................22
Testes de Resistência ....................................................................................22
REFERÊNCIAS....................................................................................................... 23
INTRODUÇÃO

Dada a importância das espécies florestais para o equilíbrio e mantença dos


ecossistemas se justifica os estudos realizados em relação a propagação dessas plantas, sendo
que há uma crescente demanda por plantios florestais, para fins de recuperação de áreas
degradadas, reconstituição de matas ciliares, reposição da reserva legal e também para
produção de madeira para usos variados.

Desse modo se observa a necessidade de informações quanto a processos que vão


desde a coleta até a semeadura de sementes florestais, considerando que a propagação via
sementes é essencial para a manutenção e formação de florestas naturais e comerciais.

Assim os processos de beneficiamento, armazenagem e análise de sementes assumem


grande importância, sendo que cada espécie apresenta suas peculiaridades e necessitam de
tratamentos e condições específicas para que sua viabilidade seja mantida. De encontro a essa
pendência o presente trabalho objetiva apresentar informações e especificações quanto a esses
processos aplicados a espécies populares.

BENEFICIAMENTO DE SEMENTES: EXTRAÇÃO E LIMPEZA

Sementes de qualidade e com caracteres apropriados para a comercialização são


resultantes da adequada realização de determinados processos, os quais vão desde a colheita
das mesmas até o seu beneficiamento, observando que para cada espécie há uma forma
particular de ser realizada cada etapa deste processo.

EXTRAÇÃO DE SEMENTES

Esta etapa varia em função da natureza do fruto, ou seja, quanto à sua deiscência e do
tipo do fruto (fruto seco, pequeno, grande, etc.).
FRUTOS SECOS DEISCENTES

Este tipo de fruto necessita de determinados cuidados quanto à época de sua colheita,
devido à deiscência dos mesmos. Estes deverão ser colhidos de forma que sua maturação se
complete após sua colheita, sendo colhidos e posteriormente colocados sobre uma lona ou
plástico onde que, quando maduros, ocorra a liberação das sementes de forma natural e em
condições onde as sementes possam ser recolhidas com relativa facilidade.
Como exemplos deste tipo de espécie se pode citar: Tabebuia spp. (Ipê), Luhea
divaricata (Açoita-cavalo), Caesalpinia echinata (Pau-brasil) e Piptadenia spp. (Angicos).
(AGUIAR et al., 1993).

FRUTOS SECOS INDEISCENTES

Para frutos secos indeiscentes, a extração das sementes deve ser de forma manual,
utilizando-se de ferramentas como tesouras, facões e marte, cuidando para não danificar as
sementes durante o corte de seus frutos.
Como exemplos deste tipo de fruto se pode citar: Peltophorum dubium (canafístula)
e a Tipuana tipu (tipuana).

FRUTOS CARNOSOS

Este tipo de fruto deve sofrer despolpamento, o que evitará a fermentação e a


decomposição de sua polpa e, assim, por consequência danos às sementes.
Para isso, segundo Aguiar et al, (1993) os frutos deverão ser deixados de molho em
água (sendo o tempo variável entre espécie), com o objetivo de amolecer sua polpa. Após,
dependendo da constituição de sua polpa, deverão ser amassados, sobre uma peneira e lavados
em água corrente, afim de que sua polpa seja desprendida do contorno das sementes, sendo
posteriormente depositados em um recipiente com água (tanque ou caixa de fibra), onde como
última etapa, as sementes serão separadas dos frutos por flutuação (sementes boas afundam,
sementes ruins e restos de polpa flutuam). As sementes boas deverão ser postas para secar,
preferencialmente, em temperatura natural, sobre lonas e ao ar livre.
Outra forma que também pode ser utilizada é, segundo Machado, (1998), colocar os
frutos em uma câmara fecha, induzindo a fermentação anaeróbica e conseqüente
afrouxamento do pericarpo, dessa forma, não necessitando mais a permanência dor frutos em
molho d’água. Durante a realização desta segunda prática, deverá ser tomado o cuidado para
que durante a fermentação a temperatura não se eleve significativamente, a ponto de
inviabilizar as sementes.

EXTRAÇÃO DE SEMENTES DE PINUS

Para espécies do gênero pinus, os cones podem ser escolhidos já em estádio de


maturação bastante evoluído, devido à maioria dos pinheiros exóticos cultivados apresentarem
frutificação regular.
Quando colhidos, os cones de Pinus spp. possuem teor de umidade elevado, se
expostos imediatamente a uma fonte de calor, poderão secar apenas na sua superfície,
enquanto que a parte central permanecerá úmido, nesse caso os cones não se abrirão
satisfatoriamente (Carneiro, 1982). Para evitar que isto aconteça, realiza-se uma pré-secagem
à sombra, até que ocorra a completa maturação (a duração deste processo variará de acordo
com a condição de umidade do cone e das condições do ambiente onde é realizado o
processo). Esta pré-secagem deverá, portanto, ser realizada em local onde ocorra boa
circulação de ar (galpões, varandas, etc.) e durará o tempo necessário para que as sementes
sejam liberadas, gradualmente, à medida que os cones se abram. Para acelerar essa operação,
os cones devem ser revolvidos diariamente, sendo feita a retirada dos cones abertos. Como a
liberação das sementes não é totalmente espontânea, é necessário que haja a agitação dos
cones para a liberação das sementes que ainda permanecem presas. Esta agitação pode ser
realizada de várias formas, entre as quais colocando-se os cones em uma bolsa plástica e,
posteriormente, batendo sobre esta com um pedaço de madeira.
Como as sementes de Pinus spp. são aladas, o maior inconveniente para a semeadura
são as suas asas, devendo ser desaladas antes da semeadura. Este processo pode ser mecânico,
onde as sementes entram em uma unidade onde há um cilindro com escovas, que gira,
comprimindo levemente as sementes contra uma parede cilíndrica de borracha, as sementes
então entram num compartimento de aspiração, onde o ar separa as asas das sementes ou,
manual, onde as sementes são esfregadas com as mãos contra o fundo de uma peneira,
fazendo com que as asas destas sejam removidas. Neste ultimo processo, a remoção das asas
de junto das sementes é feita com o auxilio do vendo.

EXTRAÇÃO DE SEMENTES DE EUCALYPTUS

Seus frutos são colhidos num determinado estádio de maturação, onde que
colocados em lonas ou bandejas expostas ao sol, devido à presença de fendas radiais na parte
superior (valvas), durante a secagem abrem-se e liberam as sementes que estão no interior das
cápsulas. Após a liberação, são retirados os frutos e as sementes são colocadas para secagem
ao sol ou estufa. No Brasil, segundo Cavalcanti e Gurgel, (1973), são necessárias, em média,
de 24 a 36 horas de secagem em estufa à temperatura de 45°C, para as espécies aqui
cultivadas.

EXTRAÇÃO DE SEMENTES DE ACÁCIA

A maior parte da coleta de sementes desta espécie é realizada em formigueiros, uma


vez que as formigas após retirarem parte do arilo (Surge do funículo (pedúnculo do óvulo) e
envolve o óvulo parcial ou totalmente, após a fecundação.) da semente de acácia depositam
estas no solo, podendo armazenar até 3kg por formigueiro (Embrapa Florestas, 2003). Oura
forma de coleta é na arvora ou no chão, podendo logo após coletadas, serem acondicionadas
em recipientes, onde permanecerão refrigeradas ou a temperatura ambiente, sob a ausência de
luz e umidade, até a sua semeadura.

BENEFICIAMENTO DAS SEMENTES

Depois de colhidas, as sementes contêm materiais indesejáveis (como restos de


frutos, galhos, sementes chochas e de outras espécies, etc.), os quais devem ser removidos do
conjunto para facilitar a secagem, o armazenamento e a semeadura. Para isto, deve ser feita
uma limpeza e classificação das sementes, o que aumenta a qualidade do lote de sementes,
devido à homogeneização no tamanho, peso e forma das sementes, além de aumentar
longevidade do lote e o seu valor de comercialização.
Esta limpeza pode ser realizada mecânica ou manualmente, onde dentre os processos
envolvidos estão: pré-limpeza, onde são removidos os materiais maiores e menores que as
sementes do lote e limpeza propriamente dita, a qual é o processo mais preciso de separação,
que compreende a separação das asas das sementes (pinus spp.). Este processo deve ser
realizado, uma vez que sementes aladas tendem a emergir para a superfície do solo, podendo
posteriormente serem transportadas pelo vento.
Os princípios do beneficiamento das sementes são: remoção do material indesejável,
evitar perder sementes (principalmente sementes boas), remoção de sementes de má qualidade
e eficiência de trabalho.

ARMAZENAMENTO DE SEMENTES FLORESTAIS

Na maioria das vezes as sementes quando coletadas não são prontamente utilizadas, o
que faz com que seja necessário o emprego de técnicas de armazenagem para uma futura
utilização, com o mínimo de perdas de viabilidade. Considerando que as espécies nativas
apresentam ciclicidade de produção de sementes, ou seja, um ano de alta produção seguido de
um ou dois de produção baixa, o armazenamento apropriado de cada espécie se torna uma
ferramenta de grande importância para se garantir a manutenção da espécie.

Dessa forma, o armazenamento de sementes visa garantir a integridade física,


fisiológica e sanitária das mesmas, de modo a conservá-las para obtenção de um dossel de
plantas sadias após a germinação. Sabe-se que as sementes apresentam mecanismos que
impedem sua germinação em condições desfavoráveis de ambiente, baseando-se nesse
princípio é que surgem as técnicas de armazenamento e conservação de sementes florestais,
na tentativa de imitar as condições favoráveis e desfavoráveis da natureza para o
desenvolvimento do embrião.

As sementes de diversas espécies podem ser armazenadas por longos períodos sem
nenhum problema, já outras necessitam de tratamentos e condições de armazenagem
específicas, tentando reproduzir as peculiaridades do seu local de origem, sendo este o que
apresenta as condições ótimas para a conservação e perpetuação da espécie.
Desse modo observa-se a necessidade de conhecer os fatores que afetam a manutenção
da viabilidade das sementes florestais pelo maior período de tempo possível e os métodos
adequados de armazenamento de cada espécie.

LONGEVIDADE E DETERIORAÇÃO DE SEMENTES

O período entre a coleta e a semeadura das sementes, em que as mesmas permanecem


viáveis, varia de espécie para espécie, sendo de forte dependência das condições ambientais.

Desse modo, segundo Hoppe (2004), espécies que estão a mais tempo estabelecidas no
local (pioneiras) conservam sua viabilidade com teores de umidade de 8 a 12 %,
possibilitando seu armazenamento em condições de baixa temperatura e baixa umidade do ar,
sendo pouco suscetível a deterioração por agentes bióticos e pelo consumo de suas reservas.
Já as espécies chamadas clímax, conservam sua viabilidade em umidades de 30 a 40 %, por
curtos períodos de tempo, o que dificulta o seu armazenamento sendo que as sementes dessas
espécies devem ser semeadas logo após sua colheita e beneficiamento.

Quanto a sua viabilidade em condições naturais, as sementes foram classificadas por


Ewart (1908) em três categorias:

• Microbióticas – viabilidade < 3 anos (maioria das recalcitrantes);

• Mesobióticas – viabilidade entre 3 e 15 anos;

• Macrobióticas – período de vida superior a 15 anos.

Devido a alterações fisiológicas que ocorrem nas sementes quando estas são retiradas
das condições naturais, a classificação de Ewart não é aplicável as condições artificiais, sendo
válida somente para sementes recém colhidas e armazenadas de forma adequadas (GALVÃO,
2000).

Assim, a fim de aumentar a longevidade das sementes armazenadas, a redução da


luminosidade, umidade e temperatura do ambiente e das sementes é de um modo geral
eficiente, apesar da rapidez de deterioração ser dependente de características de ambiente e de
cada espécie, o efeito dessas medidas acarretam na diminuição do metabolismo das sementes
e redução da ação de microorganismos que as deterioram.
Além disso, a composição das sementes também afeta sua longevidade, sendo que
sementes que apresentam óleos como reserva, por exemplo, podem sofrer auto-deterioração
rapidamente, por este ser um constituinte de alta instabilidade comparado ao amido. Espécies
que apresentam suas sementes envoltas em frutos carnosos, também podem apresentar
deterioração rápida por estes servirem como meio de cultura para microorganismos.

Segundo Galvão (2000), quanto ao comportamento das sementes frente às condições


de armazenamento, as mesmas podem ser divididas em três classes:

• Ortodoxas - que podem ser armazenadas com umidade inferior a 10% mantendo ou
ampliando sua longevidade (ex.: Bracatinga);

• Recalcitrantes - as quais não podem ser desidratadas a umidades menores de 25 a


50%, sendo que sofrem redução de viabilidade à medida que se perde umidade. Geralmente
não suportam perdas superiores a 5 % da umidade de colheita, sendo possível seu
armazenamento por 2 a 3 meses apenas (ex.: Pinheiro-do-Paraná, Pessegueiro-bravo);

• Intermediárias - são aquelas que podem ser secas a teores de umidade moderados
entre 10 e 15% sem que haja perda de viabilidade (ex.: Uva-japonesa).

Sendo o processo de deterioração o somatório de todas as alterações fisiológicas,


químicas, físicas e bioquímicas que acontecem nas sementes, as quais levam a perda total da
sua viabilidade, os fatores que estão relacionados a esse processo e a longevidade das
mesmas, de acordo com Hoppe (2004) são:

• Umidade – geralmente quanto menor o teor de umidade nas sementes, menor a sua
atividade fisiológica e menor é a atividade dos agentes deteriorantes. No caso de sementes
recalcitrantes, o baixo teor de umidade pode levar a sua deterioração e conseqüente morte do
embrião.

• Teor de óleo das sementes – em comparação ao amido os óleos são mais instáveis o
que acelera o processo de deterioração das sementes.
• Tempo de armazenamento – em conseqüência do tempo de armazenamento pode
ocorrer diminuição da velocidade de crescimento de plântulas, redução da atividade
enzimática, aumento da suscetibilidade a estresses, alteração nas reservas alimentícias,
coloração e velocidade de síntese de compostos orgânicos, além de aumentar a
permeabilidade da membrana citoplasmática, tudo isso como resultado do processo de
envelhecimento.

• Temperatura – a diminuição da temperatura diminui a atividade fisiológica das


sementes assim como a dos agentes deteriorantes, porém em sementes recalcitrantes baixas
temperaturas podem acelerar o processo de deterioração e posterior morte do embrião.

• Luminosidade – o processo de deterioração é acelerado na presença de luz, já que


esta favorece a oxidação e a alteração de substancias presentes na semente.

• Quantidade de substâncias de reserva da semente – quanto menor a semente,


menos substâncias de reserva ela possui, desse modo menor sua longevidade.

• Deterioração do DNA embrionário – ocorre degeneração das proteínas dos núcleos


das células embrionárias das sementes, acarretando em alterações cromossômicas que
impedem a sua germinação.

Dessa forma a deterioração das sementes é parcialmente controlada com o uso de


métodos adequados de produção, colheita, secagem, beneficiamento e armazenagem das
mesmas.

CONDIÇÕES PARA O ARMAZENAMENTO

O armazenamento de sementes é baseado em 8 princípios:

• O armazenamento apenas mantém a qualidade das sementes;

• Altas temperaturas e umidade no armazenamento aceleram a atividade fisiológica da


semente e a sua deterioração;
• O efeito da umidade é maior que o da temperatura;

• A umidade da semente é dependente da umidade relativa do ar e em menor escala de


temperatura;

• Para o armazenamento de sementes ortodoxas a melhor condição é a de frio seco;

• Sementes imaturas e danificadas não resistem bem à armazenagem;

• O potencial de armazenamento varia de acordo com a espécie;

• Toda e qualquer semente sofre deterioração com o passar do tempo.

Porém esses princípios nem sempre se aplicam a sementes recalcitrantes, sendo que
cada espécie apresenta exigências específicas.

Além disso a longevidade pode ser afetada por fatores como qualidade inicial das
sementes, teor de umidade da semente, tempo entre a colheita e o armazenamento,
tratamentos fitossanitários e térmicos aplicados, tipo de embalagem, temperatura e umidade
relativa de armazenamento.

As condições de armazenamento dependem de cada espécie e das características de


suas sementes, sendo que as mais utilizadas são:

• Armazenamento seco com baixa temperatura – indicado para sementes ortodoxas,


onde se faz uso de câmaras frias e desumidificadores, mantendo a temperatura em torno de 3 a
5ºC para sementes temperadas e em torno de 10 a 20 ºC para sementes tropicais, e umidade
relativa do ar de 45 %.

• Armazenamento úmido com baixa temperatura – usado para sementes


recalcitrantes que requerem ambiente úmido (ex.: Araucaria angustifólia), utiliza câmaras
frigoríficas ou refrigeradores, a temperatura é mantida entre -3ºC e 5ºC para sementes
temperadas e entre 7 e 17ºC para as tropicais. A umidade é mantida entre 98 e 99%.
• Armazenamento à umidade e temperatura ambientais – usado em sementes de
tegumento duro (ex.: bracatinga e flamboyant), por um curto período de tempo. Necessita do
uso de embalagens semi ou impermeáveis, dependendo da espécie.

• Criopreservação – usado para sementes ortodoxas em longo prazo (bancos de


germoplasma), faz uso de temperaturas entre -80ºC e -196ºC, através de nitrogênio líquido.

Quanto ao período de armazenamento e demais condições de armazenagem as


recomendações para sementes florestais estão apresentadas na Tabela a seguir.

Tabela 1. Recomendações para armazenamento de sementes florestais.

Período de armazenamento
Até 6 meses Até 5 anos Mais de anos
Sementes ortodoxas1
Teor de umidade da
5 – 10 5 – 10 5 – 10
semente (%)
Temperatura (ºC) 0–5 0–5 - 18
Fibra de madeira ou Fibra de madeira ou Fibra de madeira ou
lata com lata com lata com
Embalagem
revestimento de revestimento de revestimento de
plástico ou alumínio plástico ou alumínio plástico ou alumínio
Sementes recalcitrantes2
Teor de umidade da
30 – 40 30 – 40 30 – 40
semente (%)
Temperatura (ºC) 0–5 1–3 -
De plástico (0,025 De plástico (0,025
mm) ou qualquer mm) ou qualquer
Embalagem -
outra que permita outra que permita
trocas gasosas trocas gasosas
1
Recomenda-se a combinação de temperatura (ºC) e de umidade relativa (%) com soma menor que
100.
2
Armazenamento de sementes recalcitrantes acima de 3 anos é possível somente em casos isolados.

Fonte: Fowler (2000).


Dessa forma, para fins de exemplificação a seguir estão apresentadas as condições de
armazenamento de algumas espécies florestais (Tabela 2).

Tabela 2. Recomendações para armazenamento de sementes de algumas espécies


florestais.

Espécie Condições de armazenamento


Apuleia leiocarpa (Grapia) Câmara seca, em embalagem de papel Kraft
por 19 meses.

Araucaria angustifólia (Pinheiro-do-paraná) Câmara fria, em embalagem de polietileno


herméticamente fechada por 12 meses.

Cabralea graberrima (Canjarana) Câmara fria em embalagem de vidro


herméticamente fechada por 45 dias.

Cedrela odorata (Cedro-vermelho) Câmara fria seca (Temperatura 10ºC e


umidade relativa 65%), em embalagem de
pano, papel Kraft, madeira ou plástica por
345 dias.

Cordia trichotoma (Louro-pardo) Câmara fria seca (temperatura 11ºC e


umidade relativa 26%), em embalagem de
pano, papel Kraft ou madeira por 150 dias.

Mimosa scabrella (Bracatinga) Câmara fria (temperatura 4ºC ± 1ºC e


umidade relativa 89% ± 1%), em embalagem
de fibra de madeira por 6 anos.

Parapiptadenia rígida (Angico-gurucaia) Câmara fria e embalagem de polietileno (24


micras) por 12 meses.

Peltophorum dubium (Canafístula) Câmara seca (temperatura 12ºC e umidade


relativa 50%), em embalagem de papel Kraft
por 25 meses.

Tabebuia heptaphylla (Ipê-roxo) Câmara seca (12ºC e U.R. 50%) por 15


meses.
Fonte: Galvão, 2000.

EMBALAGENS PARA ARMAZENAMENTO

As embalagens podem ser:


• Abertas – para sementes que necessitam de aeração;

• Fechadas – para sementes sensíveis a variação de umidade e que não necessitam de


aeração.

Além disso, quanto à permeabilidade as embalagens podem ser:

• Permeáveis e semipermeáveis – sacolas de papel e plásticas de pequena espessura, as


quais permitem trocas gasosas e de umidade com o meio, são usadas para conservação de
sementes ortodoxas de tegumento duro e recalcitrantes que requerem aeração.

• Impermeáveis – usada para sementes ortodoxas por longos períodos (2 a 10 anos) em


temperaturas de 0 a 10 ºC, com umidade de 8 a 10 % (ex.: vidro, plástico espesso ou metal).

TRATAMENTOS PARA O ARMAZENAMENTO

• Secagem de sementes – utilizada para sementes ortodoxas, em bandejas ao ar livre e


sob cobertura, sendo um local ventilado, podendo ser efetuado também em estufa. Em
sementes intermediárias a desidratação pode ser feita até certo ponto sem prejudicar a
viabilidade. A secagem geralmente potencializa o vigor e a longevidade das sementes, sendo
necessária para evitar a degradação e alterações químicas nas mesmas durante o
armazenamento.

• Liofilização de sementes – método que proporciona a desidratação a teores de


umidades muito baixos, mantendo a maioria das propriedades bioquímicas da semente. O
método faz uso de um aparelho chamado liofilizador, após o processo as sementes devem ser
armazenadas em embalagens impermeáveis e opacas, já que o material sofre deterioração
quando iluminado.

• Peletização de sementes – é um processo físico-químico em que as sementes


pequenas são recobertas por um material inerte (pó de fosfato de rocha ou de calcário) com
auxílio de um adesivo, com a finalidade de homogeneizar a forma e aumentar o tamanho das
sementes, o que facilita a manipulação e a semeadura das mesmas.
ANÁLISE DE SEMENTES FLORESTAIS

Através da análise de sementes são obtidos dados que possibilitam expressar a


qualidade física e fisiológica do lote de sementes, para fins de semeadura e armazenamento.
Além de estabelecer parâmetros de comparação entre diferentes lotes, bem como, as
condições adequadas de armazenamento.
A grande diversidade na morfologia dos frutos e sementes de espécie florestais nativas
e exóticas tem comprometido e, muitas vezes, causado muita insegurança quanto à
confiabilidade dos resultados obtidos.
Para que a linguagem da análise de sementes fosse facilmente entendível e
reproduzível por todos os laboratórios, foram criadas as Regras Internacionais para Análise de
Sementes, que deram subsídios para que no Brasil chegássemos a elaborar as Regras para
Análise de Sementes.
As Regras de Análise de Sementes, conhecidas como RAS (Brasil, Ministério da
Agricultura, 1982), reúnem um conjunto de procedimentos, técnicas e prescrições que
norteiam o tecnologista na realização da análise. Com sua adoção, é possível a padronização
da metodologia empregada para uma dada espécie.

AMOSTRAGEM

A qualidade dos lotes de sementes é avaliada com o auxílio de testes de laboratório,


onde são utilizadas pequenas quantidades de sementes, denominadas de amostras, que devem
representar o lote de sementes. (AGUIAR et al., 1993).
A quantidade de sementes analisadas é, em geral, muito pequena em relação ao
tamanho do lote que representa. É essencial que as amostras sejam retiradas com todo cuidado
e em conformidade com os métodos estabelecidos nas presentes Regras para Análise de
Sementes – RAS, a fim de se obter resultados uniformes e precisos em análise de sementes,
Por mais criterioso que seja o procedimento técnico empregado na análise, os resultados não
podem indicar senão a qualidade das sementes contidas na amostra submetida a exame,
conseqüentemente, todos os esforços devem ser feitos para assegurar que a amostra enviada
para análise represente, corretamente, a composição do lote em questão. Do mesmo modo, ao
reduzir essa amostra no laboratório, toda a precaução deve ser tomada pelo analista a fim de
que as amostras a serem usadas nas diversas determinações, sejam por sua vez representativas
da amostra remetida ao laboratório de análise de sementes.
Para seu acondicionamento, são empregados diversos tipos de recipientes como saco
de algodão, tamborete de papelão e caixa de madeira. O lote pode ser constituído por um ou
vários recipientes (AGUIAR et al., 1993).

DENOMINAÇÃO DAS AMOSTRAS

É uma quantidade definida de sementes, identificada por letra, número ou combinação


dos dois, da qual cada porção é, dentro de tolerâncias permitidas, homogênea e uniforme para
as informações contidas na identificação.

AMOSTRAS

• Amostra Simples - É uma pequena porção de sementes retirada de um ponto do lote.


• Amostra Composta - É a amostra formada pela combinação e mistura de todas as
amostras simples retiradas do lote. Esta amostra é usualmente bem maior que a necessária
para os vários testes e normalmente necessita ser adequadamente reduzida antes de ser
enviada ao laboratório.
• Amostra Média - É a própria amostra composta ou subamostra desta, com tamanho
mínimo especificado nestas Regras para Análise de Sementes. É a recebida pelo laboratório
para ser submetida à análise.
• Amostra Duplicata - É a amostra obtida da amostra composta e nas mesmas
condições da amostra média e identificada como “Amostra Duplicata”. É obtida para fins de
fiscalização da produção e do comércio de sementes, no caso da necessidade de uma
reanálise.
• Amostra de Trabalho - É a amostra obtida no laboratório, por homogeneização e
redução da amostra média até os pesos mínimos requeridos e nunca inferiores aos do Quadro
1.2, para os testes prescritos nestas RAS.
• Sub-amostra - É a porção de uma amostra obtida pela redução da amostra de
trabalho.
PROCEDIMENTOS E CUIDADOS NA AMOSTRAGEM

O processo de amostragem inclui as técnicas de homogeneização do lote e das


amostras, retirada e redução das amostras.
• Homogeneização - se faz necessária, uma vez que os componentes mais pesados do
lote tendem a se depositar na parte inferior do recipiente. Em todas as etapas do processo de
amostragem e obtenção das amostras simples é necessária a homogeneização do lote,
manualmente ou com uso de equipamentos.
• Retirada - pode ser efetuada manualmente ou com uso de amostradores. Dependendo
do tamanho do lote, as RAS determinam a intensidade da amostragem. Para lotes de 1.000 kg
deve ser obtida uma amostra simples a cada 300 kg, porém, não menos que 5 amostras
simples. Os recipientes devem ser amostrados ao acaso.
• Redução - São empregados divisores de solo ou únicos de menor tamanho, ou réguas,
quando efetuada manualmente. A porção a ser reduzida é passada no equipamento onde é
dividida em duas frações, sendo uma desprezada. Com a fração restante repete-se o
procedimento até a obtenção da amostra do tamanho desejado. Com o uso de réguas, a
amostra é subdividida consecutivamente, sendo uma das porções sempre desprezada. É
amostrado somente um lote por vez e a cada nova amostragem, os instrumentos e
equipamentos empregados devem ser limpos, para evitar a mistura de sementes de diferentes
lotes ou mesmo, de diferentes espécies.
PESO MÍNIMO DAS AMOSTRAS

As RAS prescrevem o tamanho mínimo das amostras médias e de trabalho. No


entanto, para a maioria das espécies florestais, esses padrões não constam nas RAS e existem
diferenças em relação às espécies agrícolas, o que dificulta o seu estabelecimento.
Figliolia & Piña-Rodrigues (1993) propuseram o tamanho da amostra média para
várias espécies florestais, baseados em pesquisas prévias e no número de sementes necessário
para os testes de pureza, germinação e umidade.

TESTES
ANÁLISE DE PUREZA

Após recepção e catalogação da amostra média, o laboratório de análise de sementes


passará a efetuar análises para controle de qualidade física ou fisiológica de sementes. A
primeira análise a ser efetuada é a de pureza, que visa determinar a composição da amostra, e,
por conseguinte, do lote que lhe deu origem dividindo-a cm 3 (três) classes de material:
sementes puras, outras sementes e material inerte; além disso, os componentes de cada classe
serão identificados. As observações feitas em cada etapa desta análise serão anotadas em
boletim ou ficha de análise especifica.
• Sementes puras - Segundo as RAS, são consideradas como sementes puras todas as
pertencentes à espécie e variedade indicadas pelo remetente e presentes em uma proporção
superior a 6% do pelo da amostra. Também serão consideradas como puras todas as sementes
de tamanho inferior ao normal enrugadas, imaturas, trincadas ou em inicio de germinação,
desde que possam ser identificadas como sendo de espécie a cultivar em questão. Além
destas, também serão incluídas nesta classe as sementes quebradas, cujos fragmentos sejam
maiores que a metade do tamanho original da semente.
• Outras sementes - Nesta porção estão incluídas todas as sementes de plantas
cultivadas a e as sementes e outras estruturas de propagação vegetativa, de plantas
reconhecidas como daninhas de: qualquer espécie de planta que não seja daquela em exame.
• Material inerte - Além ele outros detalhes específicos, descritos nas RAS, desta
porção constam às sementes da espécie considerada em análise ou de outras plantas cultivadas
que se encontrem quebradas ou danificadas, cujos fragmentos sejam iguais ou inferiores a
metade do tamanho original da semente. Enquadram-se também nesta porção os seguintes
materiais: pedras, poeiras, palhas, restos de plantas, expansões aladas de algumas espécies
florestais, escamas de cones, óvulos não fecundados (como em amostras de eucalipto),
lenientes de algumas coníferas; sem tegumento, além de sementes alteradas pelo
desenvolvimento de carvão ou galhas de nematóides.

Depois de obtidas as frações, calcula-se a porcentagem de sementes puras através da


fórmula:
Pureza % = (Peso das sementes puras x 100%)/ Peso total da amostra original

DETERMINAÇÃO DA UMIDADE
O teor de umidade de uma semente ê um fator de extrema importância para a
manutenção de sua qualidade fisiológica. A exceção de sementes de algumas essências
florestais e frutíferas, cuja conservação requer teores de umidade elevados, o armazenamento
prolongado da maioria das sementes requer baixas umidades propiciando a manutenção da
viabilidade e do vigor das mesmas.
Por serem higroscópicas as sementes absorvem umidade do meio ambiente, tornando
intensa sua atividade respiratória, consumindo energia e liberando calor, tornando o ambiente
de armazenamento favorável ao aparecimento de microrganismos e insetos; este fato contribui
grandemente para o decréscimo da viabilidade das sementes.
O conhecimento do teor de umidade inicial é fundamental para a escolha da
temperatura e tempo de secagem das sementes.
Na comercialização, onde a umidade das sementes é critério para estabelecimento de
preços, grandes somas em dinheiro podem estar em jogo, quando matéria seca está sendo
comercializada como a água ou vice-versa.
Os métodos existentes para esta determinação estão agrupados da seguinte forma:
métodos diretos ou básicos e métodos indiretos ou práticos.
Nos métodos diretos, a água é retirada por aquecimento da amostra e medida por perda
de peso (diferença), diretamente pelo volume de água condensada ou por processos químicos.
As RAS (Regras para Análise de Sementes) citam as seguintes indicações:
- Método de estufa a baixa temperatura constante: 103º C± 2ºC;
- Método de estufa a alta temperatura constante: 130º C ± 3ºC;
- Método de estufa a 105ºC ± 3ºC.
O método mais utilizado no Brasil, devido às condições de adequação aos laboratórios,
é a determinação em estufa a 105ºC ± 3ºC, podendo ser utilizado para sementes de qualquer
espécie.
Nos métodos indiretos, os resultados são obtidos com base em dois princípios:
resistência à passagem da corrente elétrica oferecida pela semente em função de sua umidade
e as propriedades dielétricas da matéria orgânica. Estes métodos são utilizados normalmente
no campo, devido à rapidez de determinação.

ANÁLISE DE GERMINAÇÃO
O teste de germinação visa fornecer informações sobre a viabilidade das sementes
permitindo calcular-se a quantidade de sementes necessária para a semeadura em viveiro. É
um importante parâmetro a ser considerado na compra de um lote de sementes.
A fiscalização do comercio de sementes e também efetuada com base em padrões
estabelecidos pelas instituições governamentais, que fixam, para o caso das espécies
florestais, valores mínimos de germinação e pureza, abaixo dos quais a semente não pode ser
comercializada.

PRINCÍPIOS BÁSICOS

Os testes ele germinação são conduzidos fornecendo as condições ideais de luz,


umidade e temperatura, altamente favoráveis para a espécie testada; O teste deve ser
padronizado de modo que, analistas de diferentes regiões possam obter o mesmo resultado, de
um mesmo Lote.

CONDIÇÕES PARA O TESTE DE GERMINACAO

O ambiente que a semente vai ser pasta para germinar deve fornecer as condições
mínimas para seu desenvolvimento.
• Umidade - O substrato deve ser umedecido com quantidade suficiente de água que
permita o desenvolvimento do embrião.
• Temperatura - Os equipamentos utilizados na germinação (câmaras e germinadores)
devem manter uma temperatura uniforme em seu interior. O analista deve efetuar um controle
diário da temperatura no germinador.
• Luz - Embora importante, algumas espécies podem apresentar uma menor exigência
em relação à luminosidade. Nos testes de germinação a qualidade da luz é bastante
importante.
• Substrato - O meio em que a semente é posta para germinar tem a função manter a
umidade, preservando as condições ideais para que esta ocorra. É prioritário que não ofereça
barreiras ao crescimento da plântula, e seja inerte.

A análise pode ser dada pela fórmula:


% GERMINAÇÃO= (Número total de sementes germinadas/Número total de
sementes da amostra) x 100

DETERMINAÇÃO DO VIGOR

Em sementes em germinação, de uma amostra de semente postas para germinar,


resultam plântulas com diferenças marcantes quanto à velocidade de crescimento e
desenvolvimento total atingido.
A avaliação da qualidade das semente por meio dos teste de germinação permite que
elas expressem sua máxima germinação sob condições favoráveis. Entretanto, em situações
naturais, as sementes estão submetidas a uma série de pressões, como variações na umidade
do solo, radiação e competição, condições desfavoráveis para que a semente expresse todo seu
potencial germinativo (Hilhorst et al., 2001). Os primeiros testes de vigor surgiram com o
objetivo de identificar os lotes com melhor comportamento no campo.
Os métodos de avaliação do vigor podem ser classificados em diretos, quando
realizados no campo ou em condições de laboratório que simulem fatores adversos de campo,
ou indiretos, quando realizados em laboratório, mas avaliando as características físicas,
fisiológicas e bioquímicas que expressam a qualidade das sementes.

MÉTODOS INDIRETOS PARA A DETERMINAÇÃO DA VIABILIDADE

TESTES DE RESISTÊNCIA

• Envelhecimento acelerado (EA) - Dentre os métodos indiretos pode-se citar o teste


de envelhecimento, no qual consiste em simular condições de estresse nas sementes, gerando
uma alta taxa de respiração e consumo das reservas e acelerando os processos metabólicos
que levam à sua deterioração.
• Teste de frio - O teste de frio foi desenvolvido para simular condições desfavoráveis
em regiões temperadas. Atualmente, seu uso tem por base o príncipio de que sementes mais
vigorosas resistem a condições adversas (Marcos-Filho, Cícero e Silva,1987; Vieira e
Carvalho, 1994).
• Testes de vigor com base na análise de germinação - Os testes mais simples para
determinação de vigor são os de velocidade de desenvolvimento, cujos resultados podem ser
obtidos pela análise-padrão de germinação. Os mais utilizados são o tempo médio de
germinação, o índice de velocidade de germinação, a primeira contagem do teste de
germinação e a análise de plântulas. Todos esses testes são classificados como indiretos por
serem realizados em condições de laboratório. O princípio desses testes baseia-se no
pressuposto de que sementes mais vigorosas germinarão mais rapidamente do que outras em
condições inferiores (Vieira e Carvalho, 1994).

CONCLUSÃO

A utilização das sementes de espécies florestais geralmente não ocorre logo após a
coleta das mesmas. Por esse motivo os processos de beneficiamento e armazenagem
realizados adequadamente são essenciais para garantir a viabilidade das sementes, a qual é
avaliada através de métodos e ferramentas de análise, que indicam a efetividade dos
procedimentos de extração, beneficiamento e armazenagem.
Contudo observa-se a relevância de estudos científicos a fim de satisfazer a
necessidade de manter a viabilidade de sementes por períodos maiores de tempo,
principalmente em relação a sementes recalcitrantes. Desse modo a criação de novas
tecnologias de beneficiamento e armazenagem é de grande utilidade as ciências florestais,
garantindo a conservação de uma gama maior de espécies.

REFERÊNCIAS

AGUIAR , I. B.; PINÃ-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B. Sementes Florestais


Tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. 350p.

CARNEIRO, D. A . Produção de sementes de Pinus taeda e Pinus elliotti na fazenda Monte


Alegre. In: CURSO SOBRE UTILIZAÇÃO ECONÔMICAS MARGINAIS DOS
RESFLORESTAMENTOS. São Paulo, SP, SBS, 1982. 9p.

CAVALCANTI, G. R. A. & GURGEL, J. T. A. Eucalyptus seed production in Brazil. In:


SEED PROCESSING. Proceedings, v. 2. Bergen, IUFRO Wkg. Group on Seed Problems.
1973. 18p.
EMBRAPA FLORESTAS. Sistemas de Produção. 3 ISSN – Versão eletrônica. Janeiro/2003.
Disponível em:
<HTTP://sistemasdeprodução.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/AcaciaNegra/CultivodaAcacia
Negra/02_especies_de_acacia_negra_para_plantio.htm. Acesso em: 25/04/2011.

FIGLIOLIA, M. B.; PINÃ-RODRIGUES, F. C. M. Considerações práticas sobre o teste de


germinação em es´´ecies florestais. In: SILVA, A. da; FIGLIOLIA, M. B.; PINÃ-
RODRIGUES, F. C. M. Manual de produção e tecnologia de sementes florestais. São
Paulo. Instituto Florestal, 1993.

GALVÃO, A. P. M. (Org.). Reflorestamento de propriedades rurais para fins produtivos e


ambientais: um guia para ações municipais e regionais. Colombo - PR. Embrapa Fllorestas.
2000. 351 p.

HILHORST, H. W. M.; et al. Curso avançado em fisiologia e tecnologia de sementes.


Lavras: UFLAS, 2001. p 74.

HOPPE, J. M. (Org.). Produção de sementes e mudas florestais. Caderno didático nº1, 2º


Ed. Santa Maria, 2004. 388 p.

MACHADO, C. Vegetação Arbórea do Pontal do Paranapanema, Estado de São Paulo:


Coleta, Beneficiamento de Sementes e Aspectos Fenológicos Correlatos – CESP. 1998.

MARCOS-FILHO, J.: CÍCERO, S. M.; SILVA, W. R. Avaliação da qualidade de sementes.


Piracicaba: FEALQ, 1987. 230 p.

VIEIRA, R. D.; CARVALHO, n. m. (Ed). Testes de vigor em sementes. Jaboticabal:


FUNEP, 1994. 164 p.