Anda di halaman 1dari 8

A Célula

É a menor unidade estrutural básica do ser vivo. É descoberta em 1667


pelo inglês Robert Hooke, que observa uma célula de cortiça (tecido vegetal
morto) usando o microscópio. A partir daí, as técnicas de observação
microscópicas avançam em função de novas técnicas e aparelhos mais
possantes. O uso de corantes, por exemplo, permite a identificação do núcleo
celular e dos cromossomos, suportes materiais do gene (unidade genética que
determina as características de um indivíduo). Pouco depois, comprova-se que
todas as células de um mesmo organismo têm o mesmo número de
cromossomos. Este número é característico de cada espécie animal ou vegetal
e responsável pela transmissão dos caracteres hereditários. O corpo humano
tem cerca de 100 trilhões de células.

Célula Procariótica

As células procariontes se caracterizam pela pobreza de membrana


plasmática. Ao contrário dos eucariontes, não possuem uma membrana
envolvendo os cromossomos, separando-os do citoplasma. Os seres vivos que
são constituídos por estas células são denominados procariotas,
compreendendo principalmente as bactérias, e algumas algas (cianofíceas e
algas azuis) que também são consideradas bactérias.

Por sua simplicidade estrutura e rapidez na multiplicação, a célula


Escherichia coli é a célula procarionte mais bem estudada. Ela tem forma de
bastão, possuindo uma membrana plasmática semelhante à de células
eucariontes. Por fora dessa membrana existe uma parede rígida, com 20nm de
espessura, constituída por um complexo de proteínas e glicosaminoglicanas.
Esta parede tem como função proteger a bactéria das ações mecânicas.No
citoplasma da E.coli existem ribossomos ligados a moléculas de RNAm,
constituindo polirribossomos.

O nucleóide é uma estrutura que possui dois ou mais cromossomos


idênticos circulares, presos a diferentes pontos da membrana plasmática. As
células procariontes não se dividem por mitose e seus filamentos de DNA não
sofrem o processo de condensação que leva à formação de cromossomos
visíveis ao microscópio óptico, durante a divisão celular. Em alguns casos, a
membrana plasmática se invagina e se enrola formando estruturas
denominadas mesossomos.

As células procariontes que realizam fotossíntese, possui em seu


citoplasma, algumas membranas, paralelas entre si, e associadas à clorofila ou
a outros pigmentos responsáveis pela captação de energia luminosa. Diferente
das células eucariontes, os procariontes não possuem um citoesqueleto
(responsável pelo movimento e forma das células). A forma simples das células
procariontes, que em geral é esférica ou em bastonete, é mantida pela parede
extracelular, sintetizada no citoplasma e agregada à superfície externa da
membrana celular.
A principal diferença entre células procariontes e eucariontes, é que esta
última possui um extenso sistema de membrana cria, no citoplasma,
microrregiões que contêm moléculas diferentes e executam funções
especializadas.

A Célula Eucarionte

O surgimento de células eucariontes provém da hipótese de que uma


célula procariótica teria sofrido modificações evolutivas. Com a invaginação de
membranas; acúmulo de enzimas em compartimentos individualizados, com
diferentes composições químicas e funções químicas, surgiram às organelas
citoplasmáticas. Enfim, a necessidade de adaptação a Terra primitiva fez com
que surgissem seres mais especializados.

Na célula, o ambiente geral de trabalho é conhecido como citoplasma.


Nele ocorrem reações químicas vitais para a célula. O mesmo é constituído de:

• Hialoplasma: H2O e substâncias dissolvidas (sais, enzimas,


aminoácidos...)
• Conjunto de organoides: põe a célula em funcionamento.

As organelas podem ser divididas em:


ORGANELAS MEMBRANOSAS NÃO MEMBRANOSAS
(de constituição lipoprotéica, como na
membrana plasmática)
Retículo endoplasmático (liso e rugoso), Ribossomos e centríolos.
mitocôndria, complexo de Golgi,
lisossomos, peroxissomos, cloroplasto e
vacúolos.

A Célula Animal

•Membrana: Formada por uma dupla camada de fosfolipídios, bem como por
proteínas espaçadas e que podem atravessar de um lado a outro da
membrana. Algumas proteínas estão associadas a glicídios, formando as
glicoproteínas. Controla a entrada e a saída de substâncias.

•Fosfolipídios - fosfato (PO4-3) associado a lipídios (gorduras). São os


principais componentes das membranas celulares. A região do
fosfato("cabeça") se encontra eletricamente carregada (região polar) enquanto
que as duas cadeias de ácidos graxos(pertencentes ao lipídio)não apresentam
carga elétrica (região apolar).
•Glicoproteínas: associação de proteínas com glicídios (açúcares) presentes
nas células animais em geral. Os glicídios recobrem as células como "pêlos"
protegendo-as contra agressões do meio ambiente e retendo substâncias,
como nutrientes e enzimas, constituindo o glicocálix.

•Retículo endoplasmático (RE): Conjunto de membranas que delimitam


cavidades das mais diversas formas formando CISTERNAS. Estende-se a
partir do envoltório nuclear e percorre grande parte do citoplasma formando
uma rede que se intercomunica. É uma rede de estruturas tubulares e
vesiculares achatadas. Por outro lado, suas paredes são formadas por
membranas de bicamadas lipídicas, contendo grandes quantidades de
proteínas, de forma semelhante à membrana celular. Podemos distinguir dois
tipos de retículo endoplasmático: o retículo endoplasmático rugoso ou granular
(RER) e o retículo endoplasmático liso ou agranular (REL).

 Retículo Endoplasmático Rugoso ou agranular ou Ergastoplasma:


Possui ribossomos aderidos (acoplados) à face citoplasmática de suas
membranas. Encontra-se na forma de polirribossomos, unidos a RNAm em
plena atividade de síntese protéica. As proteínas sintetizadas sobre o RER são
jogadas para dentro das cisternas. Lá são reconhecidas e sofrem modificações
para formação da conformação terciária e quartenária das proteínas. Algumas
em especial, podem ter acréscimo de açúcares neste local, processo esse
chamado de glicosilação. Proteínas sintetizadas no RER são aquelas
destinadas a permanecer no próprio retículo, ser transportadas para o Golgi
para formação de lisossomos, formação da membrana plasmática ou
simplesmente para serem secretadas.

 Retículo Endoplasmático Liso: Não possui cromossomos aderidos a


membrana. Podem ter continuidade com o RER. Está envolvido com o
metabolismo de lipídeos. Vai sintetizar todos os lipídeos que constituem
a membrana plasmática, incluindo fosfolipídios e colesterol. Alguns
desses começam a ser produzidos no REL e serão completados no
golgi. Armazenam substâncias importantes para contração muscular ⇒
Ca+2. É o principal reservatório de cálcio do citoplasma. Ao receber
estímulo nervoso para contração muscular, liberam cálcio do retículo e
esses irão agir no processo de contração muscular. Organela que está
envolvida com a desintoxicação do indivíduo. Convertem substâncias
como herbicidas, corantes e medicamentos em substâncias de fácil
excreção. Participa da solubilização da bile.

• Ribossomos: Ribossomos são os locais de síntese de proteína. Eles


não são limitados por membranas e, portanto ocorrem tanto em
procariontes quanto em eucariontes. Os ribossomos de eucariontes são
ligeiramente maiores que os de procariontes. Estruturalmente, o
ribossomo consiste em uma sub-unidade pequena e outra maior.
Bioquimicamente o ribossomo consiste em RNA ribossômico (RNAr) e
umas 50 proteínas estruturais. Freqüentemente os ribossomos crescem
em cachos no retículo de endoplasmático, eles se assemelham a uma
série de fábricas que juntam formando algo parecido com uma via
férrea.

•Complexo de Golgi: são bolsas membranosas e achatadas, que podem


armazenar e transformar substâncias que chegam via retículo endoplasmático;
podem também eliminar substâncias produzidas pela célula, mas que irão atuar
fora dela (enzimas, por exemplo). Produzem ainda os lisossomos.

•Lisossomo: Estrutura que apresenta enzimas digestivas capazes de digerir


um grande número de produtos orgânicos. Realiza a digestão intracelular. É
importante nos glóbulos brancos e de modo geral para a célula já que digere as
partes desta (autofagia) que serão substituídas por outras mais novas, o que
ocorre com freqüência em nossas células.

•Mitocôndria: As mitocôndrias são formadas principalmente por duas


bicamadas lipídicas: uma membrana externa e outra membrana interna.
Enquanto a membrana externa é lisa, a membrana interna possui inúmeras
pregas chamadas cristas mitocondrial, nas quais se fixam enzimas oxidativas.
A cavidade interna das mitocôndrias é preenchida por um fluido denominado
matriz mitocondrial contendo grande quantidade de enzimas dissolvidas,
necessárias para a extração de energia dos nutrientes.
As mitocôndrias são verdadeiras “casas de força” das células, pois produzem
energia para todas as atividades celulares. Sua composição química é
riquíssima, notando-se principalmente a presença de DNA, RNA, proteínas,
carboidratos, enzimas, ATP (adenosina – trifosfato), ADP (adenosina –
difosfato), etc. São encontrados nas células eucariontes, sendo substituídas
pelos mesossomos nas bactérias.

No interior das mitocôndrias ocorre a respiração celular, que é o processo em


que moléculas orgânicas de alimento reagem com gás oxigênio, transformando
– se em gás carbônico e água e liberando energia.

Toda mitocôndria surge da reprodução de outra mitocôndria, sendo que a


divisão da mitocôndria denomina-se Condrocinese ou Condrogênese.

Funções da Mitocôndria:
- Produção de Energia;
- Respiração Celular através do Ciclo de Krebs e da Cadeia Respiratória.

•Centríolos: centríolo é um cilindro cuja parede é constituída por nove


conjuntos de três microtúbulos e geralmente ocorrem aos pares nas células. Os
centríolos são desprovidos de membrana, são constituídos por túbulos de
natureza protéica (tubulina) e recebem inúmeras denominações de acordo com
as funções que exercem como: diplossomos, áster, cinetossomo,
blefaroplastos, etc. Os centríolos originam estruturas locomotoras denominadas
cílios e flagelos, que diferem entre si quanto ao comprimento e número por
célula e possuem um eixo de sustentação chamado axonema (envolvido por
uma membrana lipoprotéica).
Os flagelos são longos e pouco numerosos e executam ondulações que se
propagam da base em direção a extremidade livre. Os cílios são curtos e muito
numerosos e executam um movimento semelhante ao de um chicote, com a
incrível freqüência de 10 a 40 batimentos por segundo.

Funções de Cílios e Flagelos:


- Locomoção da Célula;
- Movimentação de Líquido Extracelular;
- Limpeza das Vias Respiratórias.

Função dos Centríolos:


- Orientar a Divisão Celular, pois origina uma estrutura denominada fuso
mitótico, onde se prendem os cromossomos;
- Originar Cílios e Flagelos. Flagelos trabalham como chicotes que puxam
(como nas Chlamydomonas ou Halosphaera) ou empurrando
(dinoflagellates, um grupo de Protista unicelular) o organismo pela água.
Cílios trabalham como remos em um navio viking (o Paramecium tem
17.000 cílios, cobrindo sua superfície exterior, que remam dando-lhe
movimento).

Organização celular em procariontes e eucariontes

Células procariontes Células eucariontes


Envoltório nuclear Ausente Presente
DNA Desnudo Combinado com proteínas
Cromossomas Únicos Múltiplos
Nucléolos Ausentes Presentes
Divisão Fusão binária Mitose e meiose
Endomembranas Ausentes Presentes
Mitocôndrias Ausentes Presentes
Cloroplastos Ausentes Presentes em células vegetais
Parede celular Não celulósica Celulósica em células vegetais

Exocitose e endocitose Ausentes Presentes

Citoesqueleto Ausente Presente


A Célula Vegetal

• Plastos: Os plastos são orgânulos citoplasmáticos encontrados nas células


de plantas e de algas. São classificados em:
- Cromoplastos: São plastos coloridos que armazenam pigmentos.

Cloroplasnto Clorofila Verde


Xantoplasto Xantofila Amarelo
Eritroplasto Eritrofila Vermelho
Cianoplasto Cianofila Azul
Feoplasto Feofila Pardo

•Parede celulósica: constituída por celulose (polissacarídeo) e também por


glicoproteínas (açúcar + proteína), hemicelulose (união de certos açúcares com
5 carbonos) e pectina (polissacarídeo). A celulose forma fibras, enquanto as
outras constituem uma espécie de cimento; juntas formam uma estrutura muito
resistente.

•Vacúolo: Estrutura derivada do retículo endoplasmático que pode conter


líquidos e pigmentos, além de diversas outras substâncias.

Núcleo Celular

Uma das principais características da célula eucarionte é a presença de um


núcleo de forma variável, porém bem individualizado e separado do restante da
célula:

Ao microscópio óptico o núcleo tem contorno nítido, sendo o seu interior


preenchido por elementos figurados. Dentre os elementos distingem-se o
nucléolo e a cromatina.

Quando uma célula se divide, seu material nuclear (cromatina) perde a


aparência relativamente homogênea típica das células que não estão em
divisão e condensa-se numa serie de organelas em forma de bastão,
denominadas cromossomos. Nas células somáticas humanas são encontrados
46 cromossomos.

Há dois tipos de divisão celular: mitose e meiose. A mitose é a divisão habitual


das células somáticas, pela qual o corpo cresce se diferencia e realiza reparos.
A divisão mitótica resulta normalmente em duas células-filhas, cada uma com
cromossomos e genes idênticos aos da célula-mãe. A meiose ocorre somente
nas células da linhagem germinativa e apenas uma vez numa geração. Resulta
na formação de células reprodutivas (gametas), cada uma das quais tem
apenas 23 cromossomos.

Nas células somáticas humanas são encontrados 23 pares de cromossomos.


Destes, 22 pares são semelhantes em ambos os sexos e são denominados
autossomos. O par restante compreende os cromossomos sexuais, de
morfologia diferente entre si, que recebem o nome de X e Y. No sexo feminino
existem dois cromossomos X e no masculino existem um cromossomo X e um
Y.

Cada espécie possui um conjunto cromossômico típico ( cariótipo ) em termos


do número e da morfologia dos cromossomos. O número de cromossomos das
diversas espécies biológicas é muito variável.

O estudo morfológico dos cromossomos mostrou que há dois exemplares


idênticos de cada em cada célula diplóide. Portanto, nos núcleos existem pares
de cromossomos homólogos. Denominamos n o número básico de
cromossomos de uma espécie, portanto as células diplóides apresentarão em
seu núcleo 2 n cromossomos e as haplóides n cromossomos