Anda di halaman 1dari 15

Ciências Naturais

8º ano
1. Explicar em que consistem as sucessões ecológicas;

É um processo através do qual ocorre alterações graduais e


progressivas das comunidades que se vão substituindo
umas ás outras, num determinado local ao longo de um
certo tempo até atingir uma comunidade clímax.

2. Distinguir sucessão ecológica primária de sucessão


ecológica secundária;

Sucessão ecológica primária – sequencia de uma


comunidade que ocorre numa área estéril, nunca antes
habitada, em que as condições não são inicialmente
favoráveis.

Sucessão ecológica secundária – sequencia de


comunidades que ocorre num local cuja comunidade
anterior foi destruída.
3. Definir comunidade pioneira, seriais e clímax;

Comunidade pioneira – é a primeira comunidade que se


instala numa região.
(Os líquenes elaboram substâncias que atacam as rochas,
contribuindo assim para a abertura de fendas, que vão
sendo preenchidas por poeiras e produtos resultantes da
decomposição dos próprios líquenes)

Comunidade seriais - são comunidades que se vão


instalando e que queriam condições bióticas e abióticas
favoráveis á sucessão seguinte.

Comunidade clímax - é a última comunidade (complexa,


estável e equilibrada) que se estabelece na fase final de
uma sucessão ecológica.

4. Indicar que fenómenos podem por em risco o equilíbrio


da comunidade clímax?

Incêndios, tempestades, trovoadas, catástrofes e sismos.

5. Explicar de que forma evolui a biodiversidade, o


tamanho das planas, as cadeias alimentares, a taxa de
decomposição e a quantidade de nichos ecológicos ao
longo das sucessões ecológicas.

Características Comunidade Comunidade


pioneira tardia
Tamanho das Pequeno Grande
plantas
Biodiversidade Reduzida Elevada
Estrutura trófica Maioria são Mistura de
produtores, produtores,
poucos consumidores e
decompositores decompositores
Nichos ecológicos Poucos Muito especialistas
generalistas
Reciclagem de Pouco eficiente Muito eficiente
nutrientes
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas:

1. Indicar que fenómenos (naturais e antropogéicos)


contribuem para o desequilíbrio dos ecossistemas.

Catástrofes naturais

Geologia Climáticos
- Sismos - cheias
- Erupções vulcânicas - secas
- Tsunamis - ciclones
- Deslizamento de terras - tornados
-
tempestades
- incêndios

Antropogénicos
Desflorestação
Poluição - ar
- água
- solo
-Incêndios

2. Indicar medidas que contribuem para minimizar os


efeitos das catástrofes naturais;

- Usar menos sprays;


- Reduzir a utilização do carro,

3. Indicar tipos de poluição;

- Poluição do ar
- Poluição da agua
- Poluição do solo

4. Explicar causas que contribuem para a poluição do ar


e da água;

Consequências da poluição do ar:


- Aumento do efeito de estufa aumento do
aquecimento global do planeta

Aumento do nível degelo das catalões polares


da agua do mar

proliferação de doenças tropicais

- Chuvas ácidas alteração do pH dos lagos

Corrosão dos edifícios

Morte de arvores

- Buraco do ozono cancro da pele


Cataratas (doença nos olhos que
pode provocar cegueira)

Consequências da poluição da água:

- Eutrofização
Morrem aves/ mamíferos
- Marés negras

Diminuição do fitoplâcton

Bioacumulação cancro no sistema digestivo

Doenças do sistema nervoso

Fluxo de Energia:
1. Definir cadeia alimentar de teia alimentar;

Cadeia Alimentar – é uma sequência de seres vivos em que


cada um se alimenta do organismo que o precede e serve
de alimento ao que segue.

Teia Alimentar - é o conjunto das várias cadeias alimentar


de um ecossistema interligadas entre si.

2. Explicar o significado das setas existentes nas


cadeias/teias alimentares.

É a energia e a matéria a passar de nível trófico para


nível trófico

3. Definir nível trófico;

Nível Trófico - é a posição que cada ser vivo ocupa na


cadeia alimentar.

4. Distinguir seres vivos produtores (autotróficos),


consumidores (heterotróficos);

Seres vivos produtores – são seres vivos que fabricam


matéria orgânica a partir de substâncias minerais que
retiram do meio.
Exemplos: plantas e algas. Ocupam o 1º nível trófico.

Consumidores - são seres que se alimentam do outros seres


vivos.
Exemplos: homem e gafanhoto.

5. Indicar que tipos de produtores são característicos nos


ecossistemas terrestres e aquáticos.

Aquáticos – fitoplâcton e algas

Terrestres - tudo o que tem folhas

6. Distinguir os tipos de consumidores existentes numa


cadeia alimentar.
Consumidores primários ou de 1ª ordem - são herbívoros e
alimentam-se exclusivamente dos produtores. Ocupam o 2º
nível trófico.

Consumidores secundários ou de 2º ordem - designam-se


predadores ou carnívoros e subsistem á custa dos
herbívoros. Ocupam o 3º nível trófico.

7. Explicar a importância dos decompositores nos


ecossistemas.

Decompositores – são seres vivos que transformam a


matéria orgânica dos cadáveres, excrementos e detritos
animais e vegetais em matéria inorgânica que retornam no
meio abiótico podendo-se neutralizar.

8. Indicar exemplos de decompositores;

Fungos e bactérias

9. Explicar porque razão a energia descreve um fluxo


unidireccional;

Porque a energia do sol entra no ecossistema através dos


produtores e é transferida para os consumidores e
decompositores, abandonando progressivamente o
ecossistema, sob a forma de calor, não utilizável pelos
seres vivos.

10. Explicar o ciclo da matéria;

Ciclo da matéria - são as substancias necessárias para


manter a vida, circulam continuamente passando do meio
abiótico para os produtores e destas para consumidores e
decompositores.

11. Indicar por que razão ocorre perdas de matéria de


nível trófico em nível trófico.

Porque quando via passando de nível trófico para nível


trófico e os seres vivos vão absorvendo a energia.
12. Explicar porque razão uma cadeia alimentar tem
mais sucesso quando menos viveis tróficos tiver.

Porque quanto menor for a cadeia alimentar mais energia


chega ao consumidor que está no topo da cadeia alimentar.

1ª Matriz

1. Ecologia – Ciência que se dedica ao estudo das


relações que se estabelecem entre os seres vivos e
entre estes e o meio que os rodeia.

Ecólogo – é a pessoa que estuda a ciência que se dedica


ao estudo das relações que se estabelecem entre os
seres vivos e entre estes e o meio que os rodeia.

2. Subsistemas terrestres: - Atmosfera (ar)


- Litosfera (solo, rochas)
- Hidrosfera (água)
- Biosfera (seres vivos)

3. Biodiversidade – é o número de espécies diferentes


num local.

Os factores que podem afectar a biodiversidade são:


- Factores climáticos
- Factores edáficos

4. Os diferentes níveis de organização biológica

- As espécies
- A população
- A comunidade biótica
- Biótopo
- O ecossistema

5. Porque é que o ecossistema é considerado um


sistema?
Porque o ecossistema engloba os componentes bióticos e
os componentes abióticos relacionado entre si.

6. Espécie – é um grupo de seres vivos com


características semelhantes, que se podem reproduzir
ente si originando descendentes férteis.

População – é o conjunto de seres vivos da mesma


espécie que habitam no mesmo local num determinado
período de tempo.

Comunidade biótica – é composta por varias populações


que são interdependentes e que podem coexistir num
determinado espaço geográfico.

Ecossistema – engloba o conjunto dos seres vivos que


habitam num certo território, o meio envolvente, as
relações que se estabelecem entre os seres vivos e a
influência mútua entre os seres vivos e os factores do
meio.

Biosfera – é o conjunto de todos os ecossistemas que


existem na terra.

7. Habitat – local onde os seres vivos habitam

Nicho ecológico – é a forma que cada espécie tem de


utilizar o mesmo habitat.

Biótopo – é uma área geográfica com determinadas


características físico-químicas.

8. Factores climáticos:

-Temperatura
-Luz
-Vento
- Salinidade

9. Amplitude térmica – a espécie tem actividade


biológica.
Temperatura letal – a espécie não tem actividade
biológica.

Temperatura térmica – temperatura em que a espécie


tem maior actividade biológica.

10. Estenotérmicos – sobrevivem em estreitos intervalos


de temperatura (ex: lagartixa).

Eurotérmocos – resistem a grandes variações de


temperatura (ex. homem, rato-do-campo).

11. Adaptações fisiológicas

Homeotérmicas – animais com a capacidade de manter


constante a temperatura corporal (mamíferos e aves)

Poiquilotérmicos – animais em que a temperatura


corporal varia de acordo com a temperatura ambiente
(ex: repteis, anfíbios e peixes).

12. Adaptação morfológica


Adaptação ao frio:

- extremidades curtas (focinho, orelhas, cauda, …)


- elevada teor de gordura corporal
- pêlos ou pernas densos e compridos
Ex: raposa-do-ártico

Adaptação ao calor:

- extremidades longas (focinho, orelha, cauda, …)


- reduzido teor de gordura corporal
-pêlos ou pernas pouco densas e curtas
Ex: raposa-do-deserto

13. Adaptação comportamental

Migração – deslocação dos animais para locais mais


favoráveis, durante certas épocas.
Hibernação – redução de metabolismo nomeadamente
ritmo cardíaco e respiratório, para conservar energia
durante as épocas frias.(ex: ouriço-cacheiro, esquilos, …)

Estivação – é igual á “hibernação” só que é nas épocas


quentes. (ex: caracol)

14. Porque são importantes as sementes para


sobrevivência das plantas?

Porque são elas que vão dar origem a novas plantas.

15. Seres hidrófilos ou aquáticos – vivem


permanentemente dentro de água.

Seres higrófilos – vivem em locais muito húmidos.

Seres mesófilos – necessidades moderadas de água.

Seres xerófilos – vivem em locais secos ou com pouca


água.

16. Adaptação dos animais á falta de água.

 Actividade nos períodos mais frescos (noite);


 Impermeabilização dos revestimentos;
 Urina concentrada;
 Sistemas de armazenamento de água;
 Fezes desidratadas;
 Redução de transpiração

Adaptação das plantas á falta de água.

 Folhas do tamanho reduzido ou transformadas


em espinhos;
 Folhais recobertas de ceras impermeáveis;
 Raízes longas em profundidade e/ou á
superfície;
 Armazenamento de água no caule, folhas ou
raízes – caules e raízes carnudas.
17. Adaptações das plantas ao excesso de água

 Têm gutação
 Têm folhas grandes para aumentar transpiração
 Desenvolvem raízes especiais para captarem
oxigénio da atmosfera

18. O Fotoperíodo influência

- Plantas
• O Fototropismo – movimento que as plantas
efectuam em direcção a uma fonte de luz.
• A germinação e a floração de algumas plantas.

- Animais

• Migração;
• Ciclos reprodutivos;
• Cor da pelagem e da plumagem.

19. Qual é a influência da luz nos seres vivos?

- A luz influência o seu ritmo biológico.


- A luz é essencial para o desenvolvimento e crescimento
dos seres vivos fotossintéticos porque é a fonte de
energia utilizada para produzir o seu próprio alimento.

20. Qual é a vantagem da mudança da tonalidade das


penas e pêlos para os animais?

É a camuflagem para sobreviverem e de se adaptarem


ao clima.

Factores bióticos

Relações intra-especificas - são as relações que os seres


vivos da mesma espécie estabelecem entre si.
Relações interespecificas - são as relações que os seres
vivos de espécies diferentes estabelecem entre si.

Relações intra-especificas

são

Cooperação canibalismo
competição
Ex:

Colónias Sociedade

 Prejudiciais – (-)
 Benéficas – (+)
 Indiferentes – (0)

Cooperação (+;+)
 Os indivíduos ajudam-se mutuamente para
atingir um objectivo comum, beneficiando todos, quer
obtenção de alimento, na defesa, do território.
o Sociedades – grupos organizados e estruturados,
onde existe uma hierarquia, social ocupando
cada individuo uma posição específica.
Ex: abelhas
Soricatas
o Colónias – associações de seres vivos da mesma
espécie, que habitam no mesmo local e
desempenham funções semelhantes.
Ex: alforrecas
Flamingos

Competiçaõ (-;-)
 Existe sempre que dois seres vivos da mesma
espécie competem pelo território, alimento,
fêmeas.
 São ambos prejudicados pois ambos gastam
energia e podem resultar feridos.
Ex: leão marinho
Urso polar

Canibalismo (+;-)
 Ocorre sempre que um individuo mata e come o outro
da mesma espécie.
Ex: louva-a-deus; aranha
 O louva-a-deus e algumas aranhas após o
acasalamento matam o macho.

Relações interespecificas

Metabolismo predação comensalismo parasitismo


competição

Metabolismo (+;0)
 Uma espécie é beneficiada (comensal) e a outra
(hospedeiro) não é afectada.
o As remoras são pequenos peixes que
habitualmente, acompanham os tubarões e
aproveitam os restos de alimentos que estes
grandes predadores desperdiçam.
o O peixe-palhaço refugia-se nas anémonas para se
protegerem dos seus “caçadores”. As anémonas,
por sua vez, não obtêm qualquer vantagem desta
relação.

Parasitismo (+;-)
 Um
a espécie é beneficiada e a outra é prejudicada.
 (par
asita) prejudica (hospedeiro)
 Ect
oparasita e endoparasita
 O
parasita não mata o hospedeiro, pois depende dele para
se manter vivo.
Ex: a pulga ao alimentar-se do sangue do gato enfraquece-
o.

Predação (+;-)
 Uma espécie é prejudicada (presa) e a outra
beneficiada (predador).
EX: a chita e o crocodilo (predador) alimenta-se de
diferentes animais (presas)

Competição (-;-)
 Acontece sempre que seres vivos de espécies
diferentes disputam o espaço, o alimento ou outros
recursos.
 São ambos prejudicados pois desperdiçam
energia e podem sofrer danos corporais.
Ex: Os pica-paus de diferentes espécies podem competir
por alimento e locais de nidificação.

Adaptações dos predadores:


 Deslocam-se rapidamente;
 Possuem bicos fortes e encurvados;
 Possuem dentes aguçados;
 Possuem garras desenvolvidas;
 Possuem órgãos do sentido bem apurados.

Adaptações das presas:


 Mimetismo;
 Camuflagem.