Anda di halaman 1dari 10

III Simpósio Brasileiro de Gestão e Economia da Construção

III SIBRAGEC
UFSCar, São Carlos, SP - 16 a 19 de setembro de 2003

ANÁLISE DAS ÁREAS DE VIVÊNCIA EM CANTEIROS DE OBRA


MENEZES, Guilherme Stoppa (1); SERRA, Sheyla Mara Baptista (2)
(1) Estudante de graduação do curso de Engenharia Civil, guismenezes@zipmail.com.br
(2) Profa. Doutora em Eng. Civil, sheylabs@power.ufscar.br
Núcleo de Pesquisa em Racionalização e Desempenho de Edificações (NUPRE), Departamento de
Engenharia Civil da Universidade Federal de São Carlos, UFSCar

RESUMO
Para garantir qualidade de vida, condições de higiene e integração do operário na sociedade, com reflexos
na produtividade da empresa, a NR-18 determina que os canteiros de obra contenham áreas de vivência
que reflitam sua dignidade.
O objetivo principal dessa pesquisa é o conhecimento de parte da realidade da indústria da construção
civil, enfocando as condições do meio ambiente de trabalho em canteiros de obras situados em São
Carlos, durante o ano de 2002. As informações necessárias para caracterização dos canteiros de obras
foram obtidas por meio de entrevistas com engenheiros e mestre de obras, através do preenchimento de
um questionário e do registro das condições através de uma filmadora. Esta pesquisa tem como base os
procedimentos adotados pelo Núcleo Orientado a Inovação da Edificação (NORIE). Os objetivos
específicos alcançados durante o desenvolvimento da pesquisa foram: avaliação da aplicação da NR-18
em canteiros de obras; avaliação dos princípios e critérios adotados para o estabelecimento dos requisitos
da norma e documentação, junto às empresas construtoras bons exemplos de práticas relativas a
segurança do trabalho.

ABSTRACT
To guarantee life quality, hygiene conditions and employee's integration in the company, with reflexes in
the productivity, the new NR-18 determines that the construction site must contain existence areas that
contribute to the employees dignity.
The main aim of this research is to review actual reality of the building construction industry focusing the
conditions in the work place in constructions sites visited in the City of Sao Carlos along the year of
2002. The necessary information for characterization of the constructions sites were obtained through
interviews with engineers and masters of works, through a questionnaire filling and of the registration of
the conditions through a video camera. This research procedure was based in the procedures stated by
the Building Innovation Research Unit (NORIE). The specific objectives reached during the development
of the research were: evaluation of the application of NR-18 in construction site and evaluation of the
requirements of the norm and documentation, observing good examples of relative practices the safety of
the site.

Palavras-chave: PCMAT, áreas de vivência, Saúde e Segurança do Trabalho, NR-18, planejamento,


canteiro de obras.

Keywords: PCMAT, existence areas, health and safety of the work, NR-18, planning, building site.
1 INTRODUÇÃO
A indústria da construção é um dos ramos de atividades mais antigos e importantes
economicamente em todo o mundo. No Brasil, a construção civil emprega 6% dos
assalariados, com idade média de 34 anos, sendo 98,56% pertencente ao sexo masculino
(SESI, 1991). Atualmente, passa por um grande processo de transformação em todas as
fases do processo de produção: concepção, planejamento, projetos, suprimentos
(materiais, equipamentos e pessoal), execução, uso e manutenção. Durante a fase de
execução verifica-se um alto índice de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais,
causadas principalmente pela falta de planejamento adequado, desconhecimento e
implementação das condições legais de gestão da segurança e saúde do trabalho.
São inúmeros os fatores que colocam em risco a segurança e a saúde dos trabalhadores
no canteiro de obra, tais como a falta de controle do ambiente de trabalho e do processo
produtivo e a precária, ou mesmo inexistente, orientação educativa dos operários. Por
isso, cada vez mais as organizações empresariais estão observando a necessidade de
realizar investimentos nessa área.
O PCMAT - Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho -, criado pela NR-
18, estabelece metas e prioridade nas ações de Prevenção aos Riscos Ambientais na
Indústria da Construção Civil, devendo constar obrigatoriamente em empresas onde
existam 20 trabalhadores ou mais. Apesar da redução do índice de acidentes, verifica-se
que a maior parte dos programas apresentados pelas empresas da indústria da
construção ainda apresenta dificuldades de implantação e, muitas vezes, não alcança os
resultados esperados (BRASIL, 2001).
O canteiro é definido, segundo a Norma Regulamentadora 18 (NR-18) (BRASIL, 2001),
como sendo a área de trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem operações de
apoio e execução de uma obra. Sendo assim, observa-se que o canteiro de obras é uma
estrutura bastante dinâmica e flexível, o qual durante o desenvolvimento do edifício
assume características distintas em função dos operários, empresas, materiais e
equipamentos presentes nele. Por sua vez, as áreas de vivência são os locais destinados
ao descanso, higiene e permanência dos operários e gerentes da obra.
Porém, uma vez que a construção civil visa, fundamentalmente, o lucro para suas
empresas e, muitas vezes, a forma escolhida para obtê-los se dá através da redução
irrestrita dos custos, as áreas de vivência muitas vezes são deixadas de lado, assim como
a segurança no trabalho. Segundo ARAÚJO (1998), os custos relativos à implantação
do PCMAT são em torno de 1,49% do custo total da obra. Já estudos realizados por
SAURIN (1997) mostram que os custos de segurança, quando da instalação de um
canteiro, representam 0,84% do custo total de uma obra. Dessa forma, pode-se concluir
que o estudo e análise das áreas de vivência em canteiros de obra constituem um
importante fator a fim de minimizar os riscos à saúde dos trabalhadores e outros.

2 O CANTEIRO DE OBRAS
O projeto do canteiro é um dos principais instrumentos para o planejamento e
organização da logística de canteiro. Ele afeta o tempo de deslocamento dos
trabalhadores e o custo de movimentação dos materiais e interfere, portanto, na
execução das atividades e também na produtividade global da obra e dos serviços.
Apesar disto, existe pouca preocupação por parte das empresas com a elaboração de tal
projeto (FRANCO, 1992; OLIVEIRA; LEÃO, 1997).
Bons projetos de canteiro podem proporcionar significativas melhorias no processo
produtivo. Eles visam, principalmente, promover a realização de operações seguras e
manter a boa moral dos trabalhadores, além de minimizar distâncias e tempo para
movimentação de pessoal e material, reduzir tempo de movimentação de material,
aumentar o tempo produtivo e evitar obstrução da movimentação de material e
equipamentos (TOMMELEIN et al., 1992).
Segundo FERREIRA (1998), o projeto do canteiro de obras é definido como sendo um
serviço integrante do processo de construção, responsável pela definição do tamanho,
forma e localização das áreas de trabalho, fixas e temporárias e das vias de circulação
necessárias ao desenvolvimento das operações de apoio e execução, durante cada fase
da obra, de forma integrada e evolutiva, de acordo com o projeto de produção do
empreendimento, oferecendo condições de segurança, saúde e motivação aos
trabalhadores e execução racionalizada dos serviços.
Para SERRA (2001a), a cada tipo de canteiro de obras corresponde uma forma de
organização do mesmo, pois existem diferentes formas de transporte e movimentação de
materiais e operários, tipos de equipamentos, localização das instalações do canteiro
etc.. A seqüência de execução também variará conforme o planejamento podendo existir
várias frentes de serviço atuando ao mesmo tempo.
Quanto maior o cuidado em relação ao projeto e implantação do canteiro de obras,
melhores as probabilidades de sucesso quanto aos aspectos de produtividade, qualidade
e, principalmente, segurança do trabalho. Segundo SOUZA (2000), a NR-18 ao
prescrever ações voltadas à segurança do trabalho tem no canteiro de obras o palco para
sua implementação. A exigência do PCMAT, apesar de contemplar apenas a
distribuição inicial das instalações, induz à criação de um projeto completo do canteiro,
onde além dos cuidados específicos quanto à segurança, surge a necessidade de se
determinar o processo construtivo de forma a minimizar os riscos à saúde dos
trabalhadores e outros. A Figura 1 demonstra as interfaces que existem e que devem ser
consideradas para a concepção do projeto do canteiro de obras.

Plano de ataque

Cronograma Tempo disponível para


Projetos
físico execução da obra

Opção entre Espaços disponíveis em Demanda por outros


diferentes diferentes fases do canteiro tipos de espaço no
tecnologias canteiro

Materiais e compo- Demanda por espaço para estoque


nentes recebidos e processamento

Planejamento para entrada / saída


DEFINIÇÃO DO LAYOUT DO
e localização de equipamentos
CANTEIRO

Outros parâmetros auxiliares para a Avaliação e seleção a partir de Checks lists


tomada de decisão várias soluções Critérios

Figura 1 – Fluxograma das atividades para planejamento do canteiro de obras


(SOUZA, 2000)

São nítidas as melhorias nos ambientes de trabalho do setor da construção advindas


após a mudança da NR-18, de acordo com BOCCHILE (2002). O padrão técnico e
organizacional do setor também vem se modificando rapidamente devido às exigências
de menores custos e maior qualidade. Porém, o subsetor edificações ainda caracteriza-se
por acreditar que a implantação das exigências legais de prevenção constitui um custo
adicional à obra.

3 ÁREAS DE VIVÊNCIA
Uma das mais importantes conquistas dos trabalhadores da indústria da construção foi a
obrigatoriedade, prevista na NR-18, de implantação de áreas de vivência nos canteiros
de obra. É nesses locais que o trabalhador faz suas refeições, toma banho, passa suas
horas de folga e, muitos deles, moram, durante a construção. As exigências da Norma
vão desde a implantação de áreas de lazer e refeitórios até a instalação de ambulatório
médico, banheiros, alojamentos, telefones comunitários e bebedouros com água filtrada.
O grupo “áreas de vivência” é um dos mais enfatizados pela fiscalização, sendo
responsável por garantir as boas condições humanas para o trabalho, influenciando o
bem-estar do trabalhador e, conseqüentemente, o número de acidentes. As condições de
trabalho e os índices de acidentes estão fortemente ligados, na medida em que estas
condições determinam as bases das relações sociais e o estado psicológico dos
trabalhadores, elementos fundamentais segundo as Teorias Sociológicas e Psicológicas,
respectivamente.
Para garantir qualidade de vida, condições de higiene e integração do empregado na
sociedade, com reflexos na produtividade da empresa, os canteiros devem conter:
a) VESTIÁRIO E ARMÁRIO: Os trabalhadores que não moram no canteiro de obras
têm direitos a vestiário com chuveiro e armário individual;
b) INSTALAÇÕES SANITÁRIAS: Devem ser adequadas e em perfeitas condições de
higiene e limpeza, com lavatório, mictório e vaso sanitário, na proporção de um
conjunto para cada grupo de trabalhadores e chuveiro na proporção de um para cada
grupo de 10 trabalhadores;
c) REFEITÓRIO: O local para as refeições deve possuir piso de material lavável e
mesas com tampos lisos e laváveis. O refeitório não pode estar localizado em
subsolos ou porões das edificações;
d) ALOJAMENTOS: Se os empregados morarem no canteiro de obras, a empresa deve
proporcionar-lhes dormitórios confortáveis e arejados, lavanderia e área de lazer;
e) BEBEDOUROS: Toda obra deve ter bebedouros com água filtrada e potável na
proporção de 1 bebedouro para cada grupo de 25 trabalhadores;
f) COZINHA: Deve estar presente sempre que houver preparo de refeições. Além
disso, deve estar previsto pia para lavar os alimentos e utensílios, possuir instalações
sanitárias, que com ela não se comuniquem, de uso exclusivo dos encarregados de
manipular gêneros alimentícios, refeições e utensílios e possuir equipamentos de
refrigeração, para preservação dos alimentos;
g) LAVANDERIA: Deve haver um local próprio, coberto, ventilado e iluminado, para
que o trabalhador alojado possa lavar, secar e passar suas roupas de uso pessoal.
Este local deve ter tanques individuais ou coletivos em número adequado;
h) AMBULATÓRIO: As frentes de trabalho com 50 (cinqüenta) ou mais trabalhadores
devem ter um ambulatório. Neste ambulatório, deve haver o material necessário à
prestação de Primeiros Socorros, conforme as características da atividade
desenvolvida. Este material deve ser mantido guardado e aos cuidados de pessoa
treinada para esse fim.
4 METODOLOGIA
A pesquisa aborda resultados referentes à caracterização das condições do meio
ambiente de trabalho em dez canteiros de obra visitados na cidade de São Carlos, Brasil,
ao longo do ano de 2002. Todos os canteiros de obras visitados caracterizam-se por
estar localizados no perímetro urbano da cidade. As construtoras possuem sede local e
podem ser caracterizadas como micro e pequenas empresas.
As informações necessárias para caracterização do canteiro de obras foram obtidas por
meio de entrevistas com engenheiros e mestre de obras, através do preenchimento de
um questionário e do registro das condições através de uma filmadora. O método de
pesquisa utilizado compreendeu as etapas: estudo e reformulação do questionário ou
lista de verificação, pesquisa de campo, entrevistas e análise dos resultados.
A redação das exigências e a configuração da lista basearam-se nos procedimentos
adotados pelo Núcleo Orientado a Inovação da Edificação (NORIE, 2002). São
seguidos também os critérios adotados por SAURIN; FORMOSO (1997), onde as
respostas assinaladas com a opção “sim” representam os aspectos positivos
(cumprimento da norma) e as respostas assinaladas com “não” representam os aspectos
negativos. Já a respostas “não se aplica” (NSA) indicam exigências que não eram
necessárias no canteiro, seja devido a tipologia da obra ou a fase de execução no dia da
visita.

5 ANÁLISE DOS DADOS


Ao longo das visitas realizadas puderam ser identificadas as exigências da NR-18 que as
empresas menos cumprem e quais aquelas que as empresas estão encontrando maiores
dificuldades de implantação, investigando as causas de tal situação.
Quando computados todos os dados relacionados ao grupo “Áreas de vivência”, pôde-se
observar que o mesmo obteve uma nota de cumprimento relativamente boa da NR-18
igual a 7,3 (Tabela 1). O bom desenvolvimento deste grupo também é importante no
intuito de se seguir os princípios da segurança, fundamentalmente o que destaca a
garantia das boas condições nos ambientes de trabalho. Porém, a lista de verificação
empregada avalia apenas a presença ou ausência dos itens, não levando em
consideração o estado dos equipamentos que são exigidos pela norma, como a limpeza e
aparência dos mesmos.

Tabela 1 – Notas média da lista de verificação de algumas áreas (MENEZES, 2003)


TOPICOS NOTA MÉDIA
Áreas de Vivência 7,3
Instalações Sanitárias 4,7
Vestiários 7,6
Local para Refeições 3,2
Escritório 5,5

Foi possível também documentar, junto às empresas construtoras da cidade bons


exemplos de práticas relativas especificas à implantação das áreas de vivencias. As
Tabelas 2, 3 e 4 apresentam trechos da lista da verificação elaborada, seguidas de
figuras mostrando as exigências da NR-18 que são cumpridas integralmente pelas
empresas visitadas.
Para garantir qualidade de vida, condições de higiene e integração do empregado na
sociedade, com reflexos na produtividade da empresa, a nova NR-18 determina que os
canteiros de obra contenham áreas de vivência que reflitam sua dignidade.

Tabela 2 - Lista de verificação para o vestiário (adaptado de NORIE, 2002)


18.4.2.9. VESTIÁRIOS SIM NÃO NSA NOTA
18.4.2.9.1. O canteiro de obras possui vestiário para troca 9 1 0 9,0
de roupa dos trabalhadores que não residem no local
18.4.2.9.2.O vestiário localiza-se próximo aos 8 2 0 8,0
alojamentos e/ou à entrada da obra, sem ligação direta
com o local destinado às refeições
18.4.2.9.3. Os vestiários:
a) Possuem paredes de alvenaria, madeira ou material 9 1 0 9,0
equivalente
b) Têm pisos de concreto, cimentado, madeira ou 9 1 0 9,0
material equivalente
e) Têm iluminação natural e/ou artificial 9 1 0 9,0
g) Têm pé-direito de no mínimo 2,50m (dois metros e 9 1 0 9,0
cinqüenta centímetros)
h) São mantidos em perfeito estado de conservação, 7 3 0 7,0
higiene e limpeza
i) Possuem bancos em número suficiente para atender aos 1 9 0 1,0
usuários

Figura 2: Vestiário mantido em perfeito Figura 3: Vestiário localizado junto ao


estado de limpeza, com número de assentos almoxarifado, sem armários e assentos para os
suficiente para atender aos 25 operários operários.
existentes e armários com cadeados.

Conforme mencionado anteriormente, todo canteiro de obras deve possuir vestiário para
troca de roupa dos trabalhadores que não residam no local. Além disso, devem dispor de
armários individuais dotados de fechadura ou dispositivo com cadeado e bancos, com
largura mínima de 0,30cm (trinta centímetros). Nas Figuras 2 e 3 podem ser observados
dois exemplos de vestiários bastante diferentes um do outro. No primeiro caso, o
vestiário apresenta-se dotado de armários e assentos para todos os operários, o que não
se observa no segundo caso.
Com relação às instalações sanitárias, essas devem ser mantidas em perfeito estado de
conservação, além de número suficiente de chuveiros, vasos sanitários e mictórios.
Destaca-se ainda a existência de portas de acesso que impeçam o seu devassamento e
ser construídas de modo a manter o resguardo conveniente. Por fim, as instalações
sanitárias devem estar situadas em locais de fácil e seguro acesso e, no máximo, a 150m
de distância do posto de trabalho.

Tabela 3 - Lista de verificação das instalações sanitárias (adaptado de NORIE, 2002)


18.4.2.3. INSTALAÇÕES SANITÁRIAS
No de chuveiros: ____ No de vasos sanitários: ____ SIM NÃO NSA NOTA
No de lavatórios: _____ No de mictórios: _____
a) As instalações sanitárias são mantidas em perfeito 4 6 0 4,0
estado de conservação e higiene
c) Possuem paredes de material resistente e lavável 3 7 0 3,0
d) Possuem pisos impermeáveis, laváveis e de 4 6 0 4,0
acabamento antiderrapante
g) Possuem ventilação e iluminação adequada 3 7 0 3,0
h) As instalações elétricas estão devidamente protegidas 5 5 0 5,0
j) As instalações sanitárias estão localizadas em locais de 8 2 0 8,0
fácil e seguro acesso
j) Para deslocar-se do posto de trabalho até as instalações 3 7 0 3,0
sanitárias é necessário percorrer menos de 150 m
18.4.2.4. As instalações sanitárias são constituída de 3 7 0 3,0
lavatório, vaso sanitário e mictório, na proporção de 1
(um) conjunto para cada grupo de 20 (vinte)
trabalhadores ou fração, bem como de chuveiro na
proporção de 1 (um) para cada grupo de 10 (dez)
trabalhadores

Quando computados todos os dados relacionados ao grupo “Vestiários”, pôde-se


observar que o mesmo obteve uma nota de cumprimento relativamente boa da NR-18
igual a 7,6, diferentemente das “Instalações sanitárias” (4,7). As Figuras 4 e 5 ilustram
duas situações observadas.

Figura 4: Chuveiros eletricamente aterrados Figura 5: Vasos sanitários mantidos em


e dotados de saboneteiras e piso perfeito estado de conservação e limpeza.
antiderrapante.
Com relação ao local para refeições, este deve possuir piso de material lavável e mesas
com tampos lisos e laváveis. O refeitório não pode estar situado em subsolo ou porões
das edificações. As Figuras 6 e 7 identificam um bom exemplo encontrado, onde além
da existência de uma mesa adequada observa-se também um local seguro para
aquecimento das refeições em condições de segurança e higiene.
Quando computados os dados relacionados ao grupo “Local para refeições”, observou-
se que o mesmo obteve uma nota de cumprimento baixa da NR-18, igual a 3,2. Isso
demonstra um certo descaso para com esse item da norma.

Tabela 4 - Lista de verificação para o refeitório (adaptado de NORIE, 2002)

18.4.2.11. LOCAL PARA REFEIÇÕES.


O canteiro de obras dispõe de local para refeições ( ) sim ( ) não
Se a resposta for não, passar para o item 18.4.2.12. Sim Não NSA NOTA
a) Tem paredes que permite isolamento durante as refeições 5 5 0 5,0
b) Têm pisos de concreto, cimentado, ou outro material 5 5 0 5,0
lavável
c) Têm cobertura que proteja das intempéries 5 5 0 5,0
e) Têm ventilação, iluminação natural e/ou artificial 5 5 0 5,0
f) Há lavatório instalado em suas proximidades ou no seu 2 7 0 2,0
interior
h) Há assentos em número suficiente para atender aos 1 9 0 1,0
usuários
i) Tem depósito com tampa para detritos 3 7 0 3,0
j) Estão situados em subsolos ou porões de edificações 0 10 0 0
l) Têm pé-direito de no mínimo 2,80 m 4 6 0 4,0
18.4.2.11.3. Há local exclusivo dotado de equipamentos 2 8 0 2,0
seguros para o aquecimento das refeições

Figura 6: Refeitório mantido em perfeito Figura 7: Dispositivo para aquecimento seguro


estado de limpeza, com número de assentos das refeições dos operários. Ao fundo, observam-se
suficiente para atender aos 25 operários lavatórios também em número adequado e em
existentes. condições de higiene.

Na pesquisa realizada, observou-se que o grupo de “áreas de vivência” é um dos mais


enfatizados pela fiscalização, sendo responsável por garantir as boas condições humanas
para o trabalho, influenciando o bem-estar do trabalhador e, conseqüentemente, o
número de acidentes. As condições de trabalho e os índices de acidentes estão
fortemente ligados, na medida em que estas condições determinam as bases das relações
sociais e o estado psicológico dos trabalhadores.
Quando computados todos os dados relacionados ao grupo “Áreas de vivência”, pôde-se
observar que o mesmo obteve uma nota igual a 7,3 de cumprimento da NR-18. Porém, a
lista de verificação empregada avalia apenas a presença ou ausência dos itens, não
levando em consideração o estado dos equipamentos que são exigidos pela norma,
como a limpeza e aparência dos mesmos.

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Essa análise vem confirmar a necessidade de um efetivo projeto de canteiro de obras e
gerenciamento do ambiente de trabalho para melhorar a organização e a qualidade de
vida nos mesmos.
Quando computados todos os dados relacionados ao grupo “Áreas de vivência”, pôde-se
observar que o mesmo obteve um grau de cumprimento relativamente alto da NR 18,
igual a 73%. O bom desenvolvimento deste grupo também é importante no intuito de se
seguir os princípios da segurança, fundamentalmente o que destaca a garantia das boas
condições nos ambientes de trabalho.
A aplicação da lista de verificação baseada no check list proposto por NORIE
demonstra que todas as exigências são viáveis de serem atendidas, embora existam
exigências que são mais cumpridas que outras. As causas para o não cumprimento,
segundo SAURIN; FORMOSO (1997), podem ser atribuídas aos seguintes fatores: o
caráter muito prescritivo de algumas exigências, o papel secundário geralmente
destinado à segurança do trabalho no gerenciamento das empresas, o desconhecimento
da Norma e, em alguns casos, dificuldades técnicas e altos custos de equipamentos.
Sabe-se que o atendimento de todas as exigências da norma não implicará na eliminação
total das fatalidades, mas certamente tem o potencial de reduzi-las consideravelmente.
Especificamente o cumprimento das exigências referente às áreas de vivência contribui
para manter a boa moral dos trabalhadores, além de minimizar distâncias e tempo para
movimentação de pessoal e material.
Segundo MENEZES (2003) verifica-se que na região estudada o índice de
conformidade com a NR-18 cresce consideravelmente de acordo com a freqüência,
abrangência e atuação educativa por parte da fiscalização das DRT. Outro dado obtido
foi que o contato entre sindicatos de empresas e de trabalhadores com órgãos públicos
fiscalizadores também aumentou devido à questão de segurança.
Analisados os dados obtidos na pesquisa, percebe-se que alguns comportamentos em
obras são recorrentes dos ambientes de trabalho. Como exemplo pode-se tomar o fato de
que muitas das exigências da NR-18 não são cumpridas, entre outros motivos, pela falta
de planejamento da atividade e conscientização de sua importância, já que algumas são
de baixo custo, rápido e fácil de serem executadas nas próprias obras.
Preocupam também as baixas notas obtidas pelas obras pesquisadas. Disso pode-se
concluir que a segurança na construção civil do país está abaixo do desejado. Existe
grande necessidade de que o tema se desenvolva, a fim de reverter o quadro e diminuir
o número de acidentes de trabalho no Brasil.
Os resultados deste estudo indicam que as ações e práticas identificadas podem
melhorar as condições de vida do trabalhador, propiciando maior eficácia ao processo
produtivo e preservação das relações de trabalho na indústria da construção civil.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BOCCHILE, C. Capital contra o risco. Construção Mercado, São Paulo, n. 9, 2002
BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Segurança e saúde do trabalho (SST).
Disponível em: <http://www.mte.gov.br/sit/sst/default.htm>. Acesso em: 15 de outubro de
2001.
BRASIL. Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H).
Disponível em: <http://www.pbqp-h.gov.br>. Acesso em: 14 jun. 2002.
FERREIRA, E. A. M. Metodologia para elaboração do projeto do canteiro de obras de
edifício. São Paulo, 1998. Tese (Doutorado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo,
338 p. Disponível em: <http://www.publicacoes.pcc.usp.br/PDF/BT263.pdf >. Acesso em: 13
de Março de 2003.
FRANCO, L. S. Aplicação de diretrizes de racionalização construtiva para a evolução
tecnológica dos processos construtivos em alvenaria estrutural não armada. São Paulo,
1992. Tese (Doutorado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, 319p. Disponível em:
<http://www.publicacoes.pcc.usp.br/PDF/BT263.pdf i>. Acesso em: 13 de Março de 2003.
MENEZES, G.S. Segurança e saúde do trabalho na construção civil da cidade de São
Carlos – SP. Relatório final da pesquisa de iniciação científica FAPESP. 2003. 92p.
MENEZES, G.S. SERRA, S.M.B. Índices de Acidente de trabalho na construção civil. : V
Congresso de Engenharia Civil. Anais eletrônicos... Juiz de Fora. 21 a 25 setembro. 2002. 10p.
NORIE. Contribuições para Revisão da Norma NR-18: Condições e Meio Ambiente de
Trabalho na Indústria da Construção. Disponível em: <http://www.cpgec.ufrgs.br/norie/nr18>.
Acesso em: 15 de Março de 2003.
OLIVEIRA, M. E.; LEÃO, S. M. Planejamento das instalações de canteiros de obras: aspectos
que interferem na produtividade. In: XVII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE
PRODUÇÃO (ENEGEP). Anais eletrônicos... Gramado-RS, 1997. Disponível em:
<http://www. publicacoes.pcc.usp.br/PDF/BT263.pdf >. Acesso em: 13 de Março de 2003.
SAURIN, T.A., FORMOSO, C.T. Subsídios para o aperfeiçoamento da NR-18. Disponível
em: <http://www.cpgec.ufrgs.br/norie/nr18>. Acesso em: 15 de Março de 2003.
SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA (SESI). Higiene e segurança industrial. Disponível em:
<http://www.fiesp.org.br/instituc/sesi>. Acesso em: 15 de outubro de 2001.
SERRA, S.M.B. Canteiro de obras: projeto e suprimentos. São Carlos: UFSCar, 2001a, 41p.
(apostila para o curso de atualização de Racionalização de Processos e Produtos na Construção
de Edifícios).
SERRA, S.M.B. Diretrizes para gestão dos subempreiteiros. 2001b. 360f. Tese (Doutorado
em Engenharia de Construção Civil) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São
Paulo.
SOUZA, U.E.L. Projeto e implantação do canteiro. São Paulo: Editora O Nome da Rosa,
2000. 92p.
TOMMELEIN, I. D.; LEVITT, R. R.; HAYES-ROTH, B. Site layout modeling: how can
artificial inteligence help. Journal of Construction Engineering and Management, V. 118, nº
3, p. 594-609, setembro, 1992.

AGRADECIMENTOS
À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) pelo apoio a esta
pesquisa e às empresas participantes.