Anda di halaman 1dari 38

Curso de Direito Constitucional

Profª. Cristiana Costa


A Lei nº 9.029/95, proíbe a exigência de
POLÍCIA FEDERAL atestados de gravidez e esterilização, e outras
práticas discriminatórias, para efeitos admissionais
CAPÍTULO 1 ou de permanência de relação jurídica de trabalho.

DIREITOS E GARANTIAS INDIVIDUAIS E II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de


COLETIVOS fazer alguma coisa senão em virtude da lei;
Tal princípio visa combater o poder arbitrário
do Estado. Só por meio das espécies normativas
DIREITOS E GARANTIAS devidamente elaboradas conforme regras de
processo legislativo constitucional podem-se criar
• Direitos fundamentais - são disposições obrigações para o indivíduo.
meramente declaratórias que imprimem existência O princípio da Legalidade é o alicerce do
legal aos direitos reconhecidos. Estado de Direito. Desse modo apenas as leis
podem circunscrever e limitar a liberdade. Neste
• Garantias fundamentais - são as disposições inciso está o importantíssimo Princípio da
assecuratórias que, em defesa dos direitos, limitam o Legalidade, segundo o qual apenas uma lei,
poder. regularmente votada pelo Poder Legislativo e
sancionada pelo Poder Executivo, é capaz de criar a
Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem alguma pessoa obrigação de fazer ou não fazer
distinção de qualquer natureza, garantindo–se alguma coisa. Decretos, portarias, instruções,
aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no resoluções, nada disso pode criar uma obrigação a
País a inviolabilidade do direito à vida, à alguém se não estiver fundamentada numa lei onde
liberdade, à igualdade, à segurança e à tal obrigação seja prevista.
propriedade, nos termos seguintes:
A principal disposição do caput deste art. 5º III - ninguém será submetido a tortura nem a
é o Princípio Igualdade, segundo o qual “todos são tratamento desumano ou degradante;
iguais perante a lei”. Não significa ele que todas as Esse inciso visa, dentre outras coisas,
pessoas terão tratamento igual pelas leis brasileiras, proteger a dignidade da pessoa humana contra atos
mas que terão tratamento diferenciado na medida que poderiam atentar contra ela. Tratamento
das suas diferenças, o que leva à conclusão de que desumano é aquele que sem tem por contrário à
o verdadeiro conteúdo do princípio é o direito da condição de pessoa humana. Tratamento degradante
pessoa de não ser desigualada pela lei. O que a é aquele que, aplicado, diminui a condição de pessoa
Constituição exige é que as diferenças impostas humana e sua dignidade. Tortura é sofrimento
sejam justificáveis pelos objetivos que se pretende psíquico ou físico imposto a uma pessoa, por
atingir pela lei. Assim, por exemplo, diferençar qualquer meio. A Lei n.º 9.455/97, veio definir,
homem e mulher num concurso público será, em finalmente, os crimes de tortura, até então não
geral, inconstitucional, a não ser que o cargo seja de existentes no Direito brasileiro. Com essa lei de 1997
atendente ou carcereira de uma penitenciária de passou a ter definição legal, qual seja o
mulheres, quando, então, a proibição de inscrições a constrangimento a alguém, mediante o emprego de
indivíduos do sexo masculino se justifica. violência ou grave ameaça, física ou psíquica,
causando-lhe sofrimento físico ou mental. A palavra
I - homens e mulheres são iguais em direitos e “ninguém” abrange qualquer pessoa, brasileiro ou
obrigações, nos termos desta Constituição; estrangeiro.
Neste inciso trata-se do princípio da
isonomia ou da igualdade entre sexos, que apenas IV - É livre a manifestação do pensamento,
a própria Constituição pode excepcionar. Este inciso sendo vedado o anonimato;
impõe uma igualação entre homens e mulheres, mas A liberdade de manifestação do pensamento
é uma igualdade relativa, não absoluta, porque a é o direito que a pessoa tem de exprimir, por forma e
parte final informa que ela será nos termos da meio, o que pensa a respeito de qualquer coisa. A
Constituição, o que implica dizer que a Constituição, única exigência da Constituição é de que a pessoa
e somente ela, poderá impor tratamento diferenciado que exerce esse direito se identifique, para impedir
entre os dois sexos (art. 7º, XVIII e XIX, etc.). que ele seja fonte de leviandade ou que seja usado
No caso de concursos públicos, a de maneira irresponsável. Sabendo quem é o autor
interpretação jurisprudencial direciona no sentido da do pensamento manifestado, o eventual prejudicado
inconstitucionalidade da diferença de critério de poderá usar o próximo inciso, o V, para defender-se.
admissão considerado o sexo, permitindo-se Os abusos porventura ocorridos no exercício
exceções tendo em vista a ordem indevido da manifestação do pensamento são
socioconstitucional. passíveis de exame e apreciação pelo Poder

CURSO DECISUM 1
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
Judiciário com a conseqüente responsabilidade civil Constituição Federal de 1988 consagra o Estado
e penal de seus autores. como sendo laico, ou seja, sem religião oficial,
O direito à manifestação do pensamento não consagrando, ainda, a liberdade religiosa.
autoriza toda e qualquer manifestação, como, por
exemplo, a apologia de fatos criminosos ou a VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação
propaganda do nazismo. de assistência religiosa nas entidades civis e
militares de internação coletiva;
V- é assegurado o direito de resposta, Encerra um direito subjetivo daquele que se
proporcional ao agravo, além da indenização por encontra internado em estabelecimento coletivo.
dano material, moral ou à imagem; Trata-se de norma assecuratória que garante
O direito de resposta impõe um limite à o livre exercício da liberdade de crença ao detento,
liberdade de expressão, procurando evitar que o uso paciente, servidor, hóspede, interno, a fim de que
abusivo e leviano da mesma possa redundar em possa exercer, ou ser assistido por sua crença,
agressões à honra de terceiros (pessoas físicas ou independentemente da eventual orientação religiosa
jurídicas). É uma garantia de eficácia do direito à do estabelecimento de internação coletiva em que se
privacidade. encontre.
A norma pretende a reparação da ordem Assim, ao Estado, cabe, nos termos da Lei, a
jurídica lesada, seja por meio de ressarcimento materialização das condições para prestação dessa
econômico, seja por outros meios, por exemplo, o assistência religiosa, que deverá ser multiforme, ou
direito de resposta. seja, de tantos credos quanto aqueles solicitados
A consagração constitucional do direito de pelos internos.
resposta proporcional ao agravo é instrumento Não se poderá obrigar nenhuma pessoa que
democrático moderno previsto em vários se encontrar nessa situação, seja em entidades civis,
ordenamentos jurídico-constitucionais, e visa militares, a utilizar-se da referida assistência
proteger a pessoa de imputações ofensivas e religiosa, em face da total liberdade religiosa vigente
prejudiciais a sua dignidade humana e sua honra. no Brasil.
O desagravo deverá ter o mesmo destaque,
a mesma duração (no caso de rádio e televisão), o VIII - Ninguém será privado dos direitos por
mesmo tamanho (no caso de imprensa escrita) que a motivo de crença religiosa ou de convicção
notícia que gerou a relação conflituosa. filosófica ou política, salvo se as invocar para
eximir-se de obrigação legal a todos imposta e
VI - é inviolável a liberdade de consciência de recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada
crença, sendo assegurado o livre exercício de em lei;
cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a O texto atual criou a possibilidade da
proteção aos locais de culto e as suas liturgias; prestação alternativa, fixada em lei, para aquele que
A abrangência do preceito constitucional é se eximir da obrigação primária a todos imposta.
ampla, pois sendo a religião o complexo de Essa alternatividade não é fruto da
princípios que dirigem os pensamentos, ações e discricionariedade da autoridade pública, pois deve
adoração do homem para com Deus, acaba por estar previamente estabelecida em lei (norma de
compreender a crença, o dogma, a moral, a liturgia e eficácia contida). A recusa injustificada de cumprir
o culto. O constrangimento à pessoa humana de obrigação legal ou prestação alternativa implicará
forma a renunciar sua fé representa o desrespeito à perda dos direitos políticos positivos.
diversidade democrática de idéias, filosofias e a
própria diversidade espiritual. O art. 15, IV, da Constituição Federal, prevê
A liberdade religiosa abrange inclusive o que a recusa de cumprir obrigação legal a todos
direito de não acreditar ou professar nenhuma fé, imposta ou prestação alternativa acarretará a perda
devendo o Estado respeito ao ateísmo. dos direitos políticos.
É assegurado o livre exercício do culto O direito à escusa de consciência não está
religioso, enquanto não for contrário à ordem, adstrito simplesmente ao serviço militar obrigatório,
tranqüilidade e sossego públicos, bem como mas pode abranger quaisquer obrigações coletivas
compatível com os bons costumes. que conflitem com as crenças religiosas, convicções
A liberdade religiosa não atinge grau políticas ou filosóficas, como, por exemplo, o dever
absoluto, não sendo, pois, permitidos a qualquer de alistamento eleitoral aos maiores de 18 anos e o
religião ou culto atos atentatórios à lei, sob pena de dever de voto aos maiores de 18 anos e menores de
responsabilização civil e criminal. 70 anos (CF, art. 14, § 1o, I e II), cujas prestações
alternativas vêm previstas nos arts. 7o e 8o do Código
Obs.: Estado laico - a Constituição Federal de 1824 Eleitoral (justificação ou pagamento de multa
consagrava a religião Católica Apostólica Romana pecuniária).
como a religião oficial do país. Atualmente, a

CURSO DECISUM 2
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
Serviço militar obrigatório - O art. 143 da de uma forma mais restrita, havendo necessidade de
Constituição Federal prevê que o serviço militar é uma maior tolerância ao se interpretar o ferimento
obrigatório nos termos da lei (Lei n° 4.375/64, das inviolabilidades à honra, à intimidade, à vida
regulamentada pelo Decreto n° 57.654/66), privada e à imagem, posto que devido ao próprio
competindo às Forças Armadas, na forma da lei, exercício de suas atividades profissionais se exige
atribuir serviços alternativos aos que, em tempo de maior e constante exposição à mídia. Esta
paz, após alistados, alegarem imperativo de necessidade de interpretação mais restrita, porém,
consciência, entendendo-se como tal o decorrente não afasta a proteção constitucional contra ofensas
de crença religiosa e de convicção filosófica ou desarrazoadas, desproporcionais, e principalmente,
política, para eximirem-se de atividade de caráter sem qualquer nexo causal com a atividade
essencialmente militar. profissional realizada.
Entende-se por serviço militar alternativo o
exercício de atividades de caráter administrativo, XI - A casa é asilo inviolável do indivíduo
assistencial filantrópico ou mesmo produtivo, em ninguém nela podendo penetrar sem
substituição às atividades de caráter essencialmente consentimento do morador, salvo em caso de
militar. flagrante delito ou desastre, ou para prestar
socorro, ou, durante o dia, por determinação
IX - É livre a expressão da atividade judicial;
intelectual, artística, científica e de comunicação, A casa é asilo inviolável do indivíduo,
independentemente de censura ou licença; ninguém nela podendo penetrar sem consentimento
A liberdade de expressão e de manifestação do morador, salvo em caso de flagrante delito ou
do pensamento não pode sofrer nenhum tipo de desastre, ou para prestar socorro, ou, ainda,
limitação prévia, no tocante a censura de natureza durante o dia, por determinação judicial.
política, ideológica e artística. Contudo, é possível à Violação de domicílio legal, sem consentimento
lei ordinária a regulamentação das diversões e do morador, é permitida, porém, somente nas
espetáculos, classificando-os por faixas etárias a que hipóteses constitucionais:
não se recomendem, bem como a definir locais e
horários que lhes sejam inadequados. • Dia: flagrante delito ou desastre ou para prestar
O texto constitucional repele frontalmente a socorro, ou, ainda, por determinação judicial.
possibilidade de censura prévia. Essa previsão, Somente durante o dia, a proteção constitucional
porém, não significa que a liberdade de imprensa é deixará de existir por determinação judicial (cláusula
absoluta, não encontrando restrições nos demais de reserva jurisdicional).
direitos fundamentais, pois a responsabilização do • Noite: flagrante delito ou desastre ou para
autor e/ou responsável pelas notícias injuriosas, prestar socorro.
difamantes, mentirosas sempre será cabível, em
relação a eventuais danos materiais e morais. Dia é o período das 6:00 horas da manhã às 18:00
horas.
X- São invioláveis a intimidade, a vida
privada, a honra e a imagem das pessoas, OBS.: Apesar de a Constituição se utilizar da
assegurado o direito a indenização pelo dano palavra “casa” deve-se entender a mesma no
material ou moral decorrente de sua violação; sentido de “domicílio” o que engloba tanto a
Os direitos à intimidade e à própria imagem residência e a habitação com intenção definitiva de
formam a proteção constitucional à vida privada, estabelecimento, como também o local onde se
salvaguardando um espaço íntimo intransponível por exerce a profissão ou atividade, desde de que
intromissões ilícitas externas. constitua um ambiente fechado ou de acesso
A proteção constitucional refere-se tanto a restrito ao público, como é o caso típico dos
pessoas físicas quanto a pessoas jurídicas, escritórios profissionais e consultórios.
abrangendo, inclusive, à necessária proteção à
própria imagem frente aos meios de comunicação OBS.: Cláusula de reserva jurisdicional –
em massa (televisão, rádio, jornais, revistas, etc.). consistente na expressa previsão constitucional de
A intimidade relaciona-se às relações subjetivas e competência exclusiva dos órgãos do Poder
de trato íntimo da pessoa, suas relações familiares e Judiciário, com total exclusão de qualquer outro
de amizade, enquanto a vida privada envolve todos órgão estatal, para a prática de determinados atos.
os demais relacionamentos humanos, inclusive os Assim, nem a Polícia Judiciária, nem o Ministério
objetivos, tais como relações comerciais, de Público, nem a Administração Tributária, nem a
trabalho, de estudo, etc. Comissão Parlamentar de Inquérito ou seus
A proteção constitucional em relação representantes, agindo por autoria própria, podem
àqueles que exercem atividade política ou ainda em invadir domicílio alheio com o objetivo de
relação aos artistas em geral deve ser interpretada apreender, durante o período diurno, e sem ordem

CURSO DECISUM 3
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
judicial, quaisquer objetos que possam interessar restrito e nos estritos limites legais, a necessidade
ao Poder Público. de conhecimento dos dados sigilosos.
Em respeito ao princípio do juiz natural,
XII - É inviolável o sigilo da correspondência somente a autoridade judiciária competente poderá
e das comunicações telegráficas, de dados e decretar a quebra de sigilo bancário ou fiscal do
das comunicações telefônicas, salvo, no último investigado.
caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na
forma que a lei estabelecer para fins de XIII - É livre o exercício de qualquer trabalho,
investigação criminal ou instrução processual ofício ou profissão, atendidas as qualificações
penal; profissionais que a lei estabelecer;
Apesar de a exceção constitucional A regra é simples. Se não houver lei
expressa referir-se somente à interceptação dispondo sobre determinada profissão, trabalho ou
telefônica, entende-se que nenhuma liberdade ofício, qualquer pessoa, a qualquer tempo, e de
individual é absoluta, sendo possível, respeitados qualquer forma, pode exercê-la (por exemplo,
certos parâmetros, a interceptação das artesão, marceneiro, carnavalesco, detetive
correspondências e comunicações telegráficas e de particular, ator de teatro). Ao contrário, se houver lei
dados sempre que as liberdades públicas estiverem estabelecendo uma qualificação profissional
sendo utilizadas como instrumento de salvaguarda necessária, somente aquele que atender ao que
de práticas ilícitas. exige a lei pode exercer esse trabalho, ofício ou
Interceptação telefônica é a captação e profissão (casos do advogado, do médico, do
gravação de conversa telefônica, no mesmo engenheiro, do piloto de avião).
momento em que ela se realiza, por terceira pessoa
sem o conhecimento de qualquer dos XIV - É assegurado a todos o acesso à
interlocutores. informação e resguardado o sigilo da fonte,
Nos casos de interceptações telefônicas, a quando necessário ao exercício profissional;
própria Constituição Federal, no citado inciso XII, Defende abertamente o acesso à
do art. 5º, abriu uma exceção, qual seja, a informação de forma ampla e auto-aplicável. Traz,
possibilidade de violação das comunicações em si, liberdade de informação jornalística como
telefônicas, desde que presentes três requisitos: expressão mais sensível de sua concretização. O
• ordem judicial; resguardo do sigilo da fonte tem por escopo
• para fins de intervenção criminal ou instrução garantir uma espécie de segredo profissional,
processual penal; necessário em alguns casos para proteger o
• nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer. informante. Note-se que não se confunde com o
anonimato, pois o jornalista ou a autoridade policial
Sendo deferida a interceptação telefônica, a serão direta e legalmente responsáveis pelas
prova colhida por meio desta permanecerá em notícias e/ou diligências que protagonizarem.
segredo de justiça.
XV - É livre a locomoção no território nacional
Ressalte-se, por fim, que não haverá em tempo de paz, podendo qualquer pessoa
possibilidade de interceptação da comunicação nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou
telefônica entre o acusado e seu defensor, pois o dele sair com seus bens;
sigilo profissional do advogado, no exercício da Consagrado aqui um dos direitos mais
profissão, é garantia do próprio devido processo imediatos e inalienáveis do ser humano: o direito de
legal. A interceptação somente será possível se o ir, vir, permanecer, ficar ou sair; direito à livre
advogado estiver envolvido na atividade criminosa, locomoção.
pois nesta hipótese não estará atuando como Qualquer cerceamento da liberdade de
defensor, mas como participante da infração penal. locomoção com ilegalidade ou abuso de poder será
coibido pela impetração do habeas corpus.
Escuta telefônica (ou interceptação parcial) A parte final diz que qualquer pessoa
é a captação realizada por um terceiro de uma (inclusive estrangeiro) poderá entrar, ficar ou sair do
comunicação telefônica alheia, mas com o Brasil, nos termos da lei, lei está que não poderá
conhecimento de um dos comunicadores. impor obstáculos intransponíveis a essa locomoção,
mas apenas dispor sobre passaporte, registro,
Os sigilos bancário e fiscal, consagrados tributos e coisas do gênero. Qualquer bem móvel
como direitos individuais constitucionalmente está compreendido na proteção do dispositivo.
protegidos, somente poderão ser excepcionados
por ordem judicial fundamentada ou de comissões XVI - Todos podem reunir-se pacificamente, sem
Parlamentares de Inquérito, desde que presentes armas, em locais abertos ao público,
requisitos razoáveis, que demonstrem, em caráter independente de autorização, desde que não

CURSO DECISUM 4
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
frustrem outra reunião anteriormente convocada associação, isto é, quando ela tiver que ser
para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio dissolvida contra a vontade dos sócios. Tanto para a
aviso à autoridade competente; suspensão das atividades quanto para dissolução
Trata-se aqui do direito de reunião (cuja compulsória, exige a Constituição uma decisão
principal característica é ser eventual e temporária). judicial, o que importa dizer que ordens
Desde que pacífica (sem propósito hostil) e sem administrativas ou policiais sobre o assunto são
armas, a reunião em local aberto ao público depende inconstitucionais.
de uma providência, que é o prévio aviso à
autoridade competente. Esse prévio aviso tem duas XX - Ninguém poderá ser compelido a associar-
finalidades: a primeira, assegurar aos comunicantes se ou a permanecer-se associado;
um direito de preferência sobre outras reuniões Ninguém será privado de exercício de um
posteriores marcadas para o mesmo local, dia e hora direito por não pertencer a qualquer espécie de
(note que uma reunião não poderá frustrar outra associação.
“anteriormente convocada” para o mesmo local); e a O direito individual de associar-se é
segunda, dar à autoridade condições de providenciar exatamente isso: um direito. Ninguém pode ser
segurança e policiamento no local, se entender obrigado à associação, nem a permanecer em uma.
necessário. Esse prévio aviso não é, ressalte-se, um
requerimento ou pedido; é uma mera comunicação. XXI - As entidades associativas, quando
expressamente autorizadas, têm legitimidade
XVII - É plena a liberdade de associação para fins para representar seus filiados judicial ou
lícitos, vedada a de caráter paramilitar; extrajudicialmente;
É plena a liberdade de associação, de tal Surge a legitimação ativa das associações
forma que ninguém poderá ser compelido a associar- para, nas ações coletivas e difusas, representarem
se ou mesmo permanecer associado, desde que seus filiados.
para fins lícitos, vedada a de caráter militar. A
associação de caráter paramilitar ou facção é uma XXII - é garantido o direito de propriedade;
sociedade armada, dotada de hierarquia e com Este dispositivo assegura toda e qualquer
ideologia própria que, ao contrário do partido político, propriedade, desde a imobiliária até a intelectual e
objetiva atingir o poder e desestabilizá-lo, através de de marcas. É um dispositivo pelo qual se reconhece
quaisquer meios, inclusive pela força. à pessoa, no Brasil, o direito de ser proprietário de
algo, em contraponto com exclusividade da
XVIII - A criação de associações e, na forma da propriedade estatal de outros regimes.
lei, a de cooperativas independem de
autorização, sendo vedada a interferência estatal XXIII - A propriedade atenderá a sua função
em seu funcionamento; social;
Se é plena a liberdade de associação, nada A determinação deste inciso recai sobre o
mais lógico do que o direito de criá-las ser bem de produção (seja urbano ou rural), definindo-se
independente de autorização de quem quer que seja. se a propriedade aferida é ou não dinâmica, gera ou
Quem determina como vai ser a associação são os não renda e empregos, é ou não produtiva. Logo, a
seus membros, e o Estado não pode interferir, por função social da propriedade está direta e
nenhum de seus órgãos no funcionamento da umbilicalmente ligada à sua produtividade. Se a
entidade. Quanto a cooperativas a disciplina é um propriedade é estática e improdutiva, o Estado é
pouco diferente. A sua criação também não depende dotado de meios constitucionais e legais de
de autorização de ninguém, e nenhum órgão estatal intervenção no domínio econômico, que, embora
poderá interferir na sua gestão. No entanto, a gradativos, podem culminar com a perda do direito à
Constituição determina que se obedeça a uma lei propriedade sobre determinado bem.
que vai dispor sobre a criação dessas entidades
especiais. XXIV - A lei estabelecerá o procedimento para
desapropriação por necessidade ou utilidade
XIX - As associações só poderão ser pública, ou por interesse social, mediante justa e
compulsoriamente dissolvidas ou ter suas prévia indenização em dinheiro, ressalvados os
atividades suspensas por decisões judiciais, casos previstos nesta Constituição;
exigindo-se, no primeiro caso, o trânsito em Esta é sem dúvida, é a forma mais violenta
julgado; de o Estado intervir na propriedade, pois determina a
A dissolução voluntária de associação sua perda irreversível em favor do Poder Público.
depende do que os associados decidirem a respeito, Note-se que este dispositivo não faz distinção entre
ou da disciplina do assunto dado pelo regimento bem de consumo e bem de produção, podendo a
interno, se houver um. O que a Constituição trata é desapropriação aqui regulada recair sobre um ou
como se fará a dissolução compulsória de

CURSO DECISUM 5
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
outro indistintamente. Neste caso, a indenização
seria justa, prévia e em dinheiro. a) A proteção às participações individuais em
Utilidade pública é aquela em que se obras coletivas e à reprodução da imagem e voz
manifesta a vontade do Poder Público no sentido de humanas, inclusive nas atividades desportivas;
utilizar um bem. Entende-se a imagem e a voz como
Necessidade pública afere-se por um patrimônio pessoal e, portanto, suscetível de aferição
imperioso motivo que obriga a modificação ou a monetária. Uma peça teatral com vários autores, um
transferência de um bem. clipe com vários cantores, uma obra de arte
Interesse social surge quando o objetivo é concebida por vários artistas, etc., onde cada um
um benefício para a coletividade. detém uma participação pessoal na medida de sua
contribuição para o engrandecimento do todo.
XXV - No caso de iminente perigo público, a
autoridade competente poderá usar de b) O direito de fiscalização do aproveitamento
propriedade particular, assegurada ao econômico das obras que criarem ou de que
proprietário indenização ulterior, se houver dano; participarem aos criadores, aos intérpretes e às
Temos aqui a ocupação temporária, que é respectivas representações sindicais e
outra forma – embora menos drástica que a associativas;
desapropriação – de o Estado intervir na propriedade Aqui, a preocupação do constituinte atinge a
privada. Ocorrendo o iminente perigo público, fica no fiscalização e o aproveitamento econômico das
âmbito do poder discricionário da autoridade obras como decorrência lógica e efetiva dos direitos
competente utilizar a propriedade para salvaguardar autorais. Seria exemplo a exibição de uma
bens jurídicos mais relevantes e que se encontrem, telenovela várias vezes, quer aqui ou no exterior, e
no momento, ameaçados. Ao contrário da a cada exibição os seus integrantes terão direito a
desapropriação, a ocupação temporária não é receber uma participação a ser paga pela
indenizável, a indenização só será devida no caso de produtora.
perdas e danos.
XXIX - A lei assegurará aos autores de inventos
XXVI - A pequena propriedade rural, assim privilégio temporário para sua utilização, bem
definida em lei, desde que trabalhada pela como proteção às criações industriais, à
família, não será objeto de penhora para propriedade das marcas, aos nomes de
pagamento de débitos decorrentes de sua empresas e a outros signos distintivos, tendo
atividade produtiva, dispondo a lei sobre os em vista o interesse social e o desenvolvimento
meios de financiar o seu desenvolvimento; tecnológico e econômico do País;
O constituinte procurou proteger a pequena Até recentemente o Código de Propriedade
propriedade rural, estabelecendo a sua Industrial era a Lei nº 5.772/71, que regulamentava
impenhorabilidade enquanto bem de família. Para a matéria. Buscando evitar ou estimular a criação
isso, é necessária a observância de três requisitos: de monopólios, o constituinte deferiu um privilégio
seja a propriedade pequena, exclusivamente temporário 20 (vinte) anos para que os autores de
trabalhada pela família e o crédito advenha da inventos industriais explorem sua criação, depois
atividade produtiva. deste prazo qualquer empresa poderá fabricar ou
aperfeiçoar o invento industrial cujo preço passa a
XXVII - Aos autores pertence o direito exclusivo ser regulado pelas leis de mercado.
de utilização, publicação ou reprodução de suas
obras, transmissível aos herdeiros pelo tempo XXX - É garantido o direito de herança;
que a lei fixar; É a primeira Constituição brasileira que se
A proteção ao direito autoral deverá preocupa com o direito de herança. A sua
obedecer aos limites e condições expressos em lei. regulamentação está no Código civil, nos arts.
Atualmente está em vigor a Lei nº 9.610/98 que 1.572 e seguintes.
disciplina o tema. Herança é o patrimônio do falecido, o
Os direitos hereditários podem ser vitalícios conjunto de seus direitos e deveres. Com a morte
ou temporários e a lei supracitada determina que do titular, chamado por alguns de de cujus e por
serão vitalícios quando os direitos patrimoniais do outros de autor de herança, esse conjunto se
autor são transmitidos, causa mortis, aos filhos, pais transfere, no momento exato do falecimento, aos
ou cônjuge, enquanto os demais sucessores deste herdeiros legítimos e testamentários do morto.
gozarão de tais direitos por um período não superior
a setenta anos, a contar de 1º de janeiro do ano XXXI - A sucessão de bens de estrangeiros
seguinte ao seu falecimento. situados no País será regulada pela lei
brasileira em benefício do cônjuge ou dos filhos
XXVIII - São assegurados, nos termos da lei:

CURSO DECISUM 6
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
brasileiros, sempre que não lhes seja mais de medidas constitucionais neste sentido. Todavia,
favorável a lei pessoal do de cujus; não se deve confundir isenção de taxa com
Um bem (como um imóvel) de brasileiros, gratuidade. Embora não incidam taxas para o
situado no Brasil, terá sempre a sua sucessão exercício destes direitos, podem ser cobrados
regulada pela lei brasileira. Um bem de estrangeiro, emolumentos, custas e honorários. Portanto, tudo
contudo, situado no Brasil, abre ao cônjuge que é gratuito é necessariamente isento de taxa,
sobrevivente e aos filhos, desde que brasileiros, o embora a recíproca não seja verdadeira.
direito de escolher entre a lei brasileira e a lei do
País de origem do cônjuge falecido para regular a XXXV - A lei não excluirá da apreciação do Poder
secessão, podendo aplicar aqui qualquer das duas, Judiciário lesão ou ameaça a direito:
escolhendo a que lhes seja mais favorável. Consagra-se o Princípio da Inafastabilidade
da Tutela Jurisdicional como verdadeiro alicerce de
XXXII - O Estado promoverá, na forma da lei, a uma sociedade civilizada e democrática na solução
defesa do consumidor; de seus conflitos sócio-jurídicos.
Com a promulgação do Código de Defesa do O princípio da legalidade é basilar na
Consumidor (Lei nº 8.078/90), ficou preenchido o existência do Estado de direito, determinando a
sentido desse dispositivo, que voltou-se à pessoa na Constituição Federal, sua garantia, sempre que
condição de consumidor, para assegurar a ela um houver violação do direito, mediante lesão ou
grupo de direitos que a tirem da posição de ameaça. Dessa forma, será chamado a intervir o
inferioridade em que estão em relação ao produtor ou Poder Judiciário, que, no exercício da jurisdição,
ao vendedor de determinado produto ou serviço. deverá aplicar o direito ao caso concreto.
Assim, a regra constitucional em análise
XXXIII - Todos têm direito a receber dos órgãos exige a submissão ao Poder Judiciário de todo ou
públicos informações de seu interesse particular, qualquer conflito de interesses juridicamente
ou de interesse coletivo ou geral, que serão relevantes, a fim de que se promova a
prestadas no prazo da lei, sob pena de heterocomposição jurisdicional.
responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo OBS.: Inexiste a obrigatoriedade de
sigilo seja imprescindível à segurança da esgotamento da instância administrativa para que a
sociedade e do Estado; parte possa acessar o judiciário.
Reafirmação ampliada do inciso XIV,
protegendo a liberdade de informação pessoal que, XXXVI - A lei não prejudicará o direito adquirido,
se negada, enseja a impetração de Habeas Data. o ato jurídico perfeito e a coisa julgada;
Todavia, fica resguardado o sigilo da informação O Princípio da Irretroatividade da Lei
necessária à segurança da sociedade e do Estado. estabelece que a lei nova não vai retroagir (não
Toda e qualquer pessoa, inclusive produzirá seus efeitos) para alcançar o direito
estrangeiros, pode requerer informações para adquirido, o ato jurídico já aperfeiçoado ou a coisa
defender seus direitos, ou obter certidão em julgada. A intenção é dotar as relações jurídicas de
repartição pública para defesa de direitos ou uma estabilidade e de um mínimo de segurança para
esclarecimento de situação pessoal. as partes envolvidas.

XXXIV - São a todos assegurados, DIREITO ADQUIRIDO: Constitui-se num dos


independentemente do pagamento de taxas: recursos de que se vale a constituição para limitar a
retroatividade da lei. Consiste em situações jurídicas
a) o direito de petição aos poderes públicos em que já tinham se consolidado no tempo. Ex.:
defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso aposentadoria (cumpridos os requisitos para a
de poder; aposentadoria, a pessoa tem o direito adquirido de
O direito de petição aqui surge aliado à se aposentar, mesmo que se edite uma lei nova
dispensa do pagamento de taxas a fim de facilitar o modificando estes requisitos).
relacionamento do súdito com os poderes e as
autoridades do Estado, exercendo relevante função ATO JURÍDICO PERFEITO: É aquele que
catalisadora e buscando evitar demandas judiciais se aperfeiçoou, que reuniu todos os elementos
desnecessárias. necessários a sua formação, debaixo da lei velha.

b) a obtenção de certidões em repartições COISA JULGADA: É a decisão judicial


públicas, para defesa de direitos e transitada em julgado, ou seja, a decisão judicial de
esclarecimentos de situação de interesse que já não caiba recurso.
pessoal;
A obtenção de certidões objetiva facilitar o XXXVII - Não haverá juízo ou tribunal de exceção;
exercício da cidadania plena e vem engrossar o rol

CURSO DECISUM 7
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
A imparcialidade do Judiciário e a segurança Nenhum outro tribunal pode reformar o
do povo contra o arbítrio estatal encontram no mérito da decisão do júri; pode, quando muito, anular
princípio do juiz natural uma de suas garantias o processo por vício de forma, mas não mudar o
indispensáveis. veredicto do júri. Isso só ocorrerá se e quando o júri
O juiz natural é somente aquele integrado no for refeito.
Poder Judiciário, com todas as garantias
institucionais e pessoais previstas na Constituição d) A competência para o julgamento dos crimes
Federal. Somente os juízes, tribunais e órgãos dolosos contra a vida;
jurisdicionais previstos na Constituição se identificam A Constituição Federal prevê regra mínima e
com o juiz natural. inafastável de competência do Tribunal do Júri, não
As justiças especializadas no Brasil não impedindo, contudo, que o legislador
podem ser consideradas justiças de exceção, pois infraconstitucional lhe atribua outras e diversas
são devidamente constituídas e organizadas pela competências.
própria Constituição Federal e demais leis de O art. 5º, XXXVIII, da Constituição Federal,
organização judiciária. não deve ser entendido de forma absoluta, uma vez
Juízo de exceção é aquele criado que existirão hipóteses, sempre excepcionais, em
especialmente para julgar determinados fatos, após que os crimes dolosos contra a vida não serão
sua ocorrência; por exemplo: após uma revolução os julgados pelo Tribunal do Júri. Estas hipóteses
seus responsáveis criam uma corte especialmente referem-se, basicamente, às competências especiais
para julgar os derrotados e seus crimes contra a por prerrogativa de função.
nação. Assim, todas as autoridades com foro de
processo e julgamento previsto diretamente pela
XXXVIII - É reconhecida a instituição do júri, com Constituição Federal, mesmo que cometam crimes
a organização que lhe dar a lei, assegurados: dolosos contra a vida, estarão excluídas da
O júri é uma garantia de cada cidadão, competência do Tribunal do Júri.
consistente no direito de, em determinadas Esta regra aplica-se nas infrações penais
acusações, ser julgado pelos seus pares. A comuns cometidas pelo Presidente da República,
confirmação do fato punido pela lei será feita não por Vice-Presidente, membros do Congresso Nacional,
juízes profissionais, mas por pessoas do povo, que Ministros do STF, Procurador-Geral da República,
julgam não de modo técnico mas pelo senso comum Ministros de Estado, etc., pois já se firmou posição
prevalecente no meio social. que crimes comuns, previsto no art. 102, I, b e c, da
O júri é um tribunal popular, de essência e Constituição Federal abrange todas as modalidades
obrigatoriedade constitucional, regulamentado na de infrações penais, inclusive os crimes dolosos
forma da legislação ordinária, e, atualmente, contra a vida, que serão processados e julgados pelo
composto por um juiz de direito, que o preside, e por STF.
21 jurados, que serão sorteados dentre cidadãos que
constem do alistamento eleitoral do Município, XXXIX - Não há crime sem lei anterior que o
formando o Conselho de Sentença com 07 (sete) defina, nem pena sem prévia cominação legal;
deles. Aqui restam consagrados dois princípios
basilares do Direito Penal: o Princípio da Reserva
a) A plenitude de defesa; Legal (não há crime nem pena sem que a lei o
Garante ao réu todas as oportunidades preveja) e o da Anterioridade (resumido na palavra
probatórias permitidas pelo Direito. Este princípio prévia ou anterior).
caminha associado ao contraditório e à igualdade Para que uma conduta seja punida
das partes processuais. Todos os acusados, criminalmente, ela tem que estar previamente
qualquer que seja o crime, têm direito à ampla proibida, com clara definição de qual o
defesa. A violação dessa norma enseja a nulidade comportamento vedado e qual a conseqüência para
do processo. o descumprimento da proibição (a sanção). Essa
previsão se faz através do tipo penal, que descreve a
b) O sigilo das votações; conduta vedada.
Depois de composto o Conselho de Conduta típica será toda ação ou omissão
Sentença e da prestação do compromisso, os sete humana que coincidir com aquilo que está descrito
jurados ficarão incomunicáveis, devendo se abster legalmente no tipo, sendo chamado de fato típico.
de qualquer comentário sobre o processo em pauta
e, ao final, votando sigilosamente, de forma que um XL - A lei penal não retroagirá, salvo para
jurado nuca saiba como foi o voto do outro, salvo beneficiar o réu;
hipótese de votação unânime. Eis aqui outro importante princípio do Direito
Penal, que é o da Irretroatividade da Lei Penal,
c) A soberania dos veredictos; salvo em favor do réu.

CURSO DECISUM 8
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
As leis penais, em regra, não se movem para GRAÇA: Perdão individual concedido pelo
trás (retroatividade), nem para frente (ultratividade). Presidente da República que, como efeito, leva à
As leis penais só valem durante sua vigência, com extinção da punibilidade do agraciado. Todavia, não
duas únicas exceções: restitui a primariedade do agente.
a) a lei sempre se move para beneficiar o réu;
b) as leis excepcionais ou temporárias aplicam- ANISTIA: Perdão concedido aos culpados
se aos fatos ocorridos durante sua vigência, por delitos coletivos, especialmente os de caráter
mesmo que já tenham deixado de vigorar. político, para que cessem as sanções penais e se
ponha em perpétuo silêncio o acontecimento
XLI - A lei punirá qualquer discriminação apontado como criminoso. A concessão de anistia
atentatória dos direitos e liberdades depende de lei, e seus efeitos são mais amplos do
fundamentais; que a graça, já que não somente elimina a
O que se pretende nesse inciso é que a lei punibilidade, mas igualmente apaga o próprio delito.
venha a estabelecer punições para toda e qualquer O tráfico de entorpecentes é objeto da Lei nº
conduta com fundamento discriminatório, quer 6.368/76 e legislação posterior e complementar.
cometida por particular, quer pelo Estado. O Os crimes hediondos foram tratados pela Lei
dispositivo é, na verdade, um reforço da garantia de nº 8.072/90.
igualdade perante a lei. A prática de tortura ainda não foi objeto da
merecida regulamentação legal, que ainda é
XLII - A prática do racismo constitui crime insuficiente para coibir tal prática. Sobre tortura, ver
inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de o Código Penal (arts. 61, II, d: 83, V; 121 § 2º, III), o
reclusão, nos termos da lei; ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e o
Este inciso tem vários pontos técnicos. Decreto nº 40/91.
Primeiro, o próprio crime de racismo, que à época da
promulgação da Constituição ainda não existia. Crimes Hediondos – Lei n° 8.072/90
Crime inafiançável é crime que não admite (homicídio qualificado, latrocínio, estupro, atentado
fiança, e fiança é um pagamento que a pessoa faz violento ao pudor, extorsão qualificada pela morte,
ao Poder Judiciário para poder responder ao extorsão mediante seqüestro na forma qualificada,
processo em liberdade provisória. A condição de epidemia com resultado morte e falsificação,
inafiançável do crime de racismo, assim, impõe que, adulteração, corrupção ou alteração de produto
se quem o praticou estiver preso, preso vai ficar até destinado a fins terapêuticos ou medicinais)
o final do processo.
Crime imprescritível é crime que não sofre XLIV - Constitui crime inafiançável e
prescrição, e prescrição é um prazo dentro do qual o imprescritível a ação de grupos armados, civis
Estado tem poder para encontrar, processar, punir e ou militares, contra a ordem constitucional e o
executar a pena do criminoso. Findo esse prazo, Estado democrático;
nada mais a Justiça pode fazer contra o criminoso. Por ação de grupos armados civis ou
Crime imprescritível, pois, é crime em relação ao militares contra a ordem constitucional e o Estado
qual a justiça jamais perde o poder de punir o seu democrático, entende-se o golpe de estado. Note que
autor. o fato de ser imprescritível torna o golpe de estado
punível mesmo que tenha êxito e derrube o governo.
XLIII - A lei considerará crimes inafiançáveis e Anos ou décadas depois, se o governo recuperar sua
insuscetíveis de graça ou anistia a prática da legitimidade, os golpistas poderão ser presos, sem
tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas direito à fiança, processados e condenados.
afins, o terrorismo e os definidos como crimes
hediondos, por eles respondendo os mandantes, XLV - Nenhuma pena passará da pessoa do
os executores e os que, podendo evitá-los, se condenado, podendo a obrigação de reparar o
omitirem; dano e a decretação do perdimento de bens ser,
nos termos da lei, estendidas aos sucessores e
FIANÇA: é um pagamento feito pela pessoa contra eles executadas, até o limite do valor do
presa para responder ao processo penal em patrimônio transferido;
liberdade. Um crime considerado inafiançável é um O presente inciso trata do Princípio da
crime que não admite fiança, o que significa dizer Personificação da Pena. Igualmente consagra a
que se a pessoa for presa em flagrante por tal crime responsabilidade penal subjetiva – somente a
deverá ficar presa até o final do processo. Graça e pessoa física que, de algum modo, concorreu para o
anistia são dois tipos de benefícios que podem ser crime por ele responderá na medida de sua
dados á pessoa presa ou condenada a prisão. culpabilidade.
Por outro lado, surge o perdimento de bens
com nova pena, de forma a permitir ao Estado

CURSO DECISUM 9
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
perseguir aqueles bens frutos de aquisição ilícita,
estejam eles onde estiverem, quer no patrimônio de A pena de morte apenas será admitida em
um herdeiro ou, até mesmo, na esfera patrimonial de casos de guerra declarada de acordo com o Código
um terceiro adquirente de boa-fé. Por princípio de Penal Militar. Sendo o direito à vida petrificado, é
justiça, a extensão dessa responsabilidade dogmaticamente impossível a ampliação de sua
patrimonial não atinge aqueles bens cuja origem é aplicação aos crimes hediondos.
notoriamente lícita. Por questão de política criminal, as penas de
caráter perpétuo estão vedadas pela Constituição,
LVI - A lei regulará a individualização da pena e que, neste passo, consagra o caráter reeducativo da
adotará, entre outras, as seguintes: pena. A legislação penal permite, dentro desse
a) privação ou restrição da liberdade; espírito, a unificação das penas, estabelecendo,
b) perda de bens; ainda, que o tempo de cumprimento das penas
c) multa; privativas de liberdade não pode ser superior a 30
d) prestação social alternativa; (trinta) anos.
e) suspensão ou interdição de direitos; A pena de trabalhos forçados, antes de
ferir os direitos humanos do preso, tem demonstrado
Consagrado neste inciso o Princípio da ser economicamente inviável, isto porque existem
Individualização da Pena. presos cujo grau de periculosidade é tão elevado
Este inciso trata das penas constitucionais, que qualquer instrumento de trabalho, em tais mãos,
das penas possíveis no Direito brasileiro e firma o facilmente se transformaria em meio de fuga e/ou
princípio da individualização da pena. agressão. Além do que, não são permitidas penas
A privação é a perda total da liberdade, pela corporais (cruéis), o que torna inviável o trabalho
reclusão ou pela detenção. A restrição de liberdade é forçado.
apenas um cerceamento, uma diminuição dela, e Banimento é um ato unilateral que recairia
ocorre no sursis, nos regimes aberto e semi-aberto sobre brasileiros natos e naturalizados, retirando-os
de prisão e no livramento condicional, por exemplo. de seu país. Não confundir com expulsão que é ato
Perda de bens significa tê-los retirados pelo idêntico, mas que recai sobre estrangeiro e é
Estado, para reparar a vítima ou a si próprio. admitida na legislação brasileira infraconstitucional
Multa é a imposição de uma penalidade (Lei nº 6.815/50).
pecuniária, de um valor a ser pago pelo preso. As penas cruéis são igualmente excluídas
Prestação social alternativa é a por serem incompatíveis com a sadia evolução do
condenação do condenado a fazer alguma coisa em Direito Penal.
benefício da sociedade, como forma de reparar todo
ou parte de seu crime, como pintar as paredes de XLVIII - A pena será cumprida em
uma associação comunitária, auxiliar no atendimento estabelecimentos distintos, de acordo com a
em creche ou orfanatos, ministrar aulas gratuitas e natureza do delito, a idade e o sexo do apenado;
outros. Corresponde às penas restritivas de direitos, Existirão estabelecimentos correicionais de
autônomas e substitutivas das penas privativas de segurança mínima, máxima e média, a fim de
liberdade, indicadas no Código Penal, art. 44. servirem para o cumprimento progressivo da pena.
Suspensão de direito é a supressão
temporária dele, como no caso do motorista que XLIX - É assegurado aos presos o respeito à
atropela e mata um pedestre, sendo que dirigia integridade física e moral;
embriagado. A pena, além das referentes ao crime, O preso só perderá a sua liberdade de
poderá alcançar a retirada temporária ou definitiva locomoção, mantendo todos os demais direitos que
da carteira de habilitação e, com ela, do direito de dela não derivam.
dirigir.
A individualização da pena de que fala o L - às presidiárias serão asseguradas condições
inciso é a sua fixação de acordo com as para que possam permanecer com seus filhos
características pessoais do condenado, sua durante o período de amamentação;
personalidade, a conduta social, sua condição Inovação constitucional que objetiva
escolar e financeira, dentre outras. assegurar a maternidade e o direito de a criança ser
amamentada, já que a pena não pode passar da
XLVII - Não haverá penas: pessoa da condenada.
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada,
nos termos do art. 84, XIX; LI - Nenhum brasileiro será extraditado, salvo o
b) de caráter perpétuo: naturalizado, em caso de crime comum,
c) de trabalhos forçados; praticado antes da naturalização, ou de
d) de banimento; comprovado envolvimento em tráfico ilícito de
e) cruéis; entorpecentes e drogas afins, na forma da lei;

CURSO DECISUM 10
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
A extradição é um ato político bilateral que mantenha um tratado de extradição com o país
pressupõe um tratado internacional prévio entre os requerente, não deferirá o pedido.
países envolvidos.
Extradição é o ato pelo qual um Estado LIII - Ninguém será processado nem sentenciado
entrega um indivíduo, acusado de um delito ou já senão pela autoridade competente;
condenado como criminoso, à justiça do outro, que o Este inciso consagra o Princípio do Juiz
reclama, e que é competente para julgá-lo e puni-lo. Natural segundo o qual cada um dos súditos do
Quanto à extradição, a Constituição Federal Estado disporá de um juízo com competência natural
prevê tratamento diferenciado aos brasileiros natos, para processá-lo e julgá-lo com observância
naturalizados e aos estrangeiros, segundo o disposto obrigatória de outros princípios de processo
nos incisos LI e LII, do art. 5º. constitucional.

A Constituição prevê o seguinte: LIV - Ninguém será privado da liberdade ou de


seus bens sem o devido processo legal;
a) O brasileiro nato nunca será extraditado; O Princípio do Devido Processo Legal
b) O brasileiro naturalizado somente será (due process of law) é o mais importante de todos
extraditado em dois casos: aqueles que tratam o processo. Por se referir à
I. por crime comum, praticado antes da necessidade do devido processo legal para que
naturalização; alguém perca sua liberdade ou qualquer de seus
II. quando da participação comprovada em bens, este inciso passa a ter aplicação praticamente
tráfico ilícito de entorpecentes e drogas irrestrita. A honra, o patrimônio, o uso do nome, a
afins, na forma da lei, integridade física e moral, tudo isto faz parte dos
independentemente do momento do fato, bens corpóreos e incorpóreos da pessoa humana.
ou seja, não importa se foi antes ou O Devido Processo Legal tem como
depois da naturalização; corolários a ampla defesa e o contraditório, que
III. O português equiparado, nos termos do deverão ser assegurados aos litigantes, em processo
§ 1º do art. 12 da constituição Federal, judicial ou administrativo, e aos acusados em geral.
tem todos os direitos do brasileiro Nenhuma penalidade poderá ser imposta,
naturalizado; assim, poderá ser tanto no campo judicial, quanto nos campos
extraditado nas hipóteses descritas no administrativos ou disciplinares, sem a necessária
item II. Porém, em virtude de tratado amplitude de defesa.
bilateral assinado com Portugal,
convertido no Decreto Legislativo nº LV - Aos litigantes, em processo judicial ou
70.391/72 pelo Congresso Nacional, administrativo, e aos acusados em geral são
somente poderá ser extraditado para assegurados o contraditório e ampla defesa, com
Portugal; os meios e recursos a ela inerentes;
IV. O estrangeiro poderá, em regra, ser Por ampla defesa entende-se o
extraditado, havendo vedação apenas asseguramento que é dado ao réu de condições que
nos crimes políticos ou de opinião. lhe possibilitem trazer para o processo todos os
elementos tendentes a esclarecer a verdade ou
Portanto, tráfico ilícito de entorpecentes é o mesmo de omitir-se ou calar-se, se entender
único crime praticado após a naturalização que necessário.
possibilita a extradição do brasileiro naturalizado. O contraditório assegura que a parte tem o
Nas demais hipóteses, o brasileiro naturalizado direito de se manifestar sobre todas as provas
somente poderá ser extraditado se o crime houver produzidas e sobre as alegações feitas pela parte
sido praticado antes da naturalização. adversa. A igualdade das partes impede que
acusação ou defesa possuam privilégios.
LII - Não será concedida extradição de
estrangeiro por crime político ou de opinião; LVI - São inadmissíveis, no processo, as provas
O estrangeiro é, de regra, extraditável, obtidas por meios ilícitos;
sempre dependendo de decisão soberana do Aqui encontra-se o Princípio da Licitude da
Supremo Tribunal Federal. Não é possível a Prova. A prova obtida por meio ilícito é aquela
extradição, contudo, se o fato pelo qual o País que colhida com infração das leis, como, por exemplo, as
pretende a extradição e punição do estrangeiro seja, obtidas através de tortura, lesões corporais,
para a lei brasileira, crime político ou de opinião. invasões, fraude, etc.
Só cometerá crime de opinião o estrangeiro As provas ilícitas, bem como todas aquelas
que insistir em exercer a liberdade de expressão derivadas, são constitucionalmente inadmissíveis,
dentre de um regime autocrático. Neste caso, devendo, pois, serem desentranhadas do processo,
mesmo que a República Federativa do Brasil não tendo, porém, o condão de anulá-lo,

CURSO DECISUM 11
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
permanecendo válidas as demais provas lícitas e O Princípio da Publicidade dos Atos
autônomas delas não decorrentes. Processuais ainda encontra respaldo no art. 93, IX
e, em ambos os dispositivos, admite-se como
LVII - Ninguém será considerado culpado até o exceção a possibilidade do segredo de Justiça que
trânsito de julgado de sentença penal torna, excepcionalmente, os atos de processo
condenatória; sigilosos, limitando a presença, em determinados
Aqui se encontra consagrado o Princípio da atos, às próprias partes e seus advogados, ou
Presunção de Inocência, um dos basilares do Estado somente a estes, tudo com o intuito de evitar
de Direito como garantia processual penal. Mantém evidente prejuízo que poderia advir da publicidade
a primariedade do réu até que se ultime a decisão de certos processos. Há casos em que a própria lei
condenatória transitada em julgado. ordinária processual determina o segredo de justiça.

LVIII - O civilmente identificado não será LXI - Ninguém será preso senão em flagrante
submetido a identificação criminal, salvo nas delito ou por ordem escrita e fundamentada de
hipóteses previstas em lei; autoridade judiciária competente, salvo nos
Quando se fala em identificação criminal casos de transgressão militar ou crime
está a Constituição se referindo ao registro, guarda e propriamente militar, definidos em lei;
recuperação de todos os dados e informações Considera-se em flagrante delito quem:
necessários para estabelecer a identidade do a) está cometendo a infração penal:
acusado. b) acaba de cometê-la;
Identidade é o conjunto de características c) é perseguido, logo após, pela autoridade,
que distinguem uma pessoa da outra (arcada pelo ofendido ou por qualquer pessoa, em
dentária, digitais, voz, altura, etc.). situação que faça presumir ser autor da
Identificação será o processo de infração;
estabelecer a identidade. d) é encontrado, logo depois, com
Este inciso não permitiu a recepção do inciso instrumentos, armas, objetos ou papéis que
VIII do art. 6º do Código de Processo Penal, que façam presumir ser ele autor da infração.
ordenava a identificação datiloscópica dos
indiciados. Um civil não perderá, ainda que
Convém observar que a Constituição cria momentaneamente, a liberdade de locomoção,
restrições à identificação criminal, não se referindo à valendo dizer que a prisão para averiguações ou
civil. Portanto, não há inconstitucionalidade se, prisão por atitude suspeita não encontram respaldo
determinado por edital de concurso público, o na Constituição.
candidato no momento da resolução da prova for O servidor público militar pode ser preso até
obrigado a identificar-se datiloscopicamente para o por ordem verbal de superior hierárquico ou de igual
fiscal. patente.

LIX - Será admitida ação privada nos crimes de LXII - A prisão de qualquer pessoa e o local onde
ação pública, se esta não for intentada no prazo se encontre serão comunicados imediatamente
legal; ao juiz competente e à família do preso ou à
No sistema jurídico brasileiro, por força da pessoa por ele indicada;
Constituição (art. 129, I), o processo criminal O mandamento constitucional exige que,
somente pode ser deflagrado por denúncia ou por além da comunicação imediata, seja estabelecido o
queixa, sendo a ação penal pública privativa do local onde o preso se encontre a fim de evitar-se a
Ministério Público. incomunicabilidade do mesmo, o que, por
A Constituição permite que, conseqüência, facilitaria sobremaneira eventual
excepcionalmente, a vítima, ou seu representante abuso de autoridade.
legal, assuma a titularidade ativa em ações penais
que, a princípio, seriam públicas, ou seja, deveriam LXIII - O preso será informado de seus direitos,
ser promovidas pelo Ministério Público. Surge assim entre os quais o de permanecer calado, sendo-
a ação penal privada subsidiária da pública, lhe assegurado a assistência da família e de
devido à inércia do Ministério Público em adotar, no advogado;
prazo legal, uma das seguintes providências: São vários os direitos do preso, dentre eles o
oferecer denúncia, requerer o arquivamento do de ser assistido pela família e por advogado, de ter
inquérito policial ou requisitar diligências. preservada a sua integridade física e, explícito no
inciso, o de ficar calado.
LX - A lei só poderá restringir a publicidade dos Qualquer preso, em qualquer situação, pode
atos processuais quando a defesa da intimidade reservar-se ao direito de somente falar em juízo,
ou o interesse social o exigirem;

CURSO DECISUM 12
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
negando-se a responder a todas as perguntas da deixou de ser aplicada no Brasil em virtude de um
autoridade policial. tratado internacional assinado pelo país pátrio.

LXIV - O preso tem direito à identificação dos LXVIII - HABEAS CORPUS


responsáveis por sua prisão ou por seu
interrogatório policial; LXIX - MANDADO DE SEGURANÇA
Este inciso procura garantir ao preso a
possibilidade de identificar aqueles que tenham LXX - MANDADO DE SEGURANÇA COLETIVO
vilipendiado seus direitos individuais no momento do
interrogatório ou de sua prisão. LXXI - MANDADO DE INJUNÇÃO

LXV - A prisão ilegal será imediatamente LXXII - HABEAS DATA


relaxada pela autoridade judiciária;
Esta prisão durante o processo ainda não é LXXIII - AÇÃO POPULAR
prisão-pena, mas a chamada prisão cautelar de
natureza processual. Há inúmeras formas de se LXXIV - o Estado prestará assistência jurídica
colocar o acusado preso durante o processo e outras integral e gratuita aos que comprovarem
tantas para colocá-lo em liberdade durante este insuficiência de recursos;
período. O Estado presta a assistência jurídica
gratuita através da Defensoria Pública, em que faz
LXVI - Ninguém será levado à prisão ou nela jus a pessoa que apresentar um atestado de
mantido quando a lei admitir a liberdade pobreza.
provisória, com ou sem fiança;
Sendo a prisão a forma mais grave e comum LXXV - o Estado indenizará o condenado por erro
de punição para os culpados, apenas judiciário, assim como o que ficar preso além do
excepcionalmente deve ela ser aplicada aos tempo fixado na sentença;
presumidamente inocentes. Antes do trânsito em A Constituição se preocupa com a pessoa
julgado da sentença condenatória, a prisão tem a que, injustamente, foi condenada por sentença
natureza de medida cautelar, visando preservar a transitada em julgado, tendo sido descoberto tal
integridade de testemunhas, da ordem pública, da prejuízo posterior à sentença, tendo este direito à
ordem econômica ou a evitar que o réu se evada. indenização por dano moral e material.
A liberdade provisória com fiança é
liberdade vinculada, onde o acusado se compromete LXXVI - são gratuitos para os reconhecidamente
a comparecer aos atos processuais sob pena de pobres, na forma da lei:
revogação do benefício. a) o registro civil de nascimento;
A liberdade provisória sem fiança também b) a certidão de óbito;
é vinculada, só que aqui o acusado não precisa fazer
depósito. Ele recebe o benefício legal porque cumpre São benefícios concedidos pela Lei
os requisitos legais descritos no CPP. 9.265/96.

LXVII - Não haverá prisão civil por dívida, salvo a LXXVII - são gratuitas as ações de habeas corpus
do responsável pelo inadimplemento voluntário e e habeas data, e, na forma da lei, os atos
inescusável de obrigação alimentícia e a do necessários ao exercício da cidadania.
depositário infiel; Também são benefícios regulados pela lei
Entende-se por prisão civil aquela que não é 9.265/96.
decretada com finalidades penais.
Em regra, não haverá prisão civil por dívida. LXXVIII a todos, no âmbito judicial e
Excepcionalmente, porém, em dois casos será administrativo, são assegurados a razoável
permitida a prisão civil decretada pela autoridade duração do processo e os meios que garantam a
judicial competente: celeridade de sua tramitação.
a) inadimplemento voluntário e inescusável de Todos têm direito a um processo célere
obrigação alimentícia; (rápido) dentro do princípio da razoabilidade. Esse
b) Depositário infiel. inciso é garantido tanto aos processos judiciais
quanto aos processos administrativos.
A primeira, diz respeito à possibilidade de prisão
civil por falta de pagamento de prestação alimentícia. • Aplicabilidade imediata - as normas definidoras
A segunda, diz respeito à possibilidade de prisão dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação
civil do devedor considerado, por ficção legal, como imediata (§ 1º).
depositário infiel em alienação fiduciária. Esta prisão

CURSO DECISUM 13
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
• Direitos e garantias constitucionais e demais população. Já o art. 7º, abaixo, se destina apenas
normas e princípios - os direitos e garantias aos trabalhadores urbanos e rurais.
expressos nesta Constituição não excluem outros
decorrentes do regime e dos princípios por ela ○ São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais,
adotados, ou dos tratados internacionais em que a além de outros que visem à melhoria de sua
República Federativa do Brasil seja parte (§ 2º). condição social (art. 7º):

• Tratados internacionais - os tratados e I - relação de emprego protegida contra


convenções internacionais sobre direitos humanos despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos
que forem aprovados, em cada Casa do Congresso de lei complementar, que preverá indenização
Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos compensatória, dentre outros direitos;
dos respectivos membros, serão equivalentes às
emendas constitucionais (§ 3º) II - seguro-desemprego, em caso de
desemprego involuntário;
• Tribunal Penal internacional - o Brasil se submete
à jurisdição de Tribunal Penal Internacional a cuja III - fundo de garantia do tempo de serviço;
criação tenha manifestado adesão (§ 4º).
IV - salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente
unificado, capaz de atender a suas necessidades
CAPÍTULO 2 vitais básicas e às de sua família com moradia,
alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário,
DIREITOS SOCIAIS higiene, transporte e previdência social, com
reajustes periódicos que lhe preservem o poder
○ Conceito – direitos sociais são direitos aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para
fundamentais do homem, de observância obrigatória qualquer fim;
em um Estado Social de Direito, tendo por finalidade
a melhoria de condições de vida dos V - piso salarial proporcional à extensão e à
hipossuficientes, visando a caracterização da complexidade do trabalho;
igualdade sócia, e são consagrados como
fundamentos do Estado Democrático de Direito. VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto
em convenção ou acordo coletivo;
○ A quem se destina – os direitos sociais destinam-
se aos trabalhadores urbanos e rurais; VII - garantia de salário, nunca inferior ao
mínimo, para os que percebem remuneração
○ Conceito de trabalhadores – entende-se por variável;
trabalhadores, no sentido conferido pela
Constituição, os trabalhadores subordinados, ou VIII - décimo terceiro salário com base na
seja, aqueles que mantiverem um vínculo de remuneração integral ou no valor da aposentadoria;
emprego, incluídos aí o rural, o avulso, o doméstico
(alguns desses direitos) e o servidor público (alguns IX - remuneração do trabalho noturno superior à
desses direitos). Exclui-se deste conceito, o do diurno;
trabalhador eventual, o autônomo e o temporário,
pois o direito destes depende de lei ordinária que os X - proteção do salário na forma da lei,
definam. constituindo crime sua retenção dolosa;

○ Aplicabilidade – de acordo com o § 1º do art. 5º, XI - participação nos lucros, ou resultados,


os direitos sociais têm aplicabilidade imediata, não desvinculada da remuneração, e, excepcionalmente,
depende de leis ordinária para produzir eficácia. participação na gestão da empresa, conforme
definido em lei;
► ROL DOS DIREITOS SOCIAIS
XII - salário-família pago em razão do
○ São direitos sociais a educação, a saúde, o dependente do trabalhador de baixa renda nos
trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a termos da lei;
previdência social, a proteção à maternidade e à
infância, a assistência aos desamparados, na forma XIII - duração do trabalho normal não superior a
desta Constituição (art. 6º). oito horas diárias e quarenta e quatro semanais,
facultada a compensação de horários e a redução da
OBS.: Estes direitos sociais não se destinam jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de
apenas aos trabalhadores, mas a toda a trabalho;

CURSO DECISUM 14
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
até o limite de dois anos após a extinção do contrato
XIV - jornada de seis horas para o trabalho de trabalho;
realizado em turnos ininterruptos de revezamento,
salvo negociação coletiva; XXX - proibição de diferença de salários, de
exercício de funções e de critério de admissão por
XV - repouso semanal remunerado, motivo de sexo, idade, cor ou estado civil;
preferencialmente aos domingos;
XXXI - proibição de qualquer discriminação no
XVI - remuneração do serviço extraordinário tocante a salário e critérios de admissão do
superior, no mínimo, em cinqüenta por cento à do trabalhador portador de deficiência;
normal;
XXXII - proibição de distinção entre trabalho
XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, manual, técnico e intelectual ou entre os
pelo menos, um terço a mais do que o salário profissionais respectivos;
normal;
XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso
XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer
emprego e do salário, com a duração de cento e trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na
vinte dias; condição de aprendiz, a partir de quatorze anos;

XIX - licença-paternidade, nos termos fixados em XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador
lei; com vínculo empregatício permanente e o
trabalhador avulso.
XX - proteção do mercado de trabalho da
mulher, mediante incentivos específicos, nos termos ► LIBERDADE DE ASSOCIAÇÃO PROFISSIONAL
da lei; OU SINDICAL

XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de ○ Conceito – a liberdade sindical é uma forma
serviço, sendo no mínimo de trinta dias, nos termos específica de liberdade de associação (CF, art. 5º,
da lei; XVII), com regras próprias, demonstrando, portanto,
sua posição de tipo autônomo;
XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho,
por meio de normas de saúde, higiene e segurança; ○ Classificação dos direitos sindicais

XXIII - adicional de remuneração para as ○ Liberdade de constituição – é livre a


atividades penosas, insalubres ou perigosas, na associação profissional ou sindical, não podendo a
forma da lei; lei exigir autorização do Estado para a fundação de
sindicato. É necessário o registro do sindicato no
XXIV - aposentadoria; órgão competente, mas é vedada qualquer
interferência ou intervenção do Poder Público na
XXV - assistência gratuita aos filhos e organização sindical;
dependentes desde o nascimento até 5 (cinco) anos
de idade em creches e pré-escolas; OBS.: A Constituição veda a criação de mais de
uma organização sindical, em qualquer grau,
XXVI - reconhecimento das convenções e representativa de categoria profissional ou
acordos coletivos de trabalho; econômica, na mesma base territorial, que será
definida pelos trabalhadores ou empregadores
XXVII - proteção em face da automação, na interessados, não podendo ser inferior à área de
forma da lei; um município.

XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a ○ Liberdade de inscrição – ninguém pode ser
cargo do empregador, sem excluir a indenização a obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a qualquer
que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou sindicato.
culpa;
○ Direito de auto-organização – implica a liberdade
XXIX - ação, quanto aos créditos resultantes das de definição da forma de governo da associação ou
relações de trabalho, com prazo prescricional de do sindicato, bem como as formas de expressão de
cinco anos para os trabalhadores urbanos e rurais, vontade (assembléias, eleições, plebiscitos,
referendos etc.), nos termos constitucionais.

CURSO DECISUM 15
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa

OBS.: O aposentado filiado possui o direito de ► DIREITO DE GREVE


votar e ser votado na organizações sindicais.
○ Conceito de greve – é um direito de autodefesa
○ Direito de independência e autonomia – para que consiste na abstenção coletiva e simultânea do
garantia de independência e autonomia, a trabalho, organizadamente, pelos trabalhadores de
Constituição prevê que os sindicatos terão fontes um ou de vários departamentos ou
independentes dos patronos e do Poder Público. estabelecimentos, com o fim de defender interesses
Para tanto, a assembléia geral fixará a contribuição determinados.
que, em se tratando de categoria profissional, será
descontada de folha de pagamento, para o custeio ○ Direito de greve – a Constituição Federal
do sistema confederativo de representação sindical assegura o direito de greve aos empregados,
respectiva, independentemente de contribuição competindo aos trabalhadores decidir sobre a
prevista em lei. oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que
devem por meio dele defender e determina que a lei
○ Direito de proteção especial dos dirigentes definirá os serviços e atividades essenciais e disporá
eleitos dos trabalhadores – é vedada a dispensa sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da
do empregado sindicalizado a partir do registro da comunidade, inclusive responsabilizando os abusos
candidatura a cargo de direção ou representação cometidos (art. 9º).
sindical e, se eleito, ainda que suplente, até um ano
após o final do mandato, salvo se cometer falta ○ Destinação do direito de greve – o direito de
grave nos termos da lei (CF, art. 8º, VIII). Esse direito greve previsto na Constituição Federal destina-se
é chamado de estabilidade sindical. aos empregados de empresas privadas, incluídas as
sociedades de economia mista e as empresas
► CONTRIBUIÇÃO CONFEDERATIVA E públicas.
SINDICAL – DIFERENÇAS E EXIGIBILIDADE
► CARACTERÍSTICAS DO DIREITO DE GREVE
○ Diferença entre contribuição assistencial e
contribuição sindical ○ direito coletivo, cujo titular é um grupo organizado
de trabalhadores;
- Contribuição assistencial – é uma
contribuição fixada pela assembléia geral para o ○ direito trabalhista irrenunciável no âmbito do
custeio do sistema confederativo da representação contrato individual;
sindical, descontado em folha de pagamento,
referente à categoria profissional. Só pode ser ○ direito relativo, podendo sofrer limitações, inclusive
cobrada daquele que for filiado ao sindicato. em relação às atividades consideradas essenciais
(art. 9º, § 1º);
- Contribuição sindical – é contribuição
parafiscal compulsória devida por todo trabalhador ○ instrumento de autodefesa, que consiste na
ou empregado, em benefício do respectivo sindicato, abstenção simultânea do trabalho;
pelo fato de pertencerem à categoria econômica ou
profissional ou a uma profissão liberal. É descontada ○ procedimento de pressão;
em folha de pagamento e tem previsão em lei. É
cobrada de todos os trabalhadores e empregados. ○ finalidade primordial: defender os interesses da
profissão (greve reinvidicativa);
OBS.: Nenhuma entidade sindical poderá cobrar
a contribuição assistencial daquele que se ○ caráter pacífico.
recusou a filiar-se ou permanecer filiado. Já a
contribuição sindical é obrigatória e devida pelos ► OBSERVAÇÕES
que participam das categorias econômicas ou
profissionais ou das profissões liberais 1) o direito de greve é auto-aplicável, não
representadas pelas referidas entidades. A podendo ser restringido ou impedido pela
contribuição sindical é obrigatória inclusive para legislação infraconstitucional. Não está vedada,
os profissionais liberais não filiados. porém, a possibilidade de regulamentação de seu
procedimento;
OBS.: Apesar de a constituição garantir a todos a
liberdade de associação (ninguém é obrigado a 2) Nas atividades públicas, o direito de greve não
se associar ou permanecer associado), a entra em vigor imediatamente, dependendo o seu
contribuição sindical é obrigatória. exercício de lei ordinária específica;

CURSO DECISUM 16
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
● São brasileiros natos:
3) a greve dos empregadores é denominada lock-
out (ou locaute). Ocorre quando os a) os nascidos na República Federativa do
empregadores fecham os seus estabelecimentos, Brasil, ainda que de pais estrangeiros, desde que
impossibilitando a prestação de serviços pelos estes não estejam a serviço de seu país.
empregados, com a finalidade de pressionar os
próprios trabalhadores ou setores do Poder Obs.: Critério adotado - o critério adotado aqui em
Público, para que atendam as suas regra é o ius soli, mas existe a atenuação deste
reivindicações. critério no caso dos pais estrangeiros que estão a
serviço de seu país.

CAPÍTULO 3 b) os nascidos no estrangeiro, de pai


brasileiro ou mãe brasileira, desde que qualquer
NACIONALIDADE deles esteja a serviço da República Federativa do
Brasil.
● Conceito – é o vínculo jurídico-político de Direito
Público interno, que faz da pessoa um dos Obs.: Critério adotado - o critério adotado aqui é o
elementos componentes da dimensão do Estado. do ius sanguinis, vinculado, porém, ao fato de o pai
ou mãe brasileira (ou ambos) estarem a serviço da
● Quem são os nacionais – os nacionais são República Federativa Brasil.
aqueles que o Direito definir como tais. Os demais
serão considerados estrangeiros. c) os nascidos no estrangeiro, de pai
brasileiro ou mãe brasileira, desde que venham a
OBS.: O Estado é livre para dizer quem são os residir na República Federativa do Brasil e optem a
nacionais. qualquer tempo, pela nacionalidade brasileira
(nacionalidade potestativa)
2. ESPÉCIES DE NACIONALIDADE
Obs.: Critério adotado - Aqui se adotou o critério do
● Nacionalidade primária (ou de origem ou ius sanguinis, exigindo-se, porém, vínculo com o
originária) – é a aquisição involuntária de território brasileiro e expressa manifestação de
nacionalidade, decorrente do simples nascimento vontade do interessado (opção pela nacionalidade
ligado a um critério estabelecido pelo Estado. brasileira).

● Nacionalidade secundária (ou adquirida) – é a Obs.: Nacionalidade potestativa – essa hipótese


aquisição voluntária de nacionalidade, resultante da de nacionalidade originária, prevista na letra c, é
manifestação de um ato de vontade. denominada de nacionalidade potestativa, uma vez
que, manifestada a opção, não se pode recusar o
3. CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO DE reconhecimento da nacionalidade ao interessado.
NACIONALIDADE
Obs.: A opção deve ser realizada em Juízo – já
● O Brasil adota dois critérios para a atribuição da decidiu o STF que a opção pela nacionalidade
nacionalidade primária: brasileira no caso da nacionalidade potestativa deve
ser realizada em juízo, em processo de jurisdição
○ Ius sanguinis – funda-se no vínculo de voluntária que finda com sentença homologatória da
sangue, segundo o qual será nacional todo aquele vontade do interessado.
que for filho de nacionais, independentemente do
local do nascimento; 5. PECULIARIDADES DA NACIONALIDADE
○ ius soli – atribui a nacionalidade a quem POTESTATIVA
nasce no território do Estado que o adota,
independentemente da nacionalidade dos ● Momento da opção pela nacionalidade
ascendentes. brasileira – o STF já decidiu que a opção só pode
ser manifestada depois de alcançada a maioridade.
Obs.: A Constituição Federal de 1988 adotou
como regra o critério do ius soli, admitindo-se, ● Nacionalidade enquanto durar a menoridade –
porém, ligeiras atenuações pelo critério do ius no caso da nacionalidade potestativa, o interessado,
sanguinis. enquanto durar a menoridade, é considerado
brasileiro nato, sem restrições, porque enquanto for
4. BRASILEIROS NATOS menor não pode efetuar a opção.

CURSO DECISUM 17
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
● Nacionalidade potestativa após a maioridade – ler e escrever em português, exercício de
assim que o interessado atingir a maioridade, passa profissão etc.);
a estar suspensa a sua condição de brasileiro nato,
ou seja, a partir da data em que atingiu a maioridade, b. a naturalização de estrangeiros residentes no
enquanto ele não manifestar a sua vontade, não será Brasil e que são originários de países de língua
considerado brasileiro nato. portuguesa (Portugal, Angola, Moçambique,
Guiné Bissau, Açores, Cabo Verde, Príncipe,
6. BRASILEIRO NATURALIZADOS (AQUISIÇÃO Goa, Macau, Timor Leste). Neste caso são
SECUNDÁRIA) necessários apenas o cumprimento de dois
requisitos: i) residência no Brasil por um ano
● Previsão da naturalização – a Constituição prevê ininterrupto; ii) idoneidade moral.
a aquisição da nacionalidade secundária por meio da
naturalização, sempre mediante a manifestação da Obs.: Mesmo cumprindo todos estes requisitos,
vontade do interessado. na nacionalidade ordinária, o Chefe do Poder
Executivo pode negar a naturalização.
● Ato de soberania estatal – a concessão da
nacionalidade secundária é ato de soberania estatal, ○ os estrangeiros de qualquer nacionalidade
que se encontra dentro do poder discricionário do residentes na República Federativa do Brasil há mais
Chefe do Poder Executivo. Desta forma, o Estado de quinze anos ininterruptos e sem condenação
não está obrigado a concedê-la nem mesmo quando penal, desde que requeiram a nacionalidade
o interessado comprovar que preencheu todos os brasileira (naturalização extraordinária)
requisitos e condições para a sua concessão.
Obs.: Na naturalização extraordinária, o Chefe do
● Tipos de naturalização – existem dois tipo de Poder Executivo não pode negar a naturalização,
naturalização: ou seja, não possui ele neste caso, poder
discricionário para conceder ou negar a
○ Naturalização tácita – é aquela adquirida naturalização.
independentemente de manifestação expressa do
naturalizado, por força de regras jurídicas de 7. PORTUGUESES RESIDENTES NO BRASIL
nacionalização adotadas por um determinado
Estado. ● Portugueses residentes no Brasil – aos
portugueses com residência permanente no país, se
Obs.: este tipo de naturalização (tácita) não é houver reciprocidade em favor dos brasileiros, serão
admitida no Brasil. atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os
casos previstos nesta Constituição (art. 12, § 1º).
○ Naturalização expressa – depende de
requerimento do interessado, demonstrando sua Obs.: Não se trata de concessão aos
intenção de adquirir nova nacionalidade. portugueses da nacionalidade brasileira. Os
portugueses residentes no Brasil continuam
Obs.: é a naturalização adotada pela Constituição portugueses e os brasileiros residentes em
Federal Brasileira. Portugal continuam Brasileiros. O que acontece é
que, uns e outros, recebem direitos, que no geral,
● Naturalização – são brasileiros naturalizados: somente poderiam ser concedidos ao nacional
de cada país.
○ os que, na forma da lei, adquiram a
nacionalidade brasileira, exigidas aos originários de Obs.: os direitos concedidos aos portugueses
países de língua portuguesa apenas residência por são os direitos dos brasileiros naturalizados e
um ano ininterrupto e idoneidade moral não os dos brasileiros natos.
(naturalização ordinária).
8. TRATAMENTO DIFERENCIADO ENTRE
Obs.: Aqui se consagram duas hipóteses de BRASILEIRO NATO E NATURALIZADO
naturalização:
● Igualdade entre brasileiros natos e
a. a naturalização do estrangeiro, residentes no naturalizados e exceção - a Constituição brasileira
Brasil, mas que não são originários de países de não permite que a lei crie distinções entre brasileiros
língua portuguesa. Neste caso, estes devem natos e naturalizados. As únicas diferenciações
cumprir os requisitos previstos na lei de permitidas são as que se encontram consagradas na
naturalização (capacidade civil de acordo com a própria Constituição Federal.
lei brasileira, visto permanente no Brasil, saber

CURSO DECISUM 18
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
● Distinções constitucionais entre brasileiros
natos e naturalizados – serão tratados CAPÍTULO 4
distintamente os brasileiros natos dos naturalizados
nas seguintes hipóteses: CIDADANIA, DIREITOS POLÍTICOS E PARTIDOS
POLÍTICOS
○ cargos - são privativos de brasileiro nato
os cargos de Presidente e Vice-Presidente da 1. DIREITOS POLÍTICOS
República, de Presidente da Câmara dos Deputados,
de Presidente do Senado Federal, de Ministro do ● Conceito – os direitos políticos positivos
Supremo Tribunal Federal, da carreira diplomática, consistem no conjunto de normas que asseguram o
de oficial das Forças Armadas, de Ministro de Estado direito subjetivo de participação no processo político
da Defesa (art. 12, § 3º); e nos órgãos governamentais.

○ função no Conselho da República – no ● São direitos políticos expressamente previstos


Conselho da República, órgão superior de consulta na Constituição Federal (art. 14):
do Presidente da República, foram ○ direito ao sufrágio;
constitucionalmente reservadas seis vagas a ○ direito ao voto nas eleições, plebiscitos e
cidadãos brasileiros natos (art. 89, VII); referendos;
○ direito à iniciativa popular de lei;
○ extradição - nenhum brasileiro nato
poderá ser extraditado. O brasileiro naturalizado, 2. DIREITO AO SUFRÁGFIO
porém poderá ser extraditado em caso de crime
comum, praticado antes da naturalização, ou de ● Conceito – o direito ao sufrágio é materializado
comprovado envolvimento em tráfico ilícito de pela capacidade de votar e ser votado,
entorpecentes e drogas afins, na forma da lei; representando, pois, a essência dos direitos
políticos;
○ direito de propriedade – o brasileiro
naturalizado há menos de dez anos não pode ser ● Aspectos do sufrágio – o direito ao sufrágio pode
proprietário de empresa jornalística e de radiofusão ser visto sob dois aspectos:
sonora de sons e imagens, tampouco ser sócio com
mais de 30% do capital total e do capital volante e ○ capacidade eleitoral ativa – representa o
participar de gestão dessas empresas (CF, art. 222). direito de votar, o direito de alistar-se como eleitor
(alistabilidade);
9. PERDA DA NACIONALIDADE
○ capacidade eleitoral passiva – consiste
● Hipóteses de perda da nacionalidade: será no direito de ser votado, de eleger-se para um cargo
declarada a perda da nacionalidade do brasileiro que político (elegibilidade);
(art. 12, § 4º):
● O direito ao sufrágio pode ser:
I - tiver cancelada sua naturalização, por
sentença judicial, em virtude de atividade nociva ao ○ universal – quando assegurado o direito
interesse nacional; de votar a todos os nacionais, independentemente
da exigência de quaisquer requisitos, tais como
II - adquirir outra nacionalidade, salvo no casos: condições culturais ou econômicas etc.;

a) de reconhecimento de nacionalidade ○ restrito – quando o direito de votar for


originária pela lei estrangeira; concedido tão-somente àqueles que cumprirem
determinadas condições fixadas pelas leis do
b) de imposição de naturalização, pela Estado. O sufrágio restrito, por sua vez, pode ser
norma estrangeira, ao brasileiro residente em estado censitário ou capacitário:
estrangeiro, como condição para permanência em
seu território ou para o exercício de direitos civis; a. censitário – é aquele que tão-
somente outorga o direito de voto àqueles que
● Impossibilidade de dupla nacionalidade – em preenchem certas qualificações econômicas. Seria o
regra, o brasileiro que adquire outra nacionalidade caso, p. ex., de não permitir o direito de voto àqueles
perde a condição de nacional brasileiro. que auferissem renda inferior a um salário mínimo.

● Exceção – é possível a dupla nacionalidade em b. capacitário – é aquele que só outorga o


duas situações previstas acima. direito de voto aos indivíduos dotados de certas

CURSO DECISUM 19
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
características especiais, notadamente de natureza Obs.: o plebiscito e o referendo sçao realizados
intelectual. Seria o caso, p. ex., de se exigir para o em relação à matérias de natureza constitucional,
direito ao voto a apresentação de diploma de legislativa ou administrativa, quanto for de
conclusão de nível fundamental, ou médio, ou acentuada relevância.
superior.
● Plebiscito – é convocado com anterioridade a ato
Obs.: A Constituição Federal consagra o sufrágio legislativo ou administrativo, cabendo ao povo, pelo
universal. voto, aprovar ou denegar o que lhe tenha sido
submetido.
3. CAPACIDADE ELEITORAL ATIVA
● Referendo – é convocado com posterioridade a
● Conceito – a capacidade eleitoral ativa representa ato legislativo ou administrativo, cumprindo ao povo
o direito de votar, o direito de alistar-se como eleitor a respectiva ratificação ou rejeição.
(alistabilidade);
5. CAPACIDADE ELEITORAL PASSIVA
● Aquisição – a aquisição da capacidade eleitoral
ativa, no Brasil, se dá com o alistamento realizado ● Conceito - consiste no direito de ser votado, de
perante os órgãos competentes da Justiça Eleitoral, eleger-se para um cargo político (elegibilidade);
a pedido do interessado (não há inscrição de ofício).
Obs.: Para que alguém seja elegível não basta
● Cidadão – o alistamento eleitoral dá ao nacional a apenas ser alistável, mas sim, deve cumprir uma
qualidade de cidadão, tornando-o apto ao exercício série de requisitos gerais.
dos direitos políticos.
● Requisitos – para que um indivíduo se torne
Obs.: a qualidade de eleitor confere ao cidadão a elegível, é necessário o cumprimento de
maioria dos direitos políticos, mas não a determinados requisitos gerais, denominados de
totalidade dos direitos políticos, posto que condições de elegibilidade, bem como a não
muitos destes direitos dependem do incidência de nenhuma das inelegibilidades, que
preenchimento de condições que só constituem os impedimentos da capacidade eleitoral.
gradativamente se incorporam ao cidadão. É o
que ocorre com o direito de ser votado, que não ● Condições de elegibilidade –
se adquire com o mero alistamento eleitoral.
○ nacionalidade brasileira ou condição de
Obs.: todo elegível é obrigatoriamente eleitor, equiparado a português, sendo que para Presidente
mas nem todo eleitor é elegível, ou seja, aquele da República e Vice-Presidente da República exige-
que possui capacidade eleitoral passiva se condição de brasileiro nato (art. 12, § 3º);
(elegibilidade) necessariamente possui
capacidade eleitoral ativa (alistabilidade), mas a ○ pleno exercício dos direitos políticos
recíproca não é verdadeira. (exclui-se daqui os que perderam ou têm suspensos
os seus direitos políticos);
●Obrigatoriedade do alistamento eleitoral e do
voto – o alistamento eleitoral e o voto são ○ alistamento eleitoral;
obrigatórios aos maiores de dezoito anos e
facultativos para os analfabetos, os maiores de ○ domicílio eleitoral na circunscrição (o
setenta anos e os menores de dezesseis e menores eleitor deve ser domiciliado no local em que se
de dezoito anos. candidata, pelo período mínimo exigido pela
legislação eleitoral subconstitucional);
● Impossibilidade de alistamento eleitoral – não é
permitido o alistamento de estrangeiro e, durante o ○ idade mínima, que deverá ser verificada
serviço militar, dos conscritos. tendo por referência a data da posse, sendo as
seguintes: 35 anos para os cargos de Presidente da
4. PLEBISCITO E REFERENDO República e Vice-Presidente da República e Senador
da República; 30 anos para os cargos de
● Soberania popular – uma das formas de Governador e Vice-Governador do Estado e do
manifestação da soberania popular será a realização Distrito Federal; 21 anos para os cargos de
de consulta a população por meio de plebiscito ou Deputado Federal, Deputado estadual ou distrital,
referendo (art. 14), que deverão ser autorizadas pelo Prefeito, Vice-Prefeito e Juiz de Paz; 18 anos para
Congresso Nacional (art. 49, XV). Vereador;

CURSO DECISUM 20
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
○ filiação partidária (não se admitindo a sofrer violência ou coação em sua liberdade de
candidatura autônoma ou avulsa); locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder.

PARTIDOS POLÍTICOS ● Natureza – possui natureza penal de


procedimento especial.
● Criação, fusão, incorporação ou extinção de
partido político – é livre a criação, fusão, ● Gratuidade – é gratuito, ou seja, isento de custas.
incorporação ou extinção de partidos políticos,
resguardada a soberania nacional, o regime ● Decisão favorável ao réu – sempre que houver
democrático, o pluripartidarismo, os direitos empate nas deliberações de habeas corpus nos
fundamentais da pessoa humana; Tribunais deve-se decidir em favor do réu.

● Preceitos de observância obrigatória pelos ● Classificação – o hábeas corpus pode ser:


partidos políticos (art. 17): - repressivo (liberatório) – quando o
○ caráter nacional; indivíduo já teve violado o seu direito de locomoção;
○ proibição de recebimento de recursos - preventivo (salvo-conduto) – quando há
financeiros de entidade ou governo estrangeiros ou apenas uma ameaça de que seu direito de
de subordinação a estes; locomoção venha a ser violado.
○ prestação de contas à Justiça Eleitoral;
○ funcionamento parlamentar de acordo com ● Liminar – é possível a concessão de liminar (não
a lei; definitiva) proferida por juízo sumário, desde que
presentes os requisitos da plausibilidade do direito e
● Autonomia dos partidos políticos – é do risco de dano irreparável ou de difícil reparação.
assegurada aos partidos políticos autonomia para
definir sua estrutura interna, organização e ● Legitimidade ativa – o habeas corpus é universal,
funcionamento e para adotar os critérios de escolha ou seja, qualquer do povo nacional ou estrangeiro,
e o regime de suas coligações eleitorais, sem independentemente da capacidade civil, política ou
obrigatoriedade de vinculação entre as candidatura profissional, de idade, de sexo, profissão, estado
de âmbito nacional, estadual, distrital ou municipal, mental, pode ingressar com a ação em proveito
devendo seus estatutos estabelecer normas de próprio ou alheio (habeas corpus de terceiros). Até
disciplina e fidelidade partidária. mesmo o menor de idade, o analfabeto e o
doente mental podem ajuizar a ação. A
● Personalidade jurídica dos partidos políticos – jurisprudência admite até mesmo a impetração
os partidos políticos só adquirem personalidade de habeas corpus por pessoas jurídicas em favor
jurídica na forma da lei civil (art. 17, § 2º); de pessoa física a ela ligada (um diretor da
empresa, por exemplo).
● Registro dos partidos políticos – os partidos
políticos registrarão seus estatutos no Tribunal ● Representação por advogado – NÃO necessita
Superior Eleitoral (art. 17, § 2º). de representação por advogado.

● Fundo partidário e acesso gratuito à rádio e ● Contra quem é impetrado – o habeas corpus
televisão – os partidos políticos têm direito a será impetrado contra ato do sujeito coator, que
recursos do fundo partidário e acesso gratuito a radio tanto pode ser autoridade público quanto particular,
e à televisão, na forma da lei (art. 17, § 32º); para fazer cessar uma coação ilegal.

● Partidos políticos e organizações paramilitares ● Ofensa indireta ou reflexa à liberdade de


– é vedada a utilização pelos partidos políticos de locomoção – o STF tem entendido ser cabível o
organizações paramilitares (art. 17, § 4º); habeas corpus quanto a ofensa direta ou indireta
(reflexa) ao direito de locomoção. A ofensa indireta
(ou ameaça de ofensa indireta) ao direito de
CAPÍTULO 5 locomoção ocorre quando o ato que se esteja
impugnando possa resultar em um procedimento
GARANTIA DOS DIREITOS INDIVIDUAIS E que, ao final, acarrete detenção ou reclusão do
COLETIVOS impetrante. É o que ocorre na quebra do sigilo
bancário, fiscal, telefônico, para retirada de
HABEAS CORPUS provas ilícitas dos autos etc.

● Habeas corpus - Conceder-se-á habeas corpus Exemplo: uma pessoa que esteja respondendo a
sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de processo criminal por sonegação fiscal, crime

CURSO DECISUM 21
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
apenado com reclusão, tendo sido nesse
processo determinada pelo magistrado a quebra Obs.: os agentes de pessoa privada só
do sigilo bancário, poderá impetrar ação de responderão em mandado de segurança se
habeas corpus, se entender que a decisão do juiz estiverem, por delegação, no exercício de
foi arbitrária, pois a quebra desse sigilo poderia atribuições do poder público. Neste caso, o
acarretar uma futura violação do seu direito de mandado e segurança será impetrado contra a
locomoção. A ofensa a sua liberdade de autoridade privada que executou o ato ou
locomoção, portanto, é reflexa. omissão que violou o direito líquido e certo
(Súmula 510 do STF).
Obs.: se a quebra do sigilo bancário fosse
determinada por autoridade fiscal, no curso de • Direito líquido e certo – é aquele demonstrado de
processo administrativo tributário, não seria plano, de acordo com o direito, e sem incerteza, a
possível a impetração de habeas corpus, já que respeito dos fatos narrados pelo impetrante. É o que
no processo administrativo não é possível se apresenta manifesto em sua existência,
determinar a sua prisão, de forma que não delimitado na sua extensão e apto a ser exercitado
haveria ofensa reflexa à liberdade de locomoção. no momento da impetração.

● Não cabimento de habeas corpus contra • Provas pré-constituídas – não há dilação


punições disciplinares militares – não caberá probatória no mandado de segurança. As provas
habeas corpus contra punições disciplinares devem ser pré-constituídas, documentais, levadas
militares. Isso porque o meio militar segue regras aos autos do processo no momento da impetração.
próprias de conduta, hierarquia e disciplina mais
rígidas do que no meio civil. Entretanto, o STF tem • Inexistência de honorários advocatícios
abrandado esta regra determinando que não sucumbenciais – segundo orientação firmada pelo
cabe habeas corpus em relação ao mérito das Supremo Tribunal Federal não cabe a condenação
punições disciplinares militares, mas apenas em honorários advocatícios (ônus de sucumbência)
contra os pressupostos de legalidade da medida na ação de mandado de segurança (Súmula 512).
adotada pela autoridade militar.
• Participação obrigatória do Ministério Público –
MANDADO DE SEGURANÇA o Ministério Público é oficiante obrigatório no
mandado de segurança, como parte pública
• Conceito – conceder-se-á mandado de segurança autônoma (na qualidade de fiscal da lei),
para proteger direito líquido e certo, não amparado encarregada de velar pela aplicação da lei e pela
por "habeas-corpus" ou "habeas-data", quando o regularidade do processo. A ausência do Ministério
responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for Público gera a nulidade do processo.
autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no
exercício de atribuições do Poder Público; • Espécies quanto ao momento da impetração do
mandado de segurança – quanto ao momento em
• Ato civil – o mandado de segurança é sempre de que o mandado de segurança é impetrado, ele pode
natureza civil, ainda quando impetrado contra ato ser classificado em:
do juiz criminal, praticado em processo penal. - repressivo – visando reparar uma
ilegalidade ou abuso de poder já praticados;
• Ato residual – o mandado de segurança é de - preventivo – visando afastar uma ameaça
natureza residual, pois somente poderá ser utilizado de lesão ao direito líquido e certo do impetrante;
quando não for amparado por habeas corpus ou • Espécies quanto à parte que impetra o mandado
habeas data, ação popular etc.). de segurança – quanto à parte que impetra o
mandado de segurança, ele pode ser classificado
Obs.: Apesar de a Constituição Federal em:
mencionar apenas os remédios habeas corpus
ou habeas data também não se utilizará o - individual – quando o impetrante é apenas
mandado de segurança quando for caso de ação uma pessoa ou mais de uma pessoa (no caso de
popular e mandado de injunção. litisconsórcio ativo);

• Ato de autoridade pública – o mandado de - coletivo – quando o mandado de


segurança é cabível contra o chamado “ato de segurança é impetrado por partido político com
autoridade” entendido como qualquer manifestação representação no Congresso Nacional, organização
ou omissão do Poder Público ou das autoridades a sindical, entidade de classe ou associação
quem se delega este poder, no desempenho de legalmente constituída em funcionamento há pelo
atribuições públicas. menos um ano, em defesa dos interesses de seus

CURSO DECISUM 22
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
membros ou associados. O requisito de um ano de MANDADO DE INJUNÇÃO
constituição refere-se apenas às associações.
• Mandado de injunção - conceder-se-á mandado
Obs.: no mandado de segurança coletivo, as de injunção sempre que a falta de norma
entidades impetrantes, acima mencionadas, regulamentadora torne inviável o exercício dos
agem como substitutos processuais dos direitos e liberdades constitucionais e das
verdadeiros beneficiários. prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania
e à cidadania.
• Prazo – o prazo para impetrar mandado de
segurança será de 120 dias contados da data em • Legitimidade ativa – pode ajuizar o mandado de
que em que o interessado tiver conhecimento oficial injunção qualquer pessoa, física ou jurídica, que se
do ato a ser impugnado (ex.: publicação no Diário sinta prejudicada pela falta de norma
Oficial). regulamentadora, sem a qual resulte inviabilizado o
exercício dos direitos, liberdades e garantias
• Prazo decadencial – esse prazo de 120 dias é constitucionais prescritas no inciso LXXI do art. 5º da
decadencial, ou seja, não passível de suspensão ou Constituição Federal.
interrupção. Não ocorre decadência, entretanto, se
o mandado de segurança tiver sido protocolado a • Mandado de injunção coletivo – o STF entende
tempo perante o juízo incompetente. ser possível ajuizar ação de mandado de injunção
coletivo.
• Prazo no mandado de segurança preventivo –
sendo o mandado de segurança preventivo, não há • Legitimidade ativa para impetração do mandado
que se falar em prazo de 120 dias. de injunção coletivo – tem legitimidade para
impetrar a ação de mandado de injunção coletivo o
• Liminar – é uma ordem judicial proferida partido político com representação no Congresso
prontamente, mediante um juízo sumário, porém, Nacional, as organizações sindicais, as entidades de
precário, ou seja, não definitivo, de plausibilidade classe e as associações legalmente constituídas há
das alegações (fumus boni iuris) e de risco de dano pelo menos um ano, em defesa dos interesses de
irreparável ou de difícil reparação, se houver demora seus membros e associados.
na prestação jurisdicional (periculum in mora).
• Legitimidade passiva – devem figurar no pólo
• Irrecorribilidade – o despacho que negar a liminar passivo os órgãos ou autoridades públicas que têm
é irrecorrível. obrigação de legislar, mas estejam omissos com
relação à elaboração da norma regulamentadora.
Obs.: a liminar concedida pode ser cassada a
qualquer tempo, pelo Presidente do Tribunal • Custas e assistência por advogado – o mandado
competente para o recurso, desde que solicitado de injunção NÃO é gratuito e é necessária a
pela entidade interessada. assistência por advogado.

• Duplo grau de jurisdição – no mandado de • Pressupostos do mandado de injunção – são


segurança, a sentença de primeiro grau, quando dois os pressupostos do mandado de injunção:
concessiva da ordem, fica sujeita ao reexame
obrigatório pelo Tribunal respectivo. Se a pessoa de - falta de norma regulamentadora de um preceito
direito público vencida não apelar ou se o seu constitucional;
recurso não por admissível, porque intempestivo, ou
por não atender a qualquer formalidade, haverá - inviabilização do exercício de um direito ou
remessa dos autos, de ofício para o Tribunal. A liberdade constituciona, ou prerrogativa inerente à
remessa obrigatória, porém, não gera efeito nacionalidade, à soberania e à cidadania, decorrente
suspensivo. (a inviabilização) dessa falta da norma
regulamentadora.
• Duplo grau de jurisdição nos mandados de
segurança impetrados originariamente nos • Eficácia – o posicionamento jurisprudencial
tribunais – não há duplo grau de jurisdição majoritário, inclusive do STF, entende que o Poder
obrigatório se a decisão foi proferida por tribunal do Judiciário, ao julgar o mandado de injunção, apenas
Poder Judiciário, no uso de competência originária. reconhece formalmente a inércia do Poder Público e
dá ciência de sua decisão ao órgão competente,
para que este edite a norma faltante. Baseada no
princípio da separação dos poderes, a jurisprudência
entende que não compete ao Judiciário suprir a

CURSO DECISUM 23
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
lacuna, nem assegurar ao impetrante o exercício do Obs.: É irrelevante se a instituição é pública ou
direito carente de norma regulamentadora, tampouco privada, mas o banco de dados tem que ser de
obrigar o Poder Legislativo a legislar. O Poder caráter público (ex.: SPC, que é instituição
Judiciário apenas reconhecerá formalmente a privada que possui banco de dados de caráter
inconstitucionalidade por omissão e dará ciência público).
de sua decisão ao órgão omisso, para que este
edite a norma faltante. • Necessidade de requerimento administrativo
prévio – para ajuizar ação de habeas data é
• Impossibilidade de liminar – o STF entende não necessário comprovar a negativa das informações
ser possível a concessão de liminar, pela própria solicitadas por meio de requerimento administrativo.
natureza da ação. Caso contrário a ação será extinta por falta de
interesse de agir (condição da ação).
HABEAS DATA
• Inexistência de prazo prescricional ou
• Habeas data - Conceder-se-á habeas data: decadencial – o habeas data não está sujeito a
prazo decadencial ou prescricional, podendo a ação
a) para assegurar o conhecimento de ser ajuizada a qualquer tempo.
informações relativas à pessoa do impetrante,
constantes de registros ou bancos de dados de • Gratuidade e ônus da sucumbência – o habeas
entidades governamentais ou de caráter público; data, tanto no procedimento administrativo quanto no
judicial, é gratuito, não sendo permitida a cobrança
b) para a retificação de dados, quando não de custas processuais, não sendo admitido também
se prefira fazê-lo por processo sigiloso, judicial ou a aplicação da regra do ônus da sucumbência.
administrativo;
• Necessidade de representação por advogado –
• Natureza – é ação de natureza civil e rito sumário. é necessária a representação por advogado.

• Finalidade – sua finalidade é garantir, em favor da AÇÃO POPULAR


pessoa interessada, o exercício das seguintes
pretensões jurídicas: • Conceito - qualquer cidadão é parte legítima para
- direito de acesso aos registros relativos à propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao
pessoa do impetrante; patrimônio público ou de entidade de que o Estado
- direito de retificação desses registros; participe, à moralidade administrativa, ao meio
- direito de complementação desses ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando
registros. o autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas
- anotação nos assentamento do judiciais e do ônus da sucumbência;
interessado, de contestação ou explicação sobre
dado verdadeiro mais justificável e que esteja sobre • Destinação – a ação popular se destina a anular
pendência judicial ou amigável (hipótese incluída ato (ou contrato ou outras figuras jurídicas a ele
pela Lei n° 9.507, de 12.11.1997). equiparadas) lesivo:
- ao patrimônio público;
• Legitimidade ativa – o habeas data pode ser - à moralidade administrativa;
impetrado por qualquer pessoa física, brasileira ou - ao meio ambiente;
estrangeira, bem como por pessoa jurídica. - ao patrimônio histórico e cultural.

• Direito personalíssimo – é ação personalíssima, • Legitimidade ativa – só quem pode ajuizar a ação
ou seja, somente pode ser impetrada pelo titular das popular é o cidadão, ou seja, a pessoa física
informações. (humana) no gozo dos seus direitos cívicos e
políticos, isto é, aquele que possui capacidade
• Legitimidade passiva – no pólo passivo podem eleitoral ativa (pode votar). Pode ser brasileiro nato
figurar entidades governamentais, da Administração ou naturalizado e o português equiparado.
Pública Direta ou Indireta, entidades, instituições ou
pessoas jurídicas privadas detentoras de banco de • Necessidade do título de eleitor – é necessário
dados contendo informações que sejam ou que que o autor esteja munido de seu título de eleitor
possam ser transmitidas a terceiros ou que não para ajuizar ação popular, pois é através desse que
sejam de uso privativo do órgão ou entidade ele comprova a sua qualidade de eleitor.
produtora ou depositária das informações.
• Não podem ajuizar ação popular:
- pessoa jurídica;

CURSO DECISUM 24
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
- Ministério Público; • Funções dos poderes - cada um dos
- os inalistados (indivíduos que poderiam ter poderes possui uma função predominante,
se alistado, mas não o fizeram); que o caracteriza como detentor de parcela
- os inalistáveis (aqueles que não podem ser da soberania estatal (funções típicas), além
alistar como eleitores: os menores de 16 anos, os de outras funções previstas no texto
conscritos durante o período do serviço militar constitucional (funções atípicas).
obrigatório);
- os estrangeiros (ressalvada a hipótese do 2. PODER LEGISLATIVO
português equiparado, já que este tem os mesmos
direitos que o brasileiro naturalizado). • Funções típicas – são funções típicas do
Poder Legislativo legislar e fiscalizar
• Ministério Público – o Ministério Público participa (fiscalização contábil, financeira,
da ação na qualidade de custos legis, velando pela orçamentária, operacional e patrimonial do
regularidade do processo e correta aplicação da lei, Poder Executivo (CF, art. 70);
opinando pela procedência ou improcedência da
ação. • Funções atípicas – suas funções atípicas
são administrar (ex. organização e
• Isenção de custas – a Constituição Federal isenta operacionalidade interna) e julgar (ex.
o autor do pagamento das custas e do ônus da julgamento do Presidente da República por
sucumbência (honorários advocatícios em caso de crime de responsabilidade).
improcedência da ação), salvo comprovada má-fé;
3. ATRIBUIÇÕES DO CONGRESSO NACIONAL
Obs.: a gratuidade da ação beneficia apenas ao
autor e não aos réus. Se julgada procedente a • Competência do Congresso Nacional com
ação, estes serão condenados ao ressarcimento sanção presidencial - Cabe ao Congresso
das despesas havidas pelo autor. Nacional, com a sanção do Presidente da República,
não exigida esta para o especificado nos arts. 49, 51
• Natureza – a sentença da ação popular é e 52, dispor sobre todas as matérias de competência
tipicamente civil, não comportando condenação de da União, especialmente sobre:
índole política, administrativa ou criminal. I - sistema tributário, arrecadação e distribuição
de rendas;
• Duplo grau de jurisdição obrigatório – se a ação II - plano plurianual, diretrizes orçamentárias,
for julgada improcedente, a sentença estará sujeita orçamento anual, operações de crédito, dívida
ao duplo grau de jurisdição (reexame necessário). pública e emissões de curso forçado;
III - fixação e modificação do efetivo das Forças
• Juízo universal – o juízo da ação popular é Armadas;
universal, impondo-se a reunião de todas as ações IV - planos e programas nacionais, regionais e
conexas, com fundamentos jurídicos iguais ou setoriais de desenvolvimento;
assemelhados. Assim, a propositura de ação popular V - limites do território nacional, espaço aéreo e
prevenirá todas as ações que forem posteriormente marítimo e bens do domínio da União;
intentadas contra as mesmas partes e sobre os VI - incorporação, subdivisão ou
mesmos fundamentos. desmembramento de áreas de Territórios ou
Estados, ouvidas as respectivas Assembléias
• Inexistência de prerrogativa de foro – segundo o Legislativas;
STF, o foro especial por prerrogativa de função não VII - transferência temporária da sede do
alcança as ações populares ajuizadas contra Governo Federal;
autoridades detentoras dessas prerrogativas. VIII - concessão de anistia;
IX - organização administrativa, judiciária, do
Ministério Público e da Defensoria Pública da União
CAPÍTULO 6 e dos Territórios e organização judiciária, do
Ministério Público e da Defensoria Pública do Distrito
PODER LEGISLATIVO Federal;
X - criação, transformação e extinção de cargos,
1. SEPARAÇÃO DOS PODERES empregos e funções públicas, observado o que
estabelece o art. 84, VI, b;
• Poderes do Estado – são Poderes do XI - criação e extinção de Ministérios e órgãos da
Estado, independentes e harmônicos entre administração pública;
si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário; XII - telecomunicações e radiodifusão;

CURSO DECISUM 25
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
XIII - matéria financeira, cambial e monetária, XVII - aprovar, previamente, a alienação ou
instituições financeiras e suas operações; concessão de terras públicas com área superior a
XIV - moeda, seus limites de emissão, e dois mil e quinhentos hectares.
montante da dívida mobiliária federal.
• Competência privativa da Câmara dos
XV - fixação do subsídio dos Ministros do Deputados - Compete privativamente à Câmara dos
Supremo Tribunal Federal, observado o que dispõem Deputados:
os arts. 39, § 4º; 150, II; 153, III; e 153, § 2º, I. I - autorizar, por dois terços de seus membros, a
instauração de processo contra o Presidente e o
• Competência exclusiva do Congresso Vice-Presidente da República e os Ministros de
Nacional - da competência exclusiva do Congresso Estado;
Nacional: II - proceder à tomada de contas do Presidente
I - resolver definitivamente sobre tratados, da República, quando não apresentadas ao
acordos ou atos internacionais que acarretem Congresso Nacional dentro de sessenta dias após a
encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio abertura da sessão legislativa;
nacional; III - elaborar seu regimento interno;
II - autorizar o Presidente da República a IV - dispor sobre sua organização,
declarar guerra, a celebrar a paz, a permitir que funcionamento, polícia, criação, transformação ou
forças estrangeiras transitem pelo território nacional extinção dos cargos, empregos e funções de seus
ou nele permaneçam temporariamente, ressalvados serviços, e a iniciativa de lei para fixação da
os casos previstos em lei complementar; respectiva remuneração, observados os parâmetros
III - autorizar o Presidente e o Vice-Presidente da estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias;
República a se ausentarem do País, quando a V - eleger membros do Conselho da República,
ausência exceder a quinze dias; nos termos do art. 89, VII.
IV - aprovar o estado de defesa e a intervenção
federal, autorizar o estado de sítio, ou suspender • Competência privativa do Senado Federal
qualquer uma dessas medidas; - Compete privativamente ao Senado Federal:
V - sustar os atos normativos do Poder Executivo
que exorbitem do poder regulamentar ou dos limites I - processar e julgar o Presidente e o Vice-
de delegação legislativa; Presidente da República nos crimes de
VI - mudar temporariamente sua sede; responsabilidade, bem como os Ministros de Estado
VII - fixar idêntico subsídio para os Deputados e os Comandantes da Marinha, do Exército e da
Federais e os Senadores, observado o que dispõem Aeronáutica nos crimes da mesma natureza conexos
os arts. 37, XI, 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, com aqueles;
I; II processar e julgar os Ministros do Supremo
VIII - fixar os subsídios do Presidente e do Vice- Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional
Presidente da República e dos Ministros de Estado, de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério
observado o que dispõem os arts. 37, XI, 39, § 4º, Público, o Procurador-Geral da República e o
150, II, 153, III, e 153, § 2º, I; Advogado-Geral da União nos crimes de
IX - julgar anualmente as contas prestadas pelo responsabilidade;
Presidente da República e apreciar os relatórios III - aprovar previamente, por voto secreto, após
sobre a execução dos planos de governo; argüição pública, a escolha de:
X - fiscalizar e controlar, diretamente, ou por a) Magistrados, nos casos estabelecidos nesta
qualquer de suas Casas, os atos do Poder Constituição;
Executivo, incluídos os da administração indireta; b) Ministros do Tribunal de Contas da União
XI - zelar pela preservação de sua competência indicados pelo Presidente da República;
legislativa em face da atribuição normativa dos c) Governador de Território;
outros Poderes; d) Presidente e diretores do banco central;
XII - apreciar os atos de concessão e renovação e) Procurador-Geral da República;
de concessão de emissoras de rádio e televisão; f) titulares de outros cargos que a lei determinar;
XIII - escolher dois terços dos membros do IV - aprovar previamente, por voto secreto, após
Tribunal de Contas da União; argüição em sessão secreta, a escolha dos chefes
XIV - aprovar iniciativas do Poder Executivo de missão diplomática de caráter permanente;
referentes a atividades nucleares; V - autorizar operações externas de natureza
XV - autorizar referendo e convocar plebiscito; financeira, de interesse da União, dos Estados, do
XVI - autorizar, em terras indígenas, a Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios;
exploração e o aproveitamento de recursos hídricos VI - fixar, por proposta do Presidente da
e a pesquisa e lavra de riquezas minerais; República, limites globais para o montante da dívida

CURSO DECISUM 26
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
consolidada da União, dos Estados, do Distrito OBS.: Assim, serão protegidos os parlamentares
Federal e dos Municípios; por seus atos, votos e palavras que tenham
VII - dispor sobre limites globais e condições pertinência temática com o exercício do mandato
para as operações de crédito externo e interno da parlamentar, ainda que tenham sido proferidas
União, dos Estados, do Distrito Federal e dos fora do recinto da Casa Legislativa.
Municípios, de suas autarquias e demais entidades
controladas pelo Poder Público federal; • Voto, palavra ou opinião for proferido
VIII - dispor sobre limites e condições para a dentro do Parlamento - o STF já decidiu
concessão de garantia da União em operações de que se o voto, palavra ou opinião for
crédito externo e interno; proferido dentro do Parlamento, serão
IX - estabelecer limites globais e condições para sempre invioláveis independentemente de
o montante da dívida mobiliária dos Estados, do haver pertinência temática com o mandato
Distrito Federal e dos Municípios; exercido pelo parlamentar (presunção
X - suspender a execução, no todo ou em parte, absoluta de pertinência temática), podendo
de lei declarada inconstitucional por decisão neste caso ser coibido apenas eventuais
definitiva do Supremo Tribunal Federal; excessos, por quebra de decoro ou outras
XI - aprovar, por maioria absoluta e por voto transgressões parlamentares (punição
secreto, a exoneração, de ofício, do Procurador- disciplinar).
Geral da República antes do término de seu
mandato; • Imunidades formais – é o instituto que
XII - elaborar seu regimento interno; garante ao parlamentar a impossibilidade de
XIII - dispor sobre sua organização, ser ou permanecer preso ou, ainda, a
funcionamento, polícia, criação, transformação ou possibilidade de sustação do andamento da
extinção dos cargos, empregos e funções de seus ação penal por crimes praticados após a
serviços, e a iniciativa de lei para fixação da diplomação.
respectiva remuneração, observados os parâmetros
estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias; • Imunidade formal em relação à prisão – a
XIV - eleger membros do Conselho da imunidade formal abrange a prisão penal e
República, nos termos do art. 89, VII. civil (alimentos ou depositário infiel),
XV - avaliar periodicamente a funcionalidade do impedindo a execução da prisão contra o
Sistema Tributário Nacional, em sua estrutura e seus parlamentar, exceto em caso de flagrante
componentes, e o desempenho das administrações delito de crime inafiançável.
tributárias da União, dos Estados e do Distrito
Federal e dos Municípios. Obs.: Prisão penal definitiva decorrente de
sentença penal condenatória transitada em
4. IMUNIDADES DOS PARLAMENTARES julgada – O STF já decidiu que a imunidade formal
não abrange a prisão por sentença penal
• Conceito de imunidades – são garantias condenatória transitada em julgado, de forma que
funcionais concedidas pelas Constituições podem ser executadas as penas privativas de
para o livre desempenho do ofício dos liberdade opostas em definitivo aos membros do
membros do Poder Legislativo e para evitar Congresso Nacional.
desfalque no quorum necessário para as
deliberações. OBS.: Assim, se a condenação ocorrer no início
da legislatura, poderá o parlamentar ser preso,
• Imunidades materiais – consiste na cumprir a pena, e ao final, retornar à Casa
subtração da responsabilidade penal, civil Legislativa para exercer o restante do mandato.
(não implica em qualquer responsabilização
por perdas e danos), disciplinar ou política • Possibilidade de prisão em casos de flagrante
do parlamentar por suas opiniões, votos e delito por crimes inafiançáveis – desde a
palavras. expedição do diploma, os membros do Congresso
Nacional não poderão ser presos, salvo em flagrante
• Abrangência da imunidade material – a de crime inafiançável (art. 52, § 2º).
imunidade material parlamentar só protege o
congressista nos atos, palavras e votos Obs.: no caso de prisão em flagrante delito por
proferidos no exercício do ofício crime inafiançável, a manutenção da prisão
congressual, ou seja, no exercício do dependerá de autorização da Casa respectiva
mandato legislativo. para a formação da culpa, pelo voto da maioria
de seus membros (maioria absoluta) (CF, art. 53,
§ 2º).

CURSO DECISUM 27
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa

• Imunidade formal em relação aos crimes • Funções típicas do Poder Executivo –


praticados após a diplomação – a administrar a coisa pública;
imunidade processual parlamentar refere-se
à possibilidade de a Casa Legislativa • Função atípica do Poder Executivo –
respectiva sustar, a qualquer momento antes legislar (através de medidas provisórias, art.
da decisão final do Poder Judiciário, o 62) e julgar (através do contencioso
andamento da ação penal proposta contra administrativo).
parlamentar por crimes praticados após a
diplomação. → Estrutura do Poder Executivo

Obs.: Não há mais a necessidade de autorização • Concentração das funções de Chefe de


da respectiva Casa Legislativa (Câmara dos Governo e de Chefe de Estado - as
Deputados ou Senado Federal) para que se funções de Chefe de Governo e de Chefe de
possa iniciar um processo criminal contra um Estado ficarão concentradas nas mãos do
congressista. Entretanto, após iniciado o Presidente da República;
processo e antes da decisão final do STF, pode a
Casa Legislativa respectiva (através de • Chefe de Estado – através desta função o
procedimento deflagrado por partido político Presidente representa o país em suas
com representação na Casa Legislativa) sustá-lo. relações internacionais e corporifica a
unidade interna do Estado;
Obs.: Não há qualquer imunidade formal com
relação aos crimes cometidos antes da • Chefe de Governo – através desta função,
diplomação do parlamentar, devendo a ação compete ao Presidente a representação
penal ser processada e julgada pelo STF mesmo interna, na gerência dos negócios internos,
durante o mandato o congressista. tanto os de natureza política (participação no
processo legislativo) como nos de natureza
OBS.: Não existe possibilidade de se sustar o eminentemente administrativa.
andamento de um processo a respeito de um
crime cometido antes da diplomação. Obs.: nos sistemas parlamentaristas (que não é o
caso do Brasil, a função de Chefe de Estado é
• Suspensão da prescrição – havendo a entregue ao Presidente ou Monarca, enquanto
sustação da ação penal, o prazo que a função de Chefe de Governo fica nas mãos
prescricional para o crime deve ser do Primeiro Ministro).
suspenso enquanto durar o mandato.
→ Atribuições do Presidente da República -
• Prerrogativa de foro – os congressistas Compete privativamente ao Presidente da República:
apenas poderão ser processados e julgados I - nomear e exonerar os Ministros de Estado;
pelos crimes comuns pelo STF. A expressão II - exercer, com o auxílio dos Ministros de
crimes comuns abrange os crimes eleitorais Estado, a direção superior da administração federal;
e os crimes contra a vida. III - iniciar o processo legislativo, na forma e nos
casos previstos nesta Constituição;
CAPÍTULO 7 IV - sancionar, promulgar e fazer publicar as leis,
bem como expedir decretos e regulamentos para sua
PODER EXECUTIVO fiel execução;
V - vetar projetos de lei, total ou parcialmente;
• Sistema de governo - presidencialismo – VI - dispor, mediante decreto, sobre:
no Brasil consagrou-se o sistema a) organização e funcionamento da
presidencialista de governo, concentrando- administração federal, quando não implicar aumento
se nas mãos de uma única pessoa os de despesa nem criação ou extinção de órgãos
negócios do Estado e do Governo; públicos;
b) extinção de funções ou cargos públicos,
• Chefia do Poder executivo – a chefia do quando vagos;
Poder Executivo foi confiada ao Presidente VII - manter relações com Estados estrangeiros
da República a quem compete o seu e acreditar seus representantes diplomáticos;
exercício, auxiliado pelos Ministros de VIII - celebrar tratados, convenções e atos
Estado, compreendendo o braço civil da internacionais, sujeitos a referendo do Congresso
administração (burocracia) e o militar Nacional;
(Forças Armadas);

CURSO DECISUM 28
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
IX - decretar o estado de defesa e o estado de → Responsabilidades do Presidente da
sítio; República
X - decretar e executar a intervenção federal;
XI - remeter mensagem e plano de governo ao • Imunidades:
Congresso Nacional por ocasião da abertura da
sessão legislativa, expondo a situação do País e 1) Juízo de admissibilidade da Câmara dos
solicitando as providências que julgar necessárias; deputados (imunidade processual) – o
XII - conceder indulto e comutar penas, com presidente só poderá ser processado, seja
audiência, se necessário, dos órgãos instituídos em por crime comum seja por crime de
lei; responsabilidade, após o juízo de
XIII - exercer o comando supremo das Forças admissibilidade da Câmara dos Deputados,
Armadas, nomear os Comandantes da Marinha, do que necessitará do voto de 2/3 de seus
Exército e da Aeronáutica, promover seus oficiais- membros para autorizar o processo.
generais e nomeá-los para os cargos que lhes são
privativos; 2) Prisão – o presidente só poderá ser preso
XIV - nomear, após aprovação pelo Senado nas infrações penais comuns após a
Federal, os Ministros do Supremo Tribunal Federal e sentença penal condenatória. O Presidente
dos Tribunais Superiores, os Governadores de não pode ser preso em flagrante delito ou
Territórios, o Procurador-Geral da República, o por prisão cautelar.
presidente e os diretores do banco central e outros
servidores, quando determinado em lei; 3) Irresponsabilidade relativa – na vigência
XV - nomear, observado o disposto no art. 73, os do seu mandato o Presidente não poderá ser
Ministros do Tribunal de Contas da União; responsabilizado por atos estranhos ao
XVI - nomear os magistrados, nos casos exercício de sua função. É uma imunidade
previstos nesta Constituição, e o Advogado-Geral da temporária.
União;
XVII - nomear membros do Conselho da • Prerrogativa de foro – o Presidente só
República, nos termos do art. 89, VII; poderá ser processado e julgado por crimes
XVIII - convocar e presidir o Conselho da comuns perante o STF e por crimes de
República e o Conselho de Defesa Nacional; responsabilidade, pelo Senado Federal.
XIX - declarar guerra, no caso de agressão
estrangeira, autorizado pelo Congresso Nacional ou OBS.: O Presidente da República não possui a
referendado por ele, quando ocorrida no intervalo inviolabilidade material resguardada aos
das sessões legislativas, e, nas mesmas condições, parlamentares, de forma que não são invioláveis
decretar, total ou parcialmente, a mobilização por suas palavras, votos e opiniões, ainda que no
nacional; exercício de suas funções presidenciais.
XX - celebrar a paz, autorizado ou com o
referendo do Congresso Nacional; → Crimes de Responsabilidade
XXI - conferir condecorações e distinções
honoríficas; • Crimes de responsabilidade – são
XXII - permitir, nos casos previstos em lei infrações político-administrativas definidas
complementar, que forças estrangeiras transitem na legislação federal, cometidas no
pelo território nacional ou nele permaneçam desempenho da função, que atentem contra
temporariamente; a existência da União, o livre exercício dos
XXIII - enviar ao Congresso Nacional o plano poderes do Estado, a segurança interna do
plurianual, o projeto de lei de diretrizes país, a probidade administrativa, a lei
orçamentárias e as propostas de orçamento orçamentária, o exercício dos direitos
previstos nesta Constituição; políticos, individuais e sociais e o
XXIV - prestar, anualmente, ao Congresso cumprimento da lei e das decisões judiciais.
Nacional, dentro de sessenta dias após a abertura
da sessão legislativa, as contas referentes ao • Sanções em caso de crime de
exercício anterior; responsabilidade – são duas as sanções
XXV - prover e extinguir os cargos públicos autônomas e cumulativas a serem aplicadas
federais, na forma da lei; em caso de condenação por crime de
XXVI - editar medidas provisórias com força de responsabilidade:
lei, nos termos do art. 62; o perda do cargo;
XXVII - exercer outras atribuições previstas o inabilitação, por oito anos, para o exercício da
nesta Constituição. função pública;

CURSO DECISUM 29
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
• Juízo de admissibilidade e julgamento – o processo por crime de responsabilidade do
processo de responsabilidade inicia-se na Presidente da República.
Câmara dos Deputados para declarar a
procedência ou improcedência da acusação. → Crimes Comuns
Será admitida a acusação por voto de 2/3
doa Câmara. Admitida a acusação, o • Crimes comuns – são todas as
Presidente será submetido a julgamento pelo modalidades de infrações penais, incluindo
Senado Federal. os crimes eleitorais, os crimes contra a vida
e as contravenções penais.
Obs.: a admissibilidade da acusação pela Câmara
dos Deputados autorizando a abertura do • Prerrogativa de foro – o Presidente da
processo vincula o Senado Federal no sentido de República apenas poderá ser processado
instaurar o devido processo legal para a por crimes comuns perante do STF.
apuração de crime de responsabilidade,
impedindo-lhe, neste momento inicial, qualquer • Juízo de admissibilidade – antes de
discricionariedade política. iniciado o processo contra o Presidente da
República por crimes comuns perante o
• Quem pode oferecer a acusação pelo STF, deverá a Câmara dos Deputados
crime de responsabilidade – apenas o exercer o juízo de admissibilidade, nos
cidadão no gozo de seus direitos políticos é mesmos moldes exercido com relação aos
parte legítima para oferecer acusação à crimes de responsabilidade.
Câmara dos Deputados, excluindo-se as
pessoas físicas não alistadas eleitoralmente • Possibilidade de persecução criminal
ou que foram suspensas ou perderam seus durante o mandato presidencial – apenas
direitos políticos (CF, art. 15) e ainda as os crimes comuns cometidos na vigência do
pessoas jurídicas, os estrangeiros e os mandato e praticados no exercício do
apátridas. mandato presidencial (in officio) ou
cometidos em razão do mandato (propter
• Fases do juízo de admissibilidade – são officium) é que terão a persecução penal
duas as fases do juízo de admissibilidade: durante o mandato presidencial.

o ser ou não a denúncia objeto de • Irresponsabilidade relativa – o Presidente


deliberação – a Câmara dos Deputados irá da República terá irresponsabilidade relativa
avaliar a gravidade dos fatos alegados e o quanto às infrações penais cometidas antes
valor das provas oferecidas; do início do exercício do mandato, ou
mesmo que cometidas durante o exercício
o proceder ou não a acusação da do mandato, não apresentem correlação
denúncia – este é um ato discricionário e de com as funções de Presidente da República.
conveniência político-social, onde a Câmara Isso significa que nestes casos, o Presidente
dos Deputados irá analisar o interesse da não poderá ser processado enquanto durar o
sociedade e a oportunidade da deposição, seu mandato. O Presidente da República, na
podendo deixar de acusá-lo, mesmo que a vigência de seu mandato, não poderá ser
denúncia seja merecida. responsabilizado por atos estranhos ao
exercício de sua função (art. 86, § 4º).
• Renúncia e extinção do processo de
• Suspensão da prescrição – nos casos de
impeachment – a renúncia do Presidente ao
cargo, após iniciado o processo de irresponsabilidade relativa, em que o
julgamento por crime de responsabilidade, Presidente não pode ser processado durante
não obsta o prosseguimento do processo de o mandato presidencial, o prazo
impeachment, devendo o mesmo prosseguir prescricional ficará suspenso até o término
para absolver ou condenar o acusado, do mandato. A suspensão da prescrição se
afastando-o, se for o caso, da vida pública dará a partir do reconhecimento da referida
pelo período de oito anos. imunidade.

• Impossibilidade de alteração da decisão


do Senado Federal pelo Poder Judiciário CAPÍTULO 8
– o Poder Judiciário não pode modificar a
decisão do Senado Federal em sede de DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES
DEMOCRÁTICAS

CURSO DECISUM 30
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
DA DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES
DEMOCRÁTICAS ○ Controle político sobre a decretação – o
controle político sobre a decretação do estado de
○ Sistema constitucional das crises – a defesa é feito a posteriori. Decretado o estado de
Constituição Federal prevê que, em momentos de defesa ou sua prorrogação, o Presidente da
anormalidade, será possível a decretação do estado República, dentro de 24 horas, submeterá o ato com
de defesa e estado de sítio, que são medidas a respectiva justificativa ao Congresso Nacional, que
excepcionais para a restauração da ordem somente aprovará a decretação por maioria absoluta
possibilitando, inclusive, a suspensão de de ambas as casas legislativas (CF, art. 136, § 4o),
determinadas garantias constitucionais, a ampliação editando o respectivo decreto legislativo (CF, art. 49,
do poder repressivo do Estado em lugar específico e IV). O Congresso Nacional tem dez dias para
por certo tempo, justificado pela gravidade da apreciar o cabimento do Estado de Defesa. Se
perturbação da ordem pública. aceitar edita o decreto, se rejeitar cessam
imediatamente as medidas.
○ Conselhos da República e da Defesa Nacional -
em ambas as hipóteses (estado de defesa e estado → Estado de Sítio (CF, art. 137, I)
de sítio), serão ouvidos, sem caráter vinculativo, os
Conselhos da República e da Defesa Nacional, para ○ Hipóteses legais - O Estado de sítio previsto no
que aconselhem e opinem ao Presidente da art. 137, inciso I, da Constituição Federal, pode ser
República. decretado nas seguintes hipóteses:
● comoção nacional;
→ Estado de Defesa (CF, art. 136, caput) ● ineficácia do estado de defesa;

○ Hipóteses legais - O Estado de defesa pode ser ○ Atribuição para sua decretação - Apenas o
decretado nas seguintes hipóteses: Presidente da República possui atribuição para
● ordem pública ou paz social ameaçada; decretar o estado de sítio (CF, art. 84, IX).
● instabilidade institucional;
● calamidade natural. ○ Procedimento - o Presidente da República
verificando a hipótese legal, solicita pareceres do
○ Atribuição para sua decretação - apenas o Conselho da República (CF, art. 89) e de Defesa
Presidente da República possui atribuição para Nacional (CF, art. 91). Com os pareceres, solicita ao
decretar o estado de defesa (CF, art. 84, IX). Congresso Nacional autorização para a decretação
do estado de sítio, expondo os motivos
○ Procedimento - o Presidente da República determinantes do pedido. O Congresso Nacional
verificando a hipótese legal, solicita pareceres do somente poderá autorizar por maioria absoluta da
Conselho da República (CF, art. 89) e de Defesa Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Com a
Nacional (CF, art. 91). Com os pareceres decidirá se autorização, o Presidente da República poderá
decreta ou não o estado de defesa. decretar o estado de sítio.

○ Prazo - o estado de defesa pode ser decretado ○ Prazo - o estado de sítio pode ser decretado pelo
pelo prazo máximo de 30 dias, podendo ser prazo máximo de 30 dias, podendo ser prorrogado
prorrogado uma única vez por mais 30 dias. uma única vez por mais 30 dias.

○ Áreas abrangidas - o estado de defesa apenas ○ Áreas abrangidas - o estado de sítio tem âmbito
pode incidir sobre locais restritos e determinados nacional. Após o decreto o Presidente da República
(CF, art. 136, caput). especificará as medidas específicas e as áreas
abrangidas (CF, art. 138, caput).
○ Medidas aplicáveis ao Estado de Defesa –
podem ser aplicados durante o Estado de Defesa as ○ Medidas que podem ser adotadas durante o
seguintes medidas: Estado de Sítio previsto no art. 137, inciso I, da
I - restrições aos direitos de: CF – podem ser adotadas as seguintes medidas:
a) reunião, ainda que exercida no seio das I - obrigação de permanência em localidade
associações; determinada;
b) sigilo de correspondência; II - detenção em edifício não destinado a
c) sigilo de comunicação telegráfica e telefônica; acusados ou condenados por crimes comuns;
II - ocupação e uso temporário de bens e III - restrições relativas à inviolabilidade da
serviços públicos, na hipótese de calamidade correspondência, ao sigilo das comunicações, à
pública, respondendo a União pelos danos e custos prestação de informações e à liberdade de imprensa,
decorrentes. radiodifusão e televisão, na forma da lei;

CURSO DECISUM 31
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
IV - suspensão da liberdade de reunião; necessidade de autorização para que o Presidente
V - busca e apreensão em domicílio; da República o decrete.
VI - intervenção nas empresas de serviços
públicos; DISPOSIÇÕES COMUNS AO ESTADO DE SÍTIO E
VII - requisição de bens. ESTADO DE DEFESA

○ Controle político sobre a decretação – o ○ Fiscalização política sobre as medidas – a mesa


controle congressual é prévio, uma vez que há do Congresso Nacional, ouvidos os líderes
necessidade de autorização para que o Presidente partidários, designará comissão composta por cinco
da República o decrete. de seus membros para acompanhar e fiscalizar a
execução das medidas referentes ao estado de
→Estado de Sítio (CF, art. 137, II) defesa e aos estado de sítio.

○ Hipóteses legais - o Estado de sítio previsto no ○ Atividade parlamentar – o Congresso Nacional


art. 137, inciso II, da Constituição Federal, pode ser permanecerá em funcionamento até o término das
decretado nas seguintes hipóteses: medidas coercitivas (CF, art. 136, § 6o). Em hipótese
● declaração de guerra; alguma permite-se o constrangimento do Poder
● resposta à agressão armada estrangeira; Legislativo, sob pena de crime de responsabilidade
(CF, art. 85, II). Além disso, no estado de sítio não se
○ Atribuição para sua decretação - apenas o incluirá a possibilidade de restrição à liberdade de
Presidente da República possui atribuição para informação, a difusão de pronunciamentos de
decretar o estado de sítio (CF, art. 84, IX). parlamentares efetuados em suas Casas
Legislativas, desde que liberadas pela respectiva
○ Procedimento - o Presidente da República Mesa.
verificando a hipótese legal, solicita pareceres do
Conselho da República (CF, art. 89) e de Defesa ○ Responsabilidade – cessado o estado de defesa
Nacional (CF, art. 91). Com os pareceres, solicita ao ou o estado de sítio, cessarão também seus efeitos,
Congresso Nacional autorização para a decretação sem prejuízo da responsabilidade pelos ilícitos
do estado de sítio, expondo os motivos cometidos por seus executores ou agentes (CF, art.
determinantes do pedido. O Congresso Nacional 141, caput).
somente poderá autorizar por maioria absoluta da
Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Com a ○ Prestação de contas – cessada a situação
autorização, o Presidente da República poderá excepcional, as medidas aplicadas em sua vigência
decretar o estado de sítio. serão relatadas pelo Presidente da República, em
mensagem ao Congresso Nacional, com
○ Prazo - o estado de sítio previsto no art. 137, especificação e justificação das providências
inciso II, da Constituição Federal não possui prazo adotadas, com relação nominal dos atingidos, e
definido, devendo a medida durar pelo tempo indicações das restrições aplicadas (CF, art. 141,
necessário da guerra ou para repelir a agressão parágrafo único).
armada estrangeira.
○ Desrespeito dos requisitos e pressupostos
○ Áreas abrangidas - o estado de sítio tem âmbito constitucionais por parte do presidente da
nacional. Após o decreto o Presidente da República república – o desrespeito dos requisitos e
especificará as medidas específicas e as áreas pressupostos constitucionais por parte do presidente
abrangidas (CF, art. 138, caput). da república implica em crime de responsabilidade
(CF, art. 85), sem prejuízo das responsabilidades
○ Restrições a direitos e garantias individuais – civis e penais.
poderão ser restringidos, em tese, todas as garantias
constitucionais desde que presentes três requisitos → Forças Armadas
constitucionais: (1) necessidade de efetivação da
medida; (2) tenham sido objeto de deliberação por ○ Conceito - as Forças Armadas são instituições
parte do Congresso Nacional no momento da nacionais permanentes e regulares, organizadas
autorização da medida; (3) devem estar com base na hierarquia e na disciplina, sob a
expressamente previstos no Decreto presidencial autoridade suprema do Presidente da República (CF,
Nacional (CF, art. 139, caput). art. 84, XIII), e destinam-se à defesa da Pátria, à
garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa
○ Controle político sobre a decretação – o de qualquer destes, da lei e da ordem.
controle congressual é prévio, uma vez que há

CURSO DECISUM 32
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
○ Constituição – as Forças Armadas são afins, o contrabando e descaminho, sem
constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela prejuízo da ação fazendária e de outros
Aeronáutica. órgãos públicos nas respectivas áreas
de competência;
○ Denominação e Chefia - os membros das Forças o exercer as funções
Armadas são denominados militares e estão sob a de polícia marítima, aeroportuária e de
chefia do Presidente da República. fronteiras;
o exercer, com
○ Nomeação dos Comandantes - os cargos de exclusividade, as funções de polícia
Comandante da Marinha, do Exército e da judiciária da União;
Aeronáutica serão nomeados pelo Presidente da • polícia rodoviária federal –
República (CF, art. 84, XIII). é órgão permanente, organizado e mantido
pela União e estruturado em carreiras que
○ Serviço alternativo - compete, ainda, às Forças destina-se, na forma da lei, ao
Armadas, na forma da lei, atribuir serviço alternativo patrulhamento ostensivo das rodovias
aos que, em tempo de paz, após alistados, alegarem federais;
imperativos de consciência, entendendo-se como tal • polícia ferroviária federal -
o decorrente de crença religiosa e de convicção é órgão permanente, organizado e mantido
filosófica ou política, para se eximirem das atividades pela União e estruturado em carreiras que
de caráter essencialmente militar (CF, art. 5o, VIII – destina-se, na forma da lei, ao
escusa de consciência). patrulhamento ostensivo das ferrovias
federais;
○ Mulheres e eclesiásticos - as mulheres e os • polícias civis – deverão ser
eclesiásticos ficam isentos do serviço militar dirigidas por delegados de polícia de carreira
obrigatório em tempo de paz, sujeitos, porém, a e são incumbidas, ressalvadas a
outros encargos que a lei lhes atribuir. competência da União, das funções de
polícia judiciária e a apuração de infrações
penais, exceto das infrações militares;
CAPÍTULO 8 • polícias militares - sua
atribuição é a de polícia ostensiva, para a
SEGURANÇA PÚBLICA E SUA ORGANIZAÇÃO preservação da ordem pública;
• corpos de bombeiros
○ Segurança Pública - a segurança pública é dever militares – além das atribuições definidas
do Estado e direito e responsabilidade de todos; é em lei, são incumbidos da execução de
exercida para a preservação da ordem pública e da atividade de defesa social.
incolumidade das pessoas e do patrimônio, sem,
contudo, reprimir-se de forma abusiva e ○ Forças auxiliares de reserva dos Estados - as
inconstitucional a livre manifestação de pensamento. polícias militares e os corpos de bombeiros militares
É exercida por meio dos seguintes órgãos: polícia são considerados como forças auxiliares de reserva
federal, polícia rodoviária federal, polícia ferroviária do Estado, e subordinam-se aos Governadores do
federal, polícia civil, polícia militar e corpo de Estado, do Distrito Federal e dos Territórios, aos
bombeiro militar. quais compete a direção administrativa, funcional e
financeira da polícia (CF, art. 144, § 6o).
○ Órgãos pelos quais se exerce a segurança
pública: ○ Polícia civil – a polícia civil também subordina-se
• polícia federal – a polícia aos Governadores do Estado, do Distrito Federal e
federal destina-se a: dos Territórios, aos quais compete a direção
o apurar infrações administrativa, funcional e financeira da polícia.
penais contra a ordem política e social
ou em detrimento de bens, serviços e ○ Polícia Administrativa e polícia judiciária – a
interesses da União ou de suas doutrina divide a polícia em administrativa e
entidades autárquicas e empresas judiciária:
públicas, assim como outras infrações • polícia administrativa - é
cuja prática tenha repercussão também chamada de polícia preventiva, e
interestadual ou internacional e exija sua função consiste no conjunto de
repressão uniforme, segundo se intervenções da administração, conducentes
dispuser em lei; a impor à livre ação dos particulares a
o prevenir e reprimir o disciplina exigida pela vida em sociedade
tráfico ilícito de entorpecentes e drogas (polícia militar).

CURSO DECISUM 33
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
• polícia judiciária – é a responsável
pela segurança pública, responsável pela IV - do importador de bens ou serviços do exterior,
preservação da ordem pública e da ou de quem a lei a ele equiparar.
incolumidade das pessoas e do patrimônio
(polícia civil). 2. EDUCAÇÃO

○ Municípios - a Constituição Federal concedeu aos ○ Educação - a Constituição Federal proclama que a
Municípios a faculdade, por meio do exercício de educação é direito de todos e dever do Estado e da
suas competências legislativas, de constituição das família, devendo ser promovida e incentivada com a
guardas municipais destinadas à proteção de seus colaboração da sociedade, visando ao pleno
bens, serviços e instalações, conforme dispuser a lei, desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o
sem, contudo, reconhecer-lhes a possibilidade de exercício da cidadania e sua qualificação para o
exercício de polícia ostensiva ou judiciária. trabalho.

○ Universidades – as universidades gozam de


CAPÍTULO 9 autonomia didático-científica, administrativa e de
gestão (CF, art. 207) financeira e patrimonial, e
ORDEM SOCIAL obedecerão ao princípio da indissociabilidade de
ensino, pesquisa e extensão, sendo-lhes facultado,
○ Base e objetivos - A Constituição Federal bem como às instituições de pesquisa científica e
disciplinou no Título VIII a Ordem Social, dividindo-a tecnológica, a admissão de professores, técnicos e
e oito capítulos: disposições gerais (CF, art. 193); cientistas estrangeiros, na forma da lei.
seguridade social (CF, arts. 194 a 204); educação,
cultura e desporto (CF, arts. 205 a 217); ciência e ○ Preceitos constitucionais sobre educação - o
tecnologia (CF, arts. 218 e 219); comunicação social dever do Estado com a educação será efetivado com
(CF, arts. 220 a 224); meio ambiente (CF, art. 225); a observância dos seguintes preceitos
família, criança, adolescente e idoso (CF, arts. 226 a constitucionais (CF, art. 208, 209 e 210):
230); índios (CF, arts. 231 e 232).
o ensino fundamental obrigatório e gratuito,
1. SEGURIDADE SOCIAL assegurada, inclusive, sua oferta gratuita para todos
os que a ele não tiverem acesso na idade própria;
○ Conceito - A seguridade social compreende um
conjunto integrado de ações de iniciativa dos o progressiva universalização do ensino médio
poderes públicos e da sociedade, destinadas a gratuito;
assegurar os direitos relativos à saúde, à
previdência e à assistência social. o atendimento educacional especializado aos
portadores de deficiência, preferencialmente na rede
○ Financiamento - determinou a Constituição que a regular de ensino;
seguridade será financiada por toda a sociedade, de
forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante o educação infantil, em creche e pré-escola,
recursos provenientes dos orçamentos da União, dos às crianças até 5 (cinco) anos de idade;
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das
seguintes contribuições sociais: o acesso aos níveis mais elevados do ensino,
da pesquisa e da criação artística, segundo a
I - do empregador, da empresa e da entidade a ela capacidade de cada um;
equiparada na forma da lei, incidentes sobre:
a) a folha de salários e demais rendimentos
o oferta de ensino noturno regular, adequado
do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à
às condições do educando;
pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem
vínculo empregatício;
o atendimento ao educando, no ensino
b) a receita ou o faturamento;
fundamental, através de programas suplementares
c) o lucro;
de material didático-escolar, transporte, alimentação
e assistência à saúde;
II - do trabalhador e dos demais segurados da
previdência social, não incidindo contribuição sobre
aposentadoria e pensão concedidas pelo regime o fixação de conteúdos mínimos para o ensino
geral de previdência social de que trata o art. 201; fundamental, de maneira a assegurar a formação
básica comum e respeito aos valores culturais e
III - sobre a receita de concursos de prognósticos. artísticos, nacionais e regionais;

CURSO DECISUM 34
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
o previsão de existência de ensino religioso,
de matrícula facultativa, constituindo disciplina dos ○ Punição - os danos e ameaças ao patrimônio
horários normais das escolas públicas de ensino cultural serão punidos, na forma da lei.
fundamental. O ensino religioso deverá ser
ministrado de acordo com a fé religiosa do aluno; 4. DESPORTO

o obrigatoriedade de o ensino fundamental ○ Dever de fomento - é dever do Estado fomentar


regular ser ministrado em língua portuguesa, as práticas desportivas formais e não-formais, como
assegurada às comunidades indígenas também a direito de cada um, observados:
utilização de suas línguas maternas e processos I- a autonomia das entidades desportivas
próprios de aprendizagem. dirigentes e associações, quanto a sua organização
e funcionamento;
○ Organização dos sistemas de ensino: II - a destinação de recursos públicos para a
promoção prioritária do desporto educacional e, em
- União - a União organizará o sistema federal casos específicos, para a do desporto de alto
de ensino e o dos Territórios, financiará as rendimento;
instituições de ensino públicas federais e exercerá, III - o tratamento diferenciado para o desporto
em matéria educacional, função redistributiva e profissional e o não- profissional;
supletiva, de forma a garantir equalização de IV - a proteção e o incentivo às manifestações
oportunidades educacionais e padrão mínimo de desportivas de criação nacional.
qualidade do ensino mediante assistência técnica e
financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos ○ Justiça desportiva - o Poder Judiciário só
Municípios. admitirá ações relativas à disciplina e às
competições desportivas após esgotarem-se as
- Estados - os Estados e o Distrito Federal instâncias da justiça desportiva, regulada em lei.
atuarão prioritariamente no ensino fundamental e
médio. ○ Prazo - a justiça desportiva terá o prazo máximo
de sessenta dias, contados da instauração do
- Municípios – os Municípios atuarão processo, para proferir decisão final.
prioritariamente no ensino fundamental e na educação
infantil. 5. CIÊNCIA E TECNOLOGIA

○ Aplicação obrigatória dos recursos à educação ○ Incentivo e promoção - compete,


- a Constituição Federal determina, com caráter de constitucionalmente, ao Estado promover e
obrigatoriedade, que a União aplique anualmente, incentivar o desenvolvimento científico, a pesquisa e
nunca menos de 18%, e os Estados, o Distrito capacitação tecnológicas (CF, art. 218), sendo,
Federal e os Municípios 25%, no mínimo, da receita inclusive, facultado aos Estados e ao Distrito Federal
resultante de impostos, compreendida a proveniente vincular parcela de sua receita orçamentária a
de transferências, na manutenção e no entidades públicas de fomento ao ensino e à
desenvolvimento do ensino, excluindo-se a parcela pesquisa científica e tecnológica.
da arrecadação de impostos transferida pela União
aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, ○ Pesquisas voltadas ao âmbito nacional - a
ou pelos Estados aos respectivos municípios. pesquisa tecnológica voltar-se-á
preponderantemente para a solução dos problemas
3. CULTURA brasileiros e para o desenvolvimento do sistema
produtivo nacional e regional.
○ Garantia de todos - o Estado garantirá a todos os
pleno exercício dos direitos culturais e acesso às 6. COMUNICAÇÃO SOCIAL
fontes da cultura nacional;
○ Proteção aos meios de difusão da
○ Apoio – o Estado apoiará e incentivará a comunicação – o direito à comunicação já foi
valorização e a difusão de manifestações das devidamente garantido no art. 5º da Constituição
culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, e Federal. O que se pretende proteger neste novo
das de outros grupos participantes do processo capítulo é o meio pelo qual o direito individual
civilizatório nacional; constitucionalmente garantido será difundido, por
intermédio dos meios de comunicação de massa.
○ Fixação de datas comemorativas – o estado
fixará as datas comemorativas de alta significação ○ Liberdade de comunicação - a manifestação do
para os diferentes segmentos étnicos nacionais. pensamento, a criação, a expressão e a informação,

CURSO DECISUM 35
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
sob qualquer forma, processo ou veículo não estético, histórico, turístico e paisagístico (inciso
sofrerão qualquer restrição, observado o disposto VIII). Igualmente, o Ministério Público tem como
nesta Constituição. função constitucional promover o inquérito civil e a
ação civil pública, inclusive para a proteção ao meio
○ Competência legislativa da União – cabe à ambiente e de outros interesses difusos e coletivos
União a competência para a edição de lei federal (CF, art. 129, III);
para: - regras gerais – a Constituição estabelece
- regular as diversões e espetáculos difusamente diversas regras relacionadas à
públicos, cabendo ao Poder Público informar sobre a preservação do meio ambiente (CF, arts. 170, VI;
natureza deles, as faixas etárias a que não se 173, § 5o; 174, § 3o; 186, II; 200, VIII; 216, V; 231, §
recomendem, locais e horários em que sua 1o);
apresentação se mostre adequada; - regras específicas – encontram-se no
- estabelecer os meios legais que capítulo da Constituição Federal destinado ao meio
garantam à pessoa e à família a possibilidade de se ambiente.
defenderem de programas ou de programações de
rádio e televisão que contrariem o disposto no art. ○ Regras constitucionais específicas sobre o
221, bem como a propaganda de produtos, praticas meio ambiente - a Constituição proclama que todos
e serviços que possam ser nocivos à saúde e ao têm direito ao meio ambiente ecologicamente
meio ambiente. equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial
à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder
○ Propagandas de produtos nocivos à saúde - a público e à coletividade o dever de defendê-lo e
propaganda comercial de tabaco, bebidas alcoólicas, preservá-lo para as presentes e futuras gerações
agrotóxicos, medicamentos e terapias estará sujeita (CF, art. 225).
a restrições legais, nos termos do inciso II do
parágrafo anterior, e conterá, sempre que Para assegurar a efetividade desse direito,
necessário, advertência sobre os malefícios incumbe ao Poder Público:
decorrentes de seu uso. I - preservar e restaurar os processos ecológicos
essenciais e prover o manejo ecológico das espécies
6. MEIO AMBIENTE e ecossistemas;
II - preservar a diversidade e a integridade do
○ Regras de proteção do meio ambiente - para patrimônio genético do País e fiscalizar as entidades
possibilitar a ampla proteção, a Constituição Federal dedicadas à pesquisa e manipulação de material
previu diversas regras divisíveis em quatro grandes genético;
grupos: III - definir, em todas as unidades da Federação,
espaços territoriais e seus componentes a serem
- regra de garantia – qualquer cidadão é especialmente protegidos, sendo a alteração e a
parte legítima para a propositura de ação popular, supressão permitidas somente através de lei, vedada
visando anulação de ato lesivo ao meio ambiente qualquer utilização que comprometa a integridade
(CF, art. 5o, LXXIII); dos atributos que justifiquem sua proteção;
- regras de competência – a Constituição IV - exigir, na forma da lei, para instalação de
Federal determina ser de competência administrativa obra ou atividade potencialmente causadora de
comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e significativa degradação do meio ambiente, estudo
dos Municípios (CF, art. 23) proteger os documentos, prévio de impacto ambiental, a que se dará
as obras e outros bens de valor histórico, artístico e publicidade;
cultural, os monumentos, as paisagens naturais V - controlar a produção, a comercialização e o
notáveis e os sítios arqueológicos (inciso III); bem emprego de técnicas, métodos e substâncias que
como proteger o meio ambiente e combater a comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o
poluição em qualquer de suas formas (inciso VI); meio ambiente;
preservar as florestas, a fauna e a flora (inciso VII). VI - promover a educação ambiental em todos os
Além disso, existe a previsão de competência níveis de ensino e a conscientização pública para a
legislativa concorrente entre União, Estados e preservação do meio ambiente;
Distrito Federal (CF, art. 24) para a proteção das VII - proteger a fauna e a flora, vedadas, na
florestas, caça, pesca, fauna, conservação da forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua
natureza, defesa do solo e dos recursos naturais, função ecológica, provoquem a extinção de espécies
proteção do meio ambiente e controle da poluição ou submetam os animais a crueldade.
(inciso VI); proteção ao patrimônio histórico, cultural,
artístico, turístico e paisagístico (inciso VII); ○ Penalidades - as condutas e atividades
responsabilidade por dano ao meio ambiente, ao consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os
consumidor, a bens e direitos de valor artístico, infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções

CURSO DECISUM 36
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
penais e administrativas, independentemente da estabelecerá casos e condições de sua efetivação
obrigação de reparar os danos causados (CF, art. por parte de estrangeiros;
225, § 3o). o filiação – os filhos, havidos
ou não da relação de casamento, ou por adoção,
○ Patrimônio nacional e sua utilização - Floresta terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas
Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do quaisquer designações discriminatórias relativas à
Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira filiação. Essa norma constitucional tem aplicabilidade
são patrimônio nacional, e sua utilização far-se-á, na imediata, garantindo a imediata igualdade, sem que
forma da lei, dentro de condições que assegurem a possa resistir qualquer prejuízo ao filho adotivo ou
preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao adulterino, que poderá, inclusive, ajuizar ação de
uso dos recursos naturais. investigação de paternidade e ter a sua filiação
reconhecida, além de ter o direito de utilização do
7. FAMÍLIA nome do pai casado;
o assistência mútua – os pais
○ Conceito - a família é a base da sociedade e, têm o dever de assistir, criar e educar os filhos
constitucional e legalmente, tem especial proteção menores, e os filhos maiores têm o dever de
do Estado. ajudar e amparar os pais na velhice, carência ou
enfermidade.
○ Espécies de entidade familiar - a Constituição
Federal garantiu ampla proteção a família, definindo ○ Princípio da paternidade responsável e exame
três espécies de entidades familiares: de DNA - o princípio da paternidade responsável
o a constituída pelo casamento civil ou (CF, art. 226, § 7o) deve ser compatibilizado com o
religioso com efeitos civis (CF, art. 226, §§ 1o e 2o); princípio da dignidade humana (CF, art. 1o, III). Desta
o a constituída pela união estável entre forma, o Supremo Tribunal Federal sumulou
homem e mulher devendo a lei facilitar a sua recentemente a questão determinando que aqueles
conversão em casamento (CF, art. 226, § 3o); que se submeterem ao processo de investigação de
o a comunidade formada por qualquer dos paternidade não aceitarem se submeter ao teste de
pais e seus descendentes (CF, art. 226, § 4o). DNA, não poderão ser obrigados a realizar tal
exame, em virtude do princípio da dignidade
○ Regras de regência das relações familiares - a humana. Contudo, neste caso, haverá a inversão do
partir da fixação do conceito de entidade familiar, a ônus da prova, de forma que não mais o suposto
Constituição estabeleceu algumas regras de filho que tem que provar que aquela pessoa é seu
regência das relações familiares: pai, mas sim o suposto pai que terá que provar que
o cabeça do casal – os direitos não é pai.
e deveres referentes à sociedade conjugal são
exercidos igualmente pelo homem e pela mulher; 8. CRIANÇA E ADOLESCENTE
o dissolução do casamento – o
casamento civil pode ser dissolvido pelo divórcio, ○ Tutela da criança e do adolescente - É dever
após prévia separação judicial por mais de um ano constitucional da família, da sociedade e do Estado
nos casos expressos em lei, ou comprovada assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta
separação de fato por mais de dois anos. A propriedade, o direito à vida, à saúde, à alimentação
Constituição Federal de 1988 previu a e à educação, ao lazer, à profissionalização, à
possibilidade do divórcio direto, sem qualquer cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à
limitação de vezes, em norma constitucional convivência familiar e comunitária, além de colocá-
auto-aplicável, tendo exigido um único requisito los a salvo de toda forma de negligência,
para a sua ocorrência, o prazo de dois anos de discriminação, exploração, violência, crueldade e
separação de fato, sendo absolutamente opressão.
desnecessária qualquer imputação de culpa para
a efetivação do divórcio. ○ Proteção do Estado - o Estado, no cumprimento
o planejamento familiar – de sua obrigação constitucional, promoverá
fundado nos princípios da dignidade da pessoa programas de assistência integral à saúde da criança
humana e da paternidade responsável, o e do adolescente, admitida a participação de
planejamento familiar é livre decisão do casal, entidades não governamentais e obedecendo aos
competindo ao Estado propiciar recursos seguintes preceitos:
educacionais e científicos para o exercício desse - aplicação de percentual de recursos
direito, vedada qualquer forma coercitiva por parte públicos destinados à saúde na assistência materno-
de instituições oficiais ou privadas; infantil;
o adoção – a adoção será - criação de programas de prevenção e
assistida pelo poder público, na forma da lei, que atendimento especializado para os portadores de

CURSO DECISUM 37
Curso de Direito Constitucional
Profª. Cristiana Costa
deficiência física, mediante treinamento para o
trabalho e a convivência e a facilitação do acesso
aos bens e serviços coletivos, com a eliminação de
preconceitos e obstáculos arquitetônicos.

○ Idade mínima para o trabalho - a Constituição


Federal determina como idade mínima de 14 anos
para a admissão ao trabalho (CF, art. 7o, XXXIII).

○ Proteção da criança e do adolescente - a


Constituição Federal ainda prevê duas outras regras
de proteção à criança e aos adolescentes, ao prevê
que a lei punirá severamente o abuso, a violência e a
exploração sexual de criança e adolescente (CF, art.
227, § 4o)

○ Inimputabilidade - são penalmente inimputáveis


os menores de 18 anos.

9. IDOSOS

○ Proteção ao idoso - a família, a sociedade e o


Estado tem o dever de amparar as pessoas idosas,
assegurando sua participação na comunidade,
defendendo a sua dignidade e bem estar e
garantindo-lhes o direito à vida, inclusive por meio de
programas de amparo aos idosos que,
preferencialmente, será executados em seus lares.

○ Gratuidade no transporte urbano - a


Constituição Federal garantiu o direito subjetivo aos
idosos à gratuidade do transporte coletivo urbano
(CF, art. 230, § 2o), não sendo considerado
discriminação a necessidade de haver na carteira de
identidade a inscrição “MAIOR DE 65 ANOS”.

CURSO DECISUM 38