Anda di halaman 1dari 3

Era Mesozóica

Ao contrário das imagens freqüentemente vistas no cinema, nenhum


dinossauro jamais comeu um humano, na verdade, nenhum ser humano jamais
viu um dinossauro vivo. Os dinossauros desapareceram há mais de 60 milhões
de anos, e o Homo Sapiens chegou ao planeta somente há 40.000 anos.
Freqüentemente imagina-se que todos os dinossauros eram monstros
gigantescos. Isto é um equívoco. A maior espécie, como o comedor de plantas
brachiosaurus do período Jurássico, era de fato enorme. Aliás, eles eram os
maiores animais que já existiram, pesavam mais de 80 toneladas e comiam
cerca de 1.400kg de alimentos por dia. Mas o menor dinossauro conhecido, o
compsognathus, era do tamanho de uma galinha e pesava cerca de 1 kg.
Os dinossauros viveram a maioria do tempo na Era Mesozóica, que
durou de 245 milhões a 66 milhões de anos atrás. A Era Mesozóica é dividida
em três períodos:

• Período de Triásico (245 a 208 milhões de anos)


• Período de Jurássico (208 a 114 milhões de anos)
• Período de Cretáceo (114 a 66 milhões de anos)

Da grande quantidade de provas em fósseis, os cientistas determinaram


que os dinossauros eram a forma dominante de vida terrestre-animal durante a
Era Mesozóica. Havia uma renovação ininterrupta das espécies de
dinossauros. Algumas espécies viveram durante os três períodos, outras
viveram durante dois Períodos, e outras viveram apenas durante um. Quando
os primeiros dinossauros apareceram, 230 milhões de anos atrás, mais ou
menos na metade do Período Triásico, a terra era um lugar muito diferente.
Havia uma única massa de terra, conhecida como Pangaea, que
aparentemente ficava onde a África está agora. Os altos das montanhas como
os Himalaias e os Alpes ainda não tinham sido formados, e a vida vegetal
consistiam principalmente em coníferas, cycads e samambaias. Os
dinossauros iniciais podiam vagar livremente através do "formidável
continente", que era cercado por um oceano enorme e raso.
A evolução
Os Dinossauros continuaram a se desenvolver e se adaptar a uma
variedade enorme de habitats. Sabemos de certos fósseis tal como a trilha de
pegadas (ichnotaxia) encontrada no leito do rio Paluxy, no Texas que alguns
dinossauros, como coelophysis, stegosaurus e iguanodon, viviam em
rebanhos. Algumas ichnotazias registram centenas ou milhares de animais; isto
poderia indicar rotas de migração. Alguns dinossauros, como o allosaurus,
caçavam sozinhos ou em grupos pequenos; o hadosaurus (bico de pato) se
alimentava das plantas na floresta; e alguns, como o oviraptor, comiam ovos de
dinossauro ou moluscos. Pensava-se também que os dinossauros eram
criaturas preguiçosas e desajeitadas com estilos de vida semelhantes aos dos
répteis modernos. Entretanto, provas recentes sugerem que algumas espécies
de dinossauros eram muito mais ativas do que se imaginava. A maioria dos
dinossauros tinha uma postura ereta, com uma estrutura de perna e pé mais
parecida com a dos pássaros do que com a dos répteis. Nós não sabemos com
certeza se os dinossauros eram ectotérmico (sangue frio), como os répteis, ou
endotérmico (sangue quente), como pássaros e mamíferos. Atualmente os
dinossauros são considerados serem mais próximos dos pássaros do que dos
lagartos; e a ornitologia pode ter muito a nos ensinar sobre dinossauros. Um
mistério que vem confundindo paleontólogos, geólogos e biólogos há mais de
dois séculos é como e por quê os dinossauros tornaram-se extintos. Várias
razões foram sugeridas, incluindo mudanças na fauna, um acontecimento de
separação do Cretáceo-Terciário e uma colisão de asteróide. Embora todas
estas teorias são plausíveis, nenhuma foi comprovada. Sabemos que os
dinossauros foram diminuindo no final do Período Cretáceo, e todos
provavelmente se tornaram extintos no começo do Período Terciário há 66
milhões de anos. Talvez as chaves do passado continuam enterradas no
futuro.
As descobertas
Apesar de sabermos infinitamente mais sobre dinossauros do que
nossos antepassados, nós ainda estamos fixados em fantasias de fóssil como
no “Parque dos Dinossauros” numa comparação com os dragões. Talvez isto
se deve ao fato de que um século e meio depois que Sir Richard Owen
apontou a palavra "dinossauro" o pré-histórico quebra-cabeças está longe de
ser completado. Entretanto, duas descobertas recentes de dinossauros em
Novo México encontraram provas cruciais. Estes fósseis ardilosos estão
ajudando a preencher um buraco monstruoso no quebra-cabeça pré-histórico.
Numa pesquisa dirigida pelos paleontólogos Doug Wolfe e James Kirkland, na
Bacia de Zuni foi descoberto um esqueleto quase que completo do
Nothronychus um antepassado vegetariano do Tyrannosaurus Rex. Este é o
primeiro exemplo de um grupo de dinossauros chamado Therizinosaurs a ser
encontrado nas Américas. Todos os outros exemplos foram achados na China
ou Mongólia. Eles também descobriram uma espécie inteiramente nova de
Coelurosaur um pequeno dinossauro, de duas pernas, e comedor de carne.
Este Coelurosaur possível antepassado do Hadrosaurs bico de pato e
Oviraptors assim como do Tyrannosaurus (Tiranossauro) Rex ainda não
recebeu nome. Os dois dinossauros de Zuni provocaram uma resposta
impetuosa de cientistas porque ajudaram a preencher a "Lacuna de Cretáceo"
uma área do mapa pré-histórico que havia sido deixada em branca. Durante
este período da história norte-americana 75 milhões de anos atrás o nível do
mar estava alto o tempo todo. Como conseqüência, fósseis de dinossauros
desta era são extremamente raros.
Os novos rapazes
Nothronychus cujo nome se refere à sua garra de preguiça vivia nas
florestas pantanosas numa área que agora é o árido Novo México. Pesando
perto de uma tonelada e alcançando uma altura de quatro metros, os
Nothronychus tinham braços longos com garras de 10 cm nos seus dedos.
Tinha uma cauda relativamente curta, robustas patas traseiras, e dentes
projetados para estraçalhar a vegetação. Wolfe e Kirkland acreditam que ele
tinha uma aparência perturbadora de “metade peru, metade urso”. Embora
nenhuma prova fóssil de penas tenha sido encontrada em Novo México,
acredita-se que espécies semelhantes achadas na Ásia estavam cobertas de
penas primitivas. Muitos paleontólogos especulam que os dinossauros
evoluíram e se tornaram pássaros dos dias de hoje. Wolfe vai mas a frente ele
acredita que as novas espécies de Coelurosaur "podem ser a origem”, em
outras palavras, possivelmente a mãe de todos os pássaros que nós vemos no
céu atualmente.
Problemas de comportamento
Em média, seis novas espécies de dinossauros são desenterradas a
cada ano. Estas novas descobertas de fóssil frequentemente desafiam teorias
existentes de dinossauros e geram discussão sobre comportamento e padrões
evolutivos. Até agora, entretanto, a ausência de fósseis da metade de Cretáceo
tornou impossível para cientistas determinar as origens das espécies do final
de Cretáceo. Eles simplesmente não tiveram nenhum meio de saber como as
características especializadas dos dinossauros que começaram a aparecer no
registro de fóssil há 75 milhões de anos realmente foram formadas. Com os
dinossauros da Bacia de Zuni preenchendo a Lacuna de Cretáceo, entretanto,
tudo pode mudar. Paleontólogos agora têm um conhecimento mais detalhado
dos dinossauros sofisticados do final de Cretáceo, como o Tyrannosaurus Rex,
o Triceratops de chifres, e o Hadrosaurs bico de pato.
Conclusão lógica
Naturalmente que a compreensão dos animais que viveram 90 milhões
de anos atrás apresenta problemas óbvios para paleontológos. Mas, não são
apenas os fósseis que ajudam a revelar este quebra-cabeças pré-histórico
indícios nas pedras também podem ser cruciais. Ocasionalmente
paleontólogos lidam com material de plantas carbonisadas e tocos fossilizados
de carvão sinais seguros de incêndio florestal. Estes indícios primordiais
proporcionam aos paleontólogos informação vital de acontecimentos altamente
localizados que aconteceram num momento exato da história. Assim como
detetives numa cena de crime, cientistas podem usar estas provas, montando
uma fotografia pré-histórica exata. Os fósseis encontrados em incêncio
florestais revelam os animais que morreram ali, mas eles também
proporcionam aos cientistas uma riqueza de informação em comportamento de
dinossauros. Paleontólogos aprenderam sobre os dinossauros que caçavam
em grupos, se viajavam em rebanhos, e quais as criaturas como mamíferos,
anfíbios e répteis viviam ao lado deles.
Ausência evidente
Pode parecer raro, mas às vezes são os fósseis que os paleontólogos
não encontram que mais ajudam a analisar o comportamento dos dinossauros.
Embora numerosos fósseis adultos de Apatosaurus foram achados nas
Américas, nenhum de seus ovos ou de seus filhotes jamais foram encontrados
no leito fóssil mais rico da América a Formação de Morrison. Esta vasta placa
geológica cobrindo a maioria do ocidente central dos Estados Unidos produziu
muitas espécimes de Apatosaurus adulto. Da ausência de seus filhotes,
entretanto, cientistas concluíram que estes vegetarianos gigantescos devem ter
feito ninho em outras partes do continente antes de migrar para a Formação de
Morrison quando adultos.