Anda di halaman 1dari 16

TRABALHO DE SAÚDE

COLETIVA
Turma: 21941M
Alunas: Flávia Corrêa da Silva Carvalho
Joana Darc Siquara
Vanda Ricardino
HIPERTENSÃO

• É a força que o fluxo sanguíneo exerce nas artérias


através de sua medição, dois valores são
registrados: o maior, quando o coração se contrai
bombeando o sangue (pressão sistólica). E o
inferior, quando o coração relaxo entre duas
batidas cardíacas (pressão diastólica).
HIPERTENSÃO
CAUSAS

• Hipertensão arterial primaria: na grande


maioria dos casos a hipertensão arterial e considerada
essencial, isto e ela e uma doença por si mesma. Em
95% dos casos a causa da doença e desconhecida.
Nesses pacientes ocorre aumento da rigidez das
paredes arteriais, fato que e favorecido pela herança
genética em 70% dos casos. Por essa razão, é preciso
verificar o histórico familiar do paciente, uma vez
que, se seus pais ou parentes próximos são
hipertensos, ele tem grandes probabilidades de
desenvolver a doença.
CAUSAS

• Hipertensão Arterial secundária: Ocorre quando um


determinado fator causal predomina sobre os demais, embora os outros possam
estar presentes.
1 - HAS por doença do parênquima renal.
2 - HAS renovascular, e a provocada por algum problema nas artérias renais. De
maneira reacional o rim afetado produz substancias hipertensoras. A correção do
problema renal pode diminuir a pressão arterial.
3 - HAS relacionada à gravidez.
4 - HAS relacionada ao uso de medicação (Anticoncepcionais, Corticosteróides,
Antiinflamatório).
5 - HAS relacionada feocromocitoma. E um tumor que produz substâncias
vasoconstrictoras que aumentam a pressão arterial produz taquicardia, cefaléia e
sudorese. A retirada deste tumor pode diminuir a pressão arterial.
6 - Apneia do sono: O grau de elevação de pressão arterial e proporcional ao grau de
severidade da Apneia.
7 - Outras causas: Síndrome de Cushing.
SINTOMAS
SINTOMAS
• A Grande parte das pessoas com pressão alta não
apresentam sintomas. Podem ocorrer por
coincidência, manifestações que são erroneamente
atribuídas à pressão alta: dor de cabeça. Sangramento
no nariz, tontura, rosto vermelho e cansaço. Esses
sintomas, entretanto, também aparecem
frequentemente em pessoas com pressão normal.
• Se uma pessoa com pressão arterial severa passa um
longo período sem tratamento sintomas: como dor de
cabeça, náusea, vômitos, falta de ar visão borrada,
aparecem frequentemente provocados por danos no
cérebro, olhos, coração e rins.
FATORES DE RISCO
FATORES DE RISCO
• Idade: Aumenta o risco com o aumento da idade.
• Sexo: Ate os cinquentas anos mais homens do que mulheres
desenvolvem a hipertensão. Após os cinquentas anos mais
mulheres desenvolvem a doença.
• Consumo de sal: Quanto maior o consumo de sal maior e o
risco da doença.
• Consumo de álcool: O consumo elevado de álcool esta
associado a aumento do risco. O consumo moderado e leve
tem efeito controverso, não homogêneo para todas as pessoas.
• Obesidade: A presença de obesidade aumenta o risco de
hipertensão.
• Sendetarismo: O baixo nível de atividade física aumenta o
risco da doença.
• Dislipidemias: A normalidade do colesterol em suas frações.
DIAGNÓSTICO
DIAGNÓSTICO
• Será considerada hipertensa a pessoa que tiver a pressão em 140 x 90
mmhg, ou mais, segundo a O.M.S., aferida em diversas oportunidades por
profissionais capacitados com o uso de equipamento apropriado.
• Alguns cuidados para aferir a pressão arterial:
– Repouso de 15 minutos em ambiente calmo e agradável
– A bexiga deve está vazia (urinar antes)
– Após exercícios, álcool, café ou fumo, aguardar 30 minutos para aferir
– O manguito do aparelho de pressão deve estar firme e bem ajustado ao
braço, que deve ser mantido na altura do coração.
– Manguito especial para crianças e obesos devem ser utilizados.
– Não falar durante o procedimento
– Esperar de 1 a 2 minutos entre as medidas.
– Posição sentada ou deitada é a mais recomendada.
– Vale a medida de menor valor obtido
TRATAMENTO NÃO
MENDICAMENTOSO
TRATAMENTO NÃO
MENDICAMENTOSO
• Certas medidas relacionadas a medicamentos são úteis no
manejo da hipertensão arterial, tais como:
- Moderação da ingestão de sal (Cloreto de sódio) e (Etanol).
- Aumento da ingestão de alimentos rico em potássio.
- Pratica regular da atividade física.
- Fomentar práticas de gestão do estresse;
- Manutenção do peso Ideal (IMC entre 20 a 25 kg/m2).
- Minimizar o uso de medicamentos que possam elevar a
pressão arterial, como anticoncepcionais orais e
antiinflamatórios, corticóides.
TRATAMENTO
MEDICAMENTOSO
TRATAMENTO
MEDICAMENTOSO
• Nos casos que necessitam de medicamentos, são
utilizadas varias classes de fármacos, isolados ou
associados. Entre outras possibilidades a disposição
dos pacientes sob prescrição medica, encontram-se:
• - Diuréticos
• - Betabloqueadores
• - Bloqueadores do canal de cálcio
• - Inibidores da ECA
• - Alfabloqueadores
• - Drogas de ação central
• - Antagonista do receptor de Angiotensina