Anda di halaman 1dari 3

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

“O conjunto de transformações técnicas e econômicas que caracterizam a substituição


de energia física pela energia mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura
pela fábrica no processo de produção capitalista”.(Engelf, 1845)

COMO ERA ANTES...

- A atividade produtiva era feita pelos artesãos, que eram proprietários da matéria-
prima e comercializavam o produto final do seu trabalho manual.

- Uso de poucas ferramentas.

- Um único artesão realizava todo o trabalho.

Evolução do Processo Produtivo

ARTESANATO: Produção de caráter familiar, na qual o artesão possuía os meios de


produção (era o proprietário da oficina e das ferramentas) e trabalhava com a família
em sua própria casa, realizando todas as etapas da produção, desde o preparo da
matéria-prima, até o acabamento final.

MANUFATURA: Devido a ampliação do mercado consumidor, o artesão aumentou a


produção e o comerciante passou a dedicar-se à produção industrial.
O manufatureiro distribuía a matéria prima e o artesão trabalhava em casa, recebendo
pagamento combinado.

MAQUINOFATURA: O artesão agora é trabalhador da fábrica e estava submetido ao


regime de funcionamento da máquina e à gerência do empresário. Não já tem controle
pessoal sobre a sua produção. Foi nessa época que se consolidou a revolução
industrial.

A FÁBRICA

• As fábricas do início da Revolução Industrial eram ambientes com péssima


iluminação, abafados e sujos. As condições de trabalho eram precárias.
• Os salários recebidos pelos trabalhadores eram muito baixos
• Chegava-se a empregar o trabalho infantil e feminino.
• A jornada de trabalho chegava até a 18 horas por dia e estavam sujeitos a
castigos físicos dos patrões.
• Não havia direitos trabalhistas. Quando desempregados, ficavam sem nenhum
tipo de auxílio.
• Havia muitas falhas na execução dos processos e muito desperdício de tempo e
matéria prima.
• Não havia uniformização de procedimentos e nem treinamento adequado.

CONSEQUÊNCIAS

• A máquina substituindo o homem gera milhares de desempregados.


• A produção em massa baixou o preço de mercadorias e acelerou o ritmo de
produção.
• Criou o conceito de sociedade de consumo, devido ao fácil acesso às
mercadorias.
• Criou enormes concentrações urbanas: a população de Londres cresceu de
800.000 habitantes em 1780 para mais de 5 milhões em 1880.
• A produção em larga escala e dividida em etapas distanciou cada vez mais o
trabalhador do produto final, já que cada grupo de trabalhadores passava a
dominar apenas uma etapa da produção.
• Rápido crescimento econômico. Com o aumento da produtividade aumentava os
salários reais dos trabalhadores. Na Inglaterra entre 1800 a 1870, o salário real
dos trabalhadores ingleses aumentou em mais de 300%.
• Aumento da Poluição.

EVOLUÇÃO DA REVOLUÇÃO

1ª FASE: (1760-1850) A máquina de tear, a máquina a vapor, o barco a vapor, o


telégrafo, a locomotiva.

2ª FASE: (1860-1900) Substituição do ferro pelo aço, substituição do vapor pela


eletricidade. O "ouro negro" passou a ser utilizado como força motriz em navios e
locomotivas.

3ª FASE: (1900- ) Surgimento de grandes complexos industriais e empresas


multinacionais.

Automação da produção.

Desenvolvimento da indústria química e eletrônica.

Avanços da robótica e da engenharia genética.

A industrialização no Brasil

O Brasil faz parte de um grupo de países de industrialização tardia. Durante o período


colonial o processo de industrialização praticamente não existiu, devido aos interesses
dos produtores portugueses e ingleses que desejavam exportar para o Brasil

No reinado de Maria I de Portugal (1785). Ficou proibido a instalação e determinado o


fechamento de todas as fábricas do Brasil, salvo as manufaturas de panos grossos
destinados aos escravos.

A industrialização do Brasil começou em meados do século XIX, e só se intensifica na


segunda metade do século XX, após os anos da ditadura militar.

EVOLUÇÃO DA SOCIEDADE

PRÉ - CAPITALISMO

• Período da economia mercantil, em que a produção se destina a trocas e não


apenas a uso imediato.

• Não se generalizou o trabalho assalariado; trabalhadores independentes que


vendiam o produto de seu trabalho, mas não seu trabalho.

• Os artesãos eram donos de suas oficinas, ferramentas e matéria-prima.

CAPITALISMO COMERCIAL
• Apesar de predominar o produtor independente (artesão), generaliza-se o
trabalho assalariado.

• A maior parte do lucro concentrava-se na mão dos comerciantes, intermediários,


não nas mãos dos produtores.

• Lucrava mais quem comprava e vendia a mercadoria, não quem produzia.

CAPITALISMO INDUSTRIAL

• Revolução Industrial (sec.XVIII)

• Grande salto tecnológico nos transportes e máquinas, revolucionou o modo de


produzir.

• Êxodo rural e o crescimento desordenado das cidades.

• O trabalho assalariado se instala, em prejuízo dos artesãos, separando


claramente os possuidores de meios de produção e o exército de trabalhadores.

• Conceito de sociedade de consumo.

• Inicia o processo da sociedade organizacional.

CAPITALISMO FINANCEIRO

• Fase atual. O sistema bancário e grandes corporações financeiras tornam-se


dominantes e passam a controlar as demais atividades.

O PODER DAS ORGANIZAÇÕES

• O administrador passa a ser papel chave, pois carrega a responsabilidade de


gerir bem as organizações, que são a base do funcionamento da sociedade.