Anda di halaman 1dari 69

Prof. Dielle Carvalho Neres.

 Utilização de processos e métodos que garantam


a qualidade dos produtos armazenados e não
prejudiquem a saúde dos consumidores.

 Evitando-se a degradação nutricional e a


contaminação do produto armazenado.
DEFINIÇÃO:
 Consiste na passagem forçada do ar, com fluxo
adequado, através da massa de grãos.
OBJETIVOS:
o Prevenir ou solucionar problemas de
conservação do produto.
OBJETIVOS:

 Estabelecer o resfriamento de pontos aquecidos na


massa de grãos;

 Uniformizar a temperatura na massa de grãos;

 Prevenir o aquecimento e regular o teor de umidade


do produto;

 Promover a secagem, dentro de certos limites:

 Promover a remoção de certos odores;

 Promover o resfriamento de toda a massa de grãos.


- Introdução de uma massa de ar com temperatura baixa é uma técnica
benéfica à conservaçãodos grãos, por período de tempo mais
prolongado.
 Sistema de Aeração depende:

- Condições ambientais (temperatura e umidade


relativa do ar)
-Condições intrínsecas ao produto (temperatura
e umidade do grão).
 Para se avaliar a temperatura e a umidade da massa de
grãos, utiliza-se uma rede de sensores, dispostos de
forma regular nas células de estocagem dos silos.
 Estes sensores são ligados a um painel de controle que
indica a temperatura e a umidade em vários níveis da
massa de grãos, permitindo que o operador escolha o
momento oportuno para iniciar a aeração e sua duração.
 Uma vez atingido os níveis adequados de temperatura e
umidade o sistema é desligado, e o processo se repete
sempre em função da variação destas duas grandezas.
 Inibir a atividade de insetos:
- Origem dos insetos que atacam os grãos
armazenados é tropical e subtropical.
- Temperaturas: 17 a 22°C e UR < 30% - inibem o
desenvolvimento.
- Condições ideais p/ desenvolvimento - 23 a
35°C e UR próxima de 70%.
 Inibir o desenvolvimento da microflora:
quais os fatores que influenciam o
desenvolvimento da microflora?

- Temperatura
Ambiente dentro da
- Umidade relativa massa de grãos
 Preservar a qualidade dos grãos:
Teste de Germinação – são utilizados para
avaliar a viabilidade dos grãos armazenados.
- Grãos com viabilidade reduzida: mais
susceptíveis ao processo de deterioração.
 Uniformizar a temperatura:
- Para regiões onde existem grandes flutuações
de temperatura.
- Prevenir ou evitar a migração de umidade.
- Evitar focos de aquecimento.
 Durante os períodos de inverno e outono, os grãos
localizados próximos às paredes do silo e no topo da
massa de grãos são resfriados com mais facilidade do
que aqueles localizados na parte inferior e no centro
do silo. Depois de alguns dias, devido ao gradiente de
temperatura na massa de grãos, são geradas
correntes convectivas.
 O ar intergranular frio e denso localizado próximo às
paredes do silo é puxado para baixo, fluindo pelo
centro do silo e puxando para cima o ar quente e
menos denso localizado inicialmente nesta região.
 Na primavera e no verão, as temperaturas dos grãos
próximos às paredes do silo aumentam e os grãos
localizados no centro da instalação se mantêm
resfriados. Nestes períodos as correntes convectivas
mudam sua direção.
 O ar frio e mais denso, localizado no centro do silo,
flui para baixo, resultando em um movimento das
correntes convectivas a partir do centro do silo em
direção às suas laterais.
- Problemas decorrentes da migração de
umidade consiste na mistura das camadas
contaminadas com os restante da massa,
quando produto estocado é movimentado
ou qualquer motivo. Dentre os danos
causados, o mais preocupante é a
contaminação por micotoxinas.
 Ocorrem devido à respiração dos grãos e ao
metabolismo dos insetos e microorganismos que
geram o aquecimento e o conseqüente aumento
de temperaturas.
 Promover a secagem dentro de certos limites:
- Não se entende a aeração como processo de
secagem, porém, em condições favoráveis, grãos
úmidos (abaixo de 20% b.u.) são secados.
- O fluxo de ar mínimo recomendado p/ secagem
dependendo das condições ambientais é 15 a 25
vezes maior que o fluxo p/ aeração de
resfriamento.
 Remover odores:
- A aeração pode ser utilizada para remover,
além desses odores, os gases resultantes do
combate às pragas e devolver aos grãos o
cheiro característico.
1 - Aeração provisória
2 – Aeração de manutenção
3- Aeração corretiva
4- Aeração de resfriamento
5 - Aeração secante
 Regiões com clima temperado ou frio - o
resfriamento dos grãos é o objetivo mais comumente
relacionado à aeração.

 Se a UR frio está adequada, ele é introduzido no


ambiente de armazenamento, diminuindo
gradualmente a temperatura da massa de grãos e
criando um microclima impróprio para a
proliferação de insetos e microorganismos.
É difícil atingir temperaturas e teores de água
baixos utilizando a aeração em países com
climas tropicais e subtropicais, como o Brasil.

 Recomenda-se que os grãos sejam armazenados


secos e que a aeração seja utilizada com o
objetivo principal de manter a homogeneidade
da temperatura na massa de grãos.
O Sistema de Aeração é composto
- Dutos de condução de ar
- Ventiladores
- Equipamentos de controle e operação do sistema
1. Ventilador:
 É a máquina utilizada para movimentar o ar através da
massa de grãos. Essa movimentação é feita por meio
de um rotor centrífugo ou axial, acionado por uma
unidade motora.
 Deve fornecer a quantidade de ar necessária ao
resfriamento do produto e ser capaz de vencer a
resistência oferecida à passagem deste ar pela massa
de grãos armazenada.
a) Fluxo de ar: deve-se fornecer uma determinada
quantidade de ar, em unidade de tempo e de massa
ou de volume de grãos (m3 de ar por min. por m3 de
grãos ou m3 de ar por min. por ton. de grãos).

- Depende da finalidade da aeração e da região onde


está localizado o sistema.
Fluxo de ar de acordo com o propósito de
aeração
Propósito Resfriamento Manutenção Fumigantes Seca –aeração

Tipo de armazéns Silo / Silo / Silo Silo


Graneleiro Graneleiro

Vazão de ar 0,05 – 0,10 0,25 – 0,50 0,0025 0,50 – 1,00


(m3/min.t 0,10 – 0,20

Finalidade Reduzir o crescimento Evitar a migração de Aplicação de Secagem


da micro-flora umidade fumigantes

Resultados Preservar a qualidade Evitar focos de Secagem limitada


dos grãos aquecimento Retira os
odores dos
fumigantes
A vazão específica mínima de ar requerida
depende:
 espécie de grão armazenado
 espessura da massa de grãos
 do tipo de instalação e
 do número de estruturas de armazenagem
existentes no sistema.

 Grãos maiores exigem vazões maiores para se


alcançar um mesmo nível de resfriamento ou
homogeneização de temperaturas.
b) Pressão estática: o ventilador deve vencer a
resistência à passagem do fluxo de ar, que é medida
em força por unidade de área e equivale à
resistência que os grãos e o sistema de distribuição
oferecem à passagem do ar.

- A pressão estática varia diretamente com a altura


da camada de grãos e com a velocidade com que o
ar atravessa esta camada.
Resistência ao Fluxo de ar
Depende:
Tipo de produto (Arroz, soja, milho , trigo –
Porosidade)
Fluxo de ar; (alto, médio e baixo)
Altura da Camada de grãos
Perdas no sistema de dutos, curvas e chapas perfuradas
2. Dutos:
 Permitem a insuflação ou a sucção de ar através
da massa de grãos
 Podem ser divididos em duto principal ou de
suprimento e duto secundário ou de aeração.

Figura 1 - Dutos de Aeração embutidos no piso do Silo.


 3. Dispositivos para monitoramento – indicam as
condições do ambiente interno e externo da
massa de grãos (T°C e UR) e, em alguns casos
podem acionar ou ligar o sistema de ventilação
em função daquelas condições.
 Sistemas de aeração: manual e o automático.
 Controle manual: existe a dependência de
operadores que devem estar atentos aos horários e
condições de operação do sistema, existem maiores
riscos de erros nos acionamentos e geralmente são
verificados altos custos com energia elétrica.
 Controle automático: sistema de aeração é acionado
ou desligado por meio dispositivos elétricos de
acordo com os dados do monitoramento automático
do ecossistema dos grãos armazenados.
 Sensores de chuva • Controlador Microprocessado para Aeração de
Grãos

 Horas de aeração
Equipamento programável para controle da Aeração
de Grãos armazenados em silos ou armazéns através
de limites máximos e mínimos de temperatura em
umidade ambiente. Sempre que estas condições
forem favoráveis, o Control Master aciona
automaticamente os motores de aeração,
contribuindo para a conservação eficiente do
produto com a utilização racional da energia
elétrica.
Gerenciador de Aeração GTU-10M

 GERENCIADOR DE AERAÇÃO GTU-10M

 O GTU-10M é um Gerenciador Automático para


sistema de aeração de grãos armazenados em
silos e armazéns graneleiros, que através de
limites máximos e mínimos de temperatura e
umidade ambiente, aciona os ventiladores
aeradores sempre que as condições climáticas
forem favoráveis.
IMPORTANTE:

 Antes de se optar pelo uso de um sistema de


aeração, devem ser avaliadas as condições
climáticas da região, principalmente quando
se trata de aspectos de conservação dos
grãos durante a armazenagem.
Quando fazer a Aeração???

Regra 1 – Sempre que forem constatados


pontos na massa de grãos com diferença de
temperaturas, iguais ou maiores de 5ºC,
acionar o sistema.

Regra 2 – Sempre que for constatada na


massa uma temperatura média igual ou
superior a 3ºC em relação à temperatura
ambiente, acionar o sistema.
REGRAS DE INTERESSE PRÁTICO

-A aeração deverá ser efetuada quando os fatores


permitirem. A temperatura da massa de grãos, a
temperatura e a umidade relativa do ar.

-Tempo de aeração depende de região para região,


do momento para o momento, do produto para
produto e das variações climáticas.

-Observar a eficiência maior, períodos a noite,


menor custo, menor temperatura ocasiona
resfriamento mais eficaz.
 Conceito de frente de resfriamento e conceito
de frente de secagem.
 Funcionamento do sist. de ventilação por umas horas não
irá resfriar toda a massa de grãos (camada pequena do
produto).
 Silo cheio – os grãos próximos da entrada de ar serão
resfriados à temperatura do ar, enquanto a temperatura
dos grãos nas camadas superiores permanecerá
praticamente nas condições iniciais – exceto em uma faixa
– frente de resfriamento.
 Término da aeração – frente de resfriamento tenha se
movido através da massa de grãos.
 Se o operador interromper a aeração com a
frente de resfriamento interior da massa de
grãos?

- As diferenças de temperaturas entre as


camadas resfriadas, as camadas em processo de
resfriamento – MIGRAÇÃO DE UMIDADE e
ACELERAR O PROCESSO DE DETERIORAÇÃO DO
PRODUTO.
 Movimento do ar ascendente e o ventilador
encontra-se instalado na base do silo –
INSUFLAÇÃO ou ventilação positiva.
 Sentido contrário – SUCÇÃO ou ventilação
negativa.
Insuflação – Vantagens
-Permite fazer a aeração de resfriamento durante o
enchimento do silo.
- Facilita a aceleração e remoção dos focos de calor da parte
superior do silo,
-Mantém limpos, sem riscos de entupimentos dos furos da
chapa perfurada,
- Indicada para a execução da aeração secante.

Insuflação – Desvantagens
- Promove o aquecimento do ar antes de entrar em contado
com os grãos – devido à ineficiência dos ventiladores
(acréscimo 3°C na temperatura).
Dependerá do umidade da massa de grãos.
- Formação de condensação no telhado.
 Processo natural diferente da migração de
umidade.
 Este processo ocorre com mais freqüência em
climas muito quentes.
 Geralmente, a água que se condensa e goteja
sobre o produto armazenado contém a umidade
do ar que se acumula no espaço entre a
superfície da massa de grãos e o teto do silo.
Isto ocorre porque o teto do silo, aquecido
durante o dia, é resfriado durante a noite.
– Sucção - Vantagens
- A temperatura do ar que entra em contato com a massa é a
mesma do ar ambiente.
- Evita a condensação no telhado durante a aeração.
- Facilita e acelera a aeração com a finalidade de eliminar focos
de calor na metade de baixo do silo.

- Sucção – Desvantagens
- As impurezas finas tendem a obstrui a passagem de ar nas
chapas.
- Liberação de pó, odores e materiais finos próximos do solo
- Não pode ser utilizada o resfriamento durante o enchimento
do silo.
 Não eliminar os insetos e microorganismos nocivos ao
ambiente de armazenamento imediatamente e, sim,
impedir sua proliferação.
 Necessidade de um planejamento específico para
cada situação em que esta tecnologia é aplicada.
 É necessário que a estratégia de controle utilizada
para o acionamento e desligamento do sistema de
aeração seja implementada corretamente para que os
seus objetivos sejam alcançados com sucesso.
 O dimensionamento do sistema de aeração, a estratégia
de controle e os equipamentos devem ser adequados.
 Deve-se empregar uma vazão mínima de ar necessária
para que a massa de grãos alcance a temperatura
desejada em um intervalo de tempo conveniente.
 Se a aeração demorar muito, os seus objetivos podem não
ser alcançados e se o processo for muito rápido será
requerida uma vazão de ar muito alta, que poderá secar
ou umedecer os grãos, sendo também economicamente
inviável.
 Limpeza rigorosa não só nas paredes e no piso da
unidade armazenadora, mas principalmente nos
ventiladores, aerodutos e os furos das chapas
perfuradas.
 Verificação de todo sistema elétrico (tensão das
correias, fixação dos ventiladores, vedação
adequada dos aerodutos, limpeza em torno das
entradas de ar dos ventiladores etc);
 Origem e histórico dos grãos a serem aerados (nível
de umidade e de impurezas);
 Obtenção de dados climatológicos locais por meio de
Estações Meteorológicas;
 Após o início da operação a movimentação da Frente de
Resfriamento da aeração eve ser monitorada por meio da
termometria e não desligar o sistema até que a frente
tenha atravessado toda a massa de grãos;
 Preferencialmente desligar o sistema no início da manhã
para aproveitar ao máximo as temperaturas mais baixas
da noite e, conseqüentemente, evitar o desligamento da
aeração no final do dia.
 Cálculo da vazão de ar
 Pressão estática do ventilador
 Potência do motor
 Área de perfurações
 Número de dutos
 Espaçamento entre os dutos
 Tempo provável de resfriamento da massa de
grãos.
 Promove a ventilação dos grãos é a transilagem, ou
seja, transferência total, sendo todos os grãos de
um silo removidos para outro, ou de uma célula para
outra, no caso de armazém graneleiros septados
(transferência entre septos).

 Na aeração, o ar passa, forçadamente, pela massa


de grãos, com auxilio de ventilador ou exaustor,
dependendo do sistema, enquanto na transilagem
são os grãos que passam pela massa de ar, com
auxilio do elevador.
 Umidade de cada grão está em equilíbrio para cada condição de ar que
o envolve para uma determinada temperatura e Umidade Relativa.
 Digamos que um determinado grão com 13% de umidade está em
equilíbrio com o ar com Umidade Relativa de 65% a 25°C. Se
colocarmos este grão num ambiente ou em contato com ar com 40% de
Umidade Relativa a 25°C, existe um desequilíbrio e haverá a passagem
da água do grão para o ar (secagem).
 No caso inverso, se o ar estiver com 90% de Umidade Relativa a 25°C,
a água do ar, em forma de vapor, tenderá a transferir-se para o grão
(Umedecimento).