Anda di halaman 1dari 28

Centro Federal de Educação Tecnológica de

Minas Gerais

(CEFET-MG)

Departamento de Ensino de II Grau

Coordenação do Curso Técnico de Eletrotécnica e

Automação Industrial

Disciplina:

Prática de Laboratório de Máquinas Elétricas II

Prof. Welington Passos de Almeida

Prof. Colimar Marcos Vieira

2007
Índice

Conteúdo

1ª Aula prática: Conteúdo Programático..................................................................... 3

2ª Aula prática: Motor de Indução.............................................................................. 5


3ª Aula prática:Motor de indução rotor bobinado ....................................................... 7
4ª Aula prática :Partida Motor de indução ................................................................ 10
5ª Aula prática :Ensaio rotor bloqueado ................................................................... 12
6ª Aula prática : Ensaio a vazio motor de indução.................................................... 14
7ª Aula prática : Ensaio de carga motor de indução................................................. 16
8ª Aula prática : Máquina Síncrona .......................................................................... 18
9ª Aula prática : Ensaio a vazio gerador síncrono..................................................... 20
10ª Aula prática : Ensaio em curto circuito gerador síncrono ................................... 22
11ª Aula prática : Paralelismo geradores síncronos .................................................. 24
12ª Aula prática :Ensaio de carga motor síncrono .................................................... 26
IV – BIBLIOGRAFIA: ............................................................................................ 28

Máquinas Elétricas II Página 2


1ª Aula prática: Conteúdo Programático

Assunto: Apresentação, objetivos gerais, conteúdo programático,


bibliografia e avaliação.
I – APRESENTAÇÃO:

Disciplina: Prática de Laboratório de Máquinas Elétricas II “PLME II”.

Curso: Eletrotécnica e Automação Industrial Turma: 4º Módulo

Carga Horária de 02 aulas semanais.

II – OBJETIVOS GERAIS:

Ao final da disciplina o aluno será capaz de:

1. Identificar os componentes básicos da máquina assíncrona.


2. Executar os principais ensaios de laboratório em motores assíncronos.
3. Obter o circuito equivalente dos motores assíncronos a partir dos ensaios de
laboratório.
4. Calcular o rendimento dos motores assíncronos a partir dos circuitos equivalentes
obtidos nos ensaios e das condições de operação.
5. Determinar a regulação de velocidade dos motores assíncronos.
6. Identificar os componentes básicos da máquina síncrona.
7. Utilizar a terminologia específica empregada para a máquina síncrona.
8. Executar os principais ensaios de rotina da máquina síncrona.
9. Executar transferência de potência ativa e reativa entre geradores síncronos ligados a
um barramento infinito.
10. Calcular o rendimento dos motores síncronos a partir dos ensaios e das condições de
operação.

III – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

UNIDADE 1: MÁQUINAS ASSÍNCRONAS

1.1 Partes constituintes e aplicações.


1.2 Ensaio a vazio do motor de indução trifásico com o circuito de rotor aberto.

1.3 Medição da relação de transformação de um MIT, rotor bobinado.


1.4 Partida de um MIT, rotor bobinado.
1.5 Ensaio de rotor bloqueado de um MIT, rotor bobinado.

Máquinas Elétricas II Página 3


1.6 Ensaio a vazio de um MIT, rotor bobinado.
1.7 Ensaio de carga de um MIT, rotor bobinado.

UNIDADE 2: MÁQUINAS SÍNCRONAS

2.1 - Partes constituintes, emprego e aplicações.


2.2 - Partida de um motor síncrono.
2.3 - Ensaio a vazio de um gerador síncrono trifásico.
2.4 - Ensaio de curto-circuito de um gerador síncrono trifásico.
2.5 - Operação em paralelo de geradores síncronos trifásicos.
2.6 - Ensaio de carga do motor síncrono trifásico.
2.7 - Ensaio de carga do gerador síncrono trifásico.

V – AVALIAÇÃO:

1ª Avaliação escrita abrangendo os conteúdos das práticas de Máquinas de indução


trifásica, valor: 30 pontos;

2ª Avaliação escrita abrangendo os conteúdos das práticas de máquinas síncronas, valor:


30 pontos;

3ª Avaliação escrita abrangendo os conteúdos das práticas de máquinas de indução


trifásica e máquinas síncronas, valor: 40 pontos;

4ª Exame Especial, valor: 100 pontos:


a) Avaliação da seqüência de ações para resolver um determinado problema, valor:
40 pontos;
b) Avaliação da execução de ensaios e solução do problema, valor: 60 pontos

Máquinas Elétricas II Página 4


2ª Aula prática: Motor de Indução

Assunto: Introdução do motor de indução trifásico.

Fundamentos Teóricos
Um Campo magnético girante com amplitude constante e velocidade angular
constante ocorre no estator da máquina de indução trifásica quando lhe é aplicada uma
tensão trifásica com amplitude e freqüência constantes no seu enrolamento de armadura.
Isto acontece por causa da composição vetorial das correntes circulantes em cada fase,
que combinada com a posição geométrica dos enrolamentos da armadura (defasados de
120º geométricos) produz o campo magnético rotativo no sentido horário ou anti-horário,
dependendo da seqüência de fases da tensão aplicada.
A cada instante o fluxo mútuo resultante no entreferro da máquina (φm)
desencadeia uma série de ações que faz a máquina operar equilibradamente em cada
ponto de carga. O diagrama vetorial, a seguir, mostra o funcionamento equilibrado da
máquina de indução trifásica para uma tensão senoidal instantaneamente positiva
aplicada no enrolamento da armadura, isto é, com valores instantâneos no I e II
quadrantes trigonométricos.

Onde:

Va = Tensão na armadura (amplitude e freqüência constantes)


Ia = Corrente na armadura (amplitude variável)
θa = Ângulo do fator de potência na armadura
φa = Fluxo na armadura (amplitude variável)
Ea = Tensão induzida na armadura (amplitude variável)
Er = Tensão induzida no rotor (amplitude e freqüência variáveis)
θr = Ângulo do fator de potência no rotor
Ir = Corrente no rotor (amplitude e freqüência variáveis)
φr = Fluxo no rotor (variável)
φm = Fluxo mútuo resultante no entreferro (constante)

As partes constituintes das máquinas de indução trifásica são:

Máquinas Elétricas II Página 5


• Carcaça
• Núcleo do estator ou da armadura
• Enrolamento do estator ou da armadura
• Eixo do rotor
• Núcleo do rotor
• Enrolamento do rotor:
a) Bobinado ou enrolado;
b) Gaiola de esquilo.

Obs.: Quando o rotor é bobinado, a máquina exige anéis coletores, escovas, molas e
porta escovas.
A velocidade angular do campo magnético girante (Ns) a partir de:
(Ns = 120.f / P), onde “Ns” é a velocidade angular ou velocidade síncrona (rpm), “f” é a
freqüência da tensão do enrolamento da armadura e “P” é o número de pólos da máquina.
.
A diferença entre a velocidade síncrona do campo magnético girante e a
velocidade efetiva do rotor é chamada de deslize ou de escorregamento (s):

s(%) = [(Ns – Nr).100%] / Ns,

Onde:
Nr = Velocidade do rotor (rpm)
s% = Escorregamento percentual

A tensão, freqüência e a reatância do rotor dependem exclusivamente do


escorregamento (s):

fr = s . f, onde “fr” é a freqüência da tensão no rotor;

Er = s. Ebl, onde “Er” é Tensão induzida no rotor e “Ebl” é a tensão induzida com o rotor
bloqueado;

Xr = s. Xbl, onde “Xr” é a reatância do rotor e “Xbl” é a reatância do rotor com rotor
bloqueado.

O número de pares de pólos é inversamente proporcional à velocidade angular se


o período ou freqüência forem constantes. O número de pares de pólos é diretamente
proporcional à freqüência se a velocidade for mantida constante.

Máquinas Elétricas II Página 6


3ª Aula prática: Motor de indução rotor bobinado

Assunto: Ensaio do MIT, rotor bobinado, com o circuito de rotor


aberto.

Fundamentos Teóricos
Neste ensaio determina-se a potência de histerese e correntes de Foucault com
circuito de rotor aberto (Phfcra) desenvolvido pelo motor de indução trifásico para a
condição de tensão e freqüência nominais aplicadas na armadura. A equação de tensão
por fase do motor de indução trifásico é dada por:

Vaf = Zaf x Iaf + Zmf x Iaf

Onde,
Vaf = tensão na armadura por fase
Zaf = impedância de armadura por fase
Iaf = corrente de armadura por fase
Zmf = impedância de magnetização por fase

A potência total com o circuito de rotor aberto (Ptcra) é dada por:


Ptcra = Phfcra + Prea

Onde,
Ptcra = W 1 + W 2 = (3)1/2 . Va. Ia. Cos θa
Phfcra = Ptcra - Prea = 3. (Vmf)2 / Rmf
Cos θa = fator de potência da armadura
Vmf = tensão de magnetização por fase
Rmf = resistência de magnetização por fase
Prea = potência nas resistências do enrolamento da armadura
Prea = 3. Raf. (Iaf)2 = 3/2 Rlinha. (Ia)2

Onde,
Raf = resistência de armadura por fase
Rlinha = resistência de armadura por linha

Máquinas Elétricas II Página 7


Raf RLinha = 2 R af

Raf ou:
Raf
R Linha
R af =
2

A resistência de armadura por fase pode ser medida diretamente, se a conexão


estrela ou triângulo for desfeita, caso contrário mede-se a resistência de linha e calcula-se
a resistência de fase e corrige-se para a temperatura de trabalho (75ºC):

(Raf) 75ºC = (Raf) ta [(234,5º + 75º) / (234,5º + ta)],


Onde:
(Raf) ta = resistência na temperatura ambiente
(Raf) 75ºC = resistência na temperatura de 75oC
234,5º = temperatura negativa no qual a resistência do cobre é praticamente igual a zero.

Então, voltando à equação de potência total com o circuito de rotor aberto “Ptcra” e
isolando a variável potência de histerese e correntes de Foucault “Phfcra” teremos,
Phfcra = Ptcra - Prea ou Phfcra = W 1 + W 2 - 3 Raf . I2af ou ainda
Phfcra = [(3)1/2. Va. Ia. Cos θa] - [(3/2). Rlinha. (Ia)2]. Este “Phfcra” é determinado para a
tensão nominal aplicada na armadura “Va” e para a freqüência nominal da tensão aplicada
na armadura “ f “ . Sabe-se que o “Phf” varia quadraticamente com a tensão aplicada na
armadura e que o mesmo “Phf“ varia linearmente com a freqüência aplicada na armadura,
daí concluirmos que será possível determinar o desconhecido “Phfx“ se a freqüência
aplicada na armadura for mantida constante e a tensão aplicada na armadura” Vax” variar,
teremos: (Phfcra / Phfx) = [(Va)2 / (Vax)2] e isolando o valor do “ Phfx” teremos a seguinte
expressão: Phfx = [ Phfcra . ( Vax )2 ] / ( Va )2.

Máquinas Elétricas II Página 8


Procedimentos

1 – Medir a resistência de armadura por fase e corrigi-la para a temperatura de trabalho


“75 0C”;

2 – Executar o diagrama de montagem:

R W1
V
V
S A MIT

T W2

3 – Aplicar a tensão nominal e freqüência nominal no enrolamento da armadura e anotar


as medições dos instrumentos:

Ia (A) Iaf (A) Va (V) Vaf (V) W1 (W) W2 (W) Ptcra (W) Erl linha (V) Ebl/fase (V)

Ebl = tensão do rotor por fase, com o rotor parado ou bloqueado.


Erl = tensão do rotor de linha

4 – Determinar Prea, Phf e a relação de transformação do MIT “αMIT” considerando as


tensões de fase da armadura e do rotor.

Prea (W) Phf (W) αMIT

Máquinas Elétricas II Página 9


4ª Aula prática: Partida Motor de indução

Assunto: Partida do MIT, rotor bobinado.

Fundamentos Teóricos
Neste ensaio vamos verificar a diminuição da corrente de partida do MIT, rotor
bobinado, e a variação da velocidade do rotor em função da resistência inserida no
circuito elétrico do rotor (Rx). Esta verificação será feita com o motor sem carga ou a
vazio, mas este comportamento é geral e, portanto, válido também para o motor com
carga. As equações base deste ensaio são:

a) Ir = Ebl / [(Rr + Rx)2 + (S . Xbl)2]1/2 , com a inserção de Rx, a corrente Ir diminui.

b) Cos θr = (Rr + Rx) / [(Rr + Rx)2 + (S . Xbl)2]1/2 , com a inserção de Rx, o cos Θr aumenta.

c) T = Kt . S . Ebl . Ir. Cos θr = (Kt . S . (Ebl)2 . (Rr + Rx)] / [(Rr + Rx)2 + (S . Xbl)2] , Com a
inserção de Rx, o torque aumenta e pode chegar até ao valor máximo, se
(Rr + Rx) = (S . Xbl).

d) (Sr / Rr) = Sr+x / (Rr + Rx), com a inserção de Rx, o escorregamento aumenta.

e) Sr+x = (Ns – Nr+x) / Ns, com o aumento do escorregamento Sr+x, a velocidade Nr+x
diminui.

Procedimentos

1 – Medir a resistência do rotor por fase (Rrf);

2 – Fazer a conexão do enrolamento da armadura para 220 V (Triângulo paralelo), de


acordo com o diagrama de montagem a seguir:

Ia
R Ir
Reostato
S MIT de
Partida

Máquinas Elétricas II Página 10


3 – Ajustar o reostato de partida para a posição “0” (zero), ou seja, de máxima resistência
inserida (Rx);

4 – Acionar o motor de indução “MIT”, anotando as leituras das correntes máximas de


partida na armadura e no rotor, em seguida, anotar as leituras das correntes em regime
de marcha normal na armadura e no rotor e finalmente anotar a velocidade do rotor;

5 – Ajustar o reostato de partida para a posição de trabalho “1” (um), ou seja, de


resistência inserida igual a zero (RX = 0) e repetir o procedimento número quatro (4),
preenchendo o quadro abaixo:

Posição do Reostato
de partida
Parâmetros

Ia ( máxima de partida ) [A]

Ia ( regime de marcha normal ) [A]

Ir ( máxima de partida ) [A]

Ir ( regime de marcha normal ) [A]

Nr [rpm]

Nr+x [rpm]

6 – Calcular o valor de Rx para a velocidade Nr+x.

Máquinas Elétricas II Página 11


5ª Aula prática: Ensaio rotor bloqueado

Assunto: Ensaio com rotor bloqueado do motor de indução trifásico


de rotor bobinado.

Fundamentos teóricos

Este ensaio é executado para determinar a impedância equivalente referida à


armadura por fase ( Zeraf ), a resistência equivalente referida à armadura por fase ( Reraf ) e
a reatância equivalente referida à armadura por fase ( Xeraf ) do motor de indução trifásico.

O ensaio consiste-se em travar mecanicamente o eixo do rotor, que neste caso é


feito através de um suporte metálico, e ao mesmo tempo curto circuitar os terminais do
enrolamento do rotor, aplicando uma tensão reduzida ( Vbl ) no enrolamento de armadura
até que circule por ele a corrente nominal. Os wattímetros indicarão a potência total com
rotor bloqueado ( Ptbl ), isto é, Ptbl = W 1 ± W 2, que é constituída pela potência de
Histerese e Foucault com rotor bloqueado ( Phfbl ) e pela potência na resistência
equivalente referida a armadura ( Prera ) ou Ptbl = Prera + Phfbl , mas o
Phfbl = Phfcra . (Vbl / Vnominal )2 utilizando dados do ensaio com o circuito de rotor aberto.
Logo, Prera = Ptbl - Phfbl e com este valor de Prera calcula-se o valor da resistência
2
equivalente referida a armadura por fase: Prera = 3 * Reraf* ( Iaf ) ou
2
Reraf = Prera / [3 . ( Iaf ) ].

A impedância equivalente referida a armadura por fase é obtida da seguinte forma:


Zeraf = Vbl / Iaf , os valores da tensão Vbl e da corrente devem ser valores de fase do
ensaio. E finalmente, a reatância equivalente referida à armadura por fase é determinada:
Xeraf = ( Zeraf2 - Reraf2 )1/2 .

Com estes resultados é possível estimar, em um cálculo de primeira ordem, a


reatância de dispersão da armadura por fase “ Xaf “ a partir da proporção
( Xaf / Raf ) = ( Xeraf / Reraf ), ou Xaf = ( Raf . Xeraf ) / Reraf ), determinando em seguida a
reatância de rotor bloqueado por fase “ Xbl “, Xeraf = Xaf + [( αmit )2 . Xbl ] ou
Xbl = ( Xeraf - Xaf ) / ( αmit )2. Da mesma forma, a resistência do rotor por fase “Rrf “
também pode ser determinada, Reraf = Raf + [( αmit )2 . Rrf] ou Rrf = [( Reraf - Raf ) / ( αmit )2].

Máquinas Elétricas II Página 12


Procedimentos

1 – Fazer a conexão do enrolamento da armadura para 220 V (▲//▲) e executar o


diagrama de montagem:

R W1
V
S MIT Curto-circuito
A
Reforçado

T W2

2 – Bloquear o eixo do rotor e aplicar a tensão Vbl no enrolamento da armadura até que
circule por ele a corrente nominal, anotar as leituras dos instrumentos e fazer os cálculos:

Vbl Ia Iaf W1 W2 Ptbl Phfbl Prera Preraf Zeraf Xeraf Xaf Rrf Xbl
(V) (A) (A) (W) (W) (W) (W) (W) (W) (Ω) (Ω) (Ω) (Ω) (Ω)

Máquinas Elétricas II Página 13


6ª Aula prática: Ensaio a vazio motor de indução

Assunto: Ensaio a vazio do MIT, rotor bobinado.

Fundamentos teóricos

O ensaio a vazio é executado para determinar a potência rotacional ( Prot ) do motor


de indução trifásico. O MIT é posto a girar a vazio de maneira que a potência total ( Pt ) é
constituída pela potência na resistência equivalente referida a armadura ( Prera ) e pela
potência rotacional : Pt = Prera + Prot , logo,

Prot = Pt - Prera = Pt - [ 3. Reraf . (Iaf)2 ],

Onde, Pt é a leitura dos wattímetros no ensaio a vazio, Pt = W 1 + W2; Reraf é a resistência


equivalente referida a armadura, por fase, obtida no ensaio de curto-circuito; e Iaf é
corrente de armadura por fase no ensaio a vazio.

Sabendo-se o valor da potência de Histerese e Foucault para tensão e freqüência


nominais (Phfcra), pode-se determinar a potência por atrito e ventilação ( Pav ), pois
Prot = Phfcra + Pav ou Pav = Prot - Phfcra.

A potência por atrito e ventilação varia linearmente com a velocidade, daí ser
possível corrigir o valor de Pav para velocidades variadas.

Máquinas Elétricas II Página 14


Procedimentos

1 – Executar o diagrama de montagem considerando a conexão do enrolamento da


armadura feita para 220 V ( ▲// ▲);

R W1
V Reostato
S A MIT de
Partida

T W2

2 – Acionar o motor de indução “MIT” a vazio, com tensão e freqüência nominais, ajustar
o reostato de partida para a posição de trabalho “1”, anotar as leituras dos instrumentos e
fazer os cálculos:

Va (V) Ia (A) Iaf (A) W 1 (W) W2 (W) Pt (W) Prera W) Prot (W) Pav (W) Nr (rpm)

Máquinas Elétricas II Página 15


7ª Aula prática: Ensaio de carga motor de indução

Assunto: Ensaio de carga do MIT, rotor bobinado.

Fundamentos teóricos
Este ensaio é executado para determinar o rendimento percentual pelo método
carga-escorregamento (AIEE) para os vários pontos de carga do MIT. Para isto é
necessário ter o conhecimento da potência rotacional “Prot”, da resistência de armadura
por fase “Raf” , e da velocidade do rotor “Nr” para o qual foi determinado o “Prot”. Ao fazer a
leitura da potência ativa total da armadura “Pt”, através dos dois wattímetros, será
possível determinar a potência de entrada do rotor ou potência total do rotor “Ptr”:
Ptr = Pt – 3.Raf . ( Iaf )2, ou Ptr = ( W 1±W 2 ) – 3.Raf . (Iaf)2, ou ainda Ptr = [( 3. ( Ir )2.Rr ) / s],
ou ainda mais, Ptr = Prr + Pdr para qualquer ponto de carga, onde “Prr” é a potência nas
resistências do rotor, e “Pdr” é a potência desenvolvida pelo rotor. A potência nas
resistências do rotor é obtida a partir de “Ptr”, ou seja, Prr = (s . Ptr) , já a potência
desenvolvida pelo rotor é obtida da seguinte forma: Pdr = 3 . Er . Ir . cos Θr = Ptr – (s . Ptr)
ou Pdr = Ps + Prot, onde Ps = potência de saída ou Ps = Pdr – Prot, ou ainda
Ps = Ptr – (s. Ptr) - Prot.

O rendimento percentual (η%) é então pontualmente determinado a partir de


Ps: η% = ( Ps / Pt ) . 100%, ou η% = [( Pdr – Prot) .100% / ( W1±W 2 )] ou ainda
η% = {[ Ptr – (s . Ptr) - Prot ] / (W 1±W 2)}.

O fator de potência “Cos θ” é dado por Cos θ = {Pt / [(3)1/2 .Va . Ia]}, ou
Cos θ = {(W 1±W 2) / [(3)1/2 .Va . Ia]}.

O torque de saída “Ts” pode ser dado em N.m, Ts = (9,55 . Ps) / Nr, onde a potência
de saída é dada em Watt e a velocidade efetiva do rotor é dada em rpm. O torque de
saída “Ts” pode ser dado em lb-pé, Ts = (7,0402 . Ps) / Nr, onde a potência de saída é
dada em Watt e a velocidade efetiva do rotor é dada em rpm.

Para determinar o rendimento percentual pelo método convencional (η%conv) é


necessário ter o conhecimento de “Prot” para sua velocidade “Nr” correspondente, além
disso, deve-se saber o valor da resistência equivalente referida à armadura por fase
(Reraf). Neste caso, a potência de saída “Ps" é dado por Ps = Pt - 3.Reraf. ( Iaf )2 - Prot ou
Ps = ( W 1±W 2 ) - 3.Reraf. ( Iaf )2 - Prot , logo η%conv = [( Ps ).100% / Pt ] , ou
η%conv = {[( W 1±W 2 ) - 3.Reraf.( Iaf )2 - Prot].100% / ( W 1±W 2 )}.

Máquinas Elétricas II Página 16


Procedimentos

1 – Anotar os seguintes dados dos ensaios anteriores:

Prot (W) Raf (Ω) Reraf (Ω) Nr (rpm)

2 – Executar o diagrama de montagem considerando a conexão do enrolamento da


armadura feita para 220 V ( ▲// ▲);

3 – Acionar o MIT, mecanicamente, acoplado ao gerador monofásico que por sua vez é
conectado à carga elétrica. Variar por quatro vezes a carga até o valor nominal e anotar
as leituras dos instrumentos de medição na tabela abaixo:

Va (V) 220 220 220 220


Ia (A) 6 7 8 8,8
Iaf (A)
Nr (rpm)
Prot (W)
S ( VA )
W1 (W)
W2 (W)
Pt (W)
3.Raf. ( Iaf )2 (W)
Ptr (W)
Prr (W)
Pdr (W)
Ps (W)
η%
Ts (N.m)
Ts (lb-pé)
Cos θ
3.Reraf. ( Iaf )2 (W)
Ps (W)
η%conv

Máquinas Elétricas II Página 17


8ª Aula prática: Máquina Síncrona

Assunto: Introdução da máquina síncrona trifásica


Fundamentos teóricos
A máquina síncrona trifásica tem característica mista em relação à natureza de
corrente, pois é excitada por corrente contínua no enrolamento de campo magnético e é
excitada por corrente alternada no enrolamento trifásico da armadura. A força magneto
motriz resultante dessas duas correntes produz uma reação que é traduzida em um
torque no eixo e em uma tensão induzida no enrolamento da armadura .

As partes constituintes principais da máquina síncrona são:


1 – Carcaça;
2 – Núcleo do campo;
3 – Enrolamento do campo;
4 – Núcleo da armadura;
5 – Enrolamento da armadura;
6 – Anéis coletores e escovas;
7 – Eixo do rotor;
8 – Enrolamento amortecedor.

A Máquina Síncrona se classifica em máquina síncrona de pólos salientes, que é


empregada em atividades que exigem baixa rotação, ou em máquina síncrona de pólos
não salientes que é empregada em atividades que exigem alta rotação.
Estando a máquina sincronizada, verifica-se uma tensão aplicada na armadura por
fase ( Vaf ) e uma tensão gerada por fase ( Egf ) na armadura. A corrente de armadura por
fase ( I ) que é solicitada, dependerá da diferença entre os vetores Vaf e Egf , já que a
af
impedância síncrona de fase ( Zsf ) é constante para um determinado ponto de excitação.
A equação vetorial das tensões do gerador síncrono trifásico é, portanto,
Egf = Vaf + Z sf I af , e a equação vetorial de tensões do motor é Vaf = Egf + Zsf I af .

Como esta máquina opera com velocidade constante ( síncrona ), a tensão Egf
dependerá somente do fluxo do campo ( resultante ), podendo ocorrer três casos:
a) Egf . Cos α = Vaf, campo magnético com excitação normal ( cos θ = 1 )

Egf Eresultante

I af Vaf

Máquinas Elétricas II Página 18


b) Egf . cos α > Vaf, campo magnético sobre excitado ( cos θ = capacitivo )

Egf Eresultante

I af

Vaf

c) Egf . cos α < Vaf, campo magnético sub excitado ( cos θ = indutivo )

Egf Eresultante

Vaf
I af

Máquinas Elétricas II Página 19


9ª Aula prática: Ensaio a vazio gerador síncrono

Assunto: Ensaio a vazio do gerador síncrono trifásico.

Fundamentos teóricos
Para um gerador síncrono trifásico é válida a seguinte equação vetorial de tensões,
por fase: Egf = Vaf + Z sf I af . No ensaio a vazio Iaf = 0, logo Egf = Vaf e não haverá
reação alguma na armadura, utilizando-se apenas uma potência em corrente contínua
para a magnetização do núcleo do campo magnético. Logo, a tensão gerada na
armadura por fase, Egf = Kt.Φ.N, dependerá somente da intensidade do fluxo do campo
magnético, uma vez que N, velocidade síncrona da máquina, é mantida constante. O
ensaio a vazio se consiste em variar o fluxo do campo magnético a partir da corrente de
campo igual a zero até chegar a um valor limite de corrente que produza a saturação do
núcleo magnético e depois a corrente de campo é reduzida novamente até ser zerada.

Procedimentos

1 – Executar o diagrama de montagem a seguir:

2 – Acionar o motor de corrente contínua mantendo a sua velocidade constante e igual a


velocidade nominal síncrona do gerador;

3 – Variar a corrente de campo, crescentemente, por dez vezes, a partir de zero até obter
Eg = 125% da tensão nominal, sendo que um dos pontos de variação deve ser
Eg = Vnominal:

Eg (V) 288
Egf (V)
Icampo (A) 0
N (rpm) 1800 1800

Máquinas Elétricas II Página 20


4 – Variar a corrente de campo, decrescentemente, por dez vezes, a partir de
Eg = 125%.Vnominal até zerar a corrente de campo, sendo que um dos pontos deve ser
Eg = Vnominal.

Eg (V) 288
Egf (V)
Icampo (A) 0
N (rpm) 1800 1800

5 – Construir a curva de Egf = f(Icampo) em escala. Prever espaço para inserir duas
ordenadas que serão obtidas após o ensaio de curto circuito: Iaf = f(Icampo) e Zsf = f(Icampo).

Máquinas Elétricas II Página 21


10ª Aula prática: Ensaio em curto circuito gerador síncrono

Assunto: Ensaio de curto-circuito do gerador síncrono trifásico.

Fundamentos teóricos

A tensão de armadura por fase “Vaf” é forçada a zerar quando os terminais da


armadura são curto circuitados, ou seja, Egf = Iaf . Zsf, pois neste caso “Vaf = o”, desde
que a velocidade do eixo da máquina seja mantida constante. A impedância síncrona por
fase pontual será dada por Zaf = Egf / Iaf , onde Egf é obtido no ensaio a vazio e Iaf é
obtido neste ensaio de curto circuito para um mesmo ponto de excitação “Icampo”. A
reatância síncrona por fase será dada por Xsf = [ ( Zsf )2 - ( Raf )2 ]1/2. Como a tensão
induzida na armadura por fase “Egf” será sempre maior que a tensão nos terminais da
armadura “Vaf”, a reação da máquina síncrona será desmagnetizante e a tensão gerada
irá suprir apenas as perdas de potência internas da máquina síncrona.

Procedimentos

1 – Medir a resistência de armadura por fase “Raf” e corrigi-la para a temperatura de


75ºC, o enrolamento da armadura é de cobre recozido esmaltado;

2 – Fazer a conexão da armadura para 230V (YY) e curto circuitar os terminais de acordo
com o diagrama de montagem:

3 – Acionar o motor de corrente contínua com a velocidade constante e igual à velocidade


síncrona do gerador;

4 – Variar a corrente da armadura “Ia” por dez vezes, até atingir o valor nominal, anotando
as leituras dos instrumentos após cada variação;

Máquinas Elétricas II Página 22


Iaf (A) 0,5 1 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0
Icampo (A)
Zsf (Ω)
Xsf (Ω)

5 – Calcular a impedância síncrona por fase “Zsf” considerando a curva de descida do


gráfico da tensão gerada por fase “Egf” em função da corrente de campo ‘Icampo” (método
pessimista) obtido no ensaio a vazio, construir as curvas de Iaf = F(Icampo) e de
Zsf = F (Icampo), no mesmo gráfico do ensaio a vazio e em escala.

Máquinas Elétricas II Página 23


11ª Aula prática: Paralelismo dos geradores síncronos

Assunto: Operação em paralelo de geradores síncronos trifásicos.

Fundamentos teóricos

Um barramento de potência infinita (BPI) é identificado por manter conectados vários


geradores síncronos trifásicos em paralelo.
Um sistema elétrico operando com o BPI tem pelo menos três vantagens:
a) Possibilita a manutenção de geradores individuais, sem interromper o sistema;
b) Aumenta a confiabilidade;
c) Aumenta o rendimento operacional.

Antes do gerador ser ligado ao BPI, é necessário que ele flutue no barramento, isto
é, não forneça e nem receba potência sincronizante relativo ao próprio barramento. As
condições de flutuação do gerador são:

1) Ter a mesma tensão eficaz do BPI;

2) Ter a mesma freqüência do BPI;

3) Ter a mesma seqüência de fases do BPI;

4) Ter as tensões em oposição de fase.

Uma vez operando ligado ao BPI, a freqüência e a tensão de operação do gerador


são fixadas pelo BPI, conduzindo a duas conseqüências:

a) Haverá troca de potência sincronizante ativa, toda vez que houver uma tentativa
de variação da freqüência da tensão gerada, mantendo assim a freqüência do
BPI;

b) Haverá troca de potência sincronizante reativa, toda vez que houver uma
tentativa de variação da amplitude da tensão gerada, pela variação do fluxo de
campo magnético, mantendo desta forma a tensão do BPI.

Máquinas Elétricas II Página 24


Procedimentos

1 – Executar os diagramas de montagem:

2 – Ligar os instrumentos no painel de sincronismo e girar, no console, o controle de


campo do gerador síncrono e do motor de corrente contínua, totalmente, no sentido
anti – horário para garantir o fluxo máximo na partida do motor de corrente contínua, e o
fluxo mínimo no gerador síncrono;

3 – Ligar o painel de sincronização, acionar o motor de corrente contínua, ajustando a sua


velocidade para a velocidade nominal do gerador síncrono, colocar a ficha de
sincronização, tomada tipo de telefone que habilita o sincronoscópio, o freqüêncimetro e o
voltímetro, correspondente da máquina a ser conectada. Ajustar a tensão, a freqüência e
seqüência de fases da tensão gerada para que se igualem aos parâmetros registrados no
BPI;

4 – Ligar o sincronoscópio e atuar no circuito de campo do motor de corrente contínua até


que ele registre a oposição de fases e neste momento ligar o disjuntor de conexão ao BPI
e desligar o sincronoscópio;

5 – Atuar cuidadosamente nos controles de campo, de forma que a máquina síncrona


forneça ou receba de 0,5 KW de potência ativa em relação ao BPI, anotar as leituras dos
instrumentos.

Máquinas Elétricas II Página 25


12ª Aula prática: Ensaio de carga motor síncrono

Assunto: Ensaio de carga do motor síncrono trifásico.

Fundamentos teóricos

A solicitação de carga ou o ângulo de torque do motor síncrono trifásico pode ser


representado pelos graus elétricos (α ) ou pelos graus mecânicos (β), ambos relacionados
com o número de pares de pólos da máquina síncrona: (α / β) = (P / 2), onde P é o
número de pólos.

A potência total (Pt) do motor síncrono trifásico é Pt = [(3)1/2.Va . Ia . cos θ] ou


Pt = W 1 + W 2, que é constituída pela potência desenvolvida na armadura (Pda) e pela
potência nas resistências do enrolamento da armadura (Prea), onde Pda = Ps + Prot ou
Pda = [3 . Egf . Iaf . cos(ângulo entre Egf e Iaf)] e ainda, Prea = (3/2) . Rlinha . (Ia )2 ou
Prea = 3 . Raf . (Iaf)2.
A perda de potência rotacional (Prot) é obtido no ensaio a vazio, quando a potência
de saída (Ps) é zero: Prot = Pt – Prea – Ps . Para o motor síncrono trifásico “Prot“ é
constante, pois a velocidade “Ns” não varia.
Para qualquer ponto de carga onde Ps ≠ O, essa potência de saída é obtida
facilmente através da seguinte equação: Ps = Pt – Prea – Prot.
O rendimento percentual ( η% ) é a razão entre a potência de saída e a soma da
potência total “Pt” com a potência desenvolvida no enrolamento de campo “Pcampo”, vezes
100%: η% = [( Ps ) . 100%] / ( Pt + Pcampo ), onde Pcampo = Vcampo . Icampo .

O torque mecânico de saída (Ts) dado em N.m é dado por Ts = (9,55 x Ps) / Ns.

Para um motor síncrono trifásico que opera com o fator de potência unitário, o
ângulo de torque (α ), a tensão gerada por fase ( Egf ) e a potência desenvolvida podem
ser calculados para qualquer ponto de carga, desde que se saiba os valores de “Raf” e de
“Xaf”: Egf = [(Vaf – Raf . Iaf)2 + (Xsf .Iaf)2]1/2 e α = arctg (Xsf . Iaf) / (Vaf – Raf . Iaf).

O motor síncrono trifásico que utiliza o enrolamento amortecedor deve ser acionado
inicialmente como se fosse um motor de indução trifásico comum, aplicando-se uma
tensão trifásica no seu enrolamento de armadura e em seguida, aplicando-se uma tensão
contínua no seu enrolamento de campo magnético para sincronizá-lo, e finalmente
ajustando-se essa corrente de campo magnético até obter a corrente mínima no
enrolamento de armadura ou o fator de potência unitário nessa mesma armadura.

Máquinas Elétricas II Página 26


Procedimentos:

1 – Executar o diagrama de montagem e fazer a conexão da armadura para 230V (YY):

2 – Acionar o motor síncrono trifásico, a vazio, sincronizando-o e ajustando o seu fator de


potência para 1 (um), anotar as leituras dos instrumentos;

3 – Variar a corrente da armadura, crescentemente, por quatro vezes, até atingir o valor
nominal, mantendo cos θ = 1, anotar as leituras dos instrumentos e fazer os cálculos
considerando aquele valor da reatância síncrona por fase “Xsf” obtida para o valor de
corrente nominal;

Va (V)
Ia (A)
Icampo (A)
Vcampo (V)
Cos θ
Pt (W)
Prea (W)
Pda (W)
Prot (W)
Pcampo (W)
Ps (W)
η%
Ts (N.m)
Vaf (V)
Iaf (A)
Raf.Iaf (V)
Xsf.Iaf (V)
Egf (V)
α ( º)
Pda (W)
β ( º)

4 – Construir as curvas de η% = F(Ia), Ts = F(Ia), α = F(Ia), Pda = F(Ia) em escala.

Máquinas Elétricas II Página 27


IV – BIBLIOGRAFIA:

2. Almeida, Welington Passos – Apostila de aulas práticas de


Laboratório de Máquinas Elétricas e Acionamentos. Edições
Cefet-
Cefet-MG - Belo Horizonte, janeiro de 2007.

3. Kosow, Irving L. - Máquinas Elétricas e Transformadores -


Editora Globo, Porto Alegre, 1972.

4. Fitzgerald, A. E. - Máquinas Elétricas. Editora McGraw


Hill, Rio de Janeiro, 1995.

5. Toro, Vincent Del. – Fundamentos de Máquinas Elétricas.


Livros Técnicos Científicos Editora, Rio de Janeiro, 1999.

6. Norma NBR 5380 – ABNT

7. Site ABNT – http://www.abnt.org.br

Máquinas Elétricas II Página 28