Anda di halaman 1dari 4

Suportando-vos uns aos outros ou

Processando-vos uns aos outros ?


"Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis de modo
digno da vocação a que fostes chamados, com toda a humildade e
mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos
outros em amor, esforçando-vos diligentemente por preservar
a unidade do Espírito no vínculo da paz" -Efés. 04:01,02 e 03

Este artigo destina-se a mostrar aos cristãos sinceros, o


verdadeiro espírito daqueles "cristãos" de fachada que se valem da
justiça secular para alcançar justiça própria, quando sentindo-se
ofendidos por qualquer motivo, lançam processos judiciais contra
seus irmãos.

A Palavra de Deus , em Isaías 64:6, diz o seguinte :" Mas todos


nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo
da imundícia". Todo cristão, ainda que nominal, é sabedor de que a
única justiça verdadeira vem do Senhor. Isto porque Ele não vê
como vê o homem, pois o "Senhor é O que esquadrinha as mentes
e os corações". A justiça humana, pode-se dizer com efeito que é
cega. Isto é perfeitamente
representado pela imagem da
deusa Themis, o grande símbolo
da justiça do mundo romano. Os
romamos acreditavam que para
cada caso era dado um veredito da
deusa Themis, que fazia parte de
sua divindade pagã . Os olhos
vendados, significava que a deusa
não via cara nem coração,
seguindo extritamente o resultado
obtido pela balança. O resultado
na balança era obtido
exclusivamente através do peso
das evidências.O lado que pesase
mais, este seria o vencedor. Isto já
é uma prova de que a justiça
poderia ser falha, pois se a deusa
não podia ver, não poderia saber
também quando houvesse fraude
na balança.
A espada em sua mão direita, significava que a sentença teria que
ser aplicada após o veredito, o que tornava o sistema ainda mais
falho caso o veredito não fosse justo.
Na verdade, os cristão que depositam sua total confiança na
justiça secular para fazer garantir seus "direitos" , estão
indiretamente dizendo o seguinte:" Hó deusa themis, fazei-me
justiça! " Esquecem-se que apenas aquele que criou o homem
pode fazer a verdadeira justiça . Esquecem-se que o Senhor nos
diz em sua Palavra: "maldito o homem que confia no homem e faz
da carne o seu braço"-Jer. 17:05 , e que " Muitos buscam o favor
daquele que governa, mas para o homem a justiça vem do
SENHOR"-Prov. 29:26. Deixam de confiar no Senhor para confiar
num sistema humano, falho por natureza. Colocam a deusa
Themis diante do Senhor, transgredindo expressamente o
mandamento de Deus, e depois ainda querem inventar teorias
cabrescas, dizendo que a bíblia os autoriza a fazer isso porque que
Paulo apelou para César.

Analisemos a seguir, se realmente a bíblia apoia tal tese:

Paulo Perante o Tribunal de Félix e de Festo

Em Atos 24:01 temos o seguinte relato: "Cinco dias depois o sumo


sacerdote Ananias desceu com alguns anciões e um certo Tertulo,
orador, os quais fizeram perante o governador, queixa contra
Paulo."

Os judeus, enraivecidos contra Paulo, procuravam ocasião para


prendê-lo e depois matá-lo. Estando porém sob o julgo romano,e
sendo Paulo romano, teriam que fazê-lo sob a lei romana. Vemos
portanto que foram os próprios judeus que procuraram a justiça
secular contra Paulo, e pela gravidade das acusações, Paulo era
réu de morte.

Paulo entendeu muito bem que estava prestes a ser julgado por
pessoas corruptas e injustas. Sabia que os judeus o queriam
matar, e mesmo o governador Félix era corrupto e injusto, pois
tinha sido ordenado sua remoção para roma por causa de crimes
bárbaros cometidos contra os judeus. Este mesmo também estava
insinuando a Paulo que por uma soma em dinheiro poderia livrá-lo.

Paulo ficou preso por dois anos, e estando então perante o tribunal
de Festo, o mesmo, querendo agradar aos judeus, lhe perguntou
se queria subir para ser julgado em jerusalém. Paulo sabia que se
assim se suscedesse, sua morte seria certeira, então ele apelou
para que fosse julgado por césar.
Mas porque será que Paulo fez isto ? Será que ele confiava mais no
julgamento de César do que no de Festo ? Certamente que não,
pois Paulo não depositava confiança em nenhum tribunal humano.
Ele fez isto por duas razões:

1. Deus havia dito a Paulo, dois anos antes, o seguinte: " Tem
bom ânimo, porque como destes testemunho de mim em
Jerusalém, assim importa que o dês também em Roma"-Atos
23:11
2. Paulo, sabendo que sua jornada deveria parar em roma,
queria glorificar a Deus preservando sua vida até que
chegasse lá. Foi unicamente por isso que Paulo valeu-se de
um direito que ele possuía por nascimento, para glorificar a
Deus e não a si próprio.

Quando cristãos de fachada usam como argumento o apelo de


Paulo a César, para justificar sua má conduta de recorrer a
tribunais humanos por causa de alguma ofensa sofrida por outro
irmão, eles estão distorcendo completamente o sentido da Palavra
de Deus.

Na verdade, estes mesmos "cristãos" estão agindo de forma


idêntica aos judeus que queriam matar a Paulo. Da mesma forma
como fizeram com Paulo, levando-o perante tribunais, fizeram com
Cristo, devido ao seu acumulado ódio e justiça própria. A srª
White, comentando sobre isto em " Atos dos Apóstolos" à pg. 430
diz o seguinte: " Assim foi que uma vez mais, por causa do ódio
nascido do fanatismo e da justiça própria, um servo de Deus volta-
se para os pagãos em busva de proteção. Foi este mesmo ódio que
forçou o profeta Elias a buscar socorro da viúva de Serepta, e
levou os arautos do evangelho a volver dos judeus, para proclamar
a mensagem do evangelho aos gentios. E este ódio o povo de
Deus que vive neste século terá ainda que enfrentar. Entre muitos
dos professos seguidores de Cristo, existe o mesmo orgulho,
formalismo e egoísmo, o mesmo espírito de opressão que ocupou
tão grande lugar no coração dos judeus. No futuro, homens que
declaram ser representantes de Cristo tomarão atitude idêntica à
dos sacerdotes e príncipes no seu trato com Cristo e os apóstolos."

Paulo Censura o litígio entre os irmãos

Os cristãos de Corinto, estavam constantemente se envolvendo em


brigas e confusões uns com os outros. Por causa do inchaço e
justiça própria, estavam levando seus irmãos aos tribunais
seculares para decidir suas disputas. Paulo então os exorta a não
procederem desta forma, dizendo:" Ousa algum de vós, tendo uma
queixa contra outro, ir a juízo perante os injustos, e não perante
os santos ?...Para vos envergonhar o digo. Será que não há entre
vós sequer um sábio, que possa julgar entre seus irmãos ? Mas vai
um irmão a juízo contra outro irmão, e isto perante incrédulos ? Na
verdade já é uma completa derrota para vós o terdes demandas
uns com os outros. Por que não sofreis antes a injustiça ? Porque
não sofreis antes a fraude ?"- I Cor. 06:01 a 07

As palavras de Paulo são tão claras que não exigem interpretação


de nenhum douto para saber que é vergonhoso e desonroso a um
cristão levar outro a juízo por causa de uma ofensa qualquer. Isto
na verdade só mostra de que espírito é este cristão, pois não
querendo sofrer com paciência a injustiça e deixar a vingança para
Deus, quer fazer-se ele mesmo justiça própria.

Que estes "Cristãos" possam meditar nos seguintes versos, antes


de ir a um tribunal para processar seu irmão por causa de alguma
ofensa cometida:

1. " Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas,


também vosso Pai celeste vos perdoará; se, porém, não
perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai
vos perdoará as vossas ofensas".- Mateus 6:15
2. "E, quando estiverdes orando, se tendes alguma coisa contra
alguém, perdoai, para que vosso Pai celestial vos perdoe as
vossas ofensas"- Marcos 11:25

Marco Antonio de Castro

13.09.2008