Anda di halaman 1dari 16

Intensivo I- Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana

Vamos terminar a classificação das ações... AÇÕES MERAMENTE DECLARATÓRIAS É aquela ação em que se busca a declaração da: • Existência; • Inexistência; • Modo de ser  de uma relação jurídica.

Obs.: o Código prevê a ação meramente declaratória para existência ou inexistência. Fredie acrescentou modo de ser, o qual é um acréscimo que a doutrina faz. É por isso que existe a Súmula 181 do STJ: é admissível ação declaratória visando a obter certeza quanto à interpretação de cláusula contratual. Súmula: 181 E admissível ação declaratória, visando a obter certeza quanto a exata interpretação de clausula contratual.

Portanto, é uma ação para estabelecer o modo de ser de uma relação jurídica.

Obs.: de acordo com este conceito, não cabe ação meramente declaratória de um fato. Não posso ir ao Judiciário para declarar um fato, ex.: sol se pôs, o sujeito é doente. A ação declaratória é relação jurídica, e não de fato. Há uma exceção: a ação meramente declaratória de autenticidade ou falsidade de documento. Neste caso, é um caso de ação meramente declaratória de fato. Tudo que foi dito está no caput, do art. 4º, CPC. Art. 4o O interesse do autor pode limitar-se à declaração: I - da existência ou da inexistência de relação jurídica; II - da autenticidade ou falsidade de documento. Parágrafo único. É admissível a ação declaratória, ainda que tenha ocorrido a violação do direito. Obs.: há uma frase doutrina que vez ou outra aparece nas provas: o Poder Judiciário não é órgão consultor: não posso me dirigir ao Judiciário para fazer uma consulta sobre determinado tema Jurídico. O Judiciário só resolve problemas
1

Ação de reconhecimento de união estável.: exemplos de ações meramente declaratórias: o o o o o Ação de usucapião.Intensivo I. O que se quer é apenas a certificação.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana concretos. Por isso que não há prazo de prescrição. que as ações meramente declaratórias são imprescritíveis. o qual possui uma função consultiva.: consulta o que os partidos fazem sobre as eleições. Ação de consignação em pagamento. Não pode servir como consulta. 2 . Ação para declarar a inexistência de relação jurídica tributária. Na condenatória se quer a certificação e a efetivação de um direito a alguma prestação. como ela se distingue das outras: • Na ação constitutiva você quer a certificação. exatamente porque se quer apenas certificar. Obs. Notem que.: percebam que o objetivo da ação meramente declaratória é dar certeza jurídica. • • Todas essas 5 observações é o básico sobre ação meramente declaratória. Com ela se pretende apenas certificar direitos. Ex. Obs. Exceção (que não nos interessa no estudo de processo civil): a Justiça Eleitoral. É por conta disso. Porque com elas não se pretende efetivar direito algum. Na declaratóriasó certificação. mas também a efetivação do direito potestativo. Ação declaratória de constitucionalidade.

. e isso foi ao Tribunal Federal de Recurso (TRF). Após isso. pois ficamos pesando: o que levaria o sujeito. sempre que pedir para explicar o parágrafo único do art. pedir uma declaração ? Esse dispositivo é um conto de fadas!!! (rs) Parágrafo único. o sujeito se quiser. O código disse que seria possível. O parágrafo único. logo após a morte do marido. CPC  induzem ao direito a uma prestação.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana Tema diferenciado. Ele foi apanhado numa noite. suicidado nos porões da ditadura militar brasileira. Ela é exatamente a Clarice da música “O bêbado e o equilibrista” cantada por Elis Regina.. o pessoal sem saber o que fazer. pois pela primeira vez. O Tribunal concedeu o pedido dela. A União em sua defesa alegou falta de interesse. É um clássico.missa ecumênica: 30. E este é objeto de ação condenatória. Coisa estranha. Vem o Código.  **O parágrafo único. História. jornalista da TV cultura.) Um dos momentos mais marcantes da ditadura militar brasileira foi a morte de Vladimir Herzog. É admissível a ação declaratória... 4º. Então. art. Um marco da ditadura. Se valeu do art. Clarice resolve. porém. para reconhecer e efetivar os direitos. entrar com uma ação contra a União para obter o reconhecimento da responsabilidade da União pela morte de seu marido. e disse que. pois ele não tinha se suicidado (o judaísmo proíbe que suicidas sejam enterrados em seus cemitérios).Intensivo I. é uma ação meramente declaratória ajuizada. montou a cela dele supostamente enforcado por si próprio. E não pediu a condenação. Foi um escândalo à época. do art. Se eu tenho direito a uma prestação que foi violado. levado em um lugar. ainda que tenha ocorrido a violação do direito. eu proponho ação condenatória. parágrafo único do CPC. ele permite uma ação meramente declaratória de um direito já exigível. No outro dia. ele pode optar por uma ação meramente declaratória. A mulher de Vladimir chama Clarice Herzog. a classe média brasileira não gostou do que viu. podendo pedir uma condenação. a violência da reação do povo: missa do sétimo dia foi na Catedral da Sé . e 3 . e submetido à tortura. após 11 anos de ditadura. 4º. Este foi. pois ela deveria entrar com a Condenatória. O rabino disse que Vladimir iria ser enterrado no cemitério dos judeus. 4º. 4º.000 pessoas assistindo a missa.  (você deve contar obrigatoriamente no concurso. quando já se poderia ter sido ajuizada uma ação condenatória.

Art. não precisava de uma ação condenatória. 475-N. 4 .Intensivo I.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana condenou a União. 475-N. Ela tem uma coisa julgada no sentido de que a União foi a responsável pela morte do marido. Art. Liquidava o valor. quando houvesse o reconhecimento de um direito a uma prestação. Mas. ou no máximo liquidar. E a coisa vinha assim. Rompeu com um dogma. CPC. pois só com uma sentença condenatória ela poderia executar. depois de ganhar a declaração de que a União era responsável. o Código de processo foi alterado. Em 2005. Se a sentença meramente declaratória declarasse a existência de um direito a uma prestação. São títulos executivos judiciais: I – a sentença proferida no processo civil que reconheça a existência de obrigação de fazer. ela poderia ser executada. jurisprudencialmente falando até 2005. Isso era a visão que mais era defendida à época. Na doutrina. pode depois vir cobrar o direito? R. pois acreditavam que só a sentença condenatória que poderia abrir uma execução. e neste caso. se aquele que ganhou quisesse agora a efetivação do direito teria que voltar a juízo. poderia começar executando. não precisa executar. Se já há coisa julgada de que deve. ninguém deu muita bola. só faltava uma ação para efetivar o direito. Se o direito já estava indiscutível pela coisa julgada. entregar coisa ou pagar quantia. batesse uma vontade de pedir uma indenização: O que ela teria de fazer? **Aquele que entra com uma ação meramente declaratória quando poderia ter entrado com uma condenatória.: A doutrina TRADICIONAL dizia que. e o STJ começou a admitir a possibilidade de execução de sentença meramente declaratória. então surgiu a seguinte pergunta: e se. e propor uma ação condenatória para isso. inciso I. O STJ começou a evoluir. e executava depois. Quebrou-se com isso. a doutrina da época não conseguia enxergar isso. não fazer. um dogma de que só as sentenças condenatórias poderiam ser executadas. O tempo foi passando.

embora possa efetivar o direito. tenho que arcar com as conseqüências: Não interrompe a prescrição. e foi aprovado. Esse parágrafo foi escrito por Freddie. não há o que burlar. se isso que você está dizendo foi verdade. isso não poderia ser usado como uma burla à prescrição ? R. 5 . pois a sentença que reconhece prestação de uma obrigação é título executivo. Veja. não é inconstitucionalidade formal. Executar é diferente. pois só quero a certificação. é preciso que haja mudança normativa. mas isso não alterou o conteúdo. Tem prazo. Para se provar a inconstitucionalidade formal. Agora. Freddie defende o texto. o STJ já admitia essa mesma conclusão. pois foi ele quem escreveu. Ora. Mudou-se a redação do Senado. Julgo improcedente o pedido para declarar que o tributo é devido. Logo. não pode interromper a prescrição. optei apenas para o reconhecimento. Se posso chegar a mesma interpretação. *(Questão): Freddie. No texto da lei anterior. que era o pedido de declaração negativa. Esse texto foi acrescentado no Senado (com emenda de redação). estou dizendo ao juiz que. Então. pedir a condenação haveria prescrito. eu poderia ter pedido: juiz reconheça ou efetive. o Estado (que era réu) pegou essa sentença meramente declaratória e executou. e não voltou para Câmara.Intensivo I. O texto se inspirou nessa jurisprudência do STJ. e me disse também que as condenatórias são prescritíveis.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana Não há mais sentença condenatória como havia antes. pois não busquei efetivar o direito. não houve mudança normativa. **Se Clarice fosse hoje. Logo.: Pedir a mera declaração é imprescritível. Ora. você me disse que as ações meramente declaratórias são imprescritíveis. a mudança é de redação. pois não posso executar a qualquer tempo. Mas. só quero o reconhecimento. Houve quem dissesse que o artigo era inconstitucionalidade formal.: TJ/SP repercutiu muito no Brasil: o contribuinte foi a juízo pedir a declaração da inexistência de relação tributária. Qualquer sentença que torne certa uma obrigação é título executivo. se falava em sentença condenatória. se a mudança é de redação. quando já poderia ter entrado com uma condenatória. significa que ele deve o tributo. se eu puder executar uma sentença meramente declaratória. Transitou em julgado. se o juiz julgou improcedente o pedido. Freddie não concorda com esse argumento porque conforme ele disse de acordo o texto antigo. Esse julgado repercutiu muito. Fofoca: era um projeto de um instituto do qual Freddie fazia parte. Ex. O STJ disse: está certo o Estado. O juiz julgou improcedente o pedido. Se entro com uma ação meramente declaratória.

Isso é o grande aspecto a ser estudado. Num texto sobre sentença declaratória muitíssimo famoso. Se esse é o fato gerador do processo.Intensivo I. PRESSUPOSTOS DE EXISTÊNCIA “Para que um processo surja. Pode achar no GOOGLE também. é preciso que alguém demande perante um órgão jurisdicional”. ___________________________________________________________ PRESSUPOSTOS PROCESSUAIS O grande encontro sobre pressuposto processual é a sua classificação. Alguém demandar perante um órgão jurisdicional. Quem desenvolveu essa ideia que acabou vingando no STJ. Esse texto fundamentou esta mudança do inciso I.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana *Toda ação meramente declaratória pode gerar execução? R. Fredie recomenda muito essa leitura. Esse é fato jurídico gerador do processo. Este texto.  Pressupostos de validade do processo. Somente a ação meramente declaratória que reconheça uma obrigação exigível. foi um Ministro do STJ. Uma ação meramente declaratória de autenticidade de documento. não vai gerar execução alguma. Se isso acontecer o processo flui. chama-se TEORI ZAVASCKI. A classificação dos pressupostos processuais divide-os em:  Pressuposto de existência do processo.: Não. processualista famoso. somente nas ações meramente declaratórias de direitos exigíveis. o qual defende a possibilidade de execução de sentença meramente declaratória. Assim como a ação meramente declaratória de interpretação de contrato. é hoje um clássico. dele podemos extrair os 3 pressupostos processuais de existência: 6 .

ou não se tem !! **Então quem tem a capacidade de ser parte? Todos os sujeitos de direito tem personalidade processual. ou não se tem capacidade de ser parte. e todos os órgãos tem capacidade de ser parte). E a capacidade de ser parte.: As pessoas físicas e jurídicas. Tribunal de Contas. É também chamada de PERSONALIDADE JUDICIÁRIA. a massa falida. as tribos indígenas. significa que a personalidade vai além da morte. 2. ele tem capacidade de ser parte. mas o ato de instaurar o processo. ou se tem. Temos que fazer 2 observações sobre elas: Obs. Que dê início ao processo. pois todos a tem!! Difícil é saber quem não tem capacidade de ser parte!! A doutrina diz: não tem capacidade ser parte: O MORTO e os ANIMAIS. Não há gradação!! Não existe capacidade para ser parte para uma coisa. o processo não existirá. o condomínio. Defensoria Pública. Demanda é o ato de instauração do processo.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana 1.1: hoje é pacífico que o natimorto tem direito ao nome e a sepultura. Existência de órgão jurisdicional para que o processo exista é preciso que haja um órgão jurisdicional. e se for um bom entendimento. Capacidade de ser parte  é a aptidão para ser sujeito do processo. Câmara de Vereadores todos são órgãos administrativos. ATENÇÃO!! Saber o rol daqueles que tem capacidade de ser parte é fácil. E quem são os sujeitos de direito? R. a herança jacente. para garantir ao morto 7 . se em tese. Alguns autores colocam como se fosse “o pedido” como pressuposto. O natimorto tem direito. 3. e não como indigente!! Dúvida se isso for verdade. e me parece que é. morto tem direito!! Quebra o dogma de que a personalidade termina com a morte. os órgãos administrativos (Ministério Público. mas na verdade não é o pedido. o nascituro (que é sujeito de direito). algo puder ser parte no parte no processo.Intensivo I. é um atributo absoluto. ou seja. aparentemente poderia perder o sentido. Então. Isso é uma lição antiga!! E. Sem esse ato que dê início ao processo. É um atributo absoluto!! Ou se tem. Deve ser enterrado como gente. e não para outra.

quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo. a lição antiga tem de ser revista. São os gorilas. E se o morto tem direito. 8 . Obs. defendendo que os animais também têm direitos. pelos menos os grande primatas. 267. posso até discordar. não eram todos. pode ser reconhecida de ofício pelo juiz. É como se fosse uma ultra eficácia dos direitos à personalidade. § 3o O juiz conhecerá de ofício. no dia-a-dia são utilizados. ou seja. A ideia de direito humano deveria se estender aos humanos e humanóides. Obs. porque havia aqueles que tinham direitos. Existe. Isso no Brasil tem repercussão. A abolição foi a transformação da coisa em sujeitos. em razão da usa semelhança genética com os homens.232. da matéria constante dos ns. orangotango. pongos. o réu que a não alegar. pois são correntes sérias!!!! PRESSUPOSTOS DE VALIDADE São os que. dizem respeito aos pressupostos de validade. art. enquanto não proferida a sentença de mérito. uma revista de direito animal. na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos. de 2005) IV . V e Vl. Não se assuste se no concurso aparecer: os que são “requisitos de processuais”?! Obs. não ignorar. mas.: alguns autores preferem chamar os pressupostos de validade de “requisitos processuais de validade”.: costuma ser dito que. chimpanzés. responderá pelas custas de retardamento. Extingue-se o processo. Todas as discussões sobre pressupostos processuais. a falta de um pressuposto processual. 267. IV. sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.Intensivo I.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana direito que ele tem. CPC. alguns escravos no Brasil eram tratados como coisas. Mudou a natureza jurídica!! Há um movimento filosófico.2: Vocês sabem que. no Brasil. muito forte no EUA. Isso está inclusive no §3º. em qualquer tempo e grau de jurisdição. que defende o abolicionismo animal. todavia. Art. Veja.

ela pode ser ignorada. Mas. uma regra. dizendo o seguinte: que se a falta do pressuposto processual não ocasionar prejuízo. não há qualquer problema. A ideia é: aplicar ao examine dos pressupostos processuais o sistema das invalidades. inciso IV.quando o juiz acolher a alegação de perempção. a legitimidade das partes e o interesse processual. se antes examinar os pressupostos processuais. e Marinone. Mas. Esta.: costuma ser dito que a falta de um pressuposto processual gera extinção do processo. o juiz poderia ignorar este fato. cuja falta não podem ser conhecidas de ofício pelo juiz. Exemplo de 2 pessoas: Bedaque é titular da USP defende isso com todas as letras. haveria uma prioridade no exame dos pressupostos processuais em relação ao exame de mérito. Atualmente. Obs. é de que a falta de pressupostos processuais podem ser conhecidas de oficio pelo juiz. a regra. OU seja. Percebam que. mas se for julgar o mérito a favor do réu. pela falta de um pressuposto processual. esta regra tem exceções. Como acontece no caso da incompetência. não gera extinção do processo. É portanto. e o mérito ser examinado. Veja. de acordo com isso.quando não concorrer qualquer das condições da ação. que todos aprendem na faculdade. Isso está inclusive no art. há um defeito. É o que acontece com a incompetência relativa. 267. e com a existência de compromisso arbitral. Há pressupostos processuais. vários doutrinadores estão revendo este dogma. a falta de um pressuposto processual não permite o exame de mérito. Só podem ser conhecidas por provocação. há exceções: há casos em que a falta de um pressuposto processual não gera extinção do processo. como a possibilidade jurídica.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana V . se for para julgar improcedente o pedido. Vl . Exemplos de aplicação desse entendimento: imagine que o réu não foi citado (isto é um grave defeito processual). Então. segundo o qual não há nulidade sem prejuízo. 9 . Não vou invalidar um processo.: existe um dogma de que a análise dos pressupostos processuais devem preceder à análise de mérito. se isso não causar prejuízo.Intensivo I. Obs. litispendência ou de coisa julgada. e não e oficio. O juiz só pode examinar o mérito.

Dica. as regras do procedimento. Este é um ato processual que tem que ser respeitado.1) Relacionados ao juiz se dividem em :  Competência.Intensivo I. b) Pressupostos subjetivos se dividem em: b. b. Ela tem toda a vida acadêmica do sujeito. Serve para duas coisas: 10 ..  Capacidade POSTULATÓRIA. pois ele tem um duplo propósito no processo.  Imparcialidade. se fosse para julgar a favor do incapaz. do pondo de vista acadêmico. Tudo isso é aplicação desta concepção que recebeu o nome de: instrumentalidade substancial das formas (ou do processo). e o MP não foi intimadograve defeito. Feitas estas considerações.2) Relacionados às partes se dividem em:  Capacidade PROCESSUAL.: causa envolvendo o incapaz. É dentro deste rol que se encaixa a precisão da citação.. É preciso que a Petição Inicial seja apta. Houve um concurso do ES que perguntaram isso. Há um lugar na net muito adequado para este tipo de pesquisa: www.br  acessar o link da plataforma LATTES= uma espécie de Orkut acadêmico. Quem deu essa designação foi Daniel Hertel (ES). O juiz poderia ignorar esse feito. que não haveria prejuízo. Tudo que ele fez na vida ele. vamos examinar cada um dos pressupostos de validade: os pressupostos de validade se dividem em: a) Pressupostos objetivos se dividem em:  Extrínsecos.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana Ex. Foi um nome já atribuído para essa concepção teórica. e se respeitem os prazos.cnpq. PRESSUPOSTOS OBJETIVOS INTRÍNSECOS É o respeito às regras procedimentais.  examine a banca examinadora.  Intrínsecos.

Tereza Wambier. o pensamento é outro: se tem um entendimento de que a citação é um pressuposto de existência do processo. posto que não seja majoritário. A USP. surge o seguinte problema: qual a natureza da sentença proferida contra réu revel não citado ou citado invalidamente? R. e serve para que o processo seja eficaz para o réu. além disso. mas já caiu no concurso (prova CESPE) !! *Partindo dessa divisão teórica. Preste atenção !! Na PUC/SP (onde estão Arruda Alvim. a citação é um requisito de validade da sentença proferida contra o réu. com a citação. é a concepção majoritária. E. é um mas é gravemente defeituosa. A citação ele faz com que o processo passe a produzir efeitos para o réu. O processo sem a citação do réu é ineficaz. Mas. e o processo não existe?? Se o réu não foi citado. apelar. RS. Esse pensamento é muito consolidado na PUC. até a citação do réu.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana 1º. MG não pensam isso!!! Não dá para admitir esse pensamento. O processo só existiria com a citação. Nelson Nery. Essa concepção: de que a citação é um requisito de validade. **O processo nasce com a provocação do autor: o autor pode recorrer.Intensivo I. a citação é uma condição de eficácia do processo para o réu. Nesse sentido. não é o pensamento majoritário. A citação serve para validar o processo a partir dela. PR. não produz efeitos para ele. nada jurídico. para que o processo existia é preciso que houvesse citação. O processo.Essa sentença é NULA. RJ. para o réu não existe !! Isso é um grave erro. Cassio Scarpinella). O processo só produz efeitos para o réu. embora já tenha sido cobrado em muitos concursos.: Veja Sentença contra réu revel não citado: (Fredie) PUC . 11 . existe . ou seja.A sentença é INEXISTENTE. e não inexistente! Por essas e por outras.

Para PUC é caso de inexistência. porque é um caso de um defeito tão grave que pode ser aguído mesmo após o prazo da rescisória. se o processo correu à revelia. Art. Para a corrente de Fredie o caso é de vício TRANSRECISÓRIO. 741. quer porque é inexistente. A impugnação somente poderá versar sobre: I – falta ou nulidade da citação. A conseqüência prática: Para corrente de Freddie: se chegar na execução. Ambos entendem que. 475-L. I. Não havendo prazo para exercício. E ambos se valem do mesmo texto de lei para isso: art. se o processo correu à revelia. Na execução contra a Fazenda Pública. se chama para ambos: QUERELA NULLITATIS. o meio para impugnação disso previsto nesses dispositivos. para outros é inexistente. I. pois se ambos se fundamentam no mesmo artigo.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana Ambos defendem que esta sentença pode ser impugnada a qualquer tempo. para uns é ação de nulidade. 475-L. e o réu não alega o defeito PRECLUSÃO. mas. Art. O problema até aqui é terminológico.Intensivo I. os embargos só poderão versar sobre: I – falta ou nulidade da citação. se ele vem a juízo na execução e não alega  PRECLUSÃO (tem que alegar no primeiro momento em que ele chega aos autos). e o art. Pode-se alegar a qualquer tempo. 12 . ambos servem como fundamento para defender a tese de que é possível impugnar isso a qualquer tempo. É o nome da ação de impugnação da sentença nula ou inexistente (depende da corrente que se adota). Para corrente da PUC: não existe isso !! Veja nosso dilema na prova: *(Concurso de Procurador do Estado em SP): A prova prática era fazer a peça de impugnação no caso em que o Estado foi condenado sem ser citado. dizer que é inexistente ou nulo é briga de nome. 741. terminológica. quer porque é nula.

é unânime o entendimento de que cabe uma ação autônoma de querella nulitattis. 3 !! (Estudar !!) Querella  não veremos mais. Mas.: O Estado de SP vai propor uma QUERELA NULITTATIS para pedir: a declaração de inexistência ou invalidação da sentença? (analisar quem é o examinador).executividade? R. Isso é o que se deve saber como querella. O que reforça a ideia de que se trata de pressuposto de validade. NÃO podem acontecer para que o processo seja válido. Por isso.: 13 . e não como defesa na execução. está prevista como defesa na execução. como qualquer defesa na execução. Fredie: posso alegar isso em exceção de pré. Então a querella nulitattis pode assumir várias formas.: Sim. sobre querella nulitatis há um capítulo inteiro no vol. REQUISITOS OBJETIVOS EXTRÍNSECOS Os pressupostos extrínsecos são fatos “estranhos” ao processo que. Temos que estar preparados para ambos: vamos para o concurso com o arsenal !!!!! GUERRA !!!!!  A previsão da QUERELLA.Intensivo I. Ex. Como foi o caso desse exemplo do concurso de SP. Tereza Wambier (PUC) declarar inexistência da sentença. Pode ser como ação autônoma. em ambos os dispositivos. Livro do Fredie: a discussão sobre citação como pressuposto de validade.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana R. são também chamados de pressupostos negativos.

ou seja.Intensivo I. não litispendência para que o processo seja válido. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS Os pressupostos subjetivos relacionados ao juiz: competência e imparcialidade. pode haver o Inexistência de coisa julgada. o Inexistência de convenção de arbitragem. que chama impedimento processual. a. *(Concurso): São pressupostos processuais extrínsecos: Litispendência. Há outra galera. coisa julgada.: alguns autores chamam os pressupostos extrínsecos de impedimentos processuais. Para que um processo seja válido. como a incompetência relativa. coisa julgada. e usa essa designação “impedimento processual” para os pressupostos cuja falta não possa ser reconhecida de ofício. Barbosa Moreira pensa assim!! Afrânio Jardim (processo penal) para ele os pressupostos extrínsecos são condições da ação. são na verdade condições da ação. as outras assertivas eram bizarras !!!! Obs. e perempção (era a resposta CERTA) A litispendência é pressuposto extrínseco? O que é pressuposto é a inexistência de litispendência.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana o Inexistência de litispendência. os pressupostos negativos. não pode haver litispendência. Obs. já estudamos. Relacionados às partes: 14 .: para autores mais antigos. Mas.

tem capacidade processual. As conseqüências da falta de capacidade processual: • • O juiz deve mandar suprir o defeito. 13. é capaz civilmente. por isso que. o conceito é muito semelhante ao conceito incapacidade do direito civil. ele não tem capacidade processual. Se o defeito não for corrigido. o É possível ter capacidade processual para uma coisa. sob o seguinte fundamento: elas tinham de estar em 15 . o prosseguimento do processo à revelia. Mas. o juiz vai determinar a extinção do processo (se for o autor). Art. Assim como a capacidade civil um sujeito de 16 anos não tem capacidade para dirigir. Olhe essa diferença: nem sempre quem tem capacidade civil. e a expulsão do terceiro (se for o terceiro). marcará prazo razoável para ser sanado o defeito. é a aptidão para a prática de atos processuais independentemente de representação. art. tem capacidade processual. e não ter para outra. mas tem para votar. suspendendo o processo.Intensivo I. As conseqüências variam conforme o sujeito não tenha capacidade processual. Verificando a incapacidade processual ou a irregularidade da representação das partes. também chamada de capacidade para estar em juízo. Notem que. 13. ou LEGITIMATIO AD PROCESSUM. CPC. há exceções: veja: o sujeito casado. Diferentemente da capacidade para ser parte ou capacidade processual pode ter para uma coisa e não ter para outra. A noção de capacidade processual está intimamente relacionada com a noção de capacidade civil.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana CAPACIDADE PROCESSUAL capacidade processual. a capacidade processual comporta gradação. (se for o réu). o juiz. A regra é quem tem capacidade civil. mas em alguns casos. Há uma afirmação doutrinária antiga que dizia que as PJs eram processualmente incapazes.

quando um órgão da PJ está em juízo. No concurso de MP: na peça: “MPF vem.Intensivo I. lindíssima!!! Essa foi dedicada à ex-mulher de Caetano. Ex. neste ato. PRESENTADO pelo Procurador da República tal. Carne da palavra é a concretização da palavra. não está representando a PJ. É visualizar o que diz a palavra.Aula 09 – 06/04/2009 Freddie Didier Processo Civil Rosana juízo com seus representantes: isso está superado. Há uma música de Caetano. e não de representação. Ele é a PJ. Trata da palavra AMOR. chamada “ESSE AMOR”. São diferentes!!! o REPRESENTAÇÃO há uma Representante e representado. Ela é o AMOR. Nessa música há um trecho da canção que diz: carne da palavra. Palavra é uma abstração. O Amor resolveu (substantivo Abstrato) concretizar-se. Essa pergunta é um clássico: E o segredo é: relação orgânica é uma relação de PRESENTAÇÃO.. de 1989. Isso tem tudo haver com PRESENTAÇÃO. Essa ideia se concretiza no órgão dela. e o órgão é o caso da PJ.: mão de Freddie. Ela é a concretização. Ela PRESENTA o amor.. e não representa !!! 16 . relação entre dois sujeitos: o PRESENTAÇÃO a relação não é entre dois sujeitos. O órgão presenta o sujeito. Então. mas entre um sujeito e o seu órgão. A relação é de PRESENTAÇÃO. por uma razão: não se pode confundir REPRESENTAÇÃO com PRESENTAÇÃO.”.