Anda di halaman 1dari 6

for the knowledge of the duration and intensity of the os e outro grupo que participava de três sessões diárias de

physical activity; c) With regards to the manner and dez minutos de atividade física moderada com intervalos
frequency, the Freshmen presented a better level. As such, de pelo menos quatro horas, constataram que tanto o grupo
we suggest that, at the tertiary level of Physical Education da atividade contínua como o de atividade acumulada apre-
Course, more information be provided firstly, on the sentaram melhora significativa do VO 2máx .. Outra
frequency, then the manner and finally the ideal intensity constatação deste estudo foi a utilização da intensidade
of the exercises. moderada, diferente aos tradicionais estudos que utiliza-
vam a intensidade vigorosa, assim concluiu-se também que
KEYWORDS: Physical activity, health advocating, level a atividade física de intensidade moderada pode mostrar
of knolwedge, Physical Education Profressionals. siginificantes efeitos fisiológicos após um período de trei-
no.
Em outro estudo similar, JAKICIC et al. (1995)
buscaram verificar o efeito também para a aderência e per-
da de peso de mulheres obesas. 0s resultados demonstra-
Introdução ram uma maior aderência ao programa de atividade física
acumulado em relação ao grupo de atividade contínua e
Há muitos anos a relação da atividade física com a consequentemente maior perda de peso. Resultados seme-
saúde é estudada, porém apenas nas últimas décadas com a lhantes foram encontrados por MURPHY and HARDMAN
realização de estudos epidemiológicos pode-se verificar (1997).
realmente a importância da atividade física para a manu- Visto isto, um grupo de especialistas foi reunido
tenção e promoção da saúde (US Departament of Health pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA
and Human Services, 1996). - CDC e o Colégio Americano de Medicina Esportiva -
A atividade física foi definida por CASPERSEN, ACSM com o intuito de desenvolver uma mensagem ba-
(1989) como qualquer movimento voluntário que resulte seada nas últimas evidências científicas para a divulgação
em gasto energético, assim o exercício seria um tipo espe- da atividade física à população. Desta reunião surgiu a ori-
cífico de atividade física que deve necessariamente envol- entação de que “ todo adulto deve pelo menos acumular 30
ver regularidade e planejamento, tendo assim freqüência, minutos de atividades físicas de intensidade moderada na
duração e intensidade definidas, objetivando a melhora da maioria dos dias da semana”(PATE et al. 1995).
aptidão física, que MATSUDO,V.K.R. (1992), define como Naquele artigo foi salientada a importância de in-
a capacidade que um indivíduo tem de desempenhar as fun- formar à população que os benefícios da atividade física
ções quotidianas necessárias, sem que haja desequilíbrio podem também ser alcançados através de atividades acu-
de sua integridade bio-psicossocial. muladas durante o dia e com intensidade moderada. Entre
Tendo esses conceitos definidos, podemos então as atividades sugeridas estão pequenas mudanças no dia a
dizer que tradicionalmente se recomendava que uma pes- dia, como subir escadas ao invés de usar o elevador, andar
soa se envolvesse por 20 a 60 minutos em atividade física curtas distâncias ao invés de usar o carro, assim como aos
moderada a intensa ( 60% a 90% da freqüência cardíaca que preferirem atividades mais formais e vigorosas, como
máxima ou 50% a 85% do consumo máximo de oxigênio – nadar como pedalar ou jogar tênis são recomendadas.
VO2máx.), realizadas por três ou mais vezes por semana ( Essas recomendações foram aceitas por várias ins-
ACMS, 1990). tituições como a Organização Mundial de Saúde (OMS),
No entanto, é bom ressaltar que essa recomenda- Conselho Internacional de Ciências do Esporte e Educação
ção era baseada em estudos que investigavam a melhora da Física (ICSSPE), Centro de Controle e Prevenção de Do-
aptidão física após uma atividade estruturada e de intensi- enças dos USA - CDC, Colégio Americano de Medicina
dade vigorosa (PATE et al. 1995). Esportiva (ACMS), Federação Internacional de Medicina
Esportiva (FIMS) e Associação Americana de Cardiologia
BLAIR AND CONNELLY (1996) consideram
(AHA) (MATSUDO, S and MATSUDO V. 2000).
errada a posição de certos cientistas, que defendem uma
dicotomia quanto aos efeitos da atividade física: uma ação Por outro lado, evidências mostraram que no mu-
da atividade física na promoção da saúde e outro no qual a nicípio de São Paulo, 69,3% da população seria sedentária,
atividade física melhora a aptidão física. Conforme aque- contra 37,9% de tabagistas, 33,3% de hipertensos, 18% de
les autores a atividade física trabalha com padrões biológi- obesos e 7,7% de alcoólatras. Observando estes dados, per-
cos múltiplos promovendo tanto a saúde como a função. cebemos que o sedentarismo é o principal fator de risco
Assim por exemplo uma pequena quantidade de atividade para a saúde desta população, pois além de ser o fator que
física pode influenciar positivamente o sistema fibrinolitico, mais prevalece na população, uma vida mais ativa possibi-
reduzindo o risco de problemas cardíacos, porém se au- litaria que a incidência dos outros fatores de risco também
mentarmos a quantidade ou intensidade da atividade física, diminuíssem (REGO, 1990).
isto pode levar a ocorrer o fortalecimento do miocárdio, Com estas evidências, aqui no Brasil a Secretária
melhorando a aptidão cardíaca e as chances de sobreviver a da Saúde do Estado de São Paulo em conjunto com o
um ataque cardíaco . Celafiscs e dezenas de instituições parceiras, procurou or-
DEBUSK et al. (1990), comparando um grupo que ganizar um programa que divulgasse uma mensagem que
realizava atividades moderadas por trinta minutos contínu- atingisse toda a população. Assim, foi implantado em fe-

32 Rev. Bras. Ciên. e Mov. Brasília v. 9 n. 3 p. 31-37 julho 2001


vereiro de 1997 o Programa Agita São Paulo, tendo como ZAMAI e col. (1999) verificaram que 69% dos
objetivos fundamentais; a) aumentar o nível de conheci- adolescentes escolares de Campinas não sabiam o que se-
mento sobre os benefícios da atividade física para a saúde ria atividade física e saúde e 54% reportam que no período
e; b) de aumentar o nível de atividade física da população escolar não aconteceram discussões sobre o assunto.
(ANDRADE, 1997; MATSUDO, 1997; Governo do Esta-
Tudo isso confirma que o profissional de educa-
do de São Paulo, 1998).
ção física necessita saber os conceitos sobre a atividade fí-
O desejo de conquistar a qualidade de vida é cada sica para a manutenção e promoção da saúde, para que a
vez maior entre a população e assim a preocupação com a população, tanto crianças, adultos e idosos, possa adotar
atividade física e a sua relação com a saúde é também cada conscientemente um estilo de vida mais saudável, comba-
vez maior na sociedade em geral e entre os pesquisadores tendo os malefícios do sedentarismo, devendo ser ampla-
de ciências do esporte, dentre os quais vários professores mente discutido na formação acadêmica .
de educação física. Assim, qual seria a responsabilidade do
Vários estudos têm mostrado que o nível de co-
professor de educação física na relação atividade física e
nhecimento do novo paradigma da atividade física para a
saúde, junto a população em geral?
promoção da saúde é baixo em vários grupos da nossa so-
LIMONGELLI (1996) entende como responsabi- ciedade.
lidade do profissional, a obrigação de responder pelas con-
MATSUDO e col. (1997) verificaram que os estu-
seqüências de seus próprios atos assim como de outros de
dantes do 4º ano de educação física seguem a recomenda-
sua profissão. MARIZ DE OLIVEIRA (1995) cita que a
ção tradicional de atividade física para promoção da saúde.
responsabilidade do profissional de educação física seria a
de: “... disseminar e aplicar conhecimentos teóricos e prá- No entanto, o estudo de MICHELLUCCI e col.
ticos sobre a motricidade humana , que permitam o ser (1997) mostrou que o nível de conhecimento sobre ativida-
humano a melhora de suas possibilidades e capacidades de física para a promoção da saúde de agentes da saúde
para mover-se da melhor forma possível e de capacitar o bem como de profissionais de educação física é menor do
indivíduo a uma melhor qualidade de vida”. que a população em geral. BRACCO e col. (1999) também
observaram que a maioria dos profissionais da área da saú-
Assim observamos que uma das funções do pro-
de não conhecia a nova recomendação.
fissional de educação física , é a de possibilitar com a prá-
tica da atividade física uma melhora da saúde individual e ANDRADE e col. (1999) buscando verificar o
também a conscientização do mesmo sobre isso. impacto de uma palestra no nível de conhecimento de pro-
fessores de educação física, concluíram que mesmo após
Nesse sentido, outro autor cita como papel do pro-
uma palestra, 91,8%, dos alunos tinham uma classificação
fissional de educação física o “... de agente renovador e
equivocada para freqüência, duração, intensidade e modo,
transformador da comunidade onde ele freqüentemente
de acordo com a nova recomendação de atividade física
exerce uma liderança natural...” ( MEDINA 1983, apud
para a promoção da saúde.
MARIZ DE OLIVEIRA,1988, p.52 ) .
Em um recente estudo realizado na Inglaterra para
Recente estudo realizado por BANKOFF e col.
avaliar a mensagem da campanha de intervenção popula-
(1999) verificou que os profissionais de educação física
cional semelhante ao Programa Agita São Paulo, verificou-
acreditam que o tema atividade física e saúde deve fazer
se que 69% dos profissionais da saúde e 94% dos profissio-
parte do conteúdo, tanto da formação do profissional como
nais do lazer também não conheciam a mensagem da cam-
da discussão das aulas com alunos.
panha (ACTIVE FOR LIFE 1999).
GUEDES (1999) cita que o professor de educação
Assim, procuramos neste estudo verificar o nível
física escolar deve ter uma visão mais ampla em suas aulas,
de conhecimento sobre atividade física para a promoção da
em que não apenas se realize a prática esportiva e recreati-
saúde em alunos do curso de Educação Física da cidade de
va, mas que também procure objetivos de promoção da saú-
São Paulo.
de, propiciando situações em que a criança e o adolescente
possam além de serem indivíduos mais ativos, se orientem
a tomar esse estilo por toda sua vida.
Também recentemente foi apresentado o “ Mani-
Metodologia
festo Mundial da Educação Física”, que cita que a educa-
ção física é um dos direitos fundamentais do cidadão, sen-
do um meio direto de proporcionar um estilo de vida ativo, Amostra
tendo também uma função de educação para a saúde de
Este estudo foi caracterizado como transversal,
todos os indivíduos (FIEP, 2000).
sendo a amostra composta por 653 alunos do 1º ao 4º ano
Reafirmando esta posição, o “ Manifesto de São das Faculdades de Educação Física da Capital de São Pau-
Paulo para a promoção da Atividade Física nas Américas “ lo, sendo 22 alunos da UNICASTELO; 200 alunos da
convoca entre outros, os profissionais da área da saúde e da UNIB; 57 alunos da UNIBAN e 374 alunos da FMU. Os
educação, para que promovam na sociedade a idéia de que dados foram coletados pelo Programa Agita São Paulo nos
a prática diária de atividade física é um direito do indiví- anos de 1996, 1997 e 1998.
duo e que isto é fundamental para uma melhor qualidade
Esta amostra foi dividida por período da gradua-
de vida (GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2000
ção em que os alunos estavam estudando, ficando distribu-
).
ídos da seguinte forma:

Rev. Bras. Ciên. e Mov. Brasília v. 9 n. 3 p. 31-37 julho 2001 33


ou acumulada. Assim, consideramos como respostas cor-
Período n retas as que apontavam:

1º ANO 55
≥ 5 x por
Freqüência
semana
2º ANO 231
Duração ≥ 30 minutos
3º ANO 213
Intensidade Moderada
4º ANO 154
Contínuo ou
Modo
acumulado

Material
Para verificar o nível de conhecimento sobre ativi- Análise estatística
dade física para a promoção da saúde foi utilizado o ques-
Para a análise estatística foi feito o cálculo da dis-
tionário adaptado do Programa Active for Life da Inglater-
tribuição percentual dos valores em relação a freqüência de
ra pelo Programa Agita São Paulo para verificar o nível de
resposta, utilizamos o Qui Quadrado, adotando-se o nível
conhecimento das variáveis: freqüência (dias por semana);
de significância de p< 0,01.
duração (minutos por dia); intensidade (leve, moderada, vi-
gorosa) e modo (contínua, acumulada, não importa).
Para fazer a análise dos dados adotamos como pa- Resultados e discussão
drão a mensagem do Programa Agita São Paulo : Acumu-
lar pelo menos 30 minutos de atividade física moderada Após a tabulação e análise estatística das respostas
(leve), na maioria dos dias da semana, de forma contínua encontradas, verificamos os seguintes resultados:

Tabela 1 : freqüência e porcentagem das respostas corretas, dos alunos do 1º ao 4º ano de educação física.

Respostas corretas: 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano Total

f % f % f % f % f %

Freqüência
15* 27,3 35* 15,2 29* 13,6 9* 5,9 88 13,5
≥5x semana)
(≥

Duração
52 94,5 22 97,0 202 94,8 151 98,1 629 96,3
≥30 minutos)
(≥

Intensidade (moderada) 31 56,4 109 47,2 128 60,1 95 61,7 363 55,6

Modo
17* 30,9 33* 14,3 58* 27,2 41* 26,6 149 22,8
(não importa)

* < 0,01

Observando a Tabela 1 podemos identificar que teve para a intensidade, mas neste caso com uma menor
tanto para freqüência como para modo a porcentagem de porcentagem de respostas corretas.
respostas corretas foram baixas para todos os períodos. Para o modo da atividade física que tem como res-
Também observamos que a resposta correta para posta correta (não importa) continua e / ou acumulada, apa-
freqüência semanal (35 dias) ocorreram diferenças estatis- receram diferenças estatisticamente significantes variando
ticamente significativas entre os periodos da graduação (1º de 14,3% dos alunos do 2º ano a 30,9% dos alunos do 1º
ao 4º ano) com o percentual de acerto variando de 5,9% ano
dos alunos do 4º ano até 27,3% dos alunos do 1º ano. Estes dados reforçam resultados encontrados em
Já quanto a resposta correta em relação à duração outros estudos como o de MATSUDO e col. (1997) que
(330 minutos por dia) não ocorreram diferenças verificaram que estudantes do 4º ano de educação física
significantes , o que mostra um mesmo padrão de resposta seguem a recomendação mais antiga de prescrição de exer-
que teve um alto índice de acerto. O mesmo perfil se man- cício, ou seja uma atividade com intensidade de 60 a 90%

34 Rev. Bras. Ciên. e Mov. Brasília v. 9 n. 3 p. 31-37 julho 2001


da freqüência máxima, com duração de 20 a 60 minutos de retas tanto quanto à freqüência como para modo (Tabela
forma contínua, por 3 a 5 dias por semana (ACMS, 1990). 2), o que corrobora com os resultados de nosso estudo.
Já MICHELUCCI e col. (1997) observaram que HORITA e col. (1999), avaliando o nível de co-
tanto profissionais da área da saúde como professores de nhecimento dos alunos do ciclo básico de medicina, tam-
educação física têm um nível mais baixo de conhecimento bém encontraram baixo percentual de acerto quanto à fre-
sobre a nova recomendação até mesmo que a população qüência (12,9%) e modo (24%), no total das respostas dos
leiga, fato também confirmado por BRACCO e col. (1999) alunos do 1º e do 2º ano da graduação. ZAN e col. (1999)
que concluíram que esses profissionais não conheciam a confirmaram essa tendência de baixo índice de acerto na
nova recomendação. freqüência e modo em seu estudo, em que compararam o
Resultados semelhantes foram observados por nível de conhecimento de alunos do ciclo básico com dou-
ANDRADE e col. (1999) que, buscando verificar o nível torandos, no qual ambos mostram baixo índice de respos-
de conhecimento de atividade física para promoção da saú- tas corretas.
de antes e depois de uma palestra, verificaram que mesmo Outro estudo que verificou o nível de conhecimento
após a palestra 91,8% mantinham-se arraigados a recomen- nos diferentes períodos da graduação dos alunos de medi-
dação tradicional sobre a atividade necessária para a pro- cina, do 1º ao 4º ano , CASSEFO e col. (1999) observaram
moção da saúde, segundo os parâmetros quanto à freqüên- que os alunos de todos períodos apresentaram baixo nível
cia, duração, intensidade e modo da atividade física. Todos de conhecimento sobre a recomendação de freqüência e
estes estudos apresentaram baixo índice de respostas cor- modo da atividade física.

Tabela 2 : Estudos sobre o nível de conhecimento sobre a nova proposta de atividade física para a promoção da saúde dos alunos de
educação física ( respostas corretas)

Freqüência Duração Intensidade Modo


% % % %

Matsudo e col. (1997)


3,6 81,1 53,7 17,3
Fem.

Matsudo e col. (1997)


0 89,3 81,5 17,8
Masc.

Michellucci e col.
5 0 61,5 7,7
(1997)

Andrade e col. (1999)


10,2 91,8 63,3 18,4
Pré palestra

Andrade e col. (1999)


46,9 89,8 67,3 32,7
Pós palestra

Ribeiro e col. (2000)


13,5 96,3 55,6 22,8
(1º ao 4º ano)

para a promoção da saúde, principalmente sobre a fre-


Conclusão qüência em seguida sobre o modo e por terceiro sobre a
Após a análise dos dados podemos concluir que intensidade ideal para a atividade física para a promo-
segundo as novas orientações da promoção da atividade ção da saúde.
física para a saúde: a) a maioria dos alunos apresentou um
nível de conhecimento inadequado com exceção da dura-
ção; b) o nível de conhecimento da duração e intensidade Referências bibliográficas
da atividade física não teve diferença estatisticamente
significante entre os quatro grupos; c) em relação a fre- 1. AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE.
qüência e modo, paradoxalmente os alunos do 1º ano apre- Position stand on recommended quantity and quality of
sentaram um melhor nível de conhecimento. exercise for developing and maintaining cardio-respiratory
Assim sugerimos que no curso superior de educa- and muscular fitness in helthy adults. Medicine Science
ção física sejam oferecidos maiores conhecimentos sobre Sports and Exercise.22: 265-274, 1990.
a relação atividade física e promoção da saúde, se possível
numa disciplina específica. Sendo necessário dar maiores
informações sobre o novo paradigma da atividade física

Rev. Bras. Ciên. e Mov. Brasília v. 9 n. 3 p. 31-37 julho 2001 35


2. ACTIVE FOR LIFE . Evaluating the “ Active for 14. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO – Se-
Life Campaign”, England, 1999. cretaria de Estado da Saúde. Programa Agita São Paulo -
Manifesto de São Paulo para a promoção da Saúde das
3. ANDRADE,D.; MATSUDO,S.; MATSUDO,V.; Américas. Saão Paulo – SP, 2000.
ARAUJO,T.; ANDRADE, E.; FIGUEIRA JR, A. and
OLIVEIRA, L. . Impact of a single lecture on physical 15. GUEDES,D.P. Papel do professor de educação físi-
activity and health knowledge of physical education ca na promoção da saúde. Conferência do 14o Congresso
teachers. Journal of the American College of Sports Internacional de Educação Física – FIEP– Paraná, 1999.
Medicine, Vol. 31, nº 5 Supplement, Friday, June 4, 1999.
16. HORITA,S.; YAMAGUTI, D.; SILVEIRA, L.;
4. ANDRADE, D. e MATSUDO, S. Nível de ativida- ZAN,R. ; LAPATE,V.; ANDRADE,D.; BRACCO , M. e
de física de alunos de educação física. Anais do XVII Con- MATSUDO, V. . Perfil do nível de conhecimento do novo
gresso Panamericano de Medicina do Esporte, Gramado, paradigma de recomendação de atividade física para a saú-
1997. de entre estudantes de medicina do ciclo básico. Anais do
XXII Simpósio Internacional de Ciências do Esporte, São
5. ANDRADE, D. Movimento humano e qualidade de Paulo, 1999.
vida. Revista Brasileira de Medicina Esportiva. Vol. 1 nº 2,
abril / junho, pag. 58 - 62 , 1995. 17. JAKICIC,J.; WING, R.; BUTLER, B. AND
ROBERTSON, R. Prescibing exercise in multiple short
6. BANKOFF, A.D.P. e ZAMAI, C.A. Estudo do per- bouts versus one continuos bout: effects on adherence,
fil dos professores do ensino fundamental do Estado de São cardiorepiratory fitness , and weight loss in overweight
Paulo sobre o conhecimento do tema atividade física e saú- women. International Journal Of Obesity , 19: 893-901,
de. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde,vol.4 1995.
n.3, 1999, pag.,35-42.
18. LIMONGELLI, A, M. de. Educação física respon-
7. BLAIR,S. AND CONNELLY,J., How much sabilidade profissional e compromissso acadêmico. Aula
physical activity should we do? - The case for moderate inaugural do departamento de educação física da Universi-
amounts and intensities of physical activity. Research dade São Judas Tadeu, 1996.
Quarterly For Exercise And Sport, Vol.67,nº2,P:193-
205,1996. 19. MATSUDO, V. K.R. Modelo biológico para diag-
nóstico, prescrição e prognóstico de aptidão física. Tese de
8. BRACCO, M.; ANDRADE,E.; MATSUDO,S.; livre docência na Universidade Gama Filho, R.J., 1992.
ANDRADE,D.; ARAUJO,T.; FIGUEIRA JR, A.;
OLIVEIRA,L.; MATSUDO,V. Knowledge profile and 20. MATSUDO, S. e ANDRADE, D. Nível de ativida-
physical activity level among health care providers and de física de alunos de educação física. Anais do XVII Con-
workers of a non-government primary care unit. Official gresso Panamericano de Medicina do Esporte, Gramado,
Journal of the American College of Sports Medicine, Vol. 1997.
31, nº 5 Supplement, Friday, June 4, 1999.
21. MATSUDO, V. Agita São Paulo : passaporte para a
9. CASPERSEN, J.C. Physical acitivity epidemiology saúde. Revista Corpoconsciência, Faculdade de Educação
concepts methods and applications to exercise science. In Física de Santo André nº 0, pag. 47-51,1997.
Exercise and Sports Reviews,1989. P. 423-473.
22. MATSUDO, S. E MATSUDO, V. Physical activity
10. CASSEFO,V.; ANDRADE,D.; MATSUDO,V.. Ní- and aging: a perspectivie in developing countries. In S.
vel de conhecimento sobre atividade física para a promo- Bailey(Ed.).– The multidiciplinary series of physical
ção da saúde entre os estudantes de medicina da Faculdade education and sport science – physical activity and aging,
de Medicina da Fundação do ABC. Anais do XXII Simpósio Icsspe/Ciepss, Perspectives Vol. 2 : Pg 65-82, 2000.
Internacional de Ciências do Esporte, São Paulo, 1999.
23. MARIZ DE OLIVEIRA, J.G., BETTI,M e MARIZ
11. DEBUSK,R.; STENESTRAND,U.; SHEEHAN,M. DE OLIVEIRA,W. Educação física e ensino de 1º grau.
AND HASKELL, W. Training effects of long versus short São Paulo, EPU / EDUSP, 1988.
bouts of exercise in healthy subjects. The American Journal
Of Cardiology. 65: 1010 - 1013,1990. 24. MARIZ DE OLIVEIRA, J. G. Educação Física: ten-
dências e perspectivas. V Semana de Educação Física da
12. FEDERATION INTERNATIONALE Universidade São Judas Tadeu, São Paulo, 1995.
D’EDUCATION PHYSIQUE( FIEP ). Manifesto mundial
de educação física – FIEP 2000. 25. MICHELUCCI, M. e MATSUDO, S. Grau de co-
nhecimento sobre prescrição da atividade física em três gru-
13. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO – Se- pos distintos. Anais do XVII Congresso Panamericano de
cretaria de Estado da Saúde. Programa Agita São Paulo – Medicina do Esporte, Gramado, 1997.
Manual de orientação. São Paulo – SP, 1998.

36 Rev. Bras. Ciên. e Mov. Brasília v. 9 n. 3 p. 31-37 julho 2001


26. MURPHY, M. AND HARDMAN,A. Training
effects of short and long bouts of brisk walking in sedentary
women. Official Journal of the American College Of Sports
Medicine, 152- 157,1998.

27. PATE, R. et alli., Physical activity and public health:


a recommendantion from a the center for disease control
and prevention and the American College of Sport
Medicine. JAMA, 273 ( 5 ), p: 402 – 7, 1995.

28. REGO, C. Prevalência de fatores de risco na popu-


lação do Estado de São Paulo. Revista de Saúde Pública
São Paulo, 24(4): 277-85, 1990.

29. US DEPARTAMENT OF HEALTH AND HUMAN


SERVICES. Physical activity and health: a report of the
surgeon general. Atlanta, GA: centers for disease control
and prevention, national center for chronic disease
prevention and health promotion, The President’s counsil
on physical fitness and sports, 1996.

30. ZAMAI, C.A.; BANKOFF,A.D.P.; BARROS,D.D.;


MIGUEL, D.C.; CREMONESI, L.N. Estudo do nível de
conhecimento sobre atividades físicas entre adolescentes
escolares: uma necessidade abordagens na escola e entida-
des de formação / orientação. Anais do XXII Simpósio In-
ternacional de Ciências do Esporte, São Paulo, 1999.

31. ZAN,R . ; SILVEIRA , L.; HORITA, S.; ZAN, R.


P. ; LAPATE, V.; ANDRADE, D.; BRACCO , M. e
MATSUDO, V. . Prescrição de atividade física: compara-
ção do nível de conhecimento entre alunos da Faculdade
de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Anais do
XXII Simpósio Internacional de Ciências do Esporte, São
Paulo, 1999.

Rev. Bras. Ciên. e Mov. Brasília v. 9 n. 3 p. 31-37 julho 2001 37