Anda di halaman 1dari 2

Ignatief 13.

03

13.03S EX-REPRESENTANTE PERMANENTE DOS ESTADOS UNIDOS


NA ONU: RECONHECIMENTO DA INDEPENDÊNCIA DO KOSOVO
FOI GRANDE ERRO

O ex-representante permanente dos Estados Unidos junto às Nações Unidas, John


Bolton, qualificou como um erro a decisão de reconhecer a independência do
Kosovo, província sérvia com uma população prediminantemente albanesa. O
diplomata manifestou esta opinião em entrevista à radioemissora “Ecos de
Moscou”.
Essa definição emanada de uma conceituada figura do mundo político discorda da
feita pelas entidades oficiais de Washington. Enquanto que a soberania do Kosovo
é vista na Casa Branca e no Departamento de Estado como “uma exceção da
regra”, já John Bolton julga ter sido criado um precedente. Ao terem apoiado a
independência do Kosovo, os Estados Unidos criaram um grande problema para
si e para muitos outros Estados. Diz que agora outros usarão esse precedente
como um exemplo a imitar, quer estejam os Estados Unidos de acordo, quer não
estejam de acordo com isso.
No caso em apreço, o ex-representante dos Estados Unidos junto à ONU encara
as coisas com uma visão mais realista. Mal passaram três semanas desde a
proclamação unilateral da independência do Kosovo, e já seus ecos estão
repercutindo no Cáucaso. Duas autoproclamadas Repúblicas dessa região: a
Ossétia do Sul e a Abcázia, dirigiram-se à comunidade internacional pedindo
reconhecimento de sua independência também. Cumpre lembrar que ambas
haviam saído da federação com a Geórgia logo após o desmoronamento da União
Soviética, existindo desde então como Estados de fato soberanos.
Porém, o assunto vai mais além dessas Repúblicas não reconhecidas por ninguém.
O apoio prestado à independência do Kosovo pelos Estados Unidos e seus aliados
europeus, não obstante a posição da Sérvia, foi visto como fomento do
separatismo. Os dirigentes dos grupos separatistas pelo mundo afora já
proclamaram a vontade de alcançar o objetivo proposto. O problema é comentado
por Vitali Tchurkin, representante permanente da Rússia junto às Nações Unidas:
As apreensões manifestadas pela Rússia ainda antes de terem as lideranças
albanesas do Kosovo rumado para a proclamação unilateral da independência
estão sendo justificadas. A situação internacional ficou desestabilizada. Muitos
países estão a braços com problemas da integridade territorial e soberania.
Considerando que hoje existem no planeta quase duzentos conflitos étnicos, não
custa compreender quais os efeitos estimulantes que o precedente do Kosovo é
capaz de provocar para os mesmos. Agora, os políticos se interrogam numa
Ignatief 13.03

tentativa de prever qual a região em que este poderia se repetir.