Anda di halaman 1dari 91

PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA DE SOCORRO

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO, GESTÃO E PLANEJAMENTO


DIVISÃO DE LICITAÇÃO

MANUAL BÁSICO DE
PROCEDIMENTOS DE LICITAÇÃO

ORIENTAÇÕES E NORMAS GERAIS

SOCORRO, 2007
PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA DE SOCORRO

Prefeito
Dr. José Mario de Faria
Vice-Prefeito
Jorge Fruchi
Endereço:
Av. José Maria de Faria, nº 71 - Bairro do Salto
Socorro - SP - CEP 13960-000

© 2007, Prefeitura Municipal da Estância de Socorro

Comissão de elaboração (Decreto nº 2579, de 06/12/2006): Diderot Camargo


Netto, Filomena Benedita Felisbino Corrêa Bueno, Giuliana Bruno de Godoi
Moreira.
Coordenação: William dos Santos Guilherme
Projeto Editorial: Departamento de Comunicação Social
Publicação: Imprensa Oficial do Município de Socorro

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Brasil. Prefeitura Municipal da Estância de Socorro. Departamento de


Administração, Gestão e Planejamento. Divisão de Licitação.

Manual Básico de Procedimentos de Licitação: orientações e normas


gerais. - Socorro: Prefeitura Municipal da Estância de Socorro, 2007.
91 p.

1. Brasil. 2. Licitação pública - Legislação - Brasil.

CDD 342.8106
MENSAGEM DO PREFEITO

Quando assumi a Administração Municipal de minha querida terra natal, Socorro,


por mais que quisesse fazer só encontrava problemas. Não problemas simples, mas
sim, alguns que comprometiam seriamente meu mandato.
Procurei me cercar de pessoas que, como eu, comungassem somente um
objetivo: o nosso engrandecimento em todos os setores de atividades. Dentre estas
pessoas, procurei uma que pudesse nortear nossos passos dentro da mais perfeita
legalidade e, principalmente, no bom trato do erário público. Achei um jovem
funcionário que, como eu, no início de minha carreira funcional, abraçasse de corpo e
alma as tarefas que lhe fossem atribuídas.
Num canto do Palácio das Águias, nome de nossa antiga Prefeitura, estava o
William, desde o começo dando tudo de si, às vezes retraído pela grande
responsabilidade que lhe dei: a Divisão de Licitações. Um local por “muitos” almejado,
e também, para “muitos” um grande peso pela responsabilidade em que se envolve
seu titular.
O William se enquadra nestas últimas linhas. Responsável, inteligente, honesto
e com um caráter determinando que não tem medo de enfrentamentos. Desde o
começo, juntos, apelamos para colegas na Assembléia Legislativa, na Secretaria de
Esportes e Turismo e na Fundação Florestal do Estado de São Paulo, órgãos dos
quais fui Diretor. Começamos, apesar de meus mais de 30 anos de experiência, a
aprender juntos o Procedimento Licitatório. Não tenho vergonha em dizer que em
muito fui ultrapassado pelo aluno que adotava, o William.
Como recompensa, tenho nele hoje um colega na administração em quem confio
cegamente. Não me alongando, sugiro que analisem o trabalho fruto de sua ação, o
qual hoje nos é apresentado.
Parabéns William! Quiçá todos os Prefeitos tivessem a sorte, como eu, de
contar com funcionários à sua altura.

José Mario de Faria


Prefeito Municipal de Socorro
APRESENTAÇÃO

O objetivo principal da presente publicação é fornecer aos servidores municipais,


orientações básicas quanto aos princípios e normas que devem ser obedecidas para a
realização de procedimentos administrativos de compras, execução de obras, prestação
de serviços e demais atividades cotidianas nas licitações municipais.
Com o aperfeiçoamento das normas gerais de licitações e contratos, bem como
a exigência cada vez maior dos órgãos fiscalizadores, tornou-se essencial que as
prefeituras se estruturem de forma adequada, a fim de atender as demandas de
serviços, materiais e obras, mas para que o objetivo final seja alcançado com sucesso,
se faz necessário um constante aperfeiçoamento dos processos de compra e
contratação de bens e serviços, isto porque, quem compra mal, acaba comprando
mais de uma vez e gastando desnecessariamente o recurso público.
Desta forma, conhecer o produto, bem ou serviço que se pretende adquirir,
bem como conhecer os procedimentos adequados é essencial para que sejam obtidos
os resultados desejados.
E foi pensando nos problemas e dificuldades encontrados no dia-a-dia dos
processos licitatórios, que se decidiu pela elaboração deste pequeno manual com
orientações e normas gerais de licitações.
Entretanto, esta publicação não tem a pretensão de encerrar as discussões
sobre o tema, nem tampouco ser considerada como “detentora da verdade absoluta”,
mas sim, contribuir para o entendimento, compreensão e execução de normas e
procedimentos padronizados, a fim de fornecer subsídios que visam o aperfeiçoamento
dos serviços e métodos utilizados pelos agentes públicos municipais.

Divisão de Licitação
Prefeitura Municipal da Estância de Socorro
SUMARIO

MENSAGEM DO PREFEITO

APRESENTAÇÃO

INTRODUÇÃO ..................................................................................... 9

CAPÍTULO 1 - Conceitos gerais .................................................................. 10

CAPÍTULO 2 - Por que licitar? ....................................................................13

CAPÍTULO 3 - Licitações e contratos: por onde começar? .........................14

CAPÍTULO 4 - Como saber se o produto oferecido é realmente similar ao


que foi solicitado? ................................................................ 28

CAPÍTULO 5 - Modalidades e tipos de licitação .......................................... 38

CAPÍTULO 6 - Casos em que a licitação não é obrigatória .......................... 42

CAPÍTULO 7 - Os trâmites do processo .................................................... 49

CAPÍTULO 8 - Pesquisa de preços .......................................................... 51

CAPÍTULO 9 - Reserva orçamentária ..........................................................71

CAPÍTULO 10 -Autorização de compra/ contratação .................................... 73

CAPÍTULO 11 - Formalização de contrato .................................................... 77

CAPÍTULO 12 -Recebimento do objeto ..........................................................82

CAPÍTULO 13 - Planejamento ....................................................................... 88

CONCLUSÃO ............................................................................................ 90

BIBLIOGRAFIA ........................................................................................... 91
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

INTRODUÇÃO

As normas gerais de compras e contratos, instituídas, especialmente, pela Lei


Federal de Licitações nº 8.666/93 e demais alterações, e mais recentemente, pelas
Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101/2000) e Lei Federal nº
10.520/2002 (Lei do Pregão), bem como a publicação de Súmulas do Egrégio Tribunal
de Contas do Estado de São Paulo, de 20/12/2005 (TC-A-29268/026/05), têm
aprofundado o estudo da aplicação prática das normas de compras e posto à prova o
bom senso, a eficácia e capacidade de gestão dos servidores públicos, uma vez que a
sociedade moderna, mais conhecedora de seus direitos, têm se tornado mais exigente
para com os órgãos públicos.
Diante desta nova realidade tornaram-se cada vez mais complexas as formas,
descrições e os desafios do setor público em especificar bens e serviços, sem direcioná-
los a determinada marca ou fornecedor, ou ainda sem restringir a participação de
possíveis licitantes e ao mesmo tempo obter as propostas mais vantajosas, tanto em
preço quanto em qualidade.
Esta publicação busca oferecer aos servidores municipais, de forma simples e
objetiva, as orientações básicas para se obter a aquisição e contratação de bens ou
serviços que atendam as necessidades da população em todos os seus aspectos, ou
seja, que possuam a qualidade mínima necessária para satisfazer de forma plena a
necessidade imediata, tanto do ponto de vista econômico, legal e técnico,
proporcionando ao município o melhor custo-benefício com a contratação.
O objetivo principal desta publicação é o de fornecer recursos aos servidores
municipais para alcançar êxito em suas solicitações, sendo estes traduzidos no bom
funcionamento dos setores em que são responsáveis com a aquisição dos materiais
essenciais para o desenvolvimento de suas atividades rotineiras, sem deixar de atender
aos princípios e normas legais.
A presente obra não tem a pretensão de ser considerada uma regra ou imposição
aos padrões de serviço dos funcionários municipais, mas sim de oferecer subsídios
para que os processos de compras e contratações municipais possam ser conduzidos
com maior eficiência, padronização e adequação às normas atualmente vigentes.
Portanto, no decorrer das explanações sobre os temas abordados, seguir-se-
ão modelos e sugestões para a possível solução dos problemas encontradas, baseadas
nas orientações recebidas e experiências adquiridas ao longo dos últimos seis anos.

9
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 1
Conceitos gerais

Ao longo dos anos tentamos traduzir os inúmeros conceitos e normas referentes


ao tema “Licitações e Contratos”, até que entendemos que a melhor explicação sobre
o tema poderia ser sintetizada na seguinte frase:
Licitação é a busca pela proposta mais vantajosa para a
Administração, visando atender as necessidades comuns dos cidadãos.
Considerando que a finalidade principal de qualquer procedimento de compra
ou contratação é a satisfação das necessidades comuns da população, ou seja, os
interesses coletivos gerais, como “manutenção de estradas rurais”, “fornecimento de
merenda escolar”, “fornecimento de medicamentos”, entre outros, que dependem da
realização de procedimentos licitatórios para sua concretização.
E um dos principais problemas para se atingir este objetivo nas licitações, está
na eterna discussão entre preço x qualidade. Onde, na maioria das vezes, se consagrou
o errôneo entendimento de que a Lei exige a aquisição sempre pelo menor preço,
independentemente da qualidade do produto ou serviço oferecido.
Tal entendimento não está correto visto que esta condição não pode ser definida
como regra absoluta. Na verdade, cabe ao gestor público o papel de verificar as
condições especiais que possibilitem a realização da compra mais “vantajosa”, veja
bem, não é a mais barata, e sim a mais vantajosa, ou seja, aquela que apresente
menor custo-benefício para o município.
Sabemos que, às vezes, é muito difícil se adquirir produtos de boa qualidade,
com os apertados orçamentos municipais. Faltam recursos para se adquirir tudo que
se deseja, com as marcas e especificações consideradas as melhores do mercado.
Vale ressaltar que a experiência mostra que uma compra de produto, tendo
como parâmetro, somente o preço, significa na maioria das vezes, comprar algo que
não atende plenamente as necessidades do setor requisitante, seja porque apresenta
menor qualidade, durabilidade, consistência ou desempenho inferior, seja porque sua
composição não condiz com as reais necessidades do setor, ou seja porque o “barato
acaba por sair caro”, como se diz.
Para evitar tal equivoco é que a lei permite que sejam utilizados diversos
dispositivos, que proporcionem um padrão mínimo de qualidade, desempenho,
compatibilidade e eficiência, a fim de que sejam adquiridos produtos ou contratados
10
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

serviços que, realmente, possam satisfazer de forma plena, econômica, quantitativa e


qualitativa as necessidades gerais da Administração Pública e dos cidadãos.
E estes dispositivos podem e devem ser utilizados pela municipalidade, visando
atender os princípios da economicidade, razoabilidade, legalidade e eficiência nas
compras e contratos públicos, bem como satisfazer as necessidades gerais do
município.
Vejamos o que diz a Lei de Licitações a respeito das normas que devem ser
seguidas e respeitadas nos processos de compras, conforme disposto no art. 3º, a
saber:
“Art. 3 o A licitação destina-se a garantir a observância do princípio
constitucional da isonomia e a selecionar a proposta mais vantajosa para
a Administração e será processada e julgada em estrita conformidade
com os princípios básicos da legalidade, da impessoalidade, da
moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa,
da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e
dos que lhes são correlatos.”
Neste artigo, o legislador, tenta demonstrar qual o objetivo final de um processo
de licitação e a razão de sua importância para o setor público.
A Lei de Licitações, em seu artigo 6º, nos orienta sobre as definições dos tipos
de produtos ou serviços que gostaríamos de licitar, a fim de que possamos nos orientar
se o que queremos é um bem ou um serviço.
Art. 6o Para os fins desta Lei, considera-se:
I - Obra - toda construção, reforma, fabricação, recuperação ou ampliação, realizada por execução
direta ou indireta;
II - Serviço - toda atividade destinada a obter determinada utilidade de interesse para a
Administração, tais como: demolição, conserto, instalação, montagem, operação, conservação,
reparação, adaptação, manutenção, transporte, locação de bens, publicidade, seguro ou trabalhos
técnico-profissionais;
III - Compra - toda aquisição remunerada de bens para fornecimento de uma só vez ou
parceladamente;
IV - Alienação - toda transferência de domínio de bens a terceiros;
V - Obras, serviços e compras de grande vulto - aquelas cujo valor estimado seja superior a 25
(vinte e cinco) vezes o limite estabelecido na alínea “c” do inciso I do art. 23 desta Lei;
VI - Seguro-Garantia - o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas por
empresas em licitações e contratos;
VII - Execução direta - a que é feita pelos órgãos e entidades da Administração, pelos próprios
meios;
VIII - Execução indireta - a que o órgão ou entidade contrata com terceiros sob qualquer dos
seguintes regimes: (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
a) empreitada por preço global - quando se contrata a execução da obra ou do serviço por preço
certo e total;
b) empreitada por preço unitário - quando se contrata a execução da obra ou do serviço por
preço certo de unidades determinadas;
c) (Vetado). (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
d) tarefa - quando se ajusta mão-de-obra para pequenos trabalhos por preço certo, com ou sem
fornecimento de materiais;
e) empreitada integral - quando se contrata um empreendimento em sua integralidade,
compreendendo todas as etapas das obras, serviços e instalações necessárias, sob inteira
responsabilidade da contratada até a sua entrega ao contratante em condições de entrada em
11
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

operação, atendidos os requisitos técnicos e legais para sua utilização em condições de segurança
estrutural e operacional e com as características adequadas às finalidades para que foi contratada;
IX - Projeto Básico - conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão
adequado, para caracterizar a obra ou serviço, ou complexo de obras ou serviços objeto da
licitação, elaborado com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares, que assegurem a
viabilidade técnica e o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento, e que
possibilite a avaliação do custo da obra e a definição dos métodos e do prazo de execução,
devendo conter os seguintes elementos:
a) desenvolvimento da solução escolhida de forma a fornecer visão global da obra e identificar
todos os seus elementos constitutivos com clareza;
b) soluções técnicas globais e localizadas, suficientemente detalhadas, de forma a minimizar a
necessidade de reformulação ou de variantes durante as fases de elaboração do projeto executivo
e de realização das obras e montagem;
c) identificação dos tipos de serviços a executar e de materiais e equipamentos a incorporar à
obra, bem como suas especificações que assegurem os melhores resultados para o empreendimento,
sem frustrar o caráter competitivo para a sua execução;
d) informações que possibilitem o estudo e a dedução de métodos construtivos, instalações
provisórias e condições organizacionais para a obra, sem frustrar o caráter competitivo para a sua
execução;
e) subsídios para montagem do plano de licitação e gestão da obra, compreendendo a sua
programação, a estratégia de suprimentos, as normas de fiscalização e outros dados necessários
em cada caso;
f) orçamento detalhado do custo global da obra, fundamentado em quantitativos de serviços e
fornecimentos propriamente avaliados;
X - Projeto Executivo - o conjunto dos elementos necessários e suficientes à execução completa
da obra, de acordo com as normas pertinentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas -
ABNT;
XI - Administração Pública - a administração direta e indireta da União, dos Estados, do Distrito
Federal e dos Municípios, abrangendo inclusive as entidades com personalidade jurídica de
direito privado sob controle do poder público e das fundações por ele instituídas ou mantidas;
XII - Administração - órgão, entidade ou unidade administrativa pela qual a Administração Pública
opera e atua concretamente;
XIII - Imprensa Oficial - veículo oficial de divulgação da Administração Pública, sendo para a
União o Diário Oficial da União, e, para os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, o que for
definido nas respectivas leis; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
XIV - Contratante - é o órgão ou entidade signatária do instrumento contratual;
XV - Contratado - a pessoa física ou jurídica signatária de contrato com a Administração Pública;
XVI - Comissão - comissão, permanente ou especial, criada pela Administração com a função de
receber, examinar e julgar todos os documentos e procedimentos relativos às licitações e ao
cadastramento de licitantes.

Nos capítulos seguintes iremos discutir tais dispositivos e apresentar os modelos


e sugestões que poderão ser utilizados pelos servidores municipais, para que as
aquisições de materiais e produtos, bem como as contratações de serviços essenciais
para o funcionamento dos departamentos estejam em conformidade com as normas
e padrões necessários, para que sejam prestados os melhores serviços aos munícipes
e turistas.

12
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 2
Por que licitar?

Primeiramente e além de se tratar de uma obrigação legal1, ou seja, determinada


pelas leis que disciplinam as compras governamentais, devemos entender que a licitação
é parte de um processo que visa fornecer a todos iguais condições e chances de
vender ou prestar serviços aos órgãos públicos.
É a maneira mais justa, transparente e coerente de demonstrar aos contribuintes,
quais as formas e os locais, em que estão sendo aplicados os recursos públicos.
Permitindo assim que haja ampla fiscalização das contas públicas, uma vez que os
processos podem ser acompanhados por quaisquer cidadãos que desejarem e,
especialmente, os resumos dos contratos são publicados no Diário Oficial do Estado
e disponíveis na internet, no site oficial da Prefeitura de Socorro.
Ao realizar um procedimento de licitação, o Poder Público proporciona aos
comerciantes, empresários e prestadores de serviços, a oportunidade de oferecer
seus produtos e serviços ao município em igualdade de condições, e isso significa que
não devem ser considerados fatores subjetivos, como preferências pessoais, amizade
ou favores, mas sim, a qualificação, experiência, capacidade técnica ou operacional e
outros fatores objetivos, que visam a aquisição ou contratação mais adequada e que
melhor satisfaça o interesse geral do município.
Licitar é, em suma, exercer de forma clara e objetiva, nossos direitos e deveres
em busca de estabelecer o verdadeiro espírito de democracia e cidadania em nosso
cotidiano, proporcionando oportunidades iguais para todos.

______________________________
1
Conforme determina a Lei Federal de Licitações nº 8.666/93 e demais alterações posteriores, especialmente,
o art. 1º e parágrafo único, a saber:
Art. 1o Esta Lei estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos pertinentes a obras,
serviços, inclusive de publicidade, compras, alienações e locações no âmbito dos Poderes da União, dos
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.
Parágrafo único. Subordinam-se ao regime desta Lei, além dos órgãos da administração direta, os fundos
especiais, as autarquias, as fundações públicas, as empresas públicas, as sociedades de economia mista e
demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios.
13
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 3
Licitações e contratos: por onde começar?

Um processo de licitação pode levar até 60 (sessenta) dias (ou mais, dependendo
de sua complexidade, julgamento de recursos, etc), até que possa completar um ciclo,
conforme figura abaixo:

O processo de licitação se inicia no encaminhamento da solicitação de compra


de material ou contratação de serviços, portanto, é de suma importância que este
ofício contenha as informações necessárias para que as compras e contratos possam
atingir o objetivo do setor solicitante.
Desta forma uma boa compra se inicia com a requisição do setor competente,
informando todas as especificações necessárias, desde que as mesmas não direcionem
a compra ou serviço a determinada empresa ou marca de preferência pessoal do
requerente.
14
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

O Egrégio Tribunal de Contas da União em sua obra “Licitações e Contratos


– Orientações Básicas. 3ª ed. Revista, Atualizada e Ampliada. Brasília/2006. p.
52, elenca o rol de atividades que fazem parte da chamada fase interna da licitação,
incluindo a especificação do processo.
“A fase interna do procedimento relativo a licitações públicas observará
a seguinte seqüência de atos preparatórios:
• solicitação expressa do setor requisitante interessado, com indicação
de sua necessidade;
• elaboração do projeto básico e, quando for o caso, o executivo;
• aprovação da autoridade competente para início do processo
licitatório,devidamente motivada e analisada sob a ótica da
oportunidade,conveniência e relevância para o interesse público;
• autuação do processo correspondente, que deverá ser protocolizado e
numerado;
• elaboração da especificação do objeto, de forma precisa, clara e
sucinta,com base no projeto básico apresentado;
• estimativa do valor da contratação, mediante comprovada pesquisa de
mercado;
• indicação dos recursos orçamentários para fazer face à despesa;
• verificação da adequação orçamentária e financeira, em conformidade
com a Lei de Responsabilidade Fiscal, quando for o caso;
• elaboração de projeto básico, obrigatório em caso de obras e
serviços;
• definição da modalidade e do tipo de licitação a serem adotados.”
As especificações dos produtos e serviços devem balizar-se no interesse público
coletivo, e isso significa, que não se deve considerar apenas e somente as preferências
pessoais, mas sim se tais especificações demonstrem de forma clara e objetiva a
viabilidade, a qualidade, o desempenho, a eficiência, a durabilidade e outras
características do produto ou serviço (conforme o caso), bem como se existe
compatibilidade ou similaridade com outros existentes no mercado em geral, que
atendam e satisfaçam (solucionem) as necessidades apontadas.
Contudo, e se devidamente justificado no pedido inicial, para fins de padronização
ou de comprovado desempenho e as corretas especificações técnicas, pode ser
solicitada marca ou indicado fornecedor exclusivo, hipótese em que se realizará uma
inexigibilidade de licitação.
Nos demais casos, em que não se possa justificar de forma técnica a preferência
pela marca ou fornecedor, ou ainda, que os mesmos não sejam comprovadamente
exclusivos, deverão ser obedecidas às normas gerais, que permitem apenas a indicação
de marca, quando a mesma vier acompanhada da nomenclatura “ou similar”, ou “de
melhor qualidade”.
O pedido inicial para abertura de processo licitatório é tão importante que pode-
se dizer que de nada adiantaria um processo cumprir todas as demais normas legais,
ser organizado, bem estruturado, se o resultado final, não for satisfatório ou não
atender as necessidades do setor ou ao interesse público, ou seja, ele seria nulo e sem
15
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

validade.
A importância de uma solicitação bem feita refletirá em todo o processo,
conduzindo-o ao sucesso, ou seja, a uma contratação ou aquisição vantajosa para a
Administração Municipal, ou se mal feita o conduzirá ao fracasso.
E essa especificação correta de bens e/ou serviços, nos processos de licitação,
é tão importante, que a própria lei exige, que qualquer compra, veja bem, toda e
qualquer aquisição ou contratação, somente será feita se houver a adequada
caracterização de seu objeto, sendo ainda que, o não cumprimento desta regra, poderá
conduzir o processo a sua nulidade e ainda a responsabilização dos que lhe deram
causa.
“Art. 14. Nenhuma compra será feita sem a adequada caracterização de
seu objeto e indicação dos recursos orçamentários para seu pagamento,
sob pena de nulidade do ato e responsabilidade de quem lhe tiver dado
causa.”
Portanto, e em obediência as normas legais, realizar a correta descrição do
objeto que se deseja adquirir, é primordial para que ao final de todo o processo, se
alcance aquilo que almejávamos, ou seja, a utilização dos recursos públicos de maneira
adequada e a compra dos produtos ou contratação dos serviços, mais qualificados
pelos melhores preços ou menores custos possíveis.
Neste aspecto cabe ressaltar a importância de se realizar um planejamento
adequado, visando à realização de contratações e aquisições que possam satisfazer
as necessidades do município, sendo que, cabe a cada responsável pelos setores da
municipalidade, providenciar um “levantamento” dos materiais, produtos ou serviços
que sejam necessários para o atendimento ao munícipe. É evidente que essas
contratações/aquisições devem considerar, além da virtual necessidade de atendimento
dos serviços rotineiros do setor, os recursos disponíveis, as especificações e/ou melhores
técnicas existentes no mercado, condições de armazenamento, distribuição e utilização,
a fim de se evitar o desperdício ou a aquisição desnecessária, que venham a causar
ônus aos cofres públicos.
Para uma melhor compreensão deste conceito, apresentaremos a seguir alguns
modelos de ofício de solicitação de materiais, serviços e obras, que poderão servir de
base para a formulação de novos pedidos, sempre objetivando demonstrar a
importância e necessidade que aquisição ou contratação, proporcionará ao município
como um todo.

16
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE SOLICITAÇÃO DE AQUISIÇÃO DE MÓVEIS

17
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE SOLICITAÇÃO DE ANEXO COM ESPECIFICAÇÃO


DE MATERIAIS

18
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE SOLICITAÇÃO DE CONTRATAÇÃO DE OBRAS

19
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE MEMORIAL DESCRITIVO DE OBRAS

Indicação do objeto a
ser contratado, bem MEMORIAL DESCRITIVO O memorial descritivo visa
como do local onde oferecer aos licitantes
será realizada a obra ou todas as indicações
o serviço. técnicas, bem como as
normas e padrões de
serviços e materiais que a
municipalidade considera
Obra – XXXXXX
como mínimos necessários
Local – XXXXX – XXXX - Socorro - SP para a execução da obra.

INTRODUÇÃO:
O presente memorial e especificações têm por objetivo estabelecer as diretrizes
gerais e fixar características técnicas a serem observadas na execução das obras e
serviços de construção do XXXXXXXXXXXXX, devendo ser rigorosamente
obedecidas tornando-se parte integrante do Contrato de Construção como se nele
estivessem transcritas. Portanto, ficam aqui denominados, respectivamente, a
Prefeitura Municipal de Socorro como PREFEITURA, a Firma, Arquiteto ou
Engenheiro responsável pela execução da obra, como CONSTRUTOR, e o
Engenheiro e / ou Arquiteto designados pela PREFEITURA para exercerem a
fiscalização da obra, como FISCALIZAÇÃO. Os Arquitetos autores do Projeto
Arquitetônico, embora não fazendo parte do Contrato de Construção, aparecem aqui
como ARQUITETOS.
Serão exigidas, na execução dos serviços, assim como na aquisição dos
materiais, as normas aprovadas ou recomendadas e as especificações ou métodos de
ensaios, de acordo com os padrões da ABNT (Associação Brasileira de Normas
Técnicas).
O prédio a ser construído, deverá ser executado rigorosamente de acordo com
o Projeto Arquitetônico, devidamente assinado pela parte Contratante e também por
seus autores, devendo ser obedecidas todas as exigências do código de obras do
Município onde será executada a obra.
Quaisquer divergências entre as especificações e os projetos, prevalecerão às
contidas no presente e, em seguida, nos projetos executivos específicos.
Qualquer modificação introduzida no projeto arquitetônico, detalhes ou
especificações aprovadas, inclusive acréscimos, só será permitida com a autorização
prévia da FISCALIZAÇÃO, de comum acordo com os ARQUITETOS.
A responsabilidade do CONSTRUTOR é integral para com a obra contratada,
nos termos do Código Civil Brasileiro. A presença da FISCALIZAÇÃO na obra
não exime de responsabilidade o CONSTRUTOR.
Os serviços que não estiverem de acordo com as plantas e especificações
20
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

aprovadas serão desmanchados e refeitos, conforme as determinações do Projeto, a


expensas do CONSTRUTOR.
Em caso de dúvidas quanto à interpretação dos Projetos e deste Memorial,
será consultada a FISCALIZAÇÃO ou os ARQUITETOS.
Somente com a prévia e expressa autorização da PREFEITURA, serão
admitidas sub-empreitadas de serviços especializados, sendo estes de responsabilidade
direta do CONSTRUTOR.
O CONSTRUTOR será responsável pela retirada do local dos trabalhos, no
prazo de 48 horas a contar da notificação da FISCALIZAÇÃO, de todo e qualquer
material impugnado pela mesma.
A guarda e vigilância dos materiais e ferramental necessários à obra são de
inteira responsabilidade do CONSTRUTOR até conclusão e recepção provisória da
obra pela PREFEITURA, através da FISCALIZAÇÃO.
O CONSTRUTOR obriga-se a manter no local, durante o horário de trabalho
um Engenheiro Civil, devidamente registrado no CREA da Região, como seu preposto
e responsável direto pela construção, e auxiliado por um Encarregado Geral.
O CONSTRUTOR, ao início da obra deverá lavrar a abertura do Diário de
Obra, com folhas numeradas de forma sucessiva e em três (03) vias. Toda e qualquer
observação, dúvidas, providências ou omissões deverão ser registradas pelo
CONSTRUTOR e a FISCALIZAÇÃO providenciará, após devida ciência, a
solução para os problemas levantados.O referido Diário deverá ser preenchido com
as seguintes informações adicionais:
· Efetivo da obra por categorias profissionais
· Descrição do andamento dos serviços diários
· Registro de chegada de materiais
· Situação metereológica
Não serão admitidos quaisquer pleitos ou reivindicações, senão as constantes,
por escrito, no Diário de Obra.
O não cumprimento, por parte do CONSTRUTOR, no preenchimento diário
do livro de obra acarretará em comunicação, pela FISCALIZAÇÃO à
PREFEITURA, que promoverá as medidas legais e cabíveis.
O CONSTRUTOR deverá fornecer os seguintes Projetos
Complementares:
· Fundações e Estrutura de Concreto Armado
· Estrutura Metálica
· Instalações Elétricas e de Iluminação
Indicação das normas, condições,
1. SERVIÇOS PRELIMINARES métodos e técnicas que deverão ser
utilizadas para o início das obras.
1.1. LEGALIZAÇÃO
- Todas as taxas e emolumentos referentes à regularização da obra junto aos
Órgãos competentes, placa de obra no padrão definido pela PREFEITURA, ligações
de água e energia e todas as despesas referentes à instalação da obra ficarão a cargo
21
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

do CONSTRUTOR.
1.2 – LIMPEZA DO TERRENO, DEMOLIÇÕES E RETIRADAS
- A limpeza do terreno, na área afetada diretamente pela construção, será de
responsabilidade exclusiva do CONSTRUTOR.
1.3 – INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS
- Deverá o CONSTRUTOR, instalar, em lugar previamente designado pela
PREFEITURA, canteiro de obra, provido de Escritório, Sanitários, Refeitório e
Almoxarifado.
1.4 – LOCAÇÃO DA OBRA
- A locação da obra deverá ser feita com aparelho ótico de precisão e os
gabaritos de madeira perfeitamente alinhados e esquadrejados, respeitando-se
rigorosamente as medidas e dimensões constantes nos
Projetos. Indicação dos métodos e
materiais, bem como dos
2. INFRAESTRUTURA padrões técnicos que
2.1. FUNDAÇÕES INDIRETAS E BLOCO E deverão ser observados
nesta etapa da execução,
VIGAS DE FUNDAÇÃO
que devem ser baseadas em
- Serão executadas estacas do tipo “STRAUSS”, informações sobre o
em concreto fck 18 mpa, pedra 2, armado co aço CA 50 terreno e outras que se
A, com diâmetro de 25 cm, para 20 toneladas, com fizerem necessárias.
profundidade definida por sondagem prévia do tipo SPT
(Standard Penetration Test), a ser realizada por empresa especializada.
- Na cabeça das estacas, às cotas de arrasamento definidas em Projeto de
Fundações, serão executados blocos de encabeçamento, em concreto armado,
usinado, Fck 20 Mpa, tudo nas dimensões e detalhes determinados em Projeto
específico.
- As vigas baldrame serão em concreto armado, nas especificações de Projeto
- As formas serão em tábua de madeira, travadas por sarrafos de madeira com
seção mínima de 2,5x5 cm, devidamente revestidas de “DESMOL” ou similar de
modo a facilitar a desforma e posterior reaproveitamento.
Obs: Serão executadas as fundações para as construções indicadas na folha
06/6, com os devidos arranques protegidos com uma nata de cimento.

3. SUPERESTRUTURA
3.1. FORMAS
- As formas de maciços serão em chapas de compensado plastificado,
para concreto aparente, perfeitamente desempenadas, travadas com sarrafos de 5x2,5
cm, alinhadas e aprumadas.
- As formas deverão ser revestidas internamente com “DESMOL” ou
similar, de modo a facilitar a desforma, e posterior reaproveitamento.
3.2. CONCRETO E AÇO
- O concreto deverá ser usinado, Fck 20 Mpa, dosado com brita 1, traço
bombeável, “slump” de 10 +/- 2 cm, devidamente testado em obra por ensaio de
abaixamento pelo método do “CONE DE ABRHAMS”.
- Obrigatoriamente serão recolhidos corpos de prova, aleatoriamente, para
posterior ensaio á compressão simples e a flexão, de acordo com as normas técnicas
22
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

vigentes.
- Deverá ser usado aço CA 50 A, nas bitolas definidas em Projeto.

4. COBERTURA E TELHAMENTO
4.1 ESTRUTURA METÁLICA
- Será executada em arcos metálicos, tudo de acordo com especificações dos
ARQUITETOS, e Projeto Especifico a ser fornecido pela CONTRATADA.
A estrutura deverá receber pintura anti-corrosiva, tipo Ferro-Lack, e
acabamento em esmalte sintético na cor a ser especificada pelos ARQUITETOS.
4.2 TELHAS
- As telhas serão do tipo trapezoidal, em aço galvanizado, espessura 0,5mm.

5 . PISOS
5.1 PISO EM CONCRETO
- Será executado sobre lastro de brita 1, devidamente apiloado, em concreto
usinado, Fck 25 Mpa, dosado com brita 1, traço bombeável, espessura mínima de 10
cm, armado com tela eletrosoldada, tipo TELCON, malha 15x15, no fio 4,2 mm, com
acabamento desempenado mecanicamente; deverão ser executadas juntas, cortadas
com serra “CLIPPER”, profundidade e espessura de 2 x 3 mm, posteriormente
preenchida com junta plástica cor bronze ou negra. O corte de juntas só deverá ser
executado 24 horas após a concretagem.

6. ALVENARIAS
6.1. FECHAMENTOS
- Nas fachadas frontal e posterior, será executado fechamento em alvenaria
de bloco de concreto, devidamente estruturada, sem revestimento e com as juntas
frisadas.

O Memorial Descritivo deve ser assinado pelo


técnico responsável da municipalidade, podendo
ou não, ser acompanhado pelo Prefeito.

Dr. _________. Engº ____ (Responsável Técnico da Prefeitura)


Prefeito Municipal Chefe da Divisão de _______
C.R.E.A nº ____

Obs: Os projetos executivos, estruturais e/ou arquitetônicos que forem


necessários para a execução das obras, deverão ser elaborados por
profissional técnico da municipalidade ou por profissional contratado para tal
fim, devidamente habilitados no CREA.
Dependendo da complexidade da obra, o memorial descritivo será mais
detalhado ou mais simplificado, desde que forneça as especificações e
informações essenciais para a elaboração da proposta e execução dos
serviços.
23
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA E CRONOGRAMA


FÍSICO-FINANCEIRO PARA OBRAS

24
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA E CRONOGRAMA


FÍSICO-FINANCEIRO PARA OBRAS (Continuação)

25
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE SOLICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

26
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

ANEXO I - ESPECIFICAÇÃO DAS UNIDADES ESCOLARES


· ESCOLAS DA ZONA URBANA:
EMEI Central – Período da manhã, tarde;
O anexo deve conter
Rua Dr. Alfredo de Carvalho Pinto, 258 – Centro. informações sobre os
EMEI Vila Palmira – Período da manhã e tarde locais onde serão
Rua Lívio Beneduzzi, 23 – Vila Palmira. realizados os serviços,
bem como as
EMEI Aparecidinha – Período da manhã e tarde informações técnicas
Rua Capitão Barduíno, s/nº - Aparecidinha. que se fizerem
necessárias (quando
EMEI Jardim Araújo – Período da manhã e tarde houver).
Praça Mar Del Prata, 331 – Jardim Araújo.
CMEI – Período Manhã, Tarde e Noite.
Rua Otávio Zucatto, s/nº Jardim Araújo.
Creches Jardim Araújo, Jardim Carvalho, Jardim Santa Cruz e Projeto Bethânia
– Período Integral.
EMEF Cel. Olímpio G. dos Reis – Rua Alfredo de Oliveira Santos, 68 – centro.
EMEF Prof. Eduardo Rodrigues de Carvalho. Av. São Paulo, 315 – Jd. Santa
Cruz.
EMEF Profª Bendita Geralda de Souza Barbosa. Rua Projetada nº 03 – Jd.
Araújo.
EMEF Profª Esther de Camargo Toledo Teixeira. Rua Antônio Gonçalves
Dantas, nº 11 – Vila Palmira.

· ESCOLAS - ZONA RURAL:


EMEF Bairro Barão de Ibitinga
EMEIEF Bairro do Pinhal
EMEIEF Bairro do Currupira
EMEIEF Bairro do Livramento
EMEIEF Bairro dos Rubins
EMEIEF Bairro das Lavras de Baixo
EMEF Bairro do Agudo
EMEIEF Bairro das Lavras de Cima
EMEIEF Bairro do Rio do Peixe
EMEI Bairro dos Nogueiras
EMEI Bairro da Camanducaia
EMEI Bairro do Oratório
EMEI Visconde de Soutelo
EMEI Bairro da Lagoa
EMEI Bairro da Camanducaia de Cima
EMEI Bairro dos Pereiras

(Nome) xxxxxxxxxxxxxx
(função) Diretor(a) xxxxxxxxxxxxxxx

27
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 4
Como saber se o produto oferecido é realmente similar
ao que foi solicitado?

Outro dos inúmeros questionamentos que surge durante um processo de licitação


é o de que como poderemos saber se o produto que o licitante informa como sendo
similar, realmente contém as características mínimas necessárias?
De fato, este é um problema de difícil solução, uma vez que as prefeituras, em
muitos casos, não dispõem de pessoal técnico e tampouco de equipamentos para
realizar determinadas análises e laudos, que comprovem a similaridade entre produtos
de marcas diferentes.
Embora complexo este problema pode ser resolvido, obedecidas algumas normas
ou realizados algum(ns) dos seguintes procedimentos:
a) Quando se trata de material ou produto, considerado altamente complexo ou
técnico, poderá ser solicitado do licitante vencedor que apresente laudo laboratorial
que comprove as condições, composição e qualidade do produto;
b) Poderá também ser solicitada a apresentação de amostra do produto, que
deverá ser avaliada por Comissão designada pela municipalidade, sendo que a mesma
deverá emitir um parecer circunstanciado sobre suas anotações (nas páginas seguintes
apresentaremos os modelos de avaliação de amostras.)
Existem diversas outras soluções, como diligências em órgãos oficiais, ou
entidades ou sites de empresas fabricantes, para averiguar se os produtos de fato
atendem as necessidades da municipalidade, solicitação de documentos que
comprovem a especificação apresentada, entre outros.
Porém, o mais adequado e eficiente, tem sido a análise de amostras, uma vez
que permite que se realize uma avaliação mais precisa de produtos de uso comum,
como materiais de limpeza, papelaria, etc.
Para materiais de uso hospitalar, odontológico e laboratoriais é indispensável
que a análise seja realizada por profissionais da área de utilização dos mesmos, uma
vez que sua experiência poderá indicar quais os produtos mais adequados e que
melhor servirão para a execução de seus procedimentos de trabalho.
Vale ressaltar que a análise da amostra, visa indicar quais produtos são os mais
adequados à realização das práticas de trabalho adotadas pelo setor requisitante, e
mesmo produtos que possuam determinado “indicador de qualidade”, podem não
ser adequados para os equipamentos e métodos de serviço do setor, e isto não significa
28
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

que o produto seja considerado ruim, ou de baixa qualidade, e sim, que o mesmo não
era o mais adequado tecnicamente, para ser utilizado pelo setor.
Vejamos o que o Tribunal de Contas da União entende sobre a apresentação
de amostras, conforme disposto na obra “Licitações e Contratos – Orientações
Básicas . 3ª ed. Revista, Atualizada e Ampliada. Brasília/2006.
“Por isso, é interessante que, na etapa de julgamento das propostas, sejam
solicitadas amostras dos produtos cotados pelos licitantes e
desclassificadas as propostas que não se encontrem de acordo com as
exigências da licitação. Para tanto, se faz necessário o estabelecimento
de critérios objetivos previamente definidos no ato convocatório.”
Ou seja, a entrega e análise de amostras constituem-se em fator de grande
importância para a correta aquisição de produtos, obedecidas às normas legais e
estabelecidos critérios ou parâmetros justos e objetivos para sua análise.
A seguir modelo de critérios adotados para a análise de materiais de limpeza,
que servirão como parâmetro para outros, conforme as necessidades do setor
requisitante.

29
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE CRITÉRIOS UTILIZADOS PARA AVALIAÇÃO DE


PRODUTOS EM CASO DE APRESENTAÇÃO DE AMOSTRAS
- PRODUTOS DE LIMPEZA -

30
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE CRITÉRIOS UTILIZADOS PARA AVALIAÇÃO DE


PRODUTOS EM CASO DE APRESENTAÇÃO DE AMOSTRAS
- PRODUTOS DE LIMPEZA - (Continuação)

31
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANÁLISE DE AMOSTRAS PARA EMISSÃO DO


LAUDO DE ACEITABILIDADE

32
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANÁLISE DE AMOSTRAS PARA EMISSÃO DO


LAUDO DE ACEITABILIDADE (VERSO)

33
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE COMPROVANTE DE ENTREGA DE AMOSTRAS

34
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

Cabe salientar que ao formalizar a solicitação de aquisição, em que se entenda


a necessidade de recebimento e análise de amostras, o responsável pela solicitação
deverá encaminhar um ofício à Diretoria Administrativa da municipalidade, informando
o fato e indicando as pessoas que deverão compor a Comissão de Recebimento e
Análise das Amostras, bem como quais os critérios que deverão ser utilizados nesta
avaliação, a fim de que a Prefeitura possa nomear a Comissão através de portaria
específica.
Os critérios para a escolha dos funcionários ou técnicos qualificados (em casos
de análises mais complexas ou que exijam conhecimento técnico especifico, poderá
ser solicitado o auxílio de profissionais técnicos de outros setores públicos ou privados),
deverão ser baseados na experiência profissional e conhecimento amplo sobre o objeto
a ser analisado, a fim de que os resultados obtidos tenham o respaldo técnico necessário.
Embora pareça difícil e complexa, a realização das análises e dos procedimentos
utilizados para se executar este serviço, se requisitados, planejados e organizados
com antecedência, se tornarão mais fáceis, pois haverá tempo hábil para que todos
os setores envolvidos se organizem e executem suas tarefas de forma adequada, e o
resultado final será o esperado pelo setor requisitante, ou seja, a aquisição de produtos
com a qualidade necessária para a prestação dos serviços e atendimento dos munícipes
com maior eficiência, segurança e satisfação.
Lembramos que os critérios para análise de amostras poderão ser iguais aos
apresentados neste manual ou os informados pelo setor requisitante, uma vez que os
modelos aqui descritos tratam de sugestões, baseadas em condições anteriormente
aplicadas e que trouxeram resultados positivos para a Administração Municipal.
A seguir modelo de ofício solicitando a nomeação de Comissão para recebimento
e análise de amostras.

35
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE OFÍCIO SOLICITANDO NOMEAÇÃO DE COMISSÃO


PARA RECEBIMENTO E ANÁLISE DE AMOSTRAS

36
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO COM RELAÇÃO DE AMOSTRAS

37
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 5
Modalidades e tipos de licitação

As modalidades de licitação são as nomenclaturas atribuídas aos processos de


licitação, em decorrências das características (objeto a ser licitado) e valores
estabelecidos para a aquisição ou contratação, conforme disposto nos artigos 22 e 23
da Lei Federal de Licitações nº 8.6666/93, sendo divididas em:
a) Concorrência;
b) Tomada de Preços;
c) Convite;
d) Leilão, e
e) Concurso

Art. 22. São modalidades de licitação:


I - concorrência;
II - tomada de preços;
III - convite;
IV - concurso;
V - leilão.

§ 1o Concorrência é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados que, na fase inicial de


habilitação preliminar, comprovem possuir os requisitos mínimos de qualificação exigidos no edital
para execução de seu objeto.
§ 2o Tomada de preços é a modalidade de licitação entre interessados devidamente cadastrados ou
que atenderem a todas as condições exigidas para cadastramento até o terceiro dia anterior à data do
recebimento das propostas, observada a necessária qualificação.
§ 3o Convite é a modalidade de licitação entre interessados do ramo pertinente ao seu objeto,
cadastrados ou não, escolhidos e convidados em número mínimo de 3 (três) pela unidade
administrativa, a qual afixará, em local apropriado, cópia do instrumento convocatório e o estenderá
aos demais cadastrados na correspondente especialidade que manifestarem seu interesse com
antecedência de até 24 (vinte e quatro) horas da apresentação das propostas.
§ 4o Concurso é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para escolha de trabalho
técnico, científico ou artístico, mediante a instituição de prêmios ou remuneração aos vencedores,
conforme critérios constantes de edital publicado na imprensa oficial com antecedência mínima de 45
(quarenta e cinco) dias.
§ 5o Leilão é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para a venda de bens móveis
inservíveis para a administração ou de produtos legalmente apreendidos ou penhorados, ou para a
alienação de bens imóveis prevista no art. 19, a quem oferecer o maior lance, igual ou superior ao
valor da avaliação.

38
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

O art. 22 explica de forma sucinta o significado e a aplicação de cada modalidade


de licitação, enquanto o art. 23 determina os limites (valores) para cada modalidade,
separando-as em dois grupos distintos: I) Obras e Serviços de Engenharia e II)
Compras e outros serviços gerais:

Art. 23. As modalidades de licitação a que se referem os incisos I a III do artigo anterior serão
determinadas em função dos seguintes limites, tendo em vista o valor estimado da contratação:
I - para obras e serviços de engenharia:
a) convite - até R$ 150.000,00 (cento e cinqüenta mil reais);
b) tomada de preços - até R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais);
c) concorrência - acima de R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais);
II - para compras e serviços não referidos no inciso anterior:
a) convite - até R$ 80.000,00 (oitenta mil reais);
b) tomada de preços - até R$ 650.000,00 (seiscentos e cinqüenta mil reais);
c) concorrência - acima de R$ 650.000,00 (seiscentos e cinqüenta mil reais).

Cabe ressaltar que tais valores encontram-se em vigor desde o ano de 1.998,
até a presente data (nov.2006).
A partir da introdução da Lei Federal nº 10.520/02, de 17/07/2002, foi instituída
uma nova modalidade de licitação (não incorporada à Lei de Licitações, porém, com
igual validade), denominada de Pregão.
O Pregão tem por finalidade a aquisição de bens e serviços, considerados
comuns, ou seja, aqueles que podem ser mensurados através de análise de seu
desempenho ou qualidade por meio das especificações usuais de mercado, isso significa
dizer que esta modalidade deverá ser aplica em licitações onde seja possível descrever
de forma objetiva e padronizada os bens ou serviços, conforme determina o Art. 1º da
referida lei.

Art. 1º Para aquisição de bens e serviços comuns, poderá ser adotada a licitação na modalidade de
pregão, que será regida por esta Lei.
PARÁGRAFO ÚNICO. Consideram-se bens e serviços comuns, para os fins e efeitos deste artigo,
aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital,
por meio de especificações usuais no mercado.

A principal inovação do Pregão, foi à inversão das fases de classificação dos


processos licitatórios, onde primeiramente se analisa a proposta dos fornecedores e
somente após o conhecimento da proposta vencedora é que se verifica a
documentação (habilitação), e apenas da empresa vencedora, nos termos do inciso
XII do art. 4º da Lei nº 10.520/02.

Art. 4º A fase externa do pregão será iniciada com a convocação dos interessados e observará as
seguintes regras:
...
XII - encerrada a etapa competitiva e ordenadas as ofertas, o pregoeiro procederá à abertura do
invólucro contendo os documentos de habilitação do licitante que apresentou a melhor proposta,
para verificação do atendimento das condições fixadas no edital;

39
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

Outras alterações circunstanciais foram a introdução do sistema de lances


verbais, em que os licitantes melhor qualificados na análise das propostas, iniciam
uma série sucessiva de lances de menor preço, até que se consagre um vencedor e a
possibilidade de compras através da internet, denominado de Pregão Eletrônico, onde
através de sites e sistemas apropriados os Órgãos Públicos e fornecedores realizam
os lances para obtenção da proposta mais vantajosa.
O Pregão, especialmente, na modalidade “Eletrônico”, tem ocupado grande
espaço nos procedimentos licitatórios, Federais e Estaduais, e tende a ser a modalidade
de licitação de maior incidência no país, principalmente pelo fato de que agiliza as
compras governamentais e oferece maior transparência no decorrer do certame,
uma vez que estará disponível na internet e poderá ser livremente acessada pelos
concorrentes de todo país.
Porém, o Pregão não pode ser utilizado na realização de procedimentos em
que estejam envolvidos bens ou serviços de alta complexidade técnica, de informática
e obras e serviços de engenharia, os quais devem ser licitados nos moldes gerais da
Lei de Licitações.
Os tipos de licitação (descritos no art. 45 da Lei de Licitações) determinam a
forma como será julgada a proposta, se pelo valor balizando-se a escolha no menor
preço oferecido, ou pela melhor técnica, analisando-se o desempenho, a qualidade e
outras características que demonstre qual o melhor e mais adequado serviço/produto,
ou mesclando-se os dois tipos, ou seja, Técnica e Preço, quando são analisados os
critérios qualitativos e o preço ofertado, a fim de se estabelecer qual a proposta mais
vantajosa, o maior lance, quando da realização de leilões ou concessões, onde o
licitante irá pagar pela aquisição ou utilização (aluguel) de um bem público (móvel ou
imóvel).

Art. 45. O julgamento das propostas será objetivo, devendo a Comissão de licitação ou o responsável
pelo convite realizá-lo em conformidade com os tipos de licitação, os critérios previamente
estabelecidos no ato convocatório e de acordo com os fatores exclusivamente nele referidos, de
maneira a possibilitar sua aferição pelos licitantes e pelos órgãos de controle.
§ 1o Para os efeitos deste artigo, constituem tipos de licitação, exceto na modalidade concurso:
I - a de menor preço - quando o critério de seleção da proposta mais vantajosa para a Administração
determinar que será vencedor o licitante que apresentar a proposta de acordo com as especificações
do edital ou convite e ofertar o menor preço;
II - a de melhor técnica;
III - a de técnica e preço;
IV - a de maior lance ou oferta - nos casos de alienação de bens ou concessão de direito real de uso.

Os tipos de licitação demonstram os critérios que serão adotados pela


municipalidade quando do julgamento das propostas comerciais, devem ser informados
no instrumento convocatório (Edital de Licitações) e justificados quando for o caso,
conforme podemos verificar no modelo de capa dos editais de licitação da
municipalidade.
40
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

41
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 6
Casos em que a licitação não é obrigatória

Como observado anteriormente, licitação é regra para a realização de compras


governamentais, contudo, existem casos particulares, seja pela especialidade, seja
pelo valor ou pela situação emergencial, em que a licitação pode ser dispensada ou
inexigível.
São considerados casos de dispensa de licitação, quando existe a possibilidade
de competição entre os licitantes, porém a mesma não é obrigatória.
Isto ocorre devido ao fato que existem situações em que a realização dos atos
processuais poderia causar maior prejuízo ao Erário Público, tendo em vista a
necessidade imediata de aquisição dos bens ou contratação dos serviços e nestes
casos, e somente neles, a Administração poderá realizar uma contratação direta.
Cabe ressaltar que o fato de existir a possibilidade de aquisição/contratação
sem licitação, não significa que a Administração estará autorizada a fazê-lo a esmo,
muito pelo contrário, nestes casos a municipalidade deverá ser mais precavida ainda,
consubstanciando o pedido com as informações e documentos que demonstrem que
a opção pela dispensa foi à solução mais adequada para satisfazer a necessidade
imediata.
O artigo 24 da Lei de Licitações disciplina as situações em que poderão ser
realizadas as dispensas, estando assim classificadas:

Art. 24. É dispensável a licitação:


I - para obras e serviços de engenharia de valor até 10% (dez por cento) do limite previsto na alínea
“a”, do inciso I do artigo anterior, desde que não se refiram a parcelas de uma mesma obra ou serviço
ou ainda para obras e serviços da mesma natureza e no mesmo local que possam ser realizadas
conjunta e concomitantemente;
II - para outros serviços e compras de valor até 10% (dez por cento) do limite previsto na alínea
“a”, do inciso II do artigo anterior e para alienações, nos casos previstos nesta Lei, desde que não se
refiram a parcelas de um mesmo serviço, compra ou alienação de maior vulto que possa ser realizada
de uma só vez.

As contratações e compras enquadradas nos incisos I e II, acima descritos,


orientam a dispensa de licitação no caso dos valores orçados forem inferiores
(atualmente) à R$ 15.000,00 e R$ 8.000,00, respectivamente, porque tais valores não
compensam os gastos Administrativos com a formulação do processo licitatório.
42
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

Citaremos a seguir, outros casos de dispensa de licitação considerados mais


relevantes para o gestor público.
Emergência ou calamidade pública quando ocorrem fatores que pela sua
gravidade e urgência, inviabilizam a realização de processo licitatório, devendo ser
realizada a compra ou contratação imediata dos produtos ou serviços necessários
para sanar as causas da situação emergencial. Entretanto, são limitadas ao prazo de
180 dias e às quantias estritamente necessárias para o atendimento da situação
emergencial e os contratos não podem ser aditados, mesmo se estiverem dentro do
prazo citado, nos termos do inc. IV.

IV - nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada urgência de atendimento


de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços,
equipamentos e outros bens, públicos ou particulares, e somente para os bens necessários ao
atendimento da situação emergencial ou calamitosa e para as parcelas de obras e serviços que possam
ser concluídas no prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias consecutivos e ininterruptos, contados
da ocorrência da emergência ou calamidade, vedada a prorrogação dos respectivos contratos.

Locação de Imóvel quando o mesmo for destinado as atividades necessárias


aos programas e serviços da Administração Pública, e cujas instalações e localização
possam ser consideradas ideal e estratégica para o desenvolvimento das atividades
essenciais da municipalidade, bem como o valor da dispensa esteja dentro dos
parâmetros de mercado.

X - para a compra ou locação de imóvel destinado ao atendimento das finalidades precípuas da


administração, cujas necessidades de instalação e localização condicionem a sua escolha, desde que
o preço seja compatível com o valor de mercado, segundo avaliação prévia.

Cabe ressaltar que a Prefeitura Municipal da Estância de Socorro, solicita uma


avaliação prévia do valor do imóvel, através de ofício encaminhado a diversas
imobiliárias da cidade.

Aquisição de Gêneros Perecíveis durante o período necessário ao


abastecimento do setor e até a realização do pertinente processo licitatório.

XII - nas compras de hortifrutigranjeiros, pão e outros gêneros perecíveis, no tempo necessário para
a realização dos processos licitatórios correspondentes, realizadas diretamente com base no preço
do dia.

Os demais casos poderão ser verificados no artigo 24 da Lei de Licitações.


Vale lembrar que mesmo em casos de dispensa de licitação é necessária a
obediência aos preceitos legais da Lei de Licitações, com referência aos seguintes
itens:
a) Solicitação de compra ou contratação, contendo descrição completa dos produtos
e/ou serviços necessários, bem como a justificativa da necessidade e de seu caráter
emergencial, quando for o caso;
43
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

b) Realização de pesquisa de preços de mercado, com no mínimo três orçamentos;


c) Parecer técnico ou jurídico, atestando a realização da dispensa.
d) Autorização ou Ratificação da autoridade superior da Administração.
e) Instrumento Contratual ou equivalente;
f) Projetos e demais documentos necessários.
Outra condição, legalmente estabelecida, para a não realização de processos
de licitação é a Inexigibilidade, conforme disposto no art. 25 da Lei de Licitações.

Art. 25. É inexigível a licitação quando houver inviabilidade de competição, em especial:

São considerados casos de inexigibilidade de licitação, quando não exista a


possibilidade de competição entre licitantes, conforme os seguintes casos:
a) Qualquer produto, equipamento ou material que seja considerado de
fornecedor ou fabricação exclusiva, porém deverá ser realizada a comprovação da
exclusividade através de órgão oficial, não sendo considerada carta ou declaração
emitida pelo próprio representante ou fabricante como comprovante de exclusividade.

I - para aquisição de materiais, equipamentos, ou gêneros que só possam ser fornecidos por produtor,
empresa ou representante comercial exclusivo, vedada a preferência de marca, devendo a comprovação
de exclusividade ser feita através de atestado fornecido pelo órgão de registro do comércio do local
em que se realizaria a licitação ou a obra ou o serviço, pelo Sindicato, Federação ou Confederação
Patronal, ou, ainda, pelas entidades equivalentes;

Vejamos o que o Tribunal de Contas da União entende sobre a apresentação


de amostras, conforme disposto na obra “Licitações e Contratos – Orientações
Básicas . 3ª ed. Revista, Atualizada e Ampliada. Brasília/2006, p. 231/233.

Acórdão 223/2005 Plenário


Recomenda que, quando do recebimento de atestados de exclusividade de fornecimento de materiais,
equipamentos ou gêneros (art. 25, inciso I, da Lei n° 8.666/1993), adote medidas cautelares visando
a assegurar a veracidade das declarações prestadas pelos órgãos e entidades emitentes.

Súmula 039
Inclua nos processos de inexigibilidade de licitação a declaração de exclusividade ou, na impossibilidade,
documento que comprove ser o contratado o único fornecedor das respectivas áreas e/ou serviços.

Acórdão 1705/2003 Plenário


(...) uma empresa privada, por não ter as características de entidade patronal, não pode atestar, para
fins legais, a exclusividade de qualquer produto ou serviço.

Portanto, a contratação ou compra através de inexigibilidade, por exclusividade,


deve ser comprovada através de documentação apropriada, para que haja validade
do processo.
b) Quando da realização de contratação de empresas ou profissionais
considerados de notória especialização, ou seja, aqueles que os serviços possam ser
indicados como os mais adequados, qualificados e essenciais para o atendimento das
44
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

necessidades do município, em comparação com todos os demais existentes no


mercado.

II -Para a contratação de serviços técnicos enumerados no art. 13 desta Lei, de natureza singular,
com profissionais ou empresas de notória especialização, vedada a inexigibilidade para serviços de
publicidade e divulgação.

O parágrafo primeiro do art. 25, conceitua de forma precisa o entendimento


sobre notória especialização.

§ 1o Considera-se de notória especialização o profissional ou empresa cujo conceito no campo de


sua especialidade, decorrente de desempenho anterior, estudos, experiências, publicações,
organização, aparelhamento, equipe técnica, ou de outros requisitos relacionados com suas atividades,
permita inferir que o seu trabalho é essencial e indiscutivelmente o mais adequado à plena satisfação
do objeto do contrato.

Portanto, a realização de inexigibilidade por notória especialização requer do


administrador público a devida cautela, a fim de que sejam obedecidos todos os critérios
legais e fique comprovado que o serviço a ser contratado será o mais adequado e
eficiente para o cumprimento do objeto.
c) Quando da contratação de artistas ou grupos artísticos consagrados pela
crítica especializada e/ou pela opinião pública.

III - para contratação de profissional de qualquer setor artístico, diretamente ou através de empresário
exclusivo, desde que consagrado pela crítica especializada ou pela opinião pública.

Ressaltamos ainda que se faz necessária à comprovação de que a contratação


está sendo realizada diretamente com o profissional ou com seu empresário exclusivo,
sendo que tal comprovação poderá ser feita através de declaração ou instrumento
que demonstre tal situação, sob pena de anulação do processo.
Por fim, informamos ainda que ao realizar uma solicitação de dispensa ou
inexigibilidade de licitação é fundamental que se verifique e se comprove a veracidade
das informações, a fim de não incorrer em penalidades legais, por realizar processo
de dispensa ou inexigibilidade sem a devida fundamentação legal ou fora das hipóteses
previstas.

Art. 89. Dispensar ou inexigir licitação fora das hipóteses previstas em lei, ou deixar de observar as
formalidades pertinentes à dispensa ou à inexigibilidade:
Pena - detenção, de 3 (três) a 5 (cinco) anos, e multa.
PARÁGRAFO ÚNICO. Na mesma pena incorre aquele que, tendo comprovadamente concorrido
para a consumação da ilegalidade, beneficiou-se da dispensa ou inexigibilidade ilegal, para celebrar
contrato com o Poder Público.

Tais medidas visam preservar o caráter competitivo, isonômico e transparente


dos processos licitatórios.
Seguem modelos de solicitação para inexigibilidade de licitação.
45
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE OFÍCIO SOLICITANTO INEXIGIBILIDADE DE


LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO ARTÍSTICA

46
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE OFÍCIO SOLICITANTO INEXIGIBILIDADE DE


LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO POR NOTÓRIA ESPECIALIZAÇÃO

47
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

Os serviços que tratam o art. 13 da Lei de Licitações, para fins de verificação


de notória especialização, são os seguintes:

Art. 13. Para os fins desta Lei, consideram-se serviços técnicos profissionais especializados os
trabalhos relativos a:
I - estudos técnicos, planejamentos e projetos básicos ou executivos;
II - pareceres, perícias e avaliações em geral;
III - assessorias ou consultorias técnicas e auditorias financeiras ou tributárias;
IV - fiscalização, supervisão ou gerenciamento de obras ou serviços;
V - patrocínio ou defesa de causas judiciais ou administrativas;
VI - treinamento e aperfeiçoamento de pessoal;
VII - restauração de obras de arte e bens de valor histórico.
§ 1o Ressalvados os casos de inexigibilidade de licitação, os contratos para a prestação de serviços
técnicos profissionais especializados deverão, preferencialmente, ser celebrados mediante a realização
de concurso, com estipulação prévia de prêmio ou remuneração.
§ 2o Aos serviços técnicos previstos neste artigo aplica-se, no que couber, o disposto no art. 111
desta Lei.
§ 3o A empresa de prestação de serviços técnicos especializados que apresente relação de integrantes
de seu corpo técnico em procedimento licitatório ou como elemento de justificação de dispensa ou
inexigibilidade de licitação, ficará obrigada a garantir que os referidos integrantes realizem pessoal e
diretamente os serviços objeto do contrato.

Tais serviços podem ser considerados de notória especialização, desde que


comprovados os requisitos anteriormente mencionados, bem como se a municipalidade
não possuir em seu quadro de funcionários, profissionais que possam executar os
serviços exigidos.

48
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 7
Os trâmites do processo

Para melhor compreendermos os prazos e procedimentos inerentes aos processos


de compras e contratos governamentais, se faz necessário entender qual o caminho
percorrido pelo pedido inicial (solicitação de compra ou contratação), até o mesmo se
efetivar na entrega do produto ou execução do serviço. Nas páginas seguintes estaremos
mostrando modelos de despachos dos departamentos competentes e explicando a
importância do referido despacho para o perfeito funcionamento do processo.
O primeiro passo é a aprovação do pedido pela Diretoria Administrativa e pelo
Prefeito Municipal, a fim que o pedido possa ser encaminhado à Divisão de Materiais,
Compras e Almoxarifado ou à Divisão de Licitações, visando a realização de pesquisa
de preços de mercado (quando for o caso, ou se a mesma não vier acompanhada da
pesquisa de preços), conforme modelo a seguir. Tal despacho deverá ser realizado
em papel timbrado da municipalidade, sendo que poderá ser em impresso próprio ou
através da inserção do logotipo no cabeçalho/rodapé do Word e, preferencialmente,
em papel tamanho A4, para fins de padronização dos processos.
A pesquisa de mercado é uma ferramenta essencial para que a municipalidade
disponha de parâmetros gerais para a elaboração dos procedimentos licitatórios, sendo
considerado como item indispensável e obrigatório pelo Tribunal de Contas, quando
da análise dos processos. Vejamos pois as considerações do Egrégio Tribunal de
Contas da União na obra “Licitações e Contratos – Orientações Básicas. 3ª ed.
Revista, Atualizada e Ampliada. Brasília/2006, p.40/41, a saber:

Realização de ampla pesquisa de preços no mercado, a fim de estimar o custo do objeto a ser
adquirido, definir os recursos orçamentários suficientes para a cobertura das despesas contratuais e
servir de balizamento para a análise das propostas dos licitantes, em harmonia com os arts. 7º, § 2º,
inciso III, e 43, incisos IV e V, todos da Lei 8.666/1993.
Acórdão 1182/2004 Plenário

Promova pesquisa preliminar de preços que permita estimar a despesa a ser realizada, nos processos
de dispensa de licitação e nos convites, observando o que determina o art. 15 c/c o art. 43, IV, da Lei
8.666/1993.
Acórdão 1006/2004 Primeira Câmara

Diante do exposto, pode-se verificar a importância da realização de pesquisa


prévia de preços. A seguir modelo de oficio solicitando a realização de pesquisa de
preços de mercado.
49
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE DESPACHO VISANDO A REALIZAÇÃO DE


PESQUISA DE PREÇOS

50
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 8
Pesquisa de preços

O próximo passo é a realização da pesquisa de preços de mercado, com no


mínimo 03 (três) fornecedores, a fim de se verificar os parâmetros de valor e qual a
modalidade de licitação pertinente para a aquisição/contratação desejada.
É importante ressaltar que quanto maior o número de fornecedores que
participarem da cotação de preços, melhores serão os parâmetros de avaliação, maiores
as chances de se obter os menores custos e mais transparente será o processo.
Outro aspecto que merece atenção é o de que cada vez mais têm-se utilizado a
“internet” como ferramenta de pesquisa de preços, tendo em vista o expressivo
número de empresas que disponibilizam seus produtos e preços em sites especializados
(mercado livre/ google/etc) ou em sites próprios.
O recebimento de cotações via e-mail, têm substituído, gradativamente a cotação
via fax, contudo é preciso alguns cuidados, como a comprovação da origem do
documento eletrônico, através do recibo de mensagem de e-mail´s, a fim de se evitar
possíveis fraudes nas cotações.
A utilização da tecnologia de informação e dos recursos da internet têm ampliado
as possibilidades de busca de produtos e especificações técnicas adequadas, bem
como promovido maior agilidade e eficiência nas compras governamentais.
Para a realização desta pesquisa de preços, a municipalidade poderá consultar
fornecedores cadastrados em seu banco de dados, através de sites de busca na
Internet, ou indicados por outros órgãos públicos e através de propagandas em
publicações especializadas, como revistas ou jornais. Quando cotados diretamente
com os fornecedores, a Divisão de Licitações ou a Divisão de Materiais, Compras e
Almoxarifado, encaminha cotação de preços, conforme modelo a seguir, para que a
empresa forneça os dados, valores (unitário e total) e demais condições que possibilitem
a entrega do produto ou a execução de serviço, conforme o caso.
Após o recebimento das informações sobre os valores e condições de
fornecimento, elabora-se uma planilha para se obter o valor médio dos produtos ou
serviços ofertados.
A última fase desta etapa é o ofício com a informação sobre a modalidade de
licitação pertinente para a realização do processo e demais informações que se fizerem
necessárias, sobre as condições que deverão ser obedecidas em caso de abertura de
processo licitatório.
51
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE OFÍCIO INDICANDO A MODALIDADE


DE LICITAÇÃO

52
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE COTAÇÃO DE PREÇOS DE MERCADO

53
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE COTAÇÃO DE PREÇOS DE MERCADO


(CONTINUAÇÃO)

54
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE OFÍCIO INDICANDO A MODALIDADE DE


LICITAÇÃO COM INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
(TÉCNICA E PREÇO, PÁG.: 01/04)

Socorro, __ de ___ de 20__

De: Divisão de Licitações


Para: Departamento de Administração

Interessado: ______ (setor(es) solicitante(s))


Assunto: Aquisição de equipamentos de informática para o ______ (informar o
setor), conforme especificações em anexo.

Sra. Diretora,

Em resposta à solicitação de V. Sa., tenho a informar que após a realização de


pesquisa de preços de mercado, o valor estimado para a aquisição acima mencionada
é de R$ ____ (_____ CENTAVOS), conforme planilha em anexo e poderá ser
realizado PROCESSO LICITATÓRIO na Modalidade de TOMADA DE
PREÇOS, conforme prevê o art. 23, inciso II letra “b” da Lei Federal nº 8.666/93 e
demais alterações posteriores.
Cabe ressaltar que nos termos do § 4º do art. 45 da Lei Federal de Licitações,
quando se trata de aquisição de bens e serviços de informática deverão ser realizados
pelo tipo “técnica e preço”, devendo obedecer aos critérios estabelecidos na Lei nº
8.248/91 e decreto nº 1.070, de 02/03/94 e suas atualizações, com respeito às exigências
e condições para avaliação técnica dos equipamentos, a saber:

Texto transcrito da Lei Federal nº 8.666/93:


“Art. 45. O julgamento das propostas será objetivo, devendo a Comissão de licitação
ou o responsável pelo convite realizá-lo em conformidade com os tipos de licitação, os
critérios previamente estabelecidos no ato convocatório e de acordo com os fatores
exclusivamente nele referidos, de maneira a possibilitar sua aferição pelos licitantes e
pelos órgãos de controle.
...Omissis....
§ 4o Para contratação de bens e serviços de informática, a administração observará o
disposto no art. 3o da Lei no 8.248, de 23 de outubro de 1991, levando em conta os
fatores especificados em seu parágrafo 2o e adotando obrigatoriamento o tipo de licitação
“técnica e preço”, permitido o emprego de outro tipo de licitação nos casos indicados
em decreto do Poder Executivo.”

Texto transcrito da Lei 8.248/91:


“Art. 3o Os órgãos e entidades da Administração Pública Federal, direta ou indireta, as
fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público e as demais organizações sob o
55
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE OFÍCIO INDICANDO A MODALIDADE DE


LICITAÇÃO COM INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
(TÉCNICA E PREÇO, PÁG.: 02/04)

controle direto ou indireto da União darão preferência, nas aquisições de bens e serviços
de informática e automação, observada a seguinte ordem, a:
....Omissis....
§ 2o Para o exercício desta preferência, levar-se-ão em conta condições equivalentes de
prazo de entrega, suporte de serviços, qualidade, padronização, compatibilidade
e especificação de desempenho e preço.” (Grifo nosso)

Decreto nº 1070, de 02/03/94:


“Art. 1° Os órgãos e as entidades da Administração Federal, direta e indireta, as fundações
instituídas e mantidas pelo Poder Público e as demais organizações sob controle direto
ou indireto da União adotarão obrigatoriamente, nas contratações de bens e serviços de
informática e automação, o tipo de licitação “técnica e preço”, ressalvadas as hipóteses
de dispensa ou inexigibilidade previstas na legislação, devendo exigir dos proponentes
que pretendam exercer o direito de preferência estabelecido no art. 5° deste decreto,
conforme seu enquadramento nas condições especificadas no referido artigo, entre a
documentação de habilitação à licitação, comprovantes de que:
I - ...Omissis...
II - ...Omissis...
III - ...Omissis...
IV - a empresa produtora do bem, do programa de computador ou prestadora do serviço
proposto atende aos requisitos estabelecidos no art. 1° da Lei n° 8.248/91.
§ 1° As exigências estabelecidas nos incisos I a III serão atendidas na forma do disposto
nos §§ 1° e 2° do art. 5° deste decreto.
§ 2° A exigência estabelecida no inciso IV será atendida mediante a apresentação da
documentação exigida pelo próprio licitador no edital da licitação ou de ato de
reconhecimento fornecido pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT).
§ 3° Nas licitações realizadas sob a modalidade de convite, prevista no art. 22, inciso III, da
Lei n° 8.666/93, o licitador não é obrigado a utilizar o tipo de licitação “técnica e preço”.”

Para fins de estabelecimento dos critérios de mensuração e avaliação das


propostas técnicas e de preços, deverão ser observadas as normas gerais da Lei
Federal de Licitações nº 8.666/93 e demais alterações posteriores, em especial o
disposto no art. 46, §§ 1º e 2º, bem como o disposto nos arts. 2º, 3º e 4º do decreto nº
1.070/94, a saber:

“Art. 46. Os tipos de licitação “melhor técnica” ou “técnica e preço” serão utilizados
exclusivamente para serviços de natureza predominantemente intelectual, em especial
na elaboração de projetos, cálculos, fiscalização, supervisão e gerenciamento e de
engenharia consultiva em geral e, em particular, para a elaboração de estudos técnicos
preliminares e projetos básicos e executivos, ressalvado o disposto no § 4o do artigo
anterior.
§ 1o Nas licitações do tipo “melhor técnica” será adotado o seguinte procedimento
claramente explicitado no instrumento convocatório, o qual fixará o preço máximo que
a Administração se propõe a pagar:
I - serão abertos os envelopes contendo as propostas técnicas exclusivamente dos
licitantes previamente qualificados e feita então a avaliação e classificação destas
propostas de acordo com os critérios pertinentes e adequados ao objeto licitado,
56
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE OFÍCIO INDICANDO A MODALIDADE DE


LICITAÇÃO COM INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
(TÉCNICA E PREÇO, PÁG.: 03/04)

definidos com clareza e objetividade no instrumento convocatório e que considerem a


capacitação e a experiência do proponente, a qualidade técnica da proposta,
compreendendo metodologia, organização, tecnologias e recursos materiais a serem
utilizados nos trabalhos, e a qualificação das equipes técnicas a serem mobilizadas para
a sua execução;
II - uma vez classificadas as propostas técnicas, proceder-se-á à abertura das propostas
de preço dos licitantes que tenham atingido a valorização mínima estabelecida no
instrumento convocatório e à negociação das condições propostas, com a proponente
melhor classificada, com base nos orçamentos detalhados apresentados e respectivos
preços unitários e tendo como referência o limite representado pela proposta de menor
preço entre os licitantes que obtiveram a valorização mínima;
III - no caso de impasse na negociação anterior, procedimento idêntico será adotado,
sucessivamente, com os demais proponentes, pela ordem de classificação, até a
consecução de acordo para a contratação;
IV - as propostas de preços serão devolvidas intactas aos licitantes que não forem
preliminarmente habilitados ou que não obtiverem a valorização mínima estabelecida
para a proposta técnica.
§ 2o Nas licitações do tipo “técnica e preço” será adotado, adicionalmente ao inciso I do
parágrafo anterior, o seguinte procedimento claramente explicitado no instrumento
convocatório:
I - será feita a avaliação e a valorização das propostas de preços, de acordo com critérios
objetivos preestabelecidos no instrumento convocatório;
II - a classificação dos proponentes far-se-á de acordo com a média ponderada das
valorizações das propostas técnicas e de preço, de acordo com os pesos preestabelecidos
no instrumento convocatório.”

Texto transcrito do decreto nº 1.070/94:


“Art. 2° Para as finalidades previstas neste decreto, consideram-se bens e serviços de
informática e automação, nos termos do art. 3° da Lei n° 7.232/84:
I - os bens relacionados no anexo a este decreto e os respectivos acessórios, sobressalentes
e ferramentas que, em quantidade normal, acompanham tais bens;
II - os programas de computador;
III - a programação e a análise de sistemas de tratamento digital da informação;
IV - o processamento de dados;
V - a assistência e a manutenção técnica em informática e automação;
VI - os sistemas integrados constituídos de bens e serviços de diversas naturezas em
que pelo menos cinqüenta por cento da composição de custos estimada seja constituída
pelos itens especificados nos incisos anteriores.

PARÁGRAFO ÚNICO. Os bens e serviços especificados nos incisos I a V, integrantes


de sistemas que não preencham os requisitos previstos no inciso VI, deverão ser licitados
em conformidade com as regras estabelecidas neste decreto, salvo quando, por razões
de ordem técnica ou econômica, justificadas circunstanciadamente pela maior autoridade
da administração promotora da licitação, não seja julgado conveniente licitar os bens e
serviços de informática e automação em separado, hipótese em que tal decisão deverá
ser informada no ato convocatório.

Art. 3° No julgamento das propostas desses bens e serviços deverão ser adotados os
seguintes procedimentos:
57
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE OFÍCIO INDICANDO A MODALIDADE DE


LICITAÇÃO COM INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
(TÉCNICA E PREÇO, PÁG.: 04/04)

I - determinação da pontuação técnica de cada proposta, em conformidade com critérios


e parâmetros previamente estabelecidos, no ato convocatório da licitação, através do
somatório das multiplicações das notas dadas aos fatores prazo de entrega, suporte de
serviços, qualidade, padronização, compatibilidade e desempenho, em consonância com
seus atributos técnicos, pelos pesos atribuídos a cada um deles, de acordo com a
importância relativa desses fatores às finalidades do objeto da licitação;
II - determinação do índice técnico, mediante a divisão da pontuação técnica da proposta
em exame pela de maior pontuação técnica;
III - determinação do índice de preço, mediante a divisão do menor preço proposto pelo
preço da proposta em exame;
IV - multiplicação do índice técnico de cada proposta pelo fator de ponderação, que terá
valor de cinco a sete, fixado previamente no edital da licitação;
V - multiplicação do índice de preço de cada proposta pelo complemento em relação a
dez do valor do fator de ponderação adotado;
VI - obtenção do valor da avaliação (A) de cada proposta, pelo somatório dos valores
obtidos nos incisos IV e V;
VII - pré-qualificação das propostas, cujas avaliações (A) não se diferenciem em mais
de seis por cento da maior delas.
§ 1° Quando justificável, em razão da natureza do objeto licitado, o licitador poderá
excluir do julgamento técnico até dois dos fatores relacionados no inciso I.
§ 2° Os fatores estabelecidos no inciso I para atribuição de notas poderão ser subdivididos
em subfatores com valoração diversa, de acordo com suas importâncias reativas dentro
de cada fator, devendo o licitador, neste caso, especificar no ato convocatório da licitação
essas subdivisões e respectivos valores.
§ 3° No julgamento de sistemas integrados, a pontuação técnica do sistema será obtida
pela soma das pontuações técnicas individuais das partes componentes, ponderadas
com valores previamente fixados no ato convocatório, de acordo com suas importâncias
relativas dentro do sistema, mantendo-se os demais procedimentos descritos nos incisos
II a VII.
§ 4° Os valores numéricos referidos neste artigo deverão ser calculados com duas casas
decimais, desprezando-se a fração remanescente.
Art. 4° Para os efeitos do disposto no § 2° do art. 3° da Lei n° 8.248/91, considerar-se-
ão equivalentes as propostas pré-qualificadas, conforme o inciso VII do art. 3°, cujos
preços não sejam superiores a doze por cento do menor entre elas.
Parágrafo único. Havendo apenas uma proposta que satisfaça as condições do caput,
esta será considerada a vencedora. “

Diante do acima exposto, encaminhamos, em anexo, para apreciação de V.Sa.,


bem como da Diretora do Departamento de Negócios Jurídicos, um modelo de
apresentação de proposta técnica e avaliação dos critérios de pontuação, visando
à realização de licitação do tipo técnica e preço.
Atenciosamente,

(Nome) xxxxxxxxxxxxxx
(função) Diretor(a)/Chefe da(o) xxxxxxxxxxxxxxx
58
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 01/12)

Anexo I – Modelo de Critérios para Avaliação Técnica para


Equipamentos de Informática
DA PROPOSTA TÉCNICA:
1) Descrição dos equipamentos ofertados, onde conste marca, modelo, fabricante,
especificações técnicas completas e condições operacionais, que permitam analisá-
los em relação às exigências constantes no edital.

2) Para possibilitar o julgamento da proposta técnica, face aos parâmetros constantes


no anexo II – Memorial Descritivo, a empresa deverá apresentar a seguinte
documentação:
a) Prazo de Entrega (PE):
- Prazo em que se propõe a entregar os equipamentos em dias corridos, nos
locais indicados pela municipalidade;
- Prazo que se propõe a instalar os equipamentos, em dias corridos, nos locais
indicados pela municipalidade.
b) Suporte de Serviços (SS):
- Informar se possui atendimento técnico via telefone através de serviço DDG
0800;
- Informar se possui atendimento técnico via telefone sem serviço de DDG 0800;
- Informar se possui atendimento técnico via site ou e-mail;
- Informar se possui atendimento técnico “on site”, através de técnico da
empresa;
- Informar qual o prazo de atendimento ao chamado técnico “on site”, em dias
corridos;
- Informar o prazo de substituição dos equipamentos, durante o tempo da
garantia, em virtude da impossibilidade de reparos no local, em dias corridos.
c) Qualidade (QD):
- Informar o prazo de garantia da assistência técnica do equipamento (do conjunto
todo, quando se tratar dos micros e dos notebooks), no local onde se encontra
instalado (on site), em meses corridos, mínimo de 06 (seis) meses;
- Informar o prazo de garantia dos equipamentos ofertados em meses corridos.
d) Desempenho (DE):
1) Análise de desempenho dos microcomputadores e notebooks:
- Informar o tempo de acesso da memória RAM;
- Informar a taxa de transferência do disco rígido;
- Informar o tempo de acesso ao disco rígido.
59
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 02/12)

2) Análise de desempenho dos servidores:


- Informar a capacidade do processador;
- Informar a capacidade de armazenamento da memória;
- Informar o tipo e capacidade do Disco Rígido (HD).
3) Análise de desempenho das impressoras:
- Informar a velocidade máxima de impressão;
- Informar a resolução máxima;
- Informar o tipo de conectividade e compatibilidade.
e) Para o item Monitor 17” LCD, não haverá a análise desempenho e, conseqüente,
pontuação.

3) Para a comprovação das especificações dos produtos, a empresa poderá anexar


manuais ou documentos do fabricante, inclusive aqueles obtidos diretamente dos sites
oficiais dos fabricantes, com imagens ilustrativas dos produtos ofertados, desde que
estejam legíveis e, preferencialmente descritas em língua portuguesa (Brasil), ou se
em língua estrangeira, acompanhadas de documento de tradução para a língua
portuguesa (Brasil), através de interprete oficial.

4) No item 2.a, o Prazo de Entrega (PE) será verificado através de declaração


expedida pela própria empresa licitante, onde constem todos os dados e informações
sobre a mesma, inclusive CNPJ e IE, endereço completo e fone para contato, em
papel timbrado, se houver, e devidamente assinado pelo representante legal da empresa.

5) No item 2.b, para a comprovação do Suporte de Serviços (SS), a proponente


deverá apresentar declaração, nos termos já mencionados anteriormente, onde constem
as informações sobre os prazos e condições solicitadas.

6) No item 2.c, para a comprovação da Qualidade (QD), a proponente, deverá


apresentar:
- Cópia da garantia fornecida pelo fabricante dos equipamentos, se for o caso;
- Caso o prazo de garantia oferecido pelo fabricante seja menor, deverá ser juntada
declaração referente à extensão do prazo, bem como relação das empresas que
prestarão assistência técnica;
7) No item 2.d, para a comprovação de Desempenho (DE), os valores serão verificados
através dos documentos técnicos, que contenham as especificações completas dos
equipamentos ofertados, preferencialmente em língua portuguesa (Brasil), e se em
língua estrangeira, devidamente acompanhado de documento de tradução para a língua
portuguesa (Brasil), através de interprete oficial.
60
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 03/12)

8) As declarações deverão ser assinadas pelo(s) titular(es) da empresa ou por


representante legal, devidamente habilitado para isso, através de procuração ou
documento legal equivalente, sendo que inobservância destes preceitos acarretará a
proponente sua desclassificação, sem prejuízo das penalidades previstas no edital.

DOS CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DAS PROPOSTAS (Técnica e Comercial):

O julgamento da proposta técnica, para obtenção dos índices técnicos será


realizada de acordo com a atribuição de pontos abaixo indicada aplicadas da seguinte
forma:

a) Para os Itens 01, 03, 04, 05, 06 e 07 do anexo II – Memorial Descritivo do edital.
Itens Pesos IT (Índice Técnico)
Prazo de Entrega (PE) 01
Suporte de Serviços (SS) 03 IT= (PEx1) + (QDx2) + (SSx3) + (DEx5)
Qualidade (QD) 02 10
Desempenho (DE) 05

b) Para o item 02 – Monitor 17” LCD.


Itens Pesos IT (Índice Técnico)
Prazo de Entrega (PE) 01
Qualidade (QD) 02 IT= (PEx1) + (QDx2) + (SSx3)
Suporte de Serviços (SS) 03 05

Verificação da pontuação para o item Prazo de Entrega (PE): A nota total será
obtida em função do número de dias corridos, para a entrega e instalação dos
equipamentos nos locais indicados pela municipalidade.

Pontuação Máxima: 10 pontos


Instrumento básico de aferição: documentação fornecida pelo licitante.

61
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 04/12)

Prazo de Entrega e Instalação Nota Pontos


01 a 10 dias corridos 10
11 a 20 dias corridos 08
21 a 30 dias corridos 06
31 a 40 dias corridos 04
41 a 50 dias corridos 02
51 a 60 dias corridos 01
Acima de 60 dias corridos 00
Pontuação referente ao Suporte de Serviços (SS): Será obtida através do
somatório da pontuação referente aos serviços de atendimento “on site”
(pessoalmente), via internet, e-mail e através de telefone.
A pontuação máxima será de: 45 pontos
Instrumento básico de aferição: documentação fornecida pelo licitante.
Somatório
Peso 03
Pontuação Final

Suporte Técnico via telefone: máximo de 10 pontos.


Suporte via telefone Nota Pontos Parciais
Possui atendimento via telefone, através de DDG 0800 10
Possui atendimento via telefone, sem DDG 0800 06
Não possui atendimento via telefone 00

Suporte Técnico via internet e e-mail: máximo de 10 pontos.


Suporte via Internet e e-mail Nota Pontos Parciais
Possui suporte técnico via internet e e-mail 10
Possui suporte técnico apenas via e-mail 05
Não possui suporte técnico via internet e e-mail 00

Suporte Técnico via “on site”, através de técnico da empresa: máximo de 05


pontos.
Suporte “on site” Nota Pontos Parciais
Possui atendimento “on site” (pessoalmente) 05
Não possui atendimento “on site” (pessoalmente) 00
62
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 05/12)

Prazo de atendimento ao Chamado Técnico em dias corridos: máximo de 10


pontos.
Prazo de atendimento ao chamado técnico Nota Pontos Parciais
(dias corridos)
Até 01 (um) dia corrido 10
Até 02 (dois) dias corridos 08
Até 03 (três) dias corridos 06
Até 04 (quatro) dias corridos 04
Até 05 (cinco) dias corridos 02
Acima de 05 (cinco) dias corridos 00
Prazo de substituição dos equipamentos, em virtude de impossibilidade de reparo
no local onde se encontra, em dias corridos: máximo de 10 pontos.
Prazo em dias corridos Nota Pontos Parciais
Até 01 (um) dia corrido 10
Até 02 (dois) dias corridos 08
Até 03 (três) dias corridos 06
Até 04 (quatro) dias corridos 04
Até 05 (cinco) dias corridos 02
Acima de 05 (cinco) dias corridos 00
Pontuação referente Qualidade (QD): Será obtida através da somatória de
pontos referentes ao prazo que a empresa se dispõe a garantir a assistência técnica,
e o prazo de garantia dos equipamentos:
A pontuação máxima será de 20 pontos.
Instrumento básico de aferição: documentação fornecida pelo licitante.
Somatório
Peso 02
Pontuação Final
Prazo que a empresa se compromete a garantir a assistência técnica dos
equipamentos, no local onde se achem instalados (on site), em meses: máximo de 10
pontos.
Prazo da Assistência Técnica em meses Nota Pontos Parciais
Acima de 24 (vinte e quatro) meses 10
De 19 (dezenove) a 24 (vinte e quatro) meses 08
De 13 (treze) a 18 (dezoito) meses 06
De 07(sete) a 12 (doze) meses 04
Mínimo de 06 (seis) meses 02
63
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 06/12)

Prazo de garantia dos equipamentos, em meses: máximo de 10 pontos.


a) Para Microcomputadores, Notebooks (laptops), Monitor LCD e Impressoras:
Prazo de Garantia dos Equipamentos em meses Nota Pontos Parciais
Acima de 24 (vinte e quatro) meses 10
De 19 (dezenove) a 24 (vinte e quatro) meses 08
De 13 (treze) a 18 (dezoito) meses 06
De 07(sete) a 12 (doze) meses 04
Mínimo de 06 (seis) meses 02

b) Para Servidores:
Prazo de Garantia dos Equipamentos em meses Nota Pontos Parciais
Acima de 48 (quarenta e oito) meses 10
De 37 (trinta e sete) a 48 (quarenta e oito) meses 07
Mínimo de 36 (trinta e seis) meses 05

Pontuação atribuída ao Desempenho (DE): Será obtida através do somatório


dos itens que compõem:
a) o tempo de acesso à memória RAM, a taxa de transferência do Disco
Rígido e o tempo de acesso do disco rígido, no caso dos microcomputadores e
notebooks.
b) o tipo e capacidade do processador, capacidade da memória e capacidade
do Disco Rígido (HD), no caso dos servidores;
c) velocidade de impressão, resolução máxima e conectividade e
compatibilidade, no caso das impressoras.
d) Não será exigida a pontuação de desempenho para o item Tela 17” LCD.

A pontuação máxima será de: 30 pontos


Instrumento básico de aferição: documentação fornecida pelo licitante.
Somatório
Peso 05
Pontuação Final

Para Microcomputadores e Notebooks:


a) Tempo de acesso a Memória RAM referente a Processador AMD 3400 +, 64 bits,
64
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 07/12)

com clock mínimo de 2,4 Ghz e 939 pinos, similar ou superior (microcomputadores)
e Processador AMD Seprom 3400, com clock de no mínimo 1,7 Ghz, similar ou
superior (notebooks): máximo de 10 pontos.
Observação:
I) Será considerado similar ou superior, qualquer processador que execute o mesmo
conjunto de instruções do processador acima descrito e em conformidade com a
documentação apresentada pelo licitante.
Descrição Nota Pontos Parciais
Acima do tempo solicitado 10
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 00

b) Taxa de transferência do Disco Rígido mínimo de 5.400 RPM para HD de 60 Gb


(Notebooks) e de 7.200 RPM para HD de 80 Gb (Microcomputadores), com taxa de
transferência de 150 MB/seg: máximo de 10 pontos.
Descrição Nota Pontos Parciais
Acima da taxa solicitada 10
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 00

c) Tempo de Acesso ao Disco Rígido (Access Time) – tempo máximo de 10


milessegundos, quanto mais baixo melhor: máximo de 10 pontos.
Descrição Nota Pontos Parciais
Acima do tempo solicitado 00
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 10
Para fins de análise de desempenho fica estabelecido que o tempo de acesso à
memória RAM, é a relação com que os processadores se comunicam com a memória
RAM, medido através do clock interno mínimo, que para a presente licitação será de
2.400 Mb.
Para fins de análise de desempenho fica estabelecido que a taxa de transferência
de Disco Rígido, será medida através da quantidade de RPM (rotações por minuto) e
da taxa de transferência de dados por segundo, medida em MB/seg (Megabites por
segundo).
Para fins de análise de desempenho fica estabelecido que o tempo de acesso
ao Disco Rígido, é o tempo médio que o disco demora para acessar um certo local
65
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 08/12)

aleatório do disco. Sendo que o mesmo é considerado um misto do tempo de busca


(Seek time) com o tempo de latência (latency time), significando o tempo que o braço
de leitura demora para chegar a uma determinada trilha somado ao tempo que o
disco demora para girar e chegar ao setor correto. (fonte: Morimoto, Carlos E. –
Discos Rígidos: Desempenho x Capacidade. Disponível em http://
www.guiadohardware.net, de 23/05/2000, acessado em 08/06/2006).
Para impressoras:
a) Velocidade de Impressão: máximo de 10 pontos.
Descrição Nota Pontos Parciais
Acima do solicitado 10
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 00

b) Resolução Máxima: máximo de 10 pontos.


Descrição Nota Pontos Parciais
Acima do solicitado 10
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 00

c) Conectividade e compatibilidade: máximo de 10 pontos.


Descrição Nota Pontos Parciais
Acima do solicitado 10
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 00

Para servidor do Banco de Dados da municipalidade, referente ao item 05 do


anexo II (memorial descritivo):
a) Processador (DESCREVER O TIPO DE PRODUTO NECESSÁRIO)____ ou
similar: máximo de 10 pontos.
Observações:
I) O servidor deverá ser bi-processado, sendo que as configurações acima descritas
são para cada um dos processadores.
II) Será considerado similar ou superior, qualquer processador que execute o mesmo
conjunto de instruções do processador acima descrito e em conformidade com a
66
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 09/12)

documentação apresentada pelo licitante.


Descrição Nota Pontos Parciais
Acima do solicitado 10
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 00

b) Memória com no mínimo 4 Gb (4 x 1Gb), dual ranked, 533 Mhz: máximo de 10


pontos.
Descrição Nota Pontos Parciais
Acima do solicitado 10
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 00

c) Disco Rígido de no mínimo 250 Gb, SATA ou similar, com 7.200 RPM: máximo de
10 pontos.
Descrição Nota Pontos Parciais
Acima do solicitado 10
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 00

Para servidor da Internet da municipalidade, referente ao item 03 do anexo II


(memorial descritivo):
a) Processador (DESCREVER O TIPO NECESSÁRIO) _____ ou similar: máximo
de 10 pontos.
Observação:
I) Será considerado similar ou superior, qualquer processador que execute o mesmo
conjunto de instruções do processador acima descrito e em conformidade com a
documentação apresentada pelo licitante.
Descrição Nota Pontos Parciais
Acima do solicitado 10
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 00

67
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 10/12)

b) Memória com no mínimo 1 Gb , DDR 2, 400 Mhz: máximo de 10 pontos.


Descrição Nota Pontos Parciais
Acima do solicitado 10
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 00

c) Disco Rígido de no mínimo 80 Gb, SATA ou similar, com 7.200 RPM: máximo de
10 pontos.
Descrição Nota Pontos Parciais
Acima do solicitado 10
Igual ao solicitado 05
Inferior ao solicitado 00

A Pontuação Técnica (P1) será a soma dos pontos obtidos nos sub-itens
acima descritos, dividido por 10 (dez), com aproximação até dois decimais,
abandonada a terceira, sem aproximação.
Para o item Monitor de 17” LCD, a Pontuação Técnica (P1) será a soma dos
pontos obtidos nos sub-itens ___ a ___ (enumerar os sub-itens), dividido por 05
(cinco), com aproximação até dois decimais, abandonada a terceira, sem aproximação.
A licitante cuja Pontuação Técnica for inferior a 144, corresponde à valorização
mínima de 14,4 pontos, para os itens _____ (mencionar os itens), do anexo II –
Memorial Descritivo do Edital, estará automaticamente desclassificada.
A licitante cuja Pontuação Técnica for inferior a 150, corresponde à valorização
mínima de 15 pontos, para os itens ____ (mencionar os itens) do anexo II – Memorial
Descritivo do Edital, estará automaticamente desclassificada.
A licitante cuja Pontuação Técnica for inferior a 69, corresponde à valorização
mínima de 13,8 pontos, para o item ___ (mencionar o item) do anexo II – Memorial
Descritivo do Edital, estará automaticamente desclassificada.
Será desclassificada a proposta técnica que deixar de apresentar qualquer um
dos sub-itens acima, mesmo que o somatório geral de sua pontuação seja superior ao
estabelecido nos itens acima, bem como àquelas que estiverem em desobediência ao
Edital.
Das propostas técnicas classificadas será atribuído um índice de valoração,
através da atribuição de um ponto à maior na pontuação do índice técnico, sendo que
as demais serão pontuadas proporcionalmente na razão inversa do maior índice técnico,
conforme a seguinte fórmula:
68
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 11/12)

InP1 = P1ex /MP1, onde:


InP1 = Índice da proposta técnica;
P1ex = proposta técnica em exame;
MP1 = Maior pontuação técnica.

Ex: Pontuação Técnica fictícia de 05 empresas para exemplificação dos cálculos a


serem realizados.
Razão Social Pontuação Cálculo para Obtenção do
Técnica (P1) Índice Técnico = InP1
Fórmula (InP1 = P1ex /MP1)
Empresa nº 1 40,2 InP1 = 40,2 / 67,5 = 0,595
Empresa nº 2 67,5 Recebe pontuação 1, por ser a maior P1,
ou seja,InP1 = 67,5/67,5 = 1
Empresa nº 3 30,9 Desclassificada conforme item 9.8.1 do edital
Empresa nº 4 48 InP1 = 48/67,5 = 0,711
Empresa nº 5 45 InP1 = 45/67,5 = 0,666

Serão analisadas as pontuações por itens ofertados, verificando-se qual a


empresa (licitante) que ofereceu a melhor proposta por item
A proposta de preço de cada licitante será obtida da seguinte forma:
Valor Total por item ofertado pela empresa:
A Pontuação do Preço (P2) de cada licitante será obtida através da determinação
do índice de preços, sendo que os mesmos serão obtidos do seguinte modo: à proposta
que apresentar o menor preço unitário por item, será atribuída a valoração de 01 (um)
ponto, sendo que as demais propostas serão pontuadas proporcionalmente na razão
inversa do menor preço ofertado, conforme a seguinte fórmula:

InP2 = Mv / Vprop. Onde:


InP2 = Índice da Pontuação de Preço;
Mv = Menor Valor por item
Vprop= Valor da proposta analisada.

Ex: Pontuação Proposta Comercial, com valores fictícios das empresas que
permaneceram na disputa, para exemplificação dos cálculos a serem realizados.
69
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ANEXO PARA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO


(TÉCNICA E PREÇO) NO CASO DE AQUISIÇÃO DE
EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA (PAG.: 12/12)

Razão Social Proposta Comercial Cálculo para Obtenção do


(P2) Índice Técnico = InP2
Fórmula (InP2 = Mv/Vprop)
Empresa nº 1 R$ 700,00 Recebe pontuação 1, por ser a menor
P2, ou seja, InP2 = 700,00/700,00 = 1
Empresa nº 2 R$ 800,00 InP2 = 700,00/800,00 = 0,875
Empresa nº 4 R$ 900,00 InP2 = 700,00/900,00 = 0,777
Empresa nº 5 R$ 1.200,00 InP2 = 700,00/1.200,00 = 0,583

A Pontuação Final (PF) de cada licitante classificada será obtida mediante o


emprego da seguinte fórmula:

PF = (0,6 x InP1) + (0,4 x InP2)

Ex: Pontuação Final (PF), será obtida da seguinte maneira:

Razão Social InP1 InP2 Pontuação Final Classificação


(PF) = (0,6 x InP1) + (0,4 x InP2)
Empresa nº 1 0,595 1,000 PF = (0,6 x 0,595) +
(0,4 x 1,00) = 0,357 + 0,400 = 0,757 2º Lugar
Empresa nº 2 1,000 0,875 PF = (0,6 x 1) +
(0,4 x 0,875) = 0,600 + 0,350 = 0,950 1º Lugar
Empresa nº 4 0,711 0,777 PF = (0,6 x 0,711) +
(0,4 x 0,777) = 0,426 + 0,311 = 0,737 3º Lugar
Empresa nº 5 0,666 0,583 PF = (0,6 x 0,666) +
(0,4 x 0,583) = 0,399 + 0,233 = 0,632 4º Lugar

Será declarada vencedora a licitante que apresentar o maior resultado na Nota


Final.

(Nome) xxxxxxxxxxxxxx
(função) Diretor(a)/Chefe da(o) xxxxxxxxxxxxxxx
70
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 9
Reserva orçamentária

Após a realização da pesquisa de preços e a indicação do tipo e modalidade de


licitação que deverá ser realizada, o processo é encaminhado ao Departamento de
Finanças da municipalidade para que seja verificada a existência de dotação
orçamentária, ou seja, para que se verifique no orçamento da Prefeitura se existem
recursos disponíveis para a aquisição ou contratação solicitada.
Cabe ressaltar que se trata não somente de recursos financeiros, se a
municipalidade tem ou não “verba” para atender a solicitação, mas também se a
mesma foi prevista na elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA), na Lei de
Diretrizes Orçamentárias (LDO) e no Plano Plurianual (PPA), nos termos da Lei
4.320/642.
Isto significa dizer que não basta o pedido estar descrito de forma correta e
tampouco ser realizada uma pesquisa de preços de mercado adequada, nem existir
fundamento na Lei de Licitações e em lei complementar para que se possa realizar a
aquisição ou contratação, antes de mais nada é preciso que no planejamento
orçamentário anual e quadrienal sejam previstas todas as despesas rotineiras e especiais
da municipalidade, sendo que se a despesa solicitada não tiver sido prevista no
orçamento não poderá ser adquirida.
E para que seja realizada a aquisição/contratação a municipalidade deverá
providenciar lei especifica para alteração e inclusão da mesma no orçamento,
obedecidas todas as normas legais, o que demanda certo tempo, inclusive pelo fato
que é obrigatória a aprovação da Câmara Municipal do Crédito Orçamentário Especial.
A reserva orçamentária é a informação de que a municipalidade dispõe dos
recursos necessários para a realização da compra ou contratação, sendo que para a
maioria dos fornecedores funciona como um comprovante de que a municipalidade
possui condições de honrar o compromisso assumido.

______________________________
2
Esta lei estatui normas gerais de direito financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e
balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, de acordo com o disposto no art.
5°, inciso XV, letra b, da Constituição Federal.
71
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE RESERVA ORÇAMENTÁRIA PARA COMPRA/


CONTRATAÇÃO

RESERVA DE DOTAÇÃO

Interessado: Divisão de ______. (Setor interessado)


Assunto: Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de
obras, visando a ________ (objeto), COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS.

02.09.00 - DEPARTAMENTO DE __________


02.09.01. - Diretoria e dependências
4.4.90.51.00 - OBRAS E INSTALAÇÕES
22.661.0016.1.0025. - Construção do XXXXXXXX
VALOR R$ xxxxxxx

Socorro, ___ de ____ de 20___.

Sr(a). ____________
Diretor(a) do Departamento de Finanças

72
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 10
Autorização de compra/ contratação

Verificada a existência de recurso orçamentário, o procedimento é encaminhado


ao Departamento de Negócios Jurídicos que emite seu parecer sobre o caso concreto,
informando se o processo está cumprindo os ditames legais, a fim de que o (a)
responsável pelo Departamento de Administração possa solicitar ao (à) Prefeito(a)
Municipal a autorização de compra ou contratação, seja por dispensa ou inexigibilidade,
seja pela realização de licitação (convite/Tomada de Preços/Concorrência, etc).
A autorização emitida pelo Prefeito pode ser nomeada de três formas:
AUTORIZAÇÃO, RATIFICAÇÃO E ADJUDICAÇÃO/HOMOLOGAÇÃO.
A AUTORIZAÇÃO é utilizada nos casos de dispensa de licitação
enquadradas nos casos descritos no art. 24, incisos I e II, comumente chamados de
“compra/contratação direta”.
Já a RATIFICAÇÃO é o ato de autorização da contratação ou compra nos
casos de dispensa de licitações e inexigibilidades, independentemente de valor,
enumerados no art. 24, inciso III em diante e no art. 25 da Lei Federal de Licitações.
Ratificar significa validar o ato, tornando autêntica sua aprovação.
A ADJUDICAÇÃO/HOMOLOGAÇÃO é o ato de autorização emitido pelo
Prefeito após a realização dos processos de licitação e depois de obedecidos todos os
ditames legais (apresentação de documentos, julgamento de propostas, prazos de
interposição de recursos, etc...) o processo se encontra formalmente em ordem e
possa ser formalizado o instrumento de contrato. É o aval do Prefeito de que o processo
cumpriu com os requisitos exigidos pela lei e que a(s) proposta(s) vencedora(s) é/são
a(s) mais vantajosa(s) para a Administração.
A seguir alguns modelos que poderão ajudá-lo a visualizar melhor as diferenças
entre os termos de autorização, ratificação e homologação.

73
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE AUTORIZAÇÃO DE COMPRA/CONTRATAÇÃO

TERMO DE AUTORIZAÇÃO

Considerando a existência de dotação orçamentária, a funcional programática,


bem como parecer do Diretor do Departamento de Negócios Jurídicos e demais
documentos, AUTORIZO a formalização de contrato com a(s) empresa(s) (razão
social)______, no valor de R$ _____,00 e com (razão social)____ no valor de R$
____,00, visando a aquisição de _____________ (descrever o objeto), com fulcro
no art. 24, inciso II da Lei Federal de Licitações nº 8.666/93 e demais alterações
posteriores.
Encaminhar à Divisão de Licitações para a formalização dos contratos e, em
trânsito direto ao Departamento de Finanças para empenho e demais formalidades
nos termos da lei.

Atenciosamente,

Socorro, ___ de ____ de 20___

Dr. __________
Prefeito Municipal

74
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE ADJUDICAÇÃO/HOMOLOGAÇÃO DE COMPRA/


CONTRATAÇÃO

TERMO DE ADJUDICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO

Eu, _______ (Nome), Prefeito Municipal, em cumprimento ao disposto no


inciso VI, do Art. 433 da Lei Federal de Licitações Nº 8.666/93 e demais alterações
posteriores, ADJUDICO e HOMOLOGO o resultado do Processo Nº ___/200__/
PMES – (Modalidade) ______ Nº 009/2006, referente à AQUISIÇÃO/
CONTRATAÇÃO DE _________________________ (DESCRIÇÃO DO
OBJETO), conforme Ata de Julgamento da Comissão Municipal de Licitações, de
__/__/200__, para a(s) empresa(s): ___________ (Razão Social), para o valor
total de R$ _____ (_____) e ______ (Razão Social) para o valor total de R$ ____
(_____).

Socorro, ___ de ___ de 20___.

Dr. ____________
Prefeito Municipal

______________________________
3
O referido artigo e inciso dispõe sobre a autoridade competente para homologar o resultado da licitação,
a saber:
“Art. 43. A licitação será processada e julgada com observância dos seguintes procedimentos:
...Omissis....
VI - deliberação da autoridade competente quanto à homologação e adjudicação do objeto da licitação.”
75
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE RATIFICAÇÃO DE COMPRA/CONTRATAÇÃO

TERMO DE RATIFICAÇÃO

Eu, _______ (NOME), Prefeito Municipal da Estância de Socorro, Estado de


São Paulo, RATIFICO a Dispensa de Licitação Nº ___/20__ – Processo nº
___/20__/PMES, referente à locação do imóvel localizado à (endereço)_____, nº
___, Socorro, SP, cujo locador é o _____ (nome ou razão social do locador), com
fundamento no art. 24, inciso X, da Lei Federal das Licitações nº 8.666/93 e demais
alterações posteriores, pelo valor de R$ ____,00 (_____ reais) mensais, pelo período
de ___ (___) meses, totalizando R$ ___,00 (____ reais).
Encaminhe-se ao Departamento de Finanças para empenho e, em trânsito
direto à Divisão de Licitação, para publicação no D.O.E, em cumprimento do disposto
no Art. 26 da referida Lei.

Atenciosamente,

Socorro, __ de ____ de 20__

Dr. ________
Prefeito Municipal

76
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 11
Formalização de contrato

Expedida a autorização (ratificação ou homologação) pela autoridade


competente é procedida à formalização do instrumento contratual, que deverá conter
todas as cláusulas e condições necessárias para o fiel cumprimento do objeto adquirido/
contratado.
Para a formalização do contrato deverão ser obedecidas algumas normas e
exigências estabelecidas pela Lei de Licitações, em especial o descrito nos art. 60 a
63, que estabelecem os critérios de formalização dos instrumentos contratuais para
os órgãos públicos.

Art. 60. Os contratos e seus aditamentos serão lavrados nas repartições interessadas, as quais
manterão arquivo cronológico dos seus autógrafos e registro sistemático do seu extrato, salvo os
relativos a direitos reais sobre imóveis, que se formalizam por instrumento lavrado em cartório de
notas, de tudo juntando-se cópia no processo que lhe deu origem.
PARÁGRAFO ÚNICO. É nulo e de nenhum efeito o contrato verbal com a Administração, salvo o
de pequenas compras de pronto pagamento, assim entendidas aquelas de valor não superior a 5%
(cinco por cento) do limite estabelecido no art. 23, inciso II, alínea “a” desta Lei, feitas em regime de
adiantamento.

O instrumento contratual é o ajuste entre a municipalidade e o fornecedor e


deve conter as informações sobre quem os representantes das partes, o ato que
ensejou no referido instrumento, as condições e prazos para fornecimento do objeto,
entre outras, conforme abaixo transcrito:

Art. 61. Todo contrato deve mencionar os nomes das partes e os de seus representantes, a finalidade,
o ato que autorizou a sua lavratura, o número do processo da licitação, da dispensa ou da
inexigibilidade, a sujeição dos contratantes às normas desta Lei e às cláusulas contratuais.

Cabe ressaltar que para ser considerado válido, o instrumento contratual deve
ser publicado na imprensa oficial.

PARÁGRAFO ÚNICO. A publicação resumida do instrumento de contrato ou de seus aditamentos


na imprensa oficial, que é condição indispensável para sua eficácia, será providenciada pela
Administração até o quinto dia útil do mês seguinte ao de sua assinatura, para ocorrer no prazo de
vinte dias daquela data, qualquer que seja o seu valor, ainda que sem ônus, ressalvado o disposto no
art. 26 desta Lei.
77
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

A formalização de instrumento contratual é obrigatória nos casos de


concorrência e tomada de preços, e também nas dispensas e inexigibilidades com
valores compreendidos nos limites previstos para tais modalidades, e facultativa nos
demais casos (convite, dispensas e inexigibilidade com valor inferior ao limite de
tomada de preços) em a Administração puder substituí-los por outro instrumento
equivalente, como ordem de execução de serviços, ordem de empenho, etc.

Art. 62. O instrumento de contrato é obrigatório nos casos de concorrência e de tomada de preços,
bem como nas dispensas e inexigibilidades cujos preços estejam compreendidos nos limites destas
duas modalidades de licitação, e facultativo nos demais em que a Administração puder substituí-lo
por outros instrumentos hábeis, tais como carta-contrato, nota de empenho de despesa, autorização
de compra ou ordem de execução de serviço.
§ 1o A minuta do futuro contrato integrará sempre o edital ou ato convocatório da licitação.
§ 2o Em “carta contrato”, “nota de empenho de despesa”, “autorização de compra”, “ordem de
execução de serviço” ou outros instrumentos hábeis aplica-se, no que couber, o disposto no art. 55
desta Lei.
§ 3o Aplica-se o disposto nos arts. 55 e 58 a 61 desta Lei e demais normas gerais, no que couber:
I - aos contratos de seguro, de financiamento, de locação em que o Poder Público seja locatário, e aos
demais cujo conteúdo seja regido, predominantemente, por norma de direito privado;
II - aos contratos em que a Administração for parte como usuária de serviço público.
§ 4o É dispensável o “termo de contrato” e facultada a substituição prevista neste artigo, a critério
da Administração e independentemente de seu valor, nos casos de compra com entrega imediata e
integral dos bens adquiridos, dos quais não resultem obrigações futuras, inclusive assistência técnica.

O licitante ou possível fornecedor têm o direito de conhecer os termos do


contrato, a fim de participar da licitação ou da pesquisa de preços, e elaborar sua
proposta de preços baseada nas condições solicitadas.

Art. 63. É permitido a qualquer licitante o conhecimento dos termos do contrato e do respectivo
processo licitatório e, a qualquer interessado, a obtenção de cópia autenticada, mediante o pagamento
dos emolumentos devidos.

Como podemos observar o instrumento contratual é um documento


extremamente importante, tanto para a municipalidade, como para o fornecedor, uma
vez que rege as normas acordadas e servirá de base para a solução de eventuais
problemas, tanto na esfera administrativa como judiciária.
São cláusulas essenciais aos contratos públicos às descritas no art. 55 da Lei
de Licitações, sendo que a falta ou desobediência a qualquer uma delas poderá conduzir
a nulidade do instrumento contratual.

Art. 55. São cláusulas necessárias em todo contrato as que estabeleçam:


I - o objeto e seus elementos característicos;
II - o regime de execução ou a forma de fornecimento;
III - o preço e as condições de pagamento, os critérios, data-base e periodicidade do reajustamento
de preços, os critérios de atualização monetária entre a data do adimplemento das obrigações e a do
efetivo pagamento;
IV - os prazos de início de etapas de execução, de conclusão, de entrega, de observação e de recebimento
definitivo, conforme o caso;
V - o crédito pelo qual correrá a despesa, com a indicação da classificação funcional programática e
da categoria econômica;
78
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

VI - as garantias oferecidas para assegurar sua plena execução, quando exigidas;


VII - os direitos e as responsabilidades das partes, as penalidades cabíveis e os valores das multas;
VIII - os casos de rescisão;
IX - o reconhecimento dos direitos da Administração, em caso de rescisão administrativa prevista no
art. 77 desta Lei;
X - as condições de importação, a data e a taxa de câmbio para conversão, quando for o caso;
XI - a vinculação ao edital de licitação ou ao termo que a dispensou ou a inexigiu, ao convite e à
proposta do licitante vencedor;
XII - a legislação aplicável à execução do contrato e especialmente aos casos omissos;
XIII - a obrigação do contratado de manter, durante toda a execução do contrato, em compatibilidade
com as obrigações por ele assumidas, todas as condições de habilitação e qualificação exigidas na
licitação.

A princípio o contrato deve obedecer ao exercício orçamentário em que está


vinculado, contudo, e em casos especiais poderá haver alteração e conseqüente
prorrogação deste contrato, sendo que tais alterações são denominadas de aditamentos
contratuais, seja para prorrogar o prazo de vigência, ou para adquirir maior quantidade
de produtos ou serviços, ou para efetuar uma adequação as exigências estabelecidas.

Art. 57. A duração dos contratos regidos por esta Lei ficará adstrita à vigência dos respectivos
créditos orçamentários, exceto quanto aos relativos:
Os instrumentos contratuais podem ser aditados nas condições determinadas
pelos art. 57 e 65 da Lei Federal de Licitações, sendo que tal aditamento deverá ser
justificado no processo de origem.
Os aditamentos podem ocorrer devido ao objeto se tratar de prestação de
serviço contínuo, ou seja, que o mesmo, independentemente do exercício orçamentário,
ou social, deverá ser realizado, sob pena de ocorrer graves transtornos à população
pela paralisação destes, limitada ao prazo máximo de 60 (sessenta) meses. (Ex: Coleta
de Lixo/ Transporte Público/ etc).

II - à prestação de serviços a serem executados de forma contínua, que poderão ter a sua duração
prorrogada por iguais e sucessivos períodos com vistas à obtenção de preços e condições mais
vantajosas para a administração, limitada a sessenta meses;

Nos casos de aquisição de softwares (programas de informática) ou aluguel


de equipamentos o prazo limite será de 48 (quarenta e oito) meses, visto que a realização
de processos licitatórios anuais, poderiam causar prejuízos ao Poder Público, no que
se refere a eficiência e agilidade na execução dos serviços rotineiros da administração,
uma vez que inúmeros são os setores que utilizam os sistemas de informação para
realizar seus procedimentos de atendimento, agendamento e disponibilização de
informações aos contribuintes.

IV - ao aluguel de equipamentos e à utilização de programas de informática, podendo a duração


estender-se pelo prazo de até 48 (quarenta e oito) meses após o início da vigência do contrato.

Nos casos de execução de serviços de obras ou entrega de materiais poderá


ser aditado o prazo de entrega/execução, quando da ocorrência de fatores que
interfiram nos prazos iniciais e desde que o fornecedor não tenha concorrido de
forma culposa para o atraso.
79
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

§ 1o Os prazos de início de etapas de execução, de conclusão e de entrega admitem prorrogação,


mantidas as demais cláusulas do contrato e assegurada a manutenção de seu equilíbrio econômico-
financeiro, desde que ocorra algum dos seguintes motivos, devidamente autuados em processo:
I - alteração do projeto ou especificações, pela Administração;
II - superveniência de fato excepcional ou imprevisível, estranho à vontade das partes, que altere
fundamentalmente as condições de execução do contrato;
III - interrupção da execução do contrato ou diminuição do ritmo de trabalho por ordem e no
interesse da Administração;
IV - aumento das quantidades inicialmente previstas no contrato, nos limites permitidos por esta
Lei;
V - impedimento de execução do contrato por fato ou ato de terceiro reconhecido pela Administração
em documento contemporâneo à sua ocorrência;
VI - omissão ou atraso de providências a cargo da Administração, inclusive quanto aos pagamentos
previstos de que resulte, diretamente, impedimento ou retardamento na execução do contrato, sem
prejuízo das sanções legais aplicáveis aos responsáveis.

Vale ressaltar que toda prorrogação de prazo deve ser justificada por escrito e
autorizada pela autoridade competente, fazendo parte integrante do processo de origem.

§ 2o Toda prorrogação de prazo deverá ser justificada por escrito e previamente autorizada pela
autoridade competente para celebrar o contrato.

Em alguns casos o aditamento poderá ocorrer devido à necessidade de se


aumentar à quantidade dos produtos adquiridos ou para adequar o valor inicial ao
ajuste correto no caso de obras e serviços, seja pela ocorrência de problemas, seja
pelo simples aumento da demanda, uma vez que é impossível se identificar com
precisão absoluta os quantitativos que cercam as necessidades de um município, estado
ou país.

Art. 65. Os contratos regidos por esta Lei poderão ser alterados, com as devidas justificativas, nos
seguintes casos:
I - unilateralmente pela Administração:
a) quando houver modificação do projeto ou das especificações, para melhor adequação técnica aos
seus objetivos;
b) quando necessária a modificação do valor contratual em decorrência de acréscimo ou diminuição
quantitativa de seu objeto, nos limites permitidos por esta Lei;
II - por acordo das partes:
a) quando conveniente a substituição da garantia de execução;
b) quando necessária a modificação do regime de execução da obra ou serviço, bem como do modo de
fornecimento, em face de verificação técnica da inaplicabilidade dos termos contratuais originários;
c) quando necessária a modificação da forma de pagamento, por imposição de circunstâncias
supervenientes, mantido o valor inicial atualizado, vedada a antecipação do pagamento, com relação
ao cronograma financeiro fixado, sem a correspondente contraprestação de fornecimento de bens ou
execução de obra ou serviço;
d) para restabelecer a relação que as parte pactuaram inicialmente entre os encargos do contratado
e a retribuição da Administração para a justa remuneração da obra, serviço ou fornecimento, objetivando
a manutenção do equilibrio econômico-financeiro inicial do contrato, na hipótese de sobreviverem
fatos imprevisíveis, ou previsíveis porém de consequências incalculáveis, retardadores ou impeditivos
da execução do ajustado, ou ainda, em caso de força maior, caso fortuito ou fato do príncipe,
configurando álea econômica extraordinária e extracontratual.

Para tanto é preciso se observar alguns limites, impostos pela legislação, a


fim de que a realização de tais aditivos não ultrapassassem as questões econômicas,
80
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

legais e morais, e tal procedimento fosse usado de maneira equivocada pelo gestor
público.

§ 1o O contratado fica obrigado a aceitar, nas mesmas condições contratuais, os acréscimos ou


supressões que se fizerem nas obras, serviços ou compras, até 25% (vinte e cinco por cento) do
valor inicial atualizado do contrato, e, no caso particular de reforma de edifício ou de equipamento,
até o limite de 50% (cinqüenta por cento) para os seus acréscimos.

Os aditamentos não poderão exceder o limite de 25% do valor inicial, e


em casos excepcionais (reforma de edifício ou equipamento) até 50%, devendo ser,
obviamente, justificadas as condições, valores e finalidades que ensejaram em tal
aditamento.

81
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 12
Recebimento do objeto

Após a autorização expedida pela autoridade competente e a formalização da


ordem de execução ou contrato, o objeto adquirido deve ser recebido pela
municipalidade através de documento oficial.
Alguns objetos (materiais/produtos/serviços) podem ser recebidos diretamente
pelo responsável pelo setor requisitante, outros devido a sua complexidade ou
importância, devem ser recebidos por Comissão Especialmente Designada para tal
fim.
A Lei de Licitações, em seu art. 73, informa as condições e exigências para o
recebimento dos bens e serviços adquiridos pela municipalidade, sendo que tal
exigência, visa identificar que os bens ou serviços, foram entregues de forma correta
e em conformidade com as exigências e condições estabelecidas no processo
licitatório.
Art. 73. Executado o contrato, o seu objeto será recebido:
I - em se tratando de obras e serviços:
a) provisoriamente, pelo responsável por seu acompanhamento e fiscalização, mediante termo
circunstanciado, assinado pelas partes em até 15 (quinze) dias da comunicação escrita do contratado;
b) definitivamente, por servidor ou comissão designada pela autoridade competente, mediante termo
circunstanciado, assinado pelas partes, após o decurso do prazo de observação, ou vistoria que
comprove a adequação do objeto aos termos contratuais, observado o disposto no art. 69 desta Lei;
II - em se tratando de compras ou de locação de equipamentos:
a) provisoriamente, para efeito de posterior verificação da conformidade do material com a
especificação;
b) definitivamente, após a verificação da qualidade e quantidade do material e conseqüente aceitação.
Como podemos observar, o recebimento deverá ser realizado em duas etapas:
a) provisoriamente, para análise do cumprimento de todas as obrigações contratuais,
especificações, funcionamento adequado, etc, e b) definitivamente, após a análise
dos bens entregues ou da perfeita execução dos serviços solicitados.
Tal exigência visa proteger o interesse da Administração Pública em receber
equipamentos, materiais e/ou serviços que atendam as necessidades solicitadas, bem
como que os mesmos sejam compatíveis com as propostas apresentadas, ou seja,
que produzam os efeitos desejados pela administração. Por isso se faz necessária a
realização de um termo circunstanciado.
§ 1o Nos casos de aquisição de equipamentos de grande vulto, o recebimento far-se-á mediante
termo circunstanciado e, nos demais, mediante recibo.

82
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

Vale ressaltar que a emissão do termo de recebimento (provisório ou definitivo),


não isenta a contratada do fiel cumprimento de suas obrigações, nem tampouco da
responsabilidade sob o produto ou serviço prestado, caso seja comprovado falha ou
defeito de fabricação, mesmo em data posterior à emissão do termo.

§ 2o O recebimento provisório ou definitivo não exclui a responsabilidade civil pela solidez e segurança
da obra ou do serviço, nem ético-profissional pela perfeita execução do contrato, dentro dos limites
estabelecidos pela lei ou pelo contrato.
§ 3o O prazo a que se refere a alínea “b” do inciso I deste artigo não poderá ser superior a 90
(noventa) dias, salvo em casos excepcionais, devidamente justificados e previstos no edital.
§ 4o Na hipótese de o termo circunstanciado ou a verificação a que se refere este artigo não serem,
respectivamente, lavrado ou procedida dentro dos prazos fixados, reputar-se-ão como realizados,
desde que comunicados à Administração nos 15 (quinze) dias anteriores à exaustão dos mesmos.

O termo de recebimento provisório poderá ser dispensado em alguns


casos,conforme estabelecido no art. 74 da Lei de Licitações.

Art. 74. Poderá ser dispensado o recebimento provisório nos seguintes casos:
I - gêneros perecíveis e alimentação preparada;
II - serviços profissionais;
III - obras e serviços de valor até o previsto no art. 23, inciso II, alínea “a”, desta Lei, desde que não
se componham de aparelhos, equipamentos e instalações sujeitos à verificação de funcionamento e
produtividade.
PARÁGRAFO ÚNICO. Nos casos deste artigo, o recebimento será feito mediante recibo.

Nestes casos poderá ser feito o recebimento do objeto através de recibo.


A seguir modelos de termos de recebimento de obras e materiais para melhor
interpretação da norma legal.

83
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE TERMO DE RECEBIMENTO PROVISÓRIO DE


EQUIPAMENTOS

TERMO DE RECEBIMENTO PROVISÓRIO

Em obediência ao Art. 73, Inciso II, letra “a” da Lei Federal de Licitações nº
8.666/93 e demais alterações posteriores, esta Comissão Municipal, especialmente
designada como responsável pelo recebimento dos equipamentos de _____, conforme
Portaria Nº ___, de ____, informamos que com referência ao Contrato firmado em
________, cujo objeto foi a ________________________________, originário
do PROCESSO Nº ____/200_/PMES, modalidade TOMADA DE PREÇOS Nº
___/200_, firmamos o presente TERMO DE RECEBIMENTO PROVISÓRIO,
em virtude da empresa contratada, (Razão Social) ________________, ter procedido
à entrega dos equipamentos nos moldes firmados no instrumento Contratual, os quais
serão analisados em conformidade com as especificações constantes da proposta e
instrumento editalício.

Socorro, ________.

____________________ ____________________
Responsável pela Prefeitura Responsável pela empresa

____________________ ____________________
Responsável pela Prefeitura Responsável pela Prefeitura

84
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE TERMO DE RECEBIMENTO DEFINITIVO DE


EQUIPAMENTOS

TERMO DE RECEBIMENTO DEFINITIVO

Em obediência ao Art. 73, Inciso II, letra “b” da Lei Federal de Licitações nº
8.666/93 e demais alterações posteriores, esta Comissão Municipal, especialmente
designada como responsável pelo recebimento dos equipamentos de ___, conforme
Portaria Nº ___, de ____, informamos que com referência ao Contrato firmado em
________, cujo objeto foi a ________________________________, originário
do PROCESSO Nº ____/200_/PMES, modalidade TOMADA DE PREÇOS Nº
___/200_, firmamos o presente TERMO DE RECEBIMENTO DEFINITIVO,
em virtude da empresa contratada, (Razão Social) ________________, ter procedido
à entrega dos equipamentos nos moldes firmados no instrumento Contratual, bem
como após a análise dos mesmos e verificada sua conformidade com as especificações
propostas.

Socorro, ________.

____________________ ____________________
Responsável pela Prefeitura Responsável pela empresa

____________________ ____________________
Responsável pela Prefeitura Responsável pela Prefeitura

85
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE TERMO DE RECEBIMENTO PROVISÓRIO DE


OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

TERMO DE RECEBIMENTO PROVISÓRIO

Em obediência ao Art. 73, Inciso I, letra “a” da Lei Federal de Licitações nº


8.666/93 e demais alterações posteriores, eu, Engº _______, responsável pelo
acompanhamento e fiscalização da execução do contrato cujo objeto foi a
CONSTRUÇÃO DE UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA, NO _____,
localizada na _______, celebrado em __/__/200__, COM FORNECIMENTO
DE MATERIAIS, originário do PROCESSO Nº 0__/20__/PMES, modalidade
TOMADA DE PREÇOS Nº 0__/20__, firmo o presente TERMO DE
RECEBIMENTO PROVISÓRIO, em virtude da empresa contratada, ______
(razão social), ter procedido à entrega da obra nos moldes firmados no instrumento
Contratual.

Socorro, __ de __ de 20___.

Eng. ______ Razão Social _______N


(cargo ou função) – responsável da Nome do representante da empresa _____
municipalidade - CREA nº ______ RG ______________

86
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

MODELO DE TERMO DE RECEBIMENTO DEFINITIVO DE


OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

TERMO DE RECEBIMENTO DEFINITIVO

Em obediência ao Art. 73, Inciso I, letra “b” da Lei Federal de Licitações nº


8.666/93 e demais alterações posteriores, esta Comissão Municipal, especialmente
designada como responsável pelo recebimento das obras municipais durante o exercício
de 20__, conforme Portaria Nº ____, de __/__/20__, informamos que com referência
ao Contrato firmado em ________, cujo objeto foi a
________________________________, originário do presente do PROCESSO
Nº ____/200__/PMES, modalidade CONVITE Nº ___/20__, firmamos o presente
TERMO DE RECEBIMENTO DEFINITIVO, em virtude da empresa contratada
________________, ter procedido à entrega da obra nos moldes firmados no
instrumento Contratual.

Socorro, ________.

_______________ ___________________
Membro da Comissão Representante da empresa

_______________ ________________
Membro da Comissão Membro da Comissão

87
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CAPÍTULO 13
Planejamento

As regras e ações preconizadas pela Lei de Licitações, e especialmente, após


a instituição da Lei de Responsabilidade Fiscal, buscam evidenciar aquilo que parece
ser a mais simples das atitudes, mas que muitas vezes se demonstra a mais difícil
tarefa a se executar.
O planejamento é a chave principal para a obtenção de sucesso em qualquer
área de trabalho no setor público, uma vez que a população, o contribuinte, a sociedade
em si, espera que seus governantes e gestores utilizem os recursos públicos para
solucionar, senão todos, mais a maior parte dos problemas que enfrentamos
diariamente, em busca de uma qualidade de vida melhor.
Nós, como servidores da administração pública, devemos estar preparados
para executar as tarefas que nos são/serão confiadas, a fim de realizarmos o melhor
trabalho possível e atender as expectativas da sociedade da maneira mais eficiente e
com a melhor qualidade que pudermos oferecer.
Para que possamos realizar grande parte desta tarefa é preciso planejar,
organizar e gerenciar os recursos materiais, humanos e técnicos que possuímos,
aproveitando o que cada um tem de melhor para oferecer, para que possamos alcançar
as metas e objetivos traçados no início de um ano ou para toda uma gestão (4 anos)
pública, administrativa, e que considere as necessidades reais do município.
O planejamento adequado favorece o desempenho das atividades cotidianas,
visto que poderemos realizar estas tarefas com prazos adequados e dentro do período
necessário para que não ocorram atrasos ou equívocos na execução, devido à falta
de tempo hábil.
Contudo, se houver ocorrências fortuitas ou emergenciais, estaremos preparados
para resolvê-las, pois poderemos dispor de reservas para buscar as soluções mais
adequadas para responder a tais ocorrências.

Missão:
“Servir à municipalidade em busca da concretização dos projetos
necessários ao bem estar dos munícipes e turistas”

88
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

Portanto, depende de cada um o adequado planejamento de serviços, incluindo-


se as aquisições em quantidade, especificação e qualidade necessária ao bem estar
comum dos cidadãos, a fim de que possamos cumprir com a nossa missão de servidores
municipais.

89
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

CONCLUSÃO

O presente manual tem por finalidade descrever, em linhas gerais, quais as


principais práticas adotadas pela municipalidade, a fim de aprimorar os procedimentos
licitatórios, para que os mesmos possam cumprir com as normas e ditames legais,
especialmente os referentes à Lei de Licitações.
Esperamos que o presente possa servir como parâmetro no auxílio e
entendimento das exigências legais para a realização de compras e contratações, a
fim de que se possa aprimorar, cada vez mais, os processos municipais de licitações,
sempre em busca das soluções mais adequadas para a resolução de problemas rotineiros
e emergenciais que cercam uma Administração Municipal.
Por fim, gostaríamos de ressaltar que o conhecimento é a ferramenta mais
importante de trabalho que dispomos, e que somente quando podemos transmití-lo
aos nossos semelhantes é que estaremos realizando um trabalho realmente eficiente,
pois “aquele que guarda para si o conhecimento que possui, perde a oportunidade de
sentir a alegria e o prazer de ter contribuído para o desenvolvimento da sociedade em
que vive.”

Divisão de Licitação
Prefeitura Municipal da Estância de Socorro

90
Manual Básico de Procedimentos de Licitação

BIBLIOGRAFIA

LICITAÇÕES E CONTRATOS: orientações básicas. Tribunal de Contas da União.


3 ed. rev. atual. e ampl. Brasília: TCU, Secretaria de Controle Interno, 2006. 409 p.

LEI FEDERAL Nº 8.666, de 21/06/1993. Lei de licitação e contratos públicos.


Acessada no site www.presidencia.gov.br/legislacao , 2006.

LEI FEDERAL Nº 10.520, de 17/07/2002. Lei que institui o pregão como


modalidade de licitação. Acessada no site www.presidencia.gov.br/legislacao , 2006.

91