Anda di halaman 1dari 2

Informação

No dia dezassete de Novembro de 2008, realizou-se uma reunião de

professores, do Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches, de Braga,

solicitada à Comissão Executiva por cento e setenta e cinco professores

deste Agrupamento. Na reunião, após debate, foi aprovada uma Moção

sobre o modelo de Avaliação de Desempenho Docente que o Ministério da

Educação decretou, tendo sido assinada, nessa hora e no dia seguinte, por

duzentos e seis professores. A Moção foi apresentada ao Conselho

Pedagógico do Agrupamento, a dezoito de Novembro de 2008.

De acordo com informação da secretaria do Agrupamento, o Agrupamento

de Escolas Dr. Francisco Sanches, tem 315 professores em exercício

efectivo, dos quais 46 são professores contratados.

Braga, 21 de Novembro de 2008

“Muda que o medo é um modo de fazer censura.

Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente.

A gente muda o mundo na mudança da mente.

E quando a mente muda a gente anda p’ra frente.

E quando a gente manda, ninguém manda na gente.”

Gabriel Pensador
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Exma Senhora Ministra da Educação


Com conhecimento a:
Presidente da Comissão Executiva
Conselho Geral do Agrupamento
Presidência da República
Governo da República
Procuradoria Geral da República
Plataforma Sindical
Grupos Parlamentares
DREN
Órgãos de Comunicação Social

Os professores do Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches, reunidos em 17 de


Novembro de 2008, mostram o seu veemente desagrado face ao modelo de Avaliação de
Desempenho introduzido pelo Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro, pelos
motivos que se passa a enunciar:
1. A aplicação do modelo de avaliação previsto pelo Decreto Regulamentar nº2/2008, de
10 de Janeiro tem-se revelado inexequível, por não ser possível praticá-lo segundo
critérios de rigor, imparcialidade e justiça para com todos os professores do
Agrupamento;
2. O modelo referido pauta-se pela subjectividade dos seus parâmetros o que abrirá
campo à contestação dos resultados nas escolas e até nos tribunais;
3. O Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro não tem em conta a
complexidade da profissão docente que não cabe num modelo burocrático e que
assenta numa perspectiva desmesuradamente quantitativa e redutora da verdadeira
avaliação dos docentes.
4. O modelo previsto pelo Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro, não se
traduzindo em qualquer mais valia pessoal ou profissional, o que é preconizado pelo
mesmo decreto, não é aceite pelos professores.
5. O pressuposto pelo Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro de se melhorar
a qualidade do ensino na escola pública, não é alcançável devido ao clima de
insustentável instabilidade e mal estar resultante da forma como se processou o
concurso para Professores Titulares, concurso baseado em parâmetros arbitrários e,
por isso, injustos.
6. Não é aceitável que, dentro do mesmo sistema de avaliação, haja professores
avaliados tendo em conta os resultados dos exames a nível nacional dos seus alunos,
enquanto todos os restantes não o são, por não haver exames nacionais nas
disciplinas que leccionam, violando-se o princípio da igualdade;
7. A aplicação do Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro acrescenta de forma
desmesurada o trabalho burocrático para os docentes, retirando-lhes tempo para o
efectivo trabalho de docência e pondo em risco o processo de aprendizagem dos
alunos.
8. O Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro condiciona a avaliação do
professor ao progresso dos resultados escolares dos seus alunos, transformando-o,
por um lado, no único agente responsável pelo sucesso daqueles, como se à volta dos
alunos houvesse um vazio, sem interferências sociais ou económicas e, por outro lado,
a avaliação que o professor propuser para os seus alunos, condicionará a sua própria
avaliação, o que constitui um conflito de interesses.
Pelo exposto, os professores do Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches, vêem-
se obrigados a requerer a suspensão da avaliação de desempenho docente decorrente
do Decreto Regulamentar n.º 2/2008, de 10 de Janeiro, aguardando da parte do Ministério
da Educação a resolução dos problemas acima enunciados, para poderem, então,
retomar o processo.

Braga, 17 de Novembro de 2008