Anda di halaman 1dari 6
 
  Cópia não autorizada ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av.

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas

Sede:

Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (21) 210-3122 Fax: (21) 220-1762/220-6436 Endereço eletrônico:

www.abnt.org.br

Copyright © 1999, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

DEZ 1999 NBR 14420 Couro - Determinação da resistência ao ataque fúngico por exposição em

DEZ 1999

NBR 14420

Couro - Determinação da resistência ao ataque fúngico por exposição em câmara tropical Origem: Projeto
Couro - Determinação da resistência
ao ataque fúngico por exposição em
câmara tropical
Origem: Projeto 11:100:02-022:1999
ABNT/CB-11 - Comitê Brasileiro de Couro e Calçados
CE-11:100.02 - Comissão de Estudo de Ensaios para Couro
NBR 14420 - Leather - Fungous attack resistance test through exposition
tropical camara
Descriptor: Leather
Válida a partir de 31.01.2000
Palavra-chave: Couro
6 páginas

Sumário Prefácio

1 Objetivo

2 Referências normativas

3 Método de ensaio ANEXO A Figuras

Prefácio

A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).

Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ONS, circulam para Consulta Pública entre os associados da ABNT e demais interessados.

Esta Norma contém o anexo A, de caráter normativo.

1 Objetivo

Esta Norma prescreve o método de determinação da resistência ao ataque fúngico em couro, por exposição em câmara tropical.

2 Referências normativas

As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.

NBR 14237:1998 - Pele e couro - Formulações dos meios de cultura para análise microbiológica

NBR 14238:1998 - Pele e couro - Tomada do pedaço-de-prova para análise microbiológica - Procedimento

3 Método de ensaio

3.1 Amostragem

Coletar o pedaço-de-prova conforme a NBR 14238.

3.2 Aparelhagem

A aparelhagem necessária para a execução do ensaio é a seguinte:

a) câmara tropical, conforme sugestões da figura A.1 ou figura A.2;

2

NBR 14420:1999

b) gabarito de plástico com dimensões de 20 cm x 15 cm, conforme a figura A.3;

c) faca, tesoura ou estilete;

d) gancho ou suporte;

e) placa de Petri;

f) estufa de incubação capaz de operar na faixa de (30 ± 2) o C .

3.3 Reagentes

Os reagentes necessários para a execução do ensaio são os seguintes:

a) terra para jardinagem;

b) meio de cultura para fungos, conforme a NBR 14237;

c) culturas de fungos isolados de couro (exemplo: Aspergillus sp, Penicillium sp, Trichoderma sp, etc.), em placa de

Petri.

3.4 Preparo da amostra

Cortar os pedaços-de-prova obtendo os corpos-de-prova de aproximadamente 15 cm x 18 cm.

3.5 Preparo da câmara

3.5.1 Colocar água na bandeja até cobrir a resistência.

3.5.2 Colocar terra para jardinagem na bandeja de inox (essa bandeja deve conter alguns furos na parte inferior, a fim de

que seja permitido o escoamento do excesso de água).

NOTA - Antes de ser contaminada, a câmara deve ser mantida fechada e em funcionamento para verificar se o ambiente se mantém úmido e na temperatura desejada.

3.5.3 Incorporar à terra meio de cultura para fungos (solidificado e fragmentado).

3.5.4 Incorporar à superfície da terra as culturas de fungos.

NOTAS

1 Após sete dias, devem-se colocar placas de Petri (abertas) com meio para fungos por 15 min no interior da câmara e, então, as placas devem ser mantidas à temperatura de (30 ± 2) o C, a fim de que seja avaliada a contaminação no interior da câmara.

no interior da

2 É conveniente também que sejam colocadas amostras de couro sem preservação para a checagem da contaminação câmara.

3.6 Procedimento

3.6.1 Colocar o corpo-de-prova no gabarito, identificando-o corretamente.

3.6.2 Acondicionar o gabarito no interior da câmara, deixando-o suspenso com o auxílio do gancho.

3.6.3 Incubar por quatro semanas a uma temperatura de (30 ± 2) o C.

3.7 Avaliação

Avaliar semanalmente o percentual da área contaminada do corpo-de-prova conforme a tabela abaixo:

Número de quadrinhos contaminados

Percentual de área contaminada

20

100%

19

95%

18

90%

17

85%

16

80%

15

75%

14

70%

13

65%

12

60%

11

55%

10

50%

9

45%

8

40%

7

35%

6

30%

5

25%

4

20%

3

15%

2

10%

1

5%

0

Não detectada

8 40% 7 35% 6 30% 5 25% 4 20% 3 15% 2 10% 1 5%

NBR 14420:1999

3

3.8 Resultado

Considerar como resultado do ensaio a avaliação na quarta semana após inoculação.

3.9 Relatório

3.9.1 O relatório deve indicar o método utilizado e os resultados obtidos, mencionando todos os detalhes de procedimento

não previstos nesta Norma.

3.9.2 O relatório deve conter todos os esclarecimentos necessários à completa identificação da amostra.

3.9.3 O relatório deve conter data e nome do técnico responsável pelo ensaio.

/ANEXO A

4

NBR 14420:1999

Anexo A (normativo) Figuras

Anexo A (normativo) Figuras Legenda: 1 - Tampa de aço inox ou acrílico 2 - Suportes

Legenda:

1 - Tampa de aço inox ou acrílico

2 - Suportes de aço inox ou acrílico, medindo 60 cm de comprimento

3 - Bandeja de aço inox com dimensões de 40 cm x 40 cm x 7 cm, para contenção da terra contaminada

4 - Chapa de inox vazada menor que a dimensão interna da cuba para perfeito encaixe

5 - Resistência para manter a temperatura em (30 ± 2) o C nas condições de uso

6 - Cuba de aço inox ou acrílica nas dimensões de 60 cm x 60 cm x 60 cm

NOTA - Este equipamento deve ser provido de termômetro e termostato.

Figura A.1 - Câmara tropical - Modelo 1

x 60 cm NOTA - Este equipamento deve ser provido de termômetro e termostato. Figura A.1

NBR 14420:1999

5

Legenda: 1 - Porta 2 - Suportes 3 - Bandeja de aço inox, para contenção

Legenda:

1 - Porta

2 - Suportes

3 - Bandeja de aço inox, para contenção da terra contaminada

4 - Bandeja de aço inox para contenção da água

5 - Resistência para manter a temperatura em (30 ± 2) o C nas condições de uso

Figura A.2 - Câmara tropical - Modelo 2

6

NBR 14420:1999

Legenda: 1 - Gancho metálico 2 - Quadrado vazado com dimensões de 2 cm x

Legenda:

1 - Gancho metálico

2 - Quadrado vazado com dimensões de 2 cm x 2 cm

3 - Saco plástico com uma abertura para introdução da amostra

4 - Abertura

Figura A.3 - Gabarito de plástico

cm 3 - Saco plástico com uma abertura para introdução da amostra 4 - Abertura Figura

Minat Terkait