Anda di halaman 1dari 20
Introdução ao Direito Processual Constitucional Judicial Unidade I
Introdução ao Direito
Processual
Constitucional
Judicial
Unidade I

FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA

2010/I

CONSTITUIÇÃO & PROCESSOS

CONSTITUIÇÃO & PROCESSOS

JURISDIÇÃO, AÇÃO E PROCESSO

JURISDIÇÃO, AÇÃO E PROCESSO No Brasil, qualquer jurisdição, processo e ação é Constitucional

No Brasil, qualquer jurisdição, processo e ação é Constitucional

JURISDIÇÃO, AÇÃO & PROCESSO

Proc. Constitucional: considera conceito, extensão e limites das Garantias Constitucionais. Premissas:

(i)Pressuposta existência de um processo visando a garantir interesses da pessoa;

(ii)Lei deve instituir (detalhando) esse processo;

(iii)Lei não pode conceber formas que tornem “ilusórias” a concepção de proc. consagrada na Constituição;

(iv)Lei instituidora de uma forma do processo não pode privar o indivíduo de razoável oportunidade para fazer valer o seu direito;

(v)Instituição de meios de impugnação do legal-inconstitucional.

TRIPLA FINALIDADE DO PROCESSO (Hodiernamente)

INSTRUMENTAL: composição da lide pela aplicação da lei ao caso

concreto (obsolescência do conceito)

GARANTÍSTICA: proteção do interesse público e dos direitos de personalidade. Garantia dos direitos subjetivos por meio da “investígação da verdade”

SOCIOPOLÍTICA: reafirmação da vontade da lei por intermédio da distribuição da justiça. Reafirma- ção dos valores consagrados pela sociedade (DF+DH)

JURISDIÇÃO & PROCESSO CONSTITUCIONAL

Problemas terminológicos.

Toda jurisdição é constitucional. A doutrina a classifica de acordo com o seu objeto.

Assim: para a doutrina é o objeto que determinará o tipo de jurisdição. Se o objeto é expressamente constitucional, falar-se-á em jurisdição constitucional.

Idem para “processo”.

JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL

  • - Opinião atual de expressiva parte da doutrina:

O Direito Civil depende de seu respectivo processo para se projetar sobre a sociedade quando tal não se dá espontaneamente (promoção e controle da eficácia do Direito Civil Material)

O constitucionalismo entendeu que o mesmo se dá com o Direito Constitucional (promoção e controle do Direito que está na Constituição/Direitos Fundamentais)

CONSTITUIÇÃO: Duas classes de normas processuais

(i)

Estrutura e organização do Poder Judiciário

Forma de acesso ao cargo, respon- sabilidade, com- petências e ga- rantias dos juízes

Administração da Justiça.

Direito de Ação e de Defesa

(ii)

Garantia do cumprimento das disposições consti- tucionais atinentes aos direitos da pessoa

Garantia do cumpri- mento da hierarquia normativa e das competências cons- titucionais

(i)Administração da Justiça em Geral (Dir. Const. Proc.) (ii)Administração da Justiça Constitucional (Dir. Proc. Const.)

DIREITO PROCESSUAL CONSTITUCIONAL ≠ DIREITO CONSTITUCIONAL PROCESSUAL

Construção do “modelo constitucional do processo”, que estrutura e submete o Direito Processual.

Direito Constitucional Processual: envolve regras e princípios processuais tutelados na CRFB88. [Direitos e garantias processuais]

Direito Processual Constitucional: envolve regras e princípios processuais destinados à promoção da “jurisdição constitucional”. Relaciona-se às questões processuais vinculadas ao controle “lato sensu” e “strictu sensu” de constitucionalidade. [“Jurisdição constitucional”]

Analogia: Quanto à natureza de suas disposições, as normas podem ser divididas em…?

  • - Constituição é norma substantiva (material). Direito Processual Constitucional é norma adjetiva (formal/instrumental). Efetivação de R.J. do Dir. Mat.

DIREITO PROCESSUAL CONSTITUCIONAL

“Disciplina que se ocupa do Estudo das garantias constitucionais, que consistem em instrumentos processuais e que servem para efetivar o respeito à hierarquia normativa que distingue a Constituição e o respeito e cumprimento dos direitos humanos que a Carta Magna estabelece.” (Ivo Dantas)

“O Dir. Proc. Constit. seria formado a partir de normas processuais de organização da Justiça Constitucional e de instrumentos processuais previstos nas Constituições, afetos à ‘Garantia da Constituição’ e à ‘Garantia dos Direitos Fundamentais’, controle de constitucionalidade, solução de conflitos entre os órgãos de cúpula do Estado, resolução de conflitos federativos e regionais, julgamento de agentes políticos, recurso constitucional, ‘habeas corpus’, mandado de segurança, ‘habeas data’ etc.” (Marcelo A. de O. Cattoni).

DIREITO PROCESSUAL CONSTITUCIONAL – Princípios Orientadores

  • - 3 concepções:

(i)Princípios confundidos com postulados de natureza moral [Direito≠Moral]. Direito é objetivo. Moral opera numa perspectiva subjetiva.

(ii)Princípios confundidos com a idéia de Direito Natural. [Existe? Não existe?]. Independemente: trata-se de uma ficção cujas categorias não são coincidentes com o conteúdo dos princípios.

(iii)“Princípios como elementos conforma- dores de uma unidade político-institucional.” Idéia de “diálogo dos princípios” como cons- trutora do sistema constitucional. Noção de regra. Caso Elmer analisado por R. Dworkin.

DIREITO PROCESSUAL CONSTITUCIONAL – Princípios

Caso dos sobreprincípios: dignidade humana e liberdade (paradigmas)

Funções dos princípios:

  • (i) Informadora: inspiram o legislador

(ii) Normativa: quando se encontram contidos nas normas jurídicas possuem poder de comando, expresso e derivado do conjunto de normas.

(iii) Construtora: indicam tendências a serem trilhadas pelas leis

(iv) Integrativa: servem como elementos de integração das normas diante das lacunas do ordenamento jurídico

  • (v) Interpretativa: são ferramentas jurídicas que orientam as práticas das técnicas interpretativas.

DIREITO PROCESSUAL CONSTITUCIONAL – Princípios Orientadores: vetores implícitos e explícitos

(i)Supremacia da Constituição (STF-ADIn 2215- MC/PE. Rel. Min. Celso de Mello, 2001). Considerar o princípio da rigidez constitucional

(ii)Defesa da Constituição

(iii)Força normativa da Constituição (energia vital – consciência/”sentimento” constitucional. Wille zur Verfassung. Konrad Hesse e Pablo Lucas Verdú)

(iv)Efetividade da norma constitucional (v)Adequação, simetria ou constitucionalidade (vi)Hierarquia (gradação da ordem jurídica) (vii) Razoabilidade (fins constit., racionalidade, bom

senso, lógica, sentimento de justiça e prudência)

PROPORCIONALIDADE

(viii) Presunção de constitucionalidade das leis e atos normativos

(viii)Interpretação conforme a Constituição (x) Unidade da constituição

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO PROCESSO

Princípios processuais:

  • (i) Devido processo legal (geral) Juiz natural Contraditório (bilateralidade do proc.) Duplo grau de jurisdição

(ii)

(iii)

(iv)

  • (v) Fundamentação das decisões e sua publicidade

(vi)

Igualdade

Considerações metodológicas (Baracho):

  • (i) Consideração interrelacional dos princípios, sendo inadequado seu tratamento invidual.

(ii)

Valorização da supralegalidade da Consti- tuição: princípios constitucionais são aplica- dos em todos os momentos do processo, independentemente de sua natureza

CONSTITUCIONALIDADE & INCONSTITUCIONALIDADE

Princípio da constitucionalidade exige a

conformidade de todas as normas e atos inferiores às disposições substanciais ou formais da Constituição. [Analogia com princípio da legalidade: transgressão normativa. V. ADIn 561-MC/DF, 1995].

Por derivação conceitual-relacional:

  • (i) Constitucionalidade: “Relação de conformidade hierárquica entre as condutas públicas e privadas com a constituição do Estado. Revela vínculo de corres-- pondência, adequação ou idoneidade de um compor- tamento com o texto maior.”

(ii) Inconstitucionalidade : “Relação de desconfor-

midade hierárquica entre as condutas públicas e privadas com a Constituição do Estado. Evidencia a inadequação ou I nidoneidade de um comportamento com o Texto maior.”

TGD & A INCONSTITUCIONALIDADE

Norma jurídica como Ato Jurídico: atos emanados de órgãos constitucionalmente autorizados:

  • (i) Existência: determinada pela presença dos elemen- tos constitutivos definidos pela lei (Maior) como “causa eficiente de sua incidência”.Os elementos comuns são agente, objeto e forma.

(ii) Validade: avaliação da qualidade dos elementos identificados, considerando seus requisitos, atributos e competências.

(iii) Eficácia: verificação da aptidão p/ produzir efeitos, atigindo a finalidade para a qual foi editado. [Trata-se de efeito típico, principal, final ou definitivo].

TGD & A INCONSTITUCIONALIDADE  Norma jurídica como Ato Jurídico: atos emanados de órgãos constitucionalmente autorizados:

JUÍZO DE INCONSTITUCIONALIDADE se manifesta no plano da Validade, transfe- rindo-se para o plano da eficácia.

REQUISITOS PARA IDENTIFICAÇÃO DAS INCONSTITUCIONALIDADES

-Subjetivos: relacionam-se à outorga de competência para certas autoridades do poder de iniciar o procedimento administrativo-legislativo. [Presidentes Repúb., Senado, Câm. Deput., STF e Trib. Sup., Dep. Fed., Senadores, PGR e Cidadãos]. Ex. Projeto de LC de Senador para tratar do art 61, par. 1o, I. Caso de inconstituc. p/ vício formal subjetivo -Objetivos: são observados nas fases constitutiva e complementar do proc. legislativo e se relacionam ao iter das espécies normativas fixado pela CRFB88. Ex. PL de iniciativa do Prep iniciado no Senado foi votado e aprovado. V. art. 64, caput. Caso de inconstituc. p/ vício formal objetivo.

TIPOLOGIA DAS INCONSTITUCIONALIDADES: identificação

dos comportamentos inadequados à Constituição

(i)

Formal: (a)propriamente dita, ligada à não obser- vância dos pressupostos técnicos de elaboração normativa; (b) orgânica, ligada à usurpação de competência.

(ii)

Material:afeta o conteúdo das disposições constitu- cionais. [“Matéria de fundo”] .(a) Pela incompatibili- dade entre o conteúdo da norma e o da Constit.; (b) Pelo excesso do ato de legislar [finalíst.ou teleológ.]

(iii)

Por ação: transgressão normativo-constit. p/ prática de uma conduta positiva [facere, praestare].

(iv)

Por omissão: transgressão norm.-constit. p/ prática de conduta negativa [non facere, non praestare].

(v)

Total: atinge todo a lei ou ato normativo.

(vi)

Parcial: limita-se a uma fração, admitindo o princípio da parcelaridade da “validade” do ato normativo.

TIPOLOGIA DAS INCONSTITUCIONALIDADES: identificação

dos comportamentos inadequados à Constituição

(vii) Direta: fere dispositivo “explícito” da CRFB88.

(viii) Indireta: quando a inadequação ao texto constituc. se revela obliquamente, ferindo “o espírito da Constituição”. Restrições do STF a partir do “princ. da especificação das normas”. Construção hermenêutica para converter a violação em “direta”.

(ix) Originária: quando o ato normativo lesa norma constitucional em vigor.

(x) Superveniente: quando o vício se revela pelo advento de nova norma constitucional.

ESTUDO DIRIGIDO n. 1

Obter cópia de HC a ser indicado pelo

professor (Texto

n. ___

,

na Copiadora)

Realizar leitura crítica Preparar relatório indicando quais princípios constitucionais foram considerados pelo Relator para construir seu voto Atividade a ser desenvolvida em dupla Preservar o material utilizado e produzido neste Estudo Dirigido para uso posterior. Entrega: 22 de Abril, junto com a prova.