Anda di halaman 1dari 45

FISIOLOGIA DO

EXERCÍCIO II

BIOENERGÉTICA
Adriana Barni Truccolo M.s
OBJETIVO
ATP = Trifosfato de Adenosina
REAÇÕES ACOPLADAS
Energia Alimentar
• Carboidratos Enzima ATPase
ATP + H2O ⇒
• Lipídeos
• Proteínas ADENOSINA + PO4 ~
PO4 + Pi

+ ENERGIA ⇒ W
muscular (40%) (7,3
Kcal por mol)
ADP + Pi → ATP
CARACTERÍSTICAS DO ATP
1. Molécula Pesada ⇒ 80 a 100g -3s

2. Sedentário ⇒ Utiliza uma quantidade


de ATP cerca de 75% do Peso
Corporal.(Ex: PC80Kg ⇒ 60Kg)

3. Atleta ⇒ Pode usar 100% do Peso


Corporal (PC80Kg ⇒ 80Kg)
De que maneira o nosso corpo
forma novamente ATP, após o
mesmo ter sido utilizado
para o Trabalho Muscular????
A Ressíntese do ATP vai depender
Intensidade Duração
RESSÍNTESE DE ATP
SISTEMA ANAERÓBIO SISTEMA AERÓBIO

ALÁTICO LÁTICO
Carboidratos
Lipídeos
CP Glicólise Proteínas
Anaeróbia
DÉFICIT DE O2
• Retardo na captação • Utilização do
de O2 ao início do Metabolismo
exercício ou quando Anaeróbio da CP e
aumentamos do Sistema do Ácido
bruscamente a Lático.
intensidade do
mesmo, até
atingirmos o novo
ritmo estável para o
metabolismo
aeróbio.
DÉFICIT DE O2

• Diferença entre a
quantidade total de O2
consumida durante o
exercício e a qte de O2
que teria sido
consumida caso o
sistema aeróbio tivesse
predominado desde o
início do exercício.
SISTEMA DA CREATINA
FOSFATO

 Fonte de energia: CP
 Fontes de CP
 Vantagens
 Tempo de Uso
 Desvantagens
 Ressíntese
 Treinamento
ESTRUTURA DA CREATINA
FONTES DE CREATINA
Endógena Exógena
↓ ↓
Arginina
+
Glicina
+
Metionina
VANTAGENS

 Uma Reação Química


CP + H2O enzima Crcinase → C + Pi +Energia
 Não necessita de Oxigênio
 CP já se encontra nos músculos (95%)
USO DA CP
CREATINA FOSFATO

• Desvantagens • Ressíntese
↓ 50% a 70%
Retenção Hídrica ↓
Pouco 30s a 60s
Armazenamento 30% Restantes
Atividades de até ↓
12s 3 a 5 min
Treinamento

• Sessões repetidas de um esforço intenso


(5s a 10s)

Ex: Nadar intervalos de 20m com Vel. Máx


Piques repetidos de 60 a 100m.

Sobrecarga do Sistema ATP-CP em músculos
específicos
GLICÓLISE ANAERÓBIA ou
SISTEMA ANAERÓBIO LÁTICO
Fonte de energia Enzima
Fosfofrutocinase (PFK)

Controla a velocidade
da Glicólise
Coenzima NAD Enzima LDH
⇓ ⇓
Recebe e doa e- Ác. Pirúv → Ác.
Lático
Ác. Lático → Ác.
GLICÓLISE ANAERÓBIA

Acontece no citoplasma, fora da mitocôndria.

Da Degradação Parcial são formados 2moles de


Ácido lático e 2 moles de ATP.

A Enzima PFK estabelece um limite para o ritmo da


glicólise durante o exercício com esforço máximo.
Formação do Ácido Lático

• NADH2 doa Hs para o Ácido Pirúvico


que é convertido em Ácido Lático.
Reservas de Glicogênio

• Armazenamos cerca
de 500g de CHO nas
céls. Musculares e
Hepáticas

 O limite superior de
armazenamento de
CHO é de 15g/kg de
peso corporal (70kg
x 15= 1050g).
ESTRUTURA DO PIRUVATO E
LACTATO
VANTAGENS E USO
• Sendo ativado ao
mesmo tempo que o
sistema da CP, tb
disponibiliza energia
rapidamente.
• Pode ser utilizado por
mais de 3 min, contudo
após 3 min já temos
condições de passar p/
o metabolismo aeróbio.
• Atividades de
intensidade alta e curta
duração.
REMOÇÃO DO ÁCIDO LÁTICO
Ciclo de Cori
REMOÇÃO DO ÁCIDO LÁTICO

Ác.Lático →Ác.Pirúvico

C 3H 6O 3 → C 3H 4 O 3
DESVANTAGEM

ACIDOSE LÁTICA
TEMPO DE REMOÇÃO DO ÁCIDO
LÁTICO

1h e 15min
30 a 40min
METABOLISMO AERÓBIO

Produção de ATP ocorre


dentro da mitocôndria.

Fontes de energia:
♥Carboidratos
♥ Lipídeos
♥ Proteínas
Utilização preferencial do substrato

Glicose:
C6H12O6 + 6O2 → 6CO2 +6H20 + energia

Lipídeo (Ácido Graxo Palmitato)


C16H3202 +23O2→16CO2 +16H2O+energia
Fornecimento de energia

Glicose:
C6H12O6 + 6O2 → 6CO2 +6H20 + energia (38)

• Lipídeo (Ácido Graxo Palmitato)


C16H3202+23O2→16CO2 +16H2O+energia(129)
METABOLISMO
AERÓBIO
Ciclo de Krebs ou Ciclo do Ácido Cítrico

COOH CH3 COOH


Inicia com: l l l
Oxaloacetato C =O + C =O = CH2
l l l
(formado a partir da CH2 CH2 HO—C —COOH
glicose) l l l
COOH C =O CH2
+ l l
AcetilCOA → Citrato S — CoA COOH
Oxaloacetato + AcetilCoA = Citrato
Ciclo de Krebs ou Ciclo do Ácido Cítrico

Função:
Terminar a
degradação dos
nutrientes

Liberação de Energia:
Produção de 2 moles
de ATP
CADEIA RESPIRATÓRIA
USO DO SISTEMA AERÓBIO

o Repouso e atividades de baixa intensidade e


longa duração.
o Já tem condições de ser utilizado depois de
3 minutos do início do exercício.
DEBITO DE O2
DEBITO DE O2 - CONCEITO

 É o excesso de O2 consumido,
após o exercício, acima dos níveis
de repouso.

 É maior em atividades de alta


intensidade.
DEBITO DE O2 ou EPOC

RESSÍNTESE DE CP REMOÇÃO DO ÁCIDO


LÁTICO

REMOÇÃO DAS REMOÇÃO DO CALOR


CATECOLAMINAS CORPORAL

RESTAURAÇÃO DAS EFEITO DAS


RESERVAS DE O2 DA FREQUÊNCIAS
MIOGLOBINA CARDÍACA E
RESPIRATÓRIA
POTÊNCIAS BIOENERGÉTICAS NAS ATIVIDADES
FÍSICAS (%)

Atividade Pot.Anaer.Alática Pot.Anaer.Lática Pot. Aeróbia


Atletismo
100 m 99 1 -
200 m 85 12 3
400 m 22 73 5
800 m 15 70 15
1500 m 5 40 55
5000 m - 18 82
Maratona - 3 97
Saltos 98 2 -
Arremessos 99 1 -
POTÊNCIAS BIOENERGÉTICAS NAS
ATIVIDADES FÍSICAS (%)

• Atividade Anaer.Alática Anaer.Lática Aeróbia


Natação
50 m 98 2 -
100m 80 15 5
200 m 30 65 5
400 m 20 40 40
800 m 10 20 70
1500 m 2 8 90
“Não importa o quanto você
sabe...
O que realmente importa...
É o quanto você se
determina...
A aprender”.