Anda di halaman 1dari 31

O Processo de Auto-Avaliação da

Biblioteca Escolar

Apresentação em
Conselho Pedagógico
da EB 2,3 de Aranguez
O papel e mais valias da
Auto – Avaliação da BE

“Cada Escola deve conhecer o impacto que as


actividades realizadas pela e com a BE vão tendo
no processo de ensino- aprendizagem, bem
como o grau de eficiência dos serviços
prestados e de satisfação dos utilizadores da
BE.”
O papel e mais valias da
Auto – Avaliação da BE

Este Modelo está formulado de modo a cumprir


os objectivos essenciais que se pretendem
alcançar:
- desenvolver uma abordagem essencialmente
qualitativa, orientada para uma análise dos
processos e dos resultados;
- identificar as necessidades e os pontos fracos
com vista a melhorá-los, numa perspectiva
formativa.
O papel e mais valias da
Auto – Avaliação da BE

Permite:

a) contribuir para a afirmação e reconhecimento


do papel da BE;

b) determinar até que ponto a missão e os


objectivos estabelecidos para a BE estão ou
não a ser alcançados;
O papel e mais valias da
Auto – Avaliação da BE

c) identificar práticas que têm sucesso e que


deverão continuar;

d) identificar pontos fracos que importa melhorar.


O papel e mais valias da
Auto – Avaliação da BE

Ou seja, avaliamos para:


– Conhecer o que estamos a fazer e para perspectivar o
que vamos fazer a seguir;
– Planear para o desenvolvimento – transformar boas
ideias em boas práticas; estabelecer metas;
– Incorporar resultados da auto-avaliação e perspectivar
a mudança – melhorar o perfil de desempenho.
O papel e mais valias da
Auto – Avaliação da BE

Domínios que são objecto de Avaliação:

 A. Desenvolvimento Curricular
 A.1. Articulação curricular da BE com as
estruturas pedagógicas e os docentes;
 A.2. Desenvolvimento da Literacia da
Informação.
O papel e mais valias da
Auto – Avaliação da BE

• B. Leitura e Literacias.

• C. Projectos, Parcerias e Actividades Livres


e de Abertura à Comunidade.
•C.1. Apoio a actividades livres, extra-
curriculares e de enriquecimento curricular;
•C.2. Projectos e parcerias.
O papel e mais valias da
Auto – Avaliação da BE

 D. Gestão da Biblioteca Escolar


 D.1. Articulação da BE com a
Escola/Agrupamento. Acesso e serviços
prestados pela BE;
 D.2. Condições humanas e materiais para a
prestação de serviços;
 D.3. Gestão da Colecção/da informação.
O papel e mais valias da
Auto – Avaliação da BE

Domínios/Subdomínios
Segundo a RBE, são estes os factores apontados a
nível internacional para o sucesso da BE:

• Os níveis de colaboração entre o professor-


bibliotecário e os restantes professores na
identificação de recursos e no desenvolvimento de
actividades conjuntas orientadas para o sucesso do
aluno: literacia da informação, promoção da leitura –
Domínios A e B;
O papel e mais valias da
Auto – Avaliação da BE

 O programa formativo desenvolvido pela BE –


Domínios A, B e C;
 A acessibilidade dos serviços prestados pela BE
(horário, flexibilidade no acesso; bases de dados e
catálogos online, etc.) e a adequação da colecção e
dos recursos tecnológicos – Domínio D;
 A formação dos recursos humanos que suportam o
funcionamento da BE – Domínio D.
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

“There is clearly a need for school libraries to be


able to demonstrate the contribuition that their
services can make to the school curriculum and
lifelong learning to teachers, governors, Ofsted
inspectors, parents, funders, pupils and other
stakeholders”
in “Incorporating library provision in school self-
evaluation”, Sarah Mcnicol
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

 A BE e a Escola/Agrupamento têm que gerir a


mudança, estabelecendo uma parceria
determinante para o sucesso educativo dos seus
alunos.
 A BE é um Centro de Aprendizagens ao serviço
dos alunos e dos professores.
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

O Manifesto da Unesco/IFLA e a Declaração da


IASL identificam os factores decisivos para o
sucesso da Missão da BE.
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

1º - Os níveis de colaboração entre a Professora


Bibliotecária e os restantes professores na
identificação dos recursos e no desenvolvimento de
actividades conjuntas orientadas para o sucesso do
aluno;
 2º - A acessibilidade e a qualidade dos serviços
prestados;
 3º - A adequação da colecção e dos recursos
tecnológicos.
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

 A auto-avaliação da BE faz parte integrante de


toda a auto-avaliação da Escola.
 A utilização dos seus resultados serve para
planear acções futuras e assegurar que a BE
tem o máximo impacto no processo de ensino -
aprendizagem.
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

Segundo a RBE tem de existir:

 Motivação e compromisso institucional dos


órgãos de gestão pedagógica e directiva da
escola com o processo de auto-avaliação da BE.
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

 Formalização de alguns procedimentos no


sentido de uma mobilização e co-
responsabilização de todos os intervenientes.
 Aceitação dos resultados e acordo sobre a
subsequente promoção de um plano de melhoria
e desenvolvimento.
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

Segundo a Portaria nº 756/2009 que estabelece


as competências do PB, no seu artigo 3º -
Conteúdo funcional pode ler-se no ponto b):
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

b) O PB deve
Promover a articulação das actividades da
biblioteca com os objectivos do Projecto
Educativo, do Projecto Curricular de
Agrupamento/Escola e dos Projectos Curriculares
de Turma.
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

Elaborar e apresentar ao Director e ao CP


um Plano de Acção das bibliotecas de
agrupamento/escola não agrupada coerente
com o Projecto Educativo e Curricular.
O processo e o necessário envolvimento da
Escola/Agrupamento

Elaborar e propor ao Director e ao Conselho


Pedagógico um Plano Anual de Actividades da(s)
BE(s);

Participar em reuniões de planificação com as


diferentes estruturas de orientação, articulando a
utilização dos recursos da BE com o
desenvolvimento do currículo.
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

No mesmo artigo, pode ler-se no ponto f):

f)Apoiar as actividades curriculares e favorecer


o desenvolvimento dos hábitos e competências
de leitura, da literacia da informação e das
competências digitais, trabalhando
colaborativamente com todas as estruturas do
agrupamento ou escola não agrupada.
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

Trabalhar em colaboração com os professores na


elaboração e implementação de projectos
articulados de incentivo à leitura;

Participar nas actividades a desenvolver pela escola


no âmbito do PNL;
O processo e o necessário
envolvimento da Escola/Agrupamento

Planificar unidades didácticas


colaborativamente com os professores para
desenvolver as literacias;

Recomendar leituras em diferentes suportes e


de diferentes níveis, facilitadoras do
desenvolvimento da competência leitora.
A relação com o processo de
Planeamento

 A biblioteca deveria ser o elemento chave para


reforçar a transversalidade e a
interdisciplinariedade entre as várias áreas do
conhecimento.
 Desde que haja uma biblioteca bem apetrechada
podem-se promover projectos e iniciativas que
contribuam para relacionar professores de várias
áreas e envolver alunos de vários níveis de
escolaridade..
A relação com o processo de
Planeamento

 As etapas de planeamento passam pela


avaliação diagnóstica da situação da BE, pela
selecção do domínio a avaliar, pela elaboração
de um Plano de Acção, pela recolha de
evidências, pela recolha e análise de dados e
pelo estabelecimento do nível de consecução
pré-definido.
A integração dos resultados na
auto-avaliação da Escola

Segundo a Portaria, no mesmo artigo, alínea i), o PB


deve Implementar processos de avaliação dos
serviços e elaborar um relatório anual de auto-
avaliação a remeter ao Gabinete Coordenador da
Rede de Bibliotecas Escolares;
 Implementar o Modelo de Auto-Avaliação da BE;
A relação com o processo de
Planeamento

 Deliberar com o Director e apresentar ao CP o


domínio do modelo de auto-avaliação que será
objecto de avaliação em cada ano lectivo;
 Apresentar o relatório anual dos resultados da auto-
avaliação ao Director e ao CP e enviá-lo à RBE;
 Elaborar/reajustar o plano de Acção da BE tendo em
conta os resultados da auto-avaliação, integrando as
acções de melhoria.
A integração dos resultados na
auto-avaliação da Escola

“Como se pode aferir, a avaliação da BE deve estabelecer


ligações com a avaliação da escola. Do relatório de
avaliação da BE deve transitar uma síntese que venha a
integrar o relatório da Escola. A avaliação externa da
Escola pela inspecção poderá, assim, avaliar o impacto
da BE na Escola, mencionando-a no relatório final de
avaliação da Escola.”
In Texto da sessão
Bibliografia

Texto da sessão, disponibilizado na Plataforma;


Scott, Elspeth(2002)”How good is your school library resource
centre? Na introduction to performance measurement”.68th
IFLA Council and General Conference August.
Mc Nicol, Sarah(2004) Incorporating library provision in school
self-evaluation. Educational Review, 56.
Johnson, Dough (2005) “Getting the Most from Your School
Library Media Program, Principal. Jan/Feb 2005.