Anda di halaman 1dari 20
Salazar e o Estado Novo

Salazar e o Estado Novo

Uma nova Constituição e um novo regime

Em 1928, o presidente Óscar Carmona convidou o Prof. Oliveira Salazar para fazer parte do governo como ministro das finanças.

Salazar só aceitou o cargo depois de lhe ter sido garantido que ficaria a fiscalizar as despesas de todos os Ministérios.

Uma nova Constituição e um novo regime  Em 1928, o presidente Óscar Carmona convidou o

Fig.1 General Carmona

Em 1932, Salazar foi nomeado chefe do governo, cargo que manteve durante 36 anos.

Sob a sua orientação fez-se uma nova Constituição a Constituição de 1933, a qual foi posta á aprovação dos Portugueses através de uma votação.

A partir de 1933 instaurou-se em Portugal um novo regime a que se deu o nome de Estado Novo e que durou 40 anos(1933-1974).

A constituição de 1933 determinava 4 órgãos de soberania: o presidente da Republica, a Assembleia Nacional, o Governo e os Tribunais.

 Em 1932, Salazar foi nomeado chefe do governo, cargo que manteve durante 36 anos. 

A Assembleia Nacional deixou de ter o poder de nomear o Presidente da República. Em contrapartida, o Governo

e de demitir passou a ser

o órgão de soberania com mais poder e a decretar a maioria das leis.

Fig.2 Cartaz de propaganda da Constituição de 1933

A política de desenvolvimento do País

O equilíbrio financeiro

A política de desenvolvimento do País  O equilíbrio financeiro Fig.3 Cartaz da propaganda da política

Fig.3 Cartaz da propaganda da política económica de Salazar

Em poucos anos, Salazar consegui que o Estado acumula-se algumas reservas de dinheiro e não precisasse de recorrer a empréstimos estrangeiros.

Este equilíbrio financeiro foi possível porque Salazar:

aumentou as receitas do Estado através de impostos;

diminuiu as despesas com a educação, saúde e assistência social.

Por outro lado, durante a 2ª Guerra Mundial (1939-1945), na qual Portugal não participou, exportaram-se grandes quantidades de volfrâmio e produtos agrícolas para os países envolvidos na guerra. Os lucros das exportações aumentaram ainda mais as reservas do ouro no banco de Portugal.

As obras publicas

Parte das reservas de ouro do Estado foi aplicada na constituição de obras publicas:

 

novas estradas e pontes, como a Ponte da Arrábida sobre o Douro e a ponte de Salazar sobre o Tejo;

novos edifícios públicos tribunais, estações dos correios, quartéis, bibliotecas;

 

escolas primárias, liceu e universidades;

grandes barragens hidroeléctricas para maior electrificação do País;

hospitais como o de Santa Maria da Feira em Lisboa e o de São João no Porto.

As obras publicas construídas neste período facilitaram o crescimento do turismo e de algumas importantes industrias localizadas junto ás cidades Porto, Lisboa, Setúbal.

No entanto, esse crescimento não foi suficiente país moderno e desenvolvido. Nas cidades e no mantinha-se. E muitos portugueses emigraram, Alemanha e França.

 

num

Fig.4 Escolas primárias do tempo de Salazar

As restrições à liberdade

Salazar, com chefe do Governo, controlava todos os ministérios e governava o País de uma forma autoritária e absoluta.

Dele dependiam todas as decisões administrativas e politicas.

Por isso se diz que

governou em

ditadura.

As restrições à liberdade  Salazar, com chefe do Governo, controlava todos os ministérios e governava

Fig.5 Cartaz eleitoral da União Nacional

A censura prévia

Por outro lado, não havia liberdade de expressão. Foi criada uma comissão de censura prévia que tinha como função examinar todos os jornais, revistas, filmes, etc., e cortar previamente tudo aquilo que pudesse prejudicar o regime.

Ao mesmo tempo, também mão havia liberdade de reunião e de associação. Foi proibido o direito á greve e não era permitido aos trabalhadores associaram-se livremente em sindicatos e federações, com faziam no período da 1ª Republica.

 A censura prévia  Por outro lado, não havia liberdade de expressão. Foi criada uma

Fig.6 Noticia cortada pela censura

A polícia política

Em 1936 foi criada uma policia politica que tinha informadores secretos e perseguia todos aqueles que manifestassem ideias contra o governo ou fossem considerados opositores ao Estado Novo.

A policia politica chamou- se, a partir de 1945, Polícia Internacional e de Defesa do Estado (P.I.D.E.).

As cadeias mais violentas para os presos políticos eram:

Caxias, Peniche e Tarrafal (Cabo Verde).

 A polícia política  Em 1936 foi criada uma policia politica que tinha informadores secretos

Fig.7 P.I.D.E

Nº de presos políticos

Anos

1932-1933

Nº de presos políticos

58

1934-1935

1 327

1936-1937

5 883

1938-1939

2 410

1940-1941

1 288

1942-1943

1 457

1944-1945

1 225

Nº de presos políticos Anos 1932-1933 Nº de presos políticos 58 1934-1935 1 327 1936-1937 5

Fig.8 Um trabalhador preso pela G N R e pela P.I.D.E

A legião Portuguesa

Para defender o regime contra a ameaça comunista, o Governo de Salazar criou, em 1936, a Legião Portuguesa, que era uma organização militarizada composta pelos mais fanáticos

 A legião Portuguesa  Para defender o regime contra a ameaça comunista, o Governo de

Fig.10 Legião Portuguesa

A propaganda ao Estado Novo

Para garantir e manter o apoio da população portuguesa foi organizado um sistema de propaganda ao Estado Novo.

No ensino utilizavam-se livros obrigatórios nos quais se elogiava o governo de Salazar e se defendiam os ideais salazaristas. Em 1936 fundou-se a Mocidade Portuguesa, á qual teriam de pertencer todos os jovens dos 7 aos 14 anos para que desenvolvessem o espírito de obediência ao Estado Novo e o culto do dever militar.

Através da imprensa (jornais, rádio e televisão) e de inúmeros cartazes mentalizava-se a população para as vantagens que o Estado Novo lhes dava, escondendo aos portugueses tudo o que pudesse dar uma má imagem do regime.

 A propaganda ao Estado Novo  Para garantir e manter o apoio da população portuguesa

Fig.11 Jovens da Mocidade Portuguesa

Com o objectivo de provar ao Mundo que Portugal, sob o governo de Salazar, retomava a gloria de épocas passadas, organizaram-se conferências, congressos, grandes exposições e cortejos históricos, que culminaram com a comemoração dos centenários da Fundação e da

 Com o objectivo de provar ao Mundo que Portugal, sob o governo de Salazar, retomava

Fig.12 Cartaz de propaganda ao Estado Novo

A oposição ao Estado Novo

O protesto dos trabalhadores

Apesar de toda a propaganda do Estado Novo, a realidade dos operários e camponeses era bem outra. Havia grande número de analfabetos, casas degradadas, mal iluminadas e más condições de trabalho.

A proibição da vagabundagem e do pé- descalço não impediu a

A oposição ao Estado Novo  O protesto dos trabalhadores  Apesar de toda a propaganda

Fig.12 O protesto dos trabalhadores

Movimentos da Oposição

Em qualquer época, as pessoas ou grupos que são contra ao regime político que está no Poder formam a chamada “oposição política”.

A oposição ao Estado Novo organizou-se em segredo e clandestinamente. E não podia ser doutra maneira. Á mais pequena suspeita de conspiração contra o regime, as pessoas eram presas pela P.I.D.E e sujeitas a tortura.

Em 1945 tornou-se o Movimento da Unidade Democrática (MUD).

Pertencia ao MUD um grupo de homens e mulheres comunistas, republicanos, monárquicos, socialistas e católicos.

O objectivo que os unia era lutar contra o regime salazaristas.

A candidatura de Humberto Delgado

O primeiro grande abalo na estabilidade do regime salazarista deu-se em 1958, com as eleições para a Presidência da Republica. A estas eleições concorreram o almirante Amárico Tomás e o General Humberto Delgado.

Humberto Delgado rapidamente entusiasmou as populações o obteve grande apoio popular. Pela primeira vez, em candidato da Oposição venceu em alguns círculos eleitorais. Contudo só foi reconhecido 1/4 do total dos votos, sendo por isso eleito presidente da República o almirante Américo Tomás.

Salazar, com receio de que em futuras eleições a Oposição

 A candidatura de Humberto Delgado  O primeiro grande abalo na estabilidade do regime salazarista

Fig.13 O General Humberto Delgado agradece as manifestações de apoio dos

Presidentes da República durante o Estado Novo

Anos

1928-1951

1951-1958

1958-1974

Presidentes da República durante o Estado Novo

General Óscar Carmona

General Craveiro Lopes

Almirante Américo Tomás

Presidentes da República durante o Estado Novo Anos 1928-1951 1951-1958 1958-1974 Presidentes da República durante o

Fig.14 Presidente Óscar Carmona

As revoltas dos estudantes

Na década de 1960, o regime de Salazar também teve de enfrentar revoltas militares e civis.

Em 1962 surgiu a primeira grande revolta de estudantes contra a opressão e a falta de liberdade impostas pelo regime de Salazar. As manifestações, feitas por milhares de estudantes universitários, foram acompanhados de plenários e graves.

 As revoltas dos estudantes  Na década de 1960, o regime de Salazar também teve

Fig.15 Manifestações de estudantes

Os intelectuais contra o regime

No ano de 1973, um conjunto de jovens deputados, liderados por Sá Carneiro, começou a manifestar na própria Assembleia Nacional ideias contrárias ao Estado Novo.

Mas, como eram um minoria, nunca conseguiram fazer aprovar os seus projectos de lei. Alguns desses jovens deputados acabaram por renunciar aos seus mandatos.

Os movimentos de oposições ao Estado Novo também integraram pensadores, escritores, cantores, artistas e intelectuais portugueses, como, por exemplo: Jaime Cortesão e António Sérgio, Egas Moniz, Rui Luís Gomes, Lopes Graça, Zeca Afonso, Maria Helena Vieira da Silva, Aquilino Ribeiro, D. António Ferreira Gomes.

 Os intelectuais contra o regime  No ano de 1973, um conjunto de jovens deputados,

Fig.16 Sá Carneiro

Canção de Zeca Afonso

Qualquer dia

No Inverno bato o queixo Sem mantas na manhã fria No Inverno bato o queixo Qualquer dia Qualquer dia

No Inverno aperto o cinto Enquanto o vento assobia

...

No Inverno vou por lume Lenha verde não ardia ...

No Inverno penso muito Oh que coisas eu já via ...

No Inverno ganhei ódio E juro que o não queria ...

Trabalho realizado por:

Joana Sofia Moreira Ferreira nº12 6ºE Silvana Daniela Magalhães Bessa nº19 6ºE Bibligrafia- manual da disciplina de H.G.P

Trabalho realizado por:  Joana Sofia Moreira Ferreira nº12 6ºE  Silvana Daniela Magalhães Bessa nº19