Anda di halaman 1dari 139

Variação intrapopulacional

no nicho trófico

Leonardo Dominici
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Introdução
Teoria Ecológica Clássica

Não incorpora estrutura interna

Variáveis macroscópicas (e.g.


abundância, densidade)

Comportamento ao longo do tempo


(taxas)
Teoria Ecológica Clássica

Princípio da lei da ação das massas

( taxa de variação) ∝ ( produto das concentrações)

dx dx
∝ [ A].[ B ] = k [ A].[ B ]
dt dt

Onde: k = constante de proporcionalidade


Teoria Ecológica Clássica

Campo médio
Teoria Ecológica Clássica

Campo médio
Teoria Ecológica Clássica

Campo médio
Teoria Ecológica Clássica

Campo médio

=
Ambiente local Média dos
dos indivíduos ambientes locais
Teoria Ecológica Clássica

Campo médio

Indivíduos são ecologicamente


equivalentes
Teoria Ecológica Clássica

Modelos ecológicos clássicos

Modelos não estruturados


- classe etária
- sexo
- estrutura genética
- posicionamento espacial
Teoria Ecológica Clássica

Modelos ecológicos clássicos

Modelos não estruturados


- classe etária
- sexo
- estrutura genética
- posicionamento espacial

Indivíduos ecologicamente
equivalentes
Teoria Ecológica Clássica

Modelos ecológicos clássicos

Modelos não estruturados


- classe etária
- sexo
- estrutura genética
- posicionamento espacial

Indivíduos ecologicamente
equivalentes

Interações proporcionais às suas


concentrações
Teoria Ecológica Clássica

Modelo de competição interespecífica Lotka-Volterra

dN1 r r
= r1 N1 − 1 N1 N1 − 1 α12 N 2 N1
dt K1 K1

dN 2 r r
= r2 N 2 − 2 N 2 N 2 − 2 α 21 N1 N 2
dt K2 K2
Teoria Ecológica Clássica

dN1 r1 r
= r1 N1 − N1 N1 − 1 α 12 N 2 N1
dt  K1 K
     1  
Taxa de crescimento Efeito da competição Efeito da competição
Taxa de crescimento exponencial
populacional intraespecífica interespecífica

Efeito da competição interespecífica


r1
− α12 N 2 N1
K1

LEI DA AÇÃO
DAS MASSAS
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Modelo do hipervolume n-dimensional

Hutchinson, G. E. (1957) - fatores


ambientais limitantes
de uma espécie em eixos
Modelo do hipervolume n-dimensional

Hutchinson, G. E. (1957) - fatores


ambientais limitantes
de uma espécie em eixos
Modelo do hipervolume n-dimensional

Hutchinson, G. E. (1957) – hipervolume


n-dimensional
Modelo do hipervolume n-dimensional

Hutchinson, G. E. (1957) – nicho


fundamental
correponde a um

hipervolume n-dimensional
Modelo do hipervolume n-dimensional

Hutchinson, G. E. (1957) – todo ponto


com igual
probabilidade de persitência

P1 = P2 = P3
= P4
O que determina o nicho de uma espécie?
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Nicho realizado

Competição interespecífica – Princípio Volterra-Gause


Competição interespecífica – Princípio Volterra-Gause
Competição interespecífica – Nicho realizado
Nicho ecológico
Propriedade da espécie ou da população

Indivíduos da mesma espécie podem utilizar recursos diferentes


Van Valen (1965)

Mimus gilvus Parus caeruleus Phylloscopus


(Curaçao) (Canárias) collybita (Canárias)

Fringilla colebs Motacilla Regulus


(Canárias e cinerea regulus
Açores)
Van Valen (1965)

Açores

Curaçao

Canárias
Van Valen (1965)

Hipótese de variação do nicho

Melhor utilização dos recursos


Populações
Sistemas heterogêneos

Classes de indivíduos
Morfologia
Sexo
Idade

Indivíduos
Nicho trófico populacional

Nicho trófico = polimorfismo + dimorfismo sexual + mudança + erro


de recurso ecológico ontogenética

Bolnick, D. I. et al.
2003. Am. Natur.
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Variação intrapopulacional do
nicho trófico
Polimorfismo de recurso
Geospiza fortis
Polimorfismo de recurso
Ilha Daphne Maior
Polimorfismo de recurso

Price, T. 1987
Ecology 68:
1015-1028
Polimorfismo de recurso
Portulaca howelli Heliotropium sp.
Polimorfismo de recurso
Opuntia echios Tribulus cistoides
Polimorfismo de recurso

Price, T. 1987
Ecology 68:
1015-1028
Polimorfismo de recurso

Price, T. 1987
Ecology 68:
1015-1028
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Dimorfismo sexual ecológico
Phoeniculus purpureus
Dimorfismo sexual ecológico

Radford e Morné
2003.
J. Anim. Ecol. 72:
Dimorfismo sexual ecológico

Radford e Morné
2003.
J. Anim. Ecol. 72:
Dimorfismo sexual ecológico

Radford e Morné
2003.
J. Anim. Ecol. 72:
Dimorfismo sexual ecológico
MACHOS

Radford e Plessis
2003.
J. Anim. Ecol. 72:
Dimorfismo sexual ecológico
MACHOS FÊMEAS

Radford e Plessis
2003.
J. Anim. Ecol. 72:
Dimorfismo sexual ecológico

Radford e Morné
2003.
J. Anim. Ecol. 72:
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Mudança ontogenética do nicho
Perca fluviatilis
Mudança ontogenética do nicho

Hjelm, J. et al. 2001.


Oikos 95: 311-323
Mudança ontogenética do nicho

Hjelm, J. et al. 2001.


Oikos 95: 311-323
Nicho trófico populacional

Nicho trófico = polimorfismo + dimorfismo sexual + mudança + erro


de recurso ecológico ontogenética

Bolnick, D. I. et al.
2003. Am. Natur.
Nicho trófico populacional

Nicho trófico = polimorfismo + dimorfismo sexual + mudança + erro


de recurso ecológico ontogenética

erro = variação residual não atribuída a


nenhuma destas formas de classificação

Bolnick, D. I. et al.
2003. Am. Natur.
O que representa este erro?

Qual sua influência na


variação intrapopulacional do nicho trófico?
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Especialização individual

“Um indivíduo, cujo nicho é substancialmente mais estreito do que o da sua população por razões não atribuídas às classificações de morfologia,
sexo ou idade, pode ser considerado como um indivíduo especialista”

Bolnick, D. I. et al.
2003. Am. Natur.
161: 1-28
Amplitude
total do nicho
(TNW)
Variação Variação
intraindividual interindividual
(WIC) (BPC)

BPC
WIC WIC
Amplitude total do nicho
=
Variação média intraindividual + variação
interindividual

TNW = WIC + BPC

Roughgarden, J.
1974.
Am. Natur. 108: 429-
Amplitude total do nicho
=
Variação intraindividual + variação interindividual

TNW = WIC + BPC

Roughgarden, J.
1974.
Am. Natur. 108: 429-
Amplitude total do nicho
=
Variação intraindividual + variação interindividual

TNW = WIC + BPC

Roughgarden, J.
1974.
Am. Natur. 108: 429-
Bolnick, D. I. et al.
2003. Am. Natur.
Bolnick, D. I. et al.
2003. Am. Natur.
Como verificar a ocorrência de especialização individual ( IS ) no nicho trófico populacional?
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICE DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo
5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL
5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo
5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL
5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Índice de similaridade proporcional individual

Estima a sobreposição da dieta entre


um indivíduo i e sua população
Índice de similaridade proporcional individual

(
PS i = 1 − 0,5∑ pi j − q j = ∑ min pi j , q j )
j j

ni j quantidade de itens presentes na


dieta do indivíduo i da categoria
de recurso de presa j
ni j
pi j =
∑n j
ij
proporção da categoria de recurso
de presa j na dieta do indivíduo i

∑n ij
qj = i
proporção da categoria de recurso
∑∑ n
i j
ij de presa j no nicho populacionalBolnick, D. I. et al.
2002. Ecology 83:
Índice de similaridade proporcional individual

0 1
Bolnick, D. I. et al.
2002. Ecology 83:
Índice de similaridade proporcional individual

A especialização individual é então calculada

∑ PS i
IS = n

Bolnick, D. I. et al.
2002. Ecology 83:
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo
5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL
5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo
5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL
5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Exemplo

Especialização individual em Nucella emarginata


Índice de similaridade proporcional individual

Balanus glandula Pollicipes polymerus Mytilus californianus

Collisella limatula Collisella scabra Chthalamus spp. Tetraclita rubenscens


Índice de similaridade proporcional individual

Chthalamus spp.

Balanus glandula

West, L. 1986.
Ecology
Índice de similaridade proporcional individual

Chthalamus spp.

Balanus glandula

West, L. 1986.
Ecology
Índice de similaridade proporcional individual

West, L. 1986.
Ecology
Índice de similaridade proporcional individual

61 51

Pollicipes polymerus
Collisella scabra

Balanus glandula Collissella limatula

West, L. 1986.
Ecology
Índice de similaridade proporcional individual

West, L. 1986.
Ecology
Índice de similaridade proporcional individual

West, L. 1986.
Balanus glandula Ecology
Índice de similaridade proporcional individual

West, L. 1986.
Balanus glandula Collisella scabra Ecology
Índice de similaridade proporcional individual

Bolnick, D. I. et al.
2003. Am. Natur.
Por que grupos de indivíduos, ou indivíduos em particular, usam um
determinado conjunto de recursos?
Teoria do forrageio ótimo

Maximização de benefícios

Fatores endógenos Fatores exógenos


morfologia densidade populacional
fisiologia conteúdo calórico
comportamento próprio comportamento dos outros
Teoria do forrageio ótimo

Maximização de benefícios

Fatores endógenos Fatores exógenos


morfologia densidade populacional
fisiologia conteúdo calórico
comportamento próprio comportamento dos outros
Por que grupos de indivíduos, ou indivíduos, agindo de forma estratégica para escolher recursos, chegam a respostas diferentes apesar de compartilharem um ambiente comum?
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Mecanismos da variação
interindividual
“Trade-offs”

A adoção de uma estratégia por um


indivíduo (especialização sobre uma presa
X) influencia na capacidade deste
indivíduo desempenhar uma estratégia
alternativa (capturar uma presa Y) com a
mesma eficiência.
“Trade-offs”

Reconhecimento de recursos
Eficiência de procura
Capacidade neural limitada
Trade-offs

Pieris rapae

Lewins, A. C..
1986.
Trade-offs

Lotus cornicularia Campanula


rotundifolia
Trade-offs

Lotus cornicularia Campanula


rotundifolia
Trade-offs

Lotus cornicularia Campanula


rotundifolia
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Competição intraespecífica

Canis lupus

Urton,, J. M. e
Hobson, K. A. 2003.
Am. Natur. 161: 1-
28
Competição intraespecífica
Competição intraespecífica
Competição intraespecífica
Se lobos são animais sociais, como
explicar isso?
Competição intraespecífica
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Sumário
Teoria Ecológica Clássica

Não incorpora estrutura interna

Variáveis macroscópicas (e.g.


abundância, densidade)

Comportamento ao longo do tempo


(taxas)
Princípio da lei da ação das massas

( taxa de interação) ∝ ( produto das concentrações dos elementos)


Campo médio
Modelo do hipervolume n-dimensional
Nicho realizado
Polimorfismo de recurso
Dimorfismo sexual ecológico
Mudança ontogenética do nicho
Erro
Amplitude
total do nicho
(TNW)
Especialização individual
Índice de similaridade proporcional individual

0 1
Teoria do forrageio ótimo

Maximização de benefícios

Fatores endógenos Fatores exógenos


“Trade-offs”
“Trade-offs”
Competição intraespecífica
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Conteúdo
1. INTRODUÇÃO
1.1. Teoria Ecológica Clássica
1.2. Modelo do hipervolume n-dimensional
1.3. Nicho realizado

2. VARIAÇÃO INTRAPOPULACIONAL NO NICHO TRÓFICO


2.1. Polimorfismo de recurso
2.2. Dimorfismo sexual ecológico
2.3. Mudança ontogenética do nicho

3. ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL
3.1. Definição

4. ÍNDICES DE ESPECIALIZAÇÃO INDIVIDUAL


4.1. Índice de similaridade proporcional individual
4.2. Exemplo

5. MECANISMOS DE VARIAÇÃO INTERINDIVIDUAL


5.1. Trade-offs
5.2. Competição intraespecífica

6. SUMÁRIO

7. PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Nicho trófico de Gracilinanus
microtarsus (Didelphimorphia:
Didelphidae): Variação
intrapopulacional e especialização
individual
Objetivos
Como é repartido o nicho trófico populacional de G. microtarsus?

Existe variação intrapopulacional no nicho trófico?

Os componetes endógeno (sexo) e exógeno (recurso alimentar) contribuem de forma significativa para a variação intrapopulacional no nicho
trófico?

Existe variação temporal nestes componentes do nicho trófico intrapopulacional?


intrapopulacional?
Objetivos

Existe variação interindividual significativa no nicho trófico?

A população é composta por indivíduos especialistas com nichos tróficos estreitos ou a


amplitude do nicho varia, de modo que a população é composta por indivíduos especialistas
e generalistas?

Existe variação temporal no grau de especialização individual?


Objetivos

Quais as conseqüências conservacionistas da existência de


variação intrapopulacional no nicho trófico em diferntes níveis
de complexidade?
Metodologia

Área de estudo

Reserva Biológica de Mogi-Guaçu


Análise da composição da dieta

Coleta de amostras fecais de indivíduos


capturados

Análise das amostras fecais e identificação do


itens
Repartição do nicho trófico

Modelos lineares generalizados

Padrões de especialização intrapopulacional

Modularidade na utilização de recursos

Índices de especialização individual


Obrigado