Anda di halaman 1dari 45

INTRODUÇÃO

• MAQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE SÃO EMPREGADAS PARA MOVER CARGAS EM


ESTABELECIMENTOS OU ÁREAS, DEPARTAMENTOS, FABRICAS E INDUSTRIAS, NOS LOCAIS DE
CONSTRUÇÕES, DE ARMAZENAMENTO E RECARGA. (RUDENKO, 1976)

• ESTE TRABALHO PRETENDE APRESENTAR UM ESTUDO SOBRE ELEVADORES DE CARGA,


DEMONSTRANDO SUA HISTÓRIA, FUNCIONAMENTO, TIPOS DE ELEVADORES, APLICAÇÕES,
NORMAS PARA O USO DO MESMO E O MERCADO DE ELEVADORES.
HISTÓRIA
• A UTILIZAÇÃO DE MAQUINAS PARA DESLOCAMENTOS VERTICAIS VEM DESDE O INÍCIO DA
TERCEIRA DINASTIA (2788 A.C.) NO EGITO E NA MESOPOTÂMIA.

• MAS O PRINCÍPIO DE UMA PLATAFORMA SUSPENSA DENTRO DE UMA CABINE VERTICAL PARA O
TRANSPORTE DE MATERIAIS PESADOS E ATÉ PESSOAS FOI DESCRITO PELA PRIMEIRA VEZ PELO
ARQUITETO ROMANO VITRUVIUS, NO SÉCULO I A.C.

• NO BRASIL OS PRIMEIROS REGISTROS DE ELEVADORES DATAM DA PRIMEIRA METADE DO


SÉCULO XX
CONCEITO DE ELEVADOR E SEUS
COMPONENTES
• SÃO MECANISMOS QUE SE UTILIZAM DE UM ACIONAMENTO ELÉTRICO OU HIDRÁULICO PARA
REALIZAR O DESLOCAMENTO DE CARGAS, NO SENTIDO VERTICAL OU INCLINADO.

• SEGUNDO RUDENKO (1976) AS VELOCIDADES DE DESLOCAMENTO DOS ELEVADORES DE CARGA


VARIAM DE 0,1 A 1,5 M/S E NORMALMENTE QUE PODEM VARIAR DE 0,25 A 15 TONELADAS.

• AS PARTES PRINCIPAIS: CABINA OU CARRO, TRILHOS OU GUIAS, POÇO, CONTRAPESO,


DISPOSITIVO DE SUSPENÇÃO, MAQUINA ELEVADORA, DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA E
CONTROLES ELÉTRICOS.
MOTOR
•O MOTOR É O COMPONENTE RESPONSÁVEL POR
GERAR O TORQUE NECESSÁRIO PARA TRACIONAR OS
CABOS DE AÇO, FAZENDO ENTÃO QUE O ELEVADOR SE
MOVIMENTE.

• ELE NÃO FUNCIONA SOZINHO, POIS PRECISA DE UM


SISTEMA REDUTOR PARA REDUZIR A VELOCIDADE DE
ROTAÇÃO, QUE É MUITO SUPERIOR A VELOCIDADE DE
TRANSLAÇÃO DO CARRO DESEJADA
CARRO OU TROLE DE ELEVAÇÃO
• ESTE EQUIPAMENTO CONSISTE EM UM CONJUNTO QUE
FAZ A MOVIMENTAÇÃO DE UM ELEVADOR DE
CREMALHEIRA, MONTADO JUNTO COM CABINE-GAIOLA
A TORRE DE SUSPENÇÃO, NORMALMENTE INCLUÍDOS DE
EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA

•O MESMO SE DESLOCA TRACIONADO POR


ENGRENAGENS, PRESO A GUIAS, QUE TEM COMO
OBJETIVO IMPEDIR SEU MOVIMENTO NA HORIZONTAL
MECANISMO DE ELEVAÇÃO
• TRATA-SE DO CONJUNTO QUE FAZ A ELEVAÇÃO DO ELEVADOR,
COMO: CABOS, AS ENGRENAGENS MOTOR, CONTRAPESO,
GUIAS, ROLETES DE ENCOSTO, O EIXO DO MOTOR E O REDUTOR,
E EM CASO DE UM ELEVADOR QUE NÃO POSSUA CONTRAPESO,
TÊM-SE O TAMBOR.
CABINE
• TRATA-SE ENTÃO BASICAMENTE DE UMA CAIXA FORMADA
POR UM PARALELEPÍPEDO DE VIGAS, CANTONEIRAS, GRADES
E CHAPAS, SENDO QUE A NORMA NBR 14712 LIMITA UMA
FLECHA MÁXIMA DE DEFLEXÃO DA PAREDE EM NO MÁXIMO 10
MM PARA 10% DA CARGA APLICADA EM UMA ÁREA DE
QUALQUER FORMATO OU POSIÇÃO DE 25 CM²
GAIOLA OU CHASSI
• NADA MAIS É QUE UM SUPORTE DA CABINE E DOS
MECANISMOS PRESOS A ELA COMO: LIMITADOR DE
VELOCIDADE, RODAS OU ENCAIXE DAS GUIAS, FREIO
DE SEGURANÇA, ALÉM DOS PRÓPRIOS CABOS DE
ELEVAÇÃO QUE SÃO PRESOS A PARTE SUPERIOR DA
GAIOLA.
CONTRAPESO
• O CONTRAPESO TEM A FUNÇÃO DE REDUZIR A FORÇA NECESSÁRIA
AO MOTOR PARA O ACIONAMENTO DO SISTEMA, USUALMENTE O
CONTRAPESO TEM O PESO DO SISTEMA DE ELEVAÇÃO, ACRESCIDA
DE NO MÍNIMO 40% DA CARGA MÁXIMA, E FAZEM O TRAJETO NO
SENTIDO CONTRÁRIO AO DA CABINE EM GUIAS.
CABOS
• MESMO SENDO UM ELEVADOR MOVIDO POR
ENGRENAGENS/CREMALHEIRAS, CABOS SÃO USADOS PARA
RECEBER A TRAÇÃO DO CONTRAPESO BALANCEADA COM O
PESO DA CABINE.

• ENTÃO É UM DOS PRINCIPAIS ELEMENTOS QUE COMPÕE UM


ELEVADOR, SENDO RESPONSÁVEL POR ELEVAR A CARGA
ATRAVÉS DA TRAÇÃO GERADA PELO TORQUE DO MOTOR.
POLIAS
• SÃO OS MECANISMOS RESPONSÁVEIS POR TRANSMITIR O TORQUE DO MOTOR AOS CABOS, E
TAMBÉM DIRECIONAR O CABO PARA A POSIÇÃO DOS SEUS LOCAIS DE FIXAÇÃO.

• PARA ELEVADORES DE CREMALHEIRA, AS POLIAS SÃO NECESSÁRIAS SOMENTE PARA A


MOVIMENTAÇÃO DO CONTRAPESO, E ALINHAMENTO DOS CABOS, E TAMBÉM SÃO USADAS PARA
OS CABOS LIGADO AOS LIMITADORES DE VELOCIDADE
FREIOS
• TRATA-SE DE UM DISPOSITIVO FIXADO NA ARMAÇÃO DA
CABINE E DA GAIOLA, QUE QUANDO ACIONADO PRENDE-SE À
GUIA TRAVANDO PROGRESSIVAMENTE OU INSTANTANEAMENTE
A CABINE.

• SEU ACIONAMENTO É DADO POR LIMITADORES DE VELOCIDADE


TRILHOS

• SÃO OS RESPONSÁVEIS POR MANTER O CARRO SEM


MOVIMENTO HORIZONTAL E TAMBÉM SOFREM A AÇÃO
DOS FREIOS DE SEGURANÇA.
CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS PARA A
ESCOLHA DA MAQUINA
• O TIPO DE CARGA A SER ELEVADA: DEVE-SE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO A FORMA, VOLUME,
DIMENSÕES DA CARGA, FRAGILIDADE, TEMPERATURA DE CONSERVAÇÃO, ENTRES OUTROS;

• DISTANCIA A SER PERCORRIDA: DEVERÁ SER LEVANTADO A DISTÂNCIA QUE O ELEVADOR SE


MOVIMENTARA;
CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS PARA A
ESCOLHA DA MAQUINA
• CONDIÇÕES ESPECIFICAS OU LOCAL: DEVE-SE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO A ÁREA DE
MOVIMENTAÇÃO, AMBIENTE DE TRABALHO, TIPO DE ENERGIA DISPONÍVEL E CONDIÇÕES DE
SEGURANÇA OPERACIONAL;

• CUSTOS OPERACIONAIS: ANALISAR O CUSTO DE AQUISIÇÃO DO PROJETO, DE INSTALAÇÃO,


MANUTENÇÃO E CUSTOS OPERACIONAIS.
TIPOS DE ELEVADORES DE CARGA
• HÁ UMA GRANDE VARIEDADE DE TIPOS EXISTENTES O QUE TORNA SUA EXATA CLASSIFICAÇÃO
EXTREMAMENTE DIFÍCIL. ESSA TAREFA É, ALÉM DISSO, MAIS COMPLICADA AINDA PELO FATO DE
QUE ESSA CLASSIFICAÇÃO PODE BASEAR-SE EM VARIAS CARACTERÍSTICAS, COMO , POR
EXEMPLO, PROJETOS. FINALIDADES, TIPOS DE MOVIMENTOS ETC.

• DESTA FORMA IREMOS CITAR QUATRO TIPOS DE ELEVADORES DE CARGA


ELEVADOR HIDRÁULICO
• O CONCEITO DE UM ELEVADOR É RELATIVAMENTE SIMPLES:
CONSISTE EM UM COMPARTIMENTO LIGADO A UM SISTEMA
DE SUBIDA.

• UMA DAS VANTAGENS DOS SISTEMAS HIDRÁULICOS É QUE


ELES PODEM FACILMENTE MULTIPLICAR A FORÇA
RELATIVAMENTE FRACA DA BOMBA AO GERAR MAIS FORÇA
NECESSÁRIA PARA LEVANTAR O CARRO DO ELEVADOR.

• MAS ESSES SISTEMAS APRESENTAM DUAS DESVANTAGENS


PRINCIPAIS. UMA DELAS É O TAMANHO DO EQUIPAMENTO.
ELEVADOR ELÉTRICO
• NOS ELEVADORES ELÉTRICOS, O CARRO É LEVANTADO E
ABAIXADO PELA TRAÇÃO DOS CABOS DE AÇO EM VEZ DE SER
EMPURRADO DE BAIXO PARA CIMA, COMO NO HIDRÁULICO.

• EM GERAL, A ROLDANA, O MOTOR E O SISTEMA DE CONTROLE


SÃO MANTIDOS EM UMA SALA DE MÁQUINAS ACIMA DO
CABO DO ELEVADOR.
ELEVADOR COM SISTEMA DE CREMALHEIRA
• É UMA MÁQUINA DE TRANSPORTE VERTICAL QUE FUNCIONA POR
MEIO DA MOVIMENTAÇÃO DE ENGRENAGENS, QUE SÃO
ACIONADAS POR UM MOTO FREIO DE VELOCIDADE.

• COM ESSE TIPO DE ELEVADOR, É POSSÍVEL TRANSPORTAR


CARGAS PESADAS EM ALTA VELOCIDADE, CHEGANDO ATÉ 40
M/MIN.

• NESTE SISTEMA HÁ UMA ESTRUTURA COM PINHÕES QUE FAZEM


MOVIMENTOS ROTATIVOS SOBRE UMA SUPERFÍCIE COM
DENTES SIMÉTRICOS, CHAMADA DE CREMALHEIRA.
ELEVADOR DE CANECAS
• SÃO FABRICADOS EM FUNÇÃO DO MATERIAL A SER
TRANSPORTADO. PODEM SER CLASSIFICADOS, DE ACORDO
COM O TIPO DE DESCARGA, EM CENTRÍFUGO OU CONTÍNUO.

• AS CANECAS PODEM SER FIXADAS EM CORREIAS OU


CORRENTES. É DE MANUTENÇÃO FÁCIL E BARATA, LONGA VIDA
ÚTIL, OCUPA POUCO ESPAÇO E POSSIBILITA RÁPIDA TROCA
DAS PEÇAS DE DESGASTE.
ELEVADOR DE CANECAS
• CENTRIFUGO DE CORRENTE: SÃO UTILIZADOS PARA MATERIAIS DE ESCOAMENTO FÁCIL, NÃO
ABRASIVOS, QUE PODEM SER ESCAVADOS DO PÉ DO ELEVADOR.

• CENTRIFUGO DE CORREIA: E NORMALMENTE UTILIZADO PARA MATERIAIS FINOS, ABRASIVOS,


SECOS E DE ESCOAMENTO FÁCIL QUE NÃO TENHAM LASCAS OU PONTAS QUE POSSAM
DANIFICAR A CORREIA.
ELEVADOR DE CANECAS
• CONTÍNUO DE CORRENTE: PARA MATERIAIS MAIS PESADOS E DE MAIOR TAMANHO QUE OS
ELEVADORES CENTRÍFUGOS. SUAS CANECAS NÃO SÃO PROJETADAS PARA ESCAVAR O MATERIAL
E SÃO NORMALMENTE CARREGADOS POR UMA CALHA, O QUE EXIGE A ELEVAÇÃO DO SEU PONTO
DE ALIMENTAÇÃO.

• CONTÍNUO DE CORREIA: PARA MATERIAIS FRÁGEIS, EM PÓ OU FLUIDOS COMO CAL, CIMENTO


OU PRODUTOS QUÍMICOS SECOS. AS CANECAS SÃO POUCO ESPAÇADAS ENTRE SI E A
VELOCIDADE É BAIXA.
ELEVADOR DE CANECAS
• O QUE DETERMINA O SEU DIMENSIONAMENTO:
• CARACTERÍSTICAS DO MATERIAL TRANSPORTADOS (ABRASIVIDADE, CORROSIVIDADE,
HIGROSCOPIA, TIPO DE ESCOAMENTO, GRAU DE ADERÊNCIA, GRAU DE FLUIDEZ, GRANULOMETRIA E
TEMPERATURA).

• PESO DO MATERIAL (DENSIDADE SOLTA) EM T/M3.


• CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO (LOCAL DE SERVIÇO, CARACTERÍSTICAS DO AMBIENTE E GRAU DE
CONTAMINAÇÃO).

• REGIME DE OPERAÇÃO (CONTÍNUO OU INTERMITENTE).


ELEVADOR DE CANECAS
• O USO DE UM ELEVADOR IMPRÓPRIO AO MATERIAL ACARRETA PROBLEMAS TAIS COMO:
• ARRANCAMENTO DAS CANECAS.
• CARREGAMENTO INADEQUADO.
• DESCARREGAMENTO INSUFICIENTE.
• DEGRADAÇÃO DO MATERIAL.
• DESGASTE ANORMAL DAS CANECAS, CORREIAS E CORRENTES.
ELEVADOR MONTA CARGA
• TRATA-SE DE UM EQUIPAMENTO DE ELEVAÇÃO DE CARGA DE
PEQUENAS DIMENSÕES COM UM LIMITE MÁXIMO DE 300 KG
DE CARGA ÚTIL.

• ESTE EQUIPAMENTO É MAIS UTILIZADO EM EDIFÍCIOS, ENTRE


ELES, HOSPITAIS, HOTÉIS, RESTAURANTES DE MAIS DE UM
ANDAR.
• BENEFÍCIOS:
• RAPIDEZ NA MONTAGEM E INSTALAÇÃO;
• POSSIBILIDADE DE ALTERAÇÃO DE NÚMERO DE PARADAS;
• BAIXO CONSUMO DE ENERGIA;
• BAIXO NÍVEL DE RUÍDO;
• DISPENSA CASA DE MAQUINAS E POÇO.
• CARACTERÍSTICAS PERMITIDAS PELA NORMA:
• ACESSOS À CABINE (PORTAS): UMA UNILATERAL,
DUAS OPOSTAS, 2 OU TRÊS ADJACENTES;

• PROIBIDO O TRANSPORTE DE PASSAGEIROS,


• NÃO HÁ LIMITES PARA PERCURSO, NEM NÚMERO DE
PARADAS.
EXEMPLO DE UMA CABINE FABRICADA PELA
AFABRA ELEVADORES:
PRINCIPAIS APLICAÇÕES

• APLICAÇÃO DESTES ELEVADORES SÃO DIVERSAS, DESDE QUE SEJAM PARA TRANSPORTE
VERTICAL DE MATÉRIA PRIMA OU PRODUTO ACABADO, A MESMA VAI VARIAR DE ACORDO COM
A NECESSIDADE DA INDÚSTRIA
Elevador Utilização
Elevador de Cremalheira Principalmente na construção civil, devido à grande força
motriz gerada, garantindo o transporte seguro de grandes
cargas em alturas elevadas.
Elevador Hidráulico Utilizado em oficinas mecânicas e industrias automotivas,
por conta da sua capacidade de carga e também por ter
uma altura de elevação baixa, devido ao sistema.

Elevador Elétrico Possui inúmeras aplicações devido a sua grande


versatilidade e segurança. Grande representatividade nas
industrias em geral, para transporte vertical de cargas, e
em prédios residenciais.
Elevador tipo caneca Meio mais econômico de elevar produtos a granel, torna-
se muito utilizado na indústria alimentícia, e também em
estações portuárias. Possui manutenção fácil e de baixo
NORMATIZAÇÃO
• COMO TODA MÁQUINA, EXISTEM NORMAS A SEREM SEGUIDAS, SEJA NO PROJETO, NA
INSTALAÇÃO, NA OPERAÇÃO OU NA MANUTENÇÃO. PARA O ELEVADOR DE CARGA, QUE É O TEMA
ABORDADO NESTE TRABALHO, TEM-SE A NORMA NBR 14712 DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
NORMA TÉCNICA (ABNT)

• TEM COMO OBJETIVO ESTABELECER REQUISITOS DE SEGURANÇA PARA A CONSTRUÇÃO E


INSTALAÇÃO DE ELEVADORES ELÉTRICOS DE CARGA.
ABNT NBR 14712:2001

• SEGUNDO A NORMA CITADA OS ELEVADORES ELÉTRICOS DE CARGA SÃO DEFINIDOS COMO UMA
MÁQUINA DE ELEVAÇÃO DESTINADA PRINCIPALMENTE PARA TRANSPORTE DE CARGA E NO QUAL
SOMENTE O ASCENSORISTA E A PESSOA NECESSÁRIA PARA A CARGA E A DESCARGA SÃO
PERMITIDAS VIAJAR E PODEM SER CLASSIFICADOS CONFORME AS CLASSES.
• CLASSE A: CARGA COMUM, O PESO É DISTRIBUÍDO ONDE
QUE NENHUMA PEÇA EXCEDA O LIMITE DE ¼ DA CARGA
NOMINAL DO ELEVADOR. O CARREGAMENTO E A
DESCARGA SÃO MANUAIS POR EMPILHADEIRAS
MANUAIS. NESTE CARREGAMENTO A CARGA NOMINAL
MÍNIMA DEVE SER CALCULADA A BASE DE 250 KG/M2 DA
ÁREA ÚTIL DA CABINA.
• CLASSE B: CARGA AUTOMOTIVA, USADO PARA
TRANSPORTE DE AUTOMÓVEIS UTILITÁRIOS OU DE
PASSAGEIROS, ATÉ A CARGA NOMINAL DO ELEVADOR. A
CARGA NOMINAL MÍNIMA DEVE SER CALCULADA A
BASE DE 150 KG/M² DA ÁREA ÚTIL DA CABINA.
• CLASSE C: CARREGAMENTO FEITO POR EMPILHADEIRAS
MOTORIZADAS Á QUAL É TRANSPORTADAS OU NÃO PELO
ELEVADOR. DURANTE O CARREGAMENTO A CARGA NA
PLATAFORMA DO CARRO NÃO DEVE ULTRAPASSAR 150% DA
CARGA NOMINAL E EM NENHUM CASO A EMPILHADEIRA DEVE
EXCEDER 50% DA CARGA NOMINAL DO ELEVADOR. PARA
ESTE TIPO DE CARREGAMENTO, A CARGA NOMINAL MÍNIMA
DEVE SER CALCULADA A BASE DE 250 KG/M2. DURANTE A
VIAJEM, O PESO DA EMPILHADEIRA E DA CARGA NÃO DEVEM
ULTRAPASSAR A CARGA NOMINAL DO ELEVADOR.
ABNT NBR 14712:2001
• CONFORME O ITEM 4.12 DESTA NORMA É OBRIGATÓRIO O USO DE PLACA INDICATIVA DA CARGA
NOMINAL E CLASSE DE CARREGAMENTO. POR EXEMPLO: “CARGA MÁX...... KG; PROIBIDO O
TRANSPORTE DE PASSAGEIROS”. CONTINUANDO NESTE ITEM AINDA DEVE SER COLOCADA UMA
OUTRA PLACA COM OS SEGUINTES DIZERES:

• CLASSE A – “ELEVADOS PARA CARGAS COMUNS. PROIBIDO CARGAS CONCENTRADAS


ACIMA DE ...... KG”;

• CLASSE B – “ELEVADOR PARA VEÍCULOS AUTOMOTORES”;


• CLASSE C – “ELEVADORES PARA CARGAS CONCENTRADAS”
NR-11
• TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAMENTO E MANUSEIO DE MATERIAIS. É UMA NORMA
REGULAMENTADORA COM O OBJETIVO DE ASSEGURAR A OPERAÇÃO DE ELEVADORES,
GUINDASTES, TRANSPORTADORES INDUSTRIAIS E MAQUINAS TRANSPORTADORA.
• 11.1.1. OS POÇOS DE ELEVADORES E MONTA-CARGAS DEVERÃO SER CERCADOS, SOLIDAMENTE,
EM TODA SUA ALTURA, EXCETO AS PORTAS OU CANCELAS NECESSÁRIAS NOS PAVIMENTOS.

• 11.1.2. QUANDO A CABINA DO ELEVADOR NÃO ESTIVER AO NÍVEL DO PAVIMENTO, A ABERTURA


DEVERÁ ESTAR PROTEGIDA POR CORRIMÃO OU OUTROS DISPOSITIVOS CONVENIENTES.

• 11.1.3. OS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS, TAIS COMO


ASCENSORES, ELEVADORES DE CARGA, GUINDASTES, MONTA-CARGA, PONTES-ROLANTES,
TALHAS, EMPILHADEIRAS, GUINCHOS, ESTEIRAS-ROLANTES, TRANSPORTADORES DE
DIFERENTES TIPOS, SERÃO CALCULADOS E CONSTRUÍDOS DE MANEIRA QUE OFEREÇAM AS
NECESSÁRIAS GARANTIAS DE RESISTÊNCIA E SEGURANÇA E CONSERVADOS EM PERFEITAS
CONDIÇÕES DE TRABALHO.
• 11.1.3.1 ESPECIAL ATENÇÃO SERÁ DADA AOS CABOS DE AÇO, CORDAS, CORRENTES, ROLDANAS E
GANCHOS QUE DEVERÃO SER INSPECIONADOS, PERMANENTEMENTE, SUBSTITUINDO-SE AS
SUAS PARTES DEFEITUOSAS.

• 11.1.3.2 EM TODO O EQUIPAMENTO SERÁ INDICADO, EM LUGAR VISÍVEL, A CARGA MÁXIMA DE


TRABALHO PERMITIDA.
NR-18
• QUE TEM COMO TÍTULO: “CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA
CONSTRUÇÃO” E UM DE SEUS TÓPICOS É A MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E
PESSOAS.

• EM PRIMEIRO LUGAR A NORMA DENOTA A IMPORTÂNCIA DA QUALIFICAÇÃO DOS


PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS NO DIMENSIONAMENTO, MONTAGEM, DESMONTAGEM,
MANUTENÇÃO E OPERAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE
• O SUBITEM DA NR 18 – 18.14.21 TRATA EXCLUSIVAMENTE DE “TORRES DE ELEVADORES”.
• DEVEM SER DIMENSIONADAS CONFORME AS CARGAS A QUE ESTARÃO SUJEITAS.
• DEVEM SER MONTADAS E DESMONTADAS POR TRABALHADORES QUALIFICADOS
• ESTAR DISTANTES DE REDES ELÉTRICAS OU ISOLADAS CONFORME NORMAS DA
CONCESSIONÁRIA.
• A BASE ONDE SE INSTALARÁ A TORRE DEVE SER ÚNICA, DE CONCRETO, NIVELADA E RÍGIDA.
• O SUBITEM DA NR 18 – 18.14.22 TRATA DE “ELEVADORES DE TRANSPORTE DE MATERIAIS”.
• NÃO DEVEM SER TRANSPORTADAS PESSOAS NOS ELEVADORES DE MATERIAIS
• O GUINCHEIRO – PROFISSIONAL RESPONSÁVEL PELA OPERAÇÃO DO ELEVADOR – DEVE TER
SEU POSTO DE TRABALHO BEM PROTEGIDO CONTRA QUEDA DE MATERIAIS E
DIMENSIONADO CONFORME AS NORMAS DE ERGONOMIA.
• QUANTO AOS SISTEMAS DE SEGURANÇA, OS ELEVADORES DE MATERIAIS DEVEM TER:
• FRENAGEM AUTOMÁTICA
• SEGURANÇA ELETROMECÂNICA NO LIMITE SUPERIOR (2 METROS ABAIXO DA VIGA SUPERIOR
DA TORRE).

• DEVE DISPOR DE TRAVA DE SEGURANÇA QUE O MANTENHA PARADO EM ALTURA


• DEVE HAVER DISPOSITIVO DE TRAÇÃO NA SUBIDA E DESCIDA.
• PAINÉIS FIXOS DEVEM SER DISPOSTOS NAS LATERAIS, COM ALTURA DE UM METRO, NAS
DEMAIS FACES DEVERÁ HAVER PAINÉIS OU PORTAS REMOVÍVEIS

• CADA PAVIMENTO DEVE SER PROVIDO DE BOTÃO QUE ACIONE SINAL LUMINOSO OU SONORO
JUNTO AO GUINCHEIRO