Anda di halaman 1dari 33

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2016 –

TEMA: “Casa comum, nossa responsabilidade”

Vida digna na cidade do Recife e a questão socioambiental :


Saneamento como principal desafio

Dinabel Vilas-Boas dos Santos, Profª. Drª.


dinavilasboas@gmail.com
55 (81)98889-0848

Corra, porém, o juízo como as águas, e a justiça como o


ribeiro impetuoso.
Amós 5:24
CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2016 –
TEMA: “Casa comum, nossa responsabilidade”

O abastecimento de água potável, o esgoto sanitário, a limpeza


urbana, o manejo de resíduos sólidos, o controle de meios
transmissores de doenças e a drenagem de águas pluviais são
medidas necessárias para que todas as pessoas possam ter saúde e
vida dignas. Por isso, há que se ter em mente que “justiça ambiental”
é parte integrante da “justiça social”.
Saneamento
• A palavra “sanear” vem do latim sanus que significa sadio, saudável, de boa
saúde, podendo ser, então, entendida etimologicamente como “tornar
propício à saude”.

• o conjunto das ações, providências, esforços envidados para tornar


saudável uma identidade espacial.

• A cobertura de coleta de esgotos nas capitais não chega nem à metade do


número de domicílios, ou que o problema da escassez de água para
consumo é uma realidade mesmo nos centros urbanos mais desenvolvidos,

Adotar práticas que possam nortear com eficiência a ações de


saneamento.
A cobertura de coleta de esgotos nas capitais não chega nem à
metade do número de domicílios, ou que o problema da escassez de
água para consumo é uma realidade mesmo nos centros urbanos
mais desenvolvidos
É preciso construir novos processos de gestão, estabelecer novos
paradigmas, compreender a complexidade do tema e sua
repercussões em áreas como a saúde pública.

• Universalização do saneamento - status de direito

Necessário e imprescindível

• Princípio fundamental da Lei nº 8 11.445/07


• Lei de Diretrizes Nacionais de Saneamento Básico - LNSB,
regulamentada pelo Decreto Federal nº 7.217/10 .

• Artigo terceiro, define saneamento básico como:

“O conjunto de serviços, infra-estruturas e instalações operacionais de


abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana
e manejo de resíduos sólidos e drenagem e manejo das águas pluviais
urbanas” e universalização como a “ampliação progressiva do acesso
de todos os domicílios ocupados ao saneamento básico”.
Recife
• O Recife é caracterizado, originalmente, por ser envolvido por rios,
alagados e sua vegetação constituída por mangues.
• Sua hidrografia é constituída por três principais bacias hidrográficas: a
bacia do rio Capibaribe, abrangendo a área central da cidade; a bacia do rio
Beberibe, que abrange a parte Norte da cidade e sua calha faz divisa com
Olinda; e a bacia do rio Tejipió.
• Bacia do rio Tejipió divide-se em três sub-bacias: do rio Tejipió, que drena a
parte do centro-sul e Oeste da cidade; a do Jordão, que drena a zona Sul; e
a do Jiquiá, que drena o resto da zona central da cidade.
Privilégio, presente de Deus
Qual tem sido nossa relação com a cidade do
Recife?
• No século XVI deu-se início o processo de urbanização do Recife
• Intensificou-se no século XX,
• Na década de 1960, Recife recebeu muitos imigrantes vindos do
interior do Estado de Pernambuco e de toda RMR
• Até a década de 70 (século XX) grandes enchentes chegaram a
inundar 80% da cidade.
• A ocupação da capital pernambucana foi realizada de forma
desordenada por pessoas, geralmente, provenientes da área rural ou
da periferia da cidade. Estas pessoas construíam suas casas nas
margens dos mangues, alagados ou em morros do Recife.
Inicialmente, estas ocupações se deram de forma centrífuga (centro
para a periferia), trazendo sérias conseqüências tanto para a capital,
quanto para a qualidade de vida dos seus moradores.
• Ao longo do século XX, a cidade do Recife priorizou os automóveis e
deu as costas para o rio Capibaribe. O desmatamento e a ocupação
de suas margens acarretaram o assoreamento do rio e de seus
afluentes, e propiciou o despejo de efluentes e de resíduos sólidos,
causando prejuízos ao meio ambiente e à drenagem pluvial.

• Problemas advindos da canalização de rios e córregos urbanos:


favorecimento de ligações de esgotos clandestinos, ocupação das
margens e das áreas de expansão de cheias, problemas de enchentes
a jusante e o isolamento da conexão hidráulica entre o aquífero e o
rio
• A falta de uma política governamental eficaz deixou uma série de
problemas de suprimento de água potável, esgotamento sanitário e
infraestrutura para a drenagem de águas pluviais.

• A realidade observada e vivida no Recife e em outras cidades é a de


sistemas de infraestruturas saturados e ineficientes.

• Esses aspectos se intensificam quando há ocupação das margens de


cursos d’água, acarretando a diminuição da infiltração das águas
pluviais, o aumento do escoamento superficial, o assoreamento dos
cursos d’água e a degradação da qualidade da água e de mobilidade e
lazer da população.
A falta de uma política governamental eficaz, voltada para o controle
da urbanização, suprimento de água potável, esgotamento sanitário,
disposição adequada dos resíduos sólidos e infraestrutura para a
drenagem de águas pluviais, fez com que fossem gerados grandes
problemas para a população e para o meio ambiente.
• O deficiente atendimento em saneamento básico, provoca uma série
de problemas que vão da degradação ambiental, passando pela
ameaça à saúde da população e até prejuízos financeiros.
• O cidadão muitas vezes paga por um serviço de tratamento de esgoto
que não é prestado.
• O poder público injeta recursos em estruturas que são depredadas
pela própria população
• O cidadão também é responsável pela qualidade de vida na cidade,
pela qualidade da manutenção dos serviços prestados pelo poder
público
• O canal do Arruda sofre ininterruptamente o processo de destinação
inadequada dos resíduos sólidos. Eles se transformam em um grande
problema ambiental, causando perigo às comunidades que vivem nas
suas margens e disseminando esses problemas para toda a cidade.

O Saneamento afeta o espaço das cidades


e as dinâmicas do território.
• Agrega, abastecimento de água,
drenagem, coleta e tratamento
dos resíduos sólidos.
• O Recife conta hoje com uma população de 1.617.183 de habitantes de
acordo com o último censo do IBGE.

• Em 2012 o Recife aparece como o 9º município mais populoso do país,


com 1.555.039 habitantes.

• no ranking das 100 maiores cidades brasileiras, seis municípios de


Pernambuco se destacam negativamente com relação aos recursos
destinados ao saneamento básico. Quatro deles estão na Região
Metropolitana do Recife – Olinda, Paulista e Jaboatão dos Guararapes,
além da própria capital pernambucana.
• Recife - 82% da população recebe água tratada, mas menos da
metade da cidade (35%) conta com rede de esgoto.
Caminhos e metas para o poder público
• Implementar a gestão integrada de resíduos sólidos;
• Fomentar a cooperação interinstitucional para o gerenciamento dos
resíduos sólidos;
• Promover ações de educação ambiental, especialmente quanto ao
descarte adequado dos resíduos por parte da coletividade;
• Promover ações voltadas à inclusão social de catadores de materiais
recicláveis;
• Disseminar informações relacionadas à gestão dos resíduos sólidos;
• Ampliar o sistema de coleta seletiva
O saneamento Integrado representa uma alternativa para um novo
ordenamento para o saneamento da Cidade do Recife
Ambiente urbano com condições adequadas para uma vida saudável.
• Abastecimento de água,
• Esgotamento sanitário,
• Pavimentação,
• Drenagem,
• Melhoria/implantação de instalações hidrossanitárias,
• Intervenções urbanísticas,
• Educação sanitária/ambiental,
• Coleta seletiva/destinação responsável de resíduos,
• Controle de vetores/doenças e;
• Permanente operação/manutenção dos sistemas.
• Necessidade do melhoramento das condições hidrológicas,
hidráulicas, ecológicas e sociais dos riachos urbanos de Recife, com
valorização das condições naturais do seu entorno, mobilidade e lazer
contemplativo.

• Necessidade do uso de técnicas sustentáveis de drenagem e manejo


das águas pluviais que permitam uma maior infiltração da água
pluvial e a retenção e o tratamento dos possíveis poluentes oriundos
da drenagem pluvial, antes destes chegarem aos cursos d’água.
• A cidade do Recife possui peculiaridades geográficas que devem ser
consideradas para a sustentabilidade do seu sistema de drenagem e
manejo das águas pluviais.

• baixas cotas de seu território em relação ao nível do mar, áreas


planas, lençol freático próximo à superfície e aflorante na estação
chuvosa, influência dos níveis das marés, são características naturais
que dificultam a drenagem.

• O sistema de drenagem do Recife também é prejudicado devido


canalização de riachos urbanos e ocupação de suas margens por
construções regulares e irregulares, alta taxa de impermeabilização
do solo, destino inadequado dos resíduos sólidos e falta de
saneamento
Caminhos que precisam ser traçados metas que
precisam ser atingidas
Programas que visem efetivar o manejo sustentável das águas pluviais,
combater a poluição dos rios e recuperar a qualidade do ambiente
urbano, tendo como objetivos revitalizar e preservar os riachos,
considerando a necessidade de resgatar a largura e curvas dos
riachos/canais, assim como seu solo natural e que seja acompanhada
de um processo educativo.
• Enfrentar os problemas relacionados à água é um trabalho que exige
o envolvimento da administração pública, das empresas privadas, das
instituições de ensino, das organizações não governamentais do
terceiro setor e da população em geral.

• ações contínuas e integradas, promovidas pelos diversos setores da


sociedade, tendo a Educação Ambiental no tocante às águas pluviais
urbanas, um papel fundamental.
• sensibilização da população através do conhecimento das questões
técnicas, ecológicas e sociais envolvidas na gestão sustentável das
águas urbanas, assim como a mudança de paradigmas dos gestores

Pessoas sensibilizadas para as questões de manejo sustentável das


águas pluviais
Recuperação da qualidade ambiental dos cursos d’água.
O que devemos buscar ser...

Uma população imbuída do desejo e responsabilidade de atuar


Se organiza, busca conhecer de forma profunda sua realidade e, a
partir da leitura feita, demanda ações de saneamento pautadas em
suas reais prioridades,
Atua em seu cotidiano para uma cidade melhor, colabora para
transformação da realidade e se compromete com a coletividade.
O que se pretende alcançar?

Uma cidade hidrologicamente adequada, resiliente a eventos


extremos

Integração das águas atmosféricas, subterrâneas, fluviais e


oceânicas

Oportunidades de recreação, temperatura agradável e beleza


cênica.
CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2016 –
TEMA: “Casa comum, nossa responsabilidade”

Vida digna na cidade do Recife e a questão socioambiental :


Saneamento como principal desafio

Dinabel Vilas-Boas dos Santos, Profª. Drª.


dinavilasboas@gmail.com
55 (81)98889-0848

Corra, porém, o juízo como as águas, e a justiça como o


ribeiro impetuoso.
Amós 5:24