Anda di halaman 1dari 25

O TRANSISTOR

Inventado nos laboratórios da Bell Telephone


por John Barden e Walter Houser, em 1947,
revolucionou o mundo.
Acompanhe a seguinte narrativa:
Todos sabem dos fatos que originaram a
entrada dos EUA na II grande Guerra.
Foi o ataque não avisado a Pearl Harbor no
Avai.
Após este ataque, o governo americano
declarou estar em guerra contra o Japão.
Pois bem. No final dos combates, o mundo
apresentava duas facções, Os soviéticos que
pretendiam atingir a Alemanha China, e continuar
polarizando o planeta com suas idéias, e ...
Do outro lado os americanos, seguidos por
Ingleses, Franceses, Holandeses, ... e ideais
capitalistas.
Neste momento, surge a necessidade de se dar
um fim á guerra e alguns cientistas projetam as
armas mais letais que conhecemos.
Duas bombas são armadas e disparadas contra
cidades Japonesas, Hiroshima e Nagasaki, e
por fim o Japão se rende.
O local onde o Japão assina a rendição é um
grande navio de guerra americano, ancorado
próximo ao Japão, cujo nome é USS Missouri, e
o comandante supremo americano Douglas
Macarthur, preside a seção.

O primeiro ministro Japonés Hirohíto, não


comparece, e envia seu representante para a
assinatura, dos termos de rendição.
Claro que isto foi um grande alívio, pois haveria
novamente a chance de paz duradoura, e uma
nova era surge. Muitas coisas fizeram a
humanidade crescer com a guerra, muitos
desenvolvimentos apareceram aí, não se pode
negar, a aviação, o rádio, os sistemas de
proteção, radares, sistemas de comunicação de
qualidade em FM, etc.
Neste ponto, os americanos são obrigados a
manter sua frota naval em vigília por um longo
tempo, para garantir a nova situação e
reconstrução do Japão, que como Alemanha
estavam arrasados. Isto evitou que os Russos
continuassem a descer em direção ao Japão e
também ao Oriente Médio – Petróleo.
Assim com o investimento no Japão, os
americanos prestariam uma grande ajuda, e
isto aconteceu.
Aqui começa a História:
Haviam três irmãos Japoneses, que buscavam
novas ocupações, e sem querer, segundo
relatos, pegaram em um dos navios, plantas de
novos projetos.
Dentre eles, os desenvolvimentos do transistor.
Claro, eles viram longe e perceberam que
tinham que agir. Então buscaram entender
sobre o novo experimento, conhecer suas
funções e possíveis aplicações. Estudaram
muito, sem ter livros, e professores, mas
Japonês é duro na queda. E claro, com afinco,
logo, logo, conseguiram
Com o estudo veio o aprendizado e aplicações
foram descobertas que os impulsionaram a
desenvolver idéias e aí ....
Montaram em um pequeno galpão, um
pequeno aparelho, que era inovador, e
funcionava sem fios ligados á tomada, e logo
testaram seu invento e funcionamento.
Nesta hora, o que eles queriam era capitalizar e
ganhar dinheiro, e foram atrás dos fregueses.
Tentaram vender para seus compatriotas, e
para os americanos que lá estavam, mas eram
duas visões diferentes – o japonês quebrado, e
o americano não querendo gastar com quem os
provocou na guerra.
Não conseguiram vender nenhum, não havia
interesse ali. Aí resolveram sair do país e partir
para o mundo, na tentativa de fazer negócio o
mais rápido possível. Os três irmãos cada um
com 50 aparelhos na mala, partiram cada um
numa direção.
Um foi para região européia da Alemanha, o
outro foi à Inglaterra, e o terceiro foi rumo á
América do Norte.
O que foi para a Alemanha, adoeceu durante a
viagem e teve que retornar sem nada conseguir.
O Japonês que foi para a Inglaterra, foi
impedido de entrar no país, e também teve que
voltar ao Japão.
O que foi em direção ás américas, conseguiu
passar pela alfândega, e achou um pequeno
Hotel para se Hospedar por uma semana.
Logo resolveu sair a caça de futuros fregueses.
Lembro agora que esta narrativa se passa perto
do natal.
Tentou junto a donos de lojas, mas sem
sucesso, sempre o olhavam como alguém que
fez mal ao povo americano.
Junto a futuras fábricas nem pensar, sempre
recebia um belo não muito obrigado.
Junto ás pessoas na rua, casas e bares,
ninguém se interessava nem em ver o produto.
Durante 5 dias, nada tinha conseguido. Lembre
naquela época não existia telefone, e carta só
via oceano, levavam muito tempo para chegar.
Já apresentava certo cansaço e melancolia,
mas resolveu não desistir, e continuou, sendo
que no sexto dia, percebeu que após as aulas
em um colégio, que muitos alunos corriam para
perto da vitrine de uma das lojas, próximo onde
estava. Havia ali uma praça e ele ficou por
algum tempo perto de uma arvore observando.
Resolveu então aproximar da loja, e viu que sua
vitrine estava repleta de novidades, rádios,
TV´s, radiolas, vitrolas, enceradeiras,
geladeiras, e outras coisas mais que faziam
sucesso, naquela época.
Ficou encantado com a alegria dos jovens
americanos, como se portavam frente aos
novos produtos. Um dizia, é este que eu vou
ganhar de natal, outro falava, aquele é meu.
Neste momento, brilhou em cima da cabeça de
nosso amigo Japonês, uma lâmpada...
Descobriu o que fazer.
Após os alunos se retirarem, entrou na loja e
pediu para falar com o dono, e se apresentou,
mostrou suas intenções e os seus produtos, o
lojista preferiu não fazer negocio.
Alguns instantes depois, o nosso amigo fazia
uma proposta irrecusável.
Propôs ao dono da loja, deixar todos os 49
produtos de graça, caso fosse vendido 1.
Mas com a condição de que este 1, seria
colocado na vitrine num local escolhido pelo
Japonês.
Assim no dia seguinte, estava lá em frente a
loja, naquela praça, o nosso amigo esperando a
aula terminar. E não demorou, a meninada,
estava em festa na frente da loja. E em algum
momento o Japones elogia a qualidade dos
produtos de forma a ser notado pelos alunos.
Em seguida, repara num pequeno produto, em
vermelho, escondido no canto da vitrine da loja.
Aponta para o produto, e pergunta se alguém
sabe o que é? Ninguém responde, então
resolve perguntar ao dono da loja, e ao entrar,
lá dá uma piscada de olhos e lança a questão.
O dono da loja, mostrando interesse em
divulgar o produto, informa que se trata de algo
novo, criado ali mesmo na América.
O tal aparelho, precisa de duas pilhas
preparadas para ele, e logo, ao ligar já mostra
um chiado característico. O dono da loja,
resolve demonstrar como funciona o produto ali
mesmo aproveitando a platéia reunida e logo
saindo da loja com aquele pequeno elemento
vermelho na mão, tentando sintonizar alguma
coisa com a outra.
Alguns instantes eis que pega uma das
estações locais, e a meninada, logo vibra, e
começa a pensar em trocar de escolha.
É este que vou querer, este eu vou pedir pro
papai Noel trazer.
Em pouco tempo todos foram vendidos. Os
primeiros Rádio Portáteis produzidos no mundo.
Claro que com as vendas dos 49, o japonês
ficou satisfeito, mesmo não ganhando um
tostão ali, mas ganhou sim. Pois no final de
quem é que o dono da loja iria comprar novos
rádios portáteis naquela Época?
Antes que me esqueça:
O Três japoneses eram o dono da Sony, o dono
da Panasonic e dono da ....