Anda di halaman 1dari 9



     

|  
   
     
   !   | "

 

      
       
6         #

        #  #   
   #$

Enquanto os métodos quantitativos sugerem a possibilidade de


comparação, os métodos qualitativos enfatizam especificidades, em
termos de origens e sentidos, dos fenômenos sociais.

Situações onde podemos observar o uso de métodos qualitativos:

situações nas quais as evidências qualitativas substitui as


informações estatísticas relacionadas à épocas passadas;
situações nas quais a intenção do pesquisador é captar dados
psicológicos reprimidos ou não;
 situações de observação do funcionamento complexo de
estruturas e organizações.

      


 R%  
 
 
  #R$

ïs termos Pesquisa-ação e Pesquisa-participante tem origem na psicologia


social de Kurt Lewin. Seus trabalhos se orientavam para a solução de
problemas sociais e a partir desses estudos, o conceito de Ô   na vida
social com o objetivo de transformá-la ganha corpo metodológico.

No Brasil encontra-se uma polêmica entre as diversas tendências que


envolvem o conceito de pesquisa e participação. Na literatura
estrangeira a preocupação dos pesquisadores não está ligada ao uso
deste ou daquele termo, mas sim, se de fato as pesquisas se
apresentam de forma participativa ou não.
Como um dispositivo de intervenção, a pesquisa participativa deve
afirmar-se como um ato político, uma proposta de atuação
transformadora, propondo uma intervenção de ordem micropolítica na
experiência social.

      



 
 u  
 u    R
6          #%
que favorece as discussões e a produção cooperativa de
conhecimentos específicos sobre a realidade vivida, a partir da
perspectiva do esmorecimento das estruturas hierárquicas e das
divisões em especialidades, que fragmentam o cotidiano. Se
constituiu enquanto pratica desnaturalizadora e tem como foco
principal de análise as redes de poder e o caráter desarticulador dos
discursos e das práticas instituídas no convívio social.

6 6
º inserção do pesquisador no meio pesquisado
º participação efetiva da população pesquisada na pesquisa
º transformação da realidade
º busca do sentido e das representações
º nova concepção de sujeito e de grupo
º autonomia e práticas da liberdade
º princípio ético - os resultados devem ser socializados.
      
6 &'()&66- 6 6  66 
&&6 & &'()&6&

&   


# 
    
 
 
  
 %
     

 
moderadores, facilitadores, analisadores, intérpretes e,
também, pesquisadores.

 
 
    * +#    
,- !. /

o nível psicoafetivo;
o nível histórico-existencial e
o nível estrutural-profissional.

   

0       %   


  
      1  .      
   
  
. 2
3  
 
%   # #   

 
4 
 %  .    
  2
5   
+ %     .   6  
 . 1
 *   . "     

    "%   #  # #
 +

 2 
7   1
  % #    
            8
  
  * 
6  R 
    
6 Pesquisa-ação se presta tanto as ações integradoras que levam à
auto-regulamentação do objeto de estudo ± seja ele um grupo,
instituição, movimento social ou indivíduo ± quando às mudanças
radicais, como a contestação das estruturas. Nessa tradição se
insere o método de conscientização de Paulo Freire.

   |       


9   8    ,
 
  
  
   M    
 / 
 # 
    .2  6   %    
 
     % 
  
 +

"   :     1  : # 

  
 + 
  

      


6  R 
    

; . 
      
 
 #

  .   <
 #
   %    %  
 


8% # #  8
  # 
   %
    
*  
   

% 
 
  #
   <  

  #   #  


   1
%   * 
.   
  %  4%
( 6 &  (6 6
V V  
BR6NDÃï, Carlos R. 6 
Ô Ô Ô    Ô  
  Ô  
   
Curitiba: CELEP6R, s/data. Disponível em
http://200.189.113.123/portals/portal/pde/texto_pesquisa.pdf

CUNH6, Charles; BïLï NINI, Valéria; CUNH6, Daisy.         : a
experiência do setor mineral em foco. 6nais do XIII Congresso Brasileiro de Sociologia, 2007. Disponível
em http://www.sbsociologia.com.br

H6 UETTE, Teresa M.F..  Ô  


Ô Ô   ÔÔ . 7º ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

RïCH6, Eliza Emília R. B.. 6 


Ô  Ô Ô   
       Ô Ô  
! Ô"  
 . 6nais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária. Belo Horizonte,
2004. Disponível em http://www.ufmg.br/congrext/Direitos/Direitos8.pdf

RïCH6, Marisa L.; 6 UI6R, Kátia F.. 


Ô Ô    
    Ô Revista de
Psicologia Ciência e Profissão, n. 4, ano 23. 2003.

THIïLLENT, Michel.  Ô 


Ô  . São Paulo: Cortez, 1985.

_______ #       


Ô   In Brandão, C.R. (org.), Repensando a pesquisa
participante. 3º ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.