Anda di halaman 1dari 29

Parasitoses Intestinais

da Infância
Ana Beatriz Pacheco da Silva
Rafael Bussola

Saúde da Criança I
Medicina – UFRJ / Macaé
2016
Introdução: Protozoários

• Conceito de Parasitoses
Helmintos
Platelmintos
• Principais Agentes Etiológicos Nematelmintos

• Relacionam-se a déficits no desenvolvimento


físico e cognitivo de crianças e adolescentes

• Tríade: Anemia – Parasitoses – Desnutrição


(proteico-calórica).
Epidemiologia:
• Doenças de Massas: problema
de saúde pública, > em países
chamados periféricos, onde são
mais frequentes.

• Doenças Negligenciadas.

Hospedeiro

Vetor
Ambient
Agente e

• Imunodeprimidos – Identificação de novos agentes.


Helmintos
Ascaris lumbricoides

• Parasita específico do homem;

• Transmissão: ingestão de
ovos presentes no solo,
alimentos e objetos;

• Alta prevalência: Crianças x


Fertilizantes x Resistência dos
ovos (2 anos – 5 a 10ºC).
Ascaridíase
Fase Larval:
• Sd. Löeffler = tosse seca, infiltrado pulmonar, broncoespasmo febre
baixa
ou ausente, eosinofilia (pneumonia intersticial).

Fase Adulta:
• Eliminação do parasita pela boca, nariz,
ouvido e ânus;
• Dor abdominal, náuseas, vômitos
e flatulência.

Complicações:
• Migração anormal dos vermes pelas vias hepáticas e biliares 
colecistite,
abscesso hepático, apendicite e pancreatite.
• Obstrução intestinal Grave
Ancylostoma duodenale e
Necator americanus
Parasitas frequentes em regiões quentes e úmidas:

• A. duodenale - Europa e Ásia  infecção através da água e de


alimentos contaminados com ovos ou larvas.

• N. americanus - África e Américas  via percutânea, pois as


larvas estão no solo quente e úmido e podem penetrar
ativamente na pele.
Ancilostomose
• Fase Invasiva: dermatite pruriginosa (N. americanus)

• Migração larvar: Sd. Loeffler

• Fixação dos vermes adultos: atrofia mucosa intestinal, diarreia ou


constipação intestinal, anorexia ou polifagia, redução da absorção
intestinal, hipoproteínemia e anemia (microcítica hipocrômica).

• Ancilostomose crônica: palidez, apatia,


desânimo, fadiga e fraqueza

• Em crianças: elevada carga parasitária


 déficit ponderoestatural e atraso no
desenvolvimento cognitivo
Enterobius vermicularis
• Parasitose não relacionada ao nível socioeconômico da população.

• Comum em climas temperados.

• Disseminação: Ovos numerosos e resistentes (~ 3 semanas) –


contaminação de alimentos e poeira – Tratamento de toda a
família.

• Fixação dos vermes na mucosa: dor abdominal, diarreia, náuseas e


vômitos (raros), tenesmo e fezes mucossanguinolentas.

• Migração e postura de ovos: prurido anal noturno e insônia. Pode


ocorrer ITU, vulvovaginite e prurido vulvar em meninas, devido à
migração errática.
Trichuris trichiura
• Parasita presente na terra, preferencialmente em regiões quentes e
úmidas  crianças em idade escolar.

• No homem, tem predileção pelo ceco, colo ascendente, apêndice e


últimas porções do íleo.

• Em geral é assintomática, mas pode causar diarréia crônica, às


vezes com sangue.

• Infestações maciças: Prolapso retal enterorragia (hematoquezia) e


anemia importante.
Strongyloides stercoralis
• Helminto (nematelminto)
• Comum nas regiões tropicais e subtropicais com
precárias condições de saneamento
• Transmissão: via percutânea larva
filarioide
• Parasitam jejuno, íleo, cólon e estômago
Estrongiloidíase
• Assintomática

• Infecção aguda sintomática

• Formas crônicas com sintomas de


hipersensibilidade (tosse, urticária e eosinofilia)

• Síndrome hiperenfecciosa (imunodeprimidos)


Estrongiloidíase
• Mais frequente:
i. Diarreia
ii. Disenteria crônica
iii. Sintomas dispépticos (simulam úlcera
péptica)

• Formas graves:
i. Diarreia volumosa
ii. Esteatorreia (má-absorção)
Taenia solium e Taenia
saginata
• Helminto (platelminto)
• Cisticerco (larva) ingestão de carne crua
ou mal cozida de porco (T. solium) ou de boi
(T. saginata)
• Homem é hospedeiro definitivo
• Quando hospedeiro intermediário
ingestão de ovos (cisticercose)
Teníase
• Assintomática
• Sintomático: gastrointestinais
i. Náuseas
ii. Vômitos
iii. Diarreia de intensidade variável
iv. Alteração do apetite (fome exagerada)
v. Perda de peso
vi. Astenia
vii. Irritabilidade
• Neurocisticercose: cefaleia, convulsão focal e
cistos cerebrais calcificados (TC e RM)
Protozoários
Giardia lamblia
• Protozoário
• Parasita as porções altas do intestino
• Cistos: forma infectante
• Disseminação: Via direta - ingestão de água ou
alimentos crus
• Via indireta - pessoa a pessoa (cheches e
escolas)
Giardíase
• Assintomáticos (maioria)

• Diarreia aguda: fezes líquidas, explosivas e fétidas

• Diarreia persistente ou intermitente (esteatorreia)

• Má-absorção

• Desnutrição prévia- diarreia crônica


Entamoeba histolytica
• Protozoário

• Transmissão: ingestão de cistos pela água ou


alimentos crus contaminados

• Habita a submucosa do intestino grosso


Amebíase
• Assintomáticos (80%) • Forma extra-
intestinal:
• Forma não complicada:
i. colite não disentérica i. Abscesso
ii. colite disentérica hepático (febre,
hepatomegalia
• Forma complicada:
dolorosa)
i. hemorragia
ii. perfuração intestinal ii. Pulmonar
iii. peritonite
iii. Cerebral
iv. oclusão intestinal por
ameboma
Amebíase
• Colite não disentérica é a mais frequente:
i. Diarreia aguda precedida por cólicas

• Colite disentérica é a forma clássica Tríade


de fezes mucossanguinolentas:
i. Cólicas abdominais
ii. Tenesmo
iii. Temperatura normal ou menor que 38°C
Diagnóstico laboratorial
• Fácil execução prática e de baixo custo

• Padrão-ouro: exame parasitológico de


fezes (coleta de 3 amostras em um
período de 7 dias)
Diagnósticos laboratoriais
• Provas específicas: • Provas inespecíficas:
i. Métodos sorológicos i. Hemograma (anemia
(DFA, EIA, dipstick-like, e eosenofilia)
ELISA) ii. Radiografia de tórax e
ii. Biópsia jejunal abdome
iii. Microscopia do líquido iii. Endoscopia digestiva
aspirado alta
iv. Exame do escarro e iv. Ultrassonografia
lavado broncoalveolar abdominal
Tratamento
Doença Habitual Alternativa
Ascaridíase - Albendazol - 400mg/dia (Adultos) - Levamizol - 150mg VO dose
ou 10 mg/kg (Crianças) – DOSE única (Adultos) ou 40mg (Cç < 8
ÚNICA anos) ou 80mg (Cç > 8 anos)

- Mebendazol (100mg) 2X/dia por 3


dias consecutivos
Ancilostomíase - Mebendazol (100mg) 2X/dia por 3 - Albendazol (200mg) 2 comp VO
dias consecutivos ou 10 ml de suspensão
(200mg/5ml) – dose única

- Pimoato de Pirantel – 20 a
30mg/kg/dia por 3 dias
Estrongiloidíase - Tiabendazol 25 mg/kg/dia por 5-7 - Ivermectina 200mg/kg, dose
dias ou 50 mg/kg/dia, dose única ou única ou por 2 dias
10 mg/kg/dia por 10 dias. Dose (hiperinfecção)
máx: 3,0g/dia.

Fonte: Doenças infecciosas e parasitárias. Oitava edição. Ministério da saúde, 2010


Tratamento
Doença Habitual Alternativa
Teníase / - Praziquantel 10mg/kg, dose - Mebendazol 200mg 2x/dia por 3
Cisticercose única dias. Repetir após 7 dias
- Praziquantel 50mg/kg/dia por - Albendazol 15 mg/dia por 30dias
21 dias + Dexametasona (3x/dia) + Metilprednisolona 100mg
(D1) e 20mg/d (até D30)
Tricuríase - Ivermectina 200 µg/Kg DU - Nitazoxanida 200 mg 2X/dia, 3 dias
(Eficácia 11 – 68%) ou 100 mg 2X, 3 dias em crianças
12 a 46 meses (Eficácia ??)
Enterobiose - Pomoato de pirvínio 10mg/kg - Albendazol (200mg) 2 comp VO ou
VO DOSE ÚNICA 10 ml de suspensão (200mg/5ml) –
- Mebendazol 100mg VO, dose única
2X/dia, por 3 dias consecutivos

Giardíase 

Fonte: Doenças infecciosas e parasitárias. Oitava edição. Ministério da saúde, 2010


Tratamento
Amebíase

Fonte: Doenças infecciosas e parasitárias. Oitava edição. Ministério da saúde, 2010


Profilaxia
• Condições socioeconômicas da população
• Saneamento básico
• Educação/orientação da população
Referências Bibliográficas

Obrigado(a)!!!