Anda di halaman 1dari 100

CURSO DE SISTEMA DE

REGISTRO DE PREÇOS
PALESTRANTE: ALEXANDRE CAIRO
Utilização do SRP
Somente para compras?

Art. 15 As compras, sempre que possível, deverão:

II – Ser processadas através de sistema de registro de preços;


CARACTERÍSTICAS
PREVISTAS NA LEI
nº 8.666/93

Ampla pesquisa de mercado Validade do Registro não superior


a um ano

Publicação trimestral em DOU


para a orientação da Não obrigação de contratar.
Administração Facultada nova licitação.

Regulamentação por Decreto Preferência do licitante registrado


em caso de igualdade de
condições na outra licitação
Utilização da modalidade
Concorrência
NÃO OBRIGAÇÃO DE CONTRATAR
(CONSEQÜÊNCIAS)

Art. 15 .....................................................................................................

§ 4º A existência de preços registrados não obriga a Administração a


firmar as contratações que deles poderão advir, fincando-lhe
facultada a utilização de outros meios, respeitada a legislação
relativa às licitações, sendo assegurado ao beneficiário do registro
preferência em igualdade de condições.
NÃO OBRIGAÇÃO DE CONTRATAR

Os quantitativos estimados passam


a ser meros referenciais

Desnecessidade de previsão
orçamentária
CONSEQÜÊNCIAS
Vencedor não tem direito
à contratação

Melhor controle da quantidade


do produto
Possibilidade do uso do Pregão para o Registro de Preços
antes da conversão na Lei nº 10.520/02, que regulamentou o Pregão

Se a Lei não previu,


Corrente restritiva
não pode o Decreto fazê-lo

Há lacuna na A Lei nº 8.666/93 deixou uma


lacuna, vez que não existia a
Lei nº 8.666/93 modalidade Pregão no
momento de sua edição
Utilização do SRP
Extensão da possibilidade para o pregão e
para serviços

Art. 11 As compras e contratações de bens e serviços comuns, no


âmbito da União, Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,
quando efetuadas pelo sistema de registro de preços previsto no Art.
15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, poderão adotar a
modalidade pregão, conforme regulamento específico.
Utilização do RDC para SRP

Art. 87. O Sistema de Registro de Preços


destinado especificamente ao RDC - SRP/RDC
será regido pelo disposto neste Decreto.
- Assunto: REGULARIDADE SRP. PLANO DE SAÚDE. NÃO
ACEITAÇÃO DO CARONA. RECOMENDAÇÃO SRP.
 Ementa: o TCU considerou regular a utilização de Sistema
de Registro de Preços para a contratação de operadora de
plano de saúde, impondo a condição de o edital vedar a
utilização da ata de registro de preços por órgão/ entidade
não-participantes. Entendeu não haver possibilidade de aferir
se o preço vencedor será mais vantajoso ou compatível com
a faixa etária do pessoal do órgão gerenciador. ( TC-
004.709/2005-3, Acórdão nº 668/2005-TCU- Plenário).
- Assunto: IREGULARIDADE DE SRP PARA EVENTOS NÃO
PADRONIZÁVEIS.
 Ementa: O sistema de registro de preços não é aplicável
nas situações em que o objeto não é padronizável, tais como
os serviços de promoção de eventos, em que os custos das
empresas são díspares e impactados por vários fatores, a
exemplo da propriedade dos bens ou da sua locação junto
terceiros; de sazonalidades (ocorrência de feiras, festas,
shows e outros eventos nos mesmos dia e localidade); do
local e do dia de realização do evento; e do prazo de
antecedência disponível para realização do evento e reserva
dos espaços.
Acórdão 1712/2015-Plenário | Relator: BENJAMIN ZYMLER
EVOLUÇÃO DO
SRP

DECRETO Nº 449 IMPLEMENTA O CATMAT, O


DE 17.02.92 SIREP E O SICAF

REGULAMENTA O SRP
DECRETO Nº 2.743 DO ART. 15 DA LEI Nº 8.666/93
DE 21.08.98
REVOGA O ANTERIOR E
DECRETO Nº 3.931 ACRESCENTA A CONTRATAÇÃO
DE 19.09.01 DE SERVIÇOS

REVOGA O DECRETO Nº 3.931/01


E ATENDE A DIVERSAS
DECRETO Nº 7.892 DETERMINAÇÕES DO TCU E
AGU, COMO A LIMITAÇÃO A
DE 23.01.13
PARTICIPAÇÃO DO CARONA
Modificações introduzidas pelo Decreto nº 7.892/13:
a) As hipóteses de sua utilização serão interpretadas de forma alternativa (art.3º);
b) Fica instituída a intenção de Registro de Preços – IRP a ser utilizada de
maneira obrigatória, porém dependendo de regulamentação do MP. (art. 4º);
c) Maior detalhamento do papel o Órgão Gerenciador (art. 5º);
d) Impossibilidade expressa de prorrogar a Ata de Registro de Preços, por mais um ano e
de acrescer quantitativo (art. 12 caput e § 1º);
e) Fica explícita a competência do Órgão gerenciador (Art. 5, X), do Órgão
participante (Art. 6, parágrafo único) e do Carona (Art. 22, § 7º) para,
individualmente, aplicarem penalidades;
f) Ficou explícita a possibilidade de o Órgão Gerenciador solicitar auxílio técnico
aos órgãos participantes (Art. 5º, § 2º);
g) Deixou explícita a desnecessidade de indicação orçamentária para licitar,
somente sendo exigível para contratar (Art. 7º § 2º);
h) Colocou o uso da modalidade concorrência do tipo técnica e preço em caráter
excepcional (Art. 7º § 1º);
i) O edital passa a ter que prever a quantidade a ser adquirida pelos Caronas
(Art. 9º, III);
Modificações introduzidas pelo Decreto nº 7.892/13:
j) Possibilidade de todos os licitantes igualarem seus preços ao licitante primeiro
colocado (Art. 10), respeitada a ordem de classificação (Art. 11, III);
k) O prazo de validade da Ata não será superior a 12 meses., incluídas eventuais
prorrogações (Art. 12);
l) Nova sistemática para a revisão de preços com negociações periódicas (Art. 17);
m) Limita a participação de caronas a cinco vezes o quantitativo de cada item
registrado na ata para o órgão gerenciador e órgãos participantes,
independente do número de caronas (art. 22, § 4º);
n) Estabeleceu o prazo de 90 dias para o carona utilizar a Ata, após autorizado
(Art. 22, § 6º), com possibilidade de prorrogação desse prazo;
o) Vedou expressamente a possibilidade de órgãos federais aderirem às Atas
editadas por Estados, Distrito Federal e Municípios; e
p) Cria a figura da “compra nacional” e do “órgão participante de compra
nacional”
SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS
CONCEITO REGULAMENTAR

CONJUNTO DE PROCEDIMENTOS
PARA REGISTRO FORMAL DE
PREÇOS RELATIVOS À PRESTAÇÃO
DE SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE
BENS, PARA CONTRATAÇÕES
FUTURAS.
SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS
CONCEITO REGULAMENTAR

Conjunto de procedimentos para


registro formal de preços para
contratações futuras, relativos à
prestação de serviços, inclusive de
engenharia, de aquisição de bens e
de execução de obras com
características padronizadas
Sistema de Registro de Preços
Conceito proposto

“O sistema de compras pelo qual os


interessados em fornecer materiais,
equipamentos ou gêneros ao Poder Público
concordam em manter os valores
registrados no Órgão competente,
Conceito
corrigidos ou não, por um determinado
período, e a fornecer as quantidades
solicitadas pela Administração no prazo
previamente estabelecido”.
Hely Lopes Meireles
SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS
CONCEITO PROPOSTO

“É um procedimento especial de licitação, que se efetiva por meio


de uma concorrência ou pregão sui generis selecionando a
proposta mais vantajosa, com observância do Princípio da
Isonomia, para eventual e futura contratação pela
Administração”.

Jorge Ulisses Jacoby


- Assuntos: PREGÃO ELETRÔNICO e REGISTRO DE
PREÇOS. DOU de 22.04.2013, S. 1, p. 79. Ementa: o TCU deu
ciência à Fundação Universidade do ABC (UFABC) que a
aquisição de equipamentos referentes a pregão eletrônico,
pelo Sistema de Registro de Preços (SRP), em quantidade
superior às necessidades reais da entidade, as quais devem
estar devidamente demonstradas no processo de compra,
constitui afronta aos princípios da razoabilidade e da
eficiência, previstos no art. 2º da Lei nº 9.784/1999, que
devem ser observados pela Administração Pública (item 9.2,
TC-001.410/2013-0, Acórdão nº 829/2013-Plenário).
FUNCIONAMENTO
CONSUMO ANUAL
PLANEJAMENTO
ITENS MAIS
SIGNIFICATIVOS

MEDIANTE
CONCORRÊNCIA
EXECUÇÃO PREGÃO OU RDC

PUBLICAÇÃO
TRIMESTRAL PREÇOS
PRAZO: UM ANO REGISTRADOS
VANTAGENS E DESVANTAGENS
IMPREVISIBILIDADE DE CONSUMO

REDUÇÃO DA FALTA
DE MATERIAIS
VANTAGENS
NÃO OBRIGATORIEDADE
DE AQUISIÇÃO DE
MATERIAIS/ PRODUTOS OU
CONTRATAÇÃO DE
SERVIÇOS
- Assunto: REGISTRO DE PREÇOS. DOU de 26.01.2015, S. 1,
p. 107. Ementa: recomendação à Universidade Federal do
Pará no sentido de que reavalie a possibilidade de unificar,
em contratos ou atas de registro de preços específicos, a
realização de serviços de manutenção similares ou conexos,
evitando sobreposição de objetos, confusão de
competências, dificuldades de controle e riscos de
pagamentos em duplicidade por um mesmo serviço (item
9.1.20, TC-019.929/2014-5, Acórdão nº 54/2015-Plenário).

ATUALIZAÇÃO CONSTANTE
DOS PREÇOS

VANTAGENS TEMPO REDUZIDO PARA


AS AQUISIÇÕES

SEM A NECESSÁRIA RESERVA


DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS
ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 20, DE 1º DE ABRIL DE 2009

O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso das atribuições que lhe


conferem os incisos I, X, XI e XIII, do art. 4º da Lei Complementar nº 73, de
10 de fevereiro de 1993, considerando o que consta do Processo nº
00400.015975/2008-95, resolve expedir a presente orientação normativa,
de caráter obrigatório a todos os órgãos jurídicos enumerados nos arts.
2º e 17 da Lei Complementar nº 73, de 1993:

NA LICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS, A INDICAÇÃO DA


DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA É EXIGÍVEL APENAS ANTES DA
ASSINATURA DO CONTRATO.

INDEXAÇÃO: REGISTRO DE PREÇOS. DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA.


CONTRATO.

REFERÊNCIA: arts. 15 e 38, caput, da Lei no 8.666, de 1993; art. 3o do


Decreto no 3.931, de 2001; Acórdãos TCU 3.146/2004-Primeira Câmara e
PARTICIPAÇÃO DE PEQUENAS
E MÉDIAS EMPRESAS

TRANSPARÊNCIAS NAS
VANTAGENS AQUISIÇÕES

CUSTO DAS LICITAÇÕES


OTIMIZAÇÃO DOS NÍVEIS
DE ESTOQUE

RACIONALIZAÇÃO
DAS COMPRAS E
CONTRATAÇÕES

VANTAGENS
REDUÇÃO DO NUMERO

DE LICITAÇÕES
LICITANTES
Pode vender aos caronas
ELIMINAÇÃO DO
Maior acesso ao Poder público FRACIONAMENTO
- Assuntos: PREGÃO e REGISTRO DE PREÇOS. DOU de
15.02.2012, S. 1, p. 109.
Ementa: recomendação ao reitor da Universidade Federal
de Campina Grande para que, em situações nas quais, pela
natureza do objeto, não seja possível definir previamente o
quantitativo a ser demandado pela
Administração, adote a modalidade pregão - registro de
preços, na forma disciplinada pelo Decreto nº 3.931/2001
(item 1.6.1, TC-032.498/2010-1, Acórdão nº 483/2012-2ª
Câmara).
Complexidade da
modalidade Concorrência

Necessidade de alocar
recursos humanos para
a atualização de tabelas
DESVANTAGENS
Impossibilidade de prever
todos os itens a serem
adquirido

Facilidade para formação de


cartéis
•O TCU em 2004 recomendou a utilização do SRP quando não
houvesse previsibilidade nas compras: houve a falta de planejamento
das compras bem como o seu parcelamento. Voto:
• “Desse modo, resta cristalino que não há como suscitar situação
emergencial; as dificuldades orçamentárias eram plenamente
previsíveis, e o comportamento de fracionar a aquisição mediante
dispensa de procedimento licitatório deu-se por dois anos. Portanto,
proporemos a rejeição das razões de justificativas apresentadas pelo
Sr.(...) Novamente lembramos que o Sistema de Registro de Preços,
previsto no Art. 15 da Lei Nº 8.666/93 e regulamentado pelo Decreto
nº 2.743, de 21 de agosto de 1998, presta-se bem às dificuldades
apresentadas pelo responsável” (Processo nº AC-3.146, de 2004 –
Primeira Câmara)
- Assunto: REGISTRO DE PREÇOS. DOU de 31.01.2013, S. 1, p.
130. Ementa: alerta ao Parque de Material Bélico da Aeronáutica
do Rio de Janeiro para que se abstenha, em licitação para
registro de preços, de adotar como critério de adjudicação o de
menor preço global por grupo/lote, concomitantemente com
disputa por itens, sem que estejam demonstradas nos autos as
razões pelas quais tal critério, conjuntamente com os que
presidiram a formação dos grupos, é o que conduzirá à
contratação mais vantajosa, comparativamente ao critério
usualmente requerido de adjudicação por menor preço por item,
devendo ainda restar demonstrada nos autos a compatibilidade
entre essa modelagem e o sistema de registro de preços quando
a Administração não estiver obrigada a proceder a aquisições por
grupo (item 9.4, TC-017.096/2012-0, Acórdão nº 48/2013-
Plenário).
QUANDO UTILIZAR O SRP:

FREQUËNCIA NA CONTRATAÇÃO;
ADAPTÁVEL AO ATENDIMENTO DE MAIS DE UM ÓRGÃO OU
ENTIDADE OU A PROGRAMA DE GOVERNO;
ESTIMATIVO DEMANDÁVEL IMPREVISÍVEL; OU

PREVISÃO DE ENTREGAS PARCELADAS OU


CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS REMUNERADOS POR
UNIDADE DE MEDIDA OU TAREFA

OU, AINDA, PARA MUNICÍPIOS QUE RECEBEM RECURSOS


ORIUNDOS DE CONVÊNIOS
- Assuntos: PREGÃO e REGISTRO DE PREÇOS.
Ementa: Afronta os princípios da razoabilidade e da
finalidade a utilização, pelo órgão gerenciador, do sistema de
registro de preços para realização de contratação única e
integral do objeto registrado, ocasionando a extinção da ata
na primeira contratação.
(Acórdão 1443/2015-Plenário | Relator: VITAL DO RÊGO)
- Assuntos: REGISTRO DE PREÇOS E SERVIÇOS DE
ENGENHARIA.
Ementa: É possível a contratação de serviços comuns de
engenharia com base em registro de preços quando a
finalidade é a manutenção e a conservação de instalações
prediais, em que a demanda pelo objeto é repetida e rotineira.
Contudo, o sistema de registro de preços não é aplicável à
contratação de obras, uma vez que nesta situação não há
demanda de itens isolados, pois os serviços não podem ser
dissociados uns dos outros.
(Acórdão 3605/2014-Plenário | Relator: MARCOS
BEMQUERER)
- Assuntos: REGISTRO DE PREÇOS E SERVIÇOS
CONTINUADOS
Ementa: O sistema de registro de preços somente deve ser
adotado para contratação de serviços contínuos nas
hipóteses autorizadoras e com expressa justificativa da
circunstância ensejadora do registro (art. 3º do Decreto
7.892/2013).
Acórdão 3092/2014-Plenário | Relator: BRUNO DANTAS
-Assuntos: REGISTRO DE PREÇOS E SERVIÇOS
TÉCNICOS
Ementa: A utilização do sistema de registro de preços para
contratação de serviços técnicos especializados de
consultoria, engenharia e arquitetura não encontra amparo
na legislação vigente.
(Acórdão 2006/2012-Plenário | Relator: WEDER DE
OLIVEIRA)
 Assunto: ADJUDICAÇÃO POR LOTE. ADESÃO À ATA DE REGISTRO
DE PREÇOS. DOU de 17.04.20185, S. 1, p. 102. Ementa: dar ciência ao
Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) da
ocorrência das seguintes irregularidades (...):
Item 7.1.2 (...)
a) adjudicação dos itens em lotes, o que restringe a competitividade
do certame, o que, além de ter ocasionado a adjudicação de itens que
não representaram a menor proposta, vai de encontro ao que
estabelecem os arts. 15, inc. IV, e 23, § 1º, da Lei 8.666/1993 e a
Súmula TCU 247;
b) possibilidade de adesão às atas de registro de preços, (...),
considerando que a adjudicação dos itens ocorreu em lotes, o que vai
de encontro à jurisprudência do Tribunal, a exemplo do Acórdão
343/2014-TCU-Plenário (relator: Valmir Campelo) e Acórdão 3081/2016-
TCU-Plenário (relator: Bruno Dantas), bem como do entendimento
exposto no Acórdão 588/2016-TCU-Plenário (relator: Vital do Rêgo),
não se mostrando compatível a adjudicação em lotes para o registro
de preços por itens;
(Acórdão 659/2018-Plenário | Relator: Augusto Nardes).
PARTICIPANTES QUE FIGURAM NO PROCESSO
Consulta prévia Responsável pela condução
ao órgão Órgão Gerenciador do conjunto de
gerenciador e procedimentos do certame
fornecedor, comprova a para registro de preços e
vantagem gerenciamento da ata de
registro de preços decorrente

Órgão
Não SRP
participante
(Carona)

Participa dos
procedimentos
Órgão participante iniciais do SRP
 ATRIBUIÇÕES
DO ÓRGÃO
GERENCIADOR
ATRIBUIÇÕES DO ÓRGÃO GERENCIADOR

1. REGISTRAR SUA INTENÇÃO DE


REGISTRO DE PREÇOS NO PORTAL DE
COMPRAS DO GOVERNO FEDERAL

2. CONSOLIDAR TODAS AS
INFORMAÇÕES DOS ÓRGÃOS E
DESENVOLVER O PROJETO BÁSICO*
OU TERMO DE REFEÊNCIA

*CONSOLIDAÇÃO DE TODAS AS INFORMAÇÕES RELATIVAS À ESTIMATIVA


INDIVIDUAL E TOTAL DE CONSUMO, VISANDO A ATENDER OS REQUISITOS DE
PADRONIZAÇÃO E RACIONALIZAÇÃO NAS COMPRAS E CONTRATAÇÕES;

*Não esquecer de verificar se a aquisição não deverá ocorrer por


intermédio da Central de Compras do Governo Federal (Decreto nº
8.189/2014
ATRIBUIÇÕES DO ÓRGÃO GERENCIADOR

3. PROMOVER A RELATIVA À LICITÇÃO NA


INSTRUÇÃO MODALIDADE
PROCESSUAL PERTINENTE
PESQUISA DE MERCADO
4. REALIZAR E CONSOLIDAR (Não esquecer da IN
MPOG nº5/2014

A ADEQUAÇÃO DO
5. CONFIRMAR COM OS OBJETO, QUANTITATIVO
ÓRGÃOS EM TR E PROJETO
PARTICIPANTES BÁSICO
TODO O PROCEDIMENTO
LICITATÓRIO, BEM COMO
OS ATOS DELE
6. REALIZAR DECORRENTES
ATRIBUIÇÕES DO ÓRGÃO GERENCIADOR

INDICANDO, SEMPRE QUE


SOLICITADO OS
7. GERENCIAR A ATA DE FORNECEDORES,
REGISTRO DE PREÇOS OBEDECENDO A ORDEM
DE CLASSIFICAÇÃO E O
QUANTITATIVO

8. RENEGOCIAR PREÇOS REGISTRADOS

POR DESCUMPRIMENTO
9. APLICAR PENALIDADE DO PACTUADO NA ATA
ATRIBUIÇÕES DO ÓRGÃO GERENCIADOR

10. ENTREGAR AOS PEÇAS PROCESSUAIS E


ÓRGÃOS CÓPIA DA ATA DE
PARTICIPANTES REGISTRO DE PREÇOS

11. SOLICITAR, QUANDO VISANDO A INFORMÁ-


NECESSÁRIO, AUXÍLIO LOS DAS
TÉCNICO AOS ÓRGÃOS PECULIARIDADES DO
PARTICIPANTES SRP

12. COORDENAR COM A QUALIFICAÇÃO MÍNIMA


OS ÓRGÃOS DOS GESTORES
PARTICIPANTES INDICADOS
-Assuntos: REGISTRO DE PREÇOS- ADESÃO À ATA.
Ementa: No Sistema de Registro de Preços, não cabe ao
órgão gerenciador a verificação da vantagem da adesão de
cada interessado. Compete ao órgão ou entidade não
participante utilizar os preços previstos na ata combinados
com os quantitativos da contratação que pretende realizar
para avaliar e demonstrar a economicidade de sua adesão.
Acórdão 1151/2015-Plenário | Relator: ANA ARRAES
Ementa: REGISTRO DE PREÇOS, PLANEJAMENTO DA
CONTRATAÇÃO e ADESÃO TARDIA. Acórdão nº 1243/2018 -
TCU 1ª Câmara.
1.6.1. dar ciência, com fundamento no art. 7º da Resolução
265/2014 TCU, à Coordenação de Aperfeiçoamento de
Pessoal de Nível Superior - Capes - sobre as seguintes
impropriedades e falhas, (...), com vistas a evitar doravante
ocorrências semelhantes: (...)
1.6.1.2. ausência de justificativas para a previsão editalícia
de adesão à ata por órgãos ou entidades não participantes
("caronas") dos procedimentos iniciais, visto que a adesão
prevista no art. 22 do Decreto 7.892/2013 exige motivação da
vantagem em se adotar tal possibilidade, conforme item 9.3.4
do Acórdão 757/2005 - TCU - Plenário; (Acórdão nº 1243/2018
- TCU 1ª Câmara...) Relator: Walton Alencar Rodrigues
Art. 5º ....................................................................
§ 1º A ata de registro de preços, disponibilizada no Portal de
Compras do Governo federal, poderá ser assinada por
certificação digital.

Art. 25. Até a completa adequação do Portal de Compras do


Governo federal para atendimento ao disposto no § 1º do art.
5º, o órgão gerenciador deverá:
I - providenciar a assinatura da ata de registro de preços e o
encaminhamento de sua cópia aos órgãos ou entidades
participantes; e
II - providenciar a indicação dos fornecedores para
atendimento às demandas, observada a ordem de
classificação e os quantitativos de contratação definidos pelos
órgãos e entidades participantes.
- Assunto: REGISTRO DE PREÇOS.
Ementa: determinou ao Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia de Brasília (IFB) que, nas licitações por lote para
registro de preços, mediante adjudicação por menor preço
global do lote, abstenha-se de adquirir, individualmente, os
itens em que a licitante vencedora não apresentou os menores
preços, bem como deixe de autorizar novas adesões à ata de
registro de preços. (Informativo TCU nº 186, TC-003.312/2013-
3, Acórdão nº 343/2014-Plenário, Relator Ministro Valmir
Campelo).
 ATRIBUIÇÕESDO ÓRGÃO
PARTICIPANTE
ATRIBUIÇÕES DO ÓRGÃO PARTICIPANTE

1. MANIFESTAR O INTERESSE, MEDIANTE A


UTILIZAÇÃO DO IRP, COM A APROVAÇÃO DA
AUTORIDADE COMPETENTE, JUNTO AO ÓRGÃO
GERENCIADOR

2. CONCORDAR COM O OBJETO A SER


LICITADO E SEU RESPECTIVO
PROJETO BÁSICO OU TR ANTES DA LICITAÇÃO

3.TOMAR CONHECIMENTO DA ATA PARA O


CUMPRIMENTO DOS DEMAIS ATOS
INERENTES AO SRP
ATRIBUIÇÕES DO ÓRGÃO PARTICIPANTE

4. ENCAMINHA ESPECIFICAÇÕES ADEQUADAS


AO REGISTRO DE PREÇOS, SUA ESTIMATIVA DE
CONSUMO, LOCAL DE ENTREGA, E, QUANDO
COUBER, CRONOGRAMA DE CONTRATAÇÃO

5. INDICAR O GESTOR DO CONTRATO

6. APLICAR, GARANTIDA A AMPLA DEFESA E O


CONTRADITÓRIO, AS PENALIDADES
PREVISTAS NA ATA OU NO CONTRATO
Art. 6º .........................................................................

§ 2º No caso de compra nacional, o órgão gerenciador


promoverá a divulgação da ação, a pesquisa de mercado e
a consolidação da demanda dos órgãos e entidades da
administração direta e indireta da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios. (Incluído pelo Decreto nº
8.250, de 2.014)
Art. 6º .........................................................................
§ 3º Na hipótese prevista no § 2º, comprovada a
vantajosidade, fica facultado aos órgãos ou entidades
participantes de compra nacional a execução da ata de
registro de preços vinculada ao programa ou projeto
federal. (Incluído pelo Decreto nº 8.250, de 2.014)

§ 4º Os entes federados participantes de compra nacional


poderão utilizar recursos de transferências legais ou
voluntárias da União, vinculados aos processos ou projetos
objeto de descentralização e de recursos próprios para
suas demandas de aquisição no âmbito da ata de registro
de preços de compra nacional. (Incluído pelo Decreto nº
8.250, de 2.014)
Art. 6º .........................................................................
§ 5º Caso o órgão gerenciador aceite a inclusão de novos
itens, o órgão participante demandante elaborará sua
especificação ou termo de referência ou projeto básico,
conforme o caso, e a pesquisa de mercado, observado o
disposto no art. 6º. (Incluído pelo Decreto nº 8.250, de
2.014)

§ 6º Caso o órgão gerenciador aceite a inclusão de novas


localidades para entrega do bem ou execução do serviço, o
órgão participante responsável pela demanda elaborará,
ressalvada a hipótese prevista no § 2º, pesquisa de
mercado que contemple a variação de custos locais ou
regionais. (Incluído pelo Decreto nº 8.250, de 2.014)
VANTAGEM DE SER PARTICIPANTE

Tem direito de requisitar todos


os objetos previstos

Tem dos fornecedores


o compromisso do
VANTAGENS fornecimento

Tem suas expectativas de


consumo previstas no edital
 ATRIBUIÇÃO
DO GESTOR DO
CONTRATO
ATRIBUIÇÕES DO GESTOR DO CONTRATO:

CONSULTAR O ÓRGÃO QUANTIDADES


PROMOTOR QUANTO
DA NECESSIDADE
DA CONTRATAÇÃO VALORES

ENCAMINHAR INFORMAÇÕES SOBRE A CONTRATAÇÃO


EFETIVAMENTE REALIZADA

INFORMAR AO ÓRGÃO GERENCIADOR EVENTUAL


DESVANTAGEM QUANTO À UTILIZAÇÃO
(VALORES PRATICADOS)

ZELAR PELO CONTRATO FIRMADO JUNTO COM O ÓRGÃO PARTICIPANTE E O


GERENCIADOR, VISANDO A GARANTIR AS OBRIGAÇÕES ASSUMIDAS E À
PUNIÇÃO PARA O DESCUMPRIMENTO DELAS.
DO CONTRATO
DEVERÃO SER IMEDIATAMENTE
COMUNICADAS PELO GESTOR
DO CONTRATO AO ÓRGÃO
GERENCIADOR

RECUSA DO FORNECEDOR EM
ATENDER ÀS CONDIÇÕES DO EDITAL
DIVERGÊNCIAS RELATIVAS ÀS
ENTREGAS
ASSINATURA DO CONTRATATO
RECUSADA
 ATRIBUIÇÕES
DO ÓRGÃO
NÃO PARTICIPANTE
(CARONA)
ATRIBUIÇÕES DO ÓRGÃO NÃO
PARTICIPANTE (CARONA)

1. CONSULTAR PREVIAMENTE O ÓRGÃO


GERENCIADOR E COMPROVAR A VANTAGEM

2. RECEBER A INDICAÇÃO DOS POSSÍVEIS


FORNECEDORES COM OS RESPECTIVOS
PREÇOS, OBEDECIDA A ORDEM DE
CLASSIFICAÇÃO

OBS: CONSULTAR PREVIAMENTE O


QUANTITATIVO DO ÓRGÃO GERENCIADOR QUE
DEVERÁ SER SUPERIOR AO DO CARONA
ATRIBUIÇÕES DO ÓRGÃO NÃO
PARTICIPANTE (CARONA)

3. AGUARDAR O POSICIONAMENTO DO
FORNECEDOR, QUANTO À ACEITAÇÃO OU NÃO
DO FORNECIMENTO, INDEPENDENTE DO
QUANTITATIVO, DESDE QUE O FORNECIMENTO
NÃO PREJUDIQUE AS OBRIGAÇÕES
ANTERIORMENTE ASSUMIDAS

4. A CONTRATAÇÃO DO CARONA NÃO PODERÁ


EXCEDER, POR ÓRGÃO OU ENTIDADE, À 100% DO
QUANTITATIVO REGISTRADO EM ATA.
ATRIBUIÇÕES DO ÓRGÃO NÃO PARTICIPANTE
(CARONA) Art. 22, Dec. 7.892/2013

5. O EDITAL DEVERÁ PREVER QUE O QUANTITATIVO


DECORRENTE DAS ADESÕES À ATA NÃO PODERÁ
EXCEDER, NA TOTALIDADE, AO QUINTUPLO DO
QUANTITATIVO DE CADA ITEM REGISTRADO PARA O
ÓRGÃO GERENCIADOR E PARA O PARTICIPANTE,
INDEPENDENTE DO NÚMERO DE CARONAS

6. UTILIZAR A ATA SOMENTE APÓS A PRIMEIRA


AQUISIÇÃO POR ÓRGÃO INTEGRANTE DA ATA,
EXCETO QUANDO A ATA NÃO PREVER PRAZO PARA
INÍCIO DAS AQUISIÇÕES
ATRIBUIÇÕES DO ÓRGÃO NÃO
PARTICIPANTE (CARONA)

7. APÓS AUTORIZAÇÃO DO ÓRGÃO GERENCIADOR, O


CARONA DEVERÁ EFETIVAR A AQUISIÇÃO OU
CONTRATAÇÃO SOLICITADA EM ATÉ NOVENTA DIAS,
OBSERVADO O PRAZO DE VIGÊNCIA DA ATA

8. APLICAR, GARANTIDA A AMPLA DEFESA E O


CONTRADITÓRIO, AS PENALIDADES PREVISTAS NA
ATA OU NO CONTRATO
- Assunto: NECESSIDADES ESPECIAIS. ADESÃO À ATA DE
REGISTRO DE PREÇOS. DOU de 17.04.20185, S. 1, p. 102.
Ementa: dar ciência ao Instituto de Tecnologia em
Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) da ocorrência das
seguintes irregularidades (...):
Item 7.1.2 (...)
 c) possibilidade de autorização de adesões às atas de
registro de preços, (...), o que não é permitido quando o
objeto da contratação reflete necessidades especiais do
órgão, como a indicação de marca, o que contraria a
jurisprudência deste Tribunal, conforme exposto no Acórdão
2600/2017-TCU-Plenário.
(Acórdão 659/2018-Plenário | Relator: Augusto Nardes).
- Assunto: REGISTRO DE PREÇOS. DOU de 26.01.2015, S. 1,
p. 107. Ementa: Nas contratações pelo sistema de registro de
preços (SRP), deve o órgão interessado priorizar sua
participação na fase inicial da licitação, de modo a integrar a
ata de registro de preços na qualidade de participante.
Apenas de forma excepcional deve utilizar a adesão à ata
prevista no art. 22 do Decreto 7.892/2013.
(Acórdão 721/2016-Plenário | Relator: VITAL DO RÊGO).

-Assunto: REGISTRO DE PREÇOS.
Ementa: No Sistema de Registro de Preços, não cabe ao
órgão gerenciador a verificação da vantagem da adesão de
cada interessado. Compete ao órgão ou entidade não
participante utilizar os preços previstos na ata combinados
com os quantitativos da contratação que pretende realizar
para avaliar e demonstrar a economicidade de sua adesão.
(Acórdão 1151/2015-Plenário | Relator: ANA ARRAES).

Ementa: REGISTRO DE PREÇOS, VANTAJOSIDADE e
PESQUISA DE PREÇOS. Acórdão nº 2877/2017 - TCU -
Plenário.
9.3. determinar ao Departamento Nacional de Obras contra
as Secas (Dnocs) que condicione a adesão à Ata de Registro
de Preços (...) ao cumprimento das seguintes exigências (...):
9.3.1. correção da falha metodológica na pesquisa de
preços com fornecedores externos (utilização de base
comparativa incompatível com os preços ofertados pela
vencedora da Ata (...), especialmente após a confecção do
Termo de Referência, quando o quantitativo foi alterado para
12 postos de trabalho de 24 horas ininterruptas mais 1 posto
noturno (...);
9.3.2. realização de pesquisa de preço com mais de um
fornecedor contratado com o poder público, para atender ao
disposto nos §§ 2° e 6° do art. 2° da IN-MPOG 05/2014 (com a
redação dada pela IN-MPOG 3/2017); CONTINUA
Ementa: REGISTRO DE PREÇOS, VANTAJOSIDADE e
PESQUISA DE PREÇOS. Acórdão nº 2877/2017 - TCU -
Plenário.
9.3.3. avaliação dos custos da prestação do serviço
conforme as localidades indicadas no termo de referência,
quais sejam, Fortaleza/CE e Pentecoste/CE;
9.3.4. realização da pesquisa de preços nos parâmetros
exigidos pela IN-MPOG 05/2014 (com a redação dada pela
INMPOG 3/2017), em seu art. 2º, incisos I e II, porquanto as
consultas efetuadas pelo Dnocs ao sistema (painel de
preços) resultaram infrutíferas (a última delas realizada em
14/9/2017, às 20:05 horas) (...); CONTINUA
Ementa: REGISTRO DE PREÇOS, VANTAJOSIDADE e
PESQUISA DE PREÇOS. Acórdão nº 2877/2017 - TCU -
Plenário.
9.3.5. demonstração do atendimento aos demais requisitos
estabelecidos no art. 22 do Decreto 7.892/2013, quais sejam:
a) validade da ata de registro de preço; b) vantajosidade na
adesão pelo órgão participante; c) consulta ao órgão
gerenciador; d) aceitação do fornecedor; e) limite de 100%
para aquisição ou contratação do órgão participante; f) limite
de cinco vezes para aquisição por todos os órgãos
participantes dos itens registrados; e g) prazo de 90
(noventa) dias para aquisição ou contratação pelo órgão
participante, contado da data de autorização do órgão
gerenciador; (Acórdão 2877/2017-Plenário).

ÓRGÃO NÃO PARTICIPANTE (CARONA)

Dependência de aceitação
pelo fornecedor

Prévia consulta e anuência

DESVANTAGENS do órgão gerenciador

Indicação pelo órgão gerenciador do


fornecedor ou prestador do serviço
 Art. 1º As contratações de serviços e a aquisição de
bens, quando efetuadas pelo Sistema de Registro de
Preços - SRP, no âmbito da Administração Federal
direta, autárquica e fundacional, fundos especiais,
empresas públicas, sociedade de economia mista e
demais entidades controladas, direta ou indiretamente
pela União, obedecerão ao disposto neste Decreto.
ÂMBITO DE APLICAÇÃO DA REGRA DO
CARONA

DISTRITO
UNIÃO
FEDERAL

ESTADOS MUNICÍPIOS
Art. 22 .....................................................................

§ 8º É vedada aos órgãos e entidades da


administração pública federal a adesão a ata de
registro de preços gerenciada por órgão ou
entidade municipal, distrital ou estadual.

§ 9º É facultada aos órgãos ou entidades


municipais, distritais ou estaduais a adesão a ata
de registro de preços da Administração Pública
Federal.
ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO DECRETO

PODER
JUDICIÁRIO E
LEGISLATIVO?

Pode adotar o Decreto Deve adotar o Decreto

O § 3º do Art. 15 da Lei nº 8.666,


Não estão obrigados a usar o
de 1993 determina que a
Decreto por não constarem
regulamentação ocorra por
expressamente nele. Todavia,
Decreto. O Judiciário e o
caso não regulamentem no seu
Legislativo não podem editar
âmbito, podem optar por
Decreto, logo o âmbito de
utilizarem o Decreto Federal
aplicação deve ser o mesmo da
Lei.
 Art. 22. ...........................................................................

 § 4º O instrumento convocatório deverá prever que o


quantitativo decorrente das adesões à ata de registro
de preços não poderá exceder, na totalidade, ao
quíntuplo do quantitativo de cada item registrado na
ata de registro de preços para o órgão gerenciador e
órgão participantes, independente do número de
órgãos não participantes que aderirem.
 PROCEDIMENTO DO
 SRP X LICITAÇÃO
CONVENCIONAL
Licitação e contratação convencional Contratação por SRP (carona)
1. órgão Requisitante 1. órgão Requisitante
Informa a necessidade: o quê? Informa a necessidade: o quê?
quanto? quando? para que? quanto? quando? para que?

2. Administração intermediária 2. Administração intermediária


Elabora estimativa de preço Elabora estimativa de preço
(Art.15,V Lei nº 8.666) (Art.15,V Lei nº 8.666)

3.Autoridade 3. Autoridade
Autoriza a aquisição -Elabora o Projeto Básico ou TR
-Pesquisa objeto com preço registrado
-Oficia perguntando se fornecedor do
4. N Dispensa e SRP aceita fornecer para o órgão
Licitar?
inexigibilidade -Junta a resposta da empresa

5. -Minuta do projeto Básico ou TR


-minuta de contrato
-minuta de edital
Licitação e contratação convencional Contratação por SRP (carona)
6. Assessoria Jurídica aprova

7. Autoridade superior autoriza

8. Publicação do edital

9. Sessão de licitação

10. Julgamento

11. Recurso

12. Adjudicação e Homologação

13. Contratação

14. Publicação do extrato


Emissão de empenho
15. Emissão de empenho
APROVAÇÃO JURÍDICA DAS MINUTAS DE EDITAL E
CONTRATO DA LICITAÇÃO FEITA PELO ÓRGÃO
GERENCIADOR

A MINUTA DO EDITAL E DO CONTRATO


PRECISARÁ SER SUBMETIDA À ASSESSORIA
JURÍDICA DO ÓRGÃO PARTICIPANTE PARA
APROVAÇÃO?
Art. 9º .............................................................................

§ 4º O exame e a aprovação das minutas do instrumento


convocatório e do contrato serão efetuados exclusivamente
pela assessoria jurídica do órgão gerenciador.
 INTENÇÃODE REGISTRO DE
PREÇOS - IRP
Art. 4º Fica instituído o procedimento de Intenção de
Registro de Preços - IRP, a ser operacionalizado por módulo
do Sistema de Administração e Serviços Gerais - SIASG,
que deverá ser utilizado pelos órgãos e entidades
integrantes do Sistema de Serviços Gerais - SISG, para
registro e divulgação dos itens a serem licitados e para a
realização dos atos previstos nos incisos II e V do caput do
art. 5º e dos atos previstos no inciso II e caput do art. 6º.
§ 1º A divulgação da intenção de registro de preços poderá
ser dispensada nos casos de sua inviabilidade, de forma
justificada pelo órgão gerenciador.
§ 2º O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão
editará norma complementar para regulamentar o disposto
neste artigo.
Art. 4º ....................................................................................
§ 3º Caberá ao órgão gerenciador da Intenção de Registro
de Preços - IRP: (Incluído pelo Decreto nº 8.250, de 2.014)
I - estabelecer, quando for o caso, o número máximo de
participantes na IRP em conformidade com sua capacidade
de gerenciamento;
II - aceitar ou recusar, justificadamente, os quantitativos
considerados ínfimos ou a inclusão de novos itens; e
III - deliberar quanto à inclusão posterior de participantes
que não manifestaram interesse durante o período de
divulgação da IRP.
§ 4º Os procedimentos constantes dos incisos II e III do § 3º
serão efetivados antes da elaboração do edital e de seus
anexos. (Incluído pelo Decreto nº 8.250, de 2.014)
Art. 4º ....................................................................................

§ 5º Para receber informações a respeito das IRPs


disponíveis no Portal de Compras do Governo Federal, os
órgãos e entidades integrantes do SISG se cadastrarão no
módulo IRP e inserirão a linha de fornecimento e de
serviços de seu interesse. (Incluído pelo Decreto nº 8.250,
de 2.014)

§ 6º É facultado aos órgãos e entidades integrantes


do SISG, antes de iniciar um processo licitatório, consultar
as IRPs em andamento e deliberar a respeito da
conveniência de sua participação. (Incluído pelo Decreto
nº 8.250, de 2.014)
 ATA DE REGISTRO DE
PREÇOS
ATA DE REGISTRO DE PREÇOS
CONCEITO LEGAL

DOCUMENTO VINCULATIVO, OBRIGACIONAL,


COM CARACTERÍSTICAS DE COMPROMISSO
PARA FUTURA CONTRATAÇÃO, EM QUE SE
REGISTRAM PREÇOS, FORNECEDORES,
ÓRGÃOS PARTICIPANTES E CONDIÇÕES A
SEREM PRATICADAS, CONFORME AS
DISPOSIÇÕES CONTIDAS NO INSTRUMENTO
CONVOCATÓRIO E PROPOSTAS
APRESENTADAS.
- Assuntos: CONTRATOS e ATA DE REGISTRO DE PREÇOS. DOU
de 30.08.2006, S. 1, p. 159. Ementa: o TCU determinou ao 1º
Grupamento de Engenharia - MD/CE que firmasse termos de
contrato com os vencedores das licitações, quando o edital previr
obrigações futuras, inclusive prestação de assistência técnica,
nos termos do art. 4º, inciso XXII, da Lei nº 10.520, de 17.07.2002,
c/c o art. 62, § 4º, da Lei nº 8.666, de 21.06.1993, em razão de a ata
de registro de preço não constituir título executivo extrajudicial
hábil à execução, em virtude de um eventual não cumprimento das
obrigações acordadas, nos termos do art. 585 do Código de
Processo Civil, e em face de a ata ser tão-somente compromisso
para futura contratação, conforme estabelece o art. 1º, parágrafo
único, inciso II, do Decreto nº 3.931, de 19.09.2001 (item 9.3.2, TC-
008.225/2006-6, Acórdão nº 1.512/2006-TCU-Plenário).
É possível a contratação além das quantidade
inicialmente prevista pelo órgão gerenciador?
(QUESTÕES PRÁTICAS)

É possível por se tratar de uma


1º ENTENDIMENTO estimativa

Não é possível em razão da


2º ENTENDIMENTO
perda de economia de
escala (princípio da
economicidade
Instrução Normativa nº 6, de 25 de julho de 2014

Art. 2º Nas Atas de Registro de Preços, as quantidades


previstas para os itens com preços registrados poderão ser
remanejadas pelo órgão gerenciador entre os órgãos
participantes e não participantes do procedimento
licitatório para registro de preços.

§1º O remanejamento de que trata o caput somente poderá


ser feito de órgão participante para órgão participante e de
órgão participante para órgão não participante.

§ 2º No caso de remanejamento de órgão participante para


órgão não participante, devem ser observados os limites
previstos nos §§ 3º e 4º do art. 22 do Decreto nº 7.892, de 23
de janeiro de 2013.
Instrução Normativa nº 6, de 25 de julho de 2014

(continuação)
§ 3º Para efeito do disposto no caput, caberá ao órgão
gerenciador autorizar o remanejamento solicitado, com a
redução do quantitativo inicialmente informado pelo órgão
participante, desde que haja prévia anuência do órgão que
vier a sofrer redução dos quantitativos informados.

§4º Caso o remanejamento seja feito entre órgãos de


Estados ou Municípios distintos, caberá ao fornecedor
beneficiário da Ata de Registro de Preços, observadas as
condições nela estabelecidas, optar pela aceitação ou não
do fornecimento decorrente do remanejamento dos itens.
 VIGÊNCIA
DA ATA DE
REGISTRO DE PREÇOS
VIGÊNCIA DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS E
ACRÉSCIMOS

A VALIDADE DA ATA DE NÃO PODERÁ SER


REGISTRO DE PREÇO SUPERIOR A UM ANO

OBSERVAÇÃO: AS EVENTUAIS PRORROGAÇÕES SERÃO


COMPUTADAS NESTE PERÍODO*, QUANDO A PROPOSTA MANTIVER
AS CONDIÇÕES VANTAJOSAS E SATISFATÓRIAS PARA AS PARTES
ENVOLVIDAS.

*ART. 12, § 1º É VEDADO EFETUAR ACRÉSCIMOS NOS QUANTITATIVOS


FIXADOS PELA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS, INCLUSIVE O
ACRÉSCIMO DE QUE TRATA O § 1º AO ART. 65 DA LEI Nº 8.666/93.
VALIDADE DE REGISTRO DA ATA

Art. 15 .................................................................................................

§ 3º. O Sistema de registro de preços será regulamentado por


decreto, atendidas as peculiaridades regionais, observadas as
seguintes condições:
I - ..................
II - ................
III – validade do registro não superior a um ano.
ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 1º DE ABRIL DE 2009

O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso das atribuições que lhe conferem os


incisos I, X, XI e XIII, do art. 4º da Lei Complementar nº 73, de 10 de fevereiro de
1993, considerando o que consta do Processo nº 00400.015975/2008-95, resolve
expedir a presente orientação normativa, de caráter obrigatório a todos os órgãos
jurídicos enumerados nos arts. 2º e 17 da Lei Complementar nº 73, de 1993:

O PRAZO DE VALIDADE DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS É DE NO MÁXIMO


UM ANO, NOS TERMOS DO ART. 15, §3º, INC.III, DA LEI Nº 8.666, DE 1993, RAZÃO
PORQUE EVENTUAL PRORROGAÇÃO DA SUA VIGÊNCIA, COM FUNDAMENTO
NO § 2º DO ART. 4º DO DECRETO Nº 3.931, DE 2001, SOMENTE SERÁ ADMITIDA
ATÉ O REFERIDO LIMITE, E DESDE QUE DEVIDAMENTE JUSTIFICADA,
MEDIANTE AUTORIZAÇÃO DA AUTORIDADE SUPERIOR E QUE A PROPOSTA
CONTINUE SE MOSTRANDO MAIS VANTAJOSA.

INDEXAÇÃO: ATA DE REGISTRO DE PREÇOS. PRORROGAÇÃO. VIGÊNCIA.


PRAZO. VALIDADE.

REFERÊNCIA: art. 15, § 3º, inc. III, da Lei nº 8.666, de 1993; art. 4º, caput, § 2º, do
Decreto nº 3.931, de 2001.
-Assunto: REGISTRO DE PREÇOS. DOU de 01.02.2012, S. 1,
p. 86.
- Ementa: o TCU deu ciência à Gerência Executiva do
Instituto Nacional do Seguro Social em Cuiabá/MT de que a
validade do registro de preço deve estar restrita ao período
de um ano, conforme o artigo 15, § 3º, inc. III, da Lei nº
8.666/1993 e o Acórdão nº 991/2009-P (item 1.8.1, TC-
017.177/2010-3, Acórdão nº 47/2012-1ª Câmara).
IMPUGNAÇÃO AO QUADRO GERAL DE
PREÇOS REGISTRADOS

Art. 15 As compras, sempre que possível, deverão:

§ 6º Qualquer cidadão é parte legítima para impugnar preço


constante do quadro geral em razão de incompatibilidade desse com
o preço vigente no mercado.
CONVOCAÇÃO DOS INTERESSADOS

APÓS A
HOMOLOGAÇÃO

ÓRGÃO GERENCIADOR, CONVOCARÁ PARA


ASSINATURA DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS OS
FORNECEDORES CLASSIFICADOS E LEGITIMANDO O
COMPROMISSO DE FORNECIMENTO NAS CONDIÇÕES
PREVIAMENTE ESTABELECIDAS EM EDITAL.

OBSERVAÇÃO: PARA O FORNECIMENTO DOS BENS/SERVIÇOS


REGISTRADOS, O ÓRGÃO GERENCIADOR FORMALIZARÁ O REGISTRO
DE PREÇO POR INTERMÉDIO DE: INSTRUMENTO CONTRATUAL,
EMISSÃO DE NOTA DE EMPENHO DE DESPESA, AUTORIZAÇÃO DE
COMPRA OU INSTRUMENTO SIMILAR.
(ART. 62; LEI 8.666/93)
ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

PODERÁ SOFRER ALTERAÇÕES,


CONFORME ART. 65, EXCETO NO
QUANTITATIVO; LEI 8.666/93, LEVANDO
EM CONSIDERAÇÃO:PREÇOS
PRATICADOS NO MERCADO
(CUSTO DOS SERVIÇOS E BENS
REGISTRADOS), CABENDO AO ÓRGÃO
GERENCIADOR EFETUAR A
RENEGOCIAÇÃO DE REDUÇÃO DE
PREÇOS COM O FORNECEDOR
CONVOCAÇÃO DOS DEMAIS LICITANTES

FRUSTADA A NEGOCIAÇÃO, O
FORNECEDOR SERÁ LIBERADO
DO COMPROMISSO ASSUMIDO E O
ORGÃO GERENCIADOR PODERÁ:
CONVOCAR OS DEMAIS
FORNECEDORES VISANDO IGUAL
OPORTUNIDADE DE NEGOCIAÇÃO
OU PROCEDER À REVOGAÇÃO DA
ATA DE REGISTRO DE PREÇOS
REGISTRO CANCELADO (Art. 20 Dec. Nº 7.892/2013
QUALQUER FORNECEDOR
PODERÁ TER SEU REGISTRO
CANCELADO CASO

SOLICITE O CANCELAMENTO DO SEU REGISTRO JUNTO AO ÓRGÃO


GERENCIADOR POR FATO SUPERVINIENTE JUSTIFICADO

DESCUMPRIR AS CONDIÇÕES DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS


NÃO RETIRAR A NOTA DE EMPENHO OU INSTRUMENTO
EQUIVALENTE
NÃO ACEITAR REDUZIR O PREÇO REGISTRADO, APÓS
COMPROVADO SUA SUPERIORIDADE EM RELAÇÃO AOS PREÇOS
PRATICADOS NO MERCADO

RAZÕES DE INTERESSE PÚBLICO OU FOR PENALIZADO COM IMPEDIMENTO


DE LICITAR
IMPORTANTE: O REGISTRO SOMENTE PODERÁ SER CANCELADO APÓS
DESPACHO DA AUTORIDADE COMPETENTE AO ÓRGÃO GERENCIADOR
Retirado de um discurso de formatura proferido por Luís Roberto Barroso como
patrono da Turma 2014.2 da UERJ, em 24 de março de 2015
(http://s.conjur.com.br/dl/vida-direito-manual-instrucoes-ministro.pdf):

V. A REGRA Nº 4
Nós vivemos tempos difíceis. É impossível esconder a sensação de que há
espaços na vida brasileira em que o mal venceu. Domínios em que não parecem
fazer sentido noções como patriotismo, idealismo ou respeito ao próximo. Mas a
história da humanidade demonstra o contrário. O processo civilizatório segue o
seu curso como um rio subterrâneo, impulsionado pela energia positiva que vem
desde o início dos tempos. Uma história que nos trouxe de um mundo primitivo
de aspereza e brutalidade à era dos direitos humanos. É o bem que vence no
final. Se não acabou bem, é porque não chegou ao fim. O fato de acontecerem
tantas coisas tristes e erradas não nos dispensa de procurarmos agir com
integridade e correção. Estes não são valores instrumentais, mas fins em si
mesmos. São requisitos para uma vida boa. Portanto, independentemente do que
estiver acontecendo à sua volta, faça o melhor papel que puder. A virtude não
precisa de plateia, de aplauso ou de reconhecimento. A virtude é a sua própria
recompensa.

Eis a nossa REGRA Nº 4: SEJA BOM E CORRETO MESMO QUANDO NINGUÉM


ESTIVER OLHANDO
ALEXANDRE CAIRO
E-MAIL: a.cairo@uol.com.br