Anda di halaman 1dari 1

Papilomatose vulvar em bovinos

de raça Alentejana
Bettencourt, Elisa.M.V.*, Barata, Sandra M.S.B.*, Romão, Ricardo J.C.T.P.**, Lavrador, Catarina F.T.V.B.*
Martinho, Cristeta***, Calisto, Sílvia***, Soudo, Ana***, Galhoz, Susana***

*Universidade de Évora — Departamento de Sanidade Animal e Vegetal ** Universidade de Évora — Departamento de Zootecnia
***Universidade de Évora — Curso de Medicina Veterinária (4º ano)

INTRODUÇÃO

A papilomatose é uma neoplasia benigna transmissível causada por um vírus DNA da família Papovaviridae, género
Papillomavirus. 1,2,3,4,5. Este vírus afecta geralmente a pele e pode também causar lesões nas mucosas1,2,3,5. Em bovinos estão
descritos seis tipos de papilomavírus (BPV), três dos quais (BPV 1, 2 e 5) são responsáveis pelo aparecimento de fibropapilomas
cutâneos enquanto os outros (BPV 3, 4, 6) causam papilomas na pele (BPV 3 e 6) ou esófago (BPV 4)4,5. A forma genital é
geralmente associada aos tipos 1 e 2 do vírus (BPV1 e 2) e ocorre mais frequentemente em animais jovens.2,3
No presente trabalho descrevem-se dois casos clínicos de papilomatose vulvar em bovinos de raça Alentejana. Os animais em
questão estavam envolvidos num programa de engorda numa exploração na região de Évora. Na medida em que é uma
Figura 1: aspecto da massa tumoral na região vaginal. neoplasia transmissível por contacto directo e que o vírus pode persistir no meio ambiente, optou-se por efectuar a sua excisão
cirúrgica para confirmação do diagnóstico por exame histopatológico.

DESCRIÇÃO DO CASO

Os animais apresentavam pólipos na região vulvar. Um dos animais apresentava uma


formação única, com 2,5 x 2,0 cm, pediculada, bem delimitada, enquanto no outro se
observavam formações múltiplas de superfície muito irregular e ulcerada que invadiam o
assoalho da mucosa vaginal.
Procedeu-se à sua excisão cirúrgica com electrocautério e bisturi eléctrico. A cirurgia Figura 3: aspecto lobulado do fibropapiloma
efectuou-se com o animal em estação, após tranquilização com acepromazina e xilazina, (hematoxilina-eritrosina, 40x).
realização de epidural alta com lidocaína a 2% e cateterização vesical. Efectuou-se
antibioterapia sistémica durante 8 dias. As amostras foram processadas para avaliação
Figura 2: aspecto da região 15 dias após a cirurgia histopatológica.
No exame histopatológico observou-se uma hiperplasia epitelial e fibroblástica, com índice
mitótico raro. As células epiteliais organizavam-se em várias camadas que invadiam a
mucosa e na superfície de alguns fragmentos observou-se hiperqueratose.

Figura 4: hiperplasia epitelial e hiperqueratose


(hematoxilina-eritrosina, 100x).
DISCUSSÃO

O diagnóstico da papilomatose baseia-se geralmente no exame clínico na medida em que as lesões macroscópicas são bastante
características desta patologia, no entanto a sua confirmação deverá ser efectuada por exame histopatológico, podendo também
realizar-se serologia para identificação do tipo de vírus implicado4,5. O exame histopatológico permitiu confirmar o diagnóstico de
fibropapiloma1,2,5, contudo não se observaram inclusões virais intranucleares características1. Apesar da papilomatose bovina ocorrer
com alguma frequência em bovinos jovens, especialmente quando estabulados, não é uma causa importante de prejuízos económicos
e, na medida em que é auto-limitante, raramente se procede a qualquer tratamento2,3,4,5. A localização genital desta afecção, no
entanto, ao interferir com a função reprodutiva, poderá ter indicação cirúrgica.2,3,4. Na medida em que esta patologia é extremamente Figura 5: proliferação epitelial e fibroblástica
contagiosa por contacto directo e indirecto torna-se de particular importância, na sua prevenção, o controlo e isolamento dos animais (hematoxilina-eritrosina, 400x).
afectados bem como a esterilização de todo o material utilizado na exploração. A realização de uma auto-vacina é preferível à
utilização de vacinas comerciais, já que existe uma grande especificidade imunitária para o tipo de vírus e para a espécie envolvida 2 3,4
.

BIBLIOGRAFIA

[1] Kennedy, P.C., Cullen, J.M., Edwards, J.F., Goldschmidt, M.H., Larsen, S., Munson, L., Nielsen, S. (1998). Histological classification of tumours of the genital system. 2nd series, volume IV. Published by the Armed Forces Institute of Pathology and
the World Health Organization Collaborating Center for Worldwide Reference on Comparative Oncology, Washington D.C. Figura 6: ausência de proliferação epitelial
[2] Radostits, O.M., Blood, D.C., Gay, C.C. (1994). Viral diseases characterized by skin lesions — Papillomatosis. In: Veterinary Medicine, 8th edition. Baillière Tindall, London, pp.1127-1130. possivelmente por regressão da lesão
[3] Scott, D.W. (1999). Dermatologic Diseases — Neoplastic skin diseases. In: Current Veterinary Therapy 4, Food Animal Practice, 4th edition. Editores: Jimmy L. Howard, Robert A. Smith. W.B. Saunders Company, Philadelphia, pp. 721-723. (hematoxilina-eritrosina, 400x).
[4] Timoney, J.F. Gillespie, J.H.; Scott, F.W. Barlough, J.E. (1988). The Papovaviridae. In: Hagan and Bruner’s Microbiology and Infectious Diseases of Domestic Animals, 8th edition. Comstock Publishing Associates, Ithaca, pp. 522-531.
[5] Yager, J.A., Scott, D.W., Wilcock, B.P. (1993). Neoplasic diseases of skin and mammary gland. In: Pathology of Domestic Animals, vol. I, 4th edition. Editores: K.V.F. Jubb, Peter C. Kennedy, Niger Palmer. Academic Press, San Diego, pp. 706-738.