Anda di halaman 1dari 29

Prof. Dr.

Carlos Alberto Lazarini


Faculdade de Medicina de Marília - Famema
Baseia-se na forma de desenvolver o processo
de aprender utilizando experiências reais ou
simuladas, com capacidade para solucionar
com sucesso tarefas essenciais da prática
profissional em diferentes contextos.

2
 a produção de conhecimento é extremamente veloz,
tornando provisórias as verdades construídas no
saber-fazer científico;
 reflexão sobre a inserção do profissional de saúde no
contexto atual;
 a inequívoca influência dos meios de comunicação na
construção/formatação do homem/profissional;
 a configuração de uma nova modalidade de
organização - as sociedades de controle - o que torna
necessária a adoção de uma postura crítica sobre a
inscrição do sujeito no mundo

3
DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS
CURSOS DE MEDICINA - MEC 20/06/2014:

 O Curso de Graduação em Medicina terá


projeto pedagógico centrado no aluno
como sujeito da aprendizagem e apoiado
no professor como facilitador e mediador
do processo, com vistas à formação
integral e adequada do estudante,
articulando ensino, pesquisa e extensão,
esta última, especialmente por meio da
assistência.
4
 Art. 32. O Curso de Graduação em Medicina
deverá utilizar metodologias ativas e critérios
para acompanhamento e avaliação do processo
ensino-aprendizagem e do próprio curso, bem
como desenvolver instrumentos que verifiquem a
estrutura, os processos e os resultados, em
consonância com o Sistema Nacional de Avaliação
da Educação Superior (SINAES) e com a dinâmica
curricular definidos pela IES em que for
implantado e desenvolvido.

5
Características da Pedagogia Andragogia
Aprendizagem

Professor é o centro das ações, A aprendizagem adquire uma


Relação Professor/Aluno decide o que ensinar, como característica mais centrada no
ensinar e avalia a aprendizagem aluno, na independência e na
auto-gestão da aprendizagem.

Crianças (ou adultos) devem Pessoas aprendem o que


Razões da Aprendizagem aprender o que a sociedade realmente precisam saber
espera que saibam (seguindo um (aprendizagem para a aplicação
currículo padronizado) prática na vida diária).

O ensino é didático, padronizado A experiência é rica fonte de


Experiência do Aluno e a experiência do aluno tem aprendizagem, através da
pouco valor discussão e da solução de
problemas em grupo.

Aprendizagem por assunto ou Aprendizagem baseada em


Orientação da Aprendizagem matéria problemas, exigindo ampla
gama de conhecimentos para se
chegar à solução
6
 DEWEY – A experiência educativa é reflexiva,
resultando em novos conhecimentos.
 PIAGET – Quando uma pessoa entra em
contato com um novo conhecimento, há
naquele momento um desequilíbrio e surge
a necessidade de voltar ao equilíbrio.
 BARROWS – Aprendizagem Baseada em
Problemas (ABP)
 Ativação do CONHECIMENTO PRÉVIO facilita sua
compreensão e recordação;
7
 A ESTRUTURAÇÃO do conhecimento e o MODO
como ocorreu FAVORECE a retomada posterior;
 A ELABORAÇÃO feita durante o aprendizado
facilita o ARMAZENAMENTO e a
RECUPERAÇÃO das informações;
 PISTAS CONTEXTUAIS ativam o conhecimento
e o tornam disponível;
 A MOTIVAÇÃO GENUÍNA é essencial para
aprender.
8
Em toda aprendizagem é realizada uma
experiência emocional:
 FREUD - a educação transmite uma moral que
julga o sujeito.
 BION – o pensar é o desenvolvimento forçado
sobre o psiquismo
 O processo de aprendizagem causa certa
ANGÚSTIA, pois implica no reconhecimento de
IGNORÂNCIA, LIMITAÇÕES, FALHAS;
9
 Essa experiência passa por
TRANSFORMAÇÕES e é INTEGRADA à
personalidade;
 Mas pode ser EVITADA, evadida por
fuga, arrogância ou estupidez;
 PROBLEMAS EMOCIONAIS podem
dificultar, inibir, impedir ou eliminar
conhecimentos.

10
 Visa uma prática de educação libertadora, na
formação de um profissional ativo e apto a
APRENDER A APRENDER.
 Segundo Fernandes et al., o aprender a
aprender na formação dos profissionais de
saúde deve compreender o aprender a
conhecer, o aprender a fazer, o aprender a
conviver e o aprender a ser, garantindo a
integralidade da atenção à saúde com
qualidade, eficiência e resolutividade.

11
 As metodologias ativas estão alicerçadas em um
princípio teórico significativo: a autonomia, algo
explícito na invocação de Paulo Freire.
 A educação contemporânea deve pressupor um
discente capaz de autogerenciar ou autogovernar
seu processo de formação. Autonomia
 O ensinar exige respeito à autonomia e à dignidade
de cada sujeito, especialmente no âmago de uma
abordagem progressiva, alicerce para uma
educação que leva em consideração o indivíduo
como um ser que constrói a sua própria história.
12
 Relação dialética entre os sujeitos
envolvidos – docentes e discentes – se
reconhecendo mutuamente

 Não deve haver docência sem


discência, na medida em que as duas se
explicam, e seus sujeitos, apesar das
diferenças, não se reduzem à condição
de objeto um do outro.

13
 A atividade desenvolvida com o propósito de
ensinar deve ser apreciada por todos aqueles
que dela participam.
 Nessa perspectiva, a produção de novos
conhecimentos exige a convicção de que a
mudança é possível, o exercício da curiosidade,
da intuição, da emoção e da responsabilização,
além da capacidade crítica de observar e
perseguir o objeto para confrontar, questionar,
conhecer, atuar e re-conhecê-lo.

14
Construção
dos
Métodos

Metodologia Metodologia
Tradicional Ativa

Aulas
Problemati-
Expositivas ABP/PBL TBL
zação
Magistrais

Grupos de Grupo
Grandes Grupos
Problemati- de
Grupos Tutoriais
zação Discussão

15
1. Observação;

2. Identificação de pontos
chave;

3. Teorização;

4. Hipóteses de solução;

5. Aplicação à realidade.

Figura: Arco de Maguerez.


Fonte: Bordenave & Pereira, 1977, p.10.
16
1. Apresentação do PROBLEMA;

2. DEFINIÇÕES e esclarecimentos sobre o problema;

3. ANÁLISE do problema;

4. HIPÓTESES explicativas;

5. Formulação dos OBJETIVOS de aprendizagem;

6. Busca de NOVOS CONHECIMENTOS (fontes de informação);

7. REVISÃO das hipóteses iniciais e SÍNTESE dos conhecimentos


atualizados.
17
18
Farias et al, 2015
 Preparação – dois momentos
 Orientação coletiva - sessão conjunta da classe;
 Preparação do seminário pelo grupo
 Desenvolvimento - apresentação e discussão do
tema por meio de técnicas de exposição oral, debate
em grupos e discussão.
 Apreciação final - avaliar o trabalho realizado por
todos os envolvidos, através de comentários gerais,
sugestão de novos estudos e atribuição de conceitos
(pode-se inclusive usar uma ficha de avaliação).
19
 observar as lâminas histológicas 
identificar estruturas já conhecidas 
buscar as desconhecidas, utilizando
material didático de apoio;

 Discussão da teoria com os professores da


disciplina, utilizando os conhecimentos
levantados anteriormente, de acordo com
as estruturas reconhecidas nas lâminas.
20
- formação de pequenos grupos (oito componentes)
- apresentação dos casos clínicos
- elaboração de questões de aprendizagem nos
pequenos grupos
- apresentação e seleção das questões no grande grupo
- busca na literatura
- elaboração de respostas no pequeno grupo.
- discussão e fechamento no grande grupo
21
• Construtivista – se basear em aprendizagem
significativa;
• Colaborativo – favorecer a construção do
conhecimento em grupo;
• Interdisciplinar – proporcionar atividades integradas a
outras disciplinas;
• Contextualizado – permitir que o educando entenda a
aplicação deste conhecimento na realidade;
• Reflexivo – fortalecer os princípios da ética e de valores
morais;
22
• Crítico – estimular o educando a buscar
aprofundamento de modo a entender as limitações
das informações que chegam até ele;
• Investigativo – despertar a curiosidade e a autonomia,
possibilitando ao educando a oportunidade de
aprender a aprender;
• Humanista – ser preocupado e integrado ao contexto
social;
• Motivador – trabalhar e valorizar a emoção;
• Desafiador – estimular o estudante a buscar soluções.

23
 Os MÉDICOS tornaram-se PROFESSORES com
base nos MODELOS que tiveram de seus mestres,
em geral ambos SEM FORMAÇÃO PEDAGÓGICA
para o exercício das funções acadêmicas e
docentes;

 Para ENSINAR em medicina NÃO BASTA saber


resolver problemas clínicos; a EDUCAÇÃO
MÉDICA é bem mais ABRANGENTE;

 Ser “MÉDICO” e “PROFESSOR MÉDICO” assume


DIFERENTES dimensões.
24
Capacitação
do
Professor

Básico
Educação Educação
e
Continuada Permanente
Avançado

25
 Organizado através de DISCIPLINAS, DIFICULTA
ao estudante a INTEGRAÇÃO dos CONTEÚDOS, o
que lhes gera insatisfação e INSEGURANÇA;

 Os professores relataram que os ALUNOS NÃO


são bem PREPARADOS para atender à
comunidade pelo ensino ser realizado dentro do
hospital;

 O ENSINO está mais VOLTADO para a CURA e


REABILITAÇÃO, e menos para a atenção primária.
26
 A INTEGRAÇÃO dos conhecimentos é
FACILITADA;
 O currículo INTEGRADO proporciona aos
professores maior ENVOLVIMENTO com a
INSTITUIÇÃO;
 O PROJETO PEDAGÓGICO contextualizado e
voltado para as necessidades de saúde da
população FAVORECE o trabalho do estudante
na comunidade;
 Os ESTUDANTES ADQUIREM melhores
habilidades clínicas e na solução de problemas.
27
 Qualquer estratégia de inovação deve levar
em conta suas práticas de avaliação, integrá-
las à reflexão, para transformá-las.
 A avaliação precisa ser, antes de tudo,
processual e formativa para a inclusão,
autonomia, diálogo e reflexões coletivas, na
busca de respostas e caminhos para os
problemas detectados.
 Não punir, nem estigmatizar, mas oferecer
diretrizes para se tomar decisões e definir
prioridades.
28
Obrigado !
29