Anda di halaman 1dari 53

PROF. Me.

DIAS GRAÇA – AULA1


 Sólidos e fluidos se distinguem em função de seu
comportamento quando submetidos a uma carga externa.

 Sólidos se fragmentam ou se deformam


permanentemente quando submetidos a esforços
externos.

 Fluidos são substâncias que se deformam sem


desintegração de sua massa (escoam) e se adaptam à
forma do recipiente que os contém.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 2
A diferença fundamental entre sólido e fluido está
relacionada com a estrutura molecular, já que para o
sólido as moléculas sofrem forte força de atração, isto
mostra o quão próximas se encontram e é isto também
que garante que o sólido tem um formato próprio, isto
já não ocorre com o fluido que apresenta as moléculas
com um certo grau de liberdade de movimento, e isto
garante que apresentam uma força de atração pequena
e que não apresentam um formato próprio.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 3
 É o material contínuo,deformável, desprovido de
rigidez e que pode escoar pela ação de forças tanto
mais fracas quanto mais lentas forem as mudanças
de forma ocorridas.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 4
 É uma substância que se deforma continuamente
quando submetida a uma tensão de cisalhamento,
não importando o quanto pequeno possa ser essa
tensão.

 São corpos sem forma própria que podem escoar-


se, isto é, sofrer grandes variações de forma, sob a
ação de forças tanto mais fracas quanto estas
variações são mais lentas,

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 5
 Fluidos tendem a escoar quando interagimos com eles,
enquanto os sólidos tendem a se deformar ou dobrar.
 Fluidos são substâncias que não resistem permanentemente
a uma distorção e, desta forma, sua forma é alterada.
◦ Um fluido é uma substância que se deforma
continuamente sob a aplicação de uma tensão de
cisalhamento (tangencial), não importa quão pequena ela
seja.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 6
 Definições de líquidos e gases:
◦ Líquido  estado da matéria no qual as moléculas estão
relativamente livres para trocar suas posições umas com as
outras, mas restringidas por forças de coesão, de tal modo que
mantém um volume relativamente fixo.
◦ Gás  estado da matéria no qual as forças de coesão
praticamente não restringem os movimentos das moléculas.
Um gás não tem forma nem volume definidos.

 Para o estudo da mecânica dos fluidos é conveniente assumir que


ambos, gases e líquidos, são distribuídos continuamente pela
região de interesse  contínuo.
◦ Cada propriedade do fluido é considerada como tendo um valor
definido em cada ponto no espaço  são funções contínuas da
posição e do tempo.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 7
 INCOMPRESSÍVEL: (LIQUÍDOS)
Não sofre alteração do volume com a aplicação da
tensão

 COMPRESSÍVEL: (AR, GÁS E VAPOR)


Sofre alteração do volume com aplicação da tensão

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 8
 Fluidos newtonianos – são aqueles que obedecem a
lei de Newton da viscosidade;

 Fluidos não newtonianos – são aqueles que não


obedecem a lei de Newton da viscosidade.

Observação: só estudaremos os fluidos newtonianos

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 9
 Armazenagem de fluídos em reservatórios;
 Sistema de recalque de fluídos;
 Sistema hidráulico e pneumático;
 Transporte de sólidos em fluídos
 Medição e controle de fluídos
 Sistemas de abastecimento de água.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 10
 São características do comportamento de um
fluído em particular e não da forma de
escoamento

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 11
 Massa específica (ρ)
 Densidade relativa (d)
 Peso específico (φ)
 Volume específico (ν)
 Viscosidade dinâmica (μ)
 Viscosidade cinemática

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 12
É a quantidade de massa de uma substância
existente em um determinado volume, ou seja, a
massa que ocupa uma unidade de volume.
m
ρ 
V

Unidades de medida:
◦ kg m-3, kg L-1, ton m-3, g cm-3, lbm ft-3.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 13
É a razão entre a massa específica de uma substância e
a massa específica de uma substância de referência em
condições-padrão.
Corresponde ao número de vezes que um material é
“mais pesado” que outro.

ρ
d
ρpadrão
 Unidades de medida: é adimensional.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 14
É o volume ocupado por uma determinada massa de
uma substância, ou seja, o volume ocupado por unidade
de massa.
Corresponde ao inverso da massa específica:
V 1
s  
m 
Unidades de medida:
◦ m3 kg-1, L kg-1, m3 ton-1, cm3 g-1.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 15
Densidade de um Corpo →d

m
d m→massa do corpo(kg, g,...)
VCORPO VC →Volume do corpo(m3, cm3, L, ...)

Massa Específica de uma Substância →μ

m
 m→massa de subst.(kg, g,...)
VSUBST. VS →Volume de substância(m3, cm3, L)

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 16
peso G
 
volume V

Equação dimensional possibilita a definição qualitativa do


peso específico:
[] = M*L-2*T-2 = F*L-3

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 17
Relação entre peso específico e massa específica

G mg
    g
V V

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 18
DENSIDADE OU MASSA ESPECÍFICA ?
A diferença entre DENSIDADE e MASSA
ESPECÍFICA fica bem clara quando falamos de
objetos OCOS. Neste caso a DENSIDADE leva
em consideração o volume completo e a
MASSA ESPECÍFICA apenas a parte que
contêm substância

**d ÁGUA  1x10 kg / m  1g / cm  1kg / L


3 3 3

***Para líquidos e corpos maciços não há


distinção entre densidade e massa específica.
Prof. Me. Dias Graça - DaVry -
Fenomeno 02/09/2018 19

r 
 padrão
Para líquidos
kgf
 padrão   H 2O 4 ºC  1000

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -
Fenomeno 02/09/2018 20
RELAÇÃO ENTRE UNIDADES
As unidades mais usadas para a densidade são kg / m3 e g / cm3.
Vamos então verificar qual é a relação entre elas.

Substância
Sabemos que: 1 m = 102 cm ou 1 cmMassa
= 10-2 mespecífica
3)
Assim: 1 m = 10 cm ou 1 cm = 10 m
3 6 3 3 (g/cm
-6 3

Portanto: 1 kg / m3 = 10-3 g / cm3 ou 1 g / cm3 = 103 kg/m3


Água 1,0

Ar 0,0013

Mercúrio 13,6

Corpo Humano 1,07

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 21
 Relaciona a deformação do fluído resultante de esforços
compressivos.
 Uma forma comum de descrever a compressibilidade de um
fluido é pela definição de módulo de elasticidade volumétrica
(B) ou coeficiente de compressibilidade.
 p  p 
B  lim    lim
    0  /  
V  0
 V / V T T
◦ É definido como a razão da variação da pressão (Δp), pela
mudança relativa da massa específica (Δρ/ρ), enquanto a
temperatura permanece constante.
◦ Possui as mesmas unidades de pressão.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 22
 O volume ocupado por uma dada massa fluida
reduz-se quando de dá um aumento de pressão,
fato que se exprime dizendo que os fluidos são
compressíveis.

 A compressibilidade e o seu efeito na variação da


massa volumétrica são muito pequenos no caso
dos líquidos, ao contrário do que se passa com os
gases.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 23
 Para se fazer deslizar um corpo sobre outro, deve-se vencer uma
força de resistência ao movimento  força de atrito, resistência ao
atrito ou, simplesmente, atrito.
 Se os corpos são rígidos, sem que haja elemento algum entre
eles, o atrito é chamado atrito sólido. Se houver algum fluido entre
as superfícies, o atrito é denominado atrito fluido.
 O atrito reduz a energia utilizada e contribui essencialmente para
o desgaste das partes em contato.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 24
 As forças de atrito que atuam sobre as superfícies em repouso são
chamadas de forças de atrito estático.
◦ A força máxima de atrito estático será a menor força necessária
para se iniciar o movimento.
 A força atuante entre superfícies em movimento relativo é chamada
de força de atrito dinâmico.
 A partir de um plano horizontalmente inclinado, defini-se como
coeficiente de atrito estático, para duas superfícies em contato, a
relação entre a força de atrito estático máxima e a força normal que
tende a juntar as duas superfícies.

F P. sen
e    tan 
N P. cos 

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 25
 O coeficiente de atrito diminui após o início do movimento  μe > μd
(coef. atrito dinâmico).
 Os valores de μe e μd dependem da natureza de ambas as superfícies
em contato, sendo maiores quando são ásperas e menores quando
polidas.
 A força de atrito é:
◦ Porporcional à força normal (ou carga);
◦ Independente da área de contato entre as supefícies.
 Em todo local onde houve atrito sólido, também haverá desgaste, que
é uma perda de material devida ao mútuo cisalhamento das
rugosidades e deslocamento de partículas.
 Pelo emprego de lubrificantes, as ações de “adesão” e
“escorregamento” são substituídas pelo cisalhamento da película
lubrificante, reduzindo-se a força de atrito e reduzindo-se o desgaste.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 26
 No caso do atrito dinâmico, devem ser considerados dois
tipos de movimento:
◦ Atrito de deslizamento (ou de escorregamento)
 Quando a superfíce de um corpo desliza ou escorrega
em contato com a superfície de outro corpo.
 Ex.: anel de pistão dentro do cilindro de um motor.
◦ Atrito de rolamento
 Quando a superfície de um corpo rola sobre a superfície
de outro, sem escorregar.
 É sempre menor que o atrito de deslizamento.
 É proveniente da deformação das áreas de contato entre
os dois corpos.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 27
 Quando se utiliza um fluido separando as duas superfícies em contato,
pode-se considerar o atrito fluido.
◦ No caso do atrito fluido, há um deslizamento entre as moléculas do
fluido, umas sobre as outras.
 Lubrificação
◦ A substância a qual se compõe a película é o lubrificante.
◦ A camada do fluido pode ser considerada como composta de
camadas extremamente finas, cada uma movendo-se na mesma
direção, porém com velocidades diferentes.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 28
 O processo de transferência é caracterizado pela tendência ao equilíbrio,
que é uma condição em que não ocorre nenhuma variação.
 Numa força motriz, o movimento no sentido do equilíbrio e o transporte
de alguma quantidade, são os fatores comuns a todos os processos de
transferência.
 Força motriz  É a diferença entre duas grandezas às quais ocorre uma
variação.
◦ Transporte de calor

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 29
 Força motriz
◦ Transporte de massa

dC
C 
dx
◦ Transporte de quantidade de movimento

 Meio
◦ É a porção da matéria em que ocorrem as variações, ou seja,
os fenômenos de transferência.
◦ Os meios apresentam-se na forma sólida e fluida.
Prof. Dias Graça - Devry-
Fenomeno- Aula2 02/09/2018 30
 Para um bloco sólido

Fc
 yx 
A

◦ Dentro regime de deformação elástica, tem-se:

Onde:
 yx  H  o módulo de elasticidade;
 H → cte de proporcionalidade
 γ → ângulo de deformação.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 31
 Para um bloco fluido d
 yx
dt
d
 yx  
dt
◦ A equação acima relaciona a tensão de cisalhamento com a
taxa de deformação, conhecida como "Lei de Newton da
viscosidade", sendo μ a viscosidade absoluta ou dinâmica.
◦ Como a deformação angular não é facilmente mensurável,
então, procura-se expressar a equação acima em grandezas
facilmente mensuráveis.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 32
 Para um bloco fluido

dx
tg  
dy
Prof. Dias Graça - Devry-
Fenomeno- Aula2 02/09/2018 33
 Para um bloco fluido
◦ Para ângulos pequenos  γ = tg γ
◦ Logo:
dx d  dx  dvx
tg     yx       yx  
dy dt  dy  dy
◦ Observações
 O sinal negativo da equação acima é devido ao atrito, pois o
mesmo é exercido pela parede sólida sobre o fluido e em
sentido contrário ao escoamento.
 Matematicamente, podemos dizer que o escoamento está
indo de uma região de maior fluxo de quantidade de
movimento para uma de menor fluxo.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 34
 Validade da lei de Newton
◦ Fluido newtoniano;
◦ Distância entre as placas muito pequena;
◦ Utilizado para pequenas deformações.
 Taxa e fluxo

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 35
 A viscosidade dinâmica mede a resistência que o fluido
oferece às forças cisalhantes, ou seja, mede o atrito
interno que as moléculas constituintes do fluido exercem
entre si.
 Viscosidade cinemática (ν)  é a relação entre a
viscosidade dinâmica (μ) e a massa específica (ρ) do
fluido.

 

 Unidades:
◦ Viscosidade dinâmica  N.s/m² ou Kg/m.s
◦ Viscosidade cinemática  m²/s

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 36
Pode ser encarada como a resistência do fluido ao
escoamento, ou seja, é a resistência que todo fluido
oferece ao movimento relativo de suas partes.

Funciona como uma espécie de “atrito interno”,


descrevendo a "fluidez" da substância.

Por exemplo, o mel apresenta uma resistência maior


à deformação (ao escoamento) que a água, dizemos
, então, que ele é mais viscoso que água.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 37
Matematicamente,
v

x
 - é a tensão cisalhante;
 - é a viscosidade absoluta;
v/x - é o gradiente de velocidade, chamado taxa de
cisalhamento, ou ainda, de taxa de deformação.

Principais unidades de medida:


- Pa  s (N m-2 s), lbf ft-2  s, centipoise = 10-2 dina
cm-2 s.
Prof. Me. Dias Graça - DaVry -
Fenomeno 02/09/2018 38
É a razão entre a viscosidade absoluta e a massa
específica.



Principais unidades de medida:
- m2 s-1, ft2 s-1, centistokes (cSt) = 10-2 cm2 s-1.

μ (cP)
 (cSt) 
d
Prof. Me. Dias Graça - DaVry -
Fenomeno 02/09/2018 39
 Influência da pressão
◦ Para pressões moderadas a viscosidade dos fluidos
independe da pressão (até 10 atm).
◦ Para altas pressões, os gases e a maioria dos líquidos
variam, porém não existem leis bem definidas.

 Influência da temperatura
◦ Nos gases, aumentando-se a temperatura, aumenta a
viscosidade, devido à transferência de quantidade de
movimento entre as moléculas.
◦ Nos líquidos, aumentando-se a temperatura, diminui a
viscosidade, devido diminuírem as forças de coesão
entre as moléculas.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 40
 Reologia  É a ciência que estuda a deformação e o fluxo de
matérias, tais como: sangue, suspensões, tintas, vernizes, etc.
◦ Estas substâncias fluem, porém não obedecem a Lei de
Newton da viscosidade, sendo estas substâncias ditas fluidos
não Newtonianos.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 41
 Curva 1  Representa um fluido Newtoniano, onde a tangente
do ângulo  é igual à viscosidade (μ).
◦ Substâncias de baixo peso molecular (álcool, água e todos os
gases), óleos lubrificantes e óleos comestíveis.
 Curva 2  Caracteriza um plástico de Bingham. Este tipo de
fluido apresenta um excesso de rigidez, o qual deve ser vencido
para que o material possa fluir.
◦ Lamas de perfuração
dv
◦ Equação de Bingham   yx   0   p  x
dy
Onde μp é a viscosidade do pástico.
 Curva 3  Caracteriza um fluido "Dilatante". Observa-se que
sua viscosidade aumenta com o aumento da tensão cisalhante
◦ Suspensões de amido, silicato de potássio e areia.
Prof. Dias Graça - Devry-
Fenomeno- Aula2 02/09/2018 42
 Curva 4  Caracteriza um fluido "Pseudoplástico". Observa-se
que a viscosidade diminui com o aumento do gradiente de
velocidade.
◦ Soluções de polímeros de moléculas grandes, purês de frutas
e legumes, sangue, maionese.
 Curva 5  Representa um fluido ideal ou perfeito, ou seja, sem
atrito, visto que a tangente é nula.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 43
 Modelo matemático para fluidos Dilatante e
Pseudoplásticos
◦ É o modelo de Ostwald-de-Walle ou lei da potência.
n 1
 dvx  dvx
 yx   K   
 dy  dy
onde:
 K → é o índice de consistência do fluido;
 n → é o índice de comportamento do escoamento do fluido;

 → viscosidade aparente.
n 1
 dv 
K x 
 dy 
Prof. Dias Graça - Devry-
Fenomeno- Aula2 02/09/2018 44
 Modelo matemático para fluidos Dilatante e
Pseudoplásticos
◦ Observações:
 Se K = μ e n = 1, o fluido é Newtoniano;
 Se n > 1, fluido Dilatante;
 Se n < 1, fluido Pseudoplástico.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 45
 Os líquidos aumenta seu volume quando lhes
diminui a pressão;

 A compressibilidade da água é inversamente


proporcional ao seu modulo volumétrico de
elasticidade.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 46
 É a propriedade atrativa (atração intermolecular)
da superfície, seja liquida ou solida.

 É a tensão por unidade de comprimento numa


linha qualquer da superfície de separação
(comporta-se como uma membrana tendida).

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 47
A tensão superficial dos líquidos resulta da
coesão (entre moléculas liquidas) e a
capilaridade da ação conjunta da coesão e da
adesão (entre líquidos e sólidos)
adesão > coesão: a superfície dos líquidos se
eleva nos tubos
adesão < coesão: a superfície dos líquidos
decresce quando não molha a superfície dos
líquidos (bolha)

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 48
 Coesão:
Formação de gotas de água.

 Adesão:
A atração exercida pelas moléculas do solido pode
ser maior que a atração existente entre as
moléculas do próprio liquido.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 49
 Quando a pressão na superfície livre de um
líquido desce á respectiva tensão de vapor, o
liquido entra em ebulição.

 A tensão de saturação do vapor do liquido, varia


com a temperatura.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 50
 Celeridade de ondas elásticas (c):
é a velocidade com que se propaga no interior de
um liquido uma variação de pressão.

 Celeridade infinita:
liquido absolutamente incompressível

 Celeridade finita: golpe de aríete.

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 51
Volume de gás dissolvido em um determinado
volume de água. Provoca o desprendimento de ar e
o aparecimento de bolhas de ar nos pontos altos
das tubulações

Prof. Me. Dias Graça - DaVry -


Fenomeno 02/09/2018 52
 Propriedades da àgua.

Prof. Dias Graça - Devry-


Fenomeno- Aula2 02/09/2018 53