Anda di halaman 1dari 16

A DOENÇA DE

ALZHEIMER E SEU
IMPACTO NO CONTEXTO
FAMILIAR

Centro Universitário Newton Paiva


Curso de Psicologia – 9º período
Luana Cristina Moura Santos
Luciana Pereira de Almeida
 TEMA:

A doença de Alzheimer e seu impacto no contexto


familiar

 PROBLEMA DE PESQUISA:
Como o idoso diagnosticado com a doença de
Alzheimer transforma a dinâmica familiar?
 JUSTIFICATIVA:

 Crescimento da população idosa no mundo: 2055 – número de

idosos maior que de crianças e jovens até 29 anos.

 Profissionais da área preocupados com as implicações dos


idosos;

 Carter e Mônica McGoldrick (1995): “o importante impacto dos


eventos na geração de avós é rotineiramente esquecido pelos

terapeutas centrados na família nuclear”.


 OBJETIVO GERAL:

Compreender as transformações no sistema familiar a


partir da doença de Alzheimer.
 OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

 Caracterizar a doença de Alzheimer e apresentar como a


abordagem sistêmica descreve o impacto de doenças no estágio
tardio da vida;

 Explicar o conceito de família na perspectiva sistêmica,


contextualizar seus diferentes arranjos e como a doença atinge o
ciclo de vida das famílias;

 Investigar como a doença de Alzheimer transforma a dinâmica


familiar.
 METODOLOGIA

 Pesquisa qualitativa de caráter bibliográfico.

 Gil (2002): Desenvolvida com base em materiais já publicados.

 1250 resultados quando pesquisado “Alzheimer” na base de dados


Scielo.

 69 resultados quando pesquisado “Alzheimer - família” na base de


dados.
 INTRODUÇÃO

 Crescimento da população idosa - IBGE 2013: no ano de 2020

passará de 13,8% para 33,7% em 2060.

 Número de indivíduos diagnosticados com demência - OMS 2017:

irá triplicar até 2050.

 Característica principal da doença de Alzheimer: prejuízo cognitivo

na memória, concentração e raciocínio.

 Família está igualmente envolvida nesse contexto a partir do

adoecimento do idoso.
 REFERENCIAL

Dividido em duas partes:

 O conceito de família a partir da perspectiva sistêmica e o


ciclo de vida familiar no estágio tardio.

 A família e o Alzheimer: como a doença atinge a dinâmica


familiar.
 REFERENCIAL

O conceito de família a partir da perspectiva sistêmica e o ciclo


de vida familiar no estágio tardio

 A família é chamada a cuidar de seus idosos.

 ONU: “Família é gente com quem se conta”.

 Sistêmica: Família é um sistema aberto em constante interação


entre os membros. Um todo sistêmico.

 Ciclo familiar brasileiro: Fase de aquisição, família adolescente, fase


madura e fase última.

 Família no estágio tardio: aposentadoria, viuvez, falta de segurança,


condição financeira, doenças, demandam suporte e reorganização
familiar.
 REFERENCIAL

A família e o Alzheimer: como a doença atinge a dinâmica


familiar

 Teoria geral dos sistemas: nada acontece de maneira isolada e

qualquer evento atinge todos os outros membros do meio familiar.

 Família assume posição de cuidadora.

 O adoecimento aumenta o nível de ansiedade do sistema e trás

implicações para todos os membros do meio familiar.


 REFERENCIAL

A família e o Alzheimer: como a doença atinge a dinâmica


familiar

 Fases que correspondem aos sintomas da doença de Alzheimer:

1) Inicial: 2 a 4 anos. Dificuldade na linguagem e perda


significativa de memória;

2) Intermediária: 2 a 10 anos. Perda progressiva de memória,


início das alterações na fala, raciocínio e complicações motoras.

3) Terminal: idoso geralmente fica acamado e ele depende


totalmente da assistência de outra pessoa.
 FINALIZANDO...

A doença de Alzheimer e seu impacto no contexto familiar

“A doença de Alzheimer é sim considerada uma doença familiar por


provocar mudanças na estabilidade e homeostase familiar”.

Nossa monografia em si consistirá em:

 Contextualizar a visão sistêmica de família e a doença como variação


maior do ciclo de vida;

 As transformações na família diante o Alzheimer e a prática da


Psicologia nesse contexto.
 REFERÊNCIAS

 AMARAL,L. I. O. A doença de Alzheimer impactos na família. Faculdade de Ciências da


Saúde – Facs. Brasília 2005. Disponível em :
http://repositorio.uniceub.br/bitstream/123456789/3070/2/20074695.pdf

 ANDOLFI, Maurizio. A terapia familiar: um enfoque interacional. Ubaldini Editore, Roma.


Trad. José Carlos Vitor Gomes. 1996.

 BARREIRA, G.S. Impacto da doença de Alzheimer na família: uma análise sistêmica


estrutural. Pontifícia Universidade Católica. Rio de Janeiro 2017. Disponível em:
https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/32804/32804.PDF

 CALDEIRA, A. P. S.; RIBEIRO, R. C. H. M. O enfrentamento do cuidador do idoso com


Alzheimer. Arquivos de Ciências da Saúde, São José do Rio Preto, v. 11, n. 2, abr./jun.
2004. Disponível em: http://repositorio-racs.famerp.br/racs_ol/Vol-11-2/ac08%20-
%20id%2027.pdf

 CARTER, Betty; MCGOLDRICK, Monica. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma


estrutura para a terapia familiar. Trad. Maria Adriana Veríssimo Veronese. 2ª Ed. Porto
Alegre. Artmed, 1995. 512 p.

 CERVENY, C. M. O; BERTHOUD C. M. E. In OSORIO, L. C,; VALLE, M. E. P. (org). Manual


de terapia familiar. Porto Alegre: Artmed, 2009. Cap. 1. p. 25 – 37
 REFERÊNCIAS

 COPETTI, Greyce. A influência da doença de Alzheimer sobre a famíliados doentes.


Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC. Criciúma 2012. Disponível em:
http://repositorio.unesc.net/bitstream/1/1067/1/Greyce%20Copetti.pdf

 D’ALENCAR, Raimunda S.; PEDREIRA DOS SANTOS, Evani M.; PINTO, Joelma B.T.
Conhecendo a doença de Alzheimer : uma contribuição para familiares e cuidadores _
Ilhéus : Editus, 2010

 DIAS, Maria Olívia. Um olhar sobre a família na perspectiva sistêmica: o processo de


comunicação no sistema familiar. Gestão e Desenvolvimento, vol. 19. 2011. p. 139-156.
Disponível em:
z3950.crb.ucp.pt/biblioteca/gestaodesenv/gd19/gestaodesenvolvimento19_139.pdf. Acesso
em 14/05/2018.

 DESSEN, Maria Auxiliadora; POLONIA, Ana da Costa. A família e a escola como contextos
de desenvolvimento humano. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto , v. 17, n. 36, p.
21-32, Apr. 2007 . Disponível
em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-
863X2007000100003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 14/05/2018.
 REFERÊNCIAS

 INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE, Síntese de


indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2013.
Rio de Janeiro, Estudos e pesquisas Informação Demográfica e Socioeconômica, n. 32,
2013. p. 266

 INSTITUTO ALZHEIMER BRASIL. Disponível em:


http://www.institutoalzheimerbrasil.org.br/demencias-
Instituto_Alzheimer_Brasil/9/doenca_de_alzheimer. Acesso em 16/04/2018

 MATTOS, E. T. B. Famílias com idosos. In OSORIO, L. C., VALLE, E. P. (org). Manual de


terapia familiar. Porto Alegre: Artmed, 2009. Cap. 21. p. 312 – 320

 NEUMANN, S. M. F. Doença de Alzheimer na família: Repercussões sobre o seu


funcionamento. Universidade Católica de Pernambuco. Recife 2010. Disponível em:
http://www.unicap.br/tede/tde_arquivos/1/TDE-2011-02-07T155649Z-
378/Publico/dissertacao_solange_maria.pdf
 REFERÊNCIAS

 ROSA, Elizabete Terezinha Silva. A centralidade da família na política de assistência


social. In: I CONGRESSO INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA SOCIAL, 1., 2006,
. Proceedings online... Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. Disponível
em:
<http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC00000000920060
00100011&lng=en&nrm=abn>. Acesso em: 14/05/2018.

 SALGADO, C. L., CASTELO BRANCO, M. M. M., MACHADO, P. M. A. A família no


processo de cuidar do paciente com DRC. (Org.). - São Luís, 2016. p. 47. Disponível
em:
http://repocursos.unasus.ufma.br/especializacao_nefrologia/modulo3/und3/media/pdf/livro_
pdf.pdf

 SANTANA, V.; OLIVEIRA, D.; MEIRA, T. Novos arranjos familiares: uma breve análise.
EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Ano 17, nº 177. 2013. Disponível em:
http://www.efdeportes.com/efd177/novos-arranjos-familiares-uma-breve-analise.htm