Anda di halaman 1dari 65

Prof.

: Gleison Paulino
2017
Todo gás exerce uma PRESSÃO, ocupando um certo
VOLUME à determinada TEMPERATURA

Aos valores
da pressão, do volume e da temperatura chamamos de
ESTADO DE UM GÁS

V = 5L
Assim:
T = 300 K

P = 1 atm

Prof.: Gleison Paulino


Os valores da pressão, do volume e
da temperatura não são constantes, então, dizemos que
PRESSÃO (P), VOLUME (V) e TEMPERATURA (T)
são
VARIÁVEIS DE ESTADO DE UM GÁS

P1 = 1 atm P2 = 2 atm P3 = 6 atm

V1 = 6 L V2 = 3 L V3 = 3 L

T1 = 300 K T2 = 300 K T3 = 900 K

Prof.: Gleison Paulino


Denominamos de pressão de um gás
a colisão de suas moléculas
com as paredes do recipiente em que ele se encontra

Prof.: Gleison Paulino


Experiência de TORRICELLI

vácuo

1 atm = 76 cmHg = 760 mmHg


mercúrio

100 cm
76 cm
1 atm

mercúrio
Prof.: Gleison Paulino
P1 = 1 atm P2 = 2 atm

V1 = 6 L V2 = 3 L

T1 = 300 K T2 = 300 K
ESTADO 2

ESTADO 1 Prof.: Gleison Paulino

TRANSFORMAÇÃO ISOTÉRMICA

Mantemos constante a TEMPERATURA e


modificamos a pressão e o volume de
uma massa fixa de um gás
GRÁFICO DA TRANSFORMAÇÃO ISOTÉRMICA

P1 = 1 atm P2 = 2 atm P3 = 6 atm


V1 = 6 L V2 = 3 L V3 = 1 L
T1 = 300 K T2 = 300 K T3 = 300 K
P (atm)
7
LEI DE BOYLE - MARIOTTE
6

5 PP1 xx VV=
1 = P 2 x V2
constante
4
Pressão e Volume
3
são
2 inversamente proporcionais
1
Prof.: Gleison Paulino
V (litros)
1 2 3 4 5 6 7 8
TRANSFORMAÇÃO ISOTÉRMICA

Prof.: Gleison Paulino


01) Na respiração normal de um adulto, num minuto são inalados
4,0 litros de ar, medidos a 27oC e 1 atm de pressão. Um mergulhador
a 43 m abaixo do nível do mar, onde a temperatura é de 27oC e a
pressão de 5 atm, receberá a mesma massa de oxigênio se inalar:

a) 4,0 litros de ar. V1 = 4,0 L V2 = ? L


b) 8,0 litros de ar. T1 = 27ºC T2 = 27ºC
c) 3,2 litros de ar.
P1 = 1 atm P2 = 5 atm
d) 0,8 litro de ar.
P1 x V1 = P2 x V2
e) 20 litros de ar.
1 x 4= 5 x V2

4
V2 =
V2 = 0,8 L
5

Prof.: Gleison Paulino


02) Dois balões A e B, estão ligados por um tubo de volume desprezível,
munido de uma torneira. O balão A, de volume igual a 400 mL,
contém gás hélio. No balão B, de volume igual a 600 mL, existe
vácuo. Mantendo-se a temperatura constante, a torneira é aberta
e a pressão final do sistema atinge o valor de 600 mmHg.

A pressão inicial do balão A deve ser igual a: Prof.: Gleison Paulino

a) 1500 mmHg. B
A
b) 1200 mmHg.
He vácuo
He T = constante
c) 1000 mmHg.
d) 900 mmHg.
VA = 400 mL VB = 600 mL PF = 600 mmHg
e) 760 mmHg.
P1 x V1 = P2 x V2 VF = 1000 mL

400 x P1 = 600 x 1000

600000
P1 =
P1 = 1500 mmHg
400
03) Ao subir do fundo de um lago para a superfície, o volume de uma
bolha triplica. Supondo que a temperatura da água no fundo do
lago seja igual à temperatura na superfície, e considerando que a
pressão exercida por uma coluna de água de 10 m de altura
corresponde, praticamente, à pressão de uma atmosfera, podemos
concluir que aa profundidade do lago
profundidade do lagoé,
é, aproximadamente.

a) 2 m. P1 x V1 = P2 x V2 V2 = 3 V
P2 = 1 atm
b) 5 m.
P1 x V= 1 x 3V
c) 10 m.
3V
d) 20 m. P1 = 10 m  2 atm
V
e) 30 m.
P1 = 3 atm 20 m  3 atm
V1 = V
Prof.: Gleison Paulino
04) A figura mostra um cilindro munido de um êmbolo móvel, que
impede a saída do ar que há dentro do cilindro. Quando o êmbolo
se encontra na sua altura H = 12 cm, a pressão do ar dentro do
cilindro é p0. Supondo que a temperatura é mantida constante,
até que a altura, do fundo do cilindro deve ser baixado o êmbolo
para que a pressão do ar dentro do cilindro seja 3 p0?

a) 4/9 cm. H = 12 cm V
b) 4 cm. H = 12 cm
H = x cm V/3
c) 6 cm.
d) 8 cm.
12 . V
e) 9 cm H’ = ? cm
0 x =
3.V
P1 x V1 = P2 x V2
x = 4 cm
po x V = 3po x V2

po. V V Prof.: Gleison Paulino


V2 = V2 =
3 po 3
P1 = 1 atm P2 = 1 atm

V1 = 6 L V2 = 3 L

T1 = 300 K T2 = 150 K
ESTADO 2

ESTADO 1

TRANSFORMAÇÃO ISOBÁRICA
Mantemos constante a PRESSÃO e
modificamos a temperatura absoluta e o volume
de uma massa fixa de um gás
Prof.: Gleison Paulino
P1 = 2 atm P2 = 2 atm P3 = 2 atm
V1 = 1 L V2 = 2 L V3 = 3 L
T1 = 100 K T2 = 200 K T3 = 300 K

V (L) Volume e Temperatura Absoluta


7
são
6 diretamente proporcionais
5
V
4 = constante
3
T
2
1 LEI DE CHARLES E GAY-LUSSAC
Prof.: Gleison Paulino
T (Kelvin)
100 200 300 400 500 600 700 800
Na matemática,
quando duas grandezas são diretamente proporcionais,
o quociente entre elas é constante

V1 V2
=
T1 T2

Prof.: Gleison Paulino


05) No diagrama P x T abaixo, uma certa quantidade de gás ideal
evolui do estado inicial A para um estado final B, conforme
indicado na figura. Qual a razão, VA / VB, entre os volumes inicial
e final do gás?
P
a) 1/ 3. A B
Prof.: Gleison Paulino
PA
b) 1/ 2.
c) 1.
T
d) 2. 0 TA 2 TA
e) 3.
Do ponto A ao ponto B a pressão é constante “PA”

Transformação ISOBÁRICA

VA1 VB2 VA TA VA 1
= = =
TA1 2TT2A VB 2 TA VB 2
06) Durante o inverno do Alasca, quando a temperatura é de – 23°C,
um esquimó enche um balão até que seu volume seja de 30 L.
Quando chega o verão a temperatura chega a 27°C. Qual o
inteiro mais próximo que representa o volume do balão, no
verão, supondo que o balão não perdeu gás, que a pressão
dentro e fora do balão não muda, e que o gás é ideal?
V1 = 30 L Prof.: Gleison Paulino
V
301 V2
T1 = – 23 ºC = 250 K =
250
T1 T2
300
P1 = P atm
V2 = ? L 250 x V2 = 30 x 300
T2 = 27ºC = 300 K 9000
V2 = V2 = 36 L
P2 = P atm
250
07) Uma estudante está interessada em verificar as propriedades
do hidrogênio gasoso a baixas temperaturas. Ela utilizou,
inicialmente, um volume de 2,98 L de H2(g), à temperatura ambiente
(25°C) e 1atm de pressão, e resfriou o gás, à pressão constante, a
uma temperatura de – 200°C. Que volume desse gás a estudante
encontrou no final do experimento?

V1 = 2,98 L V1
2,98 V2
a) 0,73 mL. =
T1 = 25 ºC = 298 K T1
298 T2
73
b) 7,30 mL.
c) 73,0 mL. P1 = 1 atm 298 x V2 = 2,98 x 73
d) 730 mL. V2 = ? L
217,54
T2 = – 200ºC = 73 K V2 =
e) 7300 mL.
298
P2 = 1 atm
V2 = 0,73 L
Prof.: Gleison Paulino

V2 = 730 mL
P1 = 4 atm P2 = 2 atm

V1 = 6 L V2 = 6 L

T1 = 300 K T2 = 150 K

ESTADO 1 ESTADO 2

TRANSFORMAÇÃO ISOCÓRICA
Mantemos constante o VOLUME e
modificamos a temperatura absoluta e a pressão
de uma massa fixa de um gás
Prof.: Gleison Paulino
P1 = 1 atm P2 = 2 atm P3 = 2 atm
V1 = 2 L V2 = 2 L V3 = 3 L
T1 = 100 K T2 = 200 K T3 = 300 K

P (atm) Pressão e Temperatura Absoluta


7 são
diretamente proporcionais
6

5
P
4 = constante
3
T
2
1
LEI DE CHARLES E GAY-LUSSAC

T (Kelvin) Prof.: Gleison Paulino


100 200 300 400 500 600 700 800
Na matemática,
quando duas grandezas são
diretamente proporcionais,
o quociente entre elas é
constante

P1 P2
=
T1 T2
Prof.: Gleison Paulino
08) Uma garrafa de 1,5 L, indeformável e seca, foi fechada com uma
tampa plástica. A pressão ambiente era de 1,0 atm e a temperatura
de 27°C. Em seguida, esta garrafa foi colocada ao sol e, após certo
tempo, a temperatura em seu interior subiu para 57°C e a tampa foi
arremessada pelo efeito da pressão interna. Qual a pressão no
interior da garrafa no instante imediatamente anterior à expulsão
da tampa plástica?
O volume da garrafa é constante
V1 = 1,5 L
P1
1 P2
P1 = 1 atm =
T1 = 27 ºC = 300 K T1
300 T2
330

T2 = 57ºC = 330 K 300 x P2 = 1 x 330


P2 = ? atm 330
P2 =
300

Prof.: Gleison Paulino P2 = 1,1 atm


09) Em um dia de inverno, à temperatura de 0°C, colocou-se uma
amostra de ar, à pressão de 1,0 atm, em um recipiente de volume
constante. Transportando essa amostra para um ambiente a 60°C,
que pressão ela apresentará?
a) 0,5 atm. T1 = 0°C + 273 = 273 K
b) 0,8 atm.
P1 = 1 atm
c) 1,2 atm.
T2 = 60°C + 273 = 333 K
d) 1,9 atm.
e) 2,6 atm. P2 = ?
P11 P2
= 273 x P2 = 1 x 333
273
T1 333
T2
Prof.: Gleison Paulino 333
P2 =
273

P2 = 1,2 atm
10) Um recipiente fechado contém hidrogênio à temperatura
de 30°C e pressão de 606 mmHg. A pressão exercida
quando se eleva a temperatura a 47°C, sem variar o
volume será: T1 = 30°C + 273 = 303 K
a) 120 mmHg.
P1 = 606 mmHg
b) 240 mmHg.
T2 = 47°C + 273 = 320 K
c) 303 mmHg.
P2 = ?
d) 320 mmHg.
e) 640 mmHg. P1
606 P2
2 = P2 = 2 x 320
303
T1 320
T2
Prof.: Gleison Paulino P2 = 640 mmHg
Existem transformações em que todas as

grandezas (T, P e V) sofrem mudanças nos

seus valores simultaneamente

Combinando-se as três equações vistas


encontraremos uma expressão que
relaciona as variáveis de estado neste tipo
de transformação

P1 x V1 P 2 x V2
=
T1 T2
Prof.: Gleison Paulino
01) Um gás ideal, confinado inicialmente à temperatura de 27°C,
pressão de 15 atm e volume de 100L sofre diminuição no seu
volume de 20L e um acréscimo em sua temperatura de 20°C.
A pressão final do gás é:

a) 10 atm. T1 = 27ºC + 273 = 300 K


P1 = 15 atm
b) 20 atm.
V1 = 100 L
c) 25 atm.
V2 = 100 L – 20 L = 80 L
d) 30 atm.
e) 35 atm. T2 = 27ºC + 20ºC = 47 ºC + 273 = 320 K
P2 = ?

15
P1 x 100
V1 P2 x 80
V2
= P2 = 20 atm
T1
300 T2
320

Prof.: Gleison Paulino


02) (UFMT) Uma certa massa de gás ocupa um volume de 10 L numa
dada temperatura e pressão. O volume dessa mesma massa
gasosa, quando a temperatura absoluta diminuir de 2/5 da inicial
e a pressão aumentar de 1/5 da inicial, será:
Prof.: Gleison Paulino

a) 6 L. V1 = 10 L V2 = V L

b) 4 L. T1 = T T2 = T – 2/5 T = 3/5 T

c) 3 L. P1 = P P2 = P + 1/5 P = 6/5 P
d) 5 L.
P1 x V1 P2 x V2
e) 10 L. =
T1 T2
30 x P x T
P x 10 6/5 P X V 5
= V =
T 3/5 T 6 x P x T
5
30
V = V =5L
6
Condições Normais de
Temperatura e Pressão (CNTP ou CN)

Dizemos que um gás se encontra nas CNTP quando:

Exerce uma pressão de 1 atm ou 760 mmHg e

Está submetido a uma temperatura de 0ºC ou 273 K

Nestas condições ... Prof.: Gleison Paulino

1 mol de qualquer gás ocupa


um volume de 22,4 L (volume molar)
01) (UNIMEP-SP) O volume ocupado, nas CNTP, por 3,5 mol de CO será
aproximadamente igual a:
Dado: volume molar dos gases nas CNTP = 22,4 L.

a) 33,6 L. 1 mol de CO ocupa 22,4 L nas CNTP


b) 78,4 L.
c) 22,4 L. 3,5 mols de CO ocupa VL nas CNTP

d) 65,6 L.
e) 48,0 L. 1 22,4
= V = 3,5 x 22,4
3,5 V
V = 78,4 L

Prof.: Gleison Paulino


02) (ACAFE – SC) Têm-se 13,0g de etino (C2H2) nas CNTP. O volume,
em litros, deste gás é:
Dados: massas atômicas: C = 12g/mol; H = 1 g/mol.
Volume molar dos gases nas CNTP = 22,4 L.
a) 26,0 L.
b) 22,4 L. 1 mol 26
M gg 22,4 L
c) 33,6 L. V
13 g
d) 40,2 L.
e) 11,2 L. V = 11,2 L

C2H2
M = 2 x 12 + 2 x 1 = 26 g Prof.: Gleison Paulino
03) (FEI-SP) Um frasco completamente vazio tem massa 820g e cheio
de oxigênio tem massa 844g. A capacidade do frasco, sabendo-se
que o oxigênio se encontra nas CNTP, é:
Dados: massa molar do O2 = 32 g/mol; volume molar dos gases nas
CNTP = 22,4 L.
Prof.: Gleison Paulino

a) 16,8 L. m = 844 – 820 = 24g


O2
b) 18,3 L.
32 g 22,4 L
c) 33,6 L.
d) 36,6 L. 24 g V

e) 54,1 L. 32 22,4 24 x 22,4


= V =
24 V 32

V = 16,8 L
Para uma certa massa de gás vale a relação

P V = constante
T

Se esta quantidade de gás for


1 MOL
a constante será representada por R
e receberá o nome de
CONSTANTE UNIVERSAL DOS GASES

Prof.: Gleison Paulino


Podemos calcular o seu valor considerando-se um dos estados
do gás nas CNTP, isto é,
T0 = 273 K, P0 = 1 atm ou 760 mmHg e V0 = 22,4 L,
assim teremos:

P V 1 x 22,4
= 0,082 para 1 mol Prof.: Gleison Paulino
T 273

P V
= 0,082 x 2 para 2 mol
T
P V
= 0,082 x n para “n” mol
T

P V
= R x n P x V = n x R xT
T
Podemos calcular o seu valor considerando-se um dos estados
do gás nas CNTP, isto é,
T0 = 273 K, P0 = 1 atm ou 760 mmHg e V0 = 22,4 L,
assim teremos:

P V 760 x 22,4
= 62,3 para 1 mol
T 273
Prof.: Gleison Paulino

P V
= 62,3 x 2 para 2 mol
T
P V
= 62,3 x n para “n” mol
T

P V
= R x n P x V = n x R xT
T
01) (UFRGS) Um extintor de incêndio contém 4,4 kg de CO2. O volume
máximo de gás liberado na atmosfera, a 27ºC e 1 atm, é, em litros:
Dados: C = 12 u.; O = 16 u.
4400
a) 0,229. m = 4,4 kg = 4400 g n = = 100 mol
44
b) 2,46. V = ? L
T = 27ºC = 300 K
c) 24,6.
P = 1 atm
d) 229,4.
e) 2460. P x V = n x R x T

1 x V = 100 x 0,082 x 300

V = 2460 L

Prof.: Gleison Paulino


02) 2,2g de um gás estão contidos num recipiente de volume igual a
1,75 litros, a uma temperatura de 77oC e pressão e 623 mmHg.
Este gás deve ser:
Dados: H = 1 u; C = 12 u; O = 16 u; N = 14 u; S = 32 u

a) NO. m = 2,2 g
Prof.: Gleison Paulino
b) H2S. V = 1,75 L
c) SO2. T = 77ºC = 350 K
d) CO2. P = 623 mmHg
e) NH3. m
P x V = x R x T
M
2,2 2,2 x 62,3 x 350
623 x 1,75 = x 62,3 x 350 M =
M 623 x 1,75

M = 44 g/mol CO2 = 12 + 32 = 44 g/mol


03) A temperatura a que deve ser aquecido um gás contido num
recipiente aberto, inicialmente a 25ºC, de tal modo que nele
permaneça 1/5 das moléculas nele inicialmente contidas é:

a) 1217ºC.
b) 944ºC. T = 25ºC
298 K T’ = ? ºC
c) 454ºC. V V’
d) 727ºC. P P’
e) 125ºC. n n’ = 1/5 n

Prof.: Gleison Paulino

P x V n x R x 298
= T’ = 1490 K – 273
P’ x V’ 1/5 n x R x T’
T’ = 1217 ºC
04. (IFET) Dois balões de igual capacidade, A e B, mantidos na mesma
temperatura, apresentam massas iguais de H2(g) e O2(g) . A pressão do
H2(g) no balão A é igual a 1,6 atm. Assinale a alternativa abaixo que
corresponde a pressão que o O2 (g) exerce no balão B.
Dados: M(H2) = 2 g/mol e M(O2) = 32 g/mol.
a) 0,1 atm.
VA = VB TA = TB
b) 0,5 atm. A B
c) 1,0 atm.
PH2 = 1,6 atm m H2 =m O2 Po2 = ? atm
d) 1,6 atm.
e) 2,0 atm. 1,6 x V nH2 x R x T
=
PO2 x V nO2 x R x T
mH2 mO2 3,2
PO2 x nH2 = 1,6 x nnOO
22 PO2 =
M2H2 M
32O2 32

Prof.: Gleison Paulino


PO2 = 0,1 atm
HIPÓTESE DE AVOGADRO

V=2L V=2L

P = 1 atm P = 1 atm

T = 300 K T = 300 K
Gás METANO Gás CARBÔNICO

Volumes IGUAIS de gases quaisquer, nas


mesmas condições de TEMPERATURA e PRESSÃO
contêm a mesma quantidade de MOLÉCULAS

Prof.: Gleison Paulino


01) Um balão A contém 8,8 g de CO2 e um balão B contém N2.
Sabendo que os dois balões têm igual capacidade e apresentam a
mesma pressão e temperatura, calcule a massa de N2 no balão B.
Dados: C = 12 g/mol; O = 16 g/mol; N = 14 g/mol. Prof.: Gleison Paulino

a) 56g.
b) 5,6g. A B
c) 0,56g.
d) 4,4g.
m = 8,8g de CO2 N2
e) 2,8g.

VA = VB PA = PB TA = TB m = x g de N2
m CO2
mN
n CO = n N2 =
2
2
M CO2
M N2

m N2 8,8 x 28
8,8 mN = = 5,6g
= 2
44 28 44
02) (Fatec – SP) Dois frascos de igual volume, mantidos à mesma
temperatura e pressão, contêm, respectivamente, os gases X e Y.
A massa do gás X é 0,34g, e a do gás Y é 0,48g. Considerando
que Y é o ozônio (O3), o gás X é:
H = 1 g/mol; C = 12 g/mol; N = 14 g/mol; O = 16 g/mol; S = 32 g/mol.
a) N2.
VX = VY
b) CO2.
TX = TY
c) H2S. X Y
PX = PY
d) CH4.
e) H2. mX = 0,34g e mY = 0,48g Y = O3 X = ?

m X
m Y 0,34 0,48
nX = n Y = =
MX M Y Mx 48
Prof.: Gleison Paulino
0,34 x 48
MX = = 34g/mol
0,48

H2S : M = 2 + 32 = 34 g/mol
Mistura de Gases Prof.: Gleison Paulino

Estas misturas funcionam como se fosse um único gás

PA VA TA nA PB VB TB nB
P V T

Podemos estudar a mistura gasosa ou relacionar a mistura


gasosa com os gases nas condições iniciais pelas expressões

P x V PA x VA PB x VB
P . V = nT . R . T = +
T TA TB
01) Dois gases perfeitos estão em recipientes diferentes. Um dos gases ocupa
volume de 2,0 L sob pressão de 4,0 atm e 127°C. O outro ocupa volume
de 6,0 L sob pressão de 8,0 atm a 27°C. Que volume deverá ter um
recipiente para que a mistura dos gases a 227°C exerça pressão de 10 atm?

gás A gás B P . V PA . VA PB . VB
= +
T TA TB
10 . V 4 . 2 8. 6
= +
g

500 400 300

10 . V 4 . 2 8. 6
VA = 2,0 L = +
5 4 3
PA = 4,0 atm
VB = 6,0 L V = ?
TAA = 400
127 K
ºC 2 . V = 2 + 16
PB = 8,0 atm P = 10 atm
18
TBB = 300
27 ºC
K T = 500
227 K
ºC V = V = 9L
2
Prof.: Gleison Paulino
02) Em um recipiente com capacidade para 80 L são colocados
4,06 mols de um gás X e 15,24 mols de um gás Y, exercendo uma
pressão de 6,33 atm. Podemos afirmar que a temperatura em que
se encontra essa mistura gasosa é:
Prof.: Gleison Paulino
a) 300 K. V = 80 L
b) 320 K. nX = 4,06 mols
c) 150 K. nT = 19,3 mols
nY = 15,24 mols
d) 273 K.
P = 6,33 atm
e) 540 K.
T = x K

P . V = nT . R . T

6,33 . 80 = 19,3 . 0,082 . T 506,4 = 1,5826 . T

506,4
T = T = 320 K
1,5826
Pressão Parcial de um Gás
Prof.: Gleison Paulino Gás A Gás B

P x V = nT x R x T

P x V PA x VA PB x VB
= +
T TA TB

Mantendo o VOLUME e a TEMPERATURA

P’A é a pressão parcial do gás A P’B é a pressão parcial do gás B

P’A x V = nA x R x T P’B x V = nB x R x T

P’A x V PA x VA P’B x V PB x VB
= =
T TA T TB

Lei de DALTON: P = PA + PB
01)(UEL-PR) Considere a mistura de 0,5 mol de CH4 e 1,5 mol de C2H6,
contidos num recipiente de 30 L a 300K. A pressão parcial do CH4,
em atm, é igual a:
P’ . V = nCH4 . R . T
a) 1,64 atm.
b) 0,82 atm. P’ . 30 = 0,5 . 0,082 . 300

c) 0,50 atm. 0,5 . 0, 82 . 30


P’ =
d) 0,41 atm.
30
e) 0,10 atm.
P’ = 0,41 atm
Prof.: Gleison Paulino
02) Um estudante de química armazenou em um cilindro de 10 L, 6g
de hidrogênio e 28 g de hélio. Sabendo-se que a temperatura é de
27°C no interior do cilindro. Calcule: Prof.: Gleison Paulino

Dados: H2 = 2 g/mol; He = 4 g/mol


I. O número de mol do H2 e do He.
6 28
nH2 = = 3 mol nHe = = 7 mol
2 4
II. A pressão total da mistura
P x V = nT x R x T P x 10 = 10 x 0,082 x 300

P = 24,6 atm
III. A pressão parcial de cada componente da mistura

P’H2 x V = nH2 x R x T P’He x V = nHe x R x T

P’H2 x 10 = 3 x 0,082 x 300 P’He x 10 = 7 x 0,082 x 300

P’H2 = 7,38 atm P’He = 17,22 atm


Volume Parcial de um Gás
Prof.: Gleison Paulino
Gás A Gás B

P x V = nT x R x T

P x V PA x VA PB x VB
= +
T TA TB

Mantendo a PRESSÃO e a TEMPERATURA

V’A é o volume parcial do gás A V’B é o volume parcial do gás B

P x V’A = nA x R x T P x V’B = nB x R x T

P x V’A PA x VA P x V’B PB x VB
= =
T TA T TB

Lei de AMAGAT: V = VA + VB
01) Uma mistura gasosa contém 4 mols de gás hidrogênio, 2 mols de
gás metano exercem uma pressão de 4,1 atm, submetidos a uma
temperatura de 27°C. Calcule os volumes parciais destes dois gases.

nH2 = 4 mols P X VH2 = nH2 x RxT


nCH4 = 2 mols
4,1 X V’H2 = 4 x 0,082 x 300 4,1 X V’CH4 = 2 x 0,082 x 300
P = 4,1 atm
4 x 0,082 x 300 2 x 0,082 x 300
T = 300
27° C
K V’H2 = V’CH4 =
4,1 4,1
V’ H2 = ?
V’ CH4 = ? V’H2 = 24 L V’CH4 = 12 L

Prof.: Gleison Paulino


02) Uma mistura gasosa contém 6 mols de gás hidrogênio, 2 mols de
gás metano e ocupa um recipiente de 82 L. Calcule os volumes
parciais destes dois gases. Prof.: Gleison Paulino

n H2 = 6 mols Podemos relacionar, também, o volume parcial


n CH4
= 2 mols com o volume total da mistura pela
expressão abaixo
V = 82 L

V’ A = x A x
V

6
x H2 = = 0,75 V’H2 = 0,75 x 82 = 61,5 L
8
2
x CH4 = = 0,25 V’CH4 = 0,25 x 82 = 20,5 L
8
Densidade dos Gases

Gás hidrogênio (H2) Gás carbônico (CO2)

O gás H2 é menos denso que o ar atmosférico

O gás CO2 é mais denso que o ar atmosférico


Prof.: Gleison Paulino
A densidade absoluta de um gás é o quociente entre a massa e o
volume deste gás medidos em certa temperatura e pressão

m
P x V = n x R x T
M
m
P x M = n
d x R x T
V

Prof.: Gleison Paulino


P x M
d =
R x T
01) A densidade absoluta do gás oxigênio (O2) a 27ºC e 3 atm de
pressão é:
Prof.: Gleison Paulino
Dado: O = 16 u d = x g/L

a) 16 g/L. T = 27°C + 273 = 300 K

b) 32 g/L. P = 3 atm
c) 3,9 g/L. MO2 = 32 u
d) 4,5 g/L. R = 0,082 atm . L / mol . K
e) 1,0 g/L.
P x M 3 x 32 96
d = = =
R x T 0,082 x 300 24,6

d = 3,9 g/L
Densidade nas CNTP

T = 273 k

P = 1 atm ou 760 mmHg

R = 0,082 atm . L / mol . K


ou
R = 62,3 mmHg . L / mol . K

1 x M M
d = d =
0,082 x 273 22,4

Prof.: Gleison Paulino


DENSIDADE RELATIVA

É obtida quando comparamos as densidades de dois gases,


isto é,
quando dividimos as densidades dos gases,
nas mesmas condições de temperatura e pressão

Gás A Gás B

P x MA P x MB
dA = dB =
R x T R x T

dA P x MA R x T MA
= x d =
A, B
dB R x T P x MB MB

Prof.: Gleison Paulino


01) A densidade do gás carbônico em relação ao gás metano é igual a:
Dados: H = 1u; C = 12 u; O = 16 u
M
a) 44. 44
CO2
d CO , CH = = 2,75
b) 16. 2 4
M16
CH4
c) 2,75.
d) 0,25 M = 12 + 2 x 16 = 44 u.m.a.
CO2
e) 5,46
M CH4 = 12 + 4 x 1 = 16 u.m.a.

Prof.: Gleison Paulino


Uma densidade relativa muito importante é quando
comparamos o gás com o ar atmosférico, que tem
MASSA MOLAR MÉDIA de 28,96 g/mol

MA
d A , Ar =
28,96

Prof.: Gleison Paulino


01) A densidade relativa do gás oxigênio (O2) em relação ao ar
atmosférico é:
Dado: O = 16 u
a) 16. M32
O2
dO , Ar = = 1,1
b) 2. 2
28,96
c) 0,5.
d) 1,1.
e) 1,43 Prof.: Gleison Paulino
DIFUSÃO E EFUSÃO

Quando abrimos um recipiente


contendo um perfume, após certo
tempo sentimos o odor do perfume

Isso ocorre porque algumas moléculas do


perfume passam para a fase gasosa e se
dispersam no ar chegando até nossas narinas

Esta dispersão recebe o nome


de
DIFUSÃO

Prof.: Gleison Paulino


DIFUSÃO E EFUSÃO

Uma bola de festas com um certo tempo murcha, isto


ocorre porque a bola tem poros e o gás que se
encontrava dentro da bola sai por estes poros

Este fenômeno denomina-se de EFUSÃO

Prof.: Gleison Paulino


A velocidade de difusão e de efusão é dada pela
LEI DE GRAHAM
que diz:

A velocidade de difusão e de efusão de um gás é


inversamente proporcional à raiz quadrada de sua densidade

Nas mesmas condições de temperatura e pressão a relação entre as


densidades é igual à relação entre suas massas molares, então:

vA dB vA MB
= =
vB dA vB MA

Prof.: Gleison Paulino


Prof.: Gleison Paulino
01) A velocidade de difusão do gás hidrogênio é igual a 27 km/min,
em determinadas condições de pressão e temperatura. Nas
mesmas condições, a velocidade de difusão do gás oxigênio em
km/h é de:
Dados: H = 1 g/mol; O = 16 g/mol.

a) 4 km/h. vH = 27 km/min = 27 km / (1/60) h


2

b) 108 km/h. vO = x km/h


2

c) 405 km/h.
d) 240 km/h. vH2 MO2 27 x 60 32
= = 16
e) 960 km/h. vO2 MH2 vO 2
2

27 x 60 1620
= 4 vO = = 405 km/h
2
vO 4
2
Prof.: Gleison Paulino
02) ( Mackenzie – SP ) Um recipiente com orifício circular contém os
gases y e z. O peso molecular do gás y é 4,0 e o peso molecular do
gás z é 36,0. A velocidade de escoamento do gás y será maior em
relação à do gás z:

a) 3 vezes My = 4 u
b) 8 vezes
Mz = 36 u
c) 9 vezes
d) 10 vezes vy Mz vy 36
= = 3 9
e) 12 vezes vz My vz 4

vy = 3 x vz

Prof.: Gleison Paulino