Anda di halaman 1dari 26

Pr.

Edmario de Jesus
Nossas boas obras não causam nossa salvação.
Nossas más obras não causam nossa perdição.
Nossa salvação baseia-se
em nossa contínua
aceitação de Jesus e Seu
sacrifício por nós, mediante
um relacionamento diário
com Ele. Não tem por base
nosso comportamento.
A salvação vai além do comportamento. E assim
também se dá com a perda da salvação!
Comportamento não é a linha divisória para
determinar o destino eterno de alguém.
Se, por fim, você se salvar, será devido ao que
fez em relação a Jesus como seu Salvador. As
boas obras indubitavelmente estarão presentes;
não são, porém, o que causou a sua salvação. Do
mesmo modo, se afinal perder-se, será porque
deixou a Jesus fora de seu coração, batendo em
vão, pedindo entrada. As más obras podem estar
presentes, mas serão o resultado, e não a causa.
“Conquanto as boas obras não salvem
alma alguma, é impossível que uma
única alma se salve sem as boas obras.”
– ME 377. E umas poucas páginas
adiante, no mesmo volume, ela
declara: “As obras não nos comprarão
a entrada ao Céu.” – ibidem 388.
Algumas pessoas chegam logo à conclusão de que
se as obras não nos salvam, então elas não devem
ser importantes. E se nossas obras más não causam
nossa perdição, então está certo praticá-las.
Não estamos falando sobre a importância das boas
obras. Não estamos falando sobre o propósito das
boas obras. Estamos falando sobre o método de
salvação. E quando se fala em salvação, as boas obras
não são a sua causa. Elas são o resultado.
O que, então, causa nossa salvação?

Sabemos que não são nossas boas obras. Romanos 3:20 afirma-
o com clareza. ''Ninguém será justificado diante dele por obras
da lei." Jesus é Aquele que nos salva, e somos salvos por aceitá-
Lo. "Abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre
os homens, pelo qual importa que sejamos salvos." Atos 4:12.
Nossa atenção não deve concentrar-se sobre
nossas ações, sejam elas boas ou más.

Toda vez que olharmos a nós próprios, fracassaremos. Ou


veremos nossa pecaminosidade e nos tornaremos desanimados,
ou veremos nosso bom comportamento e ficaremos
orgulhosos. É um beco sem saída, seja qual for a direção que
tomarmos. Somente olhando à Jesus estaremos seguros.
Paulo foi veemente na questão da
salvação pela fé em Cristo
somente. Mas ele não era contra
as boas obras. Ele havia sido uma
das pessoas de melhor
comportamento. Fil. 3
"Julgado pela letra da lei, segundo
os homens a aplicam à vida
exterior, havia-se afastado do
pecado; mas quando olhou as
profundezas dos santos preceitos
e se viu a si próprio como o via
Deus, prostrou-se, humilde, e
confessou a culpa." – Caminho a
Cristo, págs. 29 e 30.
Fiel é esta palavra, e quero que, no tocante a estas coisas, faças
afirmação, confiadamente, para que os que têm crido em
Deus sejam solícitos na prática de boas obras. Estas coisas são
excelentes e proveitosas aos homens.” (Tito 3.8)
As boas obras que Paulo fala são as obras
que Deus preparou para nós. Efe 2.10.
Tentar ajudar, curar, unir, ou até mesmo salvar a
humanidade sem Deus, e sem o único e verdadeiro
evangelho, não é nenhuma outra coisa senão uma
outra tentativa de construir Babel. É uma tentativa
centrada no homem de edificar a humanidade. É
pecado e rebelião disfarçada de justiça e compaixão.
As boas obras dos ímpios são feitas, não a partir de
um motivo para ajudar a humanidade em
obediência a Deus e para glorificar a Deus, mas para
ajudar a humanidade a despeito de Deus.
As boas obras são marca de um convertido, são
feitas para que andemos nelas (Efésios 2:10).
Não nos cansemos de fazer o bem,
principalmente aos da fé (Gal 6:9-10) e façamos
as boas obras para glorificar a Deus (Mat. 5:16).