Anda di halaman 1dari 37

Conversão de Energia II

T6CV2/N6CV2

3.a Aula: Descrição Física das Máquinas Elétricas


Descrição Física das Máquinas Elétricas
 Estator

 Nas ranhuras internas, mostradas na Fig. 2.1, são alojados três


enrolamentos idênticos espaçados de 120º el. Os enrolamentos são
normalmente de dupla camada, de passo fracionário, com bobinas
distribuídas e podem ter seis, nove ou 12 terminais.
Descrição Física das Máquinas Elétricas
 A Fig. 2.2 mostra a associação de bobinas em Δ e em Y para um
motor de 6 terminais. A numeração apresentada é um padrão
comumente usado.

Triângulo Estrela
LIGAÇÃO MOTOR DE 6 PONTAS

1 → Triângulo: Com a tensão nominal do enrolamento de fase igual a 220 V


(ver figura 2.1a);

 Estrela: Com o enrolamento conectado em estrela a tensão de linha passa a


ser √3 vezes a tensão do enrolamento em Δ (√3. 220 = 380V) (ver figura
2.1b);

(a) (b)

Fig. 2.1 – Ligações triângulo e estrela de um motor 6 terminais


Descrição Física das Máquinas Elétricas

 Para um motor de nove terminais as associações são apresentadas


na Fig. 2.3.
Descrição Física das Máquinas Elétricas

 Para um motor de 12 terminais as associações possíveis são


apresentadas na Fig. 2.4.
LIGAÇÃO MOTOR DE 12 PONTAS

No caso do motor de 12 terminais, existem quatro tipos possíveis de ligação:


 Triângulo em paralelo: a tensão nominal é 220 V (ver figura 2.2)
 Estrela em paralelo: a tensão nominal é 380 V (ver figura 2.2)
 Triângulo em série: a tensão nominal é 440 V (ver figura 2.2)
 Estrela em série: a tensão nominal é 760 V (ver figura 2.2)

Fig. 2.2 – Ligações estrela – triângulo em um motor de 12 terminais


LIGAÇÃO MOTOR DE 12 PONTAS

 A união dos terminais segue uma determinada ordem padrão. Existe uma
regra prática para fazê-lo: numera-se sempre os terminais de fora com 1, 2 e
3 e ligam-se os terminais restantes. No caso do motor de 12 terminais deve-
se ainda associar as séries e os paralelos com as bobinas correspondentes,
como por exemplo (1-4 com 7-10).
LIGAÇÃO MOTOR DE 12 PONTAS
Fechamento Duplo Triângulo:
LIGAÇÃO MOTOR DE 12 PONTAS
Fechamento Duplo Estrela:

Com a Tensão de Linha de 380V representadas em R, S e T temos,


respectivamente, as Tensões de Fase de 220V em cada uma das bobinas, sendo
que:
LIGAÇÃO MOTOR DE 12 PONTAS

Fechamento Triângulo:
LIGAÇÃO MOTOR DE 12 PONTAS
Fechamento Estrela:

 Os conjuntos de bobinas são associados em série a fim de garantir a


distribuição da tensão de fase de forma proporcional a cada uma. Sendo a
tensão de Linha (Alimentação ) de 760V podemos deduzir que a tensão de fase
será de 440V:
Placa de Identificação do Motor
 Uma última característica importante do motor de indução a ser
citada é a sua placa de identificação, que traz informações
importantes e, algumas estão listadas a seguir:
Placa de Identificação do Motor
→ CV: Potência mecânica do motor em cv. É a potência que o motor
pode fornecer, dentro de suas características nominais.

→ Ip/In: Relação entre as correntes de partida e nominal;

→ Hz: Freqüência da tensão de operação do motor;

→ RPM: Velocidade do motor na frequência nominal de operação;

→ V: Tensão de alimentação;

→ A: Corrente que o motor absorve da rede quando funciona à


potência nominal, sob tensão e frequência nominais;

→ F.S: Fator de serviço: Fator que aplicado à potência nominal, indica


a carga permissível que pode ser aplicada continuamente ao
motor, sob condições especificadas.
 Rotor
 Existem dois tipos básicos de construção:

1. Rotor Bobinado ou de Anéis: O rotor possui ranhuras abertas


onde são alojados três enrolamentos idênticos e espaçados de 120º el.
Três terminais desses enrolamentos são unidos (Y) e os outros três
são levados a anéis de cobre montados sobre o eixo e isolados entre
si e do eixo, como mostrado na Fig. 2.5.

 Nos terminais dos enrolamentos, através de escovas deslizantes, um


reostato trifásico conectado em Y é usado para inserir resistência elétrica no
circuito do rotor. O reostato pode ser operado manualmente ou por meio de
um servo-motor.
 Rotor

2. Rotor de Gaiola de Esquilo: Neste caso, as ranhuras são fechadas


e nelas é injetado alumínio fundido que, depois de resfriado, formará
barras condutoras no sentido axial. Nas duas extremidades do pacote
magnético são fundidos dois anéis, também de alumínio, interligando
os terminais de todas as barras. Costuma-se fundir, juntamente com os
anéis, as pás de um pequeno ventilador. A Fig. 2.6 mostra a
construção típica do rotor gaiola de esquilo.
 Carcaça

 É feita de ferro fundido e serve de suporte mecânico para o estator,


rotor e terminais dos enrolamentos. Nos catálogos de fabricantes,
um motor tem sua carcaça indicada por um número. Por exemplo,
motores de 1 cv utilizam carcaça 71. Isto significa que a distância
(H) entre o ponto de apoio do motor (pé) e o centro da carcaça é de
71 mm. Esta medida fornece uma ideia das dimensões da
máquina.
Vista em corte de um motor de indução trifásico
com rotor de gaiola.
Outras Partes

 Motores com rotores bobinados contêm em sua construção anéis e


escovas, que têm a função de permitir ligar um ponto do rotor ao
exterior. Anéis e escovas constituem pontos das máquinas onde são
importantes as preocupações com o desgaste e consequentes
custos de manutenção.
Anéis e escovas
Outras Partes

 Mancais e rolamentos são outros itens que levam a custos de


manutenção, têm por objetivo apoiar o eixo do rotor na carcaça e
facilitar o giro do mesmo (requerem lubrificação para reduzir atrito, o
desgaste com o tempo faz com que o motor se torne ruidoso e vibre
mais).

 A fim de evitar o acúmulo de umidade nos enrolamentos estatóricos,


motores de grandes potências costumam ter um pequeno circuito
auxiliar dentro da carcaça para manter a temperatura a níveis
adequados quando o motor não está em funcionamento.
Velocidade Síncrona

 A velocidade síncrona de um motor é definida como a velocidade de


rotação de um campo girante, e é dependente de dois fatores:
frequência da rede (f), dada em hertz e do número de pares de polos
(p).

 Construtivamente os enrolamentos podem possuir um ou mais


pares de polos que se encontram sempre alternadamente dispostos
no enrolamento. A cada ciclo o campo magnético girante percorre
um par de polos, assim, a velocidade do campo é dada pela
expressão.

(1)
Exercicios:

1) Determine a rotação de um motor de 4 polos que opera em uma


frequência nominal de 60 Hz.
Velocidade Síncrona
 Para que exista a formação de pares de polos, o número de polos
deverá ser sempre par. Para as “polaridades” e frequências mais
usuais, temos as seguintes velocidades síncronas:
Escorregamento

 Considerando que o rotor esteja girando na velocidade constante de


“n” rpm no mesmo sentido que o campo girante do estator, sendo ns
rpm a velocidade síncrona do campo de estator, dada pela equação 1.

 A diferença entre a velocidade síncrona e a velocidade do rotor é


citada usualmente como velocidade de escorregamento do rotor.

(2)

Onde:

Velocidade de escorregamento
Velocidade sincrona
Velocidade do rotor
Escorregamento
 O escorregamento (S) é geralmente definido como uma fração da
velocidade síncrona.

(3)

(4)

(5)
Escorregamento

 Um motor de indução não pode funcionar com a velocidade síncrona,


pois neste caso o rotor estaria estacionário com relação ao campo
girante e não seria induzida nenhuma fem no rotor.

 Por isso, os motores de indução também são classificados como


motores assíncronos ou não síncronos.

 A velocidade do rotor deve ser ligeiramente menor do que a velocidade


síncrona, a fim de que seja induzida uma corrente elétrica no rotor e,
consequentemente, seja produzido um torque que fará o rotor girar.
Escorregamento

 Quando um motor gira com uma velocidade diferente da velocidade


do campo girante (velocidade síncrona), circularão correntes induzidas
no rotor, quanto maior a carga maior será o conjugado necessário
para acioná-la.

 A obtenção de um maior conjugado pode ser conseguida


aumentando a diferença entre as velocidades do rotor e do
campo girante no estator para que os campos gerados e as
correntes induzidas sejam maiores.

 Na condição do motor trabalhando a vazio (sem carga), o mesmo


apresentará uma rotação muito próxima à rotação síncrona.
Escorregamento
 Com a aplicação de uma carga ao rotor, ocorre a redução da
velocidade com o consequente aumento do escorregamento, da
frequência da corrente no rotor e da sua força eletromotriz induzida.

 Com o aumento da corrente induzida no rotor, tem-se um aumento na


corrente primária no estator com melhor fator de potência produzindo
maior potência mecânica e exigindo maior potência da rede.

 A condição de equilíbrio entre o torque gerado pelo motor e o torque


resistente da carga ocorre quando o motor está à plena carga.

 O fator de potência varia de 0,8 em motores de baixas potências,


próximas a 1 cv, para cerca de 0,95 para motores de maiores
potências, acima de 150 cv. Com cargas acima da plena carga, o fator
de potência se aproxima de um máximo e então decresce rapidamente
 Se o motor atingir a velocidade síncrona, não haverá velocidade
relativa, não havendo força eletromotriz induzida e nem torque sobre
o rotor. Por consequência, o motor irá desacelerar

 Para manter a máquina em movimento é preciso que o torque do


motor seja igual ao torque resistente.

 Assim, o MIT deve operar sempre abaixo da velocidade síncrona e


sua velocidade será tanto menor quanto maior for a carga acoplada
ao seu eixo.

 A energia é levada do estator para o rotor de forma indutiva, sem


contato elétrico. Por essas razões, o motor é conhecido como motor
de indução.
 Para o MIT: 0≤ s ≤1, o que resulta em:
Rotor bloqueado

 A f.e.m. induzida na gaiola é proporcional à velocidade relativa entre


a gaiola e o campo girante (Lei de Lenz). Assim, para o rotor
bloqueado ( ) a f.e.m. induzida no rotor vale:

 Para uma velocidade qualquer:


S
Escorregamento

 A frequência da corrente induzida no rotor é dada pelo produto da


frequência da corrente no estator pelo escorregamento, ou seja:
 A corrente trifásica do estator induz na gaiola corrente trifásica, que da
mesma forma que no estator, produz um campo girante de velocidade
( ), produzira no rotor um campo girante denominado :

Onde:

Velocidade do campo girante no rotor


Frequencia do rotor
N.o de polos do motor
 A velocidade do campo do rotor em relação a estrutura física do rotor
é a velocidade de escorregamento Wesc.

Onde:

Velocidade do rotor
Velocidade de escorregamento
Velocidade do campo girante no estator
 Em relação ao estator, tem-se:

Onde:

Velocidade do rotor
Velocidade do campo girante no rotor
Velocidade do campo girante no estator
Exercicio 1
Um motor de indução trifásico de 230 V, 50 Hp, 60 Hz, 6 pólos, entrega
a potência nominal com um escorregamento de 5%. Calcular:
a) A velocidade do campo magnético girante, ns.
b) A frequência da corrente do rotor.
c) A velocidade do rotor.
d) A tensão induzida na bobina do rotor supondo que a relação de
transformação seja 3:1.
Exercício 2:

 Um estator trifásico de uma máquina de indução de seis polos é alimentado por


tensões elétricas trifásicas equilibradas, cuja frequência é 60 Hz. O rotor gira
com velocidade igual a 1.020 rpm, no mesmo sentido da velocidadedo campo
do estator. Pergunta-se:

1. Qual a velocidade síncrona da máquina em rpm?


2. Qual o escorregamento?
3. Qual a frequência elétrica das tensões induzidas no rotor?
4. Qual a velocidade do campo do estator em relação a estrutura física do
estator ?
5. Qual a velocidade do campo do rotor em relação a estrutura física do rotor ?
6. Qual a velocidade do campo do rotor em relação a estrutura física do estator
?
Aula Prática:

 Provar a existência do Campo Girante num Motor Trifásico de Indução

https://www.youtube.com/watch?v=VlQiXcK9jWo