Anda di halaman 1dari 64

Riscos relacionados às

atividades de Beleza

Profa. Me. Rosângela B. Vasconcelos


Risco e Perigo
 “Risco é a probabilidade ou  Perigo
chance de lesão ou morte”  É a expressão de uma
(Sanders e McCormick, 1993, p. qualidade ambiental que
675). apresente características de
 “ Risco é a probabilidade de possível efeito maléfico para a
ocorrer um evento bem definido saúde ou para o meio
no espaço e no tempo, que causa ambiente.
dano à saúde, às unidades
 Também pode ser definido que é o
operacionais, ou dano conjunto de propriedades inerentes
econômico/financeiro. a um processo, que em
determinada condição possa
causar efeitos adversos à saúde
ou ao meio ambiente, dependendo
do grau de exposição.
A principal diferença entre Riscos e
Perigos está na exposição.
 O Risco advém da
exposição a um certo
Perigo.
 O Perigo pode ser um produto
químico, uma máquina rotativa, uma
superfície quente, um chão
escorregadio, uma área ruidosa, uma
área com alta temperatura, área
energizada, entre outros.
 Contudo, essa lesão só acontece se
houver exposição do trabalhador a
esses Perigos. Essa exposição tem a
ver com a proximidade do
trabalhador à fonte de perigo.
MEDIDAS DE CONTROLE -
COMO REDUZIR O RISCO
 O controle do risco pode ser obtido de duas
formas: eliminando o perigo ou reduzindo
a exposição a ele.
 As medidas de controle de riscos devem
seguir a seguinte sequência hierárquica:
 Eliminação;
 Substituição;
 Controles de Engenharia;
 Sinalização / alertas e/ou controle administrativos;
 Equipamentos de Proteção Individual - EPI.
Tipos de Riscos

 Riscos biológicos
 Exposição à microorganismos como bactérias,
fungos, parasitas, protozoários, vírus ou
substâncias e objetos contaminados.
 Deve ser considerado características dos
microorganismos como patogenicidade, modo de
transmissão, se existem medidas profiláticas,
tratamento.
Tipos de riscos

 Riscos Químicos
 Substâncias, compostos ou produtos que podem
entrar em contato cm o organismo por via
respiratória, absorvidos pela pele ou por ingestão
na forma de gases, vapores, neblinas, poeiras.
 Riscos físicos
 Agentes mais comuns são ruídos, calor, vibração,
pressões anormais, radiação ionizante ou não,
ultrassom e infrassom.
Tipos de Riscos

 Riscos de acidentes
 Ocasionado por arranjo físico deficiente,
eletricidade, máquinas, equipamentos,
armazenamento inadequado.
 Risco ergonômico
 Elementos físicos e organizacionais que
interferem no conforto da atividade laboral e nas
características psicofisiológicas do trabalhador.
RISCOS BIOLÓGICOS
 Em estética e cosmética incluem
 Qualquer material contaminado com
microorganismos, como secreções, sangue,
anexos cutâneos (pelos, cabelos, unhas,
cutículas) e pele não-íntegra.
 Bactérias, vírus, fungos, protozoários
Conceitos

 Microbiota natural
 Microrganismos que se associam simbioticamente
aos seres humanos, colonizam diversos tecidos e
órgãos como pele, trato gastrointestinal,
geniturinário... São benéficos.
 Microrganismos patogênicos
 Espécies causadoras de doenças
 Doença infecciosa
 Manifestação clínica de desequilíbrio provocado pelo
aumento da patogenicidade do parasita em relação
aos mecanismos de defesa do hospedeiro.
Vias de transmissão e contaminação

 Transmissão direta x Indireta

Contato físico por Por meio de instrumentos


via cutânea ou contaminados, como
secreções perfurocortantes

 Tipos de contágio
 Via aérea
 Via cutânea
 Via ocular
Vias de transmissão e contaminação

 Via de contágio aérea


 Inalação de microorganismos presentes na forma
de aerossol e gotículas.
 Os aerossóis podem ficar em suspensão e propagar por
longas distâncias e contaminar grande nº de pessoas.
 Importante a circulação de ar.
 As gotículas alcançam mucosas do nariz e boca e exige
proximidade entre os envolvidos, não permanecem
suspensas e se depositam em superfícies  Importante
limpeza sem varredura e uso de máscaras.
Vias de transmissão e contaminação

 Via de contágio cutânea


 Contato de sangue e secreções contaminadas
com a pele não-íntegra (cortes, pústulas,
dermatites)  aqui as mãos são fontes de
transmissão.
 Formas de contágio:
 Mucosas: respingo na face
 Percutâneas: lesões por perfurocortantes (agulhas e
alicates)
 Cutâneas: contato com pele não íntegra (pústulas)
Doenças infecciosas transmitidas
ocupacionalmente na beleza
 Embora se trate de um risco de baixo nível, o certo é que os
profissionais dos salões de cabeleireiro podem estar em contacto
com clientes portadores de doenças contagiosas, como a sida, a
hepatite B ou outras afecções susceptíveis de afectar a sua saúde e
a de outras pessoas que venham a utilizar os serviços do salão.
Doenças infecciosas – AIDS
 Síndrome da imunodeficiência adquirida
 Provocada pelo vírus HIV
 Caracterizada pela imunossupressão e destruição
de células do sistema imunológico conhecida por
linfócito T4.
 A elevação da prevalência do HIV no Brasil 
Aumenta o risco ocupacional.
 Risco de transmissão em acidentes percutâneos 0,3%
 Risco de transmissão por exposição mucosa 0,09%.
 Risco remoto de contágio ocupacional, chega a ser 100 vezes
menor que o risco de contágio pela hepatite B.
 Sobrevive por 15 min. Instrumentos que tiveram contato.
Doenças infecciosas – Hepatites
 Provocada por vírus, os mais comuns são
hepatites A, B, C e D.
 As vacinas previnem somente as A e B.
 Hepatite A
 Transmissão oro-fecal, alimentos e água
contaminados
 Hepatite B e C
 Transmissão por contato sexual, exposição à
materiais biológicos contaminados... São mais
comuns infecções ocupacionais em beleza.
Doenças infecciosas – Hepatite B

 Causada pelo vírus HBV


 Transmitida ocupacionalmente por meio de
instrumentos perfurocortantes contaminados
 Sangue é o principal veículo, mas pode ser
transmitido também por suor, lágrimas, sêmen
 Os sintomas podem demorar anos para aparecer
 Sintomas
 Febre, dor nas articulações, náuseas, mal estar, dor de
cabeça, icterícia e colúria...quando fica crônica provoca
cirrose e câncer hepático.
Doenças infecciosas – Hepatite B

 Risco de contágio
 40% em exposição percutânea.
 Pode permanecer por até 2 semanas em
instrumento infectado e a maioria dos
desinfetantes não tem ação sobre ele.
 Riscos em procedimentos: tatuagem, pedicuro,
acupuntura.
Doenças infecciosas – Hepatite B

 Prevenção
 Vacinação
 Vacinação altamente efetiva, com fragmentos do
antígeno da hepatite B o que leva o corpo a produzir
anticorpos.
 Três doses intramusculares (2º dose após 2 meses, e 3º
dose após 5 meses da 1º)
 Imunidade dura por 10 anos, e às vezes por toda a vida.
 Disponível para profissionais de saúde.
Doenças infecciosas – Hepatite C

 Causada pelo HCV


 Assintomática com progressão lenta (20 anos)
 Diagnóstico por exames de rotina.
 Pode ser transmitido pelo sangue e qualquer secreção.
 Estima-se que 3% da população mundial seja portador
 pode evoluir para cirrose e câncer
 O vírus sobrevive por até 3 dias em superfícies
 NÃO HÁ VACINAÇÃO...
Doenças infecciosas - Onicomicoses

 Crescimento de fungos nas unhas e dobras


periungueais
 Fungos dermatófitos
 Alterações clínicas
 Unhas esbranquiçadas, fendas, descolagem,
hiperceratose subungueal, perda de brilho, opacidade e
destruição da unha.
 Transmitidos por:
 Cortadores, espátulas, alicates de cutícula, toalhas
úmidas.
Precaução e cuidados

 Uso de EPI
 Higienização de mãos
 Limpeza, descontaminação, e esterilização
 Uso de descartáveis: palito, lixa, lençol
 Troca de toalhas
 Limpeza e organização
 Gerenciamento de resíduos
 Vacinação
Vacinação dos profissionais

 A todo trabalhador dos serviços de saúde


deve ser oferecido gratuitamente programa
de imunização ativa contra:
 Tétano
 Difteria
 Hepatite B
RISCOS QUÍMICOS
 Manuseio de produtos químicos que podem
provocar danos físicos ou prejudicar a saúde.
 Toxicidade  capacidade de uma substância
provocar efeito nocivo.
 Como não é possível alterar a toxicidade do
produto a redução do risco ocorre por diminuição
da exposição Uso de EPIs.
Exemplo de substâncias químicas tóxicas utilizadas em cosmetologia e
estética
SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS EXEMPLOS
Substâncias Inflamáveis Álcool, acetona
Substâncias tóxicas Produtos com amônia, alisantes
capilares, formaldeído
Substâncias corrosivas Produtos com alisantes com hidróxido
e substâncias com cloro.
Substâncias oxidantes Descolorantes capilares com peróxido
de hidrogênio
Propriedades das substâncias químicas

 Mutagênicidade:
 Capaz que produzir mudança ou mutação no
material genético
 Carcinogênese
 Capaz de produzir câncer ou tumores
 Teratogenicidade
 Capaz de provocar mal formação fetal
Propriedades das substâncias químicas

 Vias de penetração
 Respiratória
 Oral
 Cutânea
 Ocular
 Ação local x ação sistêmica
 Fatores individuais que influenciam
 Idade, sexo, doenças preexistentes, jornada de
trabalho, condição socioeconômica (estado
nutricional)
Propriedades das substâncias químicas

 Frequencia e duração da exposição


 Exposição aguda
 Exposição subcrônica
 Exposição crônica
Prevenção
 Numa perspectiva de prevenção, é importante dar prioridade,
sempre que possível, aos produtos menos perigosos e à respectiva
utilização nas quantidades estritamente necessárias.
 As embalagens destas substâncias devem ser colocadas, quando
vazias, em contentores adequados e com características
estanques.
 Sempre que as operações a executar o permitam, é indispensável a
utilização de luvas adequadas para evitar a exposição cutânea, o
que, em qualquer dos casos, nunca dispensa uma boa higiene das
mãos.
 A zona pré-destinada ao armazenamento de substâncias perigosas
deve estar dotada de ventilação adequada, e de outros requisitos
que eventualmente sejam considerados necessários nas
respectivas fichas de segurança, como por exemplo, sinalização de
proibido fumar ou foguear, substâncias inflamáveis, etc.
RISCOS FÍSICOS E DE
ACIDENTES
Riscos físicos x Riscos de Acidentes

 Riscos físicos  Riscos de acidentes


 Fatores que afetam a
 Ruídos, temperaturas integridade física ou
excessivas, vibrações, moral do trabalhador.
pressões anormais,  Estrutura física
radiação, umidade deficiente, máquinas e
equipamentos sem
proteção, ferramentas
inadequadas ou
defeituosas, incêndio,
explosão, eletricidade.
Riscos Físicos
 Ruído
 Ruídos intensos e permanentes
 Alteração no sistema auditivo, humor, concentração,
cardiovasculares, perda de atenção.
 Manifestação dos sintomas imediatamente ou gradual.

 Segundo OMS ruídos acima de 55 decibéis (dB)


é o início do estresse auditivo...
Riscos Físicos - Ruído
Riscos Físicos - Ruído
Riscos Físicos - Ruído
Riscos Físicos - Temperaturas

 Sintomas do calor
 Desidratação, erupção da pele, cãibras, fadiga
física, problemas circulatórios, insolação...
 Sintomas do frio
 Feridas, rachaduras e necrose, agravar doença
reumática, doenças vias respiratórias.
 Principal risco
 Manuseio da autoclave e estufas durante
esterilização, uso de chapinhas e secadores,
ceras quentes
Riscos Físicos - Radiações

 Formas de energia transmitida por ondas


eletromagnéticas e a absorção dessa
radiação pelo organismo provoca lesões.
 Radiação Ionizante: Raio-X e radioterapia,
provoca alterações no material genético.
 Radiação não – ionizante:
 Infravermelho: operação de fornos
 Ultravioleta: raios laser, micro-ondas
 Podem provocar lesão na pele, queimaduras,
conjuntivite e catarata
Riscos Físicos - Radiações

 A exposição em estética está relacionada ao


uso de equipamentos capilares e estéticos
com laser...
RISCOS DE ACIDENTES

 Arranjo físico deficiente


 Área insuficiente para trabalho, má arrumação e
limpeza, sinalização incorreta ou inexistente, piso
inadequado.
 Máquinas e equipamentos sem proteção
 Ferramentas inadequadas ou defeituosas
 Eletricidade
 Instalação elétrica imprópria, com defeito, exposta, fios
desencapados, falta de manutenção e aterramento.
Medidas de prevenção ou minimização
de riscos físicos e de acidentes
 Espaço físico adequado ao n° funcionários e
atendimentos
 Reduzir exposição em atividades de ruído
 Instalações elétricas dimensionadas e
providas de disjuntores, os quais devem ter
localização conhecida
 Evitar fios soltos e desencapados
 Equipamentos ligados em tomadas
individuais
RISCOS ERGONÔMICOS
Riscos Ergonômicos

 Estudas as relações entre os homens e seu


ambiente de trabalho
 Aplicação das ciências biológicas humanas em
conjunto com os recursos e técnicas da
engenharia para alcançar o ajustamento mútuo,
ideal entre o homem e o seu trabalho.
 Riscos ergonômicos são fatores que afetam
a integridade física ou mental do trabalhador
causando desconforto ou doenças
 Esforço físico Podem provocar
Lesões por esforço
 Levantamento de peso repetitivo/Distúrbio
 Postura inadequada osteomusculares
relacionados ao
 Controle rígido de produtividade
trabalho, cansaço
 Situação de estresse físico, hipertensão,
alteração de sono,
 Trabalho em período noturno
gastritre, ansiedade,
 Repetitividade problemas na
 Condições ambientais inadequadas coluna...
 Postura
 A dor lombar é a principal causadora de
morbidade e incapacidade no trabalho
 A postura correta na execução das atividades
pode prevenir lesões.
 Movimentos repetitivos
 LER/DORT – Lesão por esforço repetitivo
 Lesões em tendões, músculos, articulações,
principalmente em membros superiores
 A Manutenção de postura inadequada costuma ser a
principal causa por provocar desequilíbrio muscular e
compressão de nervos.
 Os profissionais esteticistas estão expostos a esse
risco, principalmente durante atividades manicure,
Podologia, massoterapia, maquiagem, cabeleireiros.
 Condições do ambiente de trabalho
 Iluminação
 Não deve ser excessiva
 Aproveitar a luz natural e complementar com artificial

 Conforto térmico

 Organização do trabalho
 A prevenção de todos estes riscos passa
pela organização do trabalho, isto é, pela
rotação de tarefas entre os diversos
profissionais, de modo a evitar que tenham
de trabalhar, durante longos períodos, nas
mesmas posições.
 O mobiliário (como a cadeira dos clientes, o
banco de corte e outros equipamentos), deve
ser regulável e disposto de forma a prever
espaço útil suficiente que permita a cada
profissional adoptar posturas de trabalho
correctas.
Radiações