Anda di halaman 1dari 10

A HISTORIA DA CRIANÇA E DA

FAMILIA
PHILIPPE ARIES
 A característica que marcou este período foi o fato de as crianças
estarem inseridas no mundo adulto, sem diferenciação específica.

 Suas vestimentas eram praticamente iguais as de seus pais e até


certa idade, tornava-se difícil distinguir meninos de meninas.

 Todas eram tratadas como mini-adultos, além de viverem em um


mundo sem censura.

 Somente a partir do século XVII começou a se reconhecer a


necessidade de discernir a participação das crianças no mundo
adulto.

 A criação da infância trouxe consigo a visão da criança no âmbito


familiar como um brinquedinho frágil, comparado a um anjo

 Algumas doutrinas foram adotadas após sua criação como manter a


vigilância contínua sob as crianças,

 ter uma maior preocupação com a decência, habituá-las desde cedo


à seriedade e evitar o mimo em excesso.
 Ate os 7 anos a criança era criada em casa
 Dos 7 ou 9 ate os 14 ou 18 eram chamados de aprendizes e viviam em casas de
desconhecidos servindo-os e aprendendo

 A principal obrigação da criança para o mestre era servi-lo bem (servir a


mesas e aprender a se comportar nela por ex)

 As meninas são educadas em casa (ate o sec 18 e 19)

 A servidão era vista como aprendizagem, era a forma comum de


educação, assim a criança aprendia novos valores

 As escolas na idade media eram para os clerigos.

 A ideia principal é que a transmissão direta de conhecimento (pratica) era


mais util

 A criança era afastada da familia devido ao aprendizado de vida e a vida


não alimentavam o sentimento profundo.
 A criança se misturava na vida adulta e isso era visto de maneira
comum

 A familia era uma entidade moral, existia o amor, o convivio não.

 As meninas também eram trocadas entre as famílias para aprenderem


a serem donas de casa até que casassem, por volta dos 13 a 14 anos.

 No sec XV a escola se torna mais importante, um instrumento comum


de passagem da infancia para a vida adulta

 Surgia a ideia de isolar a criança inocente do “mundo sujo” dos adultos

 A escola como principal meio de aprendizagem trouze uma mudança


na vida das familias = a ideia de sentimentalismo que agora era a base
da familia.
 Mantinham os filhos mais proximos possiveis
 Privilegio do filho mais velho ou escolha dos pais
foi a base familiar no fim da idade media (ate o sec
17)

 Na metade do sec 17 a igreja era contra a


hereditariedade de bens pois ia contra o novo
conceito de familia afetiva

 Começou a ideia de igualdade entre as crianças e


os pais eram obrigados a aceitar essa igualdade

 Os outros filhos se sentiriam menosprezados


 Sec 18 – FAMILIA MODERNA
 Diferente de antes agora existe o afeto
 A familia moderna se forma
 Fechada, privada, separada do mundo exterior
 Define-se papeis para os familiares
 FAMILIA PATRIARCAL – pai (homem) é o chefe da familia
 O sexo e o amor eram coisas separadas

 Sec 20 - FAMILIA MODERNA


 Base é o amor romantico
 Novas formulas de papeis
 Não existe o amor sem sexo
FAMILIA MODERNA
 Sec 18

 Mantem a sociedade a distancia

 Organização da casa era vida particular (defesa


contra o mundo)

 A casa refletia essa privacidade (quartos


separados)

 Surge entre a burguesia e a nobreza


PRIVACIDADE

 isolamento da familia

 Privacidade é recente e limitada as cidades

 Segundo aries:
 O sentimento da familia seguem a vida privade e
intimidade domestica
 Esse sentimento não se desenvolve se a familia estiver
aberta
TRATADO DE CIVILIDADE
 Soma dos conhecimentos praticos e necessarios
para se viver

 E não se aprendia na escola (já existia antes da


escola aberta)

 A escola era so para complementar o


conhecimento
RESUMO
 Educação era atreves do aprendizado pratico (aprendiz)

 Filhos mais velhos tinham privilegios

 O sentimento familiar surge com as escolas

 Muda a forma de contato e interação

 Surge a familia moderna

 Todos definem seus papeis na familia

 A familia é isolada (nucleo familia): sentimento, afeto e


privacidade