Anda di halaman 1dari 91

Fatores de

multiplicação
de uma célula
1
Fatores de multiplicação

1. O tempo devocional do Líder da célula


 Você só pode dar aquilo que você tem! (At 3:6)
 Se o líder não prepara a reunião, não se coloca
diante de Deus para receber vida, ele não pode
transmitir essa vida. A célula é um lugar onde as
pessoas vão receber de Deus, mas se o líder não
esteve diante de Deus ele não tem nada para passar
para os irmãos. Ele somente faz uma reunião, mas
não edifica os irmãos.

2
Fatores de multiplicação

2. A intercessão do Líder pelos membros


 O tempo que o líder gasta com Deus em seu preparo
para a reunião da célula é determinante para o
crescimento da célula. O líder deve ter revelação do
seu papel diante de Deus e dos irmãos. Isso faz parte
do gerar!
 Use a criatividade para levar os irmãos a orar. Faça
tudo que está ao seu alcance para levar os irmãos a
orarem. (Fotografia, tapete de oração, disco de
oração, caixinha de pedidos de oração.)

3
Fatores de multiplicação

3. O tempo que o líder gasta com Deus em


seu preparo para a reunião da célula.
 O líder deve ter discernimento do tempo e do
modo (Ec 8:5) ao ministrar para os irmãos.
Precisamos saber, em Deus, o que os irmãos
precisam receber para crescer.
 Preparar o louvor antecipadamente e não
somente cantar uma música.
4
Fatores de multiplicação

4. A organização prática da célula


 O líder deve preparar o ambiente para
receber os irmãos.
1. Chegar mais cedo na reunião.
2. Receber os irmãos na porta.
3. Preparar antecipadamente o lanche.
4. Colocar as cadeiras na melhor disposição.
5. Escrever os avisos.
6. Colocar o quadro ou banner dos alvos.
5
Fatores de multiplicação

5. Estabelecer alvos da célula.


 O líder deve estabelecer alvos para a
célula:
1. Data da multiplicação da célula.
2. Líderes em treinamento.
3. Curso de Treinamento de líderes.
4. Encontro.
5. Consolidação.
6. Batismo.
6
Fatores de multiplicação

6. Conhecer os estágios da célula


 Se o líder não conhece o estágio atual da
célula ele não sabe como agir com os irmãos e
corre o risco de perder os seus membros.

7
Fatores de multiplicação

7. Conhecer a data da multiplicação.


 A multiplicação tem um aspecto divino e um
aspecto humano. O aspecto divino requer
oração, jejum, clamor, mas o aspecto humano
envolve a disposição do líder para trabalhar. A
multiplicação é um caminho! Esse caminho
deve ser claro.

8
Fatores de multiplicação

8 . Treinamento dos líderes em treinamento


 É uma questão de decisão. O líder que não
consegue levantar lideres em treinamento não
está conseguindo passar o DNA da liderança. A
visão de células é uma visão de liderança. Não
multiplicamos células, geramos líderes. Cada um
gera segundo a sua espécie.

9
Fatores de multiplicação

8 . Treinamento dos líderes em treinamento


 O líder de célula ensina fazendo junto com
ele. Primeiro o líder em treinamento vê,
depois ele faz junto e depois faz sozinho.
 Lideres não nascem sozinhos, mas são
gerados, eles são formados através do
discipulado.

10
Fatores de multiplicação

9. Treinamento de liderança
 A célula que não envia ninguém para o
Cursão está fadada a não se multiplicar.
 O líder não pode se esquivar da sua
responsabilidade. Ele deve ligar, ir atrás,
visitar, levar cartas e fazer antecipadamente
as suas matrículas.

11
Fatores de multiplicação

10 . Estímulo para se convidar amigos.


 Se a média de freqüência de uma célula é
muito baixa essa célula não vai romper.
 Se você quer ganhar 10 pessoas, convide 100
pessoas. Crie algo para que os membros
tragam amigos (semana do mais amado, dia
do amigo, eventos ponte, testemunhos do
Encontro)

12
Fatores de multiplicação

11. Eventos de Comunhão.


 Os eventos de comunhão são chave para
fazer a célula crescer. Uma célula que ainda
não virou uma família, uma turma, ainda não
é uma célula.
 Quando o líder da célula não investe em
comunhão, quando for necessário desafiar ou
confrontar ele terá dificuldades pois será visto
somente como um chefe.

13
Fatores de multiplicação

12. Nível de cuidado pastoral (anjo da


guarda)
 Célula que tem 12 membros, mas uma
freqüência de 06 significa que é um culto no
lar. Provavelmente o líder não liga e não
acompanha os membros. O nível de
acompanhamento é baixo. A célula não se
tornará uma família, um time, uma equipe.

14
Fatores de multiplicação
13. Atitude do líder
 A atitude de um líder determina o tipo de líder
que ele é. Há coisas que não dependem de
jejum e oração, mas da atitude de um líder. Se
um membro faltou a reunião o líder não deve
apenas orar por ele, mas deve ligar, visitar e
saber o motivo por que ele não foi à reunião.
Nada acontece por si só! A obra de Deus é uma
lavoura. (1 Co 3:9)

15
Fatores de multiplicação

14. Evangelismo do grupo (evento-ponte)


 O líder deve criar estratégias para mobilizar o
evangelismo (saindo da toca, impacto, as
quatro leis espirituais...)

16
Fatores de multiplicação

15. Quantos enviou para o Encontro


 Para sabermos que tipo de líder e
discipulador temos na rede temos que saber
quantas pessoas ele enviou ao encontro. O
encontro deve ser valorizado, preparado
antecipadamente e mobilizado.

17
Fatores de multiplicação

16. Mentalidade do Discipulador


 O discipulador tem que mudar a sua mentalidade
de coletor de dados ou supervisor para
discipulador. O discipulador deve ter a
mentalidade de pensar a igreja estrategicamente.
Como avaliar tendências, como identificar
problemas e não apenas fornecer dados ao
pastor.

18
Fatores de multiplicação

17. Líder motivado


 O discipulador ou o pastor deve constantemente
motivar os seus líderes.
 As pessoas tem encargo por aquilo que elas
valorizam, mas também realizam porque são
valorizadas. Quando você honra os seus líderes
você está motivando toda sua igreja.
 O líder motivado com certeza vai multiplicar.

19
Fatores de multiplicação

18. Acompanhamento pastoral


 O discipulador ou o pastor deve constantemente
acompanhar as suas células através das
reuniões e dos relatórios.
 O pastor deve fazer reuniões semanais com os
discipuladores para avaliação e reuniões
mensais com a liderança para motivar e
acompanhar.

20
Inimigos da Visão
Inimigos da Visão

 1. O clericalismo
 Clericalismo é o sistema que surgiu dentro da
Igreja depois do quarto século. Ele estabelece que
na igreja há dois tipos de pessoas: os
especialmente dotados - chamados clérigos - e os
ignorantes e incapazes - chamados de leigos. O
sistema de clérigos e leigos é maligno e uma
grande ameaça para as células, pois ele anula
completamente o conceito básico do sacerdócio
universal dos crentes!

22
Inimigos da Visão
 2. Templismo
 Até o século terceiro, a Igreja não tinha templo. Estes
surgiram com Constantino, no século IV, quando sua
mãe, chamada Helena, espalhou templos por todo o
Império Romano. Os templos, portanto, não são
característica da Igreja do Senhor Jesus.
 Para muitos a igreja não passa de um prédio feito de
concreto. Chegam mesmo a reverenciar o lugar, e se
atrevem a chamá-lo casa de Deus. Eles dizem que
estão indo à igreja, se referindo ao edifício.

23
Inimigos da Visão

 4. Tradição
 Tradição é a atitude de sacralizar algo que
Deus fez no passado. Naquele momento,
era direção de Deus, mas Deus avançou e
nós ficamos presos no passado. É perder
o vento e ficar à deriva. Quando não
conseguimos seguir o mover de Deus,
perdemos o fluir nas células.

24
Inimigos da Visão

 5. Medo
 Fé é correr riscos com Deus. Não podemos viver
numa estrutura totalmente sem riscos. A partir do
momento que abrimos o trabalho para mais
líderes, os riscos se estabelecem. É tolice ficar
parado sem fazer nada, porque algo é arriscado.
O melhor é termos um bom trabalho de
supervisão e corrigirmos os possíveis desvios,
assim que eles forem detectados.

25
Inimigos da Visão

 6. Transformar um grupo em congregação.


 Depois que a célula cresce, começa a haver uma
certa resistência quanto à sua multiplicação. Dessa
forma as reuniões se descaracterizam e se torna
uma pequena congregação. Uma congregação não
deve ser fruto de um grupo que resistiu à
multiplicação. Qualquer grupo que se recusa a
multiplicar-se, deve ser encerrado.

26
Inimigos da Visão

 7. Critérios muito altos para se constituir


um líder.
 Colocamos como líder de célula uma pessoa que,
mesmo sendo recém-convertida, seja cheia do
Espírito e tenha feito o curso de treinamento. Além
disso, cremos que um líder deveria demonstrar
pelo menos quatro características: ser submisso,
ensinável, transparente e tratável.

27
Inimigos da Visão

 8. Falta de visão de crescimento.


 Se a liderança não tem uma visão de
crescimento, as células perdem a razão de
existir. Sem visão não há projeto, sem
projeto não há alvos, e sem alvos ficamos
à deriva. Se desejamos grupos,
precisamos pensar em termos de
multiplicação, e não mais de adição.

28
Inimigos da Visão

 9. Falta de unidade.
 Um povo dividido não constitui ameaça
para o Inferno, e pode realizar muito pouco
para o reino de Deus. A falta de
unanimidade é uma brecha terrível e deve
ser eliminada a qualquer preço.

29
Inimigos da Visão

 10. A célula não pode ser apenas mais uma


das atividades da igreja.
 Não é possível conciliar as células com muitas
programações semanais. No geral, as pessoas
preferem os grandes eventos às reuniões dos
grupos. Assim não deve haver concorrência com
as reuniões de grupo. Quando as células são
apenas mais uma atividade da igreja, elas logo
definharão.

30
Inimigos da Visão

 11. Imediatismo
 Precisamos ser cautelosos quando
colocamos alvos de multiplicação para as
células. Um alvo exageradamente alto,
influenciado pelo nosso imediatismo, pode
ter um efeito contrário. Ao invés de
estimular, pode trazer prostração. Antes de
estabelecer alvos, devemos pedir
discernimento ao Senhor e ouvir os
nossos liderados.

31
Inimigos da Visão

 13. Modismo.
 Precisamos ter consciência de que as células são,
antes de tudo, uma orientação bíblica, que tem
demonstrado ser muito funcional em todo o
mundo. Os grupos são uma estratégia para a
edificação da igreja. Eles somente funcionarão, se
eu tiver clareza sobre o que significa edificar a
igreja. Modismo é copiar um método, sem
entender a sua finalidade

32
Inimigos da Visão

 14. Falta de treinamento dos líderes.


 Um grande impedimento para o
crescimento dos grupos é a falta de
treinamento adequado para os líderes. Um
líder precisa de um treinamento básico.
Multiplicar células é multiplicar líderes! Se
os líderes não são treinados, as células
param.

33
Inimigos da Visão

 15. Falta de disciplina nas reuniões.


 Não podemos ter um grupo que faz de
cada reunião um evento festivo;
entretanto, um grupo que retira a
comemoração da dimensão da sua
espiritualidade está condenado a morrer.
Deve haver um equilíbrio.

34
Inimigos da Visão

 16. O grupo não possuir um líder em


treinamento.
 O treinamento mais apropriado é aquele
feito pelo discipulado. O líder em
treinamento é muito mais do que um
auxiliar do líder; ele é alguém que está
aprendendo, com o objetivo de assumir a
liderança. Ele é um discípulo!

35
Inimigos da Visão

 17. Preletores de fora.


 O líder de célula é proibido de convidar
preletores de fora sem o consentimento do
pastor da Rede. Somente o pastor tem
autoridade para convidar um pregador de
fora.

36
Inimigos da Visão

 18. Demora em se multiplicar.


 Quando um grupo atinge 15 pessoas, ele deve se
multiplicar. O discipulador e o líder devem planejar a
multiplicação com bastante antecedência, para que,
no momento de executá-la, o grupo já tenha o novo
anfitrião e o novo líder.
 Quando tarda a multiplicação, as pessoas se tornam
inconstantes nas reuniões e a estrutura da casa entra
em colapso. Não há como todos compartilharem e a
reunião fica como o culto de domingo. Já não há um
apascentamento adequado e os membros se
37 acomodam.
Inimigos da Visão

 19. Competição entre grupos.


 Os participantes de uma célula tendem a
desenvolver um ambiente de equipe e
passam a encarar os alvos de
multiplicação como uma competição entre
grupos. A competição é um meio de
interação que não deveria ser estimulado
na igreja. O ambiente dos grupos deve ser
de cooperação mútua.

38
O Anfitrião como fator
de crescimento da
célula
CTL

39
O anfitrião é parte
integrante da nossa
visão.

40
1 – O anfitrião é parte
integrante da nossa visão.
 Cada casa é uma extensão da Igreja.
 É alguém que foi conquistado pela
visão.
 Ele está compromissado com os seus
bens, seu tempo e a sua vida.
 Cremos na benção de Obede Edom
II Sm 6:11.

41
1 – O anfitrião é parte
integrante da nossa visão.
 A casa é a Arca que contém a presença
de Deus.
 Na estrutura de célula o Anfitrião é a
segunda pessoa em importância.
 Portanto é uma pessoa que deve ser
gerada, cuidada e valorizada.

42
1 – O anfitrião é parte
integrante da nossa visão.
 a – O gerar
 A célula tem o alvo de crescimento e
multiplicação. O anfitrião também tem que
ser gerado e formado.
 O anfitrião deve ser colocado como motivo
de oração.
 A benção na vida do anfitrião desperta em
outros o desejo de o serem também.

43
1 – O anfitrião é parte
integrante da nossa visão.
 b – O cuidado
 O líder deve apascentar bem o anfitrião.
Ajudá-lo a ser hospitaleiro e envolvido com
a célula.

44
1 – O anfitrião é parte
integrante da nossa visão.
 c – A valorização
 Periodicamente o anfitrião deve ser
honrado diante da célula.
 Na multiplicação, final de ano, ou na
mudança de anfitrião.

45
As qualificações do
Anfitrião.

46
2 – As qualificações do
Anfitrião.
 Hospitaleiro – Alegria e cordialidade com
os irmãos.
 Ensinável – tratável.
 Encargo com a célula.
 Vida de oração, jejum e Palavra.

47
As
responsabilidades
do Anfitrião.

48
3 – As responsabilidades
do Anfitrião.
 Ter um compromisso com a célula por
um período mínimo de 3 meses.
 Receber a célula em sua casa, sempre
com disposição e amor.
 Ser hospitaleiro.
 Deve preparar o ambiente físico e
espiritual para a reunião da célula.
 Deve sempre estar presente, e pontual.

49
3 – As responsabilidades
do Anfitrião.
 Guardar o ambiente espiritual. Desligar
televisão, priorizar a reunião diante dos
demais membros da casa.
 Informar ao líder sobre os abusos de
liberdade,e de possíveis prejuízos
causados pelos irmãos.
 O anfitrião não deve reclamar com a
célula, e sim em particular com o líder.
 Convidar os vizinhos.
 Estar disponível para abençoar aqueles
que o procurarem durante a semana. 50
Os tipos de
Anfitrião.

51
Tipos de Anfitrião
O Indiferente
. Não participa da reunião;
. Não recebe as pessoas;
. Não se envolve com a reunião
e muito menos com os
participantes da célula;
. Apatia em relação às
necessidades das pessoas.

Lema : “Já faço muito em liberar a casa para a


reunião”. 52
Tipos de Anfitrião
O Falante
. Não dá oportunidade para
o líder e nem para os
membros da célula falarem;
. Tende a monopolizar todas as
atenções;
. Fala o que não deve.
Torna-se inconveniente.
Lema : “Eu falo os outros ouvem”. 53
Tipos de Anfitrião
O Constrangedor
. Não dá liberdade para uso
da casa;
. Restringe áreas essenciais;
. Mostra descontentamento
com incidentes durante
as reuniões;

Lema : “As minhas coisas não estão à disposição 54

da célula”.
Tipos de Anfitrião
O Mal-humorado
. Nunca sorri;
. O dia que o Senhor fez é
sempre ruim;
. A alegria da Salvação ele
ainda não conhece;
. Tira a liberdade do visitante.

Lema : “No mundo tereis aflições”. 55


Tipos de Anfitrião

O Controlador
. “Cuida” da vida dos
membros da célula mais
que da sua própria.
É bisbilhoteiro;
. Tenta manipular o líder;
. Expressa postura de
superioridade em relação à célula.
Lema : “Ajoelhou tem que rezar”. 56
Tipos de Anfitrião

O Ideal
. Gentil no acolhimento
às pessoas;
. Envolve-se com os irmãos.
. Educado para orientar quanto ao
uso da casa;
. Participa intensamente da reunião.
. Inspira outros a serem anfitriões
Lema : “A célula é minha família”. 57
O processo de
crescimento de uma
célula
O processo de crescimento

 O crescimento não é uma questão de


apenas desafiar e estimular os irmãos ou
mesmo criar atividades na célula.
Precisamos avaliar e fortalecer cada etapa
do processo reprodutivo. Se fazemos isso
teremos crescimento constante e não
momentos esporádicos de explosão.

 Existem quatro elementos que estão


envolvidos no processo de reprodução de
59 uma célula.
O processo de crescimento
 Atração - Por que as pessoas vêm?

 Envolvimento - Por que as pessoas


permanecem?

 Reprodução - As pessoas estão sendo


treinadas?

 Multiplicação - Novos líderes foram


levantados?
60
1. Atração

 O que atrai as pessoas para a minha célula?


Seja honesto e evite o excesso de
espiritualização. Procure ser realista e prático.
 Existem inúmeras possibilidades: amizade,
ambiente de família, curas, profecias, pregação,
assistência social, proximidade da casa, música,
ambiente amoroso, entusiasmo, etc.
 Jesus mostrou que a Igreja tem de ser um lugar
de atração quando usou o exemplo do sal e da
luz em Mateus 5.
61
1. Atração
 Pela experiência percebemos que o sal possui
pelo menos cinco características:

 a. Dá sabor
 b. Preserva da deterioração.
 c. Produz sede
 d. Anula a ação do fermento
 e. Somos salgados pelo fogo

 Porque cada um será salgado com fogo.


Mc. 9:49
62
1. Atração
 Pela experiência percebemos que a luz possui pelo
menos quatro características:
 A luz dissipa as trevas

 A luz é direção e rumo

 A luz representa lucidez, clareza e esclarecimento

 A luz exerce atração e fascínio

 Somos salgados pelo fogo, mas somos cheios de luz


quando o contemplamos, como aconteceu com Moisés.
 Contemplai-o e sereis iluminados, e o vosso rosto
63 jamais sofrerá vexame. Sl. 34:5
2. Envolvimento

 Aqui as pessoas precisam estabelecer


relacionamentos com outros e construir um
envolvimento com a Igreja. Também chamamos
esta etapa de consolidação.
 A grande pergunta aqui é “por que as pessoas
não permanecem em nossa célula?” Existem
células que são um verdadeiro ímã para atrair,
mas não conseguem reter as pessoas.
 O envolvimento acontece em vários níveis:
64
2. Envolvimento

 O envolvimento com outras pessoas;

 O envolvimento com atividades;

 O envolvimento com objetivos comuns;

 O envolvimento com uma visão;

 O envolvimento com uma fé comum.


65
3. Reprodução

 Este é o motivo porque uma igreja

Treinamento e
cresce:
Discipulado
 Paulo disse a Timóteo:
 E o que de minha parte ouviste
através de muitas testemunhas, isso
mesmo transmite a homens fiéis e
também idôneos para instruir a
outros. II Tm. 2:2
66
3. Reprodução
PAULO TIMÓTEO

HOMENS
OUTROS
FIÉIS

VOCÊ OUTROS
67
3. Reprodução

 Jesus também disse que fazemos discípulos


ensinando-os a guardar a Palavra.
 Ide, portanto, fazei discípulos de todas as
nações, batizando-os em nome do Pai, e do
Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a
guardar todas as coisas que vos tenho
ordenado. E eis que estou convosco todos
os dias até à consumação do século. Mt.
28:19-20
68
4. Multiplicação

 A nossa visão de conquistarmos a essa


geração não será atingida a menos que a
reprodução resulte em multiplicação.
 A multiplicação da célula somente acontece
quando multiplicamos líderes. Possuir um ou
mais líderes em treinamento é parte vital da
visão, pois somente assim poderemos manter o
processo se repetindo em novos ciclos nas
próximas células.
69
O exemplo de Jesus e
Zaqueu
 Atração - Zaqueu subiu numa árvore para ver
Jesus indicando o poder de atração do Senhor.

 Envolvimento - Jesus se dispôs a ir se


hospedar na casa de Zaqueu. Isto é o processo
de envolvimento. Jesus fez amizade com
Zaqueu e foi até chamado amigo de pecadores.

70
O exemplo de Jesus e
Zaqueu em Lucas 19:1-10
 Reprodução - a atitude de Zaqueu de restituir a
qualquer um que tivesse defraudado já é o
processo de reprodução, pois Jesus já o estava
ensinando e treinando.

 Multiplicação - no verso 10 Jesus diz que ele


veio para buscar e salvar o pedido. Isto aponta
para o processo de multiplicação.

71
O Caminho do
Vencedor
SAÍDA
72
Conheça detalhadamente
as etapas do ensino na
Videira
 A Videira, tem um processo de ensino que é
uma oportunidade de crescimento para
cada novo cristão.
 Levar um bebezinho espiritual a si tornar
um líder maduro, através de um caminho.
 Chamamos esse processo de “O caminho
do vencedor” ou “O caminho para a
maturidade”.
73
TUDO COMEÇA COM O
ENCONTRO COM DEUS

O ENCONTRO É UMA EXPERIÊNCIA 74


MARCANTE COM DEUS
O Encontro
 O Encontro é um retiro de três
dias onde pessoas que foram alvo
de oração de um dos irmãos da
célula irão participar.
 Nesse fim de semana o evangelho
e muitos princípios espirituais são
mostrados de modo contundente e
maravilhoso.

• Normalmente quem participa de um dos nossos


encontros vivem uma experiência de conversão e
mudança de vida marcantes. 75
76
Curso das Águas
 Na segunda-feira após o Encontro é realizado na
Tenda da Videira, a “Festa dos Salvos”, onde todos os
encontristas dos quatro Encontros são recepcionados;
 Na “Festa dos Salvos” há ministração de louvor,
testemunhos de encontrista e ainda a ministração das
lições 3, 4 e 5 do livro do Curso das Águas.
 Na quarta, um pastor ou obreiro ministrará as lições 8, 9 e
10 e na quinta as lições 13, 14 e 15 do livro do Curso das
Águas.
 As demais lições são ministradas pelo líder da célula.

77
A Célula

 Você, como um novo crente será imediatamente inserido numa


célula onde passará a receber o que precisa para continuar no
Caminho do Vencedor.
 E mais, o novo crente receberá, visitas e possivelmente
telefonemas dos irmãos. Ele encontrará durante doze semanas
com o anjo da guarda para estudar o nosso livro “Curso de
Consolidação” (Aluízio A. Silva - Editora Videira).
 Esse livro trata de princípios importantíssimos para essa fase
da vida com Deus. Será uma bênção satisfazer a sua fome
espiritual (colostro espiritual).
 Além disso, esses encontros semanais serão uma forma de
integrar e inserir o novo crente na vida normal da Igreja.
78
Esse acompanhamento
chamamos Anjo da Guarda

79
80
Festa das Águas

 A Festa das Águas ocorre


geralmente um mês após
o encontro.
 A Festa das Águas
sempre acontece aos
sábados à noite, na Tenda
da Videira.
 Você pode convidar as
pessoas que lhe são
importantes para estarem
presentes, é um momento
81
evangelistico também.
 Vimos que muitos novos
convertidos em nosso meio tinham
muita dificuldade de manusear a
Bíblia Sagrada e mesmo
compreender os nossos cursos
quando citávamos situações e
personagens.
 Para resolver isso, passamos a
oferecer este curso, que
tem duração de três meses.
 Ele é feito ao novo convertido por
uma outra pessoa mais experiente
na fé.
82
83
O Curso de Maturidade no
Espírito - Cursão
 De todos os cursos que
oferecemos, este é o mais
profundo e consistente e de maior
impacto prático para a sua vida.
 Ele é semestral com aulas dadas
duas vezes por semana.
 Ele começa com princípios muito
práticos como:
- Ter revelação na Palavra;
- Andar no Espírito;
- O plano da Redenção;
84
- Transformação da alma;
O Curso de Maturidade no
Espírito - Cursão
- Guerra espiritual
- Alimentos e inimigos da fé
- Disciplinas do Espírito
- A plenitude do Espírito
- O Reino e a volta de Jesus
 Se você vier a Deus com fome e
sede, com desejo de ganhar cada
verdade apresentada como
experiência, a sua vida será
mudada! Você crescerá,
avançará e amadurecerá muito.
 Temos visto ao longo dos anos
milhares de pessoas passarem 85
por essa experiência (16 anos).
86
Curso de Treinamento
de Líderes - CTL
 Como etapa final no “Caminho do Vencedor”,
este curso te capacitará a liderar uma célula.
 Te ensinará a:
- Preparar uma palavra com clareza, vida e unção,
- Ter ferramentas para aconselhar,
- Dirigir louvor,
- Orar com enfermos,
- Apascentar as vidas que o Senhor te der,
- Discipular seus líderes em treinamento a fim de
que se tornem líderes de êxito como você.
87
O Caminho do Vencedor

88
Conclusão do Caminho do
Vencedor
 Acrescentamos que a sua
resposta diante de Deus e em
cada circunstância vivida por
você é fundamental no seu
progresso.
 Não será apenas fazer esses
cursos e receber teoria que te
transformará num líder. Nosso
alvo é transmitir VIDA.
 É preciso pôr em prática, viver e
experimentar cada uma das VIDA
verdades
89
recebidas.
Curso Básico Pastoral -
Seminário
 Ao final do Caminho do Vencedor, o
irmão que tem o interesse em se
aprofundar no conhecimento da Palavra
de Deus pode se matricular no Curso
Básico Pastoral.
 Nem só os "Vocacionados ao Ministério"
podem fazer o seminário, mas todos os
interessados em aprender mais da
Palavra.

90
Curso Básico Pastoral -
Seminário
• Contudo, o seminário é o caminho
natural para os futuros pastores da
Videira.
• Para se matricular é necessário uma
carta de recomendação do pastor da
rede, ou pastor da igreja, no caso de
membros de outras igrejas locais.

91